Cadastro de mídia

TERMO DE USO E PARCERIA

TERMO DE USO E PARCERIA

Regras de Uso

1º - A utilização gratuita e livre dos materiais produzidos pelo Brasil 61 só será permitida depois que este termo de parceria for aceito pelo usuário, prevendo as seguintes regras:

a) A utilização do material - na íntegra, ou em partes - só será permitida desde que as informações não sejam distorcidas, manipuladas ou alteradas.

b) Não é necessário a identificação do Brasil 61 na hora da replicação do conteúdo. Mas toda e qualquer veiculação de áudios produzidos pelo Brasil 61 prevê o cadastro no site, com a disponibilização de dados que serão utilizados para a organização do mailing desta empresa,

2º - OBRIGAÇÕES DO BRASIL 61

a) O Brasil 61 se compromete, a partir deste termo de uso, a produzir conteúdo particularizado diariamente, trazendo informações de dia-a-dia e bastidores do Planalto Central, além de outras temáticas de relevância do noticiário nacional. 

b) O acesso ao conteúdo jornalístico (na versão de leitura) é livre e gratuito, podendo ser replicado por qualquer usuário que acesse o site. O download do áudio para que seja utilizado na programação das rádios requer que o radialista realize o login no site da Agência do Rádio - informando e-mail e senha cadastrados. 

3º - OBRIGAÇÕES DOS COMUNICADORES PARCEIROS

Não alterar o sentido dos materiais, ou distorcer fala de entrevistados ou mudar a conotação das mensagens dos materiais. 

ADENDOS IMPORTANTES SOBRE A PARCERIA

a) O Brasil 61 poderá distribuir conteúdo patrocinado com ou sem assinatura dos clientes patrocinadores do boletim e sem aviso prévio ao comunicador. 

b) As rádios parceiras não vão ter participação financeira sobre o faturamento do Brasil 61.

c) Os comunicadores podem patrocinar os conteúdos do Brasil 61, desde que não alterem o sentido e a conotação dos conteúdos oferecidos. Nesses casos, o Brasil 61 Mais não terá participação nos lucros conquistados pelos veículos parceiros. 

Ao clicar em ACEITO, a emissora aqui cadastrada afirma concordar e estar ciente de todas as condições apresentadas neste Termo de Utilização de Conteúdo.

13/07/2020 19:49h

Boletim atualizado do Ministério da Saúde aponta mais de 20 mil novos registros em 24 horas e 72.833 mortes

Baixar áudio

O boletim epidemiológico do Ministério da Saúde sobre a Covid-19 desta segunda-feira (13) aponta     novo aumento do número de casos confirmados. Em 24 horas, mais de 20 mil casos foram notificados – são quase 1,9 milhão em todo o país. Desde o início da crise sanitária, o Brasil acumula 72.833 mortes. 

Estudo da Fiocruz mostra que óbitos no Rio aumentaram em 64% em abril e maio

PANDEMIA: Governo da Bahia decreta medidas mais rígidas para 62 municípios

RS: Condições climáticas e “bandeira vermelha” levam estado a melhorar índices de isolamento social

Neste início de semana, Minas Gerais ultrapassou Pernambuco no número de casos confirmados, embora a quantidade de mortes em território mineiro seja menor do que a do estado pernambucano. São Paulo, Ceará, Rio de Janeiro e Pará seguem como os locais mais afetados pela pandemia.
 

Copiar o texto
Tempo
13/07/2020 18:00h

A temperatura mínima na região é de 12ºC e a máxima de 33ºC

Baixar áudio

A frente fria que passa pelos litorais de São Paulo e do Rio de Janeiro provoca pancadas de chuva entre os dois estados, nesta terça-feira (14).  A chuva fica mais intensa no período da tarde na capital paulista. A precipitação vai desde a região de Piracicaba até o norte do Rio de Janeiro, passando pelo sul de Minas Gerais. A frente fria aumenta a nebulosidade e as temperaturas caem em relação à segunda-feira. Do norte paulista até o norte mineiro e no Espírito Santo,o tempo aberto predomina. A Marinha do Brasil alerta para ressaca que vai desde o litoral sul de São Paulo até Cabo de São Tomé, no Rio de Janeiro, com ondas de até três metros de altura. 

As temperaturas variam entre 12 e 33 graus, na região. A umidade relativa do ar varia entre 12 e 100 por cento.
 
As informações são do Somar Meteorologia.
 
Felipe Moura, o tempo e a temperatura.

