18/07/2024 00:07h

Neste episódio a pediatra neonatologista, Fernanda Doreto Rodrigues, compartilha algumas dicas para impor limites à criança

Baixar áudio

As birras são momentos em que a criança tenta atrair toda a atenção para si mesma de forma negativa de modo que os adultos envolvidos vão se cansar ou se irritar e acabar fazendo o que ela quer.


Mas por que as crianças têm esse comportamento? Os bebês se tornam crianças pequenas de uma hora para outra, a partir dos 10/11 meses, eles começam a interagir muito mais com o mundo e passam a ter um pouco mais de noção do que são, do que gostam e do que querem naquele momento. Acontece que tudo isso vem antes das palavras, antes deles serem capazes de conseguir explicar o que querem e de convencer as pessoas do porquê aquilo é tão importante naquele momento.


Além disso, nessa idade as crianças não são capazes de dividir a atenção ou foco, quando estão interessadas em algo, não conseguem pensar em mais nada e é como se o mundo inteiro girasse em torno daquilo. Ou seja, as birras acontecem quando as palavras ainda não estão lá e são instrumentos para convencer os adultos do que elas querem, se jogar no chão, chorar, gritar e às vezes até se machucar, são alguns desses instrumentos.


Algumas crianças são mais intensas, outras são mais moderadas, algumas desenvolvem a linguagem mais rapidamente que outras  que passam mais tempo usando as birras como instrumento. Todas as crianças passam por essa fase e não há vergonha nenhuma nisso, a questão é como lidar com elas.


Todos os indivíduos têm limites que devem ser respeitados para uma convivência saudável na sociedade, e é fundamental ensinar às crianças a importância de respeitar esses limites desde cedo. Aqui estão algumas dicas para ajudar nesse processo:

 

  1. O maior segredo é não dar a atenção pretendida, nem a atenção positiva e nem a negativa. É necessário se afastar para permitir que a criança se acalme e entenda que a birra não é um instrumento aceitável;
  2. Aprender a se acalmar em situações de estresse é um grande ensinamento, sendo assim, mantenha a calma e diga “essa atitude não é legal, vou deixar você se acalmar e depois a gente conversa”, se afaste, sem deixar de vigiar a criança e não deixe ninguém se aproximar, quando a plateia some, em alguns minutos a criança vai sair do modo birra e certamente vai te procurar. Quando ela estiver mais calma, explique o porque ela não pode fazer ou pegar o que pretendia, é muito mais fácil respeitar o limite quando sabemos o porquê dele existir;
  3. Lembre-se de que às vezes é preciso dizer sim, se não for prejudicial para ela ou para outras pessoas, deixe para a criança brincar, mexer e experimentar, é assim que ela aprende e interage com o mundo.

Isso tudo pode parecer cansativo, mas se agir de forma consistente em todas as birras, eventualmente elas vão diminuir ou até desaparecer, afinal, quando a birra não faz efeito, ela deixa de ser um instrumento útil.


As birras são momentos de estresse para todos os envolvidos, mas é importante lembrar que perder a calma só vai piorar a situação. A criança precisa que você seja o adulto e precisa da sua ajuda para solucionar o problema. Ao ensinar as crianças sobre limites e respeito mútuo, estamos contribuindo para a formação de indivíduos responsáveis e conscientes, capazes de conviver harmoniosamente em sociedade.


Para mais informações, assista ao vídeo no canal Doutor Ajuda no youtube.
 

Copiar textoCopiar o texto
16/07/2024 00:03h

Neste episódio o pediatra, Rafael Yanes R. da Silva fala sobre o teste do coraçãozinho

Baixar áudio

Nas primeiras horas de vida, ainda na maternidade, o bebê deve ser avaliado em diversos aspectos, são analisados desde os itens mais simples como a estatura, peso, tamanho da circunferência da cabeça e também itens mais complexos como os reflexos neurológicos, a força muscular, a reação ao estímulos, entre outros para saber se está tudo bem com o bebê.


