Cadastro de mídia

TERMO DE USO E PARCERIA

TERMO DE USO E PARCERIA

1º - A utilização gratuita e livre dos materiais produzidos pelo Brasil 61 só será permitida depois que este termo de parceria for aceito pelo usuário, prevendo as seguintes regras:

a) A utilização do material - na íntegra, ou em partes - só será permitida desde que as informações não sejam distorcidas, manipuladas ou alteradas.

b) Não é necessário a identificação do Brasil 61 na hora da replicação do conteúdo. Mas toda e qualquer veiculação de áudios produzidos pelo Brasil 61 prevê o cadastro no site, com a disponibilização de dados que serão utilizados para a organização do mailing desta empresa,

2º - OBRIGAÇÕES DO BRASIL 61

a) O Brasil 61 se compromete, a partir deste termo de uso, a produzir conteúdo particularizado diariamente, trazendo informações de dia-a-dia e bastidores do Planalto Central, além de outras temáticas de relevância do noticiário nacional. 

b) O acesso ao conteúdo jornalístico (na versão de leitura) é livre e gratuito, podendo ser replicado por qualquer usuário que acesse o site. O download do áudio para que seja utilizado na programação das rádios requer que o usuário realize o login no site do Brasil 61 - informando e-mail e senha cadastrados. 

3º - OBRIGAÇÕES DOS COMUNICADORES PARCEIROS

Não alterar o sentido dos materiais, ou distorcer fala de entrevistados ou mudar a conotação das mensagens dos materiais. 

ADENDOS IMPORTANTES SOBRE A PARCERIA

a) O Brasil 61 poderá distribuir conteúdo patrocinado com ou sem assinatura dos clientes patrocinadores do boletim e sem aviso prévio ao comunicador. 

b) As rádios parceiras não vão ter participação financeira sobre o faturamento do Brasil 61.

c) Os comunicadores podem patrocinar os conteúdos do Brasil 61, desde que não alterem o sentido e a conotação dos conteúdos oferecidos. Nesses casos, o Brasil 61 não terá participação nos lucros conquistados pelos veículos parceiros. 

Ao clicar em ACEITO, a emissora aqui cadastrada afirma concordar e estar ciente de todas as condições apresentadas neste Termo de Utilização de Conteúdo.

Política de privacidade

Nós do Brasil 61 coletamos e usamos alguns dados dos nossos leitores com o intuito de melhorar e adaptar nossas plataformas e nossos produtos. Para isso, agimos conforme a Lei Geral de Proteção de Dados (Lei 13.709/2018) e nos esforçamos para sermos transparentes em todas nossas atividades.

Para podermos oferecer melhores serviços e veicular peças publicitárias de nossos anunciantes, precisamos conhecer certas informações dos nossos usuários.

COMO O BRASIL 61 COLETA SEUS DADOS

– Quando você se cadastra e cria um usuário no Brasil 61

Quando você entra no nosso site, fornece informações (dados) para a criação do usuário. Estes dados são usados para orientar a estratégia do Brasil 61 e o desenvolvimento de novos serviços e/ou produtos. Essas informações são fornecidas voluntariamente por você leitor e não são compartilhadas com nenhum terceiro.

– Quando você acessa o site do Brasil 61 (www.brasil61.com.br) ou abre uma de nossas newsletters enviadas por e-mail

O Brasil 61 usa tecnologias como cookies e pixel tags para entender como é a sua interação com as nossas plataformas. Esses dados permitem saber, por exemplo, de que dispositivo você acessa o site ou em que links você clicou e quanto tempo permaneceu lendo as notícias. 

COMO O BRASIL 61 USA OS SEUS DADOS

Nós, do Brasil 61, usamos seus dados sempre com a principal intenção de melhorar, desenvolver e viabilizar nossos próprios produtos e serviços a você leitor.

Seus dados são sempre analisados de forma não individualizada, mesmo os que são fornecidos vinculados seu nome ou ao seu endereço de e-mail. 

Os dados em conjunto são analisados para criar relatórios estatísticos de audiência sobre as páginas, textos e meios de acesso ao site e às newsletters. 

Esses relatórios são compartilhados com nossos anunciantes e patrocinadores e servem para modelar estratégias e campanhas institucionais.

As informações que você fornece durante a criação do cadastro do seu usuário no Brasil 61 são utilizadas para a formulação de estratégia comercial e desenvolvimento de novos produtos e/ou serviços.

Essas informações individualizadas podem ser usadas pelo Brasil 61 para o envio de campanhas comerciais e divulgação de serviços e/ou produtos próprios. Não são compartilhadas com nenhum terceiro.

