Cadastro de mídia

TERMO DE USO E PARCERIA

TERMO DE USO E PARCERIA

1º - A utilização gratuita e livre dos materiais produzidos pelo Brasil 61 só será permitida depois que este termo de parceria for aceito pelo usuário, prevendo as seguintes regras:

a) A utilização do material - na íntegra, ou em partes - só será permitida desde que as informações não sejam distorcidas, manipuladas ou alteradas.

b) Não é necessário a identificação do Brasil 61 na hora da replicação do conteúdo. Mas toda e qualquer veiculação de áudios produzidos pelo Brasil 61 prevê o cadastro no site, com a disponibilização de dados que serão utilizados para a organização do mailing desta empresa,

2º - OBRIGAÇÕES DO BRASIL 61

a) O Brasil 61 se compromete, a partir deste termo de uso, a produzir conteúdo particularizado diariamente, trazendo informações de dia-a-dia e bastidores do Planalto Central, além de outras temáticas de relevância do noticiário nacional. 

b) O acesso ao conteúdo jornalístico (na versão de leitura) é livre e gratuito, podendo ser replicado por qualquer usuário que acesse o site. O download do áudio para que seja utilizado na programação das rádios requer que o usuário realize o login no site do Brasil 61 - informando e-mail e senha cadastrados. 

3º - OBRIGAÇÕES DOS COMUNICADORES PARCEIROS

Não alterar o sentido dos materiais, ou distorcer fala de entrevistados ou mudar a conotação das mensagens dos materiais. 

ADENDOS IMPORTANTES SOBRE A PARCERIA

a) O Brasil 61 poderá distribuir conteúdo patrocinado com ou sem assinatura dos clientes patrocinadores do boletim e sem aviso prévio ao comunicador. 

b) As rádios parceiras não vão ter participação financeira sobre o faturamento do Brasil 61.

c) Os comunicadores podem patrocinar os conteúdos do Brasil 61, desde que não alterem o sentido e a conotação dos conteúdos oferecidos. Nesses casos, o Brasil 61 não terá participação nos lucros conquistados pelos veículos parceiros. 

Ao clicar em ACEITO, a emissora aqui cadastrada afirma concordar e estar ciente de todas as condições apresentadas neste Termo de Utilização de Conteúdo.

Política de privacidade

Nós do Brasil 61 coletamos e usamos alguns dados dos nossos leitores com o intuito de melhorar e adaptar nossas plataformas e nossos produtos. Para isso, agimos conforme a Lei Geral de Proteção de Dados (Lei 13.709/2018) e nos esforçamos para sermos transparentes em todas nossas atividades.

Para podermos oferecer melhores serviços e veicular peças publicitárias de nossos anunciantes, precisamos conhecer certas informações dos nossos usuários.

COMO O BRASIL 61 COLETA SEUS DADOS

– Quando você se cadastra e cria um usuário no Brasil 61

Quando você entra no nosso site, fornece informações (dados) para a criação do usuário. Estes dados são usados para orientar a estratégia do Brasil 61 e o desenvolvimento de novos serviços e/ou produtos. Essas informações são fornecidas voluntariamente por você leitor e não são compartilhadas com nenhum terceiro.

– Quando você acessa o site do Brasil 61 (www.brasil61.com.br) ou abre uma de nossas newsletters enviadas por e-mail

O Brasil 61 usa tecnologias como cookies e pixel tags para entender como é a sua interação com as nossas plataformas. Esses dados permitem saber, por exemplo, de que dispositivo você acessa o site ou em que links você clicou e quanto tempo permaneceu lendo as notícias. 

COMO O BRASIL 61 USA OS SEUS DADOS

Nós, do Brasil 61, usamos seus dados sempre com a principal intenção de melhorar, desenvolver e viabilizar nossos próprios produtos e serviços a você leitor.

Seus dados são sempre analisados de forma não individualizada, mesmo os que são fornecidos vinculados seu nome ou ao seu endereço de e-mail. 

