Paraíba

24/09/2021 19:00h

Ação do governo federal beneficia mais de cinco mil famílias no município com melhor qualidade de vida

Baixar áudio

O município de Patos (PB) vai receber mais de R$ 400 mil do governo federal para dar continuidade às obras de drenagem urbana na cidade. Com a medida, mais de 5 mil famílias serão beneficiadas e aproximadamente 800 empregos serão gerados. 

De acordo com o secretário Nacional de Saneamento do MDR, Pedro Maranhão, esses investimentos no setor garantem que a população tenha mais saúde. “Serviços como tratamento de água e esgoto são essenciais. E a falta de investimentos acarreta uma série de problemas de saúde, reduz a qualidade de vida da população, além de impactar negativamente o meio ambiente. Por isso, as ações voltadas para saneamento básico trazem ganhos inestimáveis à população”, afirmou.

A ação do governo federal, por meio do Ministério do Desenvolvimento Regional (MDR), vai possibilitar, no total, benefício para 35 mil famílias, além de criar 6 mil empregos a partir da continuidade de três obras de saneamento básico em Patos e, também, em dois municípios do Rio Grande do Sul: Carazinho e Canoas. Para isso, liberou R$ 2,1 milhões, que serão usados nos empreendimentos. 

PATOS (PB): Cidade vai receber mais R$ 120 mil para obras de saneamento básico

Entenda o que é Saneamento Básico 

Saneamento é um conjunto de medidas com objetivo de preservar ou melhorar as condições do meio ambiente para prevenir doenças e promover a saúde, melhorar a qualidade de vida da população e facilitar a atividade econômica. No Brasil, o saneamento básico é um direito assegurado pela Constituição e definido pela Lei 11.445/2007 como o conjunto dos serviços de infraestrutura e Instalações operacionais de abastecimento de água; esgotamento sanitário; limpeza urbana; drenagem urbana; e manejos de resíduos sólidos e de águas pluviais.
 
Apesar do saneamento básico ser um conjunto de quatro serviços, quando se fala nele, a população brasileira está acostumada apenas ao conceito de serviços de acesso à água potável, e à coleta e ao tratamento dos esgotos. Daí a importância dos investimentos nos quatro pilares do setor para garantir a saúde do povo.

Novo Marco Legal

Com a sanção do novo Marco Legal do Saneamento, que completou um ano em julho, o governo federal tem como objetivo alcançar a universalização dos serviços de saneamento básico até 2033, garantindo que 99% da população brasileira tenha acesso à água potável e 90%, ao tratamento e à coleta de esgoto.

Investimentos

Desde janeiro, R$ 290,56 milhões do Orçamento Geral da União (OGU) foram repassados pelo MDR para garantir a continuidade de empreendimentos de saneamento básico pelo País. E mais de R$ 1 bilhão foi assegurado para financiamentos por meio do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS) e de outros fundos federais financiadores.

Atualmente, a carteira de obras e os projetos da Pasta no setor – contratos ativos e empreendimentos em execução ou ainda não iniciados – é de 1.159 empreendimentos, somando um total de R$ 43,02 bilhões, sendo R$ 25,25 bilhões de financiamentos e de R$ 17,77 bilhões de Orçamento Geral da União.

Copiar o texto
14/09/2021 17:00h

Doações de sangue na Paraíba caíram 13% em 2020. Mas, nos primeiros dias do início da pandemia do novo coronavírus, a queda nas doações chegou a 70%. Os estoques do banco de sangue estão abaixo do ideal. O Governo Federal, por meio do Ministério da Saúde, convoca a população para aderir o gesto de solidariedade

Baixar áudio

Com estoques em alerta, o Hemocentro Regional de Campina Grande faz um apelo à população da região por novos doadores de sangue. A unidade integra a hemorrede da Paraíba, que sofreu uma queda de 13% no número de doações com a chegada da Covid-19.  

A microrregião de Campina Grande, no agreste paraibano, é composta por oito municípios, entre eles, Boa Vista, Fagundes, Lagoa Seca e Queimadas. A diretora geral do Hemocentro da Paraíba, Shirlene Dantas Gadelha, explica que o banco de sangue registrou uma queda de 70% nas doações no início da pandemia. 

Ela pede para que os paraibanos se mobilizem e compareçam em uma das nove unidades de coletas espalhadas pelo o estado e ajudem a salvar vidas.

“Eu quero fazer um convite para que você agende a sua doação pelo número 33344773. Nós estamos com nossos estoques críticos e só através de vocês conseguiremos fazer essa distribuição para os hospitais. Então, vamos participar dessa corrente do bem, dessa corrente solidária e agende a sua doação. Doe sangue e salve vidas!”, convoca a diretora do hemocentro.

