Cadastro de mídia

TERMO DE USO E PARCERIA

TERMO DE USO E PARCERIA

Regras de Uso

1º - A utilização gratuita e livre dos materiais produzidos pelo Brasil 61 só será permitida depois que este termo de parceria for aceito pelo usuário, prevendo as seguintes regras:

a) A utilização do material - na íntegra, ou em partes - só será permitida desde que as informações não sejam distorcidas, manipuladas ou alteradas.

b) Não é necessário a identificação do Brasil 61 na hora da replicação do conteúdo. Mas toda e qualquer veiculação de áudios produzidos pelo Brasil 61 prevê o cadastro no site, com a disponibilização de dados que serão utilizados para a organização do mailing desta empresa,

2º - OBRIGAÇÕES DO BRASIL 61

a) O Brasil 61 se compromete, a partir deste termo de uso, a produzir conteúdo particularizado diariamente, trazendo informações de dia-a-dia e bastidores do Planalto Central, além de outras temáticas de relevância do noticiário nacional. 

b) O acesso ao conteúdo jornalístico (na versão de leitura) é livre e gratuito, podendo ser replicado por qualquer usuário que acesse o site. O download do áudio para que seja utilizado na programação das rádios requer que o radialista realize o login no site do Brasil 61 - informando e-mail e senha cadastrados. 

3º - OBRIGAÇÕES DOS COMUNICADORES PARCEIROS

Não alterar o sentido dos materiais, ou distorcer fala de entrevistados ou mudar a conotação das mensagens dos materiais. 

ADENDOS IMPORTANTES SOBRE A PARCERIA

a) O Brasil 61 poderá distribuir conteúdo patrocinado com ou sem assinatura dos clientes patrocinadores do boletim e sem aviso prévio ao comunicador. 

b) As rádios parceiras não vão ter participação financeira sobre o faturamento do Brasil 61.

c) Os comunicadores podem patrocinar os conteúdos do Brasil 61, desde que não alterem o sentido e a conotação dos conteúdos oferecidos. Nesses casos, o Brasil 61 não terá participação nos lucros conquistados pelos veículos parceiros. 

Ao clicar em ACEITO, a emissora aqui cadastrada afirma concordar e estar ciente de todas as condições apresentadas neste Termo de Utilização de Conteúdo.

Agronegócios

Agronegócios
27/11/2020 14:00h

Cumprimento do prazo é pré-requisito para que agricultores acessem benefícios

Baixar áudio

Produtores rurais têm até 31 de dezembro para fazer a adesão ao Cadastro Rural Ambiental (CAR) para que possam garantir os benefícios do Programa de Regularização Ambiental (PRA) que estão previstos no Código Florestal. Não há prazo para o cadastro, mas essa é a data limite para que os agricultores não percam incentivos. Segundo o Governo Federal, a inscrição no CAR é o primeiro passo para a aquisição da declaração de regularidade ambiental do imóvel rural.

 A Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA) reforça que, além de estarem em conformidade com a legislação ambiental, os produtores que realizam o cadastro no CAR terão  dois anos para implementar o programa e cumprirem com as obrigações relacionadas ao meio ambiente. 

Plataforma virtual promete agilizar Cadastro Ambiental Rural

O Cadastro Ambiental Rural foi criado em 2012 com a sanção do Código Florestal Brasileiro, mas foi regulamentado em 2014, com a publicação de uma instrução normativa do Ibama.  Para mais informações, acesse: www.car.gov.br

Copiar o texto
Agronegócios
27/11/2020 08:12h

No mercado financeiro, o preço da carcaça suína especial caiu 0,38%

Baixar áudio

A cotação da arroba do boi gordo termina a semana (27) com alta de 2,50% no preço e o produto é negociado a R$ 285,25 em São Paulo. Em Goiânia, o produto é vendido à vista a R$ 264. Já em Barretos e Araçatuba, em São Paulo, a arroba é comercializada a R$ 272.

