;

Cadastro de mídia

TERMO DE USO E PARCERIA

TERMO DE USO E PARCERIA

1º - A utilização gratuita e livre dos materiais produzidos pelo Brasil 61 só será permitida depois que este termo de parceria for aceito pelo usuário, prevendo as seguintes regras:

a) A utilização do material - na íntegra, ou em partes - só será permitida desde que as informações não sejam distorcidas, manipuladas ou alteradas.

b) Não é necessário a identificação do Brasil 61 na hora da replicação do conteúdo. Mas toda e qualquer veiculação de áudios produzidos pelo Brasil 61 prevê o cadastro no site, com a disponibilização de dados que serão utilizados para a organização do mailing desta empresa,

2º - OBRIGAÇÕES DO BRASIL 61

a) O Brasil 61 se compromete, a partir deste termo de uso, a produzir conteúdo particularizado diariamente, trazendo informações de dia-a-dia e bastidores do Planalto Central, além de outras temáticas de relevância do noticiário nacional. 

b) O acesso ao conteúdo jornalístico (na versão de leitura) é livre e gratuito, podendo ser replicado por qualquer usuário que acesse o site. O download do áudio para que seja utilizado na programação das rádios requer que o usuário realize o login no site do Brasil 61 - informando e-mail e senha cadastrados. 

3º - OBRIGAÇÕES DOS COMUNICADORES PARCEIROS

Não alterar o sentido dos materiais, ou distorcer fala de entrevistados ou mudar a conotação das mensagens dos materiais. 

ADENDOS IMPORTANTES SOBRE A PARCERIA

a) O Brasil 61 poderá distribuir conteúdo patrocinado com ou sem assinatura dos clientes patrocinadores do boletim e sem aviso prévio ao comunicador. 

b) As rádios parceiras não vão ter participação financeira sobre o faturamento do Brasil 61.

c) Os comunicadores podem patrocinar os conteúdos do Brasil 61, desde que não alterem o sentido e a conotação dos conteúdos oferecidos. Nesses casos, o Brasil 61 não terá participação nos lucros conquistados pelos veículos parceiros. 

Ao clicar em ACEITO, a emissora aqui cadastrada afirma concordar e estar ciente de todas as condições apresentadas neste Termo de Utilização de Conteúdo.

Política de privacidade

Nós do Brasil 61 coletamos e usamos alguns dados dos nossos leitores com o intuito de melhorar e adaptar nossas plataformas e nossos produtos. Para isso, agimos conforme a Lei Geral de Proteção de Dados (Lei 13.709/2018) e nos esforçamos para sermos transparentes em todas nossas atividades.

Para podermos oferecer melhores serviços e veicular peças publicitárias de nossos anunciantes, precisamos conhecer certas informações dos nossos usuários.

COMO O BRASIL 61 COLETA SEUS DADOS

– Quando você se cadastra e cria um usuário no Brasil 61

Quando você entra no nosso site, fornece informações (dados) para a criação do usuário. Estes dados são usados para orientar a estratégia do Brasil 61 e o desenvolvimento de novos serviços e/ou produtos. Essas informações são fornecidas voluntariamente por você leitor e não são compartilhadas com nenhum terceiro.

– Quando você acessa o site do Brasil 61 (www.brasil61.com.br) ou abre uma de nossas newsletters enviadas por e-mail

O Brasil 61 usa tecnologias como cookies e pixel tags para entender como é a sua interação com as nossas plataformas. Esses dados permitem saber, por exemplo, de que dispositivo você acessa o site ou em que links você clicou e quanto tempo permaneceu lendo as notícias. 

COMO O BRASIL 61 USA OS SEUS DADOS

Nós, do Brasil 61, usamos seus dados sempre com a principal intenção de melhorar, desenvolver e viabilizar nossos próprios produtos e serviços a você leitor.

Seus dados são sempre analisados de forma não individualizada, mesmo os que são fornecidos vinculados seu nome ou ao seu endereço de e-mail. 

Os dados em conjunto são analisados para criar relatórios estatísticos de audiência sobre as páginas, textos e meios de acesso ao site e às newsletters. 

