15/06/2024 03:00h

Comparado a abril de 2023, o IBC-Br aumentou 4,01%. No acumulado dos últimos 12 meses, o crescimento foi de 1,81%

Baixar áudio

O crescimento da economia brasileira em abril registrou uma leve alta de 0,01%, segundo os dados do Índice de Atividade Econômica do Banco Central (IBC-Br). Com isso, o índice alcançou 154,72 pontos no observado e 148,38 pontos na série dessazonalizada.

Para Júlio Miragaya, conselheiro federal do Conselho Federal de Economia (Cofecon), o índice do Banco Central não permite uma análise mais aprofundada em relação do desempenho econômico, pois trata de um único mês e a economia brasileira é "extremamente" volátil.

"Outros índices permitem ter uma análise mais clara, seja pela projeção do Ministério da Fazenda, seja pela projeção do Relatório de Mercado Focus ou do próprio Fundo Monetário Internacional, que aponta um crescimento do PIB [Produto Interno Bruto] oscilando entre 2% e 2,5%", explica.

André Galhardo, consultor econômico da Remessa Online, afirma que o desempenho do comércio varejista e do setor de serviços influenciaram no resultado de 0,01%.

"A indústria recuou 0,5% em abril e isso acabou puxando o IBC-Br para baixo. No entanto, apesar desse crescimento meramente marginal, depois de uma queda de 0,36% registrada no mês de março, ainda temos o comércio varejista e o setor serviços como catalisadores do crescimento econômico do Brasil em 2024, com ressalva apenas em relação ao mês de maio", destaca.

De acordo com os dados, na comparação com abril de 2023, o IBC-Br registrou um aumento de 4,01%. No acumulado dos últimos 12 meses, o índice avançou 1,81%.

Para o economista Cesar Bergo, o resultado mostra que a economia brasileira está estável.

"Esse número é importante, porque no mês de março nós tivemos uma queda. Isso mostra uma recuperação da economia e, mais do que isso, uma dinâmica positiva. Mesmo que esse mês tenha registrado 0,01%, no acumulado do ano temos [alta] de 2,08%", aponta.

No trimestre encerrado em abril, o IBC-Br registrou um aumento de 0,76% em comparação com o trimestre anterior. Em relação ao mesmo trimestre do ano passado, o crescimento foi de 1,63%.

Expectativas

Cesar Bergo explica que o resultado do mês de maio deve ser negativo, devido às questões climáticas e desastres que aconteceram no sul do Brasil.

"Com os investimentos feitos no Rio Grande do Sul para sua recuperação, é provável que a partir de junho haja uma compensação dessa perda e o crescimento deve ser retomado. Não tenha dúvida que o setor de serviço está mostrando muita força", aponta.

Bergo pontua que o Banco Central não deve reduzir mais a taxa de juros e, caso reduza, será em uma dinâmica menor. Ele explica que isso impacta diretamente as finanças das empresas e outras questões relacionadas à economia do país.

Para André Galhardo, as expectativas para os próximos meses são positivas para o comércio varejista e setor de serviços, o que deve dar continuidade ao processo de crescimento da economia brasileira. Ele destaca que a inflação continua subindo, mas em um ritmo menos intenso, o que abre espaço no orçamento familiar e dá condições para famílias consumirem produtos de valores maiores.

Copiar textoCopiar o texto
15/06/2024 03:00h

Só a região Sudeste foi responsável por 55% desse total, aponta ABREMA

Baixar áudio

‘Proibido jogar lixo e entulho neste local’. Em diversos lugares as pessoas já se depararam com placas com esse tipo de alerta. Mas o mau hábito de jogar lixo nas ruas pode custar caro. A pesquisa Panorama dos Resíduos Sólidos no Brasil 2023, da Associação Brasileira de Resíduos e Meio Ambiente (ABREMA) mostra que as despesas dos municípios com limpeza urbana giraram em torno de R$ 29,2 bilhões, só em 2022. 

Para o sócio da SPLaw e doutor em direito pela PUC-SP, Guillermo Glassman, a crescente geração desse tipo de resíduo e as práticas de descarte inadequadas podem custar caro.

“Dentre essas possíveis destinações de resíduos sólidos urbanos, a que causa maiores prejuízos ao meio ambiente e as populações próximas são, sem dúvida, os lixões, que consistem basicamente em locais de descarte de lixo a céu aberto, sem qualquer medida efetiva de controle ambiental”, observa.

Segundo o levantamento, a região Sudeste é responsável por 55% desse total. Em termos de custos per capita, a região Sudeste também é a que mais destina recursos para limpeza urbana, com aproximadamente R$ 15,70 mensais por habitante – valor acima da média nacional de R$ 11,96 por habitante por mês.

De acordo com o estudo, os serviços de limpeza urbana incluem, além da varrição de vias e limpeza de áreas públicas, a coleta, transporte, tratamento e disposição final de resíduos sólidos urbanos. 

As projeções do Panorama 2023 indicam que o mercado de limpeza urbana como um todo – gastos municipais e privados – movimentou cerca de R$ 31,2 bilhões, apenas em 2022. Esse montante equivale a um aumento de 4,2% em comparação ao valor estimado para 2021. 

Em termos de distribuição geográfica, as regiões Norte e Nordeste apresentaram as maiores variações em total gasto, com aumento de 9,8% e 9,0%, respectivamente. Ainda acima da média nacional, o Centro-Oeste apresentou um aumento de 6,1% no montante gasto. As regiões Sudeste e Sul apresentaram aumentos de 2,5% e 0,8%, respectivamente.

O advogado e sócio da S2F Partners (consultoria especializada em gestão de resíduos e economia circular), Fabricio Soler, lamenta a situação. Para ele, o cenário de gastos com a limpeza urbana poderia ser evitado.

“O cenário da gestão e gerenciamento de resíduos no Brasil está estagnado. O índice de coleta gira em torno de 91% a 92%, 93%. O que significa dizer que o Brasil ainda tem 18 milhões de brasileiros que descartam nas próprias casas, terrenos baldios; ou seja, não tem coleta”, reclama.
 

Copiar textoCopiar o texto
15/06/2024 03:00h

Pesquisa Mensal da Indústria divulgada nesta sexta-feira (14) pelo IBGE mostra que cinco dos 15 lugares pesquisados, o setor industrial apresentou queda em abril

Baixar áudio

A indústria nacional registrou um leve recuo de 0,5% em abril se comparado a março. Os números foram revelados pela Pesquisa Mensal da Indústria do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (PMI/IBGE), nesta sexta-feira (14).

Dos 15 locais pesquisados, cinco também seguiram em queda naquele mês: Pará, Bahia, Goiás, Minas Gerais e a região Nordeste. O Estado do Pará, na região Norte foi o que mais apresentou retração em sua indústria local, com 11,2%. De acordo com o analista da PIM Regional, Bernardo Almeida, a indústria paraense foi uma das principais influências negativas sobre o resultado nacional. "O setor extrativo foi o que mais influenciou esse comportamento negativo para o Pará", disse o especialista pelo fato de ela ser pouco diversificada.

Em segundo lugar, em ternos de infIuência no cenário nacional aparece a Bahia, com queda de 5,4%. "Os setores de derivado e petróleo e também de produtos químicos foram os setores que mais influenciaram esse comportamento da indústria baiana nesse mês de abril", acrescentou Bernardo.

Indústria do Nordeste

Na análise do economista Newton Marques, a influência da queda na indústria da região Nordeste como um todo não tem muito impacto no resultado nacional, haja vista que o grosso do setor industrial está mais concentrado nas regiões Sul e Sudeste. 

"Essa informação não é tão relevante do ponto de vista de mostrar que está havendo uma desindustrialização ou mesmo uma situação muito negativa para a indústria como um todo, principalmente que a indústria tem um efeito para frente e para trás muito importante e acaba ressentindo as elevadas taxas de juro ainda um ambiente que não dá pra dizer que é de um desempenho da atividade econômica", disse.

Destaque

Já no lado positivo, destaca Bernardo, aparece a indústria do Paraná, com crescimento de  12,8% em termos regionais. Segundo ele, a ´performance se deu nos setores de derivado de petróleo e também de alimentos. "Com essa taxa, elimina 2 meses de resultado negativos onde acumulou uma perda de 12,6%", observou o analista.

Bernardo também destaca São Paulo, que registrou um crescimento de 1,9%, principalmente na indústria de alimentos, derivados de petróleo e também de veículos e mostra que a indústria paulista está em franca recuperação. "Com esse resultado, está 1,8% acima do seu patamar pré-pandemia", destacou.

Newton Marques assinala que o recuo de 0,5% na indústria nacional em abril não é "de todo ruim". "Mas é um número que não é positivo por conta de que a indústria está reagindo abaixo do que estava sendo esperado", finalizou. 

 

Copiar textoCopiar o texto
15/06/2024 03:00h

Foram 34.650 acidentes em rodovias sob gestão pública e 30.526 em estradas sob concessão

Baixar áudio

Em 2023, o risco  de acidentes em rodovias federais sob gestão pública no Brasil foi 3,2 vezes maior em comparação com aquelas concedidas à iniciativa privada, em relação ao ano anterior. As informações são do estudo da Fundação Dom Cabral (FDC), feito com base em dados da Polícia Rodoviária Federal (PRF). O balanço ainda mostra que no ano passado, foram notificados 65.176 acidentes, sendo 34.650 ocorridos em rodovias sob gestão pública e 30.526 em estradas sob concessão.

Antônio Henrique Monteiro, advogado especialista em administração pública, explica que existem várias razões pelas quais uma infraestrutura rodoviária pode contribuir para um menor índice de acidentes.

"Primeiro, estradas bem pavimentadas reduzem o risco de acidentes ao proporcionar uma superfície de condução uniforme. Buracos e irregularidades no pavimento podem causar perda de controle dos veículos, especialmente em alta velocidade", aponta.

