;<-- teste -->

Cadastro de mídia

TERMO DE USO E PARCERIA

TERMO DE USO E PARCERIA

1º - A utilização gratuita e livre dos materiais produzidos pelo Brasil 61 só será permitida depois que este termo de parceria for aceito pelo usuário, prevendo as seguintes regras:

a) A utilização do material - na íntegra, ou em partes - só será permitida desde que as informações não sejam distorcidas, manipuladas ou alteradas.

b) Não é necessário a identificação do Brasil 61 na hora da replicação do conteúdo. Mas toda e qualquer veiculação de áudios produzidos pelo Brasil 61 prevê o cadastro no site, com a disponibilização de dados que serão utilizados para a organização do mailing desta empresa,

2º - OBRIGAÇÕES DO BRASIL 61

a) O Brasil 61 se compromete, a partir deste termo de uso, a produzir conteúdo particularizado diariamente, trazendo informações de dia-a-dia e bastidores do Planalto Central, além de outras temáticas de relevância do noticiário nacional. 

b) O acesso ao conteúdo jornalístico (na versão de leitura) é livre e gratuito, podendo ser replicado por qualquer usuário que acesse o site. O download do áudio para que seja utilizado na programação das rádios requer que o usuário realize o login no site do Brasil 61 - informando e-mail e senha cadastrados. 

3º - OBRIGAÇÕES DOS COMUNICADORES PARCEIROS

Não alterar o sentido dos materiais, ou distorcer fala de entrevistados ou mudar a conotação das mensagens dos materiais. 

ADENDOS IMPORTANTES SOBRE A PARCERIA

a) O Brasil 61 poderá distribuir conteúdo patrocinado com ou sem assinatura dos clientes patrocinadores do boletim e sem aviso prévio ao comunicador. 

b) As rádios parceiras não vão ter participação financeira sobre o faturamento do Brasil 61.

c) Os comunicadores podem patrocinar os conteúdos do Brasil 61, desde que não alterem o sentido e a conotação dos conteúdos oferecidos. Nesses casos, o Brasil 61 não terá participação nos lucros conquistados pelos veículos parceiros. 

Ao clicar em ACEITO, a emissora aqui cadastrada afirma concordar e estar ciente de todas as condições apresentadas neste Termo de Utilização de Conteúdo.

Política de privacidade

Nós do Brasil 61 coletamos e usamos alguns dados dos nossos leitores com o intuito de melhorar e adaptar nossas plataformas e nossos produtos. Para isso, agimos conforme a Lei Geral de Proteção de Dados (Lei 13.709/2018) e nos esforçamos para sermos transparentes em todas nossas atividades.

Para podermos oferecer melhores serviços e veicular peças publicitárias de nossos anunciantes, precisamos conhecer certas informações dos nossos usuários.

COMO O BRASIL 61 COLETA SEUS DADOS

– Quando você se cadastra e cria um usuário no Brasil 61

Quando você entra no nosso site, fornece informações (dados) para a criação do usuário. Estes dados são usados para orientar a estratégia do Brasil 61 e o desenvolvimento de novos serviços e/ou produtos. Essas informações são fornecidas voluntariamente por você leitor e não são compartilhadas com nenhum terceiro.

– Quando você acessa o site do Brasil 61 (www.brasil61.com.br) ou abre uma de nossas newsletters enviadas por e-mail

O Brasil 61 usa tecnologias como cookies e pixel tags para entender como é a sua interação com as nossas plataformas. Esses dados permitem saber, por exemplo, de que dispositivo você acessa o site ou em que links você clicou e quanto tempo permaneceu lendo as notícias. 

COMO O BRASIL 61 USA OS SEUS DADOS

Nós, do Brasil 61, usamos seus dados sempre com a principal intenção de melhorar, desenvolver e viabilizar nossos próprios produtos e serviços a você leitor.

Seus dados são sempre analisados de forma não individualizada, mesmo os que são fornecidos vinculados seu nome ou ao seu endereço de e-mail. 

