Cadastro de mídia

TERMO DE USO E PARCERIA

TERMO DE USO E PARCERIA

1º - A utilização gratuita e livre dos materiais produzidos pelo Brasil 61 só será permitida depois que este termo de parceria for aceito pelo usuário, prevendo as seguintes regras:

a) A utilização do material - na íntegra, ou em partes - só será permitida desde que as informações não sejam distorcidas, manipuladas ou alteradas.

b) Não é necessário a identificação do Brasil 61 na hora da replicação do conteúdo. Mas toda e qualquer veiculação de áudios produzidos pelo Brasil 61 prevê o cadastro no site, com a disponibilização de dados que serão utilizados para a organização do mailing desta empresa,

2º - OBRIGAÇÕES DO BRASIL 61

a) O Brasil 61 se compromete, a partir deste termo de uso, a produzir conteúdo particularizado diariamente, trazendo informações de dia-a-dia e bastidores do Planalto Central, além de outras temáticas de relevância do noticiário nacional. 

b) O acesso ao conteúdo jornalístico (na versão de leitura) é livre e gratuito, podendo ser replicado por qualquer usuário que acesse o site. O download do áudio para que seja utilizado na programação das rádios requer que o usuário realize o login no site do Brasil 61 - informando e-mail e senha cadastrados. 

3º - OBRIGAÇÕES DOS COMUNICADORES PARCEIROS

Não alterar o sentido dos materiais, ou distorcer fala de entrevistados ou mudar a conotação das mensagens dos materiais. 

ADENDOS IMPORTANTES SOBRE A PARCERIA

a) O Brasil 61 poderá distribuir conteúdo patrocinado com ou sem assinatura dos clientes patrocinadores do boletim e sem aviso prévio ao comunicador. 

b) As rádios parceiras não vão ter participação financeira sobre o faturamento do Brasil 61.

c) Os comunicadores podem patrocinar os conteúdos do Brasil 61, desde que não alterem o sentido e a conotação dos conteúdos oferecidos. Nesses casos, o Brasil 61 não terá participação nos lucros conquistados pelos veículos parceiros. 

Ao clicar em ACEITO, a emissora aqui cadastrada afirma concordar e estar ciente de todas as condições apresentadas neste Termo de Utilização de Conteúdo.

Política de privacidade

Nós do Brasil 61 coletamos e usamos alguns dados dos nossos leitores com o intuito de melhorar e adaptar nossas plataformas e nossos produtos. Para isso, agimos conforme a Lei Geral de Proteção de Dados (Lei 13.709/2018) e nos esforçamos para sermos transparentes em todas nossas atividades.

Para podermos oferecer melhores serviços e veicular peças publicitárias de nossos anunciantes, precisamos conhecer certas informações dos nossos usuários.

COMO O BRASIL 61 COLETA SEUS DADOS

– Quando você se cadastra e cria um usuário no Brasil 61

Quando você entra no nosso site, fornece informações (dados) para a criação do usuário. Estes dados são usados para orientar a estratégia do Brasil 61 e o desenvolvimento de novos serviços e/ou produtos. Essas informações são fornecidas voluntariamente por você leitor e não são compartilhadas com nenhum terceiro.

– Quando você acessa o site do Brasil 61 (www.brasil61.com.br) ou abre uma de nossas newsletters enviadas por e-mail

O Brasil 61 usa tecnologias como cookies e pixel tags para entender como é a sua interação com as nossas plataformas. Esses dados permitem saber, por exemplo, de que dispositivo você acessa o site ou em que links você clicou e quanto tempo permaneceu lendo as notícias. 

COMO O BRASIL 61 USA OS SEUS DADOS

Nós, do Brasil 61, usamos seus dados sempre com a principal intenção de melhorar, desenvolver e viabilizar nossos próprios produtos e serviços a você leitor.

Seus dados são sempre analisados de forma não individualizada, mesmo os que são fornecidos vinculados seu nome ou ao seu endereço de e-mail. 

Os dados em conjunto são analisados para criar relatórios estatísticos de audiência sobre as páginas, textos e meios de acesso ao site e às newsletters. 

Esses relatórios são compartilhados com nossos anunciantes e patrocinadores e servem para modelar estratégias e campanhas institucionais.

