Educação

28/11/2022 04:15h

O objetivo do Sesi Lab é democratizar o acesso à cultura e ao conhecimento por meio de uma experiência interativa e políticas de incentivo à educação

Baixar áudio

O Sesi Lab promete proporcionar uma experiência inédita no Brasil, devido a sua principal característica: a interatividade dos visitantes com as exposições. O museu de arte, ciência e tecnologia será sediado em Brasília e estará aberto aos visitantes a partir de 30 de novembro. O diretor de Operações do Sesi Nacional, Paulo Mól, ressalta a importância do novo espaço para a educação no país. 

“É um museu extremamente importante porque ele é interativo. As pessoas interagem com cada um dos aparatos. Então, todos os aspectos científicos, aí estou falando da física, da química e da biologia, elas começam a aprender todos esses fenômenos a partir da interação com os aparatos que estão lá. Isso é extremamente importante para o aprendizado. Muito mais importante do que o museu, é o movimento em prol da educação no Brasil”, destaca o diretor. 

Um dos principais objetivos do Sesi Lab é estimular o interesse da população pela ciência. Para isso, foi desenvolvido projeto para atender escolas públicas e privadas com visitas guiadas e um programa de formação de professores pensado para trabalhar o ensino sobre o uso do local para o cumprimento do currículo escolar. A expectativa é receber cerca de 85 mil estudantes e 3.000 professores, além de 350 mil visitantes por ano.

“Nosso objetivo é fazer com que possamos atrair novos cientistas, novos pesquisadores, que isso passe a fazer parte da vida de todas as pessoas, de todos os estudantes. O Sesi Lab vai ser um apoio às escolas nas áreas de arte, ciência e tecnologia”, explica Paulo Mól.

De iniciativa do Serviço Social da Indústria (Sesi), em parceria com o Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (Senai), o novo espaço mistura modernidade, arte e educação ao longo dos seus 7,5 mil metros quadrados de área construída, com cinco galerias expositivas e 100 experimentos interativos em exposição de longa duração. Entretanto, as exposições não ficarão restritas à parte interna e a quem estiver nas dependências do prédio.

Diversas obras ficam expostas na parte externa, com as quais pessoas que transitam no local poderão interagir livremente. Dentre elas, um painel inédito do artista Athos Bulcão, que fica em uma das áreas de maior circulação pública, com aproximadamente 135 metros quadrados de uma combinação de três azulejos que formam diferentes imagens ao longo de sua extensão.

SESI LAB

A ideia é que o local seja um espaço democratizado, para ampliar o acesso à arte, ciência e tecnologia a todos os públicos. Por isso, o museu foi construído em uma das áreas mais movimentadas da capital, no antigo edifício Touring Club, projetado pelo arquiteto Oscar Niemeyer, que estava abandonado após servir como rodoviária para o Entorno do Distrito Federal. O prédio fica localizado no centro de Brasília, onde circulam, aproximadamente, 600 mil pessoas por dia. A gerente de Desenvolvimento Institucional do Sesi Lab, Cândida Oliveira, afirma que o local foi escolhido estrategicamente para atingir o maior e mais diverso público.

“O Sesi Lab é um projeto inédito, não só para Brasília, mas também para o Brasil. Ele chega como a peça que faltava no corredor cultural central. Nossa ideia, inclusive, é mudar a dinâmica desse espaço, aumentando e criando um fluxo entre os equipamentos que já estão aqui, como o museu da República, a própria biblioteca, a catedral. Nosso objetivo, inclusive, é ampliar esse acesso a quem nunca, de repente, entrou em um museu”, pontuou. 

A entrada no Sesi Lab será gratuita até o dia 31 de dezembro. Após essa data, será cobrado o valor de R$ 20 a inteira e R$ 10 a meia, com uma ampla política de gratuidade. 

Copiar o texto
Educação
26/11/2022 17:30h

Os participantes têm até às 23h59 deste sábado (26) para responder o Questionário do Estudante. Quase 600 mil universitários se inscreveram no Exame

Baixar áudio

O Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira, o INEP, aplica, neste domingo (27), a prova do Enade para concluintes de 26 cursos. Incluído no Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior, o Sinaes, desde 2004 o Exame Nacional de Desempenho dos Estudantes avalia o rendimento dos estudantes dos cursos de graduação em relação aos conteúdos programáticos previstos nas diretrizes curriculares. 
 
O Enade também considera na avaliação o desenvolvimento de competências e habilidades necessárias ao aprofundamento da formação geral e profissional, além de analisar o nível dos estudantes com relação à realidade brasileira e mundial. 
 