Como estratégia para ampliar o número de doadores e evitar aglomerações, o Hemocentro da Paraíba implantou o sistema de agendamento de doação e está fazendo a coleta de sangue em condomínios residenciais. As doações podem ser agendadas através de agendamento pelo telefone (83) 3344-5475 ou diretamente no local no dia que a pessoa desejar. 

O médico e bombeiro Junior Paz tem 33 anos e mora no bairro Jardim Cidade Universitária, em João Pessoa. Ele começou a doar sangue aos 19 anos durante um curso de formação de soldados da Polícia Militar da Paraíba. De lá pra cá, a doação de sangue se tornou uma rotina na vida dele. 

“Nesses ambientes militares é muito frequente a solicitação de voluntários doadores por parte dos familiares. Desde então, pelo menos uma vez por ano, eu dou sangue e já se foram 19 ou 20 doações”, diz o médico.

De acordo com o Ministério da Saúde, em cada doação, o máximo de sangue retirado é de 450 ml. Uma única doação pode salvar até quatro vidas. Com suas contribuições, Junior conseguiu mudar o destino de 80 pessoas. 

“Doar sangue pra mim é um ato de solidariedade, humanidade e um privilégio. Com 30 minutos do seu dia você pode ajudar a salvar vidas de outras pessoas que estão em situações difíceis. Sem falar que em um algum momento a gente pode estar do outro lado necessitando de doações”

Junior Paz lembra sobre a importância da doação de sangue regular, principalmente nos meses de férias em que aumenta a demanda de transfusão sanguínea e diminui o número de doações. 

“Para quem não é doador, eu aconselho que faça a doação e que seja voluntário, principalmente nesses períodos de início de ano, carnaval, férias, e final de ano  que são períodos que aumenta a demanda por bolsas de sangue e diminui o número de doadores. A sensação de poder salvar uma vida é uma sensação indescritível.”

O Governo Federal, por meio do Ministério da Saúde, reforça a importância da doação regular. “Vamos aproveitar essa oportunidade para reafirmar não só as ações de enfrentamento à pandemia, mas também a necessidade contínua de cumprir o preceito constitucional da saúde como direito fundamental. O sangue, ao longo do tempo, simboliza a vida. E nesse sentido, é importante a doação regular de sangue. Doe sangue regularmente, com a nossa união, a vida se completa”.

Onde doar sangue na Paraíba

O hemocentro regional de Campina Grande, no agreste paraibano, atende, sobretudo, oito municípios. Entre eles, estão: Esperança, Umbuzeiro, Guarabira, Curimataú Oriental e Ocidental. A unidade está localizada na Rua Eutécio Vital Ribeiro, sem número, Bairro Catolé. O telefone para contato é o (83) 3344-5475. 

Além do hemocentro regional, os voluntários à doação de sangue e medula óssea de outras regiões da Paraíba podem procurar as hemonúcleos, unidades de coleta e transfusão que ficam nos municípios de Patos, Cajazeiras, Sousa, Catolé do Rocha, Piancó, Itaporanga e Guarabira. Para saber mais informações sobre endereços e horários de funcionamento das unidades, veja o mapa abaixo. 

Critérios para doar sangue e medula óssea

De acordo com a Coordenação-Geral de Sangue e Derivados do Ministério da Saúde, o procedimento para doação de sangue é simples. Primeiro se faz o cadastro, aferição de sinais vitais, teste de anemia, triagem clínica, coleta de sangue e depois o lanche. Isso tudo leva em média 40 minutos.

Vale lembrar que até mesmo quem foi infectado pelo coronavírus pode doar sangue e medula óssea. No entanto, é necessário aguardar 30 dias após completa recuperação da doença. Quem teve contato com pessoas infectadas também precisa esperar 14 dias para poder fazer a doação, apresentando RT-PCR negativo e ausência de sintomas. Os vacinados devem esperar o tempo de imunização, que vai depender da marca do imunizante.

Para doar sangue é necessário ter entre 16 e 69 anos de idade e pesar no mínimo 50 quilos. Mulheres podem doar até três vezes ao ano com intervalo de três meses entre as doações. Já os homens podem doar até quatro, com intervalo de dois meses. A doação é voluntária e uma bolsa de apenas 450mL de sangue pode ajudar até quatro pessoas.

Candidatos à doação de medula óssea devem ter entre 18 e 35 anos, estar em bom estado de saúde e não apresentar doença infecciosa ou incapacitante. Segundo o Redome, algumas complicações de saúde não são impeditivas para doação, sendo analisado caso a caso.

Doar sangue e medula é seguro! Com a pandemia, todos os protocolos de contenção contra a Covid-19 estão sendo realizados. No dia da doação, será preciso apresentar documento de identificação com foto. Para saber onde doar sangue ou se cadastrar para doar medula óssea, acesse hemocentro.saude.pb.gov.br.