As informações que você fornece durante a criação do cadastro do seu usuário no Brasil 61 são utilizadas para a formulação de estratégia comercial e desenvolvimento de novos produtos e/ou serviços.

Essas informações individualizadas podem ser usadas pelo Brasil 61 para o envio de campanhas comerciais e divulgação de serviços e/ou produtos próprios. Não são compartilhadas com nenhum terceiro.

As informações captadas por meio de cookies e pixel tags são usadas em relatórios internos de monitoramento da audiência e também em relatórios para os anunciantes verificarem a efetividade de suas campanhas. Essas informações não estão vinculadas a nome ou e-mail dos leitores e são sempre avaliadas de forma não individualizada.

O Brasil 61 compartilha informações captadas por meio de cookies e pixel tags com terceiros, como anunciantes, plataformas de redes sociais e provedores de serviço – por exemplo, o serviço de envio de e-mails. O Brasil 61 também em seu site cookies de terceiros que captam informações diretamente do usuário, de acordo com suas próprias políticas de privacidade e uso de dados. 

O QUE O BRASIL 61 NÃO FAZ COM SEUS DADOS

– Não monitoramos ou coletamos dados de páginas que não pertencem ao Brasil 61.
– Não compartilhamos ou vendemos para terceiros nenhuma informação identificável.

O QUE VOCÊ PODE FAZER SE NÃO QUISER MAIS QUE SEUS DADOS SEJAM USADOS PELO BRASIL 61

– Caso não queira que o Brasil 61 use nenhum tipo de cookies, altere as configurações do seu navegador. Nesse caso, a exibição de anúncios e mensagens importantes do Brasil 61 e de nossos anunciantes pode ser prejudicada.

– Caso queira deixar de receber algum newsletter ou e-mail de alertas de notícias, basta clicar em “Unsubscribe”, na parte de baixo do e-mail enviado pelo Brasil 61. 

– Caso queira excluir seu usuário e apagar seus dados individuais da base do Brasil 61, basta enviar um e-mail para: privacidade@brasil61.com

 Última atualização: 24 de dezembro de 2020 

Educação

Educação
24/07/2021 16:40h

O resultado da Chamada Pública Escolar será divulgado no dia 8 de agosto

Baixar áudio

As inscrições e pré-matrículas do segundo semestre do ano letivo da rede estadual do Rio Grande do Sul se encerram neste domingo (25). A Chamada Pública Escolar vale para os Cursos Técnicos, Aproveitamento de Estudos de Curso Normal e Educação de Jovens e Adultos (EJA).

Ao todo, a Secretaria Estadual da Educação (Seduc) está oferecendo mais de 15 mil vagas. O preenchimento das vagas ocorre diretamente pelo site da Seduc, junto a todas as orientações e critérios de matrícula e ingresso.

SP: absorventes descartáveis passam a ser fornecidos às alunas da rede municipal de ensino

Secretaria de Educação do Espírito Santo autoriza repasse para aquisição de Pen Modem e pacote de dados

O resultado da Chamada Pública Escolar será divulgado no dia 8 de agosto. Depois, entre os dias 9 e 13 de agosto, ocorre o período de efetivação das matrículas diretamente nas escolas.

Copiar o texto
23/07/2021 12:00h

Os aparelhos serão entregues aos alunos do Ensino Médio e da Educação de Jovens e Adultos (EJA) da Rede Estadual

Baixar áudio

A Secretaria da Educação (Sedu) do Espírito Santo autorizou o repasse de R$ 6.164.200,00 para os Conselhos de Escola adquirirem pacotes de dados móveis e Pen Modem, acessório que permite ao aluno o acesso à internet. Os aparelhos serão entregues aos estudantes do Ensino Médio e da Educação de Jovens e Adultos (EJA) da Rede Estadual. 

Ao todo foram adquiridos 60 mil equipamentos e os primeiros 12 mil serão entregues em breve. Serão contemplados 8.330 alunos matriculados em escolas da Rede Pública Estadual no Ensino Médio Regular e Médio noturno (EJA).