Para tornar essa avaliação mais completa e segura, existem os chamados testes de triagem neonatal. Esses testes compõem uma lista de exames e avaliações obrigatórias que possibilitam suspeitar precocemente de possíveis condições de saúde que podem não ser aparentes no nascimento, mas que se tratadas cedo, podem garantir um futuro mais saudável para a criança. 


O teste do coraçãozinho é um exame importante realizado no recém nascido para detectar cardiopatias congênitas, que são condições em que o coração não se desenvolveu corretamente antes do nascimento. Esse teste permite o diagnóstico precoce e, consequentemente, o tratamento adequado para prevenir sequelas graves. O exame é simples, rápido e indolor e deve ser realizado nas primeiras 24 horas após o nascimento.


A finalidade do teste é medir a saturação no sangue do bebê: se o coração não estiver funcionando corretamente, haverá menos saturação no sangue. Caso o resultado seja alterado, o teste é repetido.


Os testes de triagem neonatal englobam muitos pontos importantes na saúde do bebês, e que geralmente são obrigatórios por lei para todas as maternidades brasileiras, porém representam apenas uma pequena parte de tudo o que precisa ser avaliado em um bebê nas primeiras horas de vida e são a demonstração de que a prevenção de doenças deve estar presente desde o início da vida.


Para mais informações, assista ao vídeo no canal Doutor Ajuda no youtube.

Copiar textoCopiar o texto
13/07/2024 11:00h

Neste episódio, o Cirurgião Vascular Dr. Manoel Lobato, explica sobre os cuidados que os pacientes diabéticos precisam ter com os pés

Baixar áudioBaixar áudioBaixar áudio

As feridas que surgem nas pernas e nos pés, na maioria das vezes, são causadas por problemas da circulação e problemas vasculares. Quando sofremos algum trauma ou machucado nas pernas, é comum o surgimento de uma ferida, mas se a nossa circulação for saudável, em alguns dias ela estará cicatrizada. Entretanto, algumas feridas podem continuar abertas sem melhorar ou até mesmo piorar ao longo do tempo, as chamadas feridas crônicas. Em geral elas ocorrem por conta de problemas da circulação ou por infecções não tratadas ou por curativos e tratamentos inadequados da ferida.


Uma das principais causas dessas feridas são as úlceras arteriais. Essas úlceras ocorrem devido à obstrução nas artérias das pernas, que resulta na redução do fluxo de sangue com nutrientes e oxigênio necessários para a cicatrização dos tecidos. Essa situação faz com que as feridas piorem ao longo do tempo e desenvolvem necrose, que é a morte dos tecidos. Se houver infecção, pode ocorrer a necessidade de amputação do membro.


Outra principal causa para as feridas nas pernas é o diabetes e isso ocorre por diversos fatores, um deles é a redução da atividade das células de defesa do corpo contra as infecções, além disso, ele vai agredindo as artérias e nervos do corpo ao longo dos anos e a região mais afetada são as pernas e os pés. A lesão dos nervos causada pelo diabetes é conhecida como neuropatia diabética, os altos níveis de glicose no sangue dos diabéticos lentamente vão destruindo os nervos dos pés e das pernas e isso causa uma série de consequências como a perda da sensibilidade, uma pele mais seca e uma deformidade dos dedos do pé.


Como é feito o diagnóstico?


Pela história clínica e pelo exame físico detalhado, na maioria das vezes já é possível chegar no diagnóstico e em alguns casos, exames como ultrassom, teste de sensibilidade neurológica e até mesmo a arteriografia podem ser necessários. 


Tratamento 


O tratamento das feridas deve focar em dois pontos, na identificação da causa e nos cuidados gerais com a ferida. Para a ferida, todas devem ficar cobertas e protegidas com curativos e serem lavadas com soro fisiológico e antissépticos neutros, é muito importante manter a higiene nas trocas de curativo. O tipo de curativo usado depende do aspecto de cada ferida, as que são mais secas devem receber curativos com hidratantes e as que possuem mais secreção devem ser tratadas com curativos com maior capacidade de absorção. Em alguns casos, curativos a vácuo ou com pressão negativa são necessários, mas cada caso necessita de uma avaliação específica. 