Copiar o texto
Tempo
13/07/2020 18:00h

A temperatura mínima na região é de - 3º e a máxima de 30ºC

Baixar áudio

Tempo com chuva isolada na região Sul, nesta terça-feira (14), em boa parte de Santa Catarina e do Paraná. A exceção é o oeste dos dois estados, que tem tempo aberto. Há possibilidade de chuva congelada na serra catarinense no fim da noite e de geada do centro ao oeste e parte do sul do Rio Grande do Sul. A Marinha do Brasil alerta para ondas de até três metros de altura no litoral da região.

As temperaturas variam entre - 3º e 30 graus, na região. A umidade relativa do ar varia entre 40% e 100%.

As informações são do Somar Meteorologia.

Felipe Moura, o tempo e a temperatura.

Copiar o texto
Tempo
13/07/2020 18:00h

A temperatura mínima na região é de 12ºC e a máxima de 36ºC

Baixar áudio

A chuva ganha força na região Nordeste do país, nesta terça-feira (14). O maior acúmulo ocorre entre Natal e João Pessoa e na região metropolitana de Salvador. Nas demais áreas, o tempo aberto e a baixa umidade do ar predominam.

As temperaturas variam entre 12 e 36 graus, na região. A umidade relativa do ar pode variar entre 20 e 100 por cento.

As informações são do Somar Meteorologia.

Copiar o texto
Tempo
13/07/2020 18:00h

A temperatura mínima na região é de 18ºC e a máxima de 40ºC

Baixar áudio

A região Norte do País tem previsão de tempo aberto, nesta terça-feira (14), de Rondônia a Tocantins, passando pelo sudeste do Amazonas e do centro ao sul do Pará. Atenção para a baixa umidade do ar nessas áreas, especialmente no Tocantins. Do Acre até o norte do Pará, passando pelo Amapá e Roraima, previsão de tempo com chuva ao longo do dia. No Amazonas, Acre, Roraima e norte do Pará, a chuva ocorre com maior intensidade no período da tarde. 
 
As temperaturas variam entre 18 e 40 graus, na região. A umidade relativa do ar varia entre 12 e 100 por cento.
 
As informações são do Somar Meteorologia.
 
Felipe Moura, o tempo e a temperatura. 

Copiar o texto
Tempo
13/07/2020 18:00h

A temperatura mínima na região fica em 12ºC e a máxima em 40ºC

Baixar áudio

O tempo quente e seco permanece na região Centro-Oeste do país, nesta terça-feira (14), em Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Goiás e Distrito Federal. Atenção para a baixa umidade relativa do ar, que cai para menos de 30% no meio da tarde. O resquício de uma frente fria no sul do país traz chuva rápida e isolada no sul e oeste de Mato Grosso do Sul. Nessas áreas, o tempo fica nebuloso, com chuva em boa parte do dia e temperaturas mais amenas.

As temperaturas variam entre 12 e 40 graus, na região. A umidade relativa do ar varia entre 12 e 96 por cento.

As informações são do Somar Meteorologia. 

Felipe Moura, o tempo e a temperatura. 

Copiar o texto
13/07/2020 17:00h

Dados são do IBGE e refere-se à terceira semana de junho

Baixar áudio

A flexibilização das regras do distanciamento social em algumas cidades brasileiras possibilitou o retorno de cerca de 1,3 milhões de pessoas aos postos de trabalho. Os dados fazem parte da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad) Covid-19, divulgada pelo IBGE. 

Segundo o estudo, na terceira semana de junho, o número de pessoas ocupadas que estavam temporariamente afastadas do trabalho presencial devido ao distanciamento social caiu de 12,4 milhões para 11,1 milhões, na comparação à semana imediatamente anterior. De acordo com o IBGE, o número representa 13,3% da população ocupada.

Deputados aprovam MP que permite redução de jornada e de salário durante pandemia; texto segue para o Senado

Ainda segundo o instituto, na terceira semana de junho foi verificada uma estabilidade no número de pessoas ocupadas, que alcançou 84 milhões de brasileiros e na quantidade de pessoas desocupadas, com 11,8 milhões de pessoas. O IBGE também constatou que a flexibilização do distanciamento social em parte do país fez com que 827 mil pessoas, que haviam desistido de procurar emprego, voltassem a busca por um trabalho. 
 