Gestores municipais de educação priorizam busca ativa de estudantes e suporte aos diretores, diz estudo da Undime 

MEC remaneja R$ 54 milhões para Formação Continuada de Professores

Os alunos vão receber esses equipamentos que vão permitir que eles tenham acesso ao conteúdo de estudos. São praticamente 12 mil computadores dos 60 mil que foram adquiridos e que representam quase R$ 6 milhões em investimentos para ajudar a recuperar a educação neste momento de pandemia.

As escolas também farão a aquisição do pacote de dados que vai permitir ao aluno acessar a internet e fazer uso do equipamento para realizar as atividades. 

Copiar o texto
23/07/2021 03:00h

Levantamento em parceria com Itaú Social e Unicef ouviu mais de 3,3 mil redes municipais de ensino

Baixar áudio

Os gestores municipais de educação apontam que a busca ativa dos estudantes e o suporte para os diretores são as prioridades do segmento em meio à pandemia da Covid-19, aponta estudo da União Nacional dos Dirigentes Municipais de Educação (Undime), divulgado nesta quinta-feira (22). O levantamento — que contou com o apoio do Itaú Social e do Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef) — teve a participação de 3.355 redes municipais de ensino, o equivalente a 60,2% das existentes no país. 
 
A pesquisa buscou informações sobre quatro aspectos: como foi a transição entre os anos letivos de 2020 e 2021; quais foram as estratégias de ensino adotadas este ano; como está o planejamento para o segundo semestre e quais os principais desafios das secretarias municipais de educação. 
 
Para 61% dos respondentes, o suporte aos diretores é a maior prioridade neste momento de atividades predominantemente não presenciais. Quando o assunto é ir atrás dos estudantes que deixaram de ter vínculo com a escola, 59,4% atribuíram grau máximo de prioridade. 
 
A representante do Unicef no Brasil, Florence Bauer, destacou que mais de cinco milhões de crianças e adolescentes estão sem acesso à educação no país por conta da suspensão das aulas presenciais e dificuldades de conectividade para participarem do ensino remoto. Por isso, ela destacou a importância de as redes municipais priorizarem a reintegração desses estudantes ao espaço escolar. 
 
“Sabemos que cinco milhões de meninos e meninas estão sem vínculo ou com vínculo reduzido com a escola.  A volta à educação precisa também de uma busca ativa de cada criança, que precisa de um acolhimento personalizado na escola.  Não é só trazer ela de volta, mas é preciso ajudá-la”, defende. 
 
Questionados sobre os métodos usados para buscar os estudantes que não têm acompanhado as atividades escolares desde o início da pandemia, 71,8% dos gestores responderam que utilizam a estratégia Busca Ativa Escolar. A ferramenta foi desenvolvida pelo Unicef em parceria com a Undime e outras entidades com o objetivo de auxiliar estados e municípios a identificar crianças e adolescentes que estão fora das escolas, ajudando-os a voltar às salas de aula, permanecer e aprender. 
 
Outros 27,5% dos respondentes disseram que usam outra estratégia de reintegração. Apenas 0,7% disseram que não realizam nenhuma ação nesse sentido. “Acho muito importante esse reconhecimento da estratégia da Busca Ativa Escolar. Mais do que um projeto desenvolvido pela Undime e Unicef no Brasil e todo o seu processo, os municípios aderiram, a iniciativa trouxe uma cultura de busca ativa”, comemora Luiz Miguel Garcia, presidente da Undime. 

Especialistas e lideranças educacionais defendem retomada das aulas presenciais

Prevenção a Covid-19 é ampliada nas escolas do país

Apoio a diretores

A gerente de Pesquisa e Desenvolvimento do Itaú Social, Patrícia Mota Guedes, considerou positiva a preocupação das redes municipais com o suporte aos diretores. Para ela, esse apoio será crucial na retomada das aulas presenciais. “Todas as experiências internacionais estão mostrando que as secretarias precisam ter uma estratégia muito mais voltada para apoiar os diretores e dar condições de trabalho aos gestores e professores na retomada”, pontua. 
 
Segundo Patrícia, professores e alunos voltarão ao ambiente escolar com as emoções abaladas e caberá aos diretores administrar essa situação, além dos desafios comumente esperados. “Essa demanda, tudo isso vai chegar para o diretor da escola, assim como a necessidade de pensar e colocar estratégias para recuperar as lacunas de aprendizagem e acelerá-las também. Diretores não podem ser deixados sozinhos. É muito bom que as redes municipais estejam com esse olhar”, disse. 