As informações captadas por meio de cookies e pixel tags são usadas em relatórios internos de monitoramento da audiência e também em relatórios para os anunciantes verificarem a efetividade de suas campanhas. Essas informações não estão vinculadas a nome ou e-mail dos leitores e são sempre avaliadas de forma não individualizada.

O Brasil 61 compartilha informações captadas por meio de cookies e pixel tags com terceiros, como anunciantes, plataformas de redes sociais e provedores de serviço – por exemplo, o serviço de envio de e-mails. O Brasil 61 também em seu site cookies de terceiros que captam informações diretamente do usuário, de acordo com suas próprias políticas de privacidade e uso de dados. 

O QUE O BRASIL 61 NÃO FAZ COM SEUS DADOS

– Não monitoramos ou coletamos dados de páginas que não pertencem ao Brasil 61.
– Não compartilhamos ou vendemos para terceiros nenhuma informação identificável.

O QUE VOCÊ PODE FAZER SE NÃO QUISER MAIS QUE SEUS DADOS SEJAM USADOS PELO BRASIL 61

– Caso não queira que o Brasil 61 use nenhum tipo de cookies, altere as configurações do seu navegador. Nesse caso, a exibição de anúncios e mensagens importantes do Brasil 61 e de nossos anunciantes pode ser prejudicada.

– Caso queira deixar de receber algum newsletter ou e-mail de alertas de notícias, basta clicar em “Unsubscribe”, na parte de baixo do e-mail enviado pelo Brasil 61. 

– Caso queira excluir seu usuário e apagar seus dados individuais da base do Brasil 61, basta enviar um e-mail para: privacidade@brasil61.com

 Última atualização: 24 de dezembro de 2020 

Paraíba

24/02/2021 13:30h

Medida vale até 10 de março e atinge cidades que estão nas bandeiras laranja e vermelha

Baixar áudio

Começa nesta quarta-feira (24) o toque de recolher em municípios paraibanos que estão nas bandeiras laranja e vermelha para conter a disseminação do coronavírus. A medida estabelece que, entre as 22h e 5h, as pessoas só podem se deslocar com alguma justificativa. 

A determinação vale até 10 de março. Além disso, entre outras medidas, bares, restaurantes e lanchonetes ficam abertos das 6h às 16h, com delivery ou retirada de produtos até as 22h. 

Spray desenvolvido pelo Senai elimina a presença do coronavírus em superfícies

Até a última quarta, a Paraíba somava 214.207 casos e 4.404 mortes em decorrência da Covid-19.

Copiar o texto
12/02/2021 13:30h

Também foram anunciados repasses para Recife (PE) e João Pessoa (PB)

Baixar áudio

O Ministério do Desenvolvimento Regional (MDR) autorizou o início das obras no sistema de transporte de passageiros sobre trilhos da Companhia Brasileira de Trens Urbanos (CBTU) em Natal (RN). Também foram anunciados repasses para Recife (PE) e João Pessoa (PB). O investimento federal nas ações será de aproximadamente R$ 89,3 milhões.

O maior montante, de R$ 58,3, milhões será investido na implantação da Linha Branca, em Natal. O empreendimento será composto por 24 quilômetros de via, com quatro estações. As cidades de São José de Mipibú e Nísia Floresta serão beneficiadas com a iniciativa. A previsão é de que cerca de 6,8 mil passageiros utilizem o serviço diariamente com o acesso à capital, além de apoiar o turismo na região.

Senado está pronto para votar projeto que amplia investimentos no setor ferroviário

Ferramenta do Ministério da Economia prevê impactos econômicos de políticas públicas futuras

Na capital pernambucana, R$ 21 milhões serão destinados para a recuperação de coberturas das estações e implantação de acessibilidade para pessoas com deficiência ou mobilidade reduzida na Linha Sul. Já em João Pessoa, o repasse de R$ 10 milhões será utilizado na implantação de quatro desvios que permitirão a redução no tempo de espera e trarão mais conforto e segurança aos passageiros.

 

Copiar o texto
Meio Ambiente
29/01/2021 11:00h

De acordo com a Portaria 325/2020, fica proibido capturar, transportar, beneficiar, industrializar e comercializar o animal nos estados do Amapá, Pará, Maranhão, Piauí, Ceará, Rio Grande do Norte, da Paraíba, de Pernambuco, Alagoas, Sergipe e da Bahia

Baixar áudio

Começa nesta sexta-feira (29) o segundo período do defeso da espécie caranguejo-uçá. De acordo com a Portaria 325/2020, fica proibido capturar, transportar, beneficiar, industrializar e comercializar o animal nos estados do Amapá, Pará, Maranhão, Piauí, Ceará, Rio Grande do Norte, da Paraíba, de Pernambuco, Alagoas, Sergipe e da Bahia. 