Os dados em conjunto são analisados para criar relatórios estatísticos de audiência sobre as páginas, textos e meios de acesso ao site e às newsletters. 

Esses relatórios são compartilhados com nossos anunciantes e patrocinadores e servem para modelar estratégias e campanhas institucionais.

As informações que você fornece durante a criação do cadastro do seu usuário no Brasil 61 são utilizadas para a formulação de estratégia comercial e desenvolvimento de novos produtos e/ou serviços.

Essas informações individualizadas podem ser usadas pelo Brasil 61 para o envio de campanhas comerciais e divulgação de serviços e/ou produtos próprios. Não são compartilhadas com nenhum terceiro.

As informações captadas por meio de cookies e pixel tags são usadas em relatórios internos de monitoramento da audiência e também em relatórios para os anunciantes verificarem a efetividade de suas campanhas. Essas informações não estão vinculadas a nome ou e-mail dos leitores e são sempre avaliadas de forma não individualizada.

O Brasil 61 compartilha informações captadas por meio de cookies e pixel tags com terceiros, como anunciantes, plataformas de redes sociais e provedores de serviço – por exemplo, o serviço de envio de e-mails. O Brasil 61 também em seu site cookies de terceiros que captam informações diretamente do usuário, de acordo com suas próprias políticas de privacidade e uso de dados. 

O QUE O BRASIL 61 NÃO FAZ COM SEUS DADOS

– Não monitoramos ou coletamos dados de páginas que não pertencem ao Brasil 61.
– Não compartilhamos ou vendemos para terceiros nenhuma informação identificável.

O QUE VOCÊ PODE FAZER SE NÃO QUISER MAIS QUE SEUS DADOS SEJAM USADOS PELO BRASIL 61

– Caso não queira que o Brasil 61 use nenhum tipo de cookies, altere as configurações do seu navegador. Nesse caso, a exibição de anúncios e mensagens importantes do Brasil 61 e de nossos anunciantes pode ser prejudicada.

– Caso queira deixar de receber algum newsletter ou e-mail de alertas de notícias, basta clicar em “Unsubscribe”, na parte de baixo do e-mail enviado pelo Brasil 61. 

– Caso queira excluir seu usuário e apagar seus dados individuais da base do Brasil 61, basta enviar um e-mail para: privacidade@brasil61.com

 Última atualização: 24 de dezembro de 2020 

Mato Grosso do Sul

23/02/2021 00:00h

Saldo positivo é de 6.886 ofertas de trabalho. Em 2019, foram apenas 563

Baixar áudio

Mesmo com a pandemia do novo coronavírus, setor industrial do Mato Grosso do Sul teve um bom desempenho em 2020 e fechou o ano com saldo positivo de 6.886 vagas de emprego – quase metade (49%) de todas as ofertas de trabalho no estado. Segundo levantamento realizado pelo Radar Industrial da Federação das Indústrias do Estado (Fiems), foram contabilizadas 60.560 contratações e 53.674 demissões. 

Na comparação com 2019, o crescimento foi de impressionantes 1.123%, quando foram gerados apenas 563 novos postos de trabalho. Com o desempenho de 2020, a atividade industrial corresponde hoje a 19,5% de todo o emprego formal do Mato Grosso do Sul, atrás dos setores de serviço (29,2%), administração pública (21,4%) e comércio (19,9%).

O coordenador da Unidade de Economia, Estudos e Pesquisa da Fiems, Ezequiel Resende, destaca o segmento da indústria com a maior abertura de vagas de emprego em 2020.

“Destaque especial para atividade do segmento frigorífico, que respondeu por seis em cada dez novas vagas criadas pela indústria, no ano 2020, se destacando, o abate de suínos e aves. Outras atividades industriais que também contribuíram para esse desempenho, a gente pode citar a fabricação de celulose, fabricação de óleos vegetais e açúcar”, destaca.