Avaliação diagnóstica

Embora a conectividade de estudantes e professores e questões relacionadas à infraestrutura das escolas sejam consideradas as maiores dificuldades enfrentadas pelas redes, os dirigentes também destacaram a realização de avaliações diagnósticas como um dos problemas que terão de superar. Cerca de 55% deles consideram que essa é uma dificuldade que varia de grau médio a alto. 
 
“A gente está caminhando para ter um Sistema de Avaliação da Educação Básica no segundo semestre, mas ele não responde à necessidade de apoio às redes de ensino como a avaliação de diagnóstico, que conseguem entender como cada estudante está chegando nesse segundo semestre. Os níveis de aprendizagem vão ser ainda mais desiguais do que eram antes”, exemplifica Patrícia. 

Arte: Brasil 61

Mais dados

Em relação à transição entre os anos letivos, 100% das redes municipais que participaram do estudo afirmaram que concluíram o ano letivo de 2020 até dezembro. Este ano, apenas 1,5% ainda não deu início às atividades. De acordo com o levantamento, 83,8% das escolas iniciaram o ano letivo apenas de forma remota; 15,1% de modo híbrido, isto é, com aulas à distância e presenciais; e somente 1,1% apenas de forma presencial. 

Ao todo, 98,2% dos dirigentes utilizaram o material impresso e 97,5% lançaram mão de orientações pelo WhatsApp como as estratégias de ensino não presenciais mais usadas em 2021. Em relação aos aspectos pedagógicos adotados para o início do calendário letivo, quase 85% destacaram a reorganização curricular com priorização de habilidades e conteúdos; 72,2% citaram a avaliação diagnóstica de lacunas de aprendizagem. 
 
Sobre a vacinação de professores, gestores e demais trabalhadores da educação, 95,1% das redes municipais afirmam que o município já deu início a imunização desses profissionais. Mais de um ano após a suspensão das aulas presenciais, 40,4% das redes ainda estão construindo um protocolo de segurança sanitária para o retorno às aulas presenciais.

Copiar o texto
22/07/2021 11:30h

Os recursos foram destinados para doze estados brasileiros

Baixar áudio

A Secretaria de Educação Básica do Ministério da Educação (SEB/MEC) está remanejando R$ 54,9 milhões do antigo e descontinuado programa Pacto Nacional pela Alfabetização na Idade Certa (Pnaic) para a formação continuada de professores da Educação Básica. As ações do Pnaic terminaram em 2018 e vários estados tinham saldos remanescentes em conta. 

A ação beneficiará 12 estados brasileiros e tem apoio do Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE) e das Secretarias de Educação estaduais. O remanejamento contemplará Acre, Amazonas, Bahia, Goiás, Maranhão, Mato Grosso do Sul, Pará, Piauí, Roraima e Tocantins. Os estados da Paraíba e de Rondônia, que finalizaram seus projetos voltados para a educação continuada, também farão parte do remanejamento de recursos. 

Prevenção a Covid-19 é ampliada nas escolas do país

Inep lança orientações para participantes de provas do Enem, Encceja e Enade durante a pandemia

A iniciativa tem o intuito de promover uma formação que resulte em melhores práticas de ensino e constante atualização pedagógica, bem como a otimização do uso do recurso público. 
 

Copiar o texto
22/07/2021 04:00h

Confira as ações de combate ao coronavírus nas escolas dos municípios levantadas pelo portal Brasil61.com

Baixar áudioBaixar áudio

Mais de 96,9% das escolas do país reforçaram as ações de limpeza e redobraram atenção na rotina de higienização das mesas, cadeiras, portas e maçanetas, vasos sanitários e pias, por exemplo, desde o início da pandemia da Covid-19. 

O monitoramento da temperatura é realizado em 94,5% das escolas e a exigência do uso de máscaras cresceu 98% nas instituições. Os dados são alusivos ao calendário de 2020 e foram colhidos pelo Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep) entre fevereiro e maio de 2021. 