Pessoas com diabetes têm mais risco de desenvolver feridas nos pés e, por isso, é importante ter alguns cuidados:

  • Todos os dias, examine os pés após o banho. Procure por feridas entre os dedos, nas unhas ou na sola dos pés. Se notar um calo grande ou ferida, cubra com curativo;
  • Evite escaldar o pé, andar descalço fora de casa ou na areia da praia para evitar machucar ou queimar os pés;
  • Controle o diabetes para diminuir o risco de lesões por má circulação e falta de sensibilidade, bem como o risco de infecções nas feridas;
  • Se notar ferida, busque por atendimento médico o mais rápido possível.


Para mais informações, assista ao vídeo no canal Doutor Ajuda no youtube. 

Copiar textoCopiar o texto
Dr. Ajuda
07/07/2024 00:07h

Neste episódio o alergista e imunologista, Marcelo Aun, fala sobre imunidade baixa

Baixar áudio

O sistema imunológico é um conjunto complexo de células e moléculas distribuídas em todo o corpo em todos os nossos órgãos e sistemas, atentos o tempo todo vigilantes e agem contra os agentes estranhos agressores ou invasores. Para muitos cientistas, é o sistema mais complexo do nosso corpo, por conta da variedade de ações que ele faz.


A palavra imunidade baixa é usada para se referir às pessoas que estariam menos protegidas e mais suscetíveis às infecções, na prática os pacientes têm essa impressão quando estão tendo mais infecções do que consideram normal ou do que estavam acostumados. Tecnicamente, a expressão imunidade baixa é os médicos chamam de imunodeficiência que podem ser classificadas em dois tipos:


Primária: de origem genética;
Secundária: adquirida por outras condições, como infecção por HIV ou uso de medicamentos.


Quando suspeitar de imunidade baixa?


A suspeita de imunidade baixa deve ocorrer quando há um aumento da frequência de infecções, infecções com muita gravidade ou infecção por patogênicos atípicos, como meningite por tuberculose. Felizmente, a primeira situação é a mais comum, se você tem ficado doente com frequência, é importante procurar um médico para a correta avaliação. 


Diagnóstico 


A investigação inclui uma boa história clínica seguida de exames laboratoriais e a depender do caso, exames de imagem. Em relação aos exames de sangue, é procurado medir, por exemplo, quantidade total de anticorpos de cada tipo que o paciente produz ou mesmo se ele produz anticorpos específicos contra determinado agente infeccioso, a busca é bem minuciosa, detalhada e bem específica. 


Quando encontrada alguma alteração verdadeira, como a redução dos níveis eis de anticorpos, por exemplo, às vezes o paciente precisa repor aquele anticorpo que está em baixa quantidade. Isso significa que o tratamento é altamente para a causa que foi encontrada, desde que seja confirmada. 


O que fazer?


Como existem muitas causas, para cada problema tem um tratamento específico. Por sorte, a maioria dos pacientes que procura o médico por conta de imunidade baixa, possui o sistema imunológico normal e necessita de pequenos ajustes como praticar exercícios físicos regulares, ter uma dieta variada e balanceada contendo carboidratos, gorduras e proteínas sem exageros, ingerir frutas e legumes, não exagerar em doces e guloseimas e tomar bastante água. Uma rotina de sono reparadora, que permite que você realmente descanse para o dia seguinte, também é fundamental para manter uma boa imunidade. 


Para mais informações, assista ao vídeo no canal Doutor Ajuda no youtube. 

Copiar textoCopiar o texto
06/07/2024 00:07h

Nesse episódio o cardiologista, Bruno Mioto, fala sobre os benefícios do café para nossa saúde.