O preço do quilo do frango congelado não sofreu variação e o produto é vendido a R$ 6,21. O preço do frango resfriado também não teve variação e a mercadoria é comercializada a R$ 6,36. 
 
No mercado financeiro, o preço da carcaça suína especial caiu 0,38% e o produto é negociado a R$ 13,06. Em Minas Gerais, o suíno vivo é vendido a R$ 8,50. No Paraná, o produto é comercializado à vista a R$ 8,30. Os valores são do Canal Rural e Cepea

Copiar o texto
Agronegócios
27/11/2020 08:09h

No mercado financeiro, o preço da saca de 60 quilos do milho caiu 0,58%

Baixar áudio

A saca de 60 quilos do café arábica termina a semana (27) com queda de 1,01% no preço e é vendida a R$ 578,52 na cidade de São Paulo. Já o café robusta teve alta de 0,69% no valor e a saca é comercializada a R$ 409,57 para retirada no Espírito Santo. 
 
O açúcar cristal registrou alta de 0,14% e o produto é vendido a R$ 109,58 em São Paulo. Em Santos, no litoral paulista, o valor da saca de 50 quilos, sem impostos, caiu 0,23% e a mercadoria é comercializada a R$ 106,58. 
 
No mercado financeiro, o preço da saca de 60 quilos do milho caiu 0,58% e é negociada a R$ 79,31. Em Cascavel, no Paraná, o preço é R$ 75. Em Rondonópolis, no Mato Grosso, o milho é vendido a R$ 68. Em Rio Verde, Goiás, o preço à vista é R$ 71. Os valores são do Canal Rural e Cepea

Copiar o texto
Agronegócios
26/11/2020 07:19h

No mercado financeiro, o preço da carcaça suína especial caiu 0,83%

Baixar áudio

A cotação da arroba do boi gordo começou a quinta-feira (26) com queda de 3% no preço e o produto é negociado a R$ 278,30 em São Paulo. Em Goiânia, o produto é vendido à vista a R$ 264. Já em Barretos e Araçatuba, em São Paulo, a arroba é comercializada a R$ 277. 

O preço do quilo do frango congelado não sofreu variação e o produto é vendido a R$ 6,21. O preço do frango resfriado também não teve variação e a mercadoria é comercializada a R$ 6,36. 
 
No mercado financeiro, o preço da carcaça suína especial caiu 0,83% e o produto é negociado a R$ 13,11. Em Minas Gerais, o suíno vivo é vendido a R$ 8,68. No Paraná, o produto é comercializado à vista a R$ 8,35. Os valores são do Canal Rural e Cepea

Copiar o texto
Agronegócios
26/11/2020 07:15h

No mercado financeiro, o preço da saca de 60 quilos do milho subiu 0,13%

Baixar áudio

A saca de 60 quilos do café arábica começou a quinta-feira (26) com alta de 1,10% no preço e é vendida a R$ 584,40 na cidade de São Paulo. Já o café robusta teve baixa de 0,09% no valor e a saca é comercializada a R$ 406,75 para retirada no Espírito Santo. 
 
O açúcar cristal registrou alta de 0,43% e o produto é vendido a R$ 109,43 em São Paulo. Em Santos, no litoral paulista, o valor da saca de 50 quilos, sem impostos, subiu 0,34% e a mercadoria é comercializada a R$ 106,83. 
 
No mercado financeiro, o preço da saca de 60 quilos do milho subiu 0,13% e é negociada a R$ 79,77. Em Cascavel, no Paraná, o preço é R$ 75. Em Rondonópolis, no Mato Grosso, o milho é vendido a R$ 70. Em Rio Verde, Goiás, o preço à vista é R$ 71. Os valores são do Canal Rural e Cepea

Copiar o texto
25/11/2020 23:00h

Presente em produtos consumidos pelos brasileiros, gás natural ainda tem tarifas maiores que Estados Unidos e Reino Unido; PL que prevê nova lei do gás tramita no Senado

Baixar áudio

Com a aprovação recente pela Câmara dos Deputados do projeto de lei que institui um marco para o mercado de gás natural no Brasil, o assunto voltou a ter destaque. A proposta é abrir o mercado, investir em infraestrutura e alavancar investimentos em diversos setores da sociedade. Mas você sabe para que serve o gás natural?