Covid-19: vacinação para menores de 18 anos ainda aguarda aprovação do Ministério da Saúde

As informações foram reunidas pelo portal Brasil61.com e revelam, por exemplo, quantas escolas tiveram adequação na infraestrutura por precaução ao coronavírus nas cidades. Ao todo, mais de 56% das escolas do país realizaram algum tipo de reforma na infraestrutura dos prédios para tornar os ambientes mais seguros. 

Os dados também mostram que mais de 2,6 mil escolas públicas municipais responderam ao questionário do Inep. Na rede, mais de 90% aumentaram ações de limpeza, 78,4% monitoram temperatura, 93,5% exigem uso de máscaras, 37,2% realizaram reformas e 90,4% restringem trânsito de pessoas e previnem aglomerações. 

Confira como está a estrutura das escolas da sua cidade a seguir.  

As informações colhidas pelo Inep são importantes na compreensão dos efeitos da pandemia da Covid-19 na Educação e traz expectativas positivas para a volta às aulas presenciais. 

A pesquisa teve início em fevereiro e até o mês de maio cerca de 16,5 mil escolas, 94%, responderam ao questionário suplementar, durante o Censo Escolar 2020, sobre o rendimento dos estudantes durante a pandemia do coronavírus. As ações de enfrentamento a Covid-19 também foram monitoradas pela pesquisa. O número corresponde a mais de 97% da rede pública e mais de 83% dos estabelecimentos privados. 

Covid-19: “Provavelmente vamos precisar, no futuro, de uma terceira dose”, diz infectologista

Os ministérios da Educação e Saúde, pretendem publicar portaria de orientação para o retorno às aulas presenciais. Nesse sentido, escolas de todo país devem se preparar para colocar em prática ações de prevenção a Covid-19. 

“Todo município e toda escola precisam ter ações a seguir nesse momento. Os gestores devem garantir os materiais, os equipamentos necessários para cumprir [o ano letivo]. Os professores, os alunos, os funcionários das escolas precisam ficar atentos”, sugere Luiz Miguel, presidente da Undime. 

Em 2020, mais de 99% das escolas do país tiveram paralisação das aulas presenciais e mais de 90% não encerraram o ano letivo. Entre as escolas públicas, cerca de 53%, tiveram mudanças no calendário escolar. Nos municípios, 97,5% entre as escolas das cidades protelaram o encerramento do ano letivo de 2020 para 2021. 

“É fundamental dialogar com as autoridades dos municípios, com as famílias, com os professores, para que essa retomada não implique em um constante abre e fecha de escola”, alerta Luiz Miguel. 

Copiar o texto
21/07/2021 10:30h

Documento “Orientações gerais de prevenção à Covid-19” tem como objetivo orientar os participantes a respeito dos procedimentos a serem adotados antes e durante os exames aplicados pelo Inep

Baixar áudio

O Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep) lançou o documento “Orientações gerais de prevenção à Covid-19” , que tem como objetivo orientar os participantes a respeito dos procedimentos a serem adotados antes e durante os exames aplicados pelo instituto, como o Enem, Encceja e Enade.

O guia traz instruções sobre o que é permitido levar nos dias de exame e orienta os participantes sobre os procedimentos de segurança sanitária nos locais de prova, entre outros temas. 

O Inep orienta que o participante que tenha tido sintomas de infecção pela Covid-19 na semana anterior ou na véspera da aplicação não compareça ao local de provas. O aluno pode solicitar a reaplicação do exame em data posterior, na Página do Participante, mediante comprovação dos sintomas. 

Todas as provas ficam protegidas em envelopes plásticos e sem contato humano durante um período mínimo de três meses anteriores à aplicação. No dia do exame, o participante deve separar máscaras específicas, cobrindo totalmente o nariz e a boca. Essa proteção facial é obrigatória, exceto para os participantes com transtorno do espectro autista, deficiência intelectual ou sensorial.

O aluno ainda pode levar ao local de prova um frasco de álcool líquido ou em gel, que também será disponibilizado em todas as salas. Luvas transparentes ou semitransparentes também são permitidas, mas todos os equipamentos serão vistoriados. 

Em caso de descumprimento das obrigações, como prevê o edital, ou de infração diante das orientações da equipe de aplicação, o participante será eliminado sem direito à reaplicação.