Os participantes também devem responder o Questionário do Estudante, preenchido por meio do Sistema Enade, obrigatoriamente até às 23h59 deste sábado (26/11), seguindo o horário de Brasília. Para acessar o Sistema Enade é preciso ter uma conta na plataforma gov.br. Só depois de avançada esta etapa é que o estudante conseguirá visualizar o Cartão de Confirmação da Inscrição com informações sobre o local de prova. 

Coordenador de Graduação da Faculdade de Comunicação da Universidade de Brasília, David Renault explica que o Enade é um programa de aferição da educação universitária fundamental para garantir um ensino superior de qualidade no Brasil. 

“É um programa antigo, já tem tradição, é feito de forma independente, é um programa elaborado com questões por professores universitários de todo o país e é importante num país como o Brasil que tem milhares de instituições de ensinos públicas e privadas de diferentes níveis, de diferentes qualidades, de diferentes níveis de comprometimento com a qualidade do ensino”, avalia.

Mais de 405 mil estudantes já haviam preenchido o questionário até o último domingo (20/11), o que representa 67,75% dos 598.116 estudantes concluintes inscritos no exame. 
As respostas específicas do Questionário do Estudante de cada participante são sigilosas e  serão avaliadas pelo Inep por curso de graduação para a geração de estatísticas e indicadores educacionais. 

Estão obrigados a participarem do Enade os concluintes dos cursos de bacharelado das áreas de administração, administração pública, ciências contábeis, ciências econômicas, direito, jornalismo, psicologia, publicidade e propaganda, relações internacionais, secretariado executivo, serviço social, teologia e turismo. 

Já nos cursos superiores de tecnologia, a prova do Enade é obrigatória para os concluintes das áreas de comércio exterior, design de interiores, design gráfico, design de moda, gastronomia, gestão comercial, gestão da qualidade, gestão pública, gestão de recursos humanos, gestão financeira, logística, marketing e processos gerenciais. 

“A expectativa é que o Enade possibilita que as instituições que são bem avaliadas continuem fazendo seu trabalho de forma que vem sendo feita e aperfeiçoando no que for possível e aquelas que são mal avaliadas que tentem consertar o que está errado, para que possa garantir uma formação de qualidade para o aluno”, destaca. “Porque uma formação de má qualidade não vai resolver nada também, se colocar um profissional que não tem qualificação no mercado é mesmo que nada”, pondera. 

A realização da prova e o preenchimento do Questionário do Estudante asseguram a regularidade dos inscritos junto ao exame. O não cumprimento de um desses instrumentos gera irregularidade no Enade e impossibilita a colação de grau do estudante. 

Copiar o texto
19/11/2022 18:47h

Candidatos de mais de 1,7 mil municípios vão fazer as provas de matemática e ciências da natureza, que engloba química, física e biologia

Baixar áudio

Estudantes de mais de 1,7 mil municípios participam, neste domingo (20), do segundo dia de provas do Exame Nacional do Ensino Médio. Ao todo, cerca de 2,5 milhões de participantes compareceram ao primeiro dia do exame, no último dia 13, segundo o Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (INEP), responsável pela aplicação.

Os participantes farão as provas de matemática e ciências da natureza, que engloba química, física e biologia. Ao todo, serão 90 questões objetivas. A aplicação terá 5 horas de duração. As provas serão aplicadas tanto para os candidatos inscritos na versão impressa quanto na versão digital do exame. As questões serão iguais nas duas modalidades.

Nesta reta final, segundo a psicóloga e coach acadêmica da Fundação Escola de Comércio Álvares Penteado (FECAP), Maria de Lurdes Zamora Damião, não adianta tentar estudar dia e noite para aprender o que não foi aprendido, afinal o tempo é curto. “O que adianta é você investir no seu bem-estar, dormir bem, se alimentar bem, fazer algum tipo de atividade física, principalmente aeróbico, para que você consiga elevar os níveis de dopamina e fique mais motivado”, sugere a especialsita. Damião recomenda também aliviar a mente com “algum exercício de atenção plena, pode ser uma meditação, que vai ajudar a acalmar esse fluxo de pensamentos que fica rondando a nossa cabeça e ir para a sua prova”.

Outro ponto que a psicóloga aborda é a frustração. Segundo ela, os candidatos devem ter em mente que um desempenho não tão bom não siginfica o fim de um sonho, e que há sempre o ano seguinte. “Tudo o que nós fazemos, todos os projetos que nós abraçamos, pode nos trazer conquistas ou aprendizados. E quando traz aprendizados, porque a gente não obteve o resultado que nós queríamos, isso não significa que nós somos um fracasso. Só significa que, de repente, a gente fracassou nesse projeto. Mas tem 2023 aí, você pode se preparar ao longo do ano para realmente, no dia da prova de 2023, alcançar um resultado maravilhoso!", pondera a psicóloga;.