Copiar o texto
26/08/2021 20:25h

Se Congresso Nacional aprovar a reforma do imposto de renda, a Paraíba terá uma perda milionária que impactará também nos repasses do Fundo de Participação dos Estados (FPE)

Baixar áudio

De acordo com a Federação Brasileira de Associações de Fiscais de Tributos Estaduais (Febrafite), Paraíba pode sofrer uma queda de R$ 389 milhões na arrecadação para investimentos no estado se a proposta de Reforma do Imposto de Renda for aprovada pelo Congresso Nacional. Com as mudanças, os repasses para o Fundo de Participação dos Estados (FPE) também podem ter redução de R$ 319 milhões. 

A reforma do IR propõe alterações no Imposto de Renda de pessoas físicas e das empresas, e taxação de lucros e dividendos com alíquota de 20%.

Segundo a Febrafite, ao reduzir as alíquotas dos tributos cobrados das empresas, estados e municípios terão perdas bilionárias e verão os recursos dos fundos de participação caírem em R$ 16,5 bilhões. A estimativa é de que os estados percam cerca de R$ 8,6 bilhões e os municípios, R$ 7,9 bilhões. Confira no mapa abaixo o quantitativo de perdas por estados.

Com a diminuição de arrecadação nos estados, a especialista em direito tributário, e vice-presidente da Associação dos Auditores Fiscais de Minas Gerais (AFFEMG), Sara Felix, acredita que as unidades federativas devem reduzir serviços voltados à população a fim de balancear as perdas. 

“Para os estados, Distrito Federal e municípios, principalmente os que forem mais impactados em seu fundo de participação, FPE e FPM, somente restarão duas alternativas. A primeira seria elevar a tributação em outros setores para compensar a perda de receita, o que não me parece uma solução muito fácil, e a segunda alternativa seria reduzir os serviços prestados na proporção dessa perda, que poderá representar menos saúde, menos segurança, educação ou outro serviço essencial que é oferecido ao cidadão”, explica.

Para reduzir o Custo-Brasil e reaquecer a economia, a especialista salienta que a reforma tributária ampla (PEC 110) é uma solução. “A PEC 110 busca proporcionar não cumulatividade plena do imposto, ressarcimento ágil dos créditos acumulados para o contribuinte, redução da regressividade do sistema, fim da guerra fiscal, que tem sido imensamente predatória para os caixas dos estados e municípios, e ainda fortalecer a administração tributária no caminho de uma relação respeitosa e construtiva entre o fisco para os contribuintes”. 

Lei de Diretrizes Orçamentárias tem impacto direto no orçamento dos municípios em 2022

MT: cenário econômico pode ser afetado sem aprovação da reforma tributária ampla

Sergipe pode perder PIB caso reforma tributária seja fatiada no Congresso

Para Thiago Sorrentino, professor de direito tributário do Ibmec Brasília, é importante que a reforma tributária ampla seja aprovada no País, pois assim o sistema se tornará eficiente. “O Brasil precisa aprovar uma reforma tributária ampla que preveja a junção dos tributos federais, estaduais, distritais e municipais. Sem isso, vamos continuar com deficiências pontuais que tornam o sistema completamente inoperante e muito custoso com uma carga nominal das mais altas do mundo”. 

Impacto nos Estados

A nova calibragem das alíquotas do imposto de renda resulta em tributação total sobre os investimentos produtivos de 39,6%, ao invés dos atuais 34%. Para Sara Felix, o Governo Federal está repassando a conta da Reforma do Imposto de Renda para os estados, Distrito Federal e municípios, ao mesmo tempo que busca equilibrar a receita com ajustes em suas contribuições. 

“Ocorre que o Governo Federal dispõe desse mecanismo, mas os demais entes nacionais não. Ao mesmo tempo em que a própria União exige dos estados e municípios um rigor fiscal, ele impõe um modelo de reforma repassando uma conta para esses entes, retirando receita. São esses entes subnacionais que estão mais próximos do cidadão e são eles os mais cobrados por serviços de qualidade sem que disponham de algum mecanismo para recuperar essa receita que é tão importante para prestação de serviços.”

Segundo informou Sara Felix, a perda de Fundo de Participação dos Estados (FPE) e do Fundo de Participação dos Municípios (FPM) representam em Minas Gerais R$ 1,4 bilhão, Bahia R$ 1,3 bilhão, São Paulo R$ 1,1 bilhão e Maranhão R$ 928 milhões. 
 

Copiar o texto
23/08/2021 03:00h

Segundo o Hemocentro da Paraíba, os estoques do banco de sangue estão em níveis preocupantes. Instituição também faz apelo por novos doadores de medula óssea

Baixar áudio

Os estoques de sangue do Hemocentro da Paraíba (Hemoíba) estão em situação crítica. Segundo a instituição, a preocupação maior são com as tipagens A positivo, AB positivo e O negativo, que chegaram ao nível crítico. Para mobilizar os paraibanos a doarem sangue, a rede Hemoíba conta o Hemocentro Coordenador, localizado em João Pessoa e, também, com uma estrutura descentralizada.