Arte - Brasil 61

Em 2020, o Frigorífico Naturafrig Alimentos passou por um processo de aprimoramento da industrialização das carnes, que passaram a ser vendidas sem ossos. Segundo o dono da empresa Sérgio Capuci, o procedimento demandou mais mão de obra. Além disso, a própria pandemia da Covid-19 exigiu a contratação de funcionários.

“No caso da Covid-19, você tem de ter um pouco mais de funcionário, porque quando algum colaborador é contaminado, você tem que afastar todo o setor dele. Então, no meio de 800 funcionários, sempre tem um ou outro que apresenta teste positivo”, explica.

MS: Índice de Desempenho Industrial atinge maior patamar para o mês de dezembro, aponta Fiems

Três Lagoas é a melhor cidade para se fazer negócios na indústria no estado de Mato Grosso do Sul, aponta estudo

Reforma Tributária pode gerar até 300 mil empregos por ano e tornar oneração da indústria mais justa

No fechamento do ano de 2020, o setor da indústria sul-mato-grossense registrou o maior contingente de trabalhadores formalmente empregados dos últimos seis anos, com 132.186 funcionários. Esse é o terceiro ano consecutivo com abertura de vagas, o que indica recuperação das atividades industriais. Em 2019, o ano fechou com 125.300 trabalhadores.

O economista da Fiems, Ezequiel Resende, aponta o motivo para o bom desempenho da indústria no estado.

“Para esse bom resultado, a gente tem que citar uma melhora da demanda interna por produtos alimentícios, reforçada com bastante peso pela transferência de renda, que a gente observou no último ano, e pelo aumento das exportações, especialmente das carnes, dos óleos vegetais e do açúcar”, explica.

Em relação aos municípios, 59 cidades tiveram saldo positivo de contrações entre janeiro e dezembro de 2020. Entre os municípios com saldo positivo de pelo menos 140 vagas, destacam-se Dourados (+1.702), São Gabriel do Oeste (+625), Três Lagoas (+519), Sidrolândia (+514), Bataguassu (+396), Naviraí (+352), Itaquiraí (+339), Campo Grande (+282), Caarapó (+260), Angélica (+237), Água Clara (+211), Fátima do Sul (+193), Brasilândia (+175), Eldorado (+155) e Selvíria (+154).

Copiar o texto
22/02/2021 00:00h

Desempenho do Departamento Regional sul-mato-grossense só ficou atrás do Senai baiano

Baixar áudio

O Senai (Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial) de Mato Grosso do Sul foi o segundo melhor do País no índice que mede a sustentabilidade em tecnologia e inovação, no ano de 2020. O estado alcançou o resultado de 89,7%, ficando atrás, apenas, da Bahia, que registrou 90,2%.
 
O índice sul-mato-grossense está bem acima da média nacional, por exemplo, que foi de 71%. O presidente da Federação das Indústrias do Estado de Mato Grosso do Sul, Sérgio Longen, comemorou o resultado expressivo e destacou a participação de todos os envolvidos.
 
“É muito gratificante para mim receber um relatório como esse de sustentabilidade, em que o Mato Grosso do Sul é o segundo do País. A nossa indústria vai bem, o ano de 2021 é difícil, mas, com certeza, com essa equipe que está aí nós venceremos essa batalha, trazendo cada vez mais os nossos trabalhos para o fortalecimento da nossa indústria”, disse. 

Mais destaque

O Departamento Regional do Senai de Mato Grosso do Sul também conquistou a oitava posição no quesito “receita por competência em tecnologia e inovação”. No ano passado, a instituição teve arrecadação de R$ 12,6 milhões. 
 
Diretor do Senai sul-mato-grossense, Rodolpho Caesar Mangialardo destacou que o órgão tem colaborado para o crescimento da indústria do estado e a retomada pós-pandemia. 
 