Baixar áudio

Não é à toa que escolhemos o café que consumimos logo ao acordar, ele ativa o córtex cerebral facilitando os processos de memória, atenção e aprendizado. Apesar disso, ainda existe grande desconhecimento por parte da população sobre os efeitos do consumo de café na saúde humana. 


O café, depois da água, é a bebida mais consumida no mundo e a principal fonte de ingestão de cafeína em adultos. Seus efeitos biológicos podem ser substâncias que não se limitam à ação da cafeína.


Pesquisas nos últimos anos informaram que o café é uma das principais fontes de antioxidantes na dieta e seu consumo diário pode ser bom para saúde. Do ponto de vista cardiovascular, o consumo de café pode reduzir o risco de diabetes tipo 2 e hipertensão, além de outras condições associadas ao risco cardiovascular como obesidade e depressão. Com relação ao colesterol e triglicerídeos, os efeitos do café podem variar dependendo de como a bebida é preparada, isso porque o café apresenta algumas substâncias que podem elevar o colesterol, entretanto essas mesmas substâncias são, em boa parte, retidas pelo filtro. 


Independentemente disso, uma quantidade crescente de dados sugere que o consumo habitual de cafeína  de duas a três xícaras de café ou é neutro ou reduz uma variedade de desfechos cardiovasculares adversos, incluindo infarto, insuficiência cardíaca e AVC. 


Além disso, grandes estudos epidemiológicos sugerem que os consumidores regulares possuem riscos reduzidos de morte por causas cardiovasculares, principalmente infarto e AVC. Os benefícios também incluem proteção contra doenças neurodegenerativas, como Parkinson e Alzheimer, melhora do controle da asma e menor risco de alguma doença gastrointestinal, como pedras na vesícula e doenças do fígado. Porém, é importante reforçar que a maioria dos dados sobre os efeitos do café na saúde humana, baseia-se em estudos observacionais e faltam estudos mais estruturados para termos mais certeza desses efeitos. 


No entanto, é preciso consumir com cautela, já que seu alto índice de cafeína pode piorar outras condições como ansiedade, insônia dentre outros.


Para mais informações,  assista ao vídeo no canal Doutor Ajuda no youtube. 

Copiar textoCopiar o texto
04/07/2024 16:00h

Neste episódio Gabriela Boufelli de Freitas, mastologista, fala sobre prevenção do câncer de mama

Baixar áudioBaixar áudio

O câncer de mama é um problema grave e muito frequente, estima-se que 1 em cada 8 mulheres vai ter que lidar com o câncer ao longo da vida, só no Brasil, mais de 60 mil mulheres são diagnosticadas com a doença todo ano. 

 

Existem dois tipos de prevenção que devem ser feitas para o câncer de mama: prevenção primária e secundária.

  • Prevenção primária: Tem o objetivo de evitar o desenvolvimento da doença;
  • Prevenção secundária: Tem o objetivo de orientar sobre como fazer o diagnóstico precoce.

 

Quanto mais cedo o diagnóstico da doença for feito, menor a necessidade de tratamentos complexos e principalmente, maior a chance de cura. De acordo com a Sociedade Brasileira de Mastologia, toda mulher com mais de 40 anos deve fazer a mamografia todo ano, sempre que possível. 

 

Como é feita a mamografia?

A mamografia é um raio X específico da mama, para ter melhor avaliação do conteúdo da mesma, ela precisa ser comprimida. Geralmente a paciente fica em pé, com as mamas apoiadas em um placa, então são comprimidas, uma por vez, para a realização da imagem. Com o exame é possível identificar microcalcificações suspeitas, nódulos, assimetrias, distorções, etc., todas características que podem sugerir a presença do câncer de mama. 

 

Para a classificação das lesões de mama, é utilizada uma padronização chamada birads, ela é super importante na orientação de qual deve ser o próximo passo no tratamento. 

