Cadastro de mídia

TERMO DE USO E PARCERIA

TERMO DE USO E PARCERIA

Regras de Uso

1º - A utilização gratuita e livre dos materiais produzidos pelo Brasil 61 só será permitida depois que este termo de parceria for aceito pelo usuário, prevendo as seguintes regras:

a) A utilização do material - na íntegra, ou em partes - só será permitida desde que as informações não sejam distorcidas, manipuladas ou alteradas.

b) Não é necessário a identificação do Brasil 61 na hora da replicação do conteúdo. Mas toda e qualquer veiculação de áudios produzidos pelo Brasil 61 prevê o cadastro no site, com a disponibilização de dados que serão utilizados para a organização do mailing desta empresa,

2º - OBRIGAÇÕES DO BRASIL 61

a) O Brasil 61 se compromete, a partir deste termo de uso, a produzir conteúdo particularizado diariamente, trazendo informações de dia-a-dia e bastidores do Planalto Central, além de outras temáticas de relevância do noticiário nacional. 

b) O acesso ao conteúdo jornalístico (na versão de leitura) é livre e gratuito, podendo ser replicado por qualquer usuário que acesse o site. O download do áudio para que seja utilizado na programação das rádios requer que o radialista realize o login no site do Brasil 61 - informando e-mail e senha cadastrados. 

3º - OBRIGAÇÕES DOS COMUNICADORES PARCEIROS

Não alterar o sentido dos materiais, ou distorcer fala de entrevistados ou mudar a conotação das mensagens dos materiais. 

ADENDOS IMPORTANTES SOBRE A PARCERIA

a) O Brasil 61 poderá distribuir conteúdo patrocinado com ou sem assinatura dos clientes patrocinadores do boletim e sem aviso prévio ao comunicador. 

b) As rádios parceiras não vão ter participação financeira sobre o faturamento do Brasil 61.

c) Os comunicadores podem patrocinar os conteúdos do Brasil 61, desde que não alterem o sentido e a conotação dos conteúdos oferecidos. Nesses casos, o Brasil 61 não terá participação nos lucros conquistados pelos veículos parceiros. 

Ao clicar em ACEITO, a emissora aqui cadastrada afirma concordar e estar ciente de todas as condições apresentadas neste Termo de Utilização de Conteúdo.

Goiás

Brasil
25/10/2020 00:00h

Ao todo, devem ser asfaltados 26,25 km da via. O valor das obras deve chegar a R$ 24 milhões.

Baixar áudio

A rodovia TO-141, em Tocantins, está em processo de pavimentação asfáltica, mais especificamente no município de Palmeirópolis, no sul do estado. A iniciativa faz parte de um convênio firmado entre o governo estadual e o Banco Mundial, por meio do Programa Desenvolvimento Regional Integrado e Sustentável (PDRIS).

Ao todo, devem ser asfaltados 26,25 km da via. O valor das obras deve chegar a R$ 24 milhões. A previsão é de que a obra seja entregue totalmente pronta em dezembro deste ano. A ideia é que a pavimentação nesse trecho ajude a melhorar a mobilidade, possibilitando, ainda, uma maior integração e a ampliação das relações comerciais entre os municípios de Palmeirópolis (TO) e Minaçu (GO).

TCU determina que ANTT cobre atrasos em obras de concessões rodoviárias no país

MG: Obras públicas do estado terão utilização da metodologia BIM

Outra vantagem apresentada é a facilidade do escoamento da produção agrícola, o que fortalece o desenvolvimento econômico dos dois estados nessa região.

Por Tocantins, por exemplo, além de Palmeirópolis, os municípios de Paranã, São Salvador e Jaú do Tocantins também são beneficiados com o empreendimento. Já do lado de Goiás, as obras impactam diretamente as cidades de Cavalcante, Colinas do Sul, Campinaçu, Trombas e Montevidiu.

Copiar o texto
23/10/2020 19:10h

Medida está de acordo com recomendação do Mapa no cumprimento de acordos sanitários firmados com a União Europeia para exportação de carne bovina

Baixar áudio

A Agência Goiana de Defesa Agropecuária vai realizar um levantamento soroepidemiológico em bovinos de propriedades rurais para avaliar e comprovar a eficiência da vacinação contra a febre aftosa.

A medida sanitária é determinada pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) com o objetivo de atender os compromissos assumidos pelo Brasil com a União Europeia, relativos à certificação sanitária para exportação de carne bovina.

