Brasil Mineral
17/08/2022 20:00h

O curso será realizado entre 23 e 26 de agosto, de forma híbrida (presencial ou remota) a partir da sede do CETEM, no Rio de Janeiro

O Centro de Tecnologia Mineral (CETEM) e o Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovações (MCTI) recebem inscrições até 19 de agosto para a 2ª edição do curso "Mineração Urbana: conceito e análise do potencial dos resíduos eletroeletrônicos”. O curso será realizado entre 23 e 26 de agosto, de forma híbrida (presencial ou remota) a partir da sede do CETEM, no Rio de Janeiro. O curso é composto por quatro etapas, com carga horária total de 20 horas. 

A etapa 1 aborda os Conceitos básicos da Mineração Urbana, enquanto a Etapa 2 as Oportunidades e desafios da Mineração Urbana. Já as Etapas 3 e 4 tratam, respectivamente do Potencial da recuperação de materiais secundários e Indicadores e circularidade. Estudos de caso. Os interessados podem cursar todas as etapas ou optar por cursar apenas módulos específicos. O certificado será concedido a todos os participantes que obtiverem pelo menos 75% de frequência.

Copiar o texto
17/08/2022 19:50h

Estudo apresentado pelo instituto nesta quarta-feira (17) estima queda para 4,1% até dezembro

Baixar áudio

Um estudo apresentado nesta quarta-feira (17) pelo presidente Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), Erik Figueiredo, aponta estimativa de queda na extrema pobreza no Brasil até o final de 2022. Antes da pandemia, em 2019, esse índice era de 5,1%.  A projeção indica a queda do percentual para 4,1% até dezembro deste ano. 

“Essa é uma estimativa baseada em ações concretas do Ministério da Cidadania, que é o processo de zeragem da fila do Auxílio Brasil, o que de fato tem impacto”, disse Figueiredo em entrevista coletiva no Palácio do Planalto.

O estudo revela também que o Brasil tem ido na contramão do que ocorre com a extrema pobreza ao redor do mundo. Desde 2019, o indicador global cresceu 15%, enquanto em território nacional caiu 24%. O índice de extrema pobreza também caiu em todas as regiões brasileiras. “As quedas mais fortes estão na região Norte e Nordeste, com destaque para o Acre, Bahia e Pernambuco”, explicou Figueiredo.

As estimativas do Ipea foram feitas com base no aumento do número de famílias beneficiadas pelo Auxílio Brasil. No primeiro semestre de 2022, quatro milhões de famílias foram adicionadas ao programa, segundo o governo federal. 

Em relação ao orçamento, o reajuste no valor do benefício, que passou de R$ 400 para R$ 600, aumentou o custo do Auxílio Brasil em mais de R$ 30 bilhões até agosto deste ano. O Nordeste foi a região que mais recebeu recursos (R$ 13,3 mi), seguido pelo Sudeste (R$ 9,6 mi), Norte (R$ 3,1 mi), Sul (R$ 2,2 mi) e, por fim, Centro-Oeste (R$ 1,8 mi). 

Auxílio e mercado de trabalho

Durante a apresentação do estudo, Figueiredo também ressaltou que, para cada mil famílias incluídas no Auxílio Brasil, há geração de 365 novas vagas de emprego na mesma localidade. 

"Antes, você não podia acumular o Auxílio Brasil e um emprego formal. As pessoas optavam, dependendo das condições de trabalho, por permanecer no programa social e obter algum tipo de renda informalmente. Com essa porta de saída, você agora pode acumular o programa social e a carteira de trabalho assinada, você pode permanecer dois anos no programa. Isso facilitou que o mercado de trabalho, aquecido, possa demandar pessoas do mercado informal e do Auxílio Brasil", disse.
 

Copiar o texto
17/08/2022 18:00h

A temperatura pode variar entre 20°C e 40°C

Baixar áudio

Nesta quinta-feira (18), muitas nuvens com pancadas de chuva isoladas e trovoadas no Amazonas, Roraima e leste rondoniense.

No Acre, Amapá, baixo amazonas e Marajó, muitas nuvens com possibilidade de chuva isolada. 

Nas outras localidades do Pará e em Tocantins, poucas nuvens com névoa seca.

A temperatura mínima para a região Norte fica em torno dos 20ºC, e a máxima pode chegar aos 40ºC. A umidade relativa do ar varia entre 20% e 95%.

As informações são do Instituto Nacional de Meteorologia.


 

Copiar o texto
17/08/2022 18:00h

A temperatura pode variar entre 15ºC e 35ºC

Baixar áudio

A previsão para esta quinta-feira (18) é de muitas nuvens com possibilidade de chuva isolada nas regiões do oeste maranhense, leste potiguar, mata e agreste paraibano, mata e agreste pernambucano. O mesmo vale para o leste e agreste alagoano, leste sergipano, nordeste e sul baiano.

Nas demais regiões dos estados e no Piauí e Ceará, poucas nuvens, podendo haver névoa seca no centro maranhense e sul maranhense, sudoeste piauiense, Vale São-Franciscano da Bahia e extremo oeste baiano.

A temperatura mínima para a região Nordeste fica em torno dos 15ºC, e a máxima prevista é de 35ºC. A umidade relativa do ar varia entre 40% e 95%.

As informações são do Instituto Nacional de Meteorologia.
 

Copiar o texto
17/08/2022 18:00h

A temperatura pode variar entre 3ºC e 23ºC

Baixar áudio

Nesta quinta-feira (18), muitas nuvens com pancadas de chuva isoladas e trovoadas nas regiões da grande Florianópolis, Vale do Itajaí, norte catarinense, noroeste e centro oriental paranaense e metropolitana de Curitiba.

Nas demais regiões de Santa Catarina, Paraná e no estado do Rio Grande do Sul, muitas nuvens com possibilidade de chuva.

A temperatura mínima para a região Sul fica em torno dos 3°C, e a máxima prevista é de 23ºC. A umidade relativa do ar varia entre 25% e 100%.

As informações são do Instituto Nacional de Meteorologia.
 

Copiar o texto
17/08/2022 18:00h

A temperatura pode variar entre 12ºC e 33ºC

Baixar áudio

Nesta quinta-feira (18), muitas nuvens com pancadas de chuva isoladas e trovoadas em São Paulo, Rio de Janeiro e nas regiões mineiras de Alto Paranaíba, Triângulo Mineiro, sul e sudoeste de Minas.

No litoral norte e central espírito-santense, muitas nuvens com possibilidade de chuva isolada. Nas demais regiões de Minas Gerais e Espírito Santo, poucas nuvens. Pode haver névoa seca no noroeste e norte de Minas.

A temperatura mínima para a região fica em torno dos 12ºC, e a máxima prevista é de 33ºC. A umidade relativa do ar varia entre 20% e 95%.

As informações são do Instituto Nacional de Meteorologia.

Copiar o texto
17/08/2022 18:00h

A temperatura pode variar entre 8ºC e 40ºC

Baixar áudio

Nesta quinta-feira (18), poucas nuvens com névoa seca no Distrito Federal, nordeste mato-grossense e no noroeste e norte goiano. Nas demais regiões do Goiás, Mato Grosso e em todo o estado do Mato Grosso do Sul, muitas nuvens com pancadas de chuva isoladas e trovoadas. 

Durante a madrugada, a temperatura mínima para a região fica em torno dos 8°C. Já na parte da tarde, a máxima pode chegar aos 40°C no norte mato-grossense. A umidade relativa do ar varia entre 15% e 95%.

As informações são do Instituto Nacional de Meteorologia.
 

Copiar o texto
17/08/2022 17:31h

Data limite para envio dos cadastros é 11 de setembro deste ano

Baixar áudio

O Ministério do Trabalho e Previdência iniciou o pagamento das duas primeiras parcelas de R$ 1.000 (cada) do benefício taxista na terça-feira (16). A medida foi estabelecida pela Emenda Constitucional nº 123. O volume total de recursos soma mais de R$ 490 milhões.

Do total de 300.771 taxistas cadastrados, 251.256 estavam elegíveis para receber o benefício nesta primeira etapa, e 49.515 foram considerados inelegíveis por questões legais, como não estar registrado até 31 de maio de 2022, não estar exercendo a atividade, Cadastro de Pessoa Física (CPF) e Carteira Nacional de Habilitação (CNH) inexistentes, entre outros.

Sued Silvio, 42, é taxista em Brasília (DF) há mais de vinte anos. Como estava com a renovação e autorização em dia, ele vai receber o benefício, mas conta que nem todos os motoristas de táxi que conhece conseguiram se eleger para o primeiro lote. “Não estavam em dia, por vários motivos. Alguns porque estavam trocando de carro, é obrigatório a troca de veículo, a lei do DF dá uma idade máxima de 8 anos. O Detran demorou a emitir alguns documentos, ou em outros casos, a própria CNH do taxista. E com isso o taxista não conseguiu renovar ou concluir o processo”, explica. O pagamento do segundo lote está previsto para o dia 30 de agosto, e a data limite para envio dos cadastros é 11 de setembro de 2022. 

Ainda de acordo com Sued, o valor veio em ótima hora. A manutenção e troca do veículo é importante para que ele consiga continuar exercendo a profissão, que hoje enfrenta o problema da escassez de clientes. “Passageiros todos empobrecidos, sem renda, sem condições de andar de táxi. Nosso táxi aqui de Brasília, por exemplo, está há mais de seis anos em reajuste de tarifa, não conseguimos reajustar agora senão vai sacrificar mais os nossos passageiros”, afirma.

Reginaldo Soares, 40, também taxista, concorda com Sued na questão da manutenção do automóvel. Além disso, acrescenta que o valor vai ajudar em casa, “esse dinheiro vai servir para a gente pagar nossas contas, que estamos todos endividados, né? Veio a pandemia, veio o combustível muito caro”. 

Nilson Noronha, 46, comemora, pois já recebeu as duas parcelas. “O benefício foi muito bom para nossa categoria, pela crise que nós passamos tanto pandemia quanto recessão do país mesmo. Vamos conseguir pagar algumas contas que estão atrasadas, garantindo até o final do ano”, concorda. 

Caminhoneiro-TAC: autodeclaração para receber benefício vai até 29 de agosto

Pagamento

Para quem está cadastrado e elegível, os valores do benefício são creditados automaticamente no aplicativo Caixa Tem, sem necessidade de outro cadastro ou envio de dados. A conta poupança é aberta automaticamente pela Caixa em nome dos beneficiários.

Vale lembrar que se a conta não for movimentada em até 90 dias, os recursos depositados serão recolhidos pelo Tesouro Nacional.
 

Copiar o texto
Dr. Ajuda
17/08/2022 17:00h

Nesse vídeo a Dra. Karina Bonfiglioli dá mais detalhes sobre a doença

Baixar áudioBaixar áudioBaixar áudio

Você tem ou conhece alguém que tem Artite reumatóide? Já ouviu falar de Reumatismo?

Nesse vídeo a Dra. Karina Bonfiglioli dará mais detalhes sobre o que é, os principais sintomas, quem tem maior risco, como é feito o diagnóstico, tratamento e muito mais sobre esse problema que acomete 1% da população: a Artrite reumatóide

A artrite reumatoide é uma doença autoimune que acomete principalmente a membrana das articulações e tendões:  a membrana sinovial.

Quando você deve suspeitar que tem Artrite reumatóide? Quais são os principais sintomas?  Existem vários sintomas, dentre esses eu vou destacar os principais: 

  1. Você tem dor? O primeiro sintoma é dor e inchaço nas articulações das mãos e punhos, principalmente (mas também pode acometer pés, cotovelos, tornozelos, joelhos, quadris e ombros) 
  2. A dor é pior pela manhã ou após longos períodos de repouso, e melhora com movimento?
  3. No período matinal, após acordar, sente uma sensação de rigidez e limitação das articulações, que dura mais de meia hora, e melhora com a movimentação da articulação?
  4. Você tem outros sintomas como fadiga, mal-estar e indisposição?
  5. Seu quadro teve início de forma leve e foi progredindo lentamente?
  6. Seu quadro já dura mais do que seis semanas?

Tudo isso não ocorre de repente, essa é uma doença crônica e sua evolução vai ocorrendo gradativamente durante semanas. A maioria das doenças autoimunes não tem apenas uma causa, e nem todas as causas são conhecidas.

Mas alguns fatores para Artrite reumatóide já foram identificados:

  1. Predisposição genética: a Artrite reumatóide em geral tem associação com outras casos de doença reumática na família, e algumas alterações genéticas especificas já foram identificadas
  2. Tabagismo: O cigarro pode promover a formação de anticorpos em pacientes que tem propensão genética para isso. Mesmo quem já parou de fumar pode estar em maior risco
  3. Alterações nas bactérias da boca e do intestino: Desbalanços na flora do trato digestivo parecem estar relacionados com diversas doenças autoimunes, pois estimulam o sistema imunológico, e esse excesso de estímulo pode desencadear a autoimunidade em predispostos
  4. Fatores hormonais: por ocorrer mais em mulheres, acredita-se hormônios femininos e suas variações podem estar relacionadas a doença
  5. Contato com vírus diversos ao longo da vida, que podem também servir como gatilhos para autoimunidade.