A Paraíba tem um hemocentro regional, que fica na cidade de Campina Grande. A unidade também recebe candidatos à doação de medula óssea. Com o objetivo de abastecer o banco de sangue e aumentar o número de doadores de medula, a Hemoíba indica que os voluntários devem procurar o hemocentro regional mais próximo e permitir uma pequena coleta de sangue para averiguação do tipo sanguíneo e da compatibilidade.

Logo depois, o cadastro é repassado para o Registro Nacional de Doadores Voluntários de Medula Óssea (Redome), do Instituto Nacional do Câncer (Inca), órgão nacional responsável pelo gerenciamento das informações do doador e do paciente. Caso haja compatibilidade, o Redome entrará em contato com o doador para retirada das células.

Coordenação estadual

Segundo o Redome, a Paraíba possui 88.331 candidatos cadastrados para doação de medula óssea. Cerca de 300 pacientes do estado aguardam pelo transplante. A reportagem procurou o Hemoíba para saber o número de doadores de sangue com cadastro na hemorrede, mas a instituição não soube informar o quantitativo. 

A instituição reforça a necessidade de mais pessoas se tornarem doadores de sangue e medula óssea para atender a toda a demanda hospitalar. A diretora-geral do hemocentro da Paraíba, Shirlene Dantas Gadelha, faz um apelo para que a população se mobilize e compareça em uma das nove unidades de coletas espalhadas pelo estado e ajude a salvar vidas. 

“Eu quero fazer um convite para que você agende a sua doação pelo número 3133-3473. Nós estamos com nossos estoques críticos e só através de vocês conseguiremos fazer essa distribuição para os hospitais. Então, vamos participar dessa corrente do bem, dessa corrente solidária e agendar a sua doação. Doe sangue e salve vidas!”

Atendimento regional 

O hemocentro regional de Campina Grande, no agreste paraibano, atende, sobretudo, a sete municípios. Entre eles, estão: Esperança, Umbuzeiro, Guarabira, Curimataú Oriental e Ocidental. A unidade está localizada na Rua Eutécio Vital Ribeiro, sem número, Bairro Catolé. O telefone para contato é o (83) 3344-5475.

Braço solidário

A transfusão sanguínea é usada para tratar terapeuticamente pacientes com doenças crônicas ou que vão passar por procedimentos médicos e cirúrgicos. Já o transplante de medula óssea pode significar a cura para a maioria dessas pessoas. De acordo com o Redome, a probabilidade de um doador encontrar um receptor compatível é de uma a cada 100 mil, em alguns casos é de uma a cada um milhão.

O barbeiro Arinaldo Azevedo, 36 anos, mora no bairro Cleuza, em Catolé do Rocha, e teve a sorte de ser compatível com duas pessoas. Ele conta que a sua primeira doação de medula aconteceu em 2015, e o receptor morava em Madri, na Espanha. Na época, o paraibano morava em São Paulo e realizou todo o procedimento no município de Ribeirão Preto.

“Eu fiquei seis dias no hospital internado, fazendo alguns exames e tomando uma medicação antes da doação. A recuperação é rápida, não dói e é supertranquilo. Eu digo sempre que para o doador é apenas um incômodo passageiro, mas para o paciente a diferença é entre a vida e a morte.”

Quatro anos depois, Arinaldo repetiu o gesto de solidariedade. Dessa vez, o beneficiado foi um brasileiro, que estava em tratamento contra um câncer. O barbeiro precisou viajar mais de dois mil quilômetros da Paraíba até o Hospital do Amor, em Barretos, no interior de São Paulo. 

“Para mim foi inesquecível, marcou a minha vida por completo. Espero que essa história possa fazer diferença na vida das pessoas que ainda não se tornaram possíveis doadores. Mas para se tornar um doador é preciso ir até um Hemocentro, fazer o seu cadastro. É simples. São apenas oito Mls de sangue ali coletados para que seja feito o seu cadastro.”

Doação de sangue

Marcelo Queiroga, ministro da Saúde, garante que doar sangue é possível graças ao SUS. “Vamos aproveitar essa oportunidade para reafirmar não só as ações de enfrentamento à pandemia, mas também a necessidade contínua de cumprir o preceito constitucional da saúde como direito fundamental. O sangue, ao longo do tempo, simboliza a vida. E, nesse sentido, é importante a doação regular. Doe sangue regularmente. Com a nossa união, a vida se completa.”