Confira aqui o documento completo

Copiar o texto
16/07/2021 16:10h

Baixar áudio

Ministério do Desenvolvimento Regional, o MDR, em parceria com o Projeto Sabiá, abriu inscrições para edital que vai selecionar projetos de inovação e empreendedorismo tecnológico. Serão escolhidos até seis iniciativas, que receberão financiamento de trinta mil reais.

Jean Berg, professor da Universidade Federal Rural do Semi-Árido, a Ufersa, e um dos responsáveis pela seleção, explica como os projetos vão colaborar para reduzir um problema frequente na região.

"Esses projetos têm como finalidade diminuir a dependência de carros-pipa de regiões mais afastadas e menos favorecidas com oferta hídrica".

Poderão participar da seleção servidores vinculados à Ufersa e que atendam os requisitos exigidos pelo edital. As inscrições vão até o dia 30 de julho e poderão ser feitas no site da plataforma em blog.plataformasabia.com. 

O resultado final será publicado no dia 31 de agosto.

Para saber mais sobre as ações de Recursos Hídricos do Ministério do Desenvolvimento Regional, acesse mdr.gov.br.

Copiar o texto
15/07/2021 04:00h

Programa já liberou mais de R$ 2,6 bilhões para promoção da merenda escolar

Baixar áudioBaixar áudio

As escolas públicas de educação básica receberam este ano R$ 2,6 bilhões do Programa Nacional de Alimentação Escolar (PNAE) e o dinheiro coopera nas ações dos estados e municípios na promoção da merenda dos estudantes. 

Nos últimos meses, o PNAE destinou duas parcelas extras aos estados e municípios para ações de enfrentamento a Covid-19. Em dezembro de 2020 foram liberados mais R$ 394 milhões e, em janeiro, outros R$ 384 milhões.  Além disso, as parcelas previstas para o primeiro semestre de 2021 também já foram liberadas aos executores do programa. 

Confira as informações da Covid-19 na sua cidade no painel Brasil61.com

Os municípios que tiveram as aulas presenciais suspensas foram autorizados a usar o dinheiro do PNAE para aquisição de alimentos distribuídos para as famílias dos estudantes em forma de kits. 

“Durante o período da pandemia, em nenhum momento, nós paramos de entregar merenda. A partir de junho de 2020 passamos entregar o kit de alimentação escolar para todos os alunos, inclusive na zona rural, onde entregamos o kit na casa do estudante usando o transporte escolar”, conta Márcia Aparecida Baldini, secretária de Educação de Cascavel – PR. 

Equipe da merenda de Cascavel - PR

Em 2020 o município de Cascavel (PR), por exemplo, teve mais de R$4 milhões repassados pelo PNAE para as ações de alimentação escolar. Este ano, os repasses do programa para os municípios, somam mais de R$ 2,6 milhões. Os dados foram levantados pelo portal Brasil61.com

A cidade de São Paulo lidera o ranking dos municípios que tiveram os maiores repasses do PNAE. Rio de Janeiro, Fortaleza e Belo Horizonte também estão na lista dos 10 maiores repasses em 2021.

Município UF Valor Monetário na Adm Pública Municipal (2021)
São Paulo SP 93.644.776,40
Rio de Janeiro RJ 60.236.600,20
Fortaleza CE 24.048.315,20
Belo Horizonte MG 20.173.217,40
Manaus AM 14.396.888,52
Campinas SP 13.106.556,96
Curitiba PR 13.045.576,60
Salvador BA 11.316.748,80
Belém PA 10.002.428,00
Goiânia GO 8.996.167,60

 

Alerta

No início do mês, o FNDE, gerenciador do PNAE, emitiu alerta de saldo excessivo nas contas correntes ‘específicas do PNAE’. Ou seja, os executores do programa nas secretarias estaduais e municipais precisam ficar atentos para os gastos mínimos e a regra dos 30%. Quem tiver ao final do ano saldo maior de 30% do valor total das parcelas do PNAE 2021 terá descontos nos valores em 2022. 

“Se os municípios tiverem um bom planejamento, ninguém terá problema em gastar, em investir esse recurso. Porque o recurso que vem do PNAE é muito pequeno”, lembra a secretária. 