A primeira linha de tratamento é o medicamento metotrexato, que pode ser associado a outras drogas imunossupressoras (como a Cloroquina, a Sulfassalazina ou a Leflunomida). Esse grupo é chamado de Medicamentos Modificadores do Curso da Doença (MMCDs) sintéticos convencionais. 

Quando a doença é refratária a essa primeira linha de opções, é necessária a utilização de MMCDs biológicos ou MMCDs sintéticos alvo-específicos. A indicação para cada caso deve ser minuciosamente avaliada por um Reumatologista. A abordagem não medicamentosa também é importante. O paciente deve ser preferencialmente acompanhado por uma equipe multidisciplinar, que inclui avaliação nutricional, terapia ocupacional e fisioterapia. Deve-se manter um bom condicionamento muscular para proteção articular, o que contribui para evitar deformidades e lesões irreversíveis. O uso de órteses nas mãos também auxilia no controle de dor e na prevenção de sequelas articulares.

Para saber mais detalhes sobre o assunto, assista ao vídeo no canal Dr. Ajuda.

Copiar o texto
Desenvolvimento Regional
17/08/2022 12:15h

Onda de frio vai derrubar temperaturas e pode causar chuvas intensas, ventos fortes, geadas e até neve. Preocupação é com a população mais vulnerável

Baixar áudio

A Defesa Civil Nacional, em ação conjunta com as agências que integram o Sistema Nacional de Proteção e Defesa Civil (Sinpdec), está atuando na preparação para o enfrentamento à frente fria que atingirá as regiões Sul, Sudeste e Centro-Oeste do país a partir desta quarta-feira (17).

Além da queda de temperatura, a frente fria poderá causar chuvas intensas, tempestades, ventos fortes, geadas e até neve nas serras gaúcha e catarinense. Neste link, saiba mais como será em cada estado e os cuidados que a população deve tomar.

A ação integrada, alinhada em reunião on-line realizada nessa terça-feira (16), conecta todos os agentes federais que compõem o Sistema Federal aos estados, para atuarem na fase de preparação dos municípios para a chegada da onda de frio, protegendo a população dos efeitos dos desastres. Alertas já estão vigentes.

Um dos principais objetivos do encontro virtual foi traçar planos de contingência e ações de cuidados de cada estado e município com os mais vulneráveis, especialmente moradores de rua, idosos e crianças.

“Esta ação é de suma importância para a população, porque os estados podem se preparar adequadamente para cada tipo de problema e para que tenham uma resposta própria. Isso demonstra o amadurecimento do Sistema Nacional de Proteção e Defesa Civil”, explica a coordenadora de Monitoramento e Alerta do Centro Nacional de Gerenciamento de Riscos e Desastres (Cenad), Rosane Duque Estrada Vieira. “Estamos cada vez mais nos antecipando aos eventos, com a finalidade de resguardar a vida das pessoas. São ações fundamentais para a população como um todo”, destaca.

Participaram da reunião representantes dos ministérios do Desenvolvimento Regional; da Cidadania; da Mulher, Família e Direitos Humanos; da Saúde e do Programa Pátria Voluntária, além das defesas civis dos estados que serão afetados pela frente fria.

O Sistema Nacional de Proteção e Defesa Civil

O Sistema Nacional de Proteção e Defesa Civil (Sinpdec) é constituído por órgãos e entidades da administração pública federal, dos estados, do Distrito Federal e dos municípios e por entidades públicas e privadas de atuação significativa na área de proteção e defesa civil, sob a centralização da Secretaria Nacional de Proteção e Defesa Civil (Sedec) do Ministério do Desenvolvimento Regional (MDR), além da ampla participação da sociedade civil. O objetivo é evitar desastres e minimizar seus efeitos a partir de um conjunto de ações de prevenção, mitigação, preparação para emergências, resposta e reconstrução.

Copiar o texto
17/08/2022 11:10h

Além de expandir qualificação profissional no interior da Bahia, projeto auxilia as cidades a aproveitarem os recursos públicos que já estão disponíveis

Baixar áudio

Qualificação profissional de mais de 20 mil pessoas e geração de renda e emprego. Esse é o resultado de um trabalho de três anos de parcerias entre o Senai Bahia e as prefeituras do interior do estado, que busca identificar as demandas profissionais e realizar a inserção de pessoas capacitadas no mercado local. O projeto aproveita os recursos públicos que já estão disponíveis nesses municípios, provenientes dos ministérios da Cidadania e da Educação.

O modelo começou na unidade de Feira de Santana e a articulação do Senai com o poder público mostrou tantos resultados positivos que o projeto foi implementado nas outras 21 unidades, com capacidade de atuar em todos os 417 municípios baianos. Desde então, por meio da Gerência Comercial de Órgãos Públicos, o Senai Bahia vem ampliando a execução de cursos profissionalizantes com a ajuda de mapeamento de potencialidades e a identificação de áreas carentes.

Bianca Oliveira, gerente comercial de órgãos públicos do Senai Bahia, explica que atualmente o trabalho é mais proativo do que reativo, já que o Senai faz prospecções e visitas aos municípios, mostrando aos entes públicos daquela localidade as oportunidades que poderiam ser aproveitadas com os recursos já disponíveis. Alguns municípios, no entanto, procuram o Senai já sabendo do projeto para também elaborarem os planos de ação.

“Desde 2018 mais de 100 prefeituras já foram atendidas. Há ainda quase 50 atualmente em atendimento e outras 102 em prospecção”, conta Bianca.

Uma equipe capacitada e em constante atualização do Senai é a responsável por levar as soluções às prefeituras. Assim, toda a proposta já chega amparada com estudos, o demonstrativo da demanda profissional que já existe naquela localidade e os indicadores que podem evoluir em virtude da qualificação profissional. Mesmo porque são muitas as prefeituras que, por falta de pessoal ou recursos, não conseguem identificar essas oportunidades ou projetos que se adequem a esses recursos parados. Recursos esses que podem acabar voltando ao governo federal caso não sejam aproveitados pela prefeitura.

“A gente faz uma apresentação das qualificações profissionais que estão com demanda alta no mercado de trabalho, apresentamos também estudos de demanda futura. É quase que uma consultoria às prefeituras, informando quais são os segmentos que vão precisar de profissionais, sem esquecer da vocação econômica daquele território”, explica a gerente do Senai Bahia.

Guanambi, por exemplo, tinha à disposição mais de R$ 47 mil em recursos próprios, do Fundo de Participação dos Municípios, e foi identificada uma grande demanda de profissionais para trabalhar na concessionária de energia do município. Junto com a empresa, o Senai fez uma captação de vagas e informou à prefeitura sobre a necessidade de pessoas formadas em rede de distribuição de energia.

“Montamos uma reunião em conjunto, prefeitura, empresa e Senai. Esse é o projeto ideal, quando a gente encontra as vagas de mercado, através de estudo vocacional, aciona o poder público, mostrando que há vagas e recursos, e o Senai entra como principal executor. Esse é o casamento perfeito”, pontua.

Dessa turma que foi capacitada na área de elétrica pelo Senai, formada por 25 habitantes de Guanambi, 18 foram contratados por empreiteiras prestadoras de serviços da concessionária.

Bianca destaca que a qualificação profissional não só ajuda os municípios a gerarem mais emprego e renda, como o trabalho acaba refletindo em todo o estado baiano, melhorando índices, aproveitando melhor os recursos e abrindo portas para o empreendedorismo.

“A grande importância hoje da formação profissional é, em primeiro lugar, contribuir para o desenvolvimento sustentável daquela região, seja prefeitura, seja em nível de estado, porque a soma dessas prefeituras acaba desaguando num indicador maior de melhoria da empregabilidade. Então, a formação profissional hoje supre essa necessidade. Muitas vagas estão aí porque não tem pessoal capacitado”, analisa. 

Da qualificação ao empreendedorismo

Em Serrinha, interior baiano, o montante de R$ 335 mil em recursos precatórios do Fundeb foi utilizado para atender 500 pessoas num projeto para Educação de Jovens e Adultos (EJA) associado à capacitação profissional. O projeto ajudou a baixar o índice de evasão no município para este tipo de formação, de 25% para 4,9%, e a utilização correta dos recursos parados fez o município passar a receber um volume maior de repasses do governo para este fim.

E a capacitação profissional não apenas ajudou moradores de Serrinha, como também plantou a semente do empreendedorismo. Darlan Araújo da Silva, 39 anos, revela que a qualificação profissional trouxe oportunidades que antes pareciam impossíveis. Ele conseguiu tanto se qualificar como também gerar novos empregos com seu empreendimento.

“No primeiro momento eu não tinha nenhuma noção do que é a área industrial. Quando eu entrei no Senai, abriu muito a visão, a mente, do que é se profissionalizar. E com isso, veio o reconhecimento. Praticamente você já sai trabalhando. O Senai tem tudo para você já sair pronto, você já entra na indústria com toda a capacidade”, conta Darlan, que fez diversos cursos em Salvador, Feira de Santana e Serrinha, em áreas como elétrica e refrigeração. Atualmente, como empreendedor, está empregando outras pessoas que trilharam o mesmo caminho no Senai.

“Hoje tenho cinco colaboradores na minha equipe e todos eles têm o curso do Senai. Agora estamos tratando de reciclagens na área de segurança e planejando bolsa de estudos para cada um, pelo bom desempenho que tiveram, para fazerem mais cursos técnicos”, conclui.

Estudante de 17 anos ganha bolsa em uma das principais escolas técnicas da Europa
Bahia pode ser o centro do combustível do futuro, o Hidrogênio Verde

Barrocas

O município de Barrocas também foi beneficiado com o projeto. Segundo a unidade do Senai Bahia localizada na cidade, o índice de alfabetização de Barrocas é de quase 99%, mas a renda média é de apenas três salários mínimos, uma realidade que pode e vem sendo melhorada com a qualificação profissional.

O prefeito Jai de Barrocas explica que mais de 537 pessoas foram profissionalizadas pelo Senai nesses últimos anos e a parceria continua sendo fundamental para o município ao dar capacitação e resolver demandas importantes da cidade.

“Estamos pensando em contratar outros cursos porque isso é de uma importância muito grande. Gera renda e emprego, desafoga os problemas da prefeitura, já que por ser uma cidade pequena, as pessoas vivem em função da prefeitura mesmo. Então, isso é até uma forma de a gente gerar emprego”, relata o prefeito.

Além de Serrinha e Barrocas, vários outros municípios se beneficiaram com a parceria entre a prefeitura e o Senai. Em Vitória da Conquista, por exemplo, mais de R$ 1,3 milhão dos recursos PTS (Projeto Técnico Social) do Minha Casa Verde e Amarela foram direcionados a 4.481 famílias com ações socioeducativas e possibilitaram a formação profissional de 2.447 alunos, em cursos como panificação.

O Senai Bahia tem, ainda, uma Fábrica de Kits de educação profissional, os quais são utilizados em diversas das formações que oferece, aproveitando sua estrutura, profissionais qualificados e experiência.

E o modelo pioneiro de parceria com as prefeituras, segundo Bianca Oliveira, virou uma referência para outros departamentos regionais do Senai. Atualmente, a unidade baiana recebe equipes de unidades de todo o país que desejam conhecer melhor o modelo para replicar o sucesso do empreendimento em seus estados.

Copiar o texto
17/08/2022 10:00h

Evento deve reunir os principais stakeholders da indústria do aço para debater as perspectivas e a importância do setor para a economia brasileira

O Instituto Aço Brasil (IABr) promove, nos dias 23 e 24 de agosto, o Congresso Aço Brasil 2022, que deve reunir os principais stakeholders da indústria do aço para debater as perspectivas e a importância do setor para a economia brasileira. O evento contará com a presença do Presidente Jair Bolsonaro e o Ministro da Economia Paulo Guedes e será realizado, de forma presencial, no Hotel Unique, em São Paulo, localizado na Av. Brigadeiro Luís Antônio, 4700 - Jardim Paulista. As inscrições para o público em geral devem ser feitas pelo link https://congressoacobrasil.org.br/. 

Alguns dos outros temas debatidos durante a série de palestras ainda visam discutir as mudanças climáticas e a indústria do aço; o cenário político das eleições 2022; e a visão dos CEOs sobre a indústria brasileira do aço. O Congresso começará às 9h com a cerimônia de posse do presidente e vice-presidente do Conselho Diretor do Instituto Aço Brasil e a participação de Jair Bolsonaro. 

O Painel 1 terá como tema ‘A nova ordem econômica mundial: Impactos nas cadeias globais’; o Painel 2 será ‘As mudanças climáticas e a indústria do aço’; o Painel 3 debaterá o ‘Papel estratégico da indústria do aço no desenvolvimento.’

No dia 24 de agosto, o Congresso abre com a ‘Conferência: Cenário político - ELEIÇÕES 2022’, com o cientista político, Murillo de Aragão. Na sequência, às o Painel 4 discute ‘ESG - Impacto no valor de mercado das empresas’; o Painel 5 será ‘Futuro da indústria brasileira do aço: A visão dos CEOs’. Às 12h30 é realizado o encerramento, com Jefferson De Paula - Presidente do Conselho Diretor do Instituto Aço Brasil/Presidente da ArcelorMittal Brasil, CEO Longos e Mineração LATAM.