Esses relatórios são compartilhados com nossos anunciantes e patrocinadores e servem para modelar estratégias e campanhas institucionais.

As informações que você fornece durante a criação do cadastro do seu usuário no Brasil 61 são utilizadas para a formulação de estratégia comercial e desenvolvimento de novos produtos e/ou serviços.

Essas informações individualizadas podem ser usadas pelo Brasil 61 para o envio de campanhas comerciais e divulgação de serviços e/ou produtos próprios. Não são compartilhadas com nenhum terceiro.

As informações captadas por meio de cookies e pixel tags são usadas em relatórios internos de monitoramento da audiência e também em relatórios para os anunciantes verificarem a efetividade de suas campanhas. Essas informações não estão vinculadas a nome ou e-mail dos leitores e são sempre avaliadas de forma não individualizada.

O Brasil 61 compartilha informações captadas por meio de cookies e pixel tags com terceiros, como anunciantes, plataformas de redes sociais e provedores de serviço – por exemplo, o serviço de envio de e-mails. O Brasil 61 também em seu site cookies de terceiros que captam informações diretamente do usuário, de acordo com suas próprias políticas de privacidade e uso de dados. 

O QUE O BRASIL 61 NÃO FAZ COM SEUS DADOS

– Não monitoramos ou coletamos dados de páginas que não pertencem ao Brasil 61.
– Não compartilhamos ou vendemos para terceiros nenhuma informação identificável.

O QUE VOCÊ PODE FAZER SE NÃO QUISER MAIS QUE SEUS DADOS SEJAM USADOS PELO BRASIL 61

– Caso não queira que o Brasil 61 use nenhum tipo de cookies, altere as configurações do seu navegador. Nesse caso, a exibição de anúncios e mensagens importantes do Brasil 61 e de nossos anunciantes pode ser prejudicada.

– Caso queira deixar de receber algum newsletter ou e-mail de alertas de notícias, basta clicar em “Unsubscribe”, na parte de baixo do e-mail enviado pelo Brasil 61. 

– Caso queira excluir seu usuário e apagar seus dados individuais da base do Brasil 61, basta enviar um e-mail para: privacidade@brasil61.com

 Última atualização: 24 de dezembro de 2020 

Agricultura

20/04/2021 20:00h

MAPA lança “novo” Plano ABC+ de fomentação da agricultura sustentável, com apoio aos projetos das prefeituras municipais

Baixar áudioBaixar áudio

O governo federal lançou uma nova fase para o plano ABC na agricultura que passa a ser Plano ABC+, e estima metas de aprimoramento nas atividades do campo em razão das mudanças climáticas. 

Trata-se de um plano setorial, criado em 2010, para planejar ações tecnológicas de produção sustentável na agricultura e adequar as práticas nacionais aos compromissos firmados pelo Brasil no Acordo de Paris, que preveem a redução da emissão de gases efeito estufa no planeta. 

O plano atualizado nesta terça-feira (20) prevê apoio aos gestores públicos, organizações de pesquisa e financeiras, na promoção da produção sustentável no setor agropecuário. 

“Estamos lançando hoje as bases, como potência agroambiental, sigamos aliando segurança alimentar e nutricional a conservação ambiental. É necessário, no entanto, que essa dupla contribuição seja reconhecida pelos nossos parceiros internacionais com o fim do protecionismo no comércio agrícola e a implementação de mecanismos que recompensem nossos produtores pelos serviços ambientais que prestamos ao mundo”, disse a ministra do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA), Tereza Cristina.

Recentemente, o Observatório do Clima lançou um Sistema de Estimativas de Emissões e Remoções de Gases de Efeito Estufa (SEEG). A iniciativa divulga dados de emissões e de remoções de gases de efeito estufa, em cada município brasileiro. Os resultados são fundamentais para conclusões e reflexões sobre os caminhos que o país pode seguir no enfrentamento das mudanças climáticas.

Saiba como está a emissão de gases na sua cidade

Os primeiros resultados da plataforma apontaram o desmatamento, em municípios com pouca concentração de habitantes, como “maior problema da emissão de gases efeito estufa no país”, disse o secretário executivo do Observatório do Clima, Márcio Astrini. 