“A gente foi agraciado com o segundo lugar em sustentabilidade dentro da área de tecnologia e inovação no País, na comparação entre os Senais. Isso representa que as nossas despesas foram muito bem controladas e as nossas receitas foram muito bem aportadas. A gente se graduou a nível nacional. Isso [é reflexo] nada mais do que o auxílio que o Senai tem feito na área de tecnologia e inovação no estado do Mato Grosso do Sul”, detalhou. 

Copiar o texto
17/02/2021 00:00h

Indicador alcançou 58,9 pontos, recorde desde o início da série histórica em 2014

Baixar áudio

O desempenho da indústria de Mato Grosso do Sul encerrou o ano de 2020 com resultado histórico. De acordo com a Federação das Indústrias do Estado do Mato Grosso do Sul (Fiems), o Índice Geral de Desempenho Industrial (IGDI) em dezembro foi de 58,9 pontos.
 
Esse é o melhor resultado para o mês desde o início da série, em 2014. No ano de 2019, por exemplo, o resultado foi de 56,2 pontos. A média histórica, por sua vez, sempre esteve próxima dos 49 pontos, segundo a Federação.
 
Nos últimos oito meses, o indicador acumula alta de 20,4 pontos, o que sinaliza a retomada da atividade industrial no estado após o auge da crise econômica causada pela pandemia do novo coronavírus. O coordenador da Unidade de Economia, Estudos e Pesquisas da Fiems, Ezequiel Resende, destaca o resultado expressivo e as expectativas do setor a curto prazo.
 
“Os empresários industriais se mostraram satisfeitos com o desempenho apresentado em dezembro e para os próximos seis meses mantêm esse otimismo, esperando uma melhora das condições econômicas tanto para Mato Grosso do Sul quanto para o Brasil e, na esteira dessa melhoria, garantindo a realização de investimentos que foram projetados para esse período”, avaliou. 

Três Lagoas é a melhor cidade para se fazer negócios na indústria no estado de Mato Grosso do Sul, aponta estudo

Empresários industriais do Tocantins seguem otimistas em janeiro, aponta FIETO

Destaques

O indicador reflete a percepção dos empresários sobre o desempenho apresentado pela atividade industrial. O levantamento analisou cinco variáveis (emprego, investimento, produção industrial, utilização da capacidade instalada e confiança).
 
Cerca de 78% das empresas apontaram crescimento ou estabilidade da produção em dezembro, número 7 pontos percentuais superior ao mesmo período em 2019. Já a utilização média da capacidade instalada aumentou de 71% para 74%. O mesmo ocorreu com a intenção de investimento, que saltou de 63 para 65,5 pontos, de acordo com a pesquisa. 
 
Um dos exemplos vem de Sérgio Capuci, que é dono de uma indústria no segmento de abate bovino em Mato Grosso do Sul. Ele afirma que está otimista com os negócios em 2021, o que pode culminar com expansão da produção e do quadro de funcionários na empresa.
 
“A gente vê que, normalizando com a chegada da vacina, sempre há expectativa de que tudo volte ao normal, embora a expectativa é de que os preços do boi e da carne continuem altos. A empresa tem planos de investimento e continua com esses planos mesmo com todas as dificuldades, de aumentar a estrutura física e as contratações”, projeta.

Arte: Brasil 61
 
Indicador

Criado pelo Radar Industrial da Fiems, o IGDI é calculado com base nas pesquisas de Confiança e de Sondagem Industrial. O indicador é composto por cinco variáveis, sendo que cada uma tem peso de 20% na composição final do resultado. 

Copiar o texto
16/02/2021 18:00h

A temperatura mínima na região é de 18ºC e a máxima de 40ºC

Baixar áudio

Previsão de tempo com chuva na região Centro-Oeste do País, nesta quarta-feira (17). A chuva ocorre ao longo do dia, mas é mais intensa durante a tarde. As temperaturas começam a subir na região e começa a fazer mais calor no oeste e na metade sul de Mato Grosso do Sul. 
 
As temperaturas variam entre 18 e 40 graus. A umidade relativa do ar pode variar entre 30 e 100 por cento.
 
As informações são do Somar Meteorologia.
 