Mudança na legislação de aquisição de imóveis rurais por empresas estrangeiras pode atrair investimentos para o Brasil

Além do estado de Goiás, vão participar do levantamento as unidades de Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Minas Gerais, São Paulo e Espírito Santo. Os cinco estados são habilitados a exportar carne bovina para a União Europeia, com o status de livre da febre aftosa com vacinação.

Até o momento, 35 médicos veterinários fiscais estaduais agropecuários já foram treinados para realizar os procedimentos no estado goiano. Serão coletadas amostras sorológicas em 87 propriedades rurais sorteadas para realização do inquérito, distribuídas em municípios de todas as regiões do estado.

Os trabalhos de coleta terão início no próximo dia 26 de outubro, com término previsto para dia 6 de novembro. Será apenas uma etapa de coleta, sem necessidade de identificar animais.

A Agência Goiana de Defesa Agropecuária garante que os materiais coletados serão acondicionados em recipientes próprios de conservação e encaminhados ao laboratório de análise do órgão. Após triagem, as amostras serão encaminhadas ao Laboratório Federal de Defesa Agropecuária do Mapa, que será responsável pela análise sorológica e emissão do relatório final. 

Copiar o texto
22/10/2020 00:00h

Cidades consideradas mais ricas em termos de valor da produção agrícola têm média da participação do PIB agro no PIB total de 36,8%

Baixar áudio

Um estudo do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) revela que municípios com maior valor da produção agrícola do país têm, em média, participação direta no desempenho da economia local. O levantamento teve como base dados da Produção Agrícola Municipal (PAM) e do Produto Interno Bruto (PIB), ambos do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). 

Para as 50 cidades consideradas mais ricas em termos de valor da produção, a média da participação do PIB agro no PIB total é de 36,8%, bem acima da média nacional, que é de 5,4%. A maior parte desses municípios situa-se em Mato Grosso, Goiás, Mato Grosso do Sul e Bahia.  

Segundo a nota técnica do Mapa, destacam-se os municípios de Sapezal (MT), líder na produção de algodão, onde o PIB agro em relação PIB do município é de 54,5%; e São Desiderio (BA), líder do algodão na Bahia, em que a participação do PIB é de 66,5%. 

O supervisor da Produção Agrícola Municipal (PAM), Winicius Wagner, destaca também a produção agrícola na cidade de Sorriso, em Mato Grosso. “Entre os municípios, Sorriso foi o que mais se destacou, não só como maior produtor nacional de soja e milho, mas também como o município com maior valor da produção somando todos os produtos agrícola, totalizando sozinho R$ 3,9 bilhões”, diz. 

Wagner chama atenção ainda para a ampliação da área colhida em território nacional. “Foi ampliada em 3,5%, sendo a maior parte cultivada com soja, seguida por milho e cana”, completa.

Ceará cultiva trigo e resultado da colheita é surpreendente. Saiba mais

Garantia-Safra 2020/2021: Ministério da Agricultura abre prazo para agricultores familiares



Estados líderes no valor da produção

Segundo números do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento de 2019, Mato Grosso lidera o ranking dos estados com maior valor da produção agrícola, com receita em R$ 58,3 bilhões. Na sequência, aparecem os estados de São Paulo (R$ 55 bi), Rio Grande do Sul (R$ 40,8 bi), Paraná (R$ 40,5 bi) e Minas Gerais (R$ 34,7 bi). 

A receita da produção agrícola brasileira teve alta em 2019, crescendo 5,1% e atingindo R$ 361 bilhões, novo recorde na série histórica iniciada em 1974 pelo IBGE. Em 2018, o valor havia subido 8,3%. O crescimento do ano passado foi puxado pelos grãos (6,8%), cujo valor total chegou a R$ 212,6 bilhões, com destaque para a escalada das commodities feijão (33,6%), milho (26,3%) e algodão (24,8%).

“O agronegócio brasileiro consegue ter renda nos quatro setores da agroindústria, do setor de insumos, da produção e estimula o setor de serviços. Ele (agro) consegue compor uma renda variável, uma gama dinâmica de receitas”, avalia Joviano Cardoso, advogado especialista em direito do agronegócio. 

Para Cardoso, o setor agrícola tem papel fundamental na recuperação econômica do país no cenário pós-pandemia. “O agro brasileiro gera divisa. Tem sido sempre superavitário nas transações, a gente vende mais do que compra. Conseguimos gerar capital para dentro do país”, destaca. 