Os dados em conjunto são analisados para criar relatórios estatísticos de audiência sobre as páginas, textos e meios de acesso ao site e às newsletters. 

Esses relatórios são compartilhados com nossos anunciantes e patrocinadores e servem para modelar estratégias e campanhas institucionais.

As informações que você fornece durante a criação do cadastro do seu usuário no Brasil 61 são utilizadas para a formulação de estratégia comercial e desenvolvimento de novos produtos e/ou serviços.

Essas informações individualizadas podem ser usadas pelo Brasil 61 para o envio de campanhas comerciais e divulgação de serviços e/ou produtos próprios. Não são compartilhadas com nenhum terceiro.

As informações captadas por meio de cookies e pixel tags são usadas em relatórios internos de monitoramento da audiência e também em relatórios para os anunciantes verificarem a efetividade de suas campanhas. Essas informações não estão vinculadas a nome ou e-mail dos leitores e são sempre avaliadas de forma não individualizada.

O Brasil 61 compartilha informações captadas por meio de cookies e pixel tags com terceiros, como anunciantes, plataformas de redes sociais e provedores de serviço – por exemplo, o serviço de envio de e-mails. O Brasil 61 também em seu site cookies de terceiros que captam informações diretamente do usuário, de acordo com suas próprias políticas de privacidade e uso de dados. 

O QUE O BRASIL 61 NÃO FAZ COM SEUS DADOS

– Não monitoramos ou coletamos dados de páginas que não pertencem ao Brasil 61.
– Não compartilhamos ou vendemos para terceiros nenhuma informação identificável.

O QUE VOCÊ PODE FAZER SE NÃO QUISER MAIS QUE SEUS DADOS SEJAM USADOS PELO BRASIL 61

– Caso não queira que o Brasil 61 use nenhum tipo de cookies, altere as configurações do seu navegador. Nesse caso, a exibição de anúncios e mensagens importantes do Brasil 61 e de nossos anunciantes pode ser prejudicada.

– Caso queira deixar de receber algum newsletter ou e-mail de alertas de notícias, basta clicar em “Unsubscribe”, na parte de baixo do e-mail enviado pelo Brasil 61. 

– Caso queira excluir seu usuário e apagar seus dados individuais da base do Brasil 61, basta enviar um e-mail para: privacidade@brasil61.com

 Última atualização: 24 de dezembro de 2020 

Vacinação

17/05/2021 12:20h

Intervalo de 12 semanas gerou resultado mais eficaz em pesquisa. Ministério da Saúde está seguindo a recomendação

Baixar áudio

De acordo com estudos realizados no Reino Unido, Israel e Estados Unidos, o intervalo de 12 semanas entre a primeira e a segunda dose da vacina contra a Covid-19 da Pfizer/BioNTech garante efetividade de mais de 80% do imunizante. Esse tempo também foi adotado em recomendação do Ministério da Saúde aos estados e municípios brasileiros.

A pesquisa conduzida no Reino Unido mostrou que o nível de anticorpos gerados após a segunda dose no período de 12 semanas foi três vezes maior do que no intervalo de três semanas, como indicado anteriormente. As recomendações estão sendo reforçadas a cada informe técnico da Secretaria de Vigilância em Saúde, que define as pautas de distribuição de vacinas para os estados.

Anvisa recomenda suspensão da vacina AstraZeneca em gestantes

Estudo da Fiocruz revela que cães e gatos podem se infectar com a Covid-19

O Ministério da Saúde já distribuiu mais de 1,6 milhão de doses da vacina da Pfizer pelo Brasil e mais 628 mil doses devem ser enviadas ainda esta semana. Os imunizantes são fruto do primeiro contrato do governo federal com o laboratório, que prevê 100 milhões de doses até setembro.

Copiar o texto
14/05/2021 17:20h

Ministério da Saúde distribuiu 83 milhões de doses, vacinando cerca de 47% dos grupos prioritários

Baixar áudio

Brasil chega a marca de 50 milhões de doses aplicadas de vacinas contra a Covid-19. Com esse número, cerca de 47% dos grupos prioritários estabelecidos no Plano Nacional de Vacinação contra a Covid-19 já foram imunizados.