O defeso é a proibição da pesca enquanto a espécie se reproduz. A reprodução ocorre em quatro datas diferentes no ano de 2021. São elas: 14 a 19 de janeiro, 29 de janeiro a 3 de fevereiro, 28 de fevereiro a 5 de março e 29 de março a 3 de abril.   

MG: Governo anuncia decretos de regularização ambiental e tratamento de resíduos

Ministério do Meio Ambiente amplia lista de municípios prioritários para ações contra o desmatamento na Amazônia

Ao se deslocar para a reprodução, o caranguejo-uçá torna-se vulnerável à pesca predatória. Sem o período do defeso, as espécies seriam facilmente capturadas. Quem descumprir o período do defeso, terá de devolver os animais vivos ao habitat natural e ficam sujeitos às sanções.

Copiar o texto
Educação
18/01/2021 00:00h

Buscando oportunidade de geração de renda para mudar o cotidiano das mulheres da região, o SENAI, por meio do Centro de Inovação e Tecnologia Industrial (CITI) e em parceria com o Instituto Alpargatas, iniciou um curso de modelagem de vestuário para 13 quilombolas

Baixar áudio

Um local de difícil acesso, onde as oportunidades parecem distantes e a preocupação latente é a sobrevivência. Essas são algumas das dificuldades enfrentadas por quem mora no quilombo Pedra D'água, na região da cidade de Ingá, distante cerca de 50 km de Campina Grande. A área de terrenos íngremes abrange aproximadamente 132,4 hectares onde vivem 101 famílias remanescentes de quilombola, com cerca de 358 habitantes.

Buscando oportunidade de geração de renda para mudar o cotidiano das mulheres da região, o SENAI, por meio do Centro de Inovação e Tecnologia Industrial (CITI) e em parceria com o Instituto Alpargatas, iniciou um curso de modelagem de vestuário para 13 quilombolas.
 
Costureira acostumada a fazer concertos, Maria da Penha Gonçalves da Silva, de 29 anos, sempre teve vontade de avançar nos estudos. Além das dificuldades de acesso à escola, ela enfrentou também a resistência na família. Sem saber ao certo o que era modelagem, ela não pensou duas vezes ao se inscrever quando viu a oportunidade.
 
“É uma coisa assim gratificante, uma coisa boa, que veio em boa hora. Aqui no quilombo de Pedra D’água a gente não tinha muitas oportunidades, nem muitas chances, principalmente de participar de um curso desse. A comunidade da gente antigamente era muito esquecida, deixada de lado”, contou.

Maria da Penha Gonçalves da Silva, aluna do curso de modelagem de vestuário. Foto: Divulgação.

Maria da Penha teve seus sonhos adiados durante muito tempo e a oportunidade de voltar aos estudos com a realização do curso acabou reacendendo outros desejos, como de terminar os estudos e até cursar ensino superior. 
 
“Eu amo o que eu faço, tanto a costura como um dia poder entrar em uma universidade e poder cursar pedagogia. Esses são os meus sonhos e eu vou continuar lutando, eu sei que não vai ser fácil, obstáculo todo dia a gente tem, mas eu vou continuar lutando para que isso venha a acontecer”, disse.
 
Três vezes por semana as integrantes da comunidade se deslocavam do Quilombo para Campina Grande, em um ônibus da prefeitura da cidade de Ingá, para participarem do curso, que proporcionou novas perspectivas e oportunidades. Com 160 horas, o curso teve o equivalente a 2 meses e meio de duração. A certificação das alunas aconteceu no dia 18 de dezembro.

Fiec e Sinduscon-CE firmam parceria para uso de tecnologia revolucionária na construção civil

MS: Escolas do SESI no estado abrem período de matrículas para 2021

Com adesão forte, o gerente do Centro de Inovação de Tecnologia Industrial e Centro de Ações Móveis (CITICAM) do SENAI, Gustavo Andrade, identificou vocação nas mulheres quilombolas inscritas no curso. A maioria já havia realizado trabalho artesanal ou pequenos trabalhos de costura em casa, o que facilitou a aplicação direta para abrir possibilidades futuras.
 
“É importante lembrar também que está sendo feito em nosso estado e nossa região aqui de Campina Grande o investimento de um polo de moda e confecção, então, tudo o que eles aprenderem pode, futuramente, ser transformado em negócio”, ressaltou Gustavo.
 
Sobre a perspectiva para um novo curso, o gerente do Senai afirmou que foi estendida a parceria com o instituto Alpargatas e a prefeitura do Ingá, e que já existem vários cursos programados para este ano na área de alimentos, confecção e construção civil, para atender a essas comunidades. 