Copiar o texto
17/08/2022 04:00h

Dados do Ministério da Saúde revelam que homens representam 95% dos casos da doença no país. Apesar dos dados, o ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, afirma que não se deve cometer os mesmos erros do passado relativos à discriminação

Baixar áudio

Os dados mais atualizados sobre a varíola dos macacos no Brasil, também chamada de monkeypox, revelam que mais da metade dos infectados (50,7%) afirmam ter relações sexuais com homens. E 42,6% preferiram não informar sobre o comportamento sexual. Do total de 2.833 casos confirmados, 1.124 declaram ter esse comportamento sexual, 75 afirmaram manter relações com mulheres e 74 com homens e mulheres. Outros 946 não informaram.

Os homens representam 95% dos casos em território nacional e a maior parte (93,87%) tem entre 18 e 49 anos. Sobre a orientação sexual, 18,5% afirmaram serem homossexuais e 75,6% não informaram. Em todo o mundo, os dados da Organização Mundial da Saúde apontam que 97,2% dos infectados são homens que fazem sexo com homens. Apesar dos dados, o ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, afirma que não se deve cometer os mesmos erros do passado relativos à discriminação.

“Essas referências feitas a homens que fazem sexo com outros homens é uma constatação tão somente epidemiológica. Já sabemos o que aconteceu na década de 1980 com HIV/Aids. Não é para discriminar as pessoas e, sim, para protegê-las”, disse o ministro em entrevista coletiva na sede do Ministério da Saúde nesta semana.

VARÍOLA DOS MACACOS: Drª Natalia Pasternak esclarece dúvidas sobre a doença

Homens representam 95% dos casos de varíola dos macacos no Brasil, diz Ministério da Saúde 

Em entrevista ao Portal Brasil 61, a Drª Natalia Pasternak, bióloga e pesquisadora da Universidade de Columbia, presidente do Instituto Questão de Ciência, autora e comunicadora científica, afirmou que não há grupo de risco específico para a varíola dos macacos. 

"Ela é uma doença contagiosa que passa de pessoa para pessoa, por contato íntimo prolongado. Então, contato de pele: se você abraça, beija, tem contato sexual, qualquer tipo de contato íntimo e prolongado, demorado - não é uma coisa rapidinha -, você pode pegar a varíola símia”, disse. 

Mesmo com a prevalência da doença entre homens, a Drª Pasternak destaca que qualquer pessoa pode ser infectada pelo vírus. “Qualquer um pode pegar. Essa doença tem sido prevalente, nesse último surto, em homens que fazem sexo com homens, por causa da presença das lesões na região genital e anal. Só por isso que temos feito um alerta mais específico para que as pessoas prestem atenção. Se você é um homem, que faz sexo com homem, tem ou teve múltiplos parceiros, parceiros anônimos, nos últimos 15 dias, então você deve redobrar a sua atenção para os sintomas dessa doença, para a presença de lesões”, conclui. 
 

Copiar o texto
17/08/2022 03:15h

No mercado financeiro, o preço da saca de 60 quilos do milho teve salto de 0,86% e é negociada a R$ 82,11

Baixar áudio

A saca de 60 quilos do café arábica começou a quarta-feira (17) com queda de 1,57% no preço e é vendida a R$ 1.278,49 na cidade de São Paulo. Já o café robusta teve elevação no valor. A alta foi de 0,44% e a saca é comercializada a R$ 732,44 para retirada no Espírito Santo. 

O açúcar cristal teve aumento de 0,26% no preço e o produto é vendido a R$ 129,47 em São Paulo. Em Santos, no litoral paulista, o valor da saca de 50 quilos, sem impostos, subiu 0,54% e a mercadoria é comercializada a R$ 125,87.

Vitamina D pode trazer benefícios e malefícios para a saúde

Caminhoneiro-TAC: autodeclaração para receber benefício vai até 29 de agosto

No mercado financeiro, o preço da saca de 60 quilos do milho teve salto de 0,86% e é negociada a R$ 82,11. Em Cascavel, no Paraná, o preço é R$ 82. Em Rondonópolis, no Mato Grosso, o milho é vendido a R$ 73. Em Uberaba, Minas Gerais, o preço à vista é R$ 75. Os valores são do Canal Rural e Cepea. 
 

Copiar o texto
17/08/2022 03:00h

No mercado financeiro, o preço da carcaça suína especial teve salto de 1,99% e o produto é negociado a R$ 10,76

Baixar áudio

A cotação da arroba do boi gordo começou a quarta-feira (17) com alta de 0,22% e o produto é negociado a R$ 314,20 em São Paulo. Em Goiânia, o produto é vendido à vista a R$ 281,50. Já em Barretos e Araçatuba, em São Paulo, a arroba é comercializada a R$ 293,50. 

O preço do quilo do frango congelado teve diminuição de 0,12% e o produto é vendido a R$ 8,10. O preço do quilo do frango resfriado teve redução de 0,12% e a mercadoria é comercializada a R$ 8,12.

Vitamina D pode trazer benefícios e malefícios para a saúde

Caminhoneiro-TAC: autodeclaração para receber benefício vai até 29 de agosto

No mercado financeiro, o preço da carcaça suína especial teve salto de 1,99% e o produto é negociado a R$ 10,76. Em Minas Gerais, o suíno vivo é vendido a R$ 7,95. No Paraná, o produto é comercializado à vista a R$ 6,77. Os valores são do Canal Rural e Cepea.
 

Copiar o texto
Saúde
16/08/2022 21:00h

Socorro Gross, representante da Organização Pan-Americana de Saúde no Brasil, disse que a pandemia evidenciou que as Américas devem diminuir a dependência da produção de outros países

Baixar áudio

A representante da Organização Pan-Americana de Saúde (Opas) no Brasil, Socorro Gross, defendeu que o Brasil e os vizinhos sul-americanos busquem autonomia quando o assunto é a produção de insumos e equipamentos estratégicos de saúde. Segundo ela, a pandemia ensinou que a dependência de medicamentos e de matérias-primas de outros países deve ser evitada. A declaração foi feita durante a abertura do 1º Fórum Global do Complexo Industrial da Saúde, em Brasília, nesta terça-feira (16). 

“Nossa região experimentou, nessa pandemia e, agora, com a monkeypox, que a globalização dos produtos também tem que ter um olhar de autonomia, soberania, proteção e seguridade. As Américas foram uma região totalmente desprotegida de produtos muito simples, que o Brasil tem tudo para produzir, como Equipamentos de Proteção Individual (EPIs) para os profissionais da saúde, medicamentos de alto e baixo custo, que hoje trazemos de outras regiões do mundo”, afirmou. 

“Que não tenhamos nunca uma repetição dessa natureza, onde indústrias de fora fecham e nós ficamos sozinhos”, apelou. Socorro Gross também disse que o Brasil tem potencial para ser referência desse movimento no nível regional. 

O ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, destacou que o Brasil é signatário de uma proposta no âmbito do G-20, que reúne as vinte maiores economias do mundo, que tem o objetivo de fortalecer os complexos industriais de saúde para garantir mais “equidade na oferta dos insumos estratégicos”. 

O titular da pasta também pontuou que o Brasil é um dos maiores mercados do mundo para a indústria farmacêutica e que o papel do governo é não atrapalhar a iniciativa privada. “Juntos, acreditando nos senhores, como nós acreditamos, nós podemos fazer muito mais. Temos uma estrada de mão dupla, que tem que ser construída de maneira compartilhada. É a parceria do governo com a iniciativa privada”. 

A diretora do Departamento do Complexo Industrial e Inovação em Saúde do Ministério da Saúde, Maíra Carneiro, concordou que este é o momento de fomentar a produção nacional de insumos na área da saúde. “A gente entende que está num momento de necessidade de fortalecimento de cadeias produtivas regionais e de suprimento, o contexto da necessidade de soberania de insumos farmacêuticos ativos (IFAS), dados os desafios impostos pela pandemia, a guerra e muitos outros que virão”, disse. 

O evento

O Complexo Industrial da Saúde (CIS) é formado pelos setores industriais de base química e biotecnológica, que produzem os fármacos, medicamentos, imunobiológicos, vacinas, hemoderivados e reagentes; e de base mecânica, eletrônica e de materiais, responsáveis pelos equipamentos mecânicos, eletrônicos, próteses, órteses e materiais. 

Esses setores industriais se relacionam com os hospitais, serviços de saúde e de diagnóstico, a sociedade e o Estado para ofertar serviços e produtos em saúde. No Ministério da Saúde, a atuação no CIS ocorre por meio da Coordenação-Geral do Complexo Industrial da Saúde. 

O fórum realizado pelo Ministério da Saúde nesta terça-feira promoveu o encontro e debates entre os representantes de instituições públicas e privadas que fazem parte do CIS. 

POLIOMIELITE: Campanha nacional pretende vacinar 95% das crianças menores de 5 anos

VARÍOLA DOS MACACOS: Queiroga diz que rede de diagnóstico da doença será ampliada até o fim de agosto

SARAMPO: Ministério da Saúde cria sala para monitorar casos da doença

Copiar o texto
16/08/2022 20:36h

Encontro foi realizado no Centro Nacional de Gerenciamento de Riscos e Desastres (Cenad), em Brasília, e contou a presença de 30 oficiais da força terrestre

Baixar áudio

O Ministério do Desenvolvimento Regional (MDR), por meio da Defesa Civil Nacional, promoveu, nesta terça-feira (16), um encontro com 30 representantes do Exército Brasileiro, que presta apoio à Pasta, quando necessário, nas ações de resposta a desastres naturais, além de ser responsável pela execução in loco da Operação Carro-Pipa, que leva água potável a áreas rurais do semiárido brasileiro. Além de debater a parceria, os militares também fizeram uma visita guiada às instalações do Centro Nacional de Gerenciamento de Riscos e Desastres (Cenad), em Brasília.

“Este é um evento extremamente importante, pois é de preparação para emergências e envolve uma instituição importantíssima nas respostas aos desastres, tanto pela capilaridade que tem em todo o país, que é de dimensões continentais, como também na sua capacidade operacional, logística e seu treinamento para ações de defesa civil”, afirmou o secretário nacional de Proteção e Defesa Civil, coronel Alexandre Lucas.

“O Exército brasileiro é uma instituição recorrentemente envolvida na resposta aos desastres, tanto com aeronaves quanto com a logística. Sempre foi uma instituição muito séria, parceira, comprometida, preparada e está disponível 24 horas por dia. Todo o Brasil precisa do apoio do Exército em casos de desastre”, completou o secretário.

Coronel do Exército Brasileiro, Alexandre Rodrigues, que é do Comando de Operações Terrestres, destacou a importância do encontro desta terça-feira. “Nosso objetivo é entender melhor o Sistema Nacional de Proteção e Defesa Civil (Sinpdec) e como as capacidades inerentes às forças terrestres podem ser utilizadas em apoio à população”, explicou. “Essa parceria existe por meio dos Ministérios do Desenvolvimento Regional e da Defesa, que aciona as Forças quando necessário. Esse acordo de cooperação baliza as ações desencadeadas pelas Forças Armadas nos momentos de resposta ao desastre”, completa.

Organização das Nações Unidas

Também nesta terça-feira, o diretor do Cenad, Armin Braun, recebeu representantes da Organização das Nações Unidas (ONU) para uma reunião técnica (foto à esquerda). Um dos participantes foi o vice-chefe do Escritório Regional para as Américas e o Caribe das Nações Unidas para a Redução do Risco de Desastres, Nahuel Arenas.

“O escritório das Nações Unidas tem uma parceria muito forte com a Defesa Civil Nacional. Os desastres acontecem a todo o momento e nós temos que estar prontos para responder aos desastres. Temos a missão de apoiar os governos nacionais e locais a responderem da melhor forma”, afirmou Arenas.

Durante a reunião, Braun se referiu ao Marco de Sendai, definido na Assembleia do Escritório de Redução de Riscos de Desastres da ONU, realizada na cidade japonesa em 2015. Ele dá continuidade às ações definidas pelo Marco de Hyogo, estabelecendo diretrizes para que os governos locais possam investir no desenvolvimento da resiliência.

“O Brasil é signatário do Marco de Sendai e trabalha em parceria com o escritório das Nações Unidas. Estamos sempre em busca de ações para a redução de desastres e o número de perdas que eles nos trazem”, finaliza Braun.

Copiar o texto
Desenvolvimento Regional
16/08/2022 20:25h

Polo abrange agricultores do Distrito Federal, de 29 cidades goianas e de outras quatro de Minas Gerais

Baixar áudio

As ações do Polo de Fruticultura da Região Integrada de Desenvolvimento Econômico do Distrito Federal e Entorno (Ride-DF) em Corumbá de Goiás (GO) estão em fase de implementação. Nos últimos dias, representantes do Ministério do Desenvolvimento Regional (MDR) e instituições parceiras se reuniram com agricultores locais com o objetivo de integrá-los às atividades voltadas à produção de frutas.

Nesta etapa, foram apresentados os avanços feitos pelo Polo nos últimos meses e foi destacada a importância da participação e envolvimento dos produtores locais nesse processo. Em breve, será iniciada na cidade goiana a produção de frutas no âmbito do Polo da Ride-DF, que incluem frutas típicas do cerrado, berries (frutas vermelhas) e açaí. Atualmente, Corumbá de Goiás tem como destaques a produção de uvas e de maracujá.