Ele informa que uma boa sinalização horizontal (pintura das linhas no asfalto e placas de trânsito) e uma iluminação adequada são essenciais para guiar os motoristas, especialmente à noite ou durante condições climáticas adversas, evitando que as pessoas se confundam.

O especialista recomenda que os motoristas respeitem os limites de velocidade, que são calculados por engenheiros e outros profissionais, a fim de evitar acidentes graves. Ele também explica que manter uma distância segura em relação ao veículo da frente é importante para o motorista reagir, em caso de uma frenagem brusca.

Monteiro ainda dá outras dicas para que os motoristas evitem acidentes.

"Evitar o uso de aparelhos celulares e outras distrações que possam desviar a atenção do motorista. Sinalizar manobras, às vezes uma ultrapassagem sem seta, parar na estrada no acostamento tem que colocar o triângulo. E ele deve ser colocado longe do veículo, não adianta colocar o triângulo em cima do veículo, porque isso também não vai evitar possíveis acidentes", completa.

BR-116: primeiro lugar no ranking dos trechos com maior número de acidentes no final de 2023

Número e gravidade de acidentes

Segundo os dados, em 2018, foram registrados 28.845 acidentes nas rodovias concedidas. No ano passado, esse número subiu para 30.526, representando um aumento de 5,8%. Enquanto isso, na malha sob gestão pública, os acidentes diminuíram de 36.880 para 34.650, o que correspondeu a uma queda de 6%.

Quando se analisa a gravidade dos acidentes ocorridos entre 2022 e 2023, foi constatado um aumento de 12,6% na taxa de casos com feridos. Por outro lado, o estudo revelou uma redução de 9,1% nos acidentes com mortes.

Copiar textoCopiar o texto
15/06/2024 03:00h

Especialistas avaliam que a medida minimiza perdas financeiras e garante o poder de compra dos trabalhadores por conta da garantia de correção, ao menos, pela inflação

Baixar áudio

O Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS) terá que ser corrigido, ao menos, pela inflação, segundo decisão do Supremo Tribunal Federal (STF) na última quarta-feira (12).

Pela decisão, as contas do FGTS não poderão ser corrigidas somente pela Taxa Referencial (TR) – taxa com valor próximo de zero –, como é feito atualmente. O STF decidiu que as contas deverão garantir correção real seguindo o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) – que é o principal indicador da inflação no país. 

Governo estuda reduzir investimentos para saúde e educação

Pela nova regra, a TR se mantém com mais 3% ao ano e o saldo do FGTS deverá  ser corrigido, pelo menos, pela inflação, seguindo o IPCA, calculado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Se o cálculo atual não alcançar o IPCA, o Conselho Curador do FGTS deverá estabelecer a forma de compensação. A proposta de cálculo foi sugerida ao STF pela Advocacia-Geral da União(AGU), após conciliação com centrais sindicais durante a tramitação do processo. 

Além disso, a nova forma de correção não será aplicada a valores retroativos. Ou seja, vale para novos depósitos a partir da decisão do Supremo. 

A nova correção deve começar a valer após a publicação da ata de julgamento – o que deve ocorrer nos próximos dias, segundo a a assessoria de imprensa do STF.

Garantia do poder de compra

A conselheira do Conselho Federal de Economia (Cofecon), Ana Cláudia Arruda, expõe que a correção do FGTS pelo IPCA é uma demanda antiga dos trabalhadores brasileiros. “O FGTS sempre foi a pior remuneração do mercado financeiro, ficando, inclusive, abaixo da poupança”, afirma.

Para ela, a nova regra é benéfica para os trabalhadores, ao passo que esse público teve perdas significativas ao longo dos últimos anos sem a correção pela inflação. 

“Essa decisão do Supremo Tribunal vem no sentido de minimizar as perdas financeiras que os trabalhadores deviam ter e que são perdas históricas por conta da inflação e das hiperinflações elevadas da economia brasileira ao longo das últimas décadas”, destaca Ana Cláudia Arruda.

Em declaração por escrito, o advogado-geral da União, Ministro Jorge Messias, avalia que a decisão beneficia diversos setores. 

“Ganham os trabalhadores, os que financiam suas moradias e os colaboradores do setor de construção civil”, menciona o ministro. 

Impacto na economia 

O FGTS é recolhido diretamente do salário dos trabalhadores que têm carteira assinada. A nova regra oportuniza o uso do saque para movimentar a economia, como explica Ana Cláudia Arruda.

“É uma mudança, portanto, importante e que vai possibilitar aos trabalhadores brasileiros uma melhor remuneração desse recurso, possibilitando, portanto, um melhor acúmulo financeiro para momentos importantes nas suas vidas”, pontua. 

Já o diretor administrativo da Line Bank BR, Helio Lima, ressalta que a decisão vai impactar os programas sociais do governo, que o governo utiliza os recursos do FGTS para a finalidade. 

“Isso vai trazer uma maior despesa, então vai aumentar provavelmente a dívida pública e gerar um aumento da taxa de juros de financiamento imobiliário para as famílias com renda até R$ 2.000”, enfatiza. “A gente pode esperar nos próximos meses um aumento da taxa de financiamentos e no saneamento básico, pois isso acontece através do fundo da FGTS”, completa Helio Lima. 
 

Copiar textoCopiar o texto
15/06/2024 03:00h

Segundo Pesquisa Mensal do Comércio do IBGE, abril fechou com alta de 0,9% nas vendas do setor

Baixar áudio

Pelo quarto mês consecutivo, as vendas do comércio no Brasil fecharam com saldo positivo, segundo a Pesquisa Mensal do Comércio (PMC), divulgada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) nesta quinta-feira (13). A alta em abril foi 0,9% maior na comparação com o mês anterior e 2,2% maior que o mesmo mês de 2023.

No acumulado do ano, o varejo já registra 4,9% de crescimento e, nos últimos 12 meses, alta de 2,7%. De acordo com o gerente da PMC, Cristiano Santos, quatro meses de crescimento do comércio varejista brasileiro só aconteceram em meados de 2023. "Naquele momento, houve quatro resultados não negativos. Acontece que, dessa vez, os resultados tiveram uma maior amplitude. Então, a variação final desses quatro meses foi maior do que aquele momento de 2023, em que o comércio experienciava crescimentos muito baixos, muito próximos de zero", disse.

Resultado positivo

O especialista acrescenta que esse resultado positivo do primeiro quadrimestre posiciona o índice de base fixa, com ajuste sazonal, no seu nível histórico. "Na verdade, em fevereiro o nível recorde já tinha sido atingido, só que agora ele se amplifica", acrescentou. 

Dentre as oito atividades pesquisadas, cinco registram êxito em abril, com destaque para equipamentos e material para escritório, informática e comunicação (14,2%) e Hiper, supermercados, produtos  alimentícios, bebidas e fumo (1,5%).

Crescimento econômico

Para o economista Cesar Bergo, esses números positivos contribuem para a manutenção do crescimento econômico do país, que já projeta para o final do ano um crescimento em torno de 2%. "O varejo tem sustentado esse crescimento. Também esse aumento nas vendas do varejo pode manter o mercado de trabalho aquecido, com contratações e melhorias nas rendas dos trabalhadores", disse.

Bergo acrescenta que políticas adotadas pelo governo federal, como a antecipação do décimo terceiro e o programa Desenrola, vêm estimulando o consumo e movimentado significativamente o varejo.

Mas, sinaliza, o mercado esperava um crescimento maior do varejo em abril. A expectativa era que fosse um crescimento em torno de 1,3%. Para o economista, o varejo ampliado, que contempla veículos e motos, por exemplo, contribuíram para que a expansão das vendas do comércio não avançassem mais.

"Mas de qualquer forma, vem sustentando esse crescimento e ajudando que o PIB do país se mantenha positivo. "Lembrando que esses números não contemplam as questões no Sul do país. Esses números devem vir em maio, de forma negativa", observou o economista. 
 

Copiar textoCopiar o texto
15/06/2024 03:00h

Neste episódio a pediatra, Adriana Pestana, fala sobre a convulsão em crianças

Baixar áudio

Se você presenciar uma criança convulsionando, é essencial manter a calma e seguir algumas dicas:

  • Coloque a criança em local seguro: após identificar a convulsão, posicione a criança em um local seguro, afastada de objetos que possam causar ferimentos;
  • Proteja a cabeça: tente proteger a cabeça da criança usando uma almofada ou peça de roupa para evitar lesões durante a crise. Não tente segurá-la ou abraçá-la durante o episódio;
  • Posição de lado: coloque a criança de lado ou incline sua cabeça para o lado para prevenir a aspiração de vômito ou saliva;
  • Evite obstruir a boca: não coloque nada na boca da criança, incluindo as mãos, para segurar a língua. Se possível, conte o tempo da convulsão;
  • Aguarde o término da crise: espere a crise convulsiva passar. Em seguida, leve a criança ao pronto-socorro para avaliação médica;
  • Chame ajuda profissional em casos prolongados: se a convulsão durar mais de 5 minutos, chame a emergência imediatamente.


É possível que a criança tenha experimentado uma convulsão febril, comum entre 6 meses e 5 anos. Geralmente, esse tipo de convulsão não prejudica a saúde, ocorrendo no início da febre e não se repetindo na maioria das vezes. No entanto, uma avaliação médica é sempre aconselhável para garantir o bem-estar da criança.


Para mais informações, assista ao vídeo no canal Doutor Ajuda no youtube.