ENEM: O que levar e o que não levar

Na chegada ao local de prova, os candidatos devem apresentar obrigatoriamente documento de identificação com foto e caneta esferográfica de tinta preta. Além disso, a caneta deve ter material transparente e, de preferência, mais que uma, pois não é possível pedir emprestado durante o exame. 

Os participantes somente poderão permanecer no local de aplicação das provas sem a máscara de proteção contra a Covid-19 nos estados ou municípios onde o uso do item em local fechado esteja liberado por decreto ou ato administrativo de igual poder regulamentar.

Antes de entrar na sala, os estudantes receberão um envelope porta-objetos, onde deverão guardar tudo que não é permitido na hora da prova. Eletrônicos, inclusive celulares, devem ser desligados antes de guardados. Rélogio, óculos escuros, fones de ouvido e/ou qualquer transmissor, gravador e/ou receptor de dados, imagens, vídeos e mensagens também são proibidos. A Declaração de Comparecimento impressa também deve ficar no envelope. Esse envelope deve ser fechado, lacrado e guardado até a entrega da prova e consequente saída do local de aplicação da prova.

Copiar o texto
16/11/2022 06:00h

A data de 16 de novembro é considerada nacionalmente o “Dia de Atenção à Dislexia”. O distúrbio atinge entre 5% e 17% da população mundial

Baixar áudio

A data de 16 de novembro é considerada nacionalmente o “Dia de Atenção à Dislexia”. De acordo com a Associação Brasileira de Dislexia (ABD), esse é o distúrbio que aparece com maior frequência nas salas de aula e atinge entre 5% e 17% da população mundial.

A dislexia é um distúrbio de aprendizagem na área da leitura, escrita e soletração. Embora seja associada à má alfabetização, desatenção e baixa inteligência, esse transtorno pode ser hereditário com alterações genéticas, ou desenvolvido em decorrência de um trauma. Por isso, é importante que a dislexia seja diagnosticada por meio de avaliação neuropsicológica. 

A psicóloga Alessandra Araújo alerta para alguns dos principais sinais de dislexia na linguagem, como erros de pronúncia, dificuldade de nomear objetos, letras e números, se expressar de forma clara, entre outros. "Na escrita, se a criança recebe uma soletração, ela consegue entender, visualizar, mas ela não consegue, muitas vezes, colocar no papel aquela letra da palavra que foi soletrada. Às vezes eles omitem, às vezes ele substitui, inverte palavras de sons palatais, o ‘T’ e o ‘D’. E aí, inconsequentemente, ela vai ter uma dificuldade muito grande na questão dos vocabulários, das palavras, entender e interpretar um texto”, explica.

Por isso, pessoas com dislexia também sentem dificuldades em interpretar textos e escrever redações. “E são crianças que fogem muitas vezes desse processo de verbalizar em voz alta a leitura de textos. Ela vai sofrer bullying, ela vai sofrer uma piada dentro da sala de aula”, afirma a psicóloga.

Assim que identificados esses sinais, é importante procurar ajuda especializada. Alessandra explica que pessoas com dislexia muitas vezes são ridicularizadas, e isso pode levar ao desenvolvimento de uma baixa autoestima, além de comportamentos ansiosos e depressivos.

Por isso, o diagnóstico  é essencial para que a pessoa com dislexia consiga ser compreendida. “Porque aí eu vou conseguir entrar no contexto de chamar essa criança e falar: o que que você quis dizer? Você leva essa condição até para a pessoa também pensar, raciocinar e assumir esse lugar de que, sim, eu tenho um transtorno e eu preciso saber quais são as formas de lidar com esse transtorno”, explica Alessandra.

Rafael Braga, de 34 anos, psicólogo e especialista em Terapia Cognitiva Comportamental (TCC), descobriu a dislexia aos 24 anos de idade enquanto cursava psicologia. Ele afirma que isso ajudou a entender aspectos de sua vida, como quando era uma criança taxada de preguiçosa e que não conseguia aprender a ler. “Isso me dificultou bastante, porque potencializou muito a minha ansiedade, eu tinha medo de ler em público, eu morria de medo, eu tinha pavor de ler em público porque as pessoas iam rir de mim”, lembra.

O psicólogo diz que, por ter dificuldade em língua portuguesa, achou que nunca conseguiria passar em uma prova de redação, por isso não tentou ingressar em uma universidade pública e não estava certo de que conseguiria cursar uma faculdade.