Bolsonaro sanciona lei que determina afastamento de gestantes do trabalho presencial

Novo lote de vacinas contra a covid-19 começa a ser distribuído nesta quinta-feira (13)

SP: vacinação de grávidas e puérperas será retomada na próxima segunda-feira (17)

Até agora, os brasileiros já foram vacinados com 46,7 milhões de doses da CoronaVac/Instituto Butantan, 35,4 milhões da vacina AstraZeneca/Fiocruz e 1,6 milhão da Pfizer/BioNTech. Neste momento, a distribuição de novos lotes de vacinas está destinada para os profissionais de forças de salvamento, segurança e Forças Armadas, além de pessoas com comorbidades, priorizando a faixa etária.

De acordo com o governo federal, o total de vacinas enviadas pelo Ministério da Saúde a todos os estados, possibilita imunizar, com primeira e segunda dose, 100% dos trabalhadores de saúde, idosos e deficientes que vivem em instituições, indígenas que moram em aldeias, povos e comunidades tradicionais ribeirinhas e quilombolas.

Copiar o texto
Saúde
14/05/2021 07:00h

Caso aconteceu em Duque de Caxias e foi confirmado por entidade de saúde

Baixar áudio

Rio de Janeiro registra o primeiro caso de raiva animal em 26 anos. O diagnóstico foi divulgado esta semana pelo Laboratório Municipal de Saúde Pública (Lasp), após o caso ter sido encaminhado de Duque de Caxias.

Febre aftosa: produtor roraimense tem até 15 de maio para notificar imunização do rebanho

Butantan disponibiliza curso online sobre escorpião

Segundo o Instituto Municipal de Vigilância Sanitária, Controle de Zoonoses e Agropecuária (Ivisa-Rio), a amostra foi retirada do animal, que morreu no dia 6 de maio após atendimento veterinário, e foi encaminhada ao Instituto Pasteur para determinação da variante viral. O Instituto também informou que o animal teve contato direto com um morcego no dia 26 de março e não houve agressão à dona do cachorro ou aos profissionais de saúde que o atenderam.

Por conta da situação, será feita vacinação antirrábica nos dias 15 e 22 maio nos bairros vizinhos ao município de Duque de Caxias. Já neste sábado (15), serão imunizados os animais de Parada de Lucas, Vigário Geral e Jardim América, na zona norte do Rio de Janeiro.

Copiar o texto
11/05/2021 17:30h

PNI deve seguir orientação da bula do imunizante, que indica o uso por grávidas apenas se indicado pelo médico

Baixar áudio

Através de uma nota técnica, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) recomendou na segunda-feira (10) a suspensão imediata do uso da vacina AstraZeneca/Fiocruz em mulheres gestantes.

A orientação feita pela Anvisa é de que o Programa Nacional de Imunização (PNI) siga a indicação da bula da vacina. O uso de imunizantes em situações não previstas na bula só deve ser feito mediante avaliação individual por um profissional da saúde que considere os riscos e benefícios da vacina para a paciente. A bula atual da vacina contra Covid da AstraZeneca não recomenda o seu uso por gestantes sem devida orientação médica.

Anvisa tem 48 horas para detalhar documentos pendentes da Sputnik V

Covid-19: MS receberá 8,2 milhões de doses da vacina até sexta

A recomendação da Agência é resultado do monitoramento de eventos adversos feito de forma constante sobre as vacinas contra Covid-19 em atual uso no País.

Copiar o texto
11/05/2021 12:30h

Distribuição começou na segunda-feira (10). Entre as doses estão imunizantes da Coronavac, AstraZeneca e Pfizer

Baixar áudio

O Ministério da Saúde receberá entre esta segunda-feira (10) e sexta-feira (14) 8,2 milhões de doses de vacinas contra a Covid-19. Neste total estão incluídas 4,1 milhões de doses da Coronavac, 3,5 milhões da AstraZeneca e 629 mil da vacina Pfizer.