Copiar textoCopiar o texto
14/06/2024 23:37h

A agricultura irrigada tem um papel significativo para o desenvolvimento regional, promovendo a eficiência no uso da água, a geração de empregos, a garantia de renda e a soberania alimentar, especialmente para as populações mais carentes

Baixar áudio

O Ministério da Integração e Desenvolvimento Regional (MIDR) celebrou, nesta terça-feira (11), o primeiro Dia Nacional da Agricultura Irrigada, instituído pela Lei nº 14.830 de 27 de março de 2024, para o dia 15 de junho. O evento reuniu líderes do governo, pesquisadores e representantes do setor agrícola para debater o papel da agricultura irrigada no Brasil.

O secretário nacional de Segurança Hídrica do MIDR, Giuseppe Vieira, ressaltou a relevância de impulsionar a agricultura irrigada. "Seguindo as diretrizes do presidente Lula e do ministro Waldez Góes, a agenda da agricultura irrigada tem sido tratada e impulsionada dentro do Ministério da Integração e Desenvolvimento Regional para todas as faixas produtivas, desde o agricultor familiar até o grande produtor irrigante. Todos têm importância e relevância. Esta data e este evento demonstram as iniciativas do governo federal para impulsionar a agricultura irrigada como uma atividade de grande relevância", informou o secretário.

A diretora do Departamento de Irrigação (DIR) do MIDR, Larissa Oliveira, destacou as ações da Pasta para impulsionar a irrigação no país.

“Trabalhamos em várias frentes, apoiando o setor privado, uma vez que 98% da agricultura irrigada no país está sob sua responsabilidade. Temos uma estratégia voltada para identificar e promover áreas com potencial para intensificar e expandir a irrigação. Esta iniciativa é chamada de 'Polos de Agricultura Irrigada', e o ministério, por meio de portaria, reconheceu 12 polos de agricultura irrigada no país”, explicou Larissa.

Prêmio MIDR de Agricultura Irrigada

Com o objetivo de reconhecer personalidades que se destacam no avanço da agricultura irrigada, o MIDR selecionou três nomes para receber o Prêmio MIDR de Agricultura Irrigada. Entre os premiados, Helvécio Saturnino, que liderou a Associação Brasileira de Irrigação e Drenagem (ABID) e colaborou na edição da revista ITEM, periódico de informações técnicas sobre irrigação e drenagem, além de ações estaduais e federais no setor.
Também foram premiados Fernando Antônio Rodrigues, da Superintendência do Vale do São Francisco (SUVALE), com experiência reconhecida na gestão de projetos de irrigação, e Francisco Dantas Pinheiro, gerente do Perímetro Irrigado Caldeirão e pioneiro na implantação do Perímetro Irrigado Lagoas do Piauí.

Mudanças climáticas

O evento incluiu uma mesa redonda com especialistas para discutir o panorama atual e as perspectivas futuras da agricultura irrigada no Brasil.
Diante dos desafios significativos enfrentados pelo país, especialmente após a recente catástrofe no Rio Grande do Sul, os palestrantes enfatizaram a importância das estratégias para fortalecer e expandir a agricultura irrigada, crucial para o desenvolvimento social, econômico e sustentável do Brasil.
O pesquisador em Recursos Hídricos e Irrigação da Embrapa Lineu Rodrigues destacou a importância da irrigação para a produção de alimentos frente às mudanças climáticas. “Com as variações do clima e a chuva cada vez mais concentrada, a irrigação se torna uma tecnologia essencial para atingir nossas metas por intensificar a produção e permitir que algumas culturas produzam até cinco vezes mais do que aquelas sem esse processo”, afirmou.

O pesquisador citou que não será possível alimentar a população brasileira, nem a mundial, sem a irrigação. “Ela é essencial para atender a demanda de alimentos necessária até 2050, que deve aumentar entre 60% e 100%. O Brasil será responsável por 50% desse aumento”, destacou.
A agricultura irrigada é uma estratégia do Governo Federal para cumprir os objetivos de desenvolvimento sustentável, promovendo a eficiência no uso da água, a geração de empregos, a garantia de renda e a soberania alimentar, especialmente para as populações mais carentes, como explicada o secretário Giuseppe Vieira.

"A expansão da agricultura irrigada em áreas já consolidadas, ou seja, sem a necessidade de novos desmatamentos ou aberturas, é uma agenda totalmente sustentável. Ela garante a soberania alimentar para nossa população e possibilita que os excedentes sejam comercializados, destacando nosso país no cenário mundial, como grande exportador de alimentos", informou Vieira.

Fórum Nacional de Agricultura Irrigada

Durante a reunião, foi anunciado o pré-lançamento do Fórum Nacional de Agricultura Irrigada, previsto para agosto de 2024, com a participação de secretários de estado e do Governo Federal. O evento terá como objetivo promover a discussão e o debate para a construção do Plano Nacional de Irrigação, contemplado na Lei nº 12.787 de 2013, envolvendo tanto agricultores irrigantes quanto órgãos do Governo Federal.

Fonte: MIDR

Copiar textoCopiar o texto
14/06/2024 23:33h

Com a medida, municípios estão aptos a solicitar recursos para ações de defesa civil

Baixar áudio

O Ministério da Integração e do Desenvolvimento Regional (MIDR), por meio da Defesa Civil Nacional, reconheceu, nesta sexta-feira (14), a situação de emergência em 95 cidades de Minas Gerais que enfrentam um período de seca. A portaria com a medida foi publicada em edição do Diário Oficial da União. Para saber mais detalhes, confira no link abaixo:

Portaria nº 2.094

Agora, as prefeituras estão aptas a solicitar recursos do Governo Federal para ações de defesa civil, como compra de cestas básicas, água mineral, refeição para trabalhadores e voluntários, kits de limpeza de residência, higiene pessoal e dormitório, entre outros.

De acordo com a Classificação e Codificação Brasileira de Desastres (Cobrade), a seca é uma estiagem prolongada, durante o período de tempo suficiente para que a falta de chuvas provoque grave desequilíbrio hidrológico.

Outros reconhecimentos

Mais duas cidades obtiveram o reconhecimento federal de situação de emergência nesta sexta-feira: Feliz Natal, no Mato Grosso, que atravessa um período de estiagem, e Grão Mogol, em Minas Gerais, castigada por fortes chuvas

Confira abaixo os links das portarias:

Portaria nº 2.101

Portaria n° 2.102

Como solicitar recursos

Cidades com o reconhecimento federal de situação de emergência ou de estado de calamidade pública podem solicitar ao MIDR recursos para ações de defesa civil. A solicitação pelos municípios em situação de emergência deve ser feita por meio do Sistema Integrado de Informações sobre Desastres (S2iD). Com base nas informações enviadas nos planos de trabalho, a equipe técnica da Defesa Civil Nacional avalia as metas e os valores solicitados. Com a aprovação, é publicada portaria no DOU com o valor a ser liberado.

Capacitações da Defesa Civil Nacional

A Defesa Civil Nacional oferece uma série de cursos a distância para habilitar e qualificar agentes municipais e estaduais para o uso do S2iD. As capacitações têm como foco os agentes de proteção e defesa civil nas três esferas de governo. Confira neste link a lista completa dos cursos.

Fonte: MIDR

Copiar textoCopiar o texto
14/06/2024 18:00h

A temperatura pode variar entre 15ºC e 38ºC

Baixar áudio

Sábado (15) com névoa seca em todo o Centro-Oeste. 

Confira agora a previsão do tempo no seu estado. 

Distrito Federal

A previsão para este sábado (15) é de tempo claro e sem nuvens em todo o Distrito Federal.

Goiás

A previsão para esse sábado (15) é de tempo claro e com poucas nuvens em todo o estado de Goiás. 

Mato Grosso

Previsão de tempo encoberto em Aripuanã, Alta Floresta, Colíder, Parecis, Arinos, sudoeste e centro-sul mato-grossense. Nas demais regiões do estado, poucas nuvens. 

Mato Grosso do Sul

A previsão para este sábado (15) é de poucas nuvens apenas no leste do estado. Nas demais regiões, muitas nuvens. 

Avisos meteorológicos

O Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet) alerta para perigo potencial de baixa umidade em todo o Mato Grosso do Sul, centro,sul, norte, noroeste e leste goiano, centro-sul, nordeste, sudeste, sudoeste e norte mato-grossense, atingindo cidades como Campo Grande (MS), Goianésia (GO) e Sorriso (MT).

Temperatura mínima e máxima na região

A temperatura mínima fica em torno de 15°C, em Brasília, no Distrito Federal — e a máxima prevista é de 38ºC, na cidade de Apiacás, no Mato Grosso. A umidade relativa do ar varia entre 20% e 85%.

As informações são do Instituto Nacional de Meteorologia.
 

Copiar textoCopiar o texto
14/06/2024 18:00h

A temperatura pode variar entre 11ºC e 33ºC

Baixar áudio

Sábado (15), com tempo claro em grande parte do Sudeste e sem chuvas.

Confira agora a previsão do tempo no seu estado. 

Espírito Santo

A previsão para este sábado (15) é de muitas nuvens em grande parte do estado. Poucas nuvens apenas na central e sul espírito-santense.

Minas Gerais

A previsão para este sábado (15) é de tempo claro com poucas nuvens em todo o estado de Minas Gerais. 

Rio de Janeiro

A previsão para este sábado (15) é de tempo claro com poucas nuvens em todo o estado do Rio de Janeiro. 

São Paulo

A previsão para este sábado (15) é de tempo claro com poucas nuvens em todo o estado de São Paulo. 

Avisos meteorológicos

O Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet) alerta para perigo potencial de baixa umidade no Triângulo Mineiro/Alto Paranaíba, central mineira, Zona da Mata, oeste, noroeste Sul/Sudoeste de Minas, Campo das Vertentes, Presidente Prudente, São José do Rio Preto, Campinas,  Bauru, Piracicaba, Itapetininga, Ribeirão Preto, Araçatuba, Macro Metropolitana Paulista, Marília, Araraquara, Metropolitana de São Paulo, Assis, Vale do Paraíba Paulista, atingindo cidades como Barbacena (MG) e Mogi Guaçu (SP)

Temperatura mínima e máxima na região

A temperatura mínima fica em torno de 11°C, em Virginia, Minas Gerais, e a máxima prevista é de 33ºC, em Rosana, São Paulo. A umidade relativa do ar varia entre 25% e 90%.