Felipe Moura, o tempo e a temperatura.

Copiar o texto
15/02/2021 18:00h

A temperatura mínima na região é de 18ºC e a máxima de 36ºC

Baixar áudio

Previsão de tempo com chuva na região Centro-Oeste do País, nesta terça-feira (16). A chuva ocorre ao longo do dia, mas é mais intensa durante a tarde. Há chance de granizo em Mato Grosso do Sul, Mato Grosso e em Goiás. As temperaturas ficam amenas em Mato Grosso e em Goiás. 
 
As temperaturas variam entre 18 e 36 graus. A umidade relativa do ar pode variar entre 30 e 100 por cento.
 
As informações são do Somar Meteorologia.
 
Felipe Moura, o tempo e a temperatura.

Copiar o texto
14/02/2021 18:00h

A temperatura mínima na região é de 18ºC e a máxima de 36ºC

Baixar áudio

Previsão de tempo com chuva na região Centro-Oeste do País, nesta segunda-feira (15). A chuva segue intensa em Mato Grosso do Sul e em parte de Goiás, com risco para temporais, raios, rajadas de vento e queda de granizo. Em Mato Grosso, temporais também estão previstos. Os maiores acumulados devem ocorrer no centro-norte de Mato Grosso do Sul, em Mato Grosso e Goiás.  
 
As temperaturas variam entre 18 e 36 graus. A umidade relativa do ar pode variar entre 45 e 100 por cento.
 
As informações são do Somar Meteorologia.
 
Felipe Moura, o tempo e a temperatura.

Copiar o texto
Brasil
10/02/2021 15:30h

Foram verificados 47 postos revendedores de combustíveis automotivos e dois de combustíveis de aviação em 12 municípios

Baixar áudio

A Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP) promoveu uma operação para fiscalizar o mercado de combustíveis em localidades que são destinos turísticos em quatro estados: Goiás, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul e Tocantins. Foram verificados 47 postos revendedores de combustíveis automotivos e dois de combustíveis de aviação em 12 municípios.

Nos postos de combustíveis de aviação, foram coletadas amostras de gasolina de aviação para análises laboratoriais. Nos demais postos, foram verificados 483 bicos abastecedores e analisadas em campo 214 amostras.

Preço do gás de cozinha sobe mais que o dobro da inflação e encerra 2020 com alta de 9,24%

Aumento no valor do gás domiciliar pesa no bolso do consumidor

No total, foram feitas três interdições por bombas abastecendo em quantidade inferior à registrada no visor: uma de etanol hidratado em Paraíso das Águas (MS); uma de gasolina comum em Chapadão do Sul (MS); e uma de gasolina comum em Caldas Novas (GO). Além disso, foram emitidos 13 autos de infração. 

Copiar o texto
03/02/2021 00:00h

Sobre o índice de expectativa do empresário industrial, a demanda alcançou, em janeiro deste ano, 61,6 pontos. O resultado representa uma projeção de crescimento na demanda para os próximos seis meses

Baixar áudio

A produção industrial de Mato Grosso do Sul apresentou um resultado satisfatório no mês de dezembro, apesar dos efeitos da pandemia do novo coronavírus. No último mês de 2020, o segmento ficou com 53,5 pontos. De acordo com a Sondagem Industrial realizada pelo Radar Industrial da FIEMS, este foi o melhor desempenho registrado para o mês, desde o início da série histórica, em fevereiro de 2010.

Segundo o coordenador da Unidade de Economia, Estudos e Pesquisas da FIEMS, Ezequiel Resende, esse comportamento se deu por basicamente três fatores. Juntas, essas condições contribuíram para a manutenção de muitas atividades, assim como para a capacidade de consumo da população, o que ajudou a economia a permanecer circulando, mesmo que a passos mais lentos.