Além disso, o Ministério também iniciou a distribuição de cerca de 1 milhão de doses da vacina da Pfizer. O imunizante exige temperaturas de armazenamento muito baixas e, por isto, a logística de distribuição foi concentrada apenas nas capitais brasileiras até o momento. As doses da Pfizer são destinadas para a primeira aplicação em pessoas com comorbidades, gestantes e pessoas com deficiência permanente.

Circulação viral da Covid-19 e sequelas alertam para cuidados mesmo com vacinação em curso

Covid-19: OMS aprova o uso emergencial da vacina da Sinopharm

Mais 2 milhões de doses da vacina Coronavac também foram entregues pelo Instituto Butantan. Com isso, o primeiro contrato assinado entre o Instituto e o Ministério da Saúde aguarda apenas mais 1 milhão de doses para ser concluído. O segundo contrato prevê a entrega de mais 54 milhões de doses da vacina até 30 de agosto.

Copiar o texto
10/05/2021 17:40h

Imunizante será incluído no consórcio Covax Facility. Distribuição ao PNI ainda aguarda avaliação

Baixar áudio

A vacina do laboratório chinês Sinopharm foi aprovada para uso emergencial pela Organização Mundial da Saúde (OMS), o que permite que o imunizante seja incorporado ao consórcio internacional Covax Facility. Com a inclusão do produto, o Brasil terá sete vacinas que podem ser aplicadas durante a campanha de vacinação.

Por ser produzida a partir de um vírus inativado, a vacina da Sinopharm não requer condições extremas de temperatura para a sua conservação, sendo assim um produto fácil de armazenar e distribuir. Os imunizantes poderão ser distribuídos ao Plano Nacional de Imunização (PNI) após avaliação do Instituto Nacional de Controle de Qualidade em Saúde (INCQS), órgão vinculado à Fiocruz.

Ministério da Saúde distribui 1,12 milhão de vacinas da Pfizer

Segunda etapa da vacinação contra a gripe começa nesta terça (11)

A admissão do Brasil no Covax Facility foi assinada em setembro de 2020 e inclui o acesso a 42,5 milhões de doses ao país. A aliança internacional tem o objetivo de acelerar o desenvolvimento de vacinas contra a Covid-19, garantindo acesso mundial igualitário à imunização.

Copiar o texto
10/05/2021 13:00h

Doses são destinadas a idosos com mais de 60 anos e professores

Baixar áudio

Nesta terça-feira (11) começa a segunda etapa da Campanha Nacional de Vacinação contra a gripe que vai até o dia 8 de junho. Desta vez, o público-alvo são idosos com mais de 60 anos e professores. A estimativa é vacinar cerca de 33 milhões de pessoas nesta etapa.

Já a terceira fase, que acontecerá entre 9 de junho e 9 de julho, deve abranger cerca de 22 milhões de pessoas. As doses serão destinadas a integrantes das Forças Armadas; pessoas com comorbidades; caminhoneiros; trabalhadores de transporte coletivo rodoviário; entre outros.

Saiba diferenciar a gripe da Covid-19

Influenza: vacinação contra a gripe atinge 1,8% do público-alvo

Promovida pelo Ministério da Saúde em todo o território nacional, a campanha teve início no dia 12 de abril, focada na vacinação de crianças, povos indígenas, trabalhadores da área da saúde e gestantes. De acordo com o vacinômetro da campanha, já foram aplicadas quase 7 milhões de doses. Mas atenção, pessoas que recentemente tomaram a primeira ou a segunda dose da vacina contra a Covid-19 devem esperar pelo menos 14 dias para tomar o imunizante contra a gripe.

Copiar o texto
06/05/2021 18:00h

Instituto já entregou cerca de 42 milhões de unidades da vacina desde janeiro. Expectativa é de entregarem mais 54 milhões até agosto

Baixar áudio

Nesta quinta-feira (6), o Instituto Butantan envia para o Ministério da Saúde um lote com mais 1 milhão de doses da vacina CoronaVac, desenvolvida pelo instituto em parceria com o laboratório chinês Sinovac. Desde janeiro, o Butantan entregou cerca de 42 milhões de doses da vacina ao Plano Nacional de Imunização (PNI). As doses começam a ser liberadas a partir desta sexta (7).