As informações são do Instituto Nacional de Meteorologia.
 

Copiar textoCopiar o texto
14/06/2024 18:00h

A temperatura pode variar entre 16ºC e 38ºC

Baixar áudio

O sábado (15) com chuvas na maioria dos estados do Norte.

Confira agora a previsão do tempo no seu estado. 

Acre

O sábado (15) começa com tempo encoberto em todo o Acre. Durante a tarde, as chuvas são fortes no Vale do Juruá. À noite, as chuvas se espalham para a microrregião de Sena Madureira.

Amapá

A previsão para este sábado (15) é de tempo nublado, pancadas de chuva e trovoadas isoladas em todo o Amapá.

Amazonas

O sábado (15) começa com tempo encoberto em todo o Amazonas. Pancadas de chuva no norte amazonense e nas cidades de Presidente Figueiredo, Nhamundá e Urucará. Durante a tarde e à noite, as fortes chuvas se espalham por grande parte do estado, com exceção do sul amazonense, onde não há previsão de chuva.

Pará

O dia começa com tempo encoberto em todo o Pará. Pancadas de chuva são esperadas no Baixo Amazonas. Durante a tarde, as fortes chuvas se espalham para Marajó, metropolitana de Belém, nordeste paraense, Itaituba, Paragominas e Tucuruí. 

Rondônia

A previsão para este sábado (15) é de tempo encoberto e sem chuvas em todo o estado de Rondônia.

Roraima

A previsão para este sábado (15) é de tempo nublado, pancadas de chuva e trovoadas isoladas em todo o estado de Roraima.

Tocantins

A previsão para este sábado (15) é de tempo encoberto no Bico do Papagaio, Araguaína, Miracema do Tocantins, Porto Nacional e Jalapão.

Avisos meteorológicos

O Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet) alerta para perigo potencial de chuvas fortes e ventos intensos em Roraima, Amapá e Amazonas, atingindo cidades como Caracaraí (RR), Tartarugalzinho (AP) e Maraã (AM).

Temperatura mínima e máxima na região

A temperatura mínima fica em torno de 16°C, no município de Santa Isabel do Rio Negro, no Amazonas, e a máxima prevista é de 39°C, em Jacareacanga, no Pará. A umidade relativa do ar varia entre 25% e 95%.

As informações são do Instituto Nacional de Meteorologia.
 

Copiar textoCopiar o texto
14/06/2024 18:00h

A temperatura pode variar entre 15ºC e 36ºC

Baixar áudio

Sábado (15) com alerta para vendaval e acumulado de chuva no Nordeste. 

Avisos meteorológicos

O Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet) alerta para acumulado de chuva na Mata e agreste pernambucano, metropolitana de Recife, agreste e mata paraibana, leste alagoano, agreste, central e leste potiguar.

Também há alerta para vendaval no sul, centro-sul e sertões cearenses, Borborema, Jaguaribe, centro sul baiano, vale são-franciscano da bahia, centro norte baiano, nordeste baiano, extremo oeste baiano, central, oeste e agreste potiguar, sudeste, centro-norte e sudoeste piauiense, sertão e São Francisco pernambucano, sertão e agreste paraibano, atingindo cidades como Mauriti (CE), Juazeiro (BA), São Miguel (RN), Floriano (PI), Salgueiro (PE) e Cajazeiras (PB).

Confira agora a previsão do tempo no seu estado. 

Alagoas

O sábado (15) começa com tempo encoberto em todo o Alagoas. Chuva branda no Litoral Norte Alagoano, Maceió e São Miguel dos Campos. Possibilidade de chuva nas demais regiões do leste alagoano e agreste. Durante a tarde e à noite, as chuvas se espalham por todo o leste e agreste alagoano.

Bahia

A previsão para este sábado (15) é de possibilidade de chuva na metropolitana de Salvador e microrregiões de Alagoinhas e Entre Rios durante a manhã. À tarde e à noite, as chuvas são brandas nessas regiões e se espalham para a microrregião de Valença. 

Ceará 

Este sábado (15) começa com tempo encoberto em todo o Ceará. Possibilidade de chuva no norte cearense, metropolitana de Fortaleza, Sobral, Santa Quitéria, Meruoca, Coreaú, Ibiapaba, Litoral de Camocim e Acaraú, Baixo Jaguaribe e Litoral de Aracati. Durante a tarde e à noite, chuvas isoladas na metropolitana de Fortaleza, Litoral de Aracati e Baixo Jaguaribe. 

Maranhão

O dia começa com tempo encoberto em todo o Maranhão. Possibilidade de chuva nos Lençóis Maranhenses e Baixo Parnaíba Maranhense. Durante a tarde e à noite, as chuvas são fortes em Gurupi, Pindaré, Litoral Ocidental Maranhense, Aglomeração Urbana de São Luís e Baixada Maranhense. 

Paraíba

O sábado (15) começa com tempo encoberto em toda a Paraíba. Chuvas são esperadas na marca paraibana. Possibilidade de chuva no agreste, Borborema e Catolé do Rocha. Durante a tarde e à noite, as chuvas deixam de ser uma possibilidade nessas regiões e são brandas. 

Pernambuco

O dia começa com tempo encoberto em todo o Pernambuco. Chuvas são esperadas na mata e metropolitana de Recife. Possibilidade de chuva no agreste pernambucano. Durante a tarde e à noite, chuvas brandas e isoladas na mata e agreste pernambucano e metropolitana de Recife. 

Piauí

O dia começa com tempo encoberto em todo o Piauí. Possibilidade de chuva apenas no norte piauiense. Durante a tarde e à noite, o céu continua com muitas nuvens, mas não há previsão de chuva no estado. 

Rio Grande do Norte

O sábado (15) começa com tempo encoberto em todo o Rio Grande do Norte. Chuvas no agreste e leste potiguar. Possibilidade de chuva nas demais regiões do estado, exceto na Serra de São Miguel e Pau dos Ferros, onde não há previsão de chuvas. Durante a tarde e à noite, chuvas isoladas em quase todo o estado, com exceção da Serra de São Miguel e Pau dos Ferros. 

Sergipe

Este sábado (15) começa com tempo encoberto em todo o estado de Sergipe. Possibilidade de chuva no leste sergipano. Durante a tarde e à noite, as chuvas são brandas no leste e se espalham também para o agreste. 

Temperatura mínima e máxima na região

A temperatura mínima fica em torno de 15°C, no município de Sento Sé, na Bahia — e a máxima prevista é de 36ºC, na cidade de Araioses, no Maranhão. A umidade relativa do ar varia entre 40% e 100%.

As informações são do Instituto Nacional de Meteorologia.

Copiar textoCopiar o texto
14/06/2024 18:00h

A temperatura pode variar entre 11ºC e 34ºC

Baixar áudio

Neste sábado (15), são esperadas pancadas de chuva em todo o Rio Grande do Sul e alguns municípios catarinenses.

Confira agora a previsão do tempo no seu estado. 

Paraná

A previsão para este sábado (15) é de poucas nuvens apenas no norte pioneiro e norte central paranaense, metropolitana de Curitiba e microrregião de Jaguariaíva. Nas demais regiões do Paraná, tempo encoberto, mas sem chuvas.

Santa Catarina

O dia começa com tempo encoberto em todo o estado de Santa Catarina. Pancadas de chuva são esperadas nas cidades de Santa Rosa do Sul, São João do Sul, Balneário Gaivota, Praia Grande, Jacinto Machado, Timbé do Sul e Itapiranga. Durante a tarde e à noite, chuvas brandas na Serrana, sul e oeste catarinense. 

Rio Grande do Sul 

A previsão para este sábado (15) é de tempo nublado, pancadas de chuva e trovoadas isoladas em todo o Rio Grande do Sul.

Avisos meteorológicos

O Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet) alerta para perigo de chuvas fortes e ventos intensos em todo o Rio Grande do Sul, atingindo cidades como Soledade, Osório e Carazinho.

Também há alerta para baixa umidade no Norte pioneiro, noroeste, norte central, oeste e centro ocidental paranaense, atingindo cidades como Londrina, Maringá e Paranavaí.

Temperatura mínima e máxima na região

A temperatura mínima fica em torno de 11°C, no município de Santa Vitória do Palmar, no Rio Grande do Sul — e a máxima prevista é de 34ºC, na cidade de Guaraqueçaba, no Paraná. A umidade relativa do ar varia entre 30% e 100%.

As informações são do Instituto Nacional de Meteorologia.

Copiar textoCopiar o texto
14/06/2024 00:44h

A soja é negociada a R$ 136,05 no interior do Paraná

Baixar áudio

Os preços da soja estão altos no país, após a valorização do dólar. 

No interior do Paraná, o preço da oleaginosa é de R$ 136,05, por saca de 60 kg. Em Paranaguá (PR), a saca é comercializada a R$ 140,55. 

O preço da tonelada de trigo também subiu. No último fechamento, a commodity é comercializada a R$ 1.554,40 no Paraná e R$ 1.432,30 no Rio Grande do Sul.

Os valores são do Cepea/USP.


 

Copiar textoCopiar o texto
14/06/2024 00:33h

O quilo do frango resfriado é negociado a R$ 7,40

Baixar áudio

O quilo do frango resfriado está estável e no último fechamento foi negociado a R$ 7,40. Já o frango congelado obteve leve alta e o quilo custa R$ 7,15. Os produtos são negociados nas regiões da Grande São Paulo, São José do Rio Preto e Descalvado. 