Hoje, Rafael explica que ainda enfrenta algumas dificuldades, mas que, após receber o diagnóstico, conseguiu lidar com o transtorno e estudar da forma correta. “No dia a dia, até por ser um profissional que trabalha na área da saúde mental, eu não tenho vergonha ou dificuldade de falar. Às vezes eu vou fazer, por exemplo, um relatório que tem que ir pra juízo, então, às vezes seguem para um advogado, eu peço para fazer uma releitura e conferir”, explica.
 

Copiar o texto
12/11/2022 04:30h

Em 12 de novembro se comemora o dia do diretor e da diretora, profissionais que enfrentam desafios diários nas escolas de todo o país para melhorar o ensino

Baixar áudio

No dia 12 de novembro se comemora o dia do diretor e da diretora escolar. Dentro da composição escolar tradicional, o diretor ou a diretora figura em posição de destaque. Muitas vezes, temidos pelos alunos, outras, adorados. Fato é que uma escola reflete muito da personalidade e do trabalho de quem está no comando. 

A antiga imagem do diretor que se escondia atrás da burocracia e não extrapolava as paredes da sala mudou. Foi substituída por figuras que se envolvem com a comunidade escolar, circulando entre alunos, conhecendo aquele espaço e apoiando aquelas pessoas que participam do processo de aprendizagem.  

Para a coordenadora-pedagógica da unidade educativa CEDAC, Angela Luiz Lopes, a função do diretor ainda é subestimada no Brasil, mas ela avalia. 

“Os diretores são responsáveis pela implementação das políticas educacionais na escola, visando melhorar a aprendizagem de todos os estudantes. Eles atuam como maestros, que regem a escola, assegurando as condições de ensino que contentem a aprendizagem e o desenvolvimento integral dos estudantes. 

A coordenadora complementa que “a gestão escolar é responsável por manter um clima favorável à aprendizagem, otimizar o desenvolvimento profissional da equipe, gerar condições para que os estudantes participem da vida escolar e vivenciem experiências educativas significativas. Além disso, também cabe aos diretores garantir que materiais e alimentação escolar também estejam adequados às necessidades dos estudantes. Bem como cuidar das relações das escolas com as famílias e com a comunidade.”

O sertão entre os melhores

Em outubro deste ano, a Escola de Referência em Ensino Fundamental Evandro Ferreira dos Santos, da rede municipal de Cabrobó, no sertão de Pernambuco, conquistou o segundo lugar  no prêmio Melhores Escolas do Mundo. Contrariando todas as expectativas, a vice-liderança para a instituição veio na categoria “superação de adversidades” e foi o resultado da iniciativa da diretora Elineide Fernandes, que está há menos de dois anos na gestão da unidade. 
 
“O gestor precisa acolher a comunidade e precisa ter um olhar completo do ambiente onde ele está direcionando as atividades. Para que os projetos aconteçam, para que a aprendizagem aconteça, o gestor precisa ser a pessoa que incentiva, que motiva, que fomenta esses projetos, esse acontecimentos que trazem a transformação dentro da escola.” 

Educadores, sim, gestores também?

Segundo o Ministério da Educação (MEC) são 162 mil diretores e diretoras de escolas no Brasil atualmente, mas apenas uma pequena parcela com capacitação para o cargo. Só 10% desse total têm curso de formação continuada em gestão escolar, como mostra o Censo Escolar de 2021. 

“A falta de formação específica dos diretores tem fragilizado a construção de projetos políticos-pedagógicos focados nas aprendizagens e no desenvolvimento dos estudantes, pois é necessário ter conhecimentos sobre a gestão escolar. A consolidação de espaços de formação para diretores se torna fundamental para o fortalecimento dessas práticas, baseados em princípios democráticos, no conhecimento de dimensões e ferramentas da gestão escolar, na constituição e consolidação de equipes mais colaborativas e ainda no fortalecimento da articulação com a comunidade escolar", avalia a coordenadora pedagógica Angela Lopes.

Para o dirigente municipal de educação de Cabrobó, Pedro Kaio, um bom gestor escolar se faz com mais do que competência pedagógica e profissional. Para ele, a emoção de ser educador, a competência socioemocional é característica fundamental na construção dessa carreira. 

“O professor no chão da sala de aula e o gestor na ponta da escola para receber a gama de situações e ser capaz de conciliar um trabalho pedagógico, burocrático, de prestação de contas e uma gama de situações que só quem já esteve nessa situação entende", avalia o dirigente, que ainda ressalta ser fundamental preparar esses profissionais para ocuparem os cargos. 

“A gente tem trabalhado em Cabrobó muito com base no programa de habilidades, na gestão democrática e também no planejamento estratégico. O trabalho com a minha equipe, usa a tabela FOFA: de forças, oportunidades, fraquezas e ameaças, nas quais a gente pode, sim, estar direcionando e otimizando o perfil de um gestor, de um coordenador, de uma secretaria como um todo.”