  • Birads 1 e 2: são para exames normais ou achados benignos;
  • Birads 3: alterações provavelmente benignas, essas pacientes devem realizar o próximo controle em seis meses para avaliar a estabilidade do que foi achado;
  • Birads 4: alteração suspeita, esta deve ser complementada com a biópsia, a chance de ser câncer é muito variável, entre 2 a 95%, ou seja, não se pode deixar de realizar a biópsia, mas pode não ser câncer; 
  • Birads 5: alteração com alta suspeita para câncer de mama, também precisa ser feita a biópsia;
  • Birads 0: exame inconclusivo, precisa ser complementado pois não conseguiu concluir se está tudo bem ou se há alguma lesão. A complementação pode ser feita com uma nova mamografia, ultrassom e até ressonância.

 

Se você fez a mamografia e não teve alteração nenhuma, mesmo assim deve realizar o exame no ano seguinte, pois o câncer ainda pode aparecer nesse espaço de tempo, por isso é recomendado o exame anual. Apenas em duas situações isso deve ser diferente, na primeira é se você apresentar os seguintes sintomas:

  • Uma das mamas começou a ficar maior do que a outra;
  • Uma papila, que é o bico do peito, que era pra fora, entrou;
  • A pele da mama apresenta uma mancha vermelha, uma área mais espessa;
  • Ao apalpar a mama percebeu a presença de um nódulo, caroço ou até mesmo um área mais retraída ou afundada;
  • O aparecimento de um caroço na axila que não melhora com o passar do tempo.

 

Nessas situações, você deve procurar o médico o quanto antes, esses sintomas podem estar associados ao câncer e é fundamental não perder tempo.  A segunda situação são os casos especiais, em que se deve fazer a mamografia antes dos 40 anos, que são mulheres com alto risco para o câncer de mama:

  • Mulheres com antecedentes familiar com diagnóstico, dependendo da idade em que o familiar apresentou o câncer, pode ser indicado iniciar o exame antes dos 40 anos;
  • Quando é encontrado um nódulo na mama;
  • Pacientes que realizaram a biópsia mamária com resultados com células atípicas.

 

O que fazer para evitar o câncer de mama?

A medicina não conhece ao certo a causa do câncer de mama, mas sabe-se que ao seguir algumas práticas e realizar o diagnóstico precoce, a taxa de prevenção e de cura aumentam. Para isso, é essencial ter uma alimentação saudável, fazer exercícios físicos, manter as consultas em dia e realizar exames de mamografia regularmente.

Para mais informações, assista ao vídeo no canal Doutor Ajuda no youtube

Copiar textoCopiar o texto
Dr. Ajuda
29/06/2024 00:07h

Neste episódio a ginecologista, Cristina Anton, explica sobre o câncer de vagina

Baixar áudio

O câncer de vagina é um tumor que não costuma apresentar sintomas no começo da doença. No entanto, o sangramento fora do período menstrual é o sinal mais associado a este tipo de câncer. Também é comum o sangramento após relações sexuais ou após a menopausa. Pode haver secreção vaginal parecendo um sangue aguado.


Entre os sintomas que podem indicar câncer de vagina estão: dor para urinar, obstipação, dor pélvica ou massa palpável na vagina. Saiba que quando os sintomas aparecerem, o câncer já está em estágio avançado.


Fatores de risco


Já os fatores de risco para a doença são: 

  • Infecção pelo HPV;
  • Uso de dietilestilbestrol pela mãe da paciente durante a gravidez, que era um remédio usado para prevenção de abortos.


Diagnóstico


Geralmente, a suspeita do câncer de vagina é vista pelo médico durante o exame físico ginecológico. O médico vai colocar um aparelho chamado espéculo no canal vaginal e vai visualizar se existe alguma lesão, ele pode colher também o Papanicolau, que serve para o rastreamento do câncer do colo do útero, mas na coleta podem vir algumas células vaginais também. Se houver alguma suspeita, deve-se realizar a colposcopia, que é um exame onde se olha o colo e a vagina com uma lente de aumento e se usa alguns produtos para se identificar áreas alteradas, e se houver algo suspeito, será realizada a biópsia.


Câncer de vagina é igual ao câncer de colo de útero?