Onde doar sangue na Paraíba

Além do hemocentro regional, os voluntários à doação de sangue e medula óssea no estado podem procurar as hemonúcleos e as unidades de coleta e transfusão que ficam nos municípios de Patos, Cajazeiras, Sousa, Catolé do Rocha, Piancó, Itaporanga e Guarabira. Para saber mais informações sobre endereços e horários de funcionamento das unidades, veja o mapa abaixo. 

Critérios para doação de sangue e medula óssea

De acordo com a Coordenação-Geral de Sangue e Derivados do Ministério da Saúde, o procedimento para doação de sangue é simples. Primeiro se faz o cadastro, aferição de sinais vitais, teste de anemia, triagem clínica, coleta de sangue e, depois, um lanche é servido. Isso tudo leva em média 40 minutos.

Vale lembrar que até mesmo quem foi infectado pelo coronavírus pode doar sangue e medula óssea. No entanto, é necessário aguardar 30 dias após completa recuperação da doença. Quem teve contato com pessoas infectadas também precisa esperar 14 dias para poder fazer a doação, apresentando RT-PCR negativo e ausência de sintomas. Já os vacinados devem esperar o tempo de imunização, que vai depender da marca do imunizante.

Para doar sangue é necessário ter entre 16 e 69 anos de idade e pesar no mínimo 50 quilos. Mulheres podem doar até três vezes ao ano com intervalo de três meses entre as doações. Já os homens podem doar até quatro, com intervalo de dois meses entre as doações. A doação é voluntária e uma bolsa de apenas 450mL de sangue pode ajudar até quatro pessoas.

Candidatos a doação de medula óssea devem ter entre 18 e 35 anos, estar em bom estado de saúde e não apresentar doença infecciosa ou incapacitante. Segundo o Redome, algumas complicações de saúde não são impeditivas para doação, sendo analisado caso a caso.

Doar sangue e medula é seguro! Com a pandemia, todos os protocolos de contenção contra a Covid-19 estão sendo realizados. No dia da doação, será preciso apresentar documento de identificação com foto. Para saber onde doar sangue ou se cadastrar para doar medula óssea, acesse hemocentro.saude.pb.gov.br

 

 

 

Copiar o texto
20/08/2021 12:00h

Recursos federais serão usados no abastecimento com carros-pipa em áreas urbanas do estado

Baixar áudio

O Governo Federal vai investir R$ 7,99 milhões de reais em ações contra a seca na Paraíba. Os recursos serão usados pelo estado nos municípios que tiverem a necessidade de abastecimento por carro-pipa em suas áreas urbanas. 

Quase 200 cidades paraibanas encontram-se em situação de emergência por causa de estiagem ou seca.

Em visita a João Pessoa, o coronel Alexandre Lucas, secretário nacional de Proteção e Defesa Civil, informou que o recurso se soma ao montante empregado na Operação Carro-Pipa, que é realizada nas áreas rurais que sofrem com o problema de falta de água.

“O governo federal já atende o estado com a Operação Carro-Pipa, executada pelo Exército com recursos do Ministério do Desenvolvimento Regional, e agora estamos apoiando o estado para que socorra os brasileiros que precisam de água em seus municípios na área urbana.”

A Defesa Civil Nacional acompanha de perto o desastre da seca no Nordeste. Na última semana, enviou três equipes ao interior do Piauí para avaliar melhor a situação dos municípios do estado e definir a liberação de recursos.

Também nesta quinta-feira (19), foram repassados mais de duzentos mil reais para ações de resposta contra as chuvas intensas nas cidades de Rorainópolis e Amajari, em Roraima.

Copiar o texto
16/08/2021 03:00h

Estoques do banco de sangue estão bem abaixo do ideal. Preocupação maior é com os tipos sanguíneos A positivo, AB positivo e O negativo, que chegaram ao nível crítico. Hemorrede faz apelo por mais doações

Baixar áudio

O Hemocentro da Paraíba (Hemoíba) registrou queda de 70% no número de doações de sangue no início da pandemia. No final de 2020, primeiro ano da Covid-19 no país, a redução chegou a 13%. Segundo a entidade, foram coletadas aproximadamente 34 mil bolsas de sangue,  em 2019, contra 38.537 no ano passado. 

Em nota, o Hemoíba informou que as doações voltaram a crescer no primeiro semestre deste ano. De janeiro a junho, mais de 18 mil bolsas foram coletadas na hemorrede estadual. No entanto, em julho, o hemocentro sentiu uma queda de 20% nas doações.  Os estoques do banco de sangue estão bem abaixo do ideal. A preocupação maior é com os tipos sanguíneos A positivo, AB positivo e O negativo, que chegaram ao nível crítico

A rede Hemoíba tem um hemocentro coordenador, localizado na Avenida D. Pedro II, número 1548,  bairro Jaguaribe, em João Pessoa. O telefone para contato é o (83) 3133-3473. Além da capital, há um hemocentro regional em Campina Grande, na rua Eutécio Vital Ribeiro S/N, bairro Catolé. O telefone é o (83) 3344-5475/5482. 