O Pacto Global de Prefeitos pelo Clima e a Energia, tratado firmado junto à Organização das Nações Unidas (ONU), de redução de emissão de gases efeito estufa, sabe que as prefeituras são fundamentais para que sejam cumpridas as metas estabelecidas pelo Acordo de Paris e abaixar a temperatura do planeta em 1,5°C. 

Copiar o texto
Agronegócios
16/04/2021 12:30h

O pagamento integral do benefício será realizado em parcela única, em decorrência das medidas de enfrentamento da propagação da pandemia de Covid-19

Baixar áudio

Em portaria publicada no Diário Oficial da União, a Secretaria de Política Agrícola, do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA), autorizou o pagamento do benefício Garantia-Safra aos agricultores de 27 municípios, que aderiram na safra 2019/2020.

O pagamento integral do benefício será realizado em parcela única, em decorrência das medidas de enfrentamento da propagação da pandemia da Covid-19. Os valores serão creditados a partir deste mês, nas mesmas datas definidas pelo calendário de pagamento de benefícios sociais da Caixa Econômica Federal.

Registro de 39 defensivos agrícolas genéricos é publicado pelo Diário Oficial da União

Mapa divulga lista de produtos para agricultura familiar com descontos em abril

Cabe ao agricultor familiar consultar o seu cadastro de inscrição no sistema informatizado de gerenciamento do Garantia-Safra, disponibilizado no site do MAPA na internet. A consulta deverá ser realizada pelo agricultor familiar dentro do prazo de 30 dias.

Confira a lista dos municípios:

AL - Canapi

AL - Girau do Ponciano

AL - Olho D'Água das Flores

AL - Ouro Branco

AL - Piranhas

AL - Jacaré dos Homens

AL - Palestina

BA - Ibiassucê

BA - Pindaí

CE - Itatira

CE - Marco

CE - Massapê

CE - Moraújo

MG - Itacambira

PB - Araruna

PB - Cacimba de Dentro

PE - Betânia

PE - Petrolândia

PE - Itaíba

PE - Lajedo

PE - Manari

PE - Serra Talhada

SE - Aquidabã

SE - Gararu

SE - Itabi

SE - Poço Redondo

SE - Porto da Folha

 

Copiar o texto
14/04/2021 14:00h

Entre os produtos registrados, 14 são de baixo impacto e não apresentam efeitos sobre a saúde humana e meio ambiente

Baixar áudio

Nesta terça-feira (13), foi publicado no Diário Oficial da União o registro de 39 defensivos agrícolas genéricos que poderão ser utilizados pelos agricultores. Entre os produtos registrados, 14 são considerados de baixo impacto.

Além de serem eficientes do ponto de vista agronômico, os produtos de baixo impacto apresentam quase ou nenhum efeito sobre a saúde humana e o meio ambiente. O uso deles vêm ganhando cada vez mais espaço na produção agrícola brasileira.

Todos os produtos registrados são genéricos, ou seja, utilizam ingredientes ativos já registrados anteriormente no País. Os novos registros são importantes para a diminuição da concentração do mercado de defensivos e no aumento da concorrência, resultando em um comércio mais justo e com menores custos de produção para a agricultura brasileira.

Copiar o texto
12/04/2021 12:15h

Iniciativa ocorre quando o valor de mercado de algum dos produtos do Programa de Garantia de Preços para Agricultura Familiar fica abaixo do preço de referência

Baixar áudio

O Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) divulgou a lista de produtos de agricultura familiar com descontos em abril. A ação ocorre quando o valor de mercado de algum dos produtos do Programa de Garantia de Preços para Agricultura Familiar (PGPAF) fica abaixo do preço de referência.
 
A lista garante produtos com bônus de desconto, permitindo ao produtor utilizar o valor no pagamento ou amortização nas parcelas de financiamento. Estão contemplados alimentos como abacaxi, açaí, banana, castanha de caju e outros. A relação tem validade entre 10 de abril e 9 de maio de 2021, segundo estabelecido pela Portaria nº 16, da Secretaria de Política Agrícola.
 