Não! Mas estão tão próximos que às vezes se confundem. O colo do útero é a porção final do útero, por onde sai a menstruação e fica no fundo da vagina. A vagina é um tubo muscular que conecta o final do útero com a parte externa da genitália.


O câncer de colo de útero está entre os tumores mais comuns entre as mulheres, ele pode crescer e progredir, se espalhando pela vagina, chamado de câncer de colo de útero invadindo a vagina. Essa situação é diferente do câncer de vagina primário, ou seja, aquele que foi originado na vagina. O câncer de vagina e o de colo de útero podem ter os mesmo sintomas, fatores de risco e a prevenção semelhantes.


Tratamento


O tratamento vai depender muito da localização dos tumores e se tem o comprometimento de outros órgãos. O tratamento pode envolver:

  • Cirurgia;
  • Quimioterapia;
  • Radioterapia.

Se o diagnóstico ocorrer nas fases iniciais da doença, as taxas de sucesso são bem altas. Já nas fases mais avançadas, o tratamento tem o objetivo de melhorar a qualidade de vida da pessoa, daí a importância do diagnóstico precoce e da prevenção.


Prevenção


A vacina da HPV previne que você tenha a infecção pelo vírus HPV, e com isso diminui a chance de ter o câncer de vagina e de colo. No SUS, a vacina está disponível para crianças de 9 a 14 anos de idade e de 9 a 45 anos para pessoas imunossuprimidas, aquela com HIV/AIDS, transplantadas e pacientes com câncer. Pacientes entre 9 e 45 anos que foram vítimas de violência sexual, também podem receber essa vacina pelo SUS. na rede privada a vacinação pode ser feita e abrange um maior número de HPV.


Vacine-se contra o HPV e levem seus filhos para também serem vacinados. Não fumar também ajuda a  diminuir o risco. Usar preservativo diminui o risco de infecção, mas não impede totalmente a contaminação pelo vírus. Qualquer contato íntimo com a região genital pode transmitir o vírus e nem sempre a camisinha fornece a proteção completa.


Para mais informações, assista ao vídeo no canal Doutor Ajuda no youtube.

Copiar textoCopiar o texto
22/06/2024 00:07h

Neste episódio o cardiologista, Bruno Mioto, explica o que é a crise hipertensiva

Baixar áudioBaixar áudio

A crise hipertensiva ocorre quando a pressão arterial sistólica (o valor mais alto) se encontra igual ou superior a 180 mmHg. Além disso, ela também é diagnosticada quando a pressão diastólica (o valor mais baixo) é igual ou superior a 120 mmHg.


É importante saber que os pacientes hipertensos podem apresentar crises hipertensivas, que são episódios de elevação abrupta da pressão arterial muito acima dos valores habituais. Crises não controladas podem causar danos irreversíveis de forma relativamente rápida, como lesões no coração, rins, cérebro e olhos. Esses casos são considerados emergências se, além dos valores elevados, a pessoa apresentar alguns dos sintomas seguintes:

 

  • Dor no peito;
  • Falta de ar;
  • Sonolência;
  • Confusão mental.


Diante desses sintomas, é crucial buscar ajuda em um pronto-socorro imediatamente, pois trata-se de uma emergência hipertensiva, requer hospitalização imediata. O pico elevado de pressão arterial pode causar lesões nos órgãos, tornando o tratamento imediato essencial para prevenir complicações graves. Se esse não for o seu caso, mas você está suspeitando de uma crise hipertensiva, os principais sinais e sintomas indicativos de pressão são:

 

  • Tontura;
  • Visão embaçada;
  • Dor na nuca.


As principais causas da crise hipertensiva incluem:

 

  • Não tomar a medicação corretamente;
  • Mudança na dieta, especialmente aumento do consumo de sal;
  • Troca de medicamentos aos quais a pessoa estava habituada;
  • Uso de medicamentos que elevam a pressão arterial;
  • Surgimento ou agravamento de doenças nos rins;
  • Uso de álcool e drogas.