“O Brasil tem se destacado com um dos principais produtores de alimentos, gerando segurança e soberania alimentar, além de emprego e renda de formas direta e indireta. E a Rota da Fruticultura, sendo ampliada, vai exatamente nesse sentido”, destaca a coordenadora-geral de Sistemas Produtivos e Inovadores do MDR, Valquíria Duarte.

O Polo de Fruticultura da Ride - DF foi implementado em junho de 2021. A unidade reúne cerca de 27 mil produtores familiares do Distrito Federal, de 29 cidades de Goiás e de outras quatro de Minas Gerais.

No estado goiano, os municípios atendidos são Abadiânia, Água Fria de Goiás, Águas Lindas de Goiás, Alexânia, Alto Paraíso de Goiás, Alvorada do Norte, Barro Alto, Cabeceiras, Cavalcante, Cidade Ocidental, Cocalzinho de Goiás, Corumbá de Goiás, Cristalina, Flores de Goiás, Formosa, Goianésia, Luziânia, Mimoso de Goiás, Niquelândia, Novo Gama, Padre Bernardo, Pirenópolis, Planaltina de Goiás, Santo Antônio do Descoberto, São João d’Aliança, Simolândia, Valparaíso de Goiás, Vila Boa e Vila Propício. Já em território mineiro, a ação alcança produtores rurais de Arinos, Buritis, Cabeceira Grande e Unaí.

Rota-S

Os produtores rurais de Corumbá também foram apresentados à Plataforma Rota-S. A ferramenta foi desenvolvida a partir de uma parceria entre o Fundo Internacional de Desenvolvimento Agrícola (FIDA), organismo multilateral ligado à Organização das Nações Unidas (ONU), e a Universidade Federal de Viçosa (UFV).

Quem acessar a página ou o aplicativo da Rota-S vai encontrar dados como os tipos de Rotas existentes, dos Polos que já estão em funcionamento por todo o país, quais cidades integram cada unidade e tipo de produção. Também é possível conhecer um breve histórico de cada cadeia produtiva apoiada pela Estratégia e fazer um cadastro de produtos e do produtor. Nesta última etapa, o produtor deve informar a Rota de que faz parte, qual polo integra.

“As Rotas têm esse caráter de promover o desenvolvimento regional, beneficiando milhares de pessoas que integram essa iniciativa”, destaca o Diretor de Desenvolvimento Regional e Urbano do MDR, Francisco Soares Júnior. “à Plataforma Rota-S vai facilitar o intercâmbio de informações entre os produtores para desenvolvermos ainda mais as Rotas”, reforçou.

A Estratégia Rotas de Integração Nacional

As Rotas são redes de arranjos produtivos locais associadas a cadeias produtivas estratégicas capazes de promover a inclusão produtiva e o desenvolvimento sustentável das regiões brasileiras priorizadas pela Política Nacional de Desenvolvimento Regional (PNDR). Buscam promover a coordenação de ações públicas e privadas em polos selecionados, mediante o compartilhamento de informações e o aproveitamento de sinergias coletivas a fim de propiciar a inovação, a diferenciação, a competitividade e a sustentabilidade dos empreendimentos associados, contribuindo, assim, para a inclusão produtiva, inovação e o desenvolvimento regional.

Atualmente, há 11 Rotas reconhecidas: do Açaí, da Biodiversidade, do Cacau, do Cordeiro, da Economia Circular, da Fruticultura, do Leite, do Mel, da Moda, do Pescado e da Tecnologia da Informação e Comunicação (TIC).

Copiar o texto
Desenvolvimento Regional
16/08/2022 20:10h

Evento nesta terça-feira (16) contou com a participação de Argentina, Chile, Colômbia, Angola, El Salvador, México, Santa Lúcia, Uruguai e Peru. Público também conheceu funcionalidades da plataforma Rota-S

Baixar áudio

Na manhã desta terça-feira (16), foi realizado o segundo dia do seminário internacional que apresentou a Estratégia Rotas de Integração Nacional, programa que atua na promoção do desenvolvimento das regiões e no fortalecimento das cadeias produtivas locais, a representantes de países parceiros do Brasil. Cerca de 90 pessoas estiveram presentes. Além de brasileiros, representantes de Argentina, Chile, Colômbia, Angola, El Salvador, México, Santa Lúcia, Uruguai e Peru também acompanharam a sessão.

Durante o evento, os participantes também conheceram o funcionamento da Plataforma Rota-S, que conta com uma página na internet e uma versão para smartphones, disponível gratuitamente nas lojas de aplicativos com o nome Rotas de Integração Nacional.

Técnicos do Ministério do Desenvolvimento Regional (MDR) explicaram as funcionalidades da Plataforma Rota-S aos participantes, que aprenderam os passos necessários para a inclusão de informações para a criação de um novo polo das Rotas de Integração Nacional e para o cadastro dos produtores e produtos na ferramenta digital. A ideia é que os próprios produtores do Brasil e do exterior que usarem a Rota-S alimentem a plataforma com informações.

“Um diferencial da Plataforma Rota-S é que os próprios produtores são responsáveis por inserir e gerir as informações no sistema. Porque eles são os atores principais desse processo. E o seminário é importante para mostrarmos as boas práticas de inclusão produtiva e desenvolvimento regional que estão sendo desempenhadas no Brasil e como elas podem ajudar no crescimento dos nossos vizinhos”, reforçou a secretária nacional de Mobilidade e Desenvolvimento Regional e Urbano do MDR, Sandra Holanda.

Quem acessar a página ou o aplicativo da Rota-S vai encontrar dados como os tipos de Rotas existentes, os polos que já estão em funcionamento por todo o País e quais cidades integram cada unidade. Também é possível conhecer um breve histórico de cada cadeia produtiva apoiada pela Estratégia e fazer um cadastro de produtos. Nesta última etapa, o produtor deve informar a Rota de que faz parte, qual polo integra e inserir dados da empresa.

“A Plataforma é uma forma de dialogarmos com os produtores das Rotas, de democratizarmos o conhecimento e promovermos a transferência de tecnologia entre os polos. Isso fortalece a capacidade produtiva e tem impacto para o desenvolvimento regional”, destacou a coordenadora-geral de Sistema Produtivos e Inovadores do MDR, Valquíria Duarte.

Para Romélia Souza, especialista em Projetos de Cooperação Técnica Internacional do Instituto Interamericano de Cooperação para a Agricultura (IICA), a Rota-S tem potencial para impactar positivamente a troca de experiências entre produtores dos diferentes países. “Essa plataforma tem impacto de conectar países, territórios e regiões e, dessa forma, faz sua contribuição para a redução das desigualdades”, disse.

O seminário foi realizado pelo Ministério do Desenvolvimento Regional e contou com o apoio da Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (FAO), Fundo Internacional de Desenvolvimento Agrícola (FIDA), Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD), Fundação Arthur Bernardes (FUNARBE), Universidade Federal de Viçosa (UFV), Instituto Interamericano de Cooperação para a Agricultura (IICA), Instituto de Políticas Públicas e Desenvolvimento Sustentável (IPPDS) e Instituto Avaliação.

A sessão desta terça-feira também contou com apresentações de casos de sucesso em cadeias produtivas do País. Um deles foi do Polo Sertão do São Francisco da Rota do Cordeiro, em Pernambuco. O outro foi da cadeia produtiva da avicultura de corte em Goiás.

Rotas de Integração Nacional

As Rotas são redes de arranjos produtivos locais associadas a cadeias produtivas estratégicas capazes de promover a inclusão produtiva e o desenvolvimento sustentável das regiões brasileiras priorizadas pela Política Nacional de Desenvolvimento Regional (PNDR). Buscam promover a coordenação de ações públicas e privadas em polos selecionados, mediante o compartilhamento de informações e o aproveitamento de sinergias coletivas a fim de propiciar a inovação, a diferenciação, a competitividade e a sustentabilidade dos empreendimentos associados, contribuindo, assim, para a inclusão produtiva, inovação e o desenvolvimento regional.

Atualmente, há 11 Rotas reconhecidas: do Açaí, da Biodiversidade, do Cacau, do Cordeiro, da Economia Circular, da Fruticultura, do Leite, do Mel, da Moda, do Pescado e da Tecnologia da Informação e Comunicação (TIC).

“As Rotas têm esse caráter de promover o desenvolvimento regional, beneficiando milhares de pessoas que integram essa iniciativa”, disse o diretor de Desenvolvimento Regional e Urbano do MDR, Francisco Soares Júnior. “E a Rota-S vai facilitar o intercâmbio de informações entre os produtores para desenvolvermos ainda mais as Rotas”, reforçou.

Copiar o texto
Desenvolvimento Regional
16/08/2022 18:38h

Frente fria vai derrubar as temperaturas nas regiões a partir desta quarta-feira (17) até sábado (20) e perderá força no domingo

Baixar áudio

A Defesa Civil Nacional alerta para uma nova frente fria, especialmente no Sul do País, desta quarta-feira (17) até o próximo sábado (20). Segundo dados do Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet), a chegada de uma frente fria vai derrubar as temperaturas na região. A onda de frio perderá força a partir de domingo (21).

Nesta quarta-feira, há previsão de chuvas intensas, ventos fortes e possibilidade de queda de granizo em parte da Região Sul, especialmente no oeste, e também nos estados de Mato Grosso do Sul e São Paulo, principalmente centro, sul e oeste. No Rio Grande do Sul e em Santa Catarina, a temperatura pode cair cerca de 10°C até o fim do dia.

Na quinta-feira (18), a frente fria avança pelos estados do Paraná, São Paulo e Mato Grosso do Sul e chegará ao centro de Mato Grosso e ao sul dos estados de Rondônia, Goiás e Minas Gerais, ocasionando chuvas intensas e rajadas de vento.

A previsão indica queda de temperatura, entre 8°C e 12°C, e baixa sensação térmica nesses estados.

Na madrugada de sexta-feira (19), há possibilidade de neve entre as serras gaúcha e catarinense, principalmente no planalto sul catarinense e nos Aparados da Serra (RS). Ao longo da sexta-feira, devem ocorrer geadas em boa parte do Rio Grande do Sul, no sul de Mato Grosso do Sul e no centro e oeste catarinense e paranaense.

Entre sexta e sábado (20), as temperaturas mínimas previstas para a cidade de Porto Alegre vão variar entre 1°C e 5°C. No sul e oeste gaúcho, entre -1°C e 1°C, e nas áreas altas da Serra Gaúcha e do planalto sul catarinense, entre -6°C e -3°C. Já no Paraná, as temperaturas mínimas previstas são entre -3°C e 0°C na serra e no planalto.

No sábado, a previsão é de geada no sul, sudoeste e em áreas isoladas do centro de Mato Grosso do Sul, na divisa de São Paulo com o Paraná e no Sul do Brasil, de intensidade moderada a forte entre o norte do Rio Grande do Sul, centro-sul do Paraná e Serra do Sudeste (RS). O frio também deverá chegar ao sul de Goiás e de Minas Gerais e ao Rio de Janeiro.

No domingo, a frente fria começa a perder força, mas parte do Sul do Brasil ainda continua com previsão de geadas.

Confira neste link as temperaturas previstas para os próximos dias.

Recomendações

Diante das previsões, a Defesa Civil Nacional recomenda que as defesas civis estaduais e municipais adotem as ações de preparação cabíveis e reforcem a divulgação de informações para alertar a população, visando a adoção de medidas de autoproteção.

O Centro Nacional de Gerenciamento de Riscos e Desastres (Cenad) seguirá, durante todo o período crítico, trabalhando em escala de plantão para acompanhar as ações de enfrentamento ao frio intenso e comunicar o registro de qualquer ocorrência significativa.

Cuidados especiais

O período exige uma atenção especial com a população mais vulnerável, como enfermos, moradores de rua, idosos e crianças. É essencial manter-se bem agasalhado, beber bastante água, evitar locais fechados e de grande circulação de pessoas e fazer a higiene frequente das mãos.

Essas medidas são de grande importância na prevenção de gripe, resfriados, pneumonia e demais doenças respiratórias. É preciso manter ainda mais cuidado com crianças e idosos, que são mais suscetíveis às doenças agravadas pelo frio. Nas noites com temperaturas mais baixas, recomenda-se, também, abrigar animais domésticos.

Alertas

Os alertas à população estão sendo enviados por meio de SMS, TV por assinatura, Telegram, Google, imprensa e pelas redes sociais da Defesa Civil Nacional (@defesacivilbr) e do Inmet (twitter: @inmet_ | Instagram: @inmet.oficial). É importante buscar informações com base nos veículos oficiais, para não haver o risco de acessar dados incorretos que possam gerar pânico na população.

A Defesa Civil Nacional também solicita que a população cadastre os celulares, por meio do envio de mensagens de texto para o número 40199, com o CEP da região onde mora, para passar a receber alertas por SMS.

Copiar o texto
16/08/2022 18:00h

A temperatura pode variar entre 15°C e 39°C

Baixar áudio

Nesta quarta-feira (17), muitas nuvens com possibilidade de chuva isolada em todo estado do Amapá e nas regiões do sul e centro amazonense, baixo Amazonas e vale do Acre. 

No estado de Roraima e nas demais regiões do Acre e Amazonas, muitas nuvens com pancadas de chuva isoladas e trovoadas.

Nas outras localidades do Pará, variação entre muitas e poucas nuvens. No estado de Rondônia, céu com muitas nuvens.

Em Tocantins, poucas nuvens.