“O gás natural está presente em tudo que o brasileiro consome no dia a dia. Alimentos refrigerados, fertilizantes agrícolas, materiais que contenham aço, metais, meio de transporte, materiais de construção, embalagens, produtos hospitalares, químicos, plásticos, eletrônicos”, enumera a senadora Soraya Thronicke (PSL-MS). “Mas o preço desse gás fica embutido em todos esses produtos e serviços que consumimos”, avisa.  

A parlamentar defende que a nova lei do gás, em apreciação no Senado, seja votada o quanto antes. Para ela, a aprovação do texto fará com quem mais pessoas tenham acesso ao produto. 

“A indústria brasileira paga hoje uma das maiores tarifas de gás natural no mundo. No Brasil, esse preço é quatro vezes a tarifa dos EUA e o dobro do Reino Unido. Tudo isso é culpa de um alto custo de infraestrutura e da falta de competidores no mercado. Com a aprovação da nova lei do gás, temos grande chance de desenvolver melhor essa agenda de infraestrutura, estimular um mercado mais competitivo e reduzir os custos”, acredita. 

Para o agro, os benefícios viriam com os custos do fertilizante. Segundo dados da Petrobras, o Brasil importa cerca de 80% da substância. Com a lei do gás, a proposta é reduzir a dependência externa. “Para o agro, os ganhos com a aprovação do texto serão imensos, tendo em vista que o impacto poderá ser direto no custo de produção. Isso vai estimular o crescimento de muitos produtores rurais, além de garantir o abastecimento da mesa do brasileiro”, acrescenta a senadora.

Entre 2003 e 2012, ainda segundo a Petrobras, o consumo de fertilizantes passou de 22,8 milhões de toneladas para quase 30 milhões, configurando crescimento de 30% no período. Um dos motivos para a importação maciça de fertilizantes é o alto custo da produção, já que o gás natural, um dos componentes do insumo, representa cerca de 80% do custo do produto, dependendo da planta. 

De acordo com o relator do projeto na Câmara dos Deputados, Laercio Oliveira (PP-SE), a nova lei do gás pode alavancar os investimentos nesse setor. “A agricultura brasileira vai ganhar com a aprovação da lei, principalmente nas regiões em que a produção agrícola é o carro-chefe”, garante. “Hoje, 80% dos fertilizantes que utilizamos no campo são importados. Com o gás, o Brasil vai produzir fertilizantes, barateando os custos do pequeno ao grande produtor”, afirma Oliveira. 

O advogado e secretário da Comissão de Políticas Públicas da OAB-GO, Eliseu Silveira, observa que a livre concorrência, como a citada por Soraya Thronicke, pode ser benéfica para todas as etapas de produção do gás. Para ele, a aprovação do projeto pode atrair investimentos na infraestrutura. “Se há muita oferta, o preço diminui. Se há muita procura e pouca oferta, o preço sobe, isso é lei de mercado”, esclarece Silveira.

O PL 4476/2020 está em tramitação no Senado. 

Copiar o texto
Agronegócios
25/11/2020 07:33h

No mercado financeiro, o preço da carcaça suína especial caiu 1,78%

Baixar áudio

A cotação da arroba do boi gordo começou a quarta-feira (25) com queda de 0,97% no preço e o produto é negociado a R$ 286,90 em São Paulo. Em Goiânia, o produto é vendido à vista a R$ 266. Já em Barretos e Araçatuba, em São Paulo, a arroba é comercializada a R$ 279. 

O preço do quilo do frango congelado sofreu variação negativa de 0,32% e o produto é vendido a R$ 6,21. O preço do frango resfriado também teve variação negativa de 0,31% e a mercadoria é comercializada a R$ 6,36. 
 