Copiar o texto
11/11/2022 04:00h

Separar documento e caneta preta e sair de casa com antecedência são dicas importantes

Baixar áudio

Mais de 3,3 milhões de brasileiros são esperados para o Exame Nacional do Ensino Médio (ENEM) 2022, que começa a ser aplicado neste domingo (13). O número de estudantes inscritos é 10% maior em relação a 2021, segundo dados do Instituto Nacional de Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep). No primeiro domingo, os candidatos fazem as provas de linguagens, códigos e suas tecnologias, redação e ciências humanas e suas tecnologias. Já no segundo (20), respondem questões de ciências da natureza e suas tecnologias e matemática e suas tecnologias.

Dada a importância nacional para quem deseja ingressar no ensino superior, o teste segue regras rigorosas. Para evitar contratempos, o professor de linguagens, Adonias Freitas recomenda que os estudantes cheguem com antecedência ao local de prova. Uma das primeiras medidas é verificar o endereço disponível na Página do Participante e no aplicativo do Enem. “O estudante deve se planejar como será feito o deslocamento, se vai ser de transporte coletivo, por meio de transporte individual, por meio de aplicativos. É preciso comparecer ao local de prova com antecedência, por isso o estudante deve ter a noção de como estará o trânsito no dia da prova, e comparecer ao local com até uma hora de antecedência”, explica o professor. 

O que é obrigatório levar? 

Na chegada ao local de prova, o estudante deve apresentar obrigatoriamente documento de identificação com foto, caneta esferográfica na cor preta. Além de preta, a caneta deve ter material transparente; é ideal ter mais de uma, pois não é possível pedir emprestado durante o exame. 
O participante não poderá permanecer no local de aplicação das provas sem a máscara de proteção contra a Covid-19, exceto nos estados ou municípios onde o uso do item em local fechado esteja liberado por decreto ou ato administrativo de igual poder regulamentar.

O que é aconselhável levar?

O Inep, responsável pela aplicação do Enem, definiu alguns itens “aconselháveis” para se ter durante as provas. Um deles é o cartão de confirmação de inscrição, disponível na Página do Participante, de modo a comprovar a participação e o local de prova. 

Para quem trabalha no dia da prova, é possível imprimir uma declaração de comparecimento na Página do Participante, a qual deve ser entregue e preenchida pelo aplicador responsável pela sala do candidato. O documento serve como licença para o trabalho. 

O professor de cursinho preparatório para o Enem, Rêiner Godoy, relembra que alimentos e água também devem ser considerados pelos estudantes. “É interessante que o aluno leve uma garrafa de água, lembrando que a garrafa também tem quer ser transparente, se quiser levar uma barra de cereal ou chocolate tem que ser também em material transparente por que o fiscal vai verificar”, explica o professor.

O que não levar no dia da prova

Antes de entrar na sala, os estudantes receberão um envelope porta-objetos, onde deverão guardar tudo que não é permitido na hora da prova. Eletrônicos, inclusive celulares, devem ser desligados antes de guardados. Rélogio, óculos escuros, fones de ouvido e/ou qualquer transmissor, gravador e/ou receptor de dados, imagens, vídeos e mensagens também são proibidos. A Declaração de Comparecimento impressa também deve ficar no envelope. Esse envelope deve ser fechado, lacrado e guardado até o fim da aplicação.

O que fazer nos dias que antecedem o Enem 

Especialistas em educação recomendam evitar sobrecarrega de conteúdos que ainda não viram nos últimos dias antes das provas. Para o professor Rêiner Godoy, é importante fazer uma revisão dos principais assuntos durante a semana, mas não na véspera do exame. Para ele, é hora de desacelerar e descansar. “É importante que o aluno de uma revisada nessa semana, se tiver um conteúdo que ele tem mais dúvidas ele pode buscar soluções, pesquise um vídeo na internet, consulte um professor de confiança, amigos, de aquela última revisada, mas não faça isso no dia que antecede a prova”. 

A estudante Maria Clara Rodrigues vai participar do exame pela segunda vez, e conta que, além da rotina de estudos, a realização de simulados ajuda a garantir a sensação de segurança. “Nessa reta final tenho me preparado participando de revisões, revendo as anotações, pesquisando sobre os assuntos que podem vir a ser temas da redação, refazendo simulados e as provas do Enem”.

Novidade na aplicação

Pela primeira vez, o Inep aceitará documentos digitais de identificação nos locais de prova, como:

  • e-Título,
  • Carteira Nacional de Habilitação (CNH) Digital; e
  • RG Digital.

O candidato deve apresentar o aplicativo oficial ao fiscal - capturas de tela não serão válidas. Após a entrada na sala de aula, o uso do celular continuará vetado.