Os estados que fazem parte da lista deste mês de abril são Alagoas, Acre, Paraíba, Pernambuco, Espírito Santo, Piauí, Amazonas e Santa Catarina. 
Os descontos de todos os produtos cultivados são calculados mensalmente pela Companhia Nacional de Abastecimento (Conab) e divulgados pelo Mapa.
 

Copiar o texto
12/04/2021 00:00h

Destaque para o plantio de culturas de segunda safra e início de semeaduras de culturas de inverno

Baixar áudio

A produção nacional de grãos foi estimada em 273,8 milhões de toneladas pelo 7º levantamento da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab). Com esse número, a Safra 2020/21 bate recorde com a produção de grãos na história do país. O crescimento foi de 6,5%, o equivalente a 16,8 milhões de toneladas em relação à safra passada. 

Destaque para o plantio de culturas de segunda safra e início de semeaduras de culturas de inverno, com aumento geral de 68,5 milhões de hectares e boa performance da soja e do milho. Na comparação com o mês anterior, houve um aumento de 1,5 milhão de toneladas, registrado principalmente pelo crescimento de 1,1% na área plantada de milho segunda safra, além do ganho na produtividade de soja.

CNA defende no STF construção de ferrovia para reduzir custos logísticos da produção agropecuária

Desmatamento faz com que municípios da região amazônica liderem a emissão de gases do efeito estufa no País

As exportações aumentaram 18,1% no acumulado de janeiro a março, na comparação com o ano anterior. O destaque vai para o algodão em pluma que continua com cenário positivo no mercado internacional. No entanto, a Conab estima que, em geral, as exportações da safra atual sejam de 35 milhões de toneladas; valor praticamente igual a safra anterior.

Confira no link o Boletim do 7º Levantamento da Conab – Safra 2020/21.

Copiar o texto
Agronegócios
05/04/2021 11:10h

Mudanças garantem autonomia ao agricultor familiar, desburocratizando e ampliando o acesso ao crédito

Baixar áudio

Foi publicada pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), por meio da Secretaria de Agricultura Familiar e Cooperativismo (SAF), a Portaria nº 123, que aprova o Manual de Operações do Programa Nacional de Crédito Fundiário (PNCF). A medida constitui a etapa final do processo de reformulação da política pública para desburocratizar e ampliar o acesso dos agricultores familiares ao crédito fundiário. O novo formato recebeu o nome de “Terra Brasil – PNCF”.

A reformulação realizada pelo Mapa garante maior autonomia ao produtor familiar, que passa a poder comprovar o seu trabalho na atividade rural por meio de uma auto declaração de elegibilidade, acompanhada de documentação probatória de experiência, renda e patrimônio.

Setor do café deve receber R$5 bilhões para custeio e outras ações

O novo Regulamento Operativo do Terra Brasil - PNCF amplia o valor destinado à ATER, que antes era de R$ 7.500 e passa a ser de até R$ 10 mil. Desses, até R$ 2.500 podem ser destinados ao pagamento dos custos de apoio à elaboração do Projeto Técnico de Financiamento.

Copiar o texto
02/04/2021 04:00h

A queda acumulada no primeiro trimestre do ano chega a 9,8%, em termos reais

Baixar áudio

O preço do leite captado em fevereiro e pago aos produtores em março recuou 2,5% na “Média Brasil” líquida, chegando a R$ 1,9384/litro. Com isso, a queda acumulada no primeiro trimestre do ano chega a 9,8%, em termos reais (descontando a inflação pelo IPCA de fevereiro/21). 

Esse valor é recorde para um mês de março e supera em 28,3% o registrado no mesmo período de 2020. O recuo das cotações está atrelado ao enfraquecimento da demanda por lácteos, tendo em vista a diminuição do poder de compra do brasileiro, o fim do recebimento do auxílio emergencial, o agravamento dos casos da Covid-19 e a elevação do desemprego. 

População ocupada no agronegócio cai 5,2% entre 2019 e 2020

Agricultura do Mato Grosso do Sul deve se beneficiar da ratificação do Protocolo de Nairóbi

Com o consumo fragilizado, houve o aumento da pressão dos canais de distribuição para obter preços mais baixos nas negociações de derivados junto às indústrias de laticínios. A pesquisa, realizada pelo Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada (Cepea), da Esalq/USP, destacou ainda que a oferta de leite no campo está limitada.
 