A cotação da arroba do boi gordo começou esta sexta-feira (14) em alta e o produto é negociado a R$ 220,50 no estado de São Paulo. 

Já o suíno manteve a cotação estável. A carcaça suína especial é negociada a R$ 10,35/quilo, em atacado da Grande São Paulo. O quilo do suíno vivo é comercializado a R$ 6,30 no Rio Grande do Sul, R$ 6,95 em São Paulo e R$ 7,30 em Minas Gerais. 

As informações são do Cepea
 

Copiar textoCopiar o texto
14/06/2024 00:22h

Avanços na moagem do produto aumentam a oferta

Baixar áudio

O açúcar cristal branco obteve queda de preços no início do mês de junho, devido ao aumento da moagem do produto e de sua oferta. A demanda do produto está estável. 

Na cidade de São Paulo (SP), o valor da saca de 50 quilos é de R$ 136,40, enquanto em Santos o valor é de R$ 136,65. 

Já a saca de  60 kg do milho esteve praticamente estável no último fechamento e é negociada a R$ 57,55, para a região de referência de Campinas (SP).

O café robusta também está praticamente estável, a R$ 1.212,70, à vista, para retirada nas imediações da região produtora de Colatina e São Gabriel da Palha, no estado do Espírito Santo. A saca de 60 quilos do café arábica subiu de preço e custa R$ 1.351,90, na cidade de São Paulo. 

Os valores são do Cepea.
 

Copiar textoCopiar o texto
14/06/2024 00:11h

O índice da bolsa de valores brasileira recuou 0,30%

O índice da bolsa de valores brasileira (Ibovespa) caiu pelo segundo dia consecutivo, em menos 0,30%. Ainda há influência da tensão no mercado financeiro brasileiro, diante de incertezas fiscais e de desempenho da economia. O índice está cotado a 119.567 pontos. 

Entre as ações mais negociadas, a própria B3 (B3SA3) foi a que mais obteve queda, de 3,10%, seguida por Banco Itaú (ITUB4) e Petrobras (PETR4), menores em 1,00%. Outras baixas são da MRV (MRVE3), Vamos (VAMO3) e Petz (PETZ3). 

As altas do dia ficaram com Raízen (RAIZ4), Pão de Açúcar (PCAR3) e CSN Mineração (CMIN3), que cresceram 4,90%, 3,45% e 3,30%. 

O volume negociado no último fechamento foi de R$ 18,4 bilhões. 

Os dados da bolsa de valores brasileira podem ser consultados no site da B3.

 

Copiar textoCopiar o texto
14/06/2024 00:09h

Mudanças no tom do Presidente da República contribuíram positivamente

Baixar áudio

O câmbio do real em relação ao dólar e ao euro recuou no último fechamento de mercado. A principal razão para isso foi uma mudança de tom em falas do Presidente da República e do Ministro da Fazenda, Fernando Haddad. 

A acentuada preocupação do mercado com a sustentabilidade das contas públicas brasileiras diminui com as declarações públicas do Executivo. Em evento internacional, o Presidente Lula enfatizou o equilíbrio fiscal das contas brasileiras e que “cabe ao Senado Federal e aos empresários, sugestões de alternativas para que o governo cumpra a meta de déficit zero”. A declaração foi bem recebida. 

Já em Brasília, ao lado da Ministra de Planejamento e Orçamento, Simone Tebet, o Ministro da Fazenda, Fernando Haddad, falou em corte de gastos - atendendo às pressões do mercado. O Ministro também comentou as previsões orçamentárias do legislativo, com vistas a 2025, que também estão no radar do governo. Após as declarações, a reação de investidores foi quase imediata e positiva. O dólar, que estava em valor recorde, caiu 0,75% e custa R$ 5,36, em seu valor comercial. 

O euro caiu 1,40%, cotado a R$ 5,76. 

As cotações são da companhia Morningstar
 

Copiar textoCopiar o texto
Dr. Ajuda
14/06/2024 00:07h

Neste episódio o cardiologista, Bruno Mioto, fala sobre Miocardite

Baixar áudio

A miocardite é caracterizada pela inflamação do músculo do coração, conhecido como miocárdio, que é responsável pela contração para bombear o sangue. Esse trabalho complexo do miocárdio de ejetar adequadamente o sangue oxigenado para o organismo é fundamental para a nutrição dos nossos órgãos e tecidos.


O sintoma mais comum é a dor no peito, frequentemente acompanhada por febre em alguns casos. Raramente, pacientes relatam sintomas adicionais, incluindo arritmias, falta de ar, inchaço nas pernas e, em casos extremos, pode ocorrer a morte.


Causas e associações


A miocardite geralmente surge após infecções, principalmente quadros virais e gripais. Infecções cardíacas, como febre reumática e doença de Chagas, também podem desencadear a condição. Notavelmente, vírus, incluindo a Covid-19, são frequentemente associados a casos de miocardite. A miocardite também pode ocorrer por conta de doenças autoimunes, em que o nosso sistema de defesa passa a atacar o próprio corpo.


Diagnóstico e tratamento


O diagnóstico da miocardite é baseado na história clínica detalhada, exame físico e pode ser complementado por exames de imagem, como ecocardiograma, ressonância nuclear magnética e cintilografia também podem ser usados para avaliar a forma e o funcionamento do órgão.


Já o tratamento tem como objetivo aliviar os sintomas, reduzir a inflamação e tratar quaisquer danos causados ao coração. Pode envolver medicamentos para controlar a inflamação e monitoramento cuidadoso para garantir a recuperação adequada.


É fundamental que qualquer pessoa que suspeite de miocardite ou apresente sintomas cardíacos consulte um profissional de saúde para avaliação precisa e orientação adequada ao seu caso específico.


Para mais informações, assista ao vídeo no canal Doutor Ajuda no youtube.

Copiar textoCopiar o texto
14/06/2024 00:05h

Esse é o segundo resultado positivo seguido, conforme pesquisa mensal do IBGE divulgada nesta quarta-feira (12)

Baixar áudio

Pesquisa Mensal de Serviços (PMS) divulgada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) mostra que o volume de serviços consumidos no Brasil cresceu 0,5% em abril em relação ao mês anterior. Esse acréscimo se deu, principalmente, pelo maior consumo no setor de transporte, que registrou alta de 1,7%.

Os números revelam, ainda, que o consumo no setor de serviços se encontra 12,9% acima do nível de fevereiro de 2020, mostrando uma franca recuperação do segmento no pós-pandemia. Os dados foram divulgados nesta quarta-feira (12) pelo IBGE.

O gerente da PMS, Rodrigo Lobo, ressalta que esse é o segundo resultado positivo consecutivo para o setor - abril só perde para dezembro de 2022, quando registrou uma alta de 0,7% no volume de serviços – que acumula um ganho de 1,2% nesses dois últimos meses.

CENÁRIO FAVORÁVEL

Essa expansão foi acompanhada por três das cinco atividades de divulgação investigadas, com destaque para os avanços vindos de transportes (1,7%) e de outros serviços (5,0%), com ambos crescendo pelo segundo mês consecutivo e acumulando ganhos de 2,5% e 5,3%, respectivamente. O outro avanço ficou com informação e comunicação (0,4%), que renova, em abril de 2024, o ápice de sua série histórica.

Em contrapartida, os serviços profissionais, administrativos e complementares (-1,1%) e os prestados às famílias (-1,8%) recuaram neste mês, após terem avançado em março.

O economista e membro do Conselho Regional de Economia do Distrito Federal (Corecon), Newton Marques, chama a atenção sobre o avanço do setor de turismo no período. “Cresceu 2,3% em abril e acumula um ganho de 2,4%. Isso mostra que o setor de turismo está em alta e puxa bastante esse indicador do setor de serviços”, disse.

Com isso, a pesquisa indica que o segmento de turismo se encontra 4,7% acima do patamar de fevereiro de 2020 e 3,0% abaixo do ponto mais alto da série, alcançado em fevereiro de 2014, ano em que o Brasil sediou a Copa do Mundo.

SÃO PAULO SE DESTACA

Quando se observa o desempenho regional, a pesquisa mostra que, em 20 dos 27 estados, houve avanço no volume de serviços em abril se comparado com março.

Os impactos mais importantes vieram de São Paulo (0,6%) e de Minas Gerais (3,2%), seguidos por Bahia (5,7%) e Distrito Federal (5,4%). Em contrapartida, Rio de Janeiro (-0,7%), Tocantins (22,5%) e Paraná (-1,0%) exerceram as principais influências negativas do mês.

Newton Marques afirma que a expansão do volume de serviços está muito ligada à própria atividade econômica nos setores primário e secundário. “Primário, agropecuária, e secundário, industrial. A gente está assistindo a uma redução do desemprego, mês a mês e a atividade econômica continua sendo positiva, então isso acaba impactando no setor de serviços”, completou.
 

Copiar textoCopiar o texto
14/06/2024 00:04h

Para se inscreverem, os estudantes devem acessar a Página do Participante e utilizar o cadastro na conta gov.br. Prazo para pagar a taxa (R$ 85) vai até dia 19 de junho

Baixar áudio

Termina nesta sexta-feira (14) o prazo para os estudantes se inscreverem no Exame Nacional do Ensino Médio (Enem). A inscrição deve ser feita por meio da Página do Participante, com utilização do cadastro na conta gov.br.

Confira outras datas do cronograma:

  • Também até 14 de junho: solicitações de atendimento especializado e tratamento por nome social;
  • Até 19 de junho: pagamento da taxa de inscrição (R$ 85);
  • 3 e 10 de novembro: aplicação das provas nas 27 unidades da Federação.