A temperatura mínima para a região Norte fica em torno dos 15ºC, e a máxima pode chegar aos 39ºC. A umidade relativa do ar varia entre 20% e 95%.

As informações são do Instituto Nacional de Meteorologia.

 

Copiar o texto
16/08/2022 18:00h

A temperatura pode variar entre 15ºC e 38ºC

Baixar áudio

A previsão para esta quarta-feira (17) é de muitas nuvens nas regiões do agreste potiguar, agreste paraibano, Borborema, agreste e sertão pernambucano. O mesmo vale para o sertão alagoano, o sertão sergipano e o nordeste baiano.

Na mata pernambucana, leste alagoano e leste sergipano, muitas nuvens com possibilidade de chuva isolada.

Nas demais regiões do Rio Grande do Norte, Paraíba, Pernambuco, Alagoas, Sergipe, e Bahia, poucas nuvens. Nos estados do Maranhão, Piauí e Ceará, o céu também fica com poucas nuvens.

A temperatura mínima para a região Nordeste fica em torno dos 15ºC, e a máxima prevista é de 38ºC. A umidade relativa do ar varia entre 30% e 95%.

As informações são do Instituto Nacional de Meteorologia.
 

Copiar o texto
16/08/2022 18:00h

A temperatura pode variar entre 8ºC e 27ºC

Baixar áudio

Nesta quarta-feira (17), tempo nublado com pancadas de chuva isoladas e trovoadas nos estados do Paraná, Santa Catarina e no noroeste e sudeste rio-grandense.

Nas demais regiões do Rio Grande do Sul, muitas nuvens com possibilidade de chuva isolada.

A temperatura mínima para a região Sul fica em torno dos 8°C, e a máxima prevista é de 27ºC. A umidade relativa do ar varia entre 50% e 95%.

As informações são do Instituto Nacional de Meteorologia.
 

Copiar o texto
16/08/2022 18:00h

A temperatura pode variar entre 12ºC e 36ºC

Baixar áudio

Nesta quarta-feira (17), poucas nuvens em todo o estado do Espírito Santo e em boa parte de Minas Gerais, com exceção do sul e sudoeste de Minas, Triângulo Mineiro e Alto Paranaíba. 

Nessas regiões e no Rio de Janeiro, céu com muitas nuvens. 

Nas regiões paulistas de Araçatuba, Piracicaba e macro metropolitana paulista, muitas nuvens com possibilidade de chuva isolada. Nas demais áreas de São Paulo, pancadas de chuva com trovoadas.

A temperatura mínima para a região fica em torno dos 12ºC, e a máxima prevista é de 36ºC. A umidade relativa do ar varia entre 20% e 100%.

As informações são do Instituto Nacional de Meteorologia.

Copiar o texto
16/08/2022 18:00h

A temperatura pode variar entre 15ºC e 40ºC

Baixar áudio

Nesta quarta-feira (17), tempo nublado com pancadas de chuva isoladas e trovoadas no estado do Mato Grosso do Sul e nas regiões sudoeste e centro-sul mato-grossense.

Nas demais localidades do Mato Grosso e Goiás, o céu varia entre muitas e poucas nuvens. No Distrito Federal, poucas nuvens.

Durante a madrugada, a temperatura mínima para a região fica em torno dos 15°C. Já na parte da tarde, a máxima pode chegar aos 40°C no norte mato-grossense. A umidade relativa do ar varia entre 20% e 95%.

As informações são do Instituto Nacional de Meteorologia.
 

Copiar o texto
16/08/2022 17:44h

Começou a valer nesta terça-feira (16) a redução anunciada pela Petrobras de 4,8% no preço da gasolina para as distribuidoras. O combustível ficará R$ 0,18 mais barato por litro, passando de R$ 3,71 para R$ 3,53.

Começou a valer nesta terça-feira (16) a redução anunciada pela Petrobras de 4,8% no preço da gasolina para as distribuidoras. O combustível ficará R$ 0,18 mais barato por litro, passando de R$ 3,71 para R$ 3,53. 

De acordo com a estatal, "a redução acompanha a evolução dos preços de referência e é coerente com a prática de preços da Petrobras, que busca o equilíbrio dos seus preços com o mercado global, mas sem o repasse para os preços internos da volatilidade conjuntural das cotações internacionais e da taxa de câmbio".

A Petrobrás calcula que a sua parcela no custo final da gasolina paga pelos motoristas passará a ser de R$ 2,57 para cada litro, já que o combustível vendido nos postos recebe mistura obrigatória de 27% de etanol anidro. A redução não afeta os outros combustíveis.

Essa é a terceira redução no preço da gasolina desde que Caio Mário Paes de Andrade assumiu a presidência da Petrobrás, no final de junho. O economista César Bergo explica a sequência de diminuições do valor do combustível. 

“Isso é muito importante porque barateia o preço do combustível e melhora o orçamento das famílias também. Isso está em consonância com o que vem acontecendo no mercado internacional, O petróleo tem caído de preço, o dólar também vem caindo e isso é importante porque barateia as  importações de combustível. Somando tudo isso, você tem combustível mais barato nas bombas”, destaca.

Bergo ressalta, no entanto, que os consumidores devem perceber a redução aplicada nas bombas dos postos somente em alguns dias. “Essa queda de R$ 0,18 aplicada nas refinarias deve chegar nos próximos dias porque ainda tem os estoques antigos e esse ajuste é necessário. Há ainda o aspecto de concorrência entre os postos de gasolina. É importante o consumidor pesquisar para pagar mais barato pelo combustível”, completa. 

A bancária Maria Vasconcelos é uma das consumidoras que pesquisa em alguns locais antes de abastecer o carro. Como roda muito diariamente e tem gasto alto com gasolina, procura sempre pelo menor preço. “Sempre que vou abastecer, tenho quatro postos próximos da minha residência. Sempre passo em pelo menos três. Vejo onde está mais em conta e abasteço”, conta. 

Na segunda semana de agosto, a Petrobras já havia anunciado a redução de R$ 0,22 no preço do diesel para as distribuidoras, que passou para R$ 5,19 por litro. 
 

Copiar o texto
16/08/2022 17:27h

Ministério do Desenvolvimento Regional participou, nesta terça-feira (16), do congresso, que aborda temas relacionados à participação da iniciativa privada no setor

Baixar áudio

O Ministério do Desenvolvimento Regional (MDR) participou, nesta terça-feira (16), do 8° Encontro Nacional das Águas (ENA), promovido, de dois em dois anos, pela Associação e Sindicato das Concessionárias Privadas de Serviços Públicos de Água e Esgoto (ABCON SINDCON). Neste ano, o evento tem como tema "Saneamento: a pauta do futuro". O secretário nacional de Saneamento do MDR, Pedro Maranhão, fez parte da mesa de abertura.

Os principais objetivos do ENA são debater temas que afetam a relação entre o saneamento básico e a iniciativa privada e criar oportunidade para a troca de experiências e soluções entre as concessionárias privadas de água e esgoto. Este é o primeiro encontro desde a sanção da Lei n° 14.026, o Novo Marco Legal do Saneamento Básico, em julho de 2020.

Desde a nova legislação, já foram realizados 10 leilões, que viabilizaram o investimento de mais de R$ 47,3 bilhões, nos próximos 30 anos, para obras de saneamento em todo o País. Os recursos alcançam mais de 20 milhões de pessoas em 220 municípios dos estados do Amapá, Ceará, Alagoas, Bahia, Minas Gerais, Espírito Santo, Goiás e Mato Grosso do Sul.

“O novo marco regulatório veio para dar segurança jurídica no fechamento de parcerias. Isso está sendo fundamental para o avanço no cumprimento das metas de universalização de serviços, que são ousadas. Independente dessas parcerias serem públicas ou privadas, o que interessa é atrair investimentos e obter recursos para o saneamento. Essa pauta é fundamental para o nosso país e para o nosso povo”, afirmou o secretário.

Diretor da Agência Nacional de Águas e Saneamento Básico (ANA), Vitor Saback também participou da abertura do ENA. Ele não descartou os desafios no setor, mas acredita que a autarquia vinculada ao MDR tem avançado no fortalecimento da regulação e no desenvolvimento e expansão do saneamento no país.

“Nosso trabalho é desafiador em termos de objetivos. O Marco Legal tem como meta 99% da população com água tratada e 90% com coleta e tratamento de esgoto até 2033. Ainda estamos longe, há 50 milhões de pessoas sem água e 100 milhões sem esgoto coletado e tratado. Não há como conviver com índices tão acentuados de falta de serviço. O princípio-chave do novo marco é a universalização e cabe à ANA e a todos os reguladores infranacionais persegui-la”, destacou.

Programação

Além da abertura, realiza pela manhã, nesta terça-feira estão previstos ainda mais cinco painéis dedicados a discutir as diferenças regulatórias entre contratos de programa e contratos licitados; saneamento e educação; caminhos para o financiamento da universalização do saneamento; inclusão social e a experiência das mobilizações no relacionamento com os clientes; e os desafios sociais do Brasil e a universalização do saneamento.

O evento segue até quarta-feira (17), a partir das 8h30, com o painel "Desafios Técnicos - Pós Marco Legal do Saneamento". À tarde, os participantes debaterão sobre compliance nas empresas de saneamento, seguido do painel de encerramento.

Confira abaixo a íntegra do evento:

Copiar o texto
Dr. Ajuda
16/08/2022 17:00h

Neste episódio a nutricionista Tânia Rodrigues dá mais detalhes sobre o assunto

Baixar áudio

Você sabia que o excesso de ácido úrico pode estar associado a gota e pedra no rim? Alimentação tem um papel determinante no controle do ácido úrico. Neste episódio a nutricionista Tânia Rodrigues dá mais detalhes sobre o assunto.

As bebidas alcoólicas e o excesso de alimentos ricos em proteínas são os principais fatores nutricionais relacionados ao excesso de ácido úrico no sangue.

Isso porque o ácido úrico é um composto derivado da digestão das proteínas ricas em purinas. Dependendo do paciente, a redução de peso é indicada. Mas aqui cabe uma outra orientação: Você deve perder peso gradativamente. Falo isso porque existe um tipo de dieta para emagrecer rápido muito rica em proteína e pobre em carboidrato chamada de dieta cetogênica que aumenta os níveis de ácido úrico ao invés de reduzi-lo.

O jejum prolongado tem efeito semelhante ao da dieta cetogênica. É por isso que ambas as estratégias não devem ser usadas para quem quer ou precisa perder peso e tem ácido úrico elevado. 

Um outro ponto que eu quero destacar tem relação com os carboidratos: Os carboidratos não devem ser retirados da dieta. Em casos de restrição desse nutriente, o organismo fica sem energia e começa a usar massa magra ou proteína como fonte para realizar suas funções. Usando mais proteína como fonte de energia, há aumento do ácido úrico. O excesso de gordura deve ser evitado. Prefira carnes menos gordurosas e opte por preparações grelhadas ao invés de frituras.

As proteínas apesar de serem fontes de purina, não podem ser retiradas da alimentação. É indicado consumo moderado deste nutriente e prefira os alimentos que contenham menos purina. Prefira consumir frango sem pele, peixes como pescada, leguminosas (feijão, lentilha), arroz, massas, pães, manteiga. 

Muito cuidado com o sal, ele não deve ser ingerido em grande quantidade, isso dificulta a excreção do ácido úrico, favorecendo seu acúmulo. Você pode usar temperos naturais e fazer um sal de ervas. Já a água é muito bem-vinda, ela ajuda a eliminar o ácido úrico do organismo.

O ômega 3 tem papel anti-inflamatório, muito interessante para este caso. Só cuidado com a fonte deste nutriente, ele pode ser encontrado nos peixes (sardinha, atum), mas eles também possuem purina. Então converse com seu médico sobre a quantidade e sobre a possibilidade de consumir o ômega 3 de fontes vegetais como a linhaça e a chia. Sempre siga as orientações do seu médico. Mas lembre-se, uma alimentação saudável, com menos produtos industrializados, com muitas frutas e verduras e deixando o álcool de lado, inclusive a cerveja, ela tem bastante purina, é a chave para os níveis de ácido úrico ficarem mais baixos e você não sofrer com essas dores.

Para saber mais detalhes sobre o assunto, assista ao vídeo no canal Dr. Ajuda.

Copiar o texto
Brasil Mineral
16/08/2022 16:38h

O evento contará com palestras de especialistas em Recursos Minerais da Superintendência de Regulação Econômica e Governança Regulatória da ANM

O presidente da República, Jair Bolsonaro, editou a Medida Provisória nº 1.133/2022, que autoriza a participação do setor privado na exploração de minérios nucleares. Até então, essa atribuição era exclusiva da Indústrias Nucleares do Brasil S.A. (INB). 

A MP foi publicada em edição extra do Diário Oficial da União (DOU) no último dia 12 de agosto. A medida atualiza "o arcabouço legal do setor de exploração mineral nuclear, das décadas de 1960 e 1970, e visa inserir o Brasil no ambiente de boas práticas internacional, com a modernização das atividades de pesquisa e lavra desses minérios". A MP altera ainda a Lei nº 6.189/1974, que trata do monopólio da União sobre essas atividades, além de revogar uma série de dispositivos, entre eles o artigo 31 da Lei 4.118/1962, segundo o qual as "minas e jazidas de substâncias de interesse para a produção de energia atômica constituem reservas nacionais, considerando à segurança do País e o domínio da União como bens imprescritíveis e inalienáveis". 