“Passado aquele primeiro momento da pandemia, no primeiro semestre de 2020, muitas empresas procuraram recompor o que deixou de ser produzido. A gente teve um apoio muito grande à população e à atividade econômica de um modo geral por meio da transferência de recursos. Aqui estamos falando basicamente do auxílio emergencial. Isso fez com que, por mês, fossem injetados cerca de R$ 50 bi na economia. E, o mercado externo, que contribuiu bastante, tanto que as exportações de produtos industriais foram recorde no ano passado”, pontua.

Observatório FIESC traz projeções positivas para a indústria catarinense em 2021

Déficit primário fecha 2020 com resultado melhor que o previsto

Metas para telecomunicações esperam cobertura de internet por fibra ótica a 99% dos municípios brasileiros até 2024

Dados do levantamento relevam que 78% das empresas industriais do estado se mantiveram estáveis ou apresentaram aumento na produção. No geral, os empresários industriais de Mato Grosso do Sul disseram estar satisfeitos com a margem de lucro operacional das companhias no 4º trimestre de 2020. Neste caso, o indicador atingiu 56,9 pontos.

Desempenho parecido foi notado em relação à situação financeira geral da empresa, que chegou a 57,9 pontos. A exceção, por sua vez, ficou por conta das condições de acesso ao crédito, com 43,5 pontos. Essa última variável, ainda segue avaliada pelos empresários industriais de forma negativa.

O balanço revela, ainda, que, para 20,7% dos empresários industriais, o acesso ao crédito foi considerado difícil. Outros 27,6% responderam não ter buscado crédito no trimestre, enquanto 70,7% disseram que houve aumento dos preços das matérias-primas utilizadas.

Projeções

Sobre o índice de expectativa do empresário industrial, a demanda alcançou, em janeiro deste ano, 61,6 pontos. O resultado representa uma projeção de crescimento na demanda para os próximos seis meses. Já em relação ao mês anterior, o índice teve redução de um ponto.

“Esse contexto fez com que o empresário industrial se mostrasse bastante confiante na virada de 2020 para 2021, projetando um aumento nos investimentos para os próximos seis meses, um aumento nas contratações e uma expectativa de crescimento em relação às demandas por seus produtos”, considera Ezequiel Resende

Em relação aos empregados, os 55,7 pontos verificados sinalizam um possível aumento no número de pessoas trabalhando no setor, nos próximos seis meses. Na comparação com o mês anterior, o índice se manteve estável. Já o Índice de Confiança do Empresário Industrial de Mato Grosso do Sul (ICEI/MS) chegou a 64,1 pontos em janeiro. O balanço significa que houve aumento de 6,6 pontos em relação à média histórica obtida para o mês.
 

Copiar o texto
02/02/2021 00:00h

Programa contempla alunos do ensino médio e superior e ocorre através de parceria com a prefeitura do município

Baixar áudio

O Instituto Euvaldo Lodi (IEL) firmou uma parceria com a prefeitura de Ribas do Rio Pardo (MS), que tem o objetivo de encaminhar jovens para o mercado de trabalho por meio de um programa de estágio. 

A coordenadora da área de desenvolvimento de carreira do IEL, Rosângela Ramos, diz que, por meio dessa iniciativa, os estudantes universitários e do ensino médio terão a chance de descobrir novas vocações e pôr em prática o que aprendem em sala de aula. 

“Através desse programa, o jovem terá a oportunidade de colocar em prática o que está aprendendo em sala de aula, bem como desenvolver as suas habilidades e competências”, explica.

Os estágios serão oferecidos pela prefeitura e contemplarão as mais variadas áreas do conhecimento, segundo a coordenadora do IEL. “Os cursos vão integrar as áreas da Saúde (fisioterapia, enfermagem, nutrição), educação (letras, pedagogia, artes visuais, biologia, história, física), educação física, psicologia, informática, ciências contábeis, serviço social, dentre outros cursos.”