Copiar o texto
05/11/2022 17:00h

Segundo dados do Inep, 73,8% dos mais de 22 milhões de vagas são de cursos à distância

Baixar áudio

A rede privada de ensino foi responsável por 96,4% de todas as vagas em nível superior no país em 2021. Segundo dados do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep), publicados nessa sexta-feira (04), dos 22,7 milhões de vagas em graduações pelo país, 21,8 milhões estão em instituições de ensino particulares. As universidades públicas, por outro lado, oferecem 827 mil vagas, mais da metade em instituições federais: 491 mil vagas.

O levantamento ainda aponta que, desse total, 16,7 milhões de vagas são de cursos à distância. Ou seja, a educação à distância (EaD) representa 73,8% de todas as matrículas em cursos de gradução no país, sendo que apenas 114 mil são de instituições públicas, o que significa 0,7% do total. 

O censo mostra que as vagas em cursos de graduação EaD tiveram aumento de 23,8% em relação a 2020, enquanto as vagas oferecidas presencialmente caíram 2,8% no mesmo período. Quando comparado com os dados da série histórica, iniciada em 2011, o número de ingressantes em cursos superiores de graduação, na modalidade EaD, aumentou 474%.

O presidente do Inep, Carlos Eduardo Moreno Sampaio, ressaltou o crescimento contínuo na modalidade EaD nos últimos anos. "É uma tendência inexorável, que se consolidou como modalidade de ensino que está prevalecendo na expansão da educação superior no Brasil", afirmou. Tendência esta que se reflete na abertura de cursos de graduação à distância: de 2019 para 2021, foram 3.091 cursos inaugurados, segundo o Inep, o que representa crescimento de 68,2% em 2 anos.

Apesar do número de vagas, estudantes efetivamente matriculados em cursos de nível superior são 8.986.554. Deles, 6,9 milhões estão na rede privada, 76,8% do total e, pela primeira vez na série histórica, a maioria está na modalidade à distância: 3,5 milhões de alunos (51%).

No entanto, a qualidade desses cursos é uma preocupação para o secretário de Regulação e Supervisão da Educação Superior do Ministério da Educação (MEC), Vandir Cassiano. “Nós temos instituições que anunciam cursos de EaD a um valor de R$ 59,90. Uma mensalidade muito baixa e até que ponto esse curso oferece uma formação adequada para o mercado de trabalho e que venha a fazer parte do contexto social e econômico do país. A secretaria está com um trabalho de verificação desses polos de EaD”, afirmou o gestor.

Censo da Educação

O Censo da Educação Superior é realizado anualmente pelo Inep desde 2001. Ele é o instrumento de pesquisa mais completo do Brasil sobre as instituições de educação superior, e oferece informações detalhadas sobre a situação e as tendências da educação superior brasileira, assim como guia as políticas públicas do setor.

O secretário da Educação Básica, Mário Luiz Rabelo, ressaltou a relevância do estudo. "Isso é tão importante para lançar luz sobre as políticas em andamento e para novas políticas a serem criadas a partir daquilo que se revela quando se faz esse acompanhamento anual que o Inep faz. [Isso permite saber] o que está acontecendo, que movimentos estão acontecendo ao longo dos anos com a Educação Superior em vários níveis", afirmou o secretário.

O estudo utiliza as informações do cadastro do Sistema e-MEC, em que são mantidos os registros de todas as instituições, seus cursos e locais de oferta. A partir desses registros, o censo coleta informações sobre infraestrutura das instituições de educação superior, vagas oferecidas, candidatos, matrículas, ingressantes, concluintes e docentes, nas diferentes formas de organização acadêmica e categoria administrativa.

Copiar o texto
Brasil
02/11/2022 04:00h

Além disso, entidade pede que novo governo dê atenção especial à reforma tributária, infraestrutura e educação

Baixar áudio

Acelerar o crescimento do país, promover a transição para uma economia de baixo carbono e melhorar a qualidade de vida dos brasileiros. De acordo com a Confederação Nacional da Indústria (CNI), esses são os desafios do presidente eleito Luiz Inácio Lula da Silva (PT) ao assumir o governo em janeiro de 2023. 

Em posicionamento divulgado nesta segunda-feira (31), o presidente da CNI, Robson Braga de Andrade, disse que os próximos quatro anos vão exigir união e diálogo entre os setores público e privado e a sociedade para a construção de uma política industrial moderna, pautada nos investimentos em inovação e tecnologia e na agenda do clima. 