Senadores e deputados têm até 16 de agosto para apresentar emendas ao texto. A MP tem validade até 10 de outubro, podendo ser prorrogada por mais 60 dias caso o Congresso Nacional não tenha deliberado a respeito. Ela entra em regime de urgência a partir de 26 de setembro, trancando a pauta de votações.

A INB é responsável pelas atividades de pesquisa, lavra, enriquecimento, industrialização e comércio de minérios nucleares e derivados. Atualmente, o particular que encontrar substâncias minerais com elementos nucleares associados é obrigado a comunicar o fato à Autoridade Nacional de Segurança Nuclear (ANSN), à Agência Nacional de Mineração (ANM) e à INB. Caso o valor econômico de tais elementos nucleares justifique a exploração, a jazida sai das mãos do titular e passa a ser monopólio estatal. "Com a edição da MP, independentemente do valor econômico dos elementos nucleares presentes numa jazida mineral, cria-se a oportunidade de parcerias entre o minerador e a INB, para o aproveitamento de todos os recursos minerais presentes na jazida", explicou o MME em nota. 

O artigo 5º da MP autoriza a INB a "firmar contratos com pessoas jurídicas", remunerando-as por quaisquer "formas estabelecidas em contrato", entre elas em dinheiro, em percentual do valor arrecadado na comercialização do produto da lavra, em direito de comercialização do minério ou direito de compra do produto da lavra. Apesar de permitir a associação entre a INB e o titular da pesquisa ou lavra, a MP mantém a prerrogativa de "encampação do direito minerário pela INB", "mediante indenização prévia".

Criada pelo Lei nº 14.222/2021, a ANSN já promovera diversas alterações na legislação sobre o tema. A MP já promove algumas alterações nas competências da ANSN previstas nessa lei e retira, por exemplo, a atribuição da ANSN de expedir licença para pesquisa e lavra de materiais nucleares, que constava do inciso V do artigo 6º. 

Fonte: Agência Senado

Copiar o texto
Brasil Mineral
16/08/2022 16:23h

O evento contará com palestras de especialistas em Recursos Minerais da Superintendência de Regulação Econômica e Governança Regulatória da ANM

A Agência Nacional de Mineração (ANM) promove, no próximo dia 17 de agosto, às 16h, em formato remoto, o lançamento de Painéis Interativos do Setor Mineral. O evento contará com palestras de especialistas em Recursos Minerais da Superintendência de Regulação Econômica e Governança Regulatória da ANM, que irão mostrar as funcionalidades das ferramentas Anuário Mineral Brasileiro - AMB Interativo, Comércio Exterior do Setor Mineral – COMEXMIN e Detalhamento da Compensação Financeira pela Exploração de Recursos Minerais - Observatório da CFEM e suas aplicações. 

O engenheiro de Minas João Antônio Vasconcelos abordará o Anuário Mineral Brasileiro - AMB Interativo, enquanto o Observatório da CFEM será apresentado pelo engenheiro de Produção, Alexandre de Cássio Rodrigues. A Matriz de Relacionamentos de Classificações de Produtos de Atividades Econômicas do Setor Mineral será ministrada por Mariano Laio de Oliveira, geólogo e economista. Vasconcelos e Laio também irão palestrar sobre o Comércio Exterior Mineral – ComexMin. 

O evento virtual será transmitido pela Plataforma por meio do canal da ANM no Youtube.

Copiar o texto
16/08/2022 16:08h

Mineradora construiu laboratório que a parceria pretende tornar em referência no desenvolvimento de materiais de construção sustentáveis

A Hydro e a Universidade Federal do Pará (UFPA) assinaram convênio de cooperação técnica e científica para desenvolver pesquisas para a produção de cimento de baixo carbono no Laboratório de Tecnologia das Construções (LABTEC), pertencente à instituição. 

A mineradora construiu a infraestrutura do laboratório que a parceria pretende tornar em referência no desenvolvimento de materiais de construção sustentáveis na região. A construção das instalações do LABTEC teve um investimento de cerca de R$ 460 mil e durou cerca de sete meses. O laboratório já foi utilizado para seis dissertações de mestrado e estão em andamento no local quatro doutorados e outras seis dissertações de mestrado. “Hoje, o LABTEC dispõe de uma infraestrutura de laboratório apropriada para ensino de Arquitetura e Engenharia Civil, capacitação e treinamento profissional e o desenvolvimento de atividades de pesquisa. A atuação do LABTEC traz na sua essência a formação de recursos humanos sob a ótica de uma construção com menor pegada de carbono e eficiente energeticamente, aproveitando de forma otimizada os recursos naturais e a busca pelo aproveitamento dos resíduos gerados a partir da inerente atividade mineradora no Estado. O LABTEC integra pesquisas associadas à Energia Incorporada (materiais) e Energia Operacional (desempenho termoenergético do edifício), o que permitirá dar uma resposta mais rápida, consistente e mais completa ao setor produtivo e à sociedade”, afirma o professor Márcio Barata, coordenador do LABTEC.

O LABTEC possui 60 equipamentos para estudos em cimentos, concretos, argamassas, solos e ensaios ambientais. Entre eles estão um calorímetro isotermal, permeabilimetro Blaine e Aparelho de Vicat automatizados no laboratório. Todos estes materiais serão utilizados na pesquisa de desenvolvimento de cimento de baixo carbono a partir do resíduo da bauxita. Além disso, há uma prensa servo-hidráulica controlada para estudos em argamassas e cimentos; uma câmara climática, usada em estudos que exigem condições controladas de temperatura e umidade; câmara de carbonatação para avaliação da durabilidade de concretos e argamassas; conjunto de Permeâmetros para análises ambientais de contaminação de solos, além de fornos e moinhos. O laboratório dispõe ainda de equipamentos que avaliam o Potencial de Corrosão e de Reatividade Álcali-agregado e Retração, que servem para testar a durabilidade de concretos e argamassas. 

A parceria entre Hydro e UFPA prevê projetos que integram diferentes linhas de pesquisas para fomentar o desenvolvimento sustentável do Pará. “O LABTEC é pioneiro no Pará e pode colaborar para a adoção de métodos construtivos mais sustentáveis na região. É motivo de orgulho e satisfação apoiar mais uma iniciativa de sucesso da UFPA”, afirma Marcelo Montini, consultor químico sênior da Hydro. 

Criado em 2018 a partir da iniciativa de um corpo multidisciplinar de profissionais das engenharias, arquitetura e ciências exatas e naturais, o LABTEC tem como objetivo ser um núcleo de excelência no ensino, pesquisa e extensão, voltado ao desenvolvimento tecnológico sustentável do Ambiente Construído na Amazônia. O laboratório faz parte da Faculdade e do Programa de Pós-Graduação de Arquitetura e Urbanismo. O local está disponível para visita de pesquisadores de outras universidades.

Copiar o texto
16/08/2022 15:52h

O evento é realizado pela Associação dos Municípios Mineradores de Minas Gerais e do Brasil (AMIG) e reunirá especialistas em vários setores da atividade minerária

A 4ª edição do Encontro Nacional dos Municípios Mineradores acontecerá nos dias 22 e 23 de agosto no auditório do Tribunal de Contas do Estado de Minas Gerais (TCE-MG), em Belo Horizonte. O evento é realizado pela Associação dos Municípios Mineradores de Minas Gerais e do Brasil (AMIG) e reunirá especialistas em vários setores da atividade minerária. 

O consultor de Relações Institucionais e Econômicas da AMIG, Waldir Salvador de Oliveira, será o responsável pela palestra de abertura do Encontro, no dia 22 de agosto, às 10h30. Ele vai falar sobre os desafios e oportunidades para os municípios em face dos empreendimentos minerários existentes e em implantação, mostrando, passo a passo, como um município precisa se planejar para enfrentar desafios que vão desde as audiências públicas para o licenciamento e a implantação até os impactos sociais, ambientais e infraestruturais. Ainda no dia 22, às 13h30, integrantes da Agência Nacional de Mineração vão comandar o painel “O processo minerário e as possibilidades de intervenção do município”. Participarão o geólogo Karlos Rodrigo de Oliveira e Silva, assessor da Diretoria Colegiada da ANM, o engenheiro de minas Moacyr Carvalho de Andrade Neto e o geólogo Luís Mauro Gomes Ferreira - os dois últimos integrantes da Superintendência de Outorga de Títulos Minerários da instituição. 

A programação do segundo dia será aberta às 8h30, com a palestra “A sustentabilidade da atividade mineral junto a outros setores”, ministrada pelo engenheiro de minas Roger Romão Cabral, diretor da ANM, e por Marco Aurélio Costa, mestre e doutor em planejamento urbano e regional e coordenador do Instituto Nacional de Ciência e Tecnologia (INCT). Em seguida, às 10h30, o processo de licenciamento ambiental será abordado pela advogada Anna Carolina da Motta Dal Pozzolo, subsecretária de Regularização Ambiental da Secretaria de Estado de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável de Minas Gerais (Semad).

A última palestra do Encontro, às 14h30, abordará o tema “Regulação e fiscalização minerária com ênfase em CFEM e barragens”. Os debatedores serão o geólogo Luiz Paniago Neves, superintendente de Segurança de Barragens da ANM, e o engenheiro de minas Moacyr Carvalho de Andrade Neto. 

Entre os palestrantes estará o professor e jurista Antônio Anastasia, atual ministro do Tribunal de Contas da União (TCU), ex-governador de Minas Gerais e ex-senador da República. Ele vai conduzir o painel sobre a necessidade de revisão da Lei Kandir e do Código de Mineração. O advogado Rogério Moreira, consultor jurídico da AMIG participará do debate com Anastasia e pretende mostrar porque, na visão dos municípios, existe a necessidade de revisão da legislação atual. 

As inscrições e a programação completa para o Encontro Nacional dos Municípios Mineradores estão disponíveis no site https://www.ivencontroamig.org.br. Durante o Encontro, serão divulgados os nomes dos contemplados no “Prêmio de Jornalismo AMIG: Mineração em Foco”, que recebeu produções jornalísticas de todo o Brasil nas categorias “Texto” e “Áudio/Vídeo”.

Copiar o texto
16/08/2022 15:10h

Campanha Nacional de Vacinação contra a Poliomielite ocorrerá em cerca de 40 mil postos de vacinação em todo País

Baixar áudio

Foi no município paraibano de Souza, em 1989, que ocorreu o último caso de infecção pelo poliovírus selvagem, causador da Poliomielite. Desde então, após o Brasil adotar uma estratégia de rotina para intensificação da vacinação e campanhas de vacinação anuais contra a paralisia infantil, não há registros de circulação do poliovírus em território nacional.

No entanto, a queda nas taxas de vacinação infantil registrada nos últimos anos, no Brasil, reacendeu o alerta. Para Ethel, é preciso aumentar a cobertura vacinal contra a Pólio. 

"O Brasil tem um certificado de eliminação da Poliomielite. Mas, se nós tivermos o vírus circulando no mundo, a doença não está erradicada completamente. Então, temos a possibilidade de reintrodução do vírus."

Para manter as crianças longe desse perigo, a Campanha Nacional de Vacinação contra a Poliomielite e de Multivacinação vai mobilizar toda a sociedade para levar os menores de cinco anos aos postos de vacinação 

O grupo alvo da vacinação são as crianças menores de cinco anos de idade. A meta é vacinar contra a Poliomielite 95% desse público.

As vacinas contra a Poliomielite são as mesmas ofertadas pelo SUS ao longo do Calendário Nacional de Vacinação, do Programa Nacional de Imunizações, o PNI. 

Para vacinar as crianças menores de cinco anos de idade, compareça a um Posto de Vacinação com a Caderneta de Vacinação em mãos.

Para mais informações, acesse o site: www.gov.br/multivacinacao.

Copiar o texto
16/08/2022 14:12h

Recursos serão usados na reconstrução de duas pontes sobre os rios Águas Claras e Indaiá

Baixar áudio

A cidade de Santa Rosa da Serra, em Minas Gerais, vai receber R$ 754,5 mil para ações de defesa civil. O recurso será destinado à reconstrução de duas pontes sobre os rios Águas Claras e Indaiá, que foram danificadas por chuvas intensas. Cerca de 900 pessoas serão atendidas com as obras. A portaria com a autorização dos recursos foi publicada na edição desta terça-feira (16) do Diário Oficial da União (DOU). Confira neste link.

Como solicitar recursos federais

Em todo o País, estados e municípios afetados por desastres e com status de situação de emergência concedido pela Defesa Civil Nacional estão aptos a solicitar recursos para atendimento à população afetada. As ações envolvem restabelecimento de serviços essenciais e reconstrução de equipamentos de infraestrutura danificados.

A solicitação deve ser feita por meio do Sistema Integrado de Informações sobre Desastres (S2iD). Com base nas informações enviadas, a equipe técnica da Defesa Civil Nacional avalia as metas e os valores solicitados. Com a aprovação, é publicada portaria no DOU com a especificação do montante a ser liberado.

Capacitações da Defesa Civil Nacional

A Defesa Civil Nacional oferece uma série de cursos a distância para habilitar e qualificar agentes municipais e estaduais para o uso do S2iD, a partir do Plano de Capacitação Continuada em Proteção e Defesa Civil. As capacitações têm como foco os agentes de proteção e defesa civil nas três esferas de governo. Confira neste link a lista completa dos cursos de capacitação.