Como se preparar para o Enem 2024

As provas serão aplicadas nos dias 3 e 10 de novembro, sendo assim, os estudantes têm cerca de cinco meses para a preparação. O professor de redação, atuante em em uma instituição preparatória para vestibular e mentor educacional da Tutory, plataforma on-line de estudos, Eduardo Santana, avalia que não há porque temer o prazo, já que ainda há tempo para dedicação aos estudos e conseguir bons resultados. Ele menciona áreas em que os candidatos devem se dedicar:

"O que deve ser feito nesta preparação ao longo dos 5 meses é focar nas habilidades, como interpretação de textos, gráficos, tabelas, imagens e etc, em uma leitura ostensiva, porque é uma prova longa e também praticar uma leitura crítica e interpretação de diferentes tipos de textos e dados. Isso é fundamental para que todos saiam muito bem na prova”, elenca.

O período de preparo para o exame pode ser desgastante para os alunos, tanto de forma física quanto psicológica. Nesse caso, o professor Eduardo Santana destaca um elemento essencial que não pode faltar ao longo da preparação: o cuidado com a saúde física e mental. 

“Ao longo dessa preparação, o que não pode faltar é o nós chamamos de cuidado consigo, cuidado com a saúde mental e saúde física do candidato. Cada aluno, além de prezar pela organização dos estudos, precisa do cuidado com a saúde mental e física, como dormir bem, porque o sono é essencial para a consolidação da memória. Outro quesito importantíssimo ao longo dessa jornada é alimentar-se de forma saudável, pois ajuda na concentração e desempenho cognitivo. E a prática regular de atividades físicas vai aliviar o estresse”, destaca o professor.

Como são muitas disciplinas e conteúdos para estudar e revisar, a preparação requer organização. Para a estudante do último ano do ensino médio em Brasília, Geovana Macedo Timbó, 17 anos, a organização com o tempo de prova é a maior dificuldade. Ela vai realizar a prova pela primeira vez em 2024 e conta como é a rotina de estudos. 

“Eu estou estudando em casa, por um cursinho online, e na escola também. E as minhas maiores questões são a organização em relação ao tempo de prova e os possíveis temas de redação que vão cair”, conta.

Redação de peso

O Enem colabora para o ingresso no ensino superior no país. A prova possui formato já conhecido, que se divide na aplicação em dois dias – sendo que a redação acontece no segundo dia de provas e se consolida como elemento de peso para o cálculo da nota.

O professor de português e redação do Colégio Objetivo no Distrito Federal (DF), Willian Wallemberg, enfatiza a importância da dedicação ao aprimoramento das técnicas de redação para alcançar nota suficiente para ingressar no curso desejado.

“A redação do Enem repercute em 1 quinto da nota total que o aluno tem, então uma redação muito bem desempenhada e construída vai proporcionar que esse candidato consiga ter uma nota significativamente alta e de maneira positiva ele vai conseguir alcançar o curso que ele tanto almeja”, diz Wallemberg.

Willian Wallemberg salienta, ainda, outros tópicos relevantes durante a preparação para os parâmetros exigidos na redação do Enem:

  • Repertório: leitura constante, atualidades, noticiário;
  • Diversidade de conteúdos: vincular conhecimentos de história, sociologia, filosofia, artes;
  • Estruturação da redação: quatro parágrafos, elementos coesivos, proposta de intervenção;
  • Prática constante: perceber seus erros e corrigir ao longo de cada tema estudado;
  • Atenção aos temas: o candidato tem que estar atento a saber argumentar sobre qualquer tipo de assunto.

Rio Grande do Sul

O prazo para as inscrições terminaria, inicialmente, dia 7 de junho, mas foi prorrogado por mais uma semana pelo Ministério da Educação. A ampliação, segundo o Ministro de Estado da Educação, Camilo Santana, serviria tanto para os estudantes do Rio Grande do Sul quanto para os de todo o país. 

De acordo com a pasta, o balanço das inscrições apontou que, mesmo em meio às dificuldades por conta das enchentes, o Rio Grande do Sul somou mais de 70% dos formandos da rede pública inscritos para a prova antes mesmo da ampliação do prazo.

Para não esquecer 

A taxa de inscrição é R$ 85 e o pagamento pode ser efetuado até o dia 19 de junho. Os moradores do Rio Grande do Sul terão isenção da taxa.

As provas serão aplicadas nos dias 3 e 10 de novembro. E a inscrição deve ser realizada pela Página do Participante e utilizar o cadastro na conta gov.br.

Estudantes que não concluíram o ensino médio também podem realizar a prova na condição de treineiros.
 

 

 

Copiar textoCopiar o texto
14/06/2024 00:03h

Aprovada por 47 votos a 17 a proposta que inclui na Constituição a criminalização do porte de drogas ainda deve passar por comissão especial

Baixar áudio

A aprovação da Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 45/23, que criminaliza a posse e o porte de qualquer quantidade de droga aumenta o impasse entre o STF e o Congresso Nacional. Na opinião do advogado Karlos Eduardo de Souza Mares, é mais uma tentativa do Congresso de mostrar ao Poder Judiciário que não cabe à Justiça definir as diretrizes de quantidade para distinguir usuário de traficante. 

“A ideia desse projeto de emenda constitucional que está em tramitação é justamente retirar do Supremo Tribunal Federal o poder de criar uma interpretação sobre posse e porte de drogas, qual a quantidade e, inclusive, sobre a descriminalização do porte de drogas. Então a ideia central é justamente não deixar à margem da interpretação do STF qual a interpretação vai ser aplicada para cada situação”, analisa.

Aprovado por 47 votos a 17 na Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania (CCJ) da Câmara dos Deputados nesta quarta-feira (12), o texto, que também já tinha sido aprovado no Senado, precisa agora passar por uma comissão especial e, depois, pelo Plenário, em dois turnos de votação. 

“Para ser aprovada na Câmara ela precisa de no mínimo 308 votos e no Senado ela precisaria de no mínimo 49 votos”, destaca o advogado Karlos Eduardo.

Para a advogada, professora universitária e membro da Associação Nacional da Advocacia Criminal (ANACRIM) Kerolinne Barboza, essa decisão nada mais é do que uma reação legislativa a uma decisão do STF.

“Inclusive encontra-se ainda em discussão no STF, atualmente suspenso o julgamento, mas tivemos já o voto de três ministros que concordam em manter a criminalização do porte para o consumo pessoal. O STF entende, até o momento, pelos votos proferidos, que deverá o Congresso Nacional estabelecer critérios objetivos para diferenciar o porte de drogas para o consumo pessoal estabelecendo parâmetros que sejam de fácil identificação para que haja tipificação correta”, explica.

Discussão no STF

O debate sobre o tema no Congresso Nacional ocorre ao mesmo tempo em que o Supremo Tribunal Federal tenta decidir sobre a inconstitucionalidade de enquadrar como crime unicamente o porte de maconha para uso pessoal. Segundo o advogado especialista em direito criminal Daniel Bialski, muita coisa pode mudar.

“A consequência de ter uma legislação é que efetivamente esta decisão do Supremo que prevalecia ou prevalecerá até então, deixa de ter eficácia porque se o presidente concordar com a edição da lei, a lei for promulgada, o uso de droga passa a ser ato ilícito e deve ser punido e combatido não só pelas polícias, mas por todo o poder público”, explica.

A proposta é de autoria do senador Rodrigo Pacheco (PSD-MG), presidente do Senado. Ele explica que a proposta pretende distinguir traficante de usuário aplicando as penas de acordo com cada situação, mas ressalta que a utilização de substâncias derivadas de drogas ilícitas para uso medicinal não será afetada pela PEC.

O que diz a lei?

Conforme os especialistas, o que a legislação diz hoje é que a Lei Antidrogas considera crime comprar, guardar, transportar ou trazer consigo drogas para consumo pessoal. Entre as penas aplicadas, estão advertência sobre os efeitos das drogas e prestação de serviços à comunidade. Caso a proposta seja aprovada, a criminalização do usuário passa a integrar a Constituição e estará acima da Lei Antidrogas. 

Na opinião do advogado especialista em direito criminal Carlos Maggiolo, além da PEC, o poder público deveria adotar outras ações em conjunto. 

“Na realidade, até hoje, pouco o poder público investiu e se esforçou para tratar o usuário de droga. A questão de observar o usuário de droga como dependente químico como caso de saúde pública, sempre foi deixada de lado. Nunca se fez um esforço para que se recupere aquele usuário de droga. Não foram construídas unidades voltadas para a recuperação desse usuário, o que já deveria ter sido feita há muito tempo”, lamenta.

De acordo com a PEC 45/23, deverá ser definido segundo as provas apresentadas, se a pessoa flagrada com droga responderá por tráfico ou será enquadrada como usuária.
 

Copiar textoCopiar o texto
14/06/2024 00:02h

Especialista destaca desafios climáticos enfrentados em maio, como a falta de chuvas na região Centro-Oeste, que afetaram o ciclo das culturas

Baixar áudio

Em maio, a produção de cereais, leguminosas e oleaginosas estimada para 2024 deve alcançar 296,8 milhões de toneladas, 5,9% menor que a obtida em 2023 (315,4 milhões de toneladas). Esse resultado mostra que houve uma redução de 18,6 milhões de toneladas. Os dados são do Levantamento Sistemático da Produção Agropecuária (LSPA), divulgado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

A área destinada à colheita é de 78,3 milhões de hectares, representando um aumento de 0,6% em comparação com a área colhida em 2023, o que equivale a um crescimento de 454.502 hectares. Em relação a abril, houve um aumento de 0,6%, correspondendo a 445.140 hectares adicionais.

O arroz, o milho e a soja, que são os três principais produtos, juntos representam 91,5% da estimativa de produção e são responsáveis por 87,2% da área destinada à colheita.