Copiar o texto
21/10/2020 11:40h

De janeiro a agosto deste ano, foi registrado um superávit primário de R$ 1,8 bilhão

Baixar áudio

Após o pico da pandemia da Covid-19 a economia do Estado de Goiás começa a dar sinais de recuperação. Segundo o Relatório de Gestão Fiscal (RGF) do 2º quadrimestre, elaborado pela Secretaria da Economia, a arrecadação até agosto demonstrou crescimento com a reabertura do comércio, impactando na arrecadação tributária  e aumento das  transferências constitucionais.

De janeiro a agosto deste ano, foi registrado um superávit primário de R$ 1,8 bilhão, a partir da diferenças entre as receitas R$ 17,49 bilhões e as despesas  R$ 15,69 bilhões. O superávit é a receita que o Estado economiza para pagamento do serviço da dívida pública. Contudo, deve-se levar em conta que o pagamento das dívidas que estava suspenso por liminares do STF volta a ter efeito neste mês.

As receitas totais apresentam recuperação a partir de junho somando a arrecadação tributária (ICMS, IPVA, ITCD e outros)  e as transferências constitucionais da União. As receitas  advindas de impostos e taxas somaram R$9,8 bilhões. As receitas de transferências constitucionais da União para os Estados somaram R$ 4,4 bilhões até agosto.

Gestores municipais temem acusações de órgãos de controle sobre gastos indevidos com a Covid-19]

Resíduos sólidos: 304 cidades devem receber recursos

Na evolução dos meses, as receitas correntes, que somam a arrecadação de impostos e taxas e as transferências constitucionais,  passaram da média de 2,2 bilhões até maio, começando a apresentar melhoria a partir de junho (R$ 3,1 bilhões) e  alcançando R$ 3,6 bilhões em agosto. Já entre as  despesas, chama atenção o déficit previdenciário que ficou em R$ 2,36 bilhões  e despesa de pessoal que ainda está acima do limite prudencial da Lei de Responsabilidade Fiscal.

Todos os detalhes serão apresentados aos deputados da Comissão de Tributação, Finanças e Orçamento, da Assembleia Legislativa de Goiás após o período eleitoral. O relatório completo do período já está publicado no portal da Transparência de Goiás.

Copiar o texto
15/10/2020 15:00h

A medida, proposta pelos deputados Delegado Eduardo Prado e Humberto Aidar, agora é Lei Estadual. Os contratantes também devem orientar os trabalhadores e colaboradores sobre a obrigatoriedade e o uso adequado dos equipamentos

Baixar áudio

Estabelecimentos comerciais, prestadores de serviços ou fornecedores deverão distribuir Equipamentos de Proteção Individual (EPIs) a todos os trabalhadores em Goiás durante o enfrentamento à pandemia do novo coronavírus.

A medida, proposta pelos deputados Delegado Eduardo Prado e Humberto Aidar, agora é Lei Estadual nº 20.871, de 8 de outubro de 2020, sancionada pelo governador Ronaldo Caiado. Os contratantes também devem orientar os trabalhadores e colaboradores sobre a obrigatoriedade e o uso adequado dos equipamentos.

Segundo o texto publicado no Diário Oficial do Estado de Goiás, a distribuição de EPIS aos profissionais se justifica pela grande exposição a situações de risco pelas quais eles passam neste momento. 

Em Goiás, o uso individual de máscara de proteção facial é obrigatório desde o dia 19 de abril deste ano, quando o governador Ronaldo Caiado publicou o Decreto nº 9.653, impondo a medida para qualquer pessoa que saia às ruas em todo o Estado. 

O não cumprimento da Lei acarretará em multa de R$ 5.000 (cinco mil reais) ao responsável pelo estabelecimento, para cada ocorrência. Em caso de reincidência, a multa será duplicada.  Os recursos obtidos com as multas serão revertidos ao Fundo Estadual de Saúde (FES).

Copiar o texto
Tempo
12/10/2020 12:13h

A temperatura mínima na região pode ser de 21ºC e a máxima de 36ºC

Baixar áudio

Na terça-feira a Região Centro-Oeste do país apresenta tempo instável, o que pode gerar pancadas de chuva em Goiás, Mato Grosso e no norte de Mato Grosso do Sul. Não há previsão de chuvas pelo Distrito Federal. O céu permanece nublado por toda a região, enquanto a temperatura por todos os estado e na capital do país começa a amenizar, variando entre 21 e 36 graus.  A umidade relativa do ar aumenta um pouco por conta das possíveis chuvas, mas permanece em níveis alarmantes abaixo dos 20%.