Copiar o texto
16/08/2022 14:06h

Estão na lista municípios dos estados de Alagoas, Pernambuco, Rio Grande do Sul e Santa Catarina

Baixar áudio

A Defesa Civil Nacional reconheceu situação de emergência em mais cinco cidades do País atingidas por desastres naturais. A portaria com os reconhecimentos federais foi publicada no Diário Oficial da União (DOU) desta terça-feira (16). Confira neste link.

Jucati, em Pernambuco, e Canapi, em Alagoas, foram afetadas por chuvas intensas. Em Santa Catarina, Pouso Redondo registrou inundações e São Bento do Sul, deslizamentos. Por fim, a cidade de Novo Barreiro, no Rio Grande do Sul, foi atingida por enxurradas.

Como solicitar recursos federais

Após a concessão do status de situação de emergência ou de estado de calamidade pública pela Defesa Civil Nacional, os municípios atingidos por desastres estão aptos a solicitar recursos do Ministério do Desenvolvimento Regional (MDR) para atendimento à população afetada. As ações envolvem restabelecimento de serviços essenciais e reconstrução de equipamentos de infraestrutura danificados.

A solicitação deve ser feita por meio do Sistema Integrado de Informações sobre Desastres (S2iD). Com base nas informações enviadas, a equipe técnica da Defesa Civil Nacional avalia as metas e os valores solicitados. Com a aprovação, é publicada portaria no DOU com a especificação do montante a ser liberado.

Capacitações da Defesa Civil Nacional

A Defesa Civil Nacional oferece uma série de cursos a distância para habilitar e qualificar agentes municipais e estaduais para o uso do S2iD. As capacitações têm como foco os agentes de proteção e defesa civil nas três esferas de governo. Confira neste link a lista completa dos cursos.

Copiar o texto
16/08/2022 11:30h

Em 18 de agosto se comemora o Dia do Estagiário. O estágio é etapa fundamental na formação do estudante e ferramenta indispensável para qualificação, formação e crescimento na futura carreira

Baixar áudio

Em 18 de agosto se comemora o Dia do Estagiário. A prática do estágio se configura em uma das ferramentas mais indispensáveis para a qualificação, formação e crescimento dos futuros trabalhadores, e instrumento fundamental para os empreendimentos, que aguardam profissionais preparados e com novas ideias no mercado. 

A data faz referência à publicação da Lei de Estágio, que regulamentou a prática no Brasil, definindo regras como pagamento de bolsa, férias, carga horária e auxílios. E, se durante a pandemia a contratação de estudantes foi prejudicada, agora as contratações foram retomadas pelas empresas. Somente no primeiro semestre de 2022, o Instituto Euvaldo Lodi (IEL Bahia) inseriu mais de 7.700 estagiários no mercado.

Foi por meio do IEL que Laina Barbosa, 33 anos, conseguiu uma oportunidade em Camaçari (BA). A estudante do 8º semestre de administração se identificou com uma vaga no Sebrae e foi contratada em fevereiro de 2021, onde está até hoje. Ela explica que a experiência não apenas ratificou o que ela aprendeu em sala de aula como também permitiu o desenvolvimento de outras competências.

“Eu acredito que tem dois aspectos, você poder aliar teoria e prática, porque só a teoria não dá a base e a vivência que o estágio dá, e a questão de relacionamento interpessoal também. São os dois fatores-chave, o relacionamento interpessoal e você poder correlacionar teoria e prática. Porque às vezes a teoria fica tão distante, mas, na prática, a gente consegue aplicar vários conteúdos e fundamentos da administração de forma bem simples”, destaca a estudante.

Laina também acredita que essa bagagem adquirida na empresa enquanto estuda será fundamental para abrir portas na hora de buscar um emprego efetivo em sua área.

“As empresas procuram muito esse perfil de conseguir aproveitar aprendiz, estagiário e trainee. Eu acredito que quando você vai participar de uma seleção para uma vaga efetiva e pode citar que passou um período em uma determinada empresa, que tem um nome no mercado, já é um diferencial, ou seja, ter passado por uma experiência dessa enquanto ainda em formação”, aponta a estudante.

Edneide Lima, gerente de Desenvolvimento de Carreiras e Empresarial do IEL Bahia, explica que além de ajudar na formação profissional, o estágio é o momento para reconhecimento de campo, ou seja, oportunidade para testar e errar antes de engatar em uma carreira. Carreira essa que será de sucesso se for realmente a que o estudante escolheu e que se sente bem e preparado para exercer.

“O que é uma carreira de sucesso? É aquela em que a pessoa vai se realizar, fazer aquilo que gosta, que escolheu, e vai fazer muito bem. Então, a chance de ter sucesso nessa carreira é muito grande. É onde entra o estágio. É esse momento que cria a oportunidade de testar”, diz Edneide. “Quando você realmente já escolheu uma carreira sólida, claro que você pode mudar a qualquer momento, mas fica um pouco mais custoso. Essa mudança acaba ficando mais morosa.”

Maiores demandas e competências procuradas

Historicamente algumas áreas demandam mais estagiários, como administração, engenharia, marketing e ciências contábeis. Mas, segundo Edneide, outras ganharam força no mercado nos últimos dois anos.

“Com esse momento que vivemos, de ainda estarmos em uma pandemia, as empresas têm tido necessidade de implementar sua área tecnológica, então tem crescido muito a necessidade de ter pessoas da área de tecnologia da informação, marketing digital, áreas com volume de vagas muito grande e com oportunidades muito boas de conhecimento, de ser efetivado na empresa, de ter experiências que vão fazer com que essa pessoa tenha grandes oportunidades depois”, destaca a gerente do IEL.

Edneide também aponta que além da capacidade técnica e do conhecimento adquirido na instituição de ensino, outras competências são observadas pelas empresas nos processos de seleção, como proatividade, relacionamento com demais funcionários e novas ideias.

“A empresa busca principalmente a questão comportamental. Qual é a atitude que aquela pessoa tem, qual é a vontade dela em participar da empresa, qual a vontade que tem de contribuir e de crescer. Porque o estágio é um espaço, um momento onde a pessoa vai adquirir muito conhecimento, confiança, experiência, mas é um momento também de troca, onde esse estagiário vai entregar suas qualidades, vai trazer as novidades que está vendo para dentro da empresa”, destaca.

Estudante de 17 anos ganha bolsa em uma das principais escolas técnicas da Europa
Bahia pode ser o centro do combustível do futuro, o Hidrogênio Verde

Dicas para a seleção

Além de identificar a área que lhe traz mais afinidade e demonstrar conhecimento, o candidato à vaga de estágio deve demonstrar interesse e se preparar. A gerente de Desenvolvimento de Carreiras e Empresarial do IEL Bahia lista algumas dicas para obter sucesso na empreitada, tanto na busca quanto na realização da experiência:

  • Procure uma vaga na qual você tenha afinidade, algo que realmente queira fazer, aprender, testar. Um dos maiores erros é buscar o estágio pelo valor da bolsa;
  • Busque o máximo possível de informações dessa empresa que está oferecendo o estágio. Isso vai fazer com que, no processo de seleção, você esteja munido de informação, que mostra interesse;
  • Ao ser contratado, mostre todo seu potencial. Quanto mais você mostra, mais desafios surgem e são eles que trazem o aprendizado. Se a empresa te dá muitas tarefas é porque ela confia no seu potencial;
  • Trabalhe sempre em equipe e contribua com o trabalho do colega. Sempre que você contribui, aprende com a experiência;
  • Dê o feedback ao supervisor. Mostre o que aprendeu e pergunte sobre o que mais pode aprender, ou se pode aplicar tal conhecimento de outra maneira. É justamente essa troca de experiências que enriquece a formação do jovem, bem como ajuda o empreendimento.

 
Prêmio IEL de Carreiras

O Prêmio Melhores Práticas de Estágio surgiu em 2004 e visa estimular a inovação e o desempenho, identificar as melhores práticas de estágio e premiar os projetos inovadores, executados pelas empresas, estudantes e instituições de ensino. O Prêmio IEL de Carreiras, como também é conhecido, também promove a interação com grandes empresas que entendem a necessidade de abrir as portas aos jovens.

Os vencedores de cada estado participam também de uma premiação nacional. Na edição de 2022, o IEL está no momento de avaliação, tanto dos estagiários quanto das empresas e instituições de ensino. Os campeões estaduais serão conhecidos até o fim de setembro e a premiação nacional está prevista para ocorrer em outubro.

Edneide Lima ainda destaca que, além de premiar, é importante comemorar a data porque mostra como essa prática do estágio, quando é bem feita, pode mudar a realidade de pessoas e empreendimentos. “O estágio de qualidade transforma a vida desses estagiários, fazendo com que um estudante se torne um profissional, e transforma também a empresa que abre as portas, porque ela está dando oportunidade de qualificação, mas também está abrindo portas para a entrada de novos talentos, de novas ideias e de novas formas de trabalho”, conclui.

O IEL existe desde 1969 e tem como objetivo principal criar essa conexão entre os jovens que estão buscando desenvolver a carreira e as organizações, em todos os estados, que procuram esses talentos. 
 

Copiar o texto
16/08/2022 04:30h

Assim como no Open Banking, consumidores de energia terão liberdade para compartilhar seus dados com os agentes do setor elétrico para estimular competitividade e melhoria dos serviços

Baixar áudio

Com o mundo cada vez mais digitalizado, a geração e a análise de dados se tornaram essenciais para o desenvolvimento de novas tecnologias que atendam a esse novo cenário. No ano passado, o Brasil regulamentou o Open Banking, que é o compartilhamento de dados dos clientes - com seus devidos consentimentos - entre as instituições bancárias, para estimular a competitividade e a melhoria dos serviços oferecidos aos usuários.

Agora, a novidade está muito próxima de chegar ao setor elétrico. Recentemente, a empresa Lemon Energia encaminhou à Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) o pedido de sandbox regulatório sobre o Open Energy, que é um ambiente experimental temporário para testar o compartilhamento de dados dos consumidores de energia elétrica. O pedido recebeu apoio da Associação Brasileira dos Comercializadores de Energia (Abraceel).

O vice-presidente de Estratégia e Comunicação da Abraceel, Bernardo Sicsú, detalha o modelo de Open Energy.

“O Open Energy é aplicado a partir do momento que as distribuidoras passam a disponibilizar os dados de consumo do titular, de forma interoperável, com um canal de comunicação unificado. Ou seja, eu uniformizo os protocolos de comunicação e permito que aquela informação, que é do consumidor, possa ser acessada por ele ou por quem ele autorizar, sempre com o seu consentimento.”

Pelo sandbox regulatório, os agentes terão uma autorização temporária da Aneel para desenvolverem modelos de negócios inovadores e testarem novas tecnologias, de acordo com os critérios estabelecidos pela agência. 

Segundo Bernardo Sicsú, atualmente, os consumidores de energia elétrica têm dificuldades para acessar seus próprios dados de consumo, que são disponibilizados pelas distribuidoras apenas uma vez por mês, de forma física na fatura de energia.

“Não há um canal de comunicação unificado entre as distribuidoras. Então, o Open Energy busca a disponibilização destes dados de maneira interoperável, ou seja, em um formato que você consiga compartilhar aquela informação. E, com isso, você tem um desenvolvimento do setor muito mais avançado em termos de inovação e de competição.”

Vantagens do Open Energy

O representante da Abraceel Bernardo Sicsú explica que o grande benefício do Open Energy é aumentar a competitividade do setor, “atraindo empresas de tecnologias capazes de oferecer melhores produtos e serviços.” Segundo ele, a modernização do setor elétrico gera eficiência, que se traduz em redução dos preços das tarifas.

“Você passa a ter maior confiabilidade, maior conhecimento sobre os dados e, com isso, estimula maior competição, atrai novos players para o setor, gera inovação e isso traz a redução dos preços.” 

Uma das possibilidades com o Open Energy é a criação de um aplicativo pelo qual as distribuidoras poderiam rankear os consumidores por quantidade de consumo e, assim, estimular a economia de energia. Para o professor de Engenharia Elétrica da Universidade de Brasília, Ivan Camargo, o método permite o consumo inteligente.

“A facilidade de mandar e receber informações vai fazer com que esse consumo seja inteligente. Essa facilidade pode permitir, por exemplo, que eu ligue e desligue uma casa através do comando da distribuidora.”

Novo marco do setor elétrico pode reduzir impacto tarifário em 2022

Consumidor poderá escolher de quem comprar a energia elétrica, se o marco do setor elétrico for aprovado

Modernização do setor elétrico

A modernização do setor elétrico é tema de discussão no Congresso Nacional, por meio do projeto de lei 414/2021. A principal proposta do texto é a ampliação do mercado livre de energia, diminuindo a carga mínima que o consumidor tem que ter para poder escolher o seu fornecedor de energia. Na prática, será como já acontece na contratação de serviços de telefonia, em que o consumidor comum pode escolher de quem comprar o serviço. 

Para o professor Ivan Camargo, o Open Energy vai facilitar a expansão do mercado livre.

“Para que o consumidor tenha acesso a esse mercado livre é fundamental que as suas informações de consumo sejam disponibilizadas. Portanto, a abertura dos dados vai facilitar com que o consumidor tenha as vantagens que tem [atualmente] os grandes consumidores de energia, ou seja, participar do mercado livre de energia.”