Carlos Alfredo Guedes, gerente de agricultura do LSPA de maio 2024, aponta que o Brasil foi atingido por "muitos" problemas climáticos em maio, como a falta de chuvas na região Centro-Oeste, além de temperaturas altas.

"Encurtaram o ciclo de algumas lavouras e, consequentemente, diminuíram a produtividade. Alguns produtores tiveram que fazer replantio para cultura da soja, por exemplo. Outros acabaram optando por aumentar as áreas de algodão. Inclusive, estamos batendo recorde na produção de algodão. Este ano nossa estimativa é de 8,5 milhões de toneladas, um crescimento de quase 10% em relação ao ano passado, que também foi recorde", informa.

Inmet: junho terá temperaturas acima da média em grande parte do país

Guedes explica que devido aos problemas climáticos, a safra de milho deve ser menor este ano, com uma estimativa de 114,5 milhões de toneladas. Também houve uma redução da área plantada, pois o preço do milho não estava "muito atrativo" para o produtor. 

O gerente de agricultura também aponta que apesar dos eventos climáticos que ocorreram no Rio Grande do Sul, parte das lavouras já estavam colhidas.

"Tivemos um pequeno decréscimo de 1,6% na produção do Rio Grande do Sul neste mês, que é o maior estado produtor de arroz, mas que foi compensado por um aumento de produção em outros estados, como Minas Gerais, onde está sendo cultivado o arroz irrigado com pivô central. Compensou um pouco essa queda no Rio Grande do Sul", pontua.

Produção por região

Segundo o levantamento, a estimativa de produção de cereais, leguminosas e oleaginosas registrou variação anual positiva em duas regiões: Sul (5,0%) e Norte (8,5%). No entanto, ocorreu uma variação anual negativa nas demais regiões: Centro-Oeste (-12,8%), Sudeste (-8,5%) e Nordeste (-2,8%).

Em termos de variação mensal, as regiões que registraram crescimento foram Nordeste (0,2%), Norte (0,8%) e Sudeste (2,3%), enquanto as demais apresentaram declínio: Sul (-3,0%) e Centro-Oeste (-0,7%).

Mato Grosso mantém a liderança como o maior produtor nacional de grãos, contribuindo com 29,2% do total, seguido pelo Paraná (13,4%), Rio Grande do Sul (12,7%), Goiás (10,6%), Mato Grosso do Sul (7,3%) e Minas Gerais (5,9%). Em conjunto, esses estados representaram 79,1% da produção total.

Copiar textoCopiar o texto
14/06/2024 00:01h

Levantamento da CNM mostra que a região Sul liderou em moradias afetadas, com 43,4%, seguida pelo Sudeste (25,5%), Nordeste (15,5%), Norte (10,8%) e Centro-Oeste (5%)

Baixar áudio

Na última década, mais de cinco milhões de pessoas viram suas moradias serem destruídas ou danificadas por desastres e tiveram que abandoná-las. A informação é de um estudo técnico da Confederação Nacional de Municípios (CNM). De acordo com o levantamento, mais de 2,5 milhões de moradias foram impactadas, sendo que mais 115.992 ficaram totalmente destruídas, entre 2013 e 16 de maio de 2024.

A região Sul liderou em registros de moradias afetadas, representando 43,4% do total, seguida pelas regiões Sudeste (25,5%), Nordeste (15,5%), Norte (10,8%) e Centro-Oeste (5%).

Veja o ranking dos estados com moradias destruídas de 2013 a 2023:

  1. Rio Grande do Sul (42.133)
  2. Paraná (10.818)
  3. Bahia (9.276)
  4. Amazonas (6.416)
  5. Minas Gerais (5.900)
  6. Alagoas (5.841)
  7. Santa Catarina (5.420)
  8. Maranhão (5.288)
  9. Pernambuco (5.194)
  10. Pará (4.422)

Marlon Bento, especialista em infraestrutura e diretor administrativo da Line Bank BR, explica que estudos climáticos mostram uma tendência de desastres naturais, como chuvas e enchentes. 

"Os riscos desse cenário hoje, que a gente tem atualizado com o número de pessoas morando em situação de risco, que aumentou drasticamente, demonstra que temos uma possibilidade de, todo ano, termos uma grande tragédia no Brasil", aponta.

Desastres naturais causam R$ 32 bi em prejuízos em 2024

1,9 mil municípios têm moradores em áreas com risco de catástrofes

O levantamento ainda mostra que 94% dos municípios brasileiros declararam situação de emergência ou estado de calamidade pública pelo menos uma vez devido a desastres naturais entre 2013 e 16 de maio de 2024.

Rio Grande do Sul

Além disso, desde 2013, cerca de 2.850 municípios (51,2% do total) tiveram moradias diretamente afetadas. Somente neste ano, até o dia 16 de maio, 428 municípios registraram perdas em habitação, resultando em mais de 1 milhão de pessoas desalojadas ou desabrigadas.

Devido às chuvas intensas e enchentes que atingiram o Rio Grande do Sul em maio, o estado tem 52% de moradias danificadas e 77,5% destruídas.

O governador do Rio Grande do Sul, Eduardo Leite, anunciou medidas habitacionais para pessoas de baixa renda.

"Nós acreditamos que as providências que adotamos aqui vão se encarregar de fazer com que essas moradias sejam executadas mais rapidamente, porque já tem previamente alguém contratado. Quero dizer que os prefeitos que precisarem de apoio podem viabilizar a preparação de terrenos. Nossa equipe técnica também está pronta para ajudar no que for necessário, porque o que interessa é a casa executada”, ressalta.

O governador afirma que o plano Rio Grande possui mais de R$ 800 milhões, que já foram encaminhados para execução de projetos para reconstruir o estado, incluindo auxílio abrigamento para os municípios, aluguel social, estadia solidária e o programa Volta por Cima.

Copiar textoCopiar o texto
13/06/2024 23:19h

Estão na lista municípios dos estados da Bahia, Ceará, Pará, Paraíba, Pernambuco, Rio Grande do Norte e Santa Catarina

Baixar áudio

O Ministério da Integração e do Desenvolvimento Regional (MIDR), por meio da Defesa Civil Nacional, reconheceu, nesta quinta-feira (13), a situação de emergência em mais 13 cidades.

Com a medida, os municípios estão aptos a solicitar recursos do Governo Federal para ações de defesa civil.

Confira abaixo os links das portarias abaixo:

Portaria nº 2.089

Portaria nº 2.090

Portaria n° 2.091

Enfrentam um período de estiagem as cidades de Brumado e Sento Sé, na Bahia; Catunda, no Ceará; Campina Grande, Diamante, Gurjão e Joca Claudino, na Paraíba; Surubim, em Pernambuco, e São Vicente, no Rio Grande do Norte.

No Pará, o município de Óbidos foi castigado por fortes chuvas, enquanto Santa Luzia do Pará registrou enxurradas.

Por fim, em Santa Catarina, Barra Bonita obteve o reconhecimento federal de situação de emergência devido ao aumento no número de casos de dengue. Por outro lado, no mesmo estado, Santo Amaro da Imperatriz foi atingida por fortes chuvas.

Como solicitar recursos

Cidades com o reconhecimento federal de situação de emergência ou de estado de calamidade pública podem solicitar ao MIDR recursos para ações de defesa civil. A solicitação pelos municípios em situação de emergência deve ser feita por meio do Sistema Integrado de Informações sobre Desastres (S2iD). Com base nas informações enviadas nos planos de trabalho, a equipe técnica da Defesa Civil Nacional avalia as metas e os valores solicitados. Com a aprovação, é publicada portaria no DOU com o valor a ser liberado.

Capacitações da Defesa Civil Nacional

A Defesa Civil Nacional oferece uma série de cursos a distância para habilitar e qualificar agentes municipais e estaduais para o uso do S2iD. As capacitações têm como foco os agentes de proteção e defesa civil nas três esferas de governo. Confira neste link a lista completa dos cursos.

Fonte: MIDR

Copiar textoCopiar o texto
13/06/2024 23:17h

Cinco grandes empresas estão investindo na região do Vale do Jequitinhonha, duas delas já em operação e exportando o mineral

Até 2030, a previsão do governo de Minas é que serão investidos R$ 20 a R$ 30 bilhões em projetos de lítio no estado. Em um ano, o valor total de investimentos privados em Minas Gerais, nesse segmento, já ultrapassa os R$ 5,5 bilhões e 10 mil empregos diretos e indiretos gerados. Cinco grandes empresas estão investindo na região do Vale do Jequitinhonha, duas delas já em operação e exportando o mineral. Uma empresa investe na região do Campo das Vertentes. Foi o que disse o vice-governador de Minas Gerais, Professor Mateus, durante o Brazil Lithium Summit, realizado em Belo Horizonte nos dias 12 e 13 de junho, com o objetivo de discutir a importância do lítio como fonte de energia para um futuro mais sustentável. O dirigente destacou no evento o Vale do Lítio, idealizado pelo governo de Minas, por meio da Sede (Secretaria de Desenvolvimento Econômico) e da Invest Minas, e resultado de articulação com diversos órgãos governamentais estaduais e municipais para a formulação de políticas públicas, com foco na atração de empresas e investimentos, qualificação da mão de obra, incentivo à tecnologia e fornecimento da infraestrutura necessária para o crescimento da região.
Na ocasião, o vice-governador sinalizou aos empresários a necessidade do uso consciente dos recursos naturais. “Quando se trata de mineração, somos o centro da mineração brasileira. Nós temos os minerais de transição, chamados minerais estratégicos. Podemos falar de terras raras, de grafeno, do nióbio e a estrela do momento é o lítio, por conta das baterias que serão necessárias neste processo de transição energética que acontece no mundo”, afirmou.
Ele também destacou a intenção do governo em ampliar a cadeia que envolve o mineral.