No mercado financeiro, o preço da carcaça suína especial caiu 1,78% e o produto é negociado a R$ 13,22. Em Minas Gerais, o suíno vivo é vendido a R$ 8,82. No Paraná, o produto é comercializado à vista a R$ 8,39. Os valores são do Canal Rural e Cepea

Copiar o texto
Agronegócios
25/11/2020 07:27h

No mercado financeiro, o preço da saca de 60 quilos do milho caiu 0,49%

Baixar áudio

A saca de 60 quilos do café arábica começou a quarta-feira (25) com queda de 0,49% no preço e é vendida a R$ 578,02 na cidade de São Paulo. O café robusta também teve baixa de 0,66% no valor e a saca é comercializada a R$ 407,13 para retirada no Espírito Santo. 
 
O açúcar cristal registrou alta de 0,26% e o produto é vendido a R$ 108,96 em São Paulo. Em Santos, no litoral paulista, o valor da saca de 50 quilos, sem impostos, subiu 0,49% e a mercadoria é comercializada a R$ 106,47. 
 
No mercado financeiro, o preço da saca de 60 quilos do milho caiu 0,49% e é negociada a R$ 79,67. Em Cascavel, no Paraná, o preço é R$ 77. Em Rondonópolis, no Mato Grosso, o milho é vendido a R$ 70. Em Rio Verde, Goiás, o preço à vista é R$ 71. Os valores são do Canal Rural e Cepea

Copiar o texto
Agronegócios
24/11/2020 10:00h

Leilão está aberto para lances até essa terça-feira (24), 15h; dinheiro será destinado ao Fundo Penitenciário Nacional

Baixar áudio

A Secretaria Nacional de Políticas sobre Drogas do Ministério da Justiça e Segurança Pública (Senad/MJSP) vai leiloar 434 cabeças de gado, no Mato Grosso, até essa terça-feira (24). O leilão tem lotes a partir de R$ 41.600 e o valor total ultrapassa R$ 1 milhão. 

São 384 bois e vacas e 50 bezerros apreendidos de crimes de lavagem de dinheiro no estado. Em razão da pandemia, o leilão será totalmente virtual, mas os lotes ofertados estão disponíveis para exame e visitação de interessados mediante agendamento prévio. 

Os lances podem ser efetuados por pessoa física ou jurídica, até as 15h, horário de Brasília, do dia 24 de novembro, por meio do site Canal Judicial.  

União honra R$ 545 mi em dívidas de estados em outubro

O leilão é resultado da alienação antecipada decretada pela 7ª Vara Federal da Seção Judiciária de Mato Grosso, para a preservação do valor econômico do patrimônio que agora pertence à União. O recurso arrecadado será destinado ao Fundo Penitenciário Nacional (Funpen). 

O e-mail para agendar a visita aos lotes ofertados é o cuiaba.nucleo@sbjud.com.br. Os animais estão na Fazenda Colibri, no município de Santo Antônio do Leverger (MT).

Copiar o texto
Agronegócios
24/11/2020 07:24h

No mercado financeiro, o preço da carcaça suína especial caiu 2,69%

Baixar áudio

A cotação da arroba do boi gordo começou a terça-feira (24) com alta de 0,92% no preço e o produto é negociado a R$ 289,70 em São Paulo. Em Goiânia, o produto é vendido à vista a R$ 266. Já em Barretos e Araçatuba, em São Paulo, a arroba é comercializada a R$ 279. 

O preço do quilo do frango congelado sofreu variação negativa de 4,30% e o produto é vendido a R$ 6,23. O preço do frango resfriado também teve variação negativa de 2,15% e a mercadoria é comercializada a R$ 6,38. 
 
No mercado financeiro, o preço da carcaça suína especial caiu 2,69% e o produto é negociado a R$ 13,46. Em Minas Gerais, o suíno vivo é vendido a R$ 9,26. No Paraná, o produto é comercializado à vista a R$ 8,66. Os valores são do Canal Rural e Cepea

Copiar o texto

Use dados tenha mais votos nas eleições 2020