Os gestores devem conferir as contas bancárias, inclusive as antigas, que não recebem mais recursos do PNAE e verificar o saldo destinado pelo programa. Diante de casos em que ocorra falta de informações, de registro, valores, o gestor deve entrar em contato com a Coordenação de Execução Financeira da Alimentação (COEFA), do FNDE, o quanto antes, por e-mail: coefa@fnde.gov.br ou telefone: (61) 2022-5658. 

Os repasses do PNAE podem ser conferidos a seguir, em cada cidade do país.

Copiar o texto
14/07/2021 12:00h

Secretaria de Educação do estado vai começar formações e capacitar professores, gestores e alunos para detalhar o currículo do Novo Ensino Médio

Baixar áudio

A Secretaria de Educação do Piauí homologou o documento que detalha o currículo formativo para o Novo Ensino Médio nas redes pública e privada. Com a homologação, ocorrida nesta terça-feira (13), a pasta vai começar formações e capacitar professores, gestores e alunos para detalhar a grade atualizada.

Segundo a secretaria, o currículo permite a criação de uma nova escola, centrada na inclusão e equidade. Com as implementações, o Ensino Médio no Piauí será estruturado em um período de três anos, sendo que 1.800 horas são destinadas à Formação Geral Básica, que contempla as quatro Áreas do Conhecimento, expressas na Base Nacional Comum Curricular (BNCC).

Outras 1.200 horas são referentes aos itinerários formativos, ou seja, conteúdos que ampliam as aprendizagens relacionadas às competências gerais, Áreas de Conhecimento e Formação Técnica e Profissional. É por meio desses Itinerários Formativos que os alunos podem escolher atividades que se relacionam com seus interesses e talentos, conforme condições das escolas e das redes de ensino.

Para Ellen Gera, Secretário de Educação, a validação do documento curricular moderniza e atualiza o processo de ensino e aprendizagem dos estudantes do Piauí. “O novo currículo irá provocar uma mudança no jeito de fazer a escola, na maneira de termos as nossas aulas e no ambiente escolar. A nossa meta é que possamos ter um estudante com maior expectativa de aprendizagem, e que ele encontre uma escola acolhedora, inclusiva e com aprendizagem equitativa no ambiente escolar”, declarou.

Copiar o texto
14/07/2021 11:15h

10ª Gincana Nacional de Economia estimula conhecimento com diversão para estudantes de Ciências Econômicas e cursos conexos, e oferece prêmios de até R$ 2.500

Baixar áudio

A 10ª Gincana Nacional de Economia, promovida pelo Conselho Federal de Economia (Cofecon), encerra as inscrições nesta quarta-feira  (14). O evento tem como objetivo estimular o conhecimento de forma lúdica, e é voltado para estudantes de Ciências Econômicas e cursos conexos. Totalmente remota, a atividade oferece prêmios de até R$ 2.500. 

A Gincana promove aos graduandos a oportunidade de entenderem a conjuntura econômica de um país na prática, com uma simulação didática, divertida e inteligente. O evento também estimula a integração entre instituições de ensino e promove atividades que conciliam a prática e a teoria. 

São duas etapas do programa, a regional e a nacional. A primeira ocorre entre 17 a 21 de julho, enquanto a segunda entre 6 e 7 de setembro. O primeiro colocado de cada estado participará da fase nacional. 

Os quatro participantes com maiores pontuações vão receber prêmios em dinheiro. São R$2.500 para o primeiro lugar, R$2.000, R$1.500 e R$1.000 para o segundo, terceiro e quarto colocados respectivamente.

A inscrição é gratuita e deverá ser realizada até hoje no site http://www.cofecon.org.br/gincana/. Nas edições anteriores, foram premiados estudantes das instituições:

  • Universidade Federal do Rio de Janeiro;
  • Universidade do Estado do Amazonas;
  • Universidade Regional de Blumenau;
  • Universidade Federal de Pernambuco;
  • Universidade Estadual do Norte do Paraná;
  • USP/Ribeirão Preto;
  • Universidade Federal de Mato Grosso;
  • Universidade Estadual de Mato Grosso;
  • Universidade Estadual de Campinas;
  • Universidade Cruzeiro do Sul.
Copiar o texto
Brasil 61