Copiar o texto
31/03/2021 11:45h

Fundos de Investimento nas Cadeias Produtivas Agroindustriais (Fiagro) são instrumentos de captação de recursos no mercado financeiro

Baixar áudio

O presidente da República, Jair Bolsonaro, sancionou a lei que cria os Fundos de Investimento nas Cadeias Produtivas Agroindustriais (Fiagro). O mecanismo permite a captação de recursos no mercado financeiro. 

O objetivo do Fiagro é dar acesso a qualquer investidor, nacional ou estrangeiro, para direcionar recursos ao setor agropecuário, diretamente ou indiretamente, com aquisição de imóveis rurais ou aplicação em ativos financeiros atrelados ao agronegócio.

A lei foi publicada no Diário Oficial da União (DOU) desta terça-feira (30), oriunda do PL 5191/2020, de autoria do deputado federal Arnaldo Jardim (Cidadania-SP). Houve, porém, quatro vetos da proposta original.

Bolsonaro vetou trechos que previam benefícios fiscais para os investidores dos fundos, como isenção de Imposto de Renda na fonte para as aplicações efetuadas e também para os rendimentos de cotas negociadas em bolsas de valores ou no mercado de balcão organizado.

Copiar o texto
24/03/2021 10:00h

Estudo ouviu 321 produtores de nove estados. Severidade da seca comprometeu 77% da produção da safra de 2021

Baixar áudio

Pesquisa da Safra Cafeeira 2020 elaborada pela Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA) e Café Point aponta que a seca trouxe severos prejuízos à cafeicultura. O estudo ouviu 321 produtores de nove estados entre 1º de outubro e 19 de dezembro de 2020.

Segundo o levantamento, a ocorrência de déficit hídrico foi mencionada por 89% dos respondentes, sendo que 77% indicaram que a severidade deste problema comprometeu a produção da próxima safra que será colhida em 2021.

A pesquisa também sinalizou que houve impacto da pandemia do novo coronavírus na disponibilidade de mão de obra para a colheita de café. Entre os produtores que participaram da pesquisa, 31% afirmaram que sofreram de alguma maneira.

Houve crescimento de 7% na realização de venda futura em comparação com os resultados levantados no ano anterior. Outro dado destacado foi o aumento na adoção da colheita mecanizada.

O levantamento também aponta a contribuição das pequenas e médias propriedades para a cafeicultura. As pequenas propriedades, com área inferior a 50 hectares, representam o perfil fundiário de 65% dos produtores respondentes, enquanto que 47% possuem propriedades com menos de vinte hectares.

Copiar o texto
20/03/2021 10:00h

Levantamento do Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada da USP mostra, porém, que queda foi menor do que aquela do número de ocupados em geral no Brasil de 7,9%

Baixar áudio

A população ocupada no agronegócio caiu 5,2% entre 2019 e 2020. Os números são de um levantamento do Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada da USP, que também comparou a porcentagem com a ocupação geral do Brasil. 

A pesquisa concluiu que houve diminuição do número de ocupados no país de 7,9%, o que mostra que a participação do agronegócio no mercado de trabalho brasileiro aumentou 20,1% em 2020, contra 19,5% em 2019.

De acordo com os pesquisadores, o resultado do mercado de trabalho do agronegócio em 2020 esteve relacionado às quedas nos empregos em todos os segmentos do setor, com destaque para a agroindústria e os agrosserviços.

Produção agrícola e pecuária deve ter valor de R$ 1 trilhão no ano

Mapa revela que municípios com alta produção agrícola impactam no PIB local

Governo quer ampliar tecnologia na agricultura com incentivos fiscais

Os mais afetados no ano passado foram os empregados sem carteira assinada, aqueles com os menores níveis de instrução formal e as mulheres. Os dados evidenciam que os choques no mercado de trabalho afetam principalmente os trabalhadores com perfis mais vulneráveis.

Copiar o texto