As informações são do Somar Meteorologia.

 

Copiar o texto
Tempo
11/10/2020 18:00h

A temperatura mínima na região pode ser de 24ºC e a máxima de 40ºC

Baixar áudio

A semana deve começar com chuva na Região Centro-Oeste do país, que pode se espalhar pelo norte de Mato Grosso do Sul, Goiás e Mato Grosso, com potencial de temporais, como trovoadas, rajadas de vento de moderada intensidade, além de eventual queda de granizo. Também é possível que tenha chuva em algumas localidades do Distrito Federal. Apesar disso, o tempo permanece nublado por toda a região e a temperatura se mantém entre os 24 e 40 graus. Mesmo com a possibilidade de chuva, a umidade relativa do ar segue o nível crítico abaixo dos 12%.

As informações são do Somar Meteorologia.

Copiar o texto
Tempo
10/10/2020 18:00h

A temperatura mínima na região pode ser de 24ºC e a máxima de 40ºC

Baixar áudio

No domingo a chuva segue se espalhando pela região Centro-Oeste do país, com um volume maior de água ocorrendo no norte de Mato Grosso. Existe, inclusive, potencial para temporais, com rajadas de vento de moderada a forte intensidade, trovoadas e eventual queda de granizo. A chuva pode chegar também ao norte de Mato Grosso do Sul e Goiás, mas sem previsão que ocorra pelo Distrito Federal. Desta forma, por todo o estado, a temperatura permanece a mesma dos dias anteriores, variando entre 24 e 40 graus. Apesar da possibilidade de chuva, a umidade relativa do ar segue o nível crítico abaixo dos 12%.

As informações são do Somar Meteorologia.

Copiar o texto
10/10/2020 00:00h

Ferrovia liga os estados de Goiás e Mato Grosso

Baixar áudio

O Ibama emitiu a Licença de Instalação (LI) que autoriza a empresa Valec Engenharia a implementar as obras do primeiro trecho da Ferrovia de Integração Centro-Oeste, que liga os estados de Goiás e Mato Grosso.

A licença possui 17 condicionantes específicas e 20 programas para mitigar ou compensar os impactos ambientais, como Gerenciamento de resíduos sólidos e efluentes, Comunicação Social, Educação Ambiental, Supervisão Ambiental, Proteção à Flora e Passagens de Fauna. O processo de licenciamento aprimorou o projeto inicial do empreendimento para torná-lo menos impactante para o Meio Ambiente.

Centro-Oeste: Sudeco celebra convênios para melhorar infraestrutura da região

Governo qualifica Estrada de Ferro Paraná Oeste no Programa de Parcerias e Investimentos

O primeiro trecho da Ferrovia de Integração Centro-Oeste está situado entre o entroncamento com a Ferrovia Norte-Sul, no município de Mara Rosa (GO), até o município de Água Boa (MT). O trecho 2 da ferrovia vai partir da cidade de Água Boa (MT) até Lucas do Rio Verde (MT) e terá 506km de extensão. A autorização o segundo trecho está em análise pelo Ibama e pela Funai.

Copiar o texto
10/10/2020 00:00h

Sucessor dos programas Fomentar e Produzir, o Pró Goiás promete trazer menos burocracia e mais segurança jurídica para as indústrias do Estado

Baixar áudio

Foi anunciado nesta quarta-feira (07) o decreto que regulamenta e institui o Pró Goiás, um programa de incentivos fiscais para atrair novos negócios e fortalecer os já existentes. Sucessor dos programas Fomentar e Produzir, ele promete trazer menos burocracia e mais segurança jurídica para as indústrias do Estado. 

Com objetivo de reduzir as desigualdades sociais e regionais, a carga tributária para os municípios com maior vulnerabilidade social será menor do que em outras regiões para incentivar a geração de empregos. Além dos estabelecimentos que exercem atividades industriais, também podem ser beneficiários do programa interessados em realizar a implantação de um novo empreendimento, ampliação de estabelecimento já existente e ainda revitalização de estabelecimento paralisado. 

Programa nacional de Segurança é lançado em Goiânia

Nove estados recebem R$ 17 milhões para obras de saneamento básico

Logo após a vigência do decreto será disponibilizado um sistema de migração dos cadastrados no programa antecessor para o Pró Goiás e a partir do dia 1º de novembro será possível a adesão de novos beneficiários.

Copiar o texto

Use dados tenha mais votos nas eleições 2020