No Brazil Lithium Summit, foram apresentadas estratégias imediatas e também as de longo prazo. Dentre as ações do poder público, o vice-governador ressaltou a atuação do governo de Minas para o desenvolvimento socioeconômico da região do Jequitinhonha, na capacitação de trabalhadores, na estruturação da saúde e da segurança pública e na infraestrutura, pensando no escoamento da produção. 

“É uma região historicamente conhecida pelas suas limitações financeiras e sociais. A mão de obra ali também ficou estacionada pela falta de oportunidade. Estamos nos desdobrando em uma série de projetos que o governador segue acompanhando pessoalmente”, disse ele. 

Também participaram do fórum o secretário de Estado de Desenvolvimento Econômico Fernando Passalio, e o diretor-presidente da Invest Minas, João Paulo Braga. A agência estadual de atração de investimentos foi uma das principais parceiras na realização do Brazil Lithium Summit.

Copiar textoCopiar o texto
13/06/2024 18:00h

A temperatura pode variar entre 15ºC e 26ºC

Baixar áudio

A previsão para esta sexta-feira (14) é de tempo aberto em todo o Distrito Federal. 

A temperatura mínima fica em torno de 15°C e a máxima prevista é de 26ºC. A umidade relativa do ar varia entre 35% e 90%.

As informações são do Instituto Nacional de Meteorologia.


 

Copiar textoCopiar o texto
13/06/2024 18:00h

A temperatura pode variar entre 14ºC e 34ºC

Baixar áudio

A previsão para a tarde desta sexta-feira (14) é de névoa seca no sul goiano, em cidades como Quirinópolis, Itumbiara e Goiatuba. Poucas nuvens nas demais regiões do estado. 

Durante a manhã e à noite, tempo aberto em todo o estado de Goiás. 

A temperatura mínima fica em torno de 14°C, em Catalão, e a máxima prevista é de 34ºC, em São Miguel do Araguaia. A umidade relativa do ar varia entre 30% e 85%.

As informações são do Instituto Nacional de Meteorologia.

 

Copiar textoCopiar o texto
13/06/2024 18:00h

A temperatura pode variar entre 18ºC e 38ºC

Baixar áudio

Esta sexta-feira (14) começa com poucas nuvens e céu claro em todo o Mato Grosso.

Durante a tarde, tempo encoberto nas cidades de Rondolândia, Colniza, Apiacás, Paranaíta, Novo Mundo, Aripuanã, Nova Bandeirantes e Nova Monte Verde. À noite, o céu volta a ficar claro. 

A temperatura mínima fica em torno de 18°C, em Campo Novo do Parecis, e a máxima prevista é de 38ºC, em Aripuanã. A umidade relativa do ar varia entre 20% e 55%.

As informações são do Instituto Nacional de Meteorologia.
 

Copiar textoCopiar o texto
13/06/2024 18:00h

A temperatura pode variar entre 16ºC e 36ºC

Baixar áudio

Nesta sexta-feira (14), o Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet) alerta para perigo de onda de calor no leste, sudoeste, pantanais e norte de Mato Grosso do Sul, em cidades como Selvíria, São Gabriel do Oeste e Dourados.

O dia começa com tempo aberto em todo o estado. Durante a tarde, névoa seca em grande parte do estado, com exceção dos pantanais de Mato Grosso do Sul. À noite, céu claro.

A temperatura mínima fica em torno de 18°C, em Pedro Gomes, e a máxima prevista é de 36ºC, em Corumbá. A umidade relativa do ar varia entre 20% e 65%.

As informações são do Instituto Nacional de Meteorologia.

 

Copiar textoCopiar o texto
13/06/2024 18:00h

A temperatura pode variar entre 11ºC e 32ºC

Baixar áudio

A previsão para esta sexta-feira (14) é de poucas nuvens em todo o Espírito Santo, principalmente em cidades como Nova Venécia, Serra e Domingos Martins.

A temperatura mínima fica em torno de 11°C, em Iúna, e a máxima prevista é de 32ºC, em Presidente Kennedy. A umidade relativa do ar varia entre 50% e 90%.

As informações são do Instituto Nacional de Meteorologia.

 

Copiar textoCopiar o texto
13/06/2024 18:00h

A temperatura pode variar entre 10ºC e 31ºC

Baixar áudio

A sexta-feira (14) começa com poucas nuvens em todo o estado de Minas Gerais. Nevoeiro ou névoa úmida no Vale do Mucuri, Pedra Azul, Araçuaí e Almenara.

Durante a tarde há previsão de névoa seca no Triângulo Mineiro e Alto Paranaíba, sul e sudoeste de Minas, em cidades como Uberlândia, Uberaba e Ituiutaba. Possibilidade de chuva na microrregião de Almenara. À noite, poucas nuvens em todo o estado. 

A temperatura mínima fica em torno de 10°C, em Cambuí, e a máxima prevista é de 31ºC, em Formoso. A umidade relativa do ar varia entre 30% e 100%.

As informações são do Instituto Nacional de Meteorologia.

 

Copiar textoCopiar o texto
13/06/2024 18:00h

A temperatura pode variar entre 12ºC e 34ºC

Baixar áudio

A previsão para esta sexta-feira (14) é de tempo claro e com poucas nuvens em todo o estado do Rio de Janeiro, em cidades como Cantagalo, Nova Friburgo e Santo Antônio de Pádua.

A temperatura mínima fica em torno de 12°C, em Itatiaia, e a máxima prevista é de 34ºC, em Silva Jardim. A umidade relativa do ar varia entre 30% e 80%.

As informações são do Instituto Nacional de Meteorologia.
 

Copiar textoCopiar o texto
13/06/2024 18:00h

A temperatura pode variar entre 12ºC e 32ºC

Baixar áudio

Nesta sexta-feira (14), o Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet) alerta para perigo de onda de calor em Presidente Prudente, Araçatuba, Marília, Assis e Bauru.

O dia começa com tempo claro em todo o estado de São Paulo. Durante a tarde, névoa seca em São José do Rio Preto, Ribeirão Preto, Araçatuba, Bauru, Araraquara, Presidente Prudente, Marília e Assis. À noite, céu limpo em todo o estado. 

A temperatura mínima fica em torno de 12°C, em Areias, e a máxima prevista é de 32ºC, em Teodoro Sampaio. A umidade relativa do ar varia entre 20% e 80%.

As informações são do Instituto Nacional de Meteorologia.

 

Copiar textoCopiar o texto
13/06/2024 18:00h

A temperatura pode variar entre 22ºC e 35ºC

Baixar áudio

Esta sexta-feira (14) começa com tempo encoberto em todo o Acre. Possibilidade de chuva em Cruzeiro do Sul e Tarauacá.

Durante a tarde e à noite, muitas nuvens e sem previsão de chuva em todo o estado. 

A temperatura mínima fica em torno de 22°C, em Rio Branco, e a máxima prevista é de 35ºC, em Acrelândia. A umidade relativa do ar varia entre 55% e 98%.

As informações são do Instituto Nacional de Meteorologia.
 

Copiar textoCopiar o texto
13/06/2024 18:00h

A temperatura pode variar entre 20ºC e 37ºC

Baixar áudio

Durante a manhã e à tarde desta sexta-feira (14) a previsão é de tempo encoberto nas microrregiões de Porto Velho, Ariquemes e Ji-Paraná. Poucas nuvens nas demais regiões do estado. À noite, poucas nuvens em todo o estado. 

A temperatura mínima fica em torno de 20°C, em Vilhena, e a máxima prevista é de 37ºC, em Pimenteiras do Oeste. A umidade relativa do ar varia entre 40% e 95%.

As informações são do Instituto Nacional de Meteorologia.

 

Copiar textoCopiar o texto
13/06/2024 18:00h

A temperatura pode variar entre 16ºC e 37ºC

Baixar áudio

A previsão para esta sexta-feira (14) é de poucas nuvens em todo o Tocantins, principalmente em cidades como Goiatins, Dianópolis e Campos Lindos. 

A temperatura mínima fica em torno de 16°C, em Lavandeira, e a máxima prevista é de 37ºC, em Araguatins. A umidade relativa do ar varia entre 35% e 85%.

As informações são do Instituto Nacional de Meteorologia.
 

Copiar textoCopiar o texto
13/06/2024 18:00h

A temperatura pode variar entre 16ºC e 37ºC

Baixar áudio

Nesta sexta-feira (14), o Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet) alerta para perigo potencial de chuvas fortes e ventos intensos no Centro, Sudoeste e Norte Amazonense, atingindo cidades como Itacoatiara, Maraã e Presidente Figueiredo.

O dia começa com pancadas de chuva no norte, Rio Preto da Eva e Parintins. Possibilidade de chuva no sudoeste e centro amazonense. Durante a tarde e à noite, as chuvas são fortes nessas regiões. No sul amazonense, não há previsão de chuvas.

A temperatura mínima fica em torno de 16°C, em Santa Isabel do Rio Negro, e a máxima prevista é de 37ºC, em Maués. A umidade relativa do ar varia entre 60% e 98%.

As informações são do Instituto Nacional de Meteorologia.
 

Copiar textoCopiar o texto
13/06/2024 18:00h

A temperatura pode variar entre 16ºC e 37°C

Baixar áudio

Nesta sexta-feira (14), o Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet) alerta para perigo potencial de chuvas fortes e ventos intensos em todo o estado de Roraima, atingindo cidades como Cantá, Rorainópolis e Bonfim.

A previsão é de tempo encoberto e pancadas de chuva em todo o estado durante o dia e à noite. 

A temperatura mínima fica em torno de 16°C, em Uiramutã, e a máxima prevista é de 37ºC em Boa Vista. A umidade relativa do ar varia entre 70% e 98%.

As informações são do Instituto Nacional de Meteorologia.
 

Copiar textoCopiar o texto