“Muitos dos problemas econômicos e sociais são antigos. Seus diagnósticos e soluções já foram exaustivamente discutidos. Precisamos, agora, concentrar esforços no enfrentamento dessas questões. Por isso, seguindo o exemplo dos países mais desenvolvidos, defendemos a adoção de uma visão de país de longo prazo, que tenha como objetivos centrais a inovação, os ganhos de produtividade e a maior inserção da economia brasileira no concorrido mercado internacional”, afirma. 

Na última década, entre 2011 e 2020, a economia brasileira cresceu, em média, 0,3% ao ano. Desempenho inferior à chamada “década perdida”, nos anos 80, quando o PIB cresceu 1,6% a.a. 

“O grande desafio do próximo governo é acelerar o ritmo de crescimento da economia brasileira, que não vem crescendo rapidamente há mais de uma década”, ressalta Mário Sérgio Telles, gerente-executivo de Economia da CNI. 

Agenda

Com base em sugestões de empresários e de representantes das federações estaduais e das associações nacionais setoriais da indústria, a CNI entregou 21 documentos à campanha do presidente eleito com sugestões para um país forte, dinâmico e inovador. 

“A indústria preparou 21 documentos dos mais diversos temas e apresentou ainda em junho a todos os candidatos à Presidência da República. Além disso, agora mais recentemente a CNI preparou um plano de retomada da indústria que também foi apresentado aos dois candidatos que estavam disputando o segundo turno, de modo que deixamos claro para todos os candidatos qual a nossa visão e as nossas prioridades para o próximo governo”, lembra Telles. 

A agenda de reformas, principalmente a reforma tributária sobre o consumo, visando a criação de um sistema tributário eficiente e que estimule os investimentos produtivos e a criação de empregos, deve ser uma das prioridades do próximo presidente, explica. 

“Além disso, o novo governo precisa de uma relação harmônica com o Congresso, porque ainda existem diversas reformas a serem feitas. A principal reforma, do ponto de vista da indústria, é a da tributação do consumo, que está no Congresso na forma da PEC 110”. 

A doutora em economia Margarida Gutierrez afirma que o sistema tributário é oneroso e complexo, o que atrapalha o desenvolvimento da indústria e, por consequência, do país. “Tem que tornar o sistema mais simples, mais progressivo, mais transparente, dar um fôlego para a indústria. A indústria no Brasil é muito tributada. Isso tira a competitividade do setor industrial brasileiro. Por quê? Porque ele exporta. Então, ele se depara com um nível de competitividade já por aí mais baixo”, avalia.  

Reforma tributária: melhorar caro e complexo sistema tributário deve ser prioridade para o presidente eleito, afirmam especialistas

Após nova “década perdida”, especialistas indicam que presidente eleito deve priorizar agenda do crescimento econômico

Infraestrutura

O documento aponta que a infraestrutura do Brasil deve receber atenção especial, pois apesar dos avanços obtidos com as concessões e privatizações nos últimos anos, é preciso investir mais para ampliar e modernizar o setor. 

Entre as medidas que a CNI classifica como indispensáveis para isso estão a adoção de marcos regulatórios efetivos para promover a competição no mercado de gás natural, de combustíveis e de energia elétrica, e ampliar os investimentos em sistemas eficientes de transportes. 

A avaliação é de que o país precisa aumentar os investimentos em transporte em, pelo menos, três vezes. Hoje, o Brasil investe em infraestrutura de transportes cerca de 0,65% do Produto Interno Bruto (PIB). Para a entidade, o patamar ideal para modernizar a logística de transporte seria de 2% do PIB. 

Inovação e sustentabilidade

Segundo a CNI, o Brasil também precisa se preparar para aproveitar as oportunidades abertas pela indústria 4.0 e pela descarbonização da economia, que tendem a determinar o futuro das empresas e o crescimento dos países. 

Para isso, a entidade defende investimento em pesquisa e inovação de modo que o país reduza as emissões de gases de efeito estufa e ocupe posição de maior destaque no esforço global para conter as mudanças climáticas. Responsável por 70% do investimento empresarial em pesquisa e desenvolvimento, a indústria é essencial nesse processo. 

“Uma prioridade que a CNI identifica é a questão da transição para a economia de baixo carbono. O mundo inteiro está discutindo essa questão e o Brasil precisa se adaptar de uma forma a acelerar o nosso crescimento, para que isso seja uma oportunidade para a economia brasileira e isso passa, por exemplo, por energias renováveis”, diz Telles. 

Educação

O posicionamento também diz que a “revolução tecnológica em curso exige um sistema educacional mais conectado com a era do conhecimento”. Por isso, pontua que o novo governo deve priorizar a melhoria da qualidade da educação básica e da formação profissional e técnica dos trabalhadores para atender às demandas do mercado de trabalho em constante transformação. 