A diretora geral do hemocentro da Paraíba, Shirlene Dantas Gadelha, faz um apelo para que a população se mobilize e compareça em uma das nove unidades de coletas espalhadas pelo estado e ajude a salvar vidas. 

“Quero fazer um convite para que você agende a sua doação pelo número 3133-3473. Nós estamos com nossos estoques críticos e só através de doações conseguimos fazer essa distribuição para os hospitais. Vamos participar dessa corrente do bem, dessa corrente solidária e agenda a tua doação. Doe sangue e salve vidas!”                                                                 

O Hemocentro Coordenador de João Pessoa, na capital, e o Hemocentro Regional de Campina Grande concentram o maior número de doadores de sangue. No outro extremo, o Hemonúcleo de Piancó é o que registra menos contribuições.  

Exemplo de solidariedade 

O médico e bombeiro Junior Paz, 33 anos, mora no bairro Jardim Cidade Universitária, em João Pessoa. Ele começou a doar sangue aos 19 anos durante um curso de formação de soldados da Polícia Militar da Paraíba. De lá para cá, a doação de sangue se tornou uma rotina na vida do bombeiro. 

“Nesses ambientes militares é muito frequente a solicitação de voluntários doadores por parte dos familiares. Desde então, pelo menos uma vez por ano eu doo sangue. Já se foram 19 ou 20 doações.”

De acordo com o Ministério da Saúde, em cada doação, o máximo de sangue retirado é de 450 ml. Uma única doação pode salvar até quatro vidas. Com suas contribuições, Junior conseguiu mudar o destino de 80 pessoas. 

“Doar sangue para mim é um ato de solidariedade, humanidade e um privilégio. Com 30 minutos do seu dia você pode ajudar a salvar vidas de outras pessoas que estão em situações difíceis. Sem falar que em um algum momento a gente pode estar do outro lado necessitando de doações.”

Ele lembra sobre a importância da doação de sangue regular, principalmente nos meses de férias em que aumenta a demanda de transfusão sanguínea e diminui o número de doações. 

“Para quem não é doador, eu aconselho que faça a doação e que seja voluntário, principalmente nesses períodos de início de ano, carnaval, férias, e final de ano que são períodos que aumenta a demanda por bolsas de sangue e diminui o número de doadores. A sensação de poder salvar uma vida é uma sensação indescritível”, disse o médico. 

 

Importância da doação regular

A doação é voluntária e pode beneficiar milhares de pessoas, independente do parentesco. De acordo com o Ministério da Saúde, são realizadas três milhões de doações de sangue por ano na rede do Sistema Único de Saúde (SUS). O ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, destaca a importância da doação regular.

“Vamos aproveitar essa oportunidade para reafirmar não só as ações de enfrentamento à pandemia, mas também a necessidade contínua de cumprir o preceito constitucional da saúde como direito fundamental. O sangue, ao longo do tempo, simboliza a vida. E nesse sentido, é importante a doação regular de sangue. Doe sangue regularmente, com a nossa união, a vida se completa.”

Onde doar sangue na Paraíba

O Hemocentro da Paraíba possui unidades para doação de sangue e medula óssea em diversos municípios.  Os hemocentros regionais estão nas cidades de João Pessoa e Campina Grande. A instituição também dispõe de hemonúcleos e agências transfusionais nos municípios de Patos, Cajazeiras, Souza, Catolé do Rocha, Piancó, Itaporanga, Guarabira, Itabaiana, Monteiro, Princesa Isabel e Picuí. 

Procure uma unidade mais próxima da sua cidade e faça a sua doação. Agende o dia e horário da sua doação por telefone ou através do site da instituição. Para saber mais informações sobre endereços e horários de funcionamento das unidades, veja o mapa abaixo. 

Critérios para doação de sangue e medula óssea

De acordo com a Coordenação-Geral de Sangue e Derivados do Ministério da Saúde, o procedimento para doação de sangue é simples. Primeiro se faz o cadastro, aferição de sinais vitais, teste de anemia, triagem clínica, coleta de sangue e depois o lanche. Isso tudo leva em média 40 minutos.

Vale lembrar que até mesmo quem foi infectado pelo coronavírus pode doar sangue e medula óssea. No entanto, é necessário aguardar 30 dias após completa recuperação da doença. Quem teve contato com pessoas infectadas também precisa esperar 14 dias para poder fazer a doação, apresentando RT-PCR negativo e ausência de sintomas. Já os vacinados, devem esperar o tempo de imunização que vai depender da marca do imunizante.

Para doar sangue é necessário ter entre 16 e 69 anos de idade e pesar no mínimo 50 quilos. Mulheres podem doar até três vezes ao ano com intervalo de 3 meses entre as doações. Já os homens podem doar até quatro, com intervalo de 2 meses entre as doações. A doação é voluntária e uma bolsa de apenas 450mL de sangue pode ajudar até quatro pessoas.