Copiar o texto
13/07/2020 17:00h

Segundo dados, setor de turismo voltou a crescer, apesar da pandemia do novo coronavírus

Baixar áudio

O volume de receitas do setor de serviços deve sofrer uma retração de 5,9% em 2020. A previsão é da Confederação Nacional do Comércio de Bens e Serviços (CNC), que se baseou em dados do IBGE, divulgados na última sexta-feira (10). Se confirmada a previsão, o setor terciário pode registrar o pior desempenho anual na série histórica da pesquisa, iniciada em janeiro de 2011. 

Segundo a CNC, as expectativas quanto ao desempenho da economia nos próximos trimestres pesaram na projeção negativa para o setor, além da evolução recente do nível de atividades dos serviços. 

Turismo só deve voltar a faturar em 2022, afirma o economista Fábio Bentes, da CNC

Os dados mostram que o volume de receitas do setor de serviços encolheu 0,9% em maio, em relação a abril. Os serviços voltados ao consumidor final, com aqueles prestados às famílias (+14,9%), e as atividades de transportes (+4,6%) reagiram positivamente após atingirem uma queda brusca em abril. Contudo, serviços predominantemente prestados entre as empresas, como os de informação e comunicação (-2,5%), além dos profissionais e administrativos (-3,6%), frearam a reação das atividades terciárias como um todo. 

Apesar de ter sido um dos setores mais afetados pela pandemia do novo coronavírus, o turismo apresentou uma melhora em maio, segundo os dados. 

Copiar o texto
13/07/2020 17:00h

Nas últimas semanas, muitas unidades da federação tiveram problemas para repor o estoque de anestésicos e relaxantes musculares; órgão entrou em cena para normalizar situação

Baixar áudio

O Ministério da Saúde já entregou mais de 800 mil unidades de medicamentos para intubação de pacientes com a Covid-19 aos estados e municípios. Desde a última segunda-feira (6), a pasta distribui oito fármacos às unidades da federação que estavam com baixos estoques. 

Municípios devem ficar atentos ao desconto mínimo na compra de medicamentos

Tratamentos experimentais contra covid-19 ganham força no Brasil

O órgão também abriu um processo de pregão para proporcionar uma grande economia e incentivar a adesão de estados e municípios. Até a última quinta-feira (9), 19 estados e sete capitais aderiram à iniciativa. Hoje é o último dia para que os gestores estaduais e municipais manifestem interesse em participar. Após o fim do prazo de adesão, serão necessários cerca de 15 dias para acabar com a falta desses medicamentos no país. 

Diariamente, o Ministério da Saúde afirma fazer um levantamento das unidades da federação que estão com pouco anestésico e relaxante muscular na rede de saúde pública. Pensando a longo prazo, a pasta negocia desde 18 de junho com a Organização Pan-Americana de Saúde (OPAS) a aquisição dos medicamentos no mercado internacional. 

Copiar o texto
13/07/2020 17:00h

Análise mostra o crescimento de mortes na cidade se comparado ao mesmo período dos três anos anteriores e pode indicar colapso no sistema de saúde

Baixar áudio

Um levantamento da Fiocruz mostra que os óbitos na cidade do Rio de Janeiro aumentaram em 64% nos meses de abril e maio se comparados ao mesmo período dos três anos anteriores. Os dados mostram também que os registros de morte dobraram fora dos hospitais, aumentando nos centros de saúde, como as UPAs, e em casa. Para a Fiocruz, essa realidade pode indicar que a rede de hospitais não teve capacidade para atender aos pacientes no início da pandemia, por causa da covid-19 e por outras doenças graves também. 

A análise também revelou que aumentaram em grande proporção os registros de mortes em unidades de saúde e em domicílio por, entre outras, neoplasias, que são tumores, doenças endócrinas nutricionais e metabólicas, como diabetes. Esse aumento pode sugerir que o colapso no sistema de saúde, e não só dos hospitais, poderia já estar ocorrendo em abril e maio no Rio. 

Em laboratório, antivirais contra Hepatite C conseguem conter Covid-19

Nesses dois meses analisados, foram quase 7,5 mil mortes acima da média histórica, entre 2017 e 2019. Isso representa o aumento de 64%. Desse total, cerca de 75% foram em decorrência da covid-19. O restante pode ter ocorrido por falta de assistência a doentes crônicos, que já encontraram a rede de saúde sobrecarregada pela pandemia. 

Para saber mais detalhes, o estudo está disponível na página da Fiocruz, em portal.fiocruz.br

Copiar o texto

Acesse nossos conteúdos de rádio