Copiar o texto
28/10/2022 19:45h

Estudantes podem apresentar documentos digitais para fazer a prova, especialistas dão dicas de como se preparar para driblar o nervosismo

Baixar áudio

O Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep) publicou, no início da semana (24), o Cartão de Confirmação de Inscrição do Enem 2022 na plataforma gov.br, na Página do Participante. Neste cartão, os inscritos encontram informações sobre os locais de prova, as datas e os horários em que devem comparecer.

Segundo o Inep, o acesso à plataforma gov.br está intermitente em função de uma manutenção realizada pelo Ministério da Economia, o que pode causar instabilidade no sistema. Assim que for normalizado, todos os participantes conseguirão conferir o Cartão de Confirmação de Inscrição.

Apresentação de documentos

O edital da edição do Enem 2022 autoriza a apresentação de documentos digitais para os participantes no dia das provas. Os candidatos poderão usar o e-Título, assim como a Carteira Nacional de Habilitação (CNH) e o RG digital para se identificar, desde que apresentados nos aplicativos oficiais.

Caso o participante não possa apresentar o documento de identificação original com foto nos dias do exame por motivo de extravio, perda, furto ou roubo, poderá realizar as provas, desde que mostre o boletim de ocorrência expedido, no máximo, 90 dias antes da aplicação da prova. Também será preciso passar por um procedimento especial, no qual serão coletadas informações pessoais, com o objetivo de comprovar a identidade.

Talita Santos, psicopedagoga, aconselha buscar a distração e o descanso nos dias anteriores à prova. “O estudante precisa cuidar da alimentação, dormir bem, evitar protelar o sono, tentar ter uma rotina de sono um pouco melhor nos dias anteriores. É importante também fazer coisas que ele se divirta, ele goste, que não sejam coisas muito ligadas aos estudos, porque ser um um gatilho para gerar mais ansiedade”, completa.

Confira dicas que podem ajudar com a concentração no dia do Enem

O estudante e morador de Samambaia (DF), João Filipe de Oliveira, de 17 anos, diz que apesar do nervosismo, está tranquilo, pois já conseguiu estudar tudo o que precisava. 

“Acredito que eu esteja bem tranquilo, estou ansioso com a prova, pois é um evento que vai decidir o rumo que vou seguir na vida, mas estou bem calmo, como um amigo me fala, o que tiver que ser, será. Até esse ponto eu já estudei o que tinha que estudar, então agora é só revisar. Não tenho motivo para ficar nervoso”, conclui.

O Inep também oferece a Cartilha do Participante, com exemplos de redação que tiveram nota máxima nos exames passados, além de informações sobre a estruturação da prova e o processo de correção. Para acessar esse material, basta digitar “Cartilha do Participante” no navegador da internet e selecionar a primeira opção. 
 

Copiar o texto
11/10/2022 15:45h

Participantes da lista de espera têm até 14 de outubro para enviar informações

Baixar áudio

Estudantes que estão na lista de espera do Programa Universidade para Todos (Prouni) têm até sexta-feira (14) para a comprovação de informações fornecidas ao programa no momento da inscrição. O novo prazo foi publicado no Edital n°103, do Diário Oficial da União (DOU) da última sexta-feira (7).

O objetivo da extensão do prazo é garantir o máximo de tempo hábil aos participantes, para que possam comprovar as informações prestadas junto às instituições de ensino para as quais se inscreveram. 

O resultado da lista de espera do Prouni pode ser consultado no portal Acesso Único. Essa lista é a última etapa do programa e, por isso, cada candidato que manifestou interesse pode apresentar a documentação na instituição de ensino escolhida por ele. A documentação será analisada por ordem de pré-seleção até o máximo de possibilidade de ocupação das bolsas ofertadas.

Após identificar duplicação, MEC exclui 257 bolsas de estudo da segunda chamada do Prouni

Tiago Diana, orientador escolar, lembra a importância do Prouni para quem quer fazer faculdade, mas não tem condições de pagar o valor integral ou o desconto oferecido pelas instituições.

“O Prouni foi criado com o intuito de aumentar o ingresso das pessoas na educação superior. E ele utiliza como critério de seleção a nota do Enem. Pra você que cursou o ENEM e tem uma perspectiva de bolsa em universidades privadas, é importante acompanhar os editais de lançamento do Prouni”, completa.

O que é Prouni

O Programa Universidade para Todos, mais conhecido como Prouni, oferece bolsas de estudo integrais e parciais, em cursos de graduação e sequenciais de formação específica, em instituições privadas de educação superior de todo o país. 

Para conseguir uma bolsa no programa é preciso ter realizado o Exame Nacional do Ensino Médio (ENEM), ter obtido nota igual ou superior a 450 pontos em ambas as provas e não ter zerado a redação.
 

Copiar o texto
Brasil 61