Candidatos a doação de medula óssea devem ter entre 18 e 35 anos, estar em bom estado de saúde e não apresentar doença infecciosa ou incapacitante. Segundo o Redome, algumas complicações de saúde não são impeditivas para doação, sendo analisado caso a caso. 

Doar sangue e medula é seguro! Com a pandemia, todos os protocolos de contenção contra a Covid-19 estão sendo realizados. No dia da doação, será preciso apresentar documento de identificação com foto. Para saber mais sobre os critérios e restrições para doação de sangue e de medula óssea, acesse o site hemocentro.saude.pb.gov.br/.

 

*Os dados sobre o mês de julho se referem até o dia 21 do mesmo mês. A reportagem procurou o Hemoíba para saber se há informações mais atuais, mas a instituição não respondeu até a publicação da matéria.

 

Copiar o texto
06/08/2021 03:00h

O atual sistema tributário brasileiro é o responsável pela baixa competitividade do País, pelo quadro de baixo crescimento da economia e pela perda da posição relativa da indústria no PIB

Baixar áudio

Entre janeiro e junho de 2021, o estado da Paraíba arrecadou um total de R$ 3,79 bilhões de Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS). O total representa uma variação positiva de 25,77% frente ao mesmo período do ano passado. Em 2020, a Unidade da Federação coletou R$ 3,02 bilhões referentes ao tributo. Os números são do Conselho Nacional de Política Fazendária (Confaz).

Mesmo com esse quadro, o deputado federal Aguinaldo Ribeiro (PP-PB) entende que o Brasil precisa atualizar as regras de cobranças de impostos com urgência. Além disso, o parlamentar defende que Congresso Nacional aprove uma reforma tributária ampla, com a união de impostos federais, estaduais e municiais, com o intuito de simplificar o sistema e garantir segurança jurídica.

“Os principais problemas tributários em relação ao consumo estão exatamente no ICMS, que é o imposto que mais arrecada, e não poderíamos atacar um problema sem atacar outro. Não adianta você mudar uma legislação e permanecer com outras, como aconteceu na história do sistema tributário brasileiro”, avalia.

O atual sistema tributário brasileiro é o responsável pela baixa competitividade do País, pelo quadro de baixo crescimento da economia e pela perda da posição relativa da indústria no Produto Interno Bruto (PIB) nacional. Inclusive a Paraíba pode ser afetada. O estado possui, atualmente, PIB industrial de R$ 8,8 bilhões, equivalente a 0,7% da indústria brasileira. Ao todo, o setor emprega 109.825 trabalhadores na indústria. Os dados dão da Confederação Nacional da Indústria.

PL que proíbe despejos na pandemia aguarda sanção presidencial

Defensoria Pública tem déficit de 4,7 mil profissionais no país

Municípios vão receber mais de R$ 4,8 bi por meio de emendas impositivas ao Orçamento 2021

Diante disso, o professor de Direito Tributário do Ibmec Brasília, Thiago Sorrentino, acredita que somente uma reforma tributária ampla, com inclusão de impostos cobrados pela União, estados e municípios, será capaz de colocar o Brasil nos trilhos do desenvolvimento, com geração de emprego e renda.

“A reforma tributária tem que ser ampla. Não adianta fazê-la de forma pontual, nem fatiada. O Brasil é um dos países que têm a maior carga para se obedecer a legislação tributária. Não me refiro nem ao custo do tributo em si, mas o custo para se saber como pagar corretamente esse tributo. Ele é muito alto e chaga à casa de 1.500 horas por ano para uma empresa média”, considera.

Vantagens

Dados que englobam pesquisas de profissionais renomados, que fazem parte de instituições como o Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (IPEA), a Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), a LCA Consultores e a Fundação Getúlio Vargas (FGV) apontam que a Reforma Tributária Ampla pode aumentar em até 20% o ritmo de crescimento do PIB do Brasil nos próximos 15 anos.

Esse resultado será consequência de ganhos de competitividade da produção nacional em relação aos competidores externos e da melhor alocação dos recursos produtivos.

De acordo com o IPEA, por exemplo, com as alterações na forma de se cobrar impostos no Brasil, a pressão dos tributos poderá sofrer uma queda para o cidadão de menor renda, contribuindo para a diminuição das desigualdades sociais.
 

Copiar o texto
Desenvolvimento Regional
26/06/2021 03:00h

O empreendimento está sendo executado em parceria com o governo estadual e vai receber as águas do Rio São Francisco

Baixar áudio

O Ministério do Desenvolvimento Regional, o MDR, liberou mais de 47 milhões de reais para continuidade das obras da Vertente Litorânea, na Paraíba. O empreendimento está sendo executado em parceria com o governo estadual e vai receber as águas do Rio São Francisco. No total, o Governo Federal já investiu mais de 1 bilhão e 200 milhões de reais na obra.