No último dia 19 de abril, o instituto havia recebido uma remessa de 3 mil litros do ingrediente farmacêutico Ativo (IFA), matéria-prima importada necessária para a produção de novas doses da vacina contra o novo coronavírus. Um novo carregamento com mais 3 mil litros já está sendo negociado com a Sinovac.

Anvisa divulga orientação sobre armazenamento de vacinas

Pessoas curadas do coronavírus superam 13,5 milhões no Brasil

O Butantan está perto de completar as 46 milhões de doses do primeiro contrato firmado com o Ministério da Saúde. A expectativa é entregar mais 54 milhões até o final de agosto, totalizando assim, 100 milhões de doses destinadas à campanha de vacinação brasileira contra a Covid-19.

Copiar o texto
06/05/2021 10:15h

Quantidade de curados representa mais de 90% do número de casos acumulados de Covid-19 no país

Baixar áudio

O banco de dados oficial do Ministério da Saúde registrou 2.811 óbitos no País por coronavírus nas últimas 24h. Destes, 1.645 foram informados aos sistemas oficiais nos últimos três dias. O total de casos confirmados de Covid-19 soma 14.930.183, em todos os estados. O número de vítimas do coronavírus está em 414.399. 

As pessoas curadas da Covid-19 são 13.529,572. Já o número de pessoas em acompanhamento é de 986.212. De acordo com o Ministério da Saúde, a quantidade de pessoas recuperadas do coronavírus no país representa 90%,6 entre o número de casos acumulados. 

Wi-Fi Brasil: BB e Sebrae firmam parceria para levar internet a mil cidades

Até o momento, o governo federal adquiriu 562 milhões de doses da vacina contra a Covid-19 e 71,3 milhões já foram distribuídas aos estados. Ao todo, 45,2 milhões de doses já foram aplicadas na população. 

Desde o início do ano, o Ministério da Saúde autorizou a implantação de mais de 22 mil leitos de UTIs para tratamento de pacientes com Covid-19. O investimento foi de R$ 5,3 bilhões. Os equipamentos hospitalares enviados aos estados somam 12,8 milhões. 

As autoridades em saúde alertam que, diante dos primeiros sintomas de coronavírus, a recomendação é procurar imediatamente atendimento médico em uma unidade de saúde mais próxima. Além disso, o Ministério da Saúde recomenda o uso de máscaras, higienização das mãos e o distanciamento social, como forma de conter a transmissão do coronavírus. 

Copiar o texto
05/05/2021 13:00h

A imunização foi dividida em três etapas. Em Alagoas, a meta é vacinar 1.197.444 alagoanos que fazem parte dos grupos prioritários, ou seja 90%

Baixar áudio

Começa nesta quarta-feira (5) a primeira etapa da Campanha de Vacinação contra a Influenza, em Alagoas. Inicialmente, serão imunizadas crianças de seis meses a menores de seis anos, gestantes, puérperas, povos indígenas e trabalhadores da saúde.

A vacinação contra o vírus H1N1 foi dividida em três etapas. No estado, a meta é imunizar 1.197.444 alagoanos que fazem parte dos grupos prioritários, ou seja 90%.

Covid-19: Anvisa alerta para risco de erros na vacinação

Conselho Federal de Farmácia: farmacêuticos podem aplicar vacina contra Covid-19

Idosos com idade a partir de 60 anos e os professores serão vacinados contra a Influenza na segunda etapa. Já a última fase atenderá pessoas com comorbidades, com deficiência permanente, trabalhadores do transporte coletivo e rodoviário, caminhoneiros, forças de segurança e salvamento, forças armadas, entre outros.

Vale destacar que as pessoas que tomaram alguma dose das vacinas contra a Covid-19 devem esperar 14 dias para só então retornar aos pontos de vacinação para serem imunizados contra o vírus H1N1.

Copiar o texto