É fundamental que os pacientes hipertensos estejam cientes desses fatores e adotem medidas preventivas, como seguir corretamente o tratamento prescrito, manter uma dieta equilibrada, evitar o excesso de sal, comunicar qualquer alteração nos medicamentos ao médico e evitar o consumo excessivo de álcool e drogas ilícitas.
 

Para mais informações, assista ao vídeo no canal Doutor Ajuda no youtube.

Copiar textoCopiar o texto
15/06/2024 03:00h

Neste episódio a pediatra, Adriana Pestana, fala sobre a convulsão em crianças

Baixar áudio

Se você presenciar uma criança convulsionando, é essencial manter a calma e seguir algumas dicas:

  • Coloque a criança em local seguro: após identificar a convulsão, posicione a criança em um local seguro, afastada de objetos que possam causar ferimentos;
  • Proteja a cabeça: tente proteger a cabeça da criança usando uma almofada ou peça de roupa para evitar lesões durante a crise. Não tente segurá-la ou abraçá-la durante o episódio;
  • Posição de lado: coloque a criança de lado ou incline sua cabeça para o lado para prevenir a aspiração de vômito ou saliva;
  • Evite obstruir a boca: não coloque nada na boca da criança, incluindo as mãos, para segurar a língua. Se possível, conte o tempo da convulsão;
  • Aguarde o término da crise: espere a crise convulsiva passar. Em seguida, leve a criança ao pronto-socorro para avaliação médica;
  • Chame ajuda profissional em casos prolongados: se a convulsão durar mais de 5 minutos, chame a emergência imediatamente.


É possível que a criança tenha experimentado uma convulsão febril, comum entre 6 meses e 5 anos. Geralmente, esse tipo de convulsão não prejudica a saúde, ocorrendo no início da febre e não se repetindo na maioria das vezes. No entanto, uma avaliação médica é sempre aconselhável para garantir o bem-estar da criança.


Para mais informações, assista ao vídeo no canal Doutor Ajuda no youtube.

Copiar textoCopiar o texto
Dr. Ajuda
14/06/2024 00:07h

Neste episódio o cardiologista, Bruno Mioto, fala sobre Miocardite

Baixar áudio

A miocardite é caracterizada pela inflamação do músculo do coração, conhecido como miocárdio, que é responsável pela contração para bombear o sangue. Esse trabalho complexo do miocárdio de ejetar adequadamente o sangue oxigenado para o organismo é fundamental para a nutrição dos nossos órgãos e tecidos.


O sintoma mais comum é a dor no peito, frequentemente acompanhada por febre em alguns casos. Raramente, pacientes relatam sintomas adicionais, incluindo arritmias, falta de ar, inchaço nas pernas e, em casos extremos, pode ocorrer a morte.


Causas e associações


A miocardite geralmente surge após infecções, principalmente quadros virais e gripais. Infecções cardíacas, como febre reumática e doença de Chagas, também podem desencadear a condição. Notavelmente, vírus, incluindo a Covid-19, são frequentemente associados a casos de miocardite. A miocardite também pode ocorrer por conta de doenças autoimunes, em que o nosso sistema de defesa passa a atacar o próprio corpo.


Diagnóstico e tratamento


O diagnóstico da miocardite é baseado na história clínica detalhada, exame físico e pode ser complementado por exames de imagem, como ecocardiograma, ressonância nuclear magnética e cintilografia também podem ser usados para avaliar a forma e o funcionamento do órgão.


Já o tratamento tem como objetivo aliviar os sintomas, reduzir a inflamação e tratar quaisquer danos causados ao coração. Pode envolver medicamentos para controlar a inflamação e monitoramento cuidadoso para garantir a recuperação adequada.


É fundamental que qualquer pessoa que suspeite de miocardite ou apresente sintomas cardíacos consulte um profissional de saúde para avaliação precisa e orientação adequada ao seu caso específico.


Para mais informações, assista ao vídeo no canal Doutor Ajuda no youtube.

Copiar textoCopiar o texto