A obra conta com 129 quilômetros de extensão e, até o momento, tem mais de 83 porcento de execução nos dois primeiros lotes. A previsão de entrega dessas etapas é no fim deste ano.

Sérgio da Costa, secretário nacional de Segurança Hídrica do MDR, destaca a importância da obra para a população paraibana.

"Uma obra importantíssima para a mesorregião agreste da Paraíba, uma obra que vai beneficiar mais de 37 municípios, direta e indiretamente, com isso beneficiar mais de 600 mil pessoas. Isso é o governo Jair Bolsonaro, o MDR, através do Ministro Rogério Marinho, trabalhando pela segurança hídrica no Nordeste."

Além do fornecimento de água para o consumo humano, a Vertente Litorânea vai dar apoio no desenvolvimento regional, especialmente na irrigação, pecuária e indústria locais.

Para saber mais sobre ações de segurança hídrica do Ministério do Desenvolvimento Regional, acesse mdr.gov.br.

Copiar o texto
21/06/2021 10:30h

A imunização acontece hoje, a partir das 15h, no Corpo de Bombeiros de João Pessoa, Campina Grande, Patos e Sousa

Baixar áudio

Paraíba distribui mais de 6.700 doses de vacina contra a Covid-19 para imunizar 100% das forças de Segurança Pública. A imunização está marcada para começar nesta segunda-feira (21), a partir das 15h, em unidades do Corpo de Bombeiros Militar.

Em João Pessoa, a vacinação ocorrerá na sede do Comando Geral; em Campina Grande será na sede do 2° Comando Regional; em Patos, ocorrerá na sede do 3° Comando Regional; e em Sousa será na sede do 6° Batalhão.

O público-alvo são policiais militares, policiais civis, bombeiros militares e policiais penais da ativa, que estão trabalhando no enfrentamento direto ao coronavírus, desde o início da pandemia.

Covid-19: Brasil ultrapassa marca de meio milhão de mortos

Anvisa autoriza estudo sobre dose de reforço da vacina da Pfizer

A vacinação dos agentes de Segurança Pública já foi iniciada em 8 de abril, com lotes semanais distribuídos de acordo com os critérios do Plano Nacional de Imunização (PIN). A vacinação é feita por esquema de drive-thru - sem que os indivíduos precisem sair de seus veículos. 

Copiar o texto
18/06/2021 15:00h

Moradias fazem parte do Condomínio Vista do Verde dois, que recebeu R$ 18,4 milhões em investimentos federais

Baixar áudio

O Governo Federal entregou nesta sexta-feira, 18 de junho, 192 apartamentos a famílias de baixa renda de João Pessoa, na Paraíba. As moradias fazem parte do Condomínio Vista do Verde dois e vão beneficiar aproximadamente 800 pessoas. O residencial recebeu 18 milhões e quatrocentos mil reais em investimentos federais.

A contratação original previa um valor de R$ 11 milhões e 700 mil reais. Mas com a paralisação das obras em 2015, foi necessário um aporte extra de 6 milhões e 700 mil para a continuidade dos trabalhos em agosto de 2019. 

Durante o evento, o ministro do Desenvolvimento Regional, Rogério Marinho, ressaltou o esforço do Governo Federal em atender as pessoas que mais precisam e não deixar obras paradas.

"Herdamos uma carteira com mais de 350 moradias no Faixa 1. 140, 150 mil unidades paralisadas, a exemplo desta aqui, que estava paralisada desde 2015. Fizemos um esforço, uma espécie de grande força tarefa para que cada um desses empreendimentos fosse escrutinado e fosse retomado, que é outra orientação que recebemos do presidente: não deixar obras paradas."

O Condomínio Vista do Verde 2 é composto por dois conjuntos habitacionais, cada um com 192 apartamentos de 44 metros quadrados. O primeiro módulo do residencial foi entregue em janeiro deste ano.

Leonardo Figueiredo Bernardo, de 29 anos, foi um dos beneficiados com a nova moradia. Cadeirante, ele conta a alegria de receber do Governo Federal um apartamento todo adaptado.
 
"Faz mais ou menos uns oito anos que estamos persistindo, e nunca desistimos. E hoje, graças a Deus, a gente realizou. Foi muita emoção. Estou muito feliz. É bem completo. Para as crianças também vai ser muito bom. Tem escola perto, creche. Vai ser tudo bom."

O residencial integra o Programa Casa Verde e Amarela, que tem como meta atender 1 milhão e 200 mil famílias até o fim de 2022. 

Para saber mais sobre as ações em habitação do Ministério do Desenvolvimento Regional, acesse: mdr.gov.br.

Copiar o texto
Brasil 61