O processo seletivo para os interessados e todas as informações sobre as inscrições serão publicadas no site oficial da Prefeitura de Ribas do Rio Pardo em breve e poderão ser acessadas pelo site: www.ribasdoriopardo.ms.gov.br

Frequência de atividades escolares na pandemia ainda é desafio para municípios do Paraná

Para os demais estudantes do Mato Grosso do Sul que desejam concorrer às vagas de estágio do IEL, basta estar matriculado em uma instituição de ensino e realizar o cadastro pelo site www.ms.iel.org.br

Copiar o texto
29/01/2021 00:00h

Capital do setor industrial sul mato-grossense também figura entre as melhores para se investir em ranking nacional

Baixar áudio

O município de Três Lagoas é o melhor do estado de Mato Grosso do Sul para se investir no setor industrial. A cidade, que fica a cerca de 330 Km da capital, Campo Grande, também é a 25º no ranking nacional. Os dados são da pesquisa “Melhores Cidades para Fazer Negócios 2.0”, publicada em dezembro pela Urban Systems. 
 
O estudo analisou dados e indicadores de 325 municípios brasileiros — todos com população superior a 100 mil habitantes. Em entrevista ao portal Brasil61.com, o presidente da Federação das Indústrias do Estado de Mato Grosso do Sul, Sérgio Longen, comentou o resultado e afirmou que a entidade vai continuar contribuindo para melhoria da indústria sul mato-grossense. 
 
"[Três Lagoas] é a nossa capital da indústria do Mato Grosso do Sul. Estamos preparados para atender essas empresas e, com certeza, Três Lagoas, vai continuar crescendo e gerando empregos. Vamos continuar dando suporte para aquelas empresas, investindo naquela região”, disse. 
 
De acordo com o estudo, cerca de um a cada quatro empregos da cidade estão no setor industrial. Além disso, entre 2018 e 2019, o crescimento da remuneração dos trabalhadores do setor foi de 2,71%. 

Camaçari (BA) é a melhor cidade do País para fazer negócios no setor industrial

Município de Aracruz (ES) é o sétimo melhor do País para se investir no setor industrial

Estudo

O estudo das 100 Melhores Cidades para Fazer Negócios é publicado pela Urban Systems anualmente, desde 2014. Até 2019, a metodologia para elaboração do ranking teve poucas alterações. A pesquisa apresentava uma lista única das melhores cidades para se investir, considerando quatro eixos: desenvolvimento econômico e social, capital humano e infraestrutura.
 
No entanto, com o impacto do novo coronavírus e a intenção de manter o estudo atual e renovado, a publicação de 2020 está de cara nova e aposta em um olhar mais segmentado das melhores cidades para negócios, levando em conta os resultados para seis setores da economia: indústria, comércio, serviços, educação, mercado imobiliário e agropecuária.
 
Diretor de marketing da Urban Systems e responsável pelo estudo, Willian Rigon, diz que o estudo vai ajudar os investidores, empresários e a iniciativa privada, em geral, na tomada de decisões sobre quais especialidades de cada município podem ser melhor exploradas. “O estudo é importante nesse momento de pandemia, em que é necessário que se mantenham os investimentos mais assertivos que possam ter sustentabilidade econômica". O objetivo dele no período pré, durante e pós-pandemia é direcionar em relação aos novos negócios, empresas e empreendedores”, afirma.
 
Segundo Rigon, apesar de cada município ter as suas peculiaridades, há pontos em comum às melhores cidades para fazer negócios, que podem ser observados. “É importante ter um ambiente favorável, ter mão de obra qualificada e uma gestão pública eficiente. Se a gente pudesse apontar três pontos específicos, são essas as características comuns às cidades melhores posicionadas”, cita.

Arte: Brasil 61
 
Metodologia

Para chegar ao ranking, o estudo utiliza oito indicadores como base para todos os municípios. Eles estão atrelados ao impacto do novo coronavírus na saúde da população e na economia, além do desempenho econômico das cidades em aspectos como empregabilidade. Além disso, para cada setor, como o de serviços, por exemplo, são utilizados indicadores específicos para atribuir pontuação a cada cidade.

Copiar o texto