Segundo Bernardo Sicsú, a Abraceel apresentou à relatoria do PL uma proposta de inclusão do Open Energy no novo marco regulatório do setor elétrico. “Entendemos que esse assunto é fundamental para ampliar a concorrência no setor, andando de mãos dadas com esse movimento de abertura do mercado, que resultará em redução de preços para todos os consumidores.”

Por enquanto, o PL 414/2021 aguarda deliberação da Comissão Especial na Câmara dos Deputados.

Copiar o texto
16/08/2022 04:00h

O problema da deficiência de vitamina D apareceu em mais de 67 mil registros dos atendimentos de Atenção Primária à Saúde, entre janeiro e maio de 2022, mas o excesso dos níveis no organismo também pode fazer mal

Baixar áudio

Os índices de vitamina D no corpo merecem atenção especial, pois podem beneficiar ou prejudicar a saúde. O problema da deficiência de vitamina D apareceu em mais de 67 mil registros dos atendimentos de Atenção Primária à Saúde, entre janeiro e maio de 2022, segundo o Ministério da Saúde. Mas o excesso dos níveis no organismo também pode fazer mal. 

Leandro Cunha, nutricionista clínico no Hospital Santa Marta, explica que a Vitamina D é considerada um hormônio essencial, pois regula o metabolismo ósseo e muscular. 

“Ela contribui de uma forma muito positiva na proteção contra distúrbios músculo esqueléticos, doenças infecciosas, participa do processo de melhora da imunidade, prevenção de câncer, doenças autoimunes, cardiovasculares, diabetes e uma série de outras condições patológicas”, completa.

A endocrinologista da Rede D’Or, Gláucia Vieira Ferreira Guimarães, alerta para os riscos da deficiência de vitamina D. 

“A deficiência de vitamina D pode levar à elevação secundária do PTH. O paratormônio. E isso pode acelerar a perda óssea, levar a osteopenia, osteoporose e fraturas. Além disso, a elevação do PTH leva à fosfatúria, que é a perda de fósforo na urina. O que pode acelerar a desmineralização óssea, levando à osteomalácia em adultos e ao raquitismo e a osteomalácia em crianças”, conclui a endócrino.

Como todos os nutrientes, vitaminas e minerais, a vitamina D em excesso também pode ser prejudicial à saúde, por causa dos níveis elevados de cálcio no sangue. Perda do apetite, náuseas, vômito, fraqueza e nervosismo são alguns sintomas. Esse excesso também leva ao enrijecimento das artérias, problemas cardiovasculares, além do aumento do risco de formação de pedras nos rins.

Allan César, morador de Sobradinho (DF), procurou ajuda médica após perceber alterações no corpo.

“Eu estava sentindo muita indisposição e meu cabelo estava caindo muito, aí eu fui procurar fazer exames de rotina para saber se tinha alguma coisa e o que estava acontecendo. De restante deu tudo certo, porém acusou falta de vitamina D”, relata Allan.

Para fazer a reposição, o médico de Allan recomendou um suplemento vitamínico e tomar sol com frequência.

Sintomas e tratamentos para a deficiência de vitamina D

A deficiência de vitamina D pode causar dores musculares, fraqueza e dor óssea em pessoas de todas as idades. Os tratamentos consistem na ingestão diária de doses elevadas de vitamina D, geralmente por via oral, durante aproximadamente um mês. Depois desse período, a dose costuma ser gradativamente reduzida até que o organismo chegue aos níveis recomendados.

Sintomas e tratamentos para o excesso de vitamina D

O excesso de vitamina D pode causar perda de apetite, náuseas e vômitos, seguidos de fraqueza, nervosismo e hipertensão arterial. Os tratamentos consistem na interrupção da ingestão de suplementos de vitamina D para compensar os efeitos de níveis elevados de cálcio no sangue. Líquidos são administrados por via intravenosa, conforme necessário.

Quantidade diária recomendada

Alimentos como gema de ovo e sardinha, além de suplementos alimentares, são fontes de vitamina D. Porém, a exposição à luz solar é o principal mecanismo de absorção. O banho de sol é indicado 15 minutos diários para quem tem a pele mais clara. No caso da pele morena ou negra, esse tempo deve ser de 30 minutos a 1 hora por dia. Quanto mais escura a pele, mais difícil é a produção de vitamina D, segundo especialistas.

A melhor hora para tomar sol é aquela em que há maiores níveis de raios (Raios Ultravioleta B) UVB, entre 10h e 16h. É recomendado o uso do protetor com FPS 50, pois são as horas mais quentes do dia.

O complexo D é um nutriente fundamental para os sistemas imunológico, digestivo, circulatório e nervoso. Atua na saúde óssea, no crescimento e desenvolvimento da musculatura.

Caso a exposição ao sol não seja suficiente para obter as quantidades diárias de vitamina D, é preciso consegui-la por meio da alimentação ou de suplementos vitamínicos. Nas crianças com a partir de 1 ano de idade e em adultos saudáveis, a recomendação diária é de 15 microgramas (mcg) de vitamina D. Para pessoas com mais de 70 anos, a recomendação é consumir 20 mcg por dia.

A tabela abaixo indica a quantidade de micrograma de vitamina D para cada 100 g de alimento:

Copiar o texto
15/08/2022 19:48h

Iniciativa do Ministério do Desenvolvimento Regional está presente em 55 cidades de Pernambuco, Bahia, Espírito Santo, Amazonas e Paraíba

Baixar áudio

Com a proposta de estruturar a cadeia produtiva de fitomedicamentos, fitoterápicos, fitocosméticos e alimentos nutracêuticos (benéficos à saúde), o Ministério do Desenvolvimento Regional (MDR) criou a Rota da Biodiversidade. Parte da Estratégia Rotas de Integração Nacional, a iniciativa já conta com a participação de cerca de 6 mil famílias de 55 cidades do País, que vivem da agricultura familiar e do extrativismo, e já desenvolveu 22 milhões de toneladas de produtos do setor farmacêutico desde 2018.

As rotas promovem a coordenação de ações públicas e privadas em polos selecionados. Atualmente, a da Biodiversidade alcança 55 municípios de cinco estados, que são divididos em cinco polos: Juá-Caatinga (PE), Aroeirinha Mata Atlântica (BA), Biriba Mata Atlântica (BA/ES), BioAmazonia (AM) e Fito Caatinga (PB/PE).

Coordenadora-geral de Sistemas Produtivos e Inovadores do MDR, Valquíria Rodrigues reforça a importância das Rotas para os setores apoiados.

"A Estratégia incentiva a criação de redes de cooperação e parceria entre órgãos e entidades federais, estaduais e municipais, bem como entre produtores, empresários, universidades e com os organismos de cooperação técnica internacional”, afirma. “Essa parceria tem contribuído para o desenvolvimento de um sistema eficaz de governança regional, com ações entre os agentes públicos ou privados, seja na gestão do financiamento, da capacitação ou infraestrutura", destaca.

"Os resultados têm impacto positivo na geração de empregos e renda, além de fomentar a segurança e a soberania alimentar e nutricional e estimular o uso eficiente dos recursos naturais e o exercício da cidadania", completa Valquíria.

BioAmazonia

O MDR tem dois termos de execução descentralizada (TEDs) com a Universidade Federal do Amazonas (UFAM) no âmbito do projeto. O mais importante é o Parque Científico Tecnológico na região do Alto Solimões (PCT-Alto Solimões).

A ideia central é que o PCT sirva como incubadora de projetos para a geração de novos negócios e ampliação da cadeia produtiva por meio da biodiversidade da região. Para isso, foram adquiridos equipamentos de extração, manejo, catalogação e pesquisa. O projeto também inclui capacitação de estudantes.

Taciana Coutinho é pesquisadora da UFAM e atual coordenadora do Parque Científico e Tecnológico. Ela explica que o desafio do projeto é aliar a tecnologia com os saberes tradicionais dos povos indígenas.

"Nossa ideia é trabalhar com o que temos e como nós vamos agregar os conhecimentos tradicionais desses povos de maneira a trazer trabalho e renda para a população local", aponta.

O estudante da UFAM Izanildo de Souza pertence a uma comunidade indígena da etnia Tikuna que faz parte do projeto. Ele fala sobre como as ações desenvolvidas impactam sua comunidade.

“O projeto é muito importante porque é uma inovação e dá visibilidade, ou seja, mostra o que a nossa aldeia está fazendo. A minha comunidade atua nos setores produtivo, artesanal e pesca. As pessoas veem a floresta e não sabem que tem gente que tira o sustento de lá”, diz.

Rotas de Integração Nacional

As Rotas são redes de arranjos produtivos locais associadas a cadeias produtivas estratégicas capazes de promover a inclusão produtiva e o desenvolvimento sustentável das regiões brasileiras priorizadas pela Política Nacional de Desenvolvimento Regional (PNDR).

Além da Rota da Biodiversidade, atualmente, há outras 10 reconhecidas: do Açaí, do Cacau, do Cordeiro, da Economia Circular, da Fruticultura, do Leite, do Mel, da Moda, do Pescado e da Tecnologia da Informação e Comunicação (TIC).

As rotas beneficiam milhares de pequenos produtores familiares com emprego e renda e contribuem para a produção de alimentos regionais de qualidade e a preços acessíveis.

Estima-se que, desde a instalação dos polos, foram produzidos mais de 1,5 milhão de litros de leite e derivados nos polos da Rota do Leite; cerca de 157 mil toneladas de cacau e derivados pelos polos da Rota do Cacau; 161 toneladas de açaí; 940 toneladas de mel e derivados; 1,2 milhão de toneladas de frutas diversas pela Rota da Fruticultura. Na Rota do Cordeiro, a estimativa é de um rebanho de 14 milhões de ovinos e caprinos e, na do Peixe, 841 mil toneladas produzidas.

Todas as informações sobre as Rotas estão disponíveis na Plataforma Rota-S.

Seminário internacional

Na última terça-feira (9), o MDR promoveu a primeira parte de um seminário internacional para apresentar a Estratégia Rotas de Integração Nacional e a Plataforma Rota-S a representantes de 12 países. Ao todo, 180 pessoas participaram do encontro virtual. Nesta terça-feira (16), a partir das 9h30, ocorre o segundo dia do evento. A sessão pode ser acessada por este link. Os participantes poderão receber certificados mediante cadastro. Saiba mais aqui.

Copiar o texto
15/08/2022 19:20h

Primeiras duas parcelas serão pagas em 6 de setembro para quem fizer a autodeclaração até o final deste mês

Baixar áudio

Está aberto a partir desta segunda-feira (15) o período para que transportadores autônomos de carga façam a Autodeclaração do Termo de Registro do TAC, necessário para recebimento do Benefício Caminhoneiro-TAC. Os profissionais que fizerem essa autodeclaração até 29 de agosto receberão as duas primeiras parcelas no dia 6 de setembro. O acesso pode ser feito pelo Portal Emprega Brasil, utilizando o login do Gov.br, ou pelo aplicativo da Carteira de Trabalho Digital

“Não tem nada de complicado [a autodeclaração]. Não é necessário anexar documentação nenhuma, apenas declarar que é transportador autônomo de cargas, que está cadastrado na base da Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT) até o dia 31/12/22, e que está exercendo a atividade de forma regular. Lá deve informar também o Renavam do veículo que ele usa de transporte”, explicou o ministro do Trabalho e Previdência, José Carlos Oliveira. O Renavam é o Registro Nacional de Veículos Automotores dos veículos cadastrados junto à ANTT.

Segundo o governo federal, no primeiro lote, pago em 9 de agosto, mais de 190 mil caminhoneiros-TAC foram habilitados a receber as duas primeiras parcelas de pagamento, referentes aos meses de julho e agosto. 

Elegibilidade

Os dados do governo apontam 848.333 transportadores autônomos com cadastros vigentes em 31/5/2022. Para seleção do público apto a receber o benefício, foram utilizados os seguintes critérios: cadastro em situação diferente de “ativo” em 22/07; CPF inexistente, em situação diferente de “regular” ou menor de idade; registro de óbito; instituidor de pensão por morte ou de auxílio reclusão; ausência de registro de operação de transporte de carga em 2022; beneficiário do Benefício por Invalidez (algumas espécies) ou do Benefício Prestação Continuada (BPC) destinado à pessoa com deficiência; e vínculo formal de trabalho com média salarial em 2022 superior a dez salários mínimos. 

Veja aqui as providências necessárias para resolução dessas pendências. 

Como funciona

São diferentes atores envolvidos no processo do benefício. A gestão, como definição de critérios de elegibilidade e valores, é feita pelo Ministério do Trabalho e Previdência (MTP). Os cadastros usados pelo MTP são disponibilizados com base no Registro Nacional de Transporte Rodoviário de Cargas da  ANTT. A análise e processamento de dados, bem como a geração dos créditos, fica a cargo da Dataprev, e o pagamento aos beneficiários é de responsabilidade da Caixa Econômica Federal.

“Além dos normativos, há toda a jurisprudência do Tribunal de Contas da União, todas as orientações e definições da CGU. Tudo isso é levado em consideração na hora de fazer a transferência do recurso público”, explicou o presidente da Dataprev, Gustavo Canuto. 

Copiar o texto
Brasil 61