Copiar o texto
23/12/2020 12:00h

Horário está mantido para 4 horas da manhã; feira funcionará na véspera do ano novo

Baixar áudio

Por conta do feriado de Natal, a Feira do Produtor que ocorre no pátio da Empaer, na Estrada de Cabedelo, na Paraíba, foi antecipada para o dia 24 de dezembro. O horário de funcionamento, no entanto, foi mantido - a partir das quatro horas da manhã. No ano novo, o governo local decidiu pelo funcionamento no dia 31, seguindo o expediente.

Prazo para preencher CAR e garantir benefícios do Programa de Regularização Ambiental termina no dia 31 de dezembro

Governo quer ampliar tecnologia na agricultura com incentivos fiscais

A decisão foi anunciada pelo gerente das Feiras da Agricultura Familiar da Empaer, Severino Henriques de Lima. Segundo Lima, todos os protocolos sanitários de segurança contra a Covid-19 determinados pela Secretaria de Saúde do Estado vão ser atendidos rigorosamente.

De acordo com o governo da Paraíba, os agricultores familiares participantes da Feira do Produtor são integrantes da Associação do Agronegócio da Região de João Pessoa (Agroa), e comercializam, em média, 40 toneladas mensais de produtos agrícolas vindos diretamente do campo em mais 90 barracas.

Copiar o texto
15/12/2020 03:00h

Francisco Gadelha, presidente da entidade, destacou que os empresários do setor estão muito confiantes

Baixar áudio

Em entrevista coletiva na última quinta-feira (10), o presidente da Federação das Indústrias da Paraíba, Francisco Gadelha, afirmou que a indústria do estado vem se recuperando dos efeitos econômicos da pandemia da Covid-19 e que 2021 será um ano de crescimento. 
 
Para Gadelha, a queda no preço do dólar – que nesta quinta fechou em R$ 5,03, o menor valor desde junho – e a alta na bolsa de valores indicam um cenário mais otimista para o desenvolvimento do país em 2021, o que, por sua vez, impacta diretamente na indústria.
 
“Cremos e estamos vendo que a indústria e os empresários nunca estiveram tão confiantes quanto agora. Estão bastante confiantes. Vamos crescer, sim. A Paraíba vai investir mais e crescer muito mais para atender a essa demanda reprimida durante todo o período da pandemia”, projetou.
 
Responsável por 32,1% do PIB Industrial da Paraíba, o setor da construção deve se manter como o grande motor na geração de empregos no ano que vem, segundo Gadelha. “A construção civil vai contribuir com uma grande parcela. As primeiras faltas [de matéria-prima, insumos] foram de cimento, tijolos, telhas, de componentes da habitação, devido à demanda muito grande”, destacou.
 
Além disso, ele ressaltou que os segmentos de alimentação, metal mecânico e vestuário também devem se sobressair em 2021.

Balanço

Apesar do primeiro semestre negativo, quando o número de demissões foi maior do que o de admissões no estado, principalmente por conta da pandemia da Covid-19, o saldo de empregos é positivo em 2020. Com a recuperação a partir de julho, a Paraíba tem um saldo de 1.437 novos postos de trabalho. Ao todo, 408.850 pessoas têm contrato formal de trabalho no estado.
 
Segundo Daniela Almeida, economista da Fiep, dois fatores explicam a recuperação da economia paraibana no segundo semestre. “Em julho, com a retomada da economia, até pela redução de casos e, também do auxílio emergencial, que injetou recursos na economia, começamos a ter um saldo positivo.”
 
De acordo com a Fiep, a indústria é responsável por 30% dos empregos formais do estado, com 114.819 trabalhadores. Mais uma vez, destaque para a construção civil, que emprega mais de 36 mil pessoas. Os segmentos de alimentação (17.177) e couro e calçados (16.225) vêm em seguida. 
 
Gadelha fez um balanço do ano de 2020. Segundo ele, a atividade econômica caminhava normalmente até fevereiro, até desandar com a chegada do vírus. No entanto, ele ressalta que a Fiep trabalhou para minimizar o impacto da pandemia da Covid-19 sobre a indústria.
 
“Abril e maio foram meses dificílimos. [O vírus] era um inimigo invisível que ninguém sabia como tratar. Nós fizemos um protocolo para a indústria da Paraíba, que não chegou a paralisar. Apesar de todas as dificuldades, esta entidade se esforçou para não que nada parasse. Vamos continuar a produzir cada vez mais”, afirmou.

Copiar o texto
Meio Ambiente
10/12/2020 14:00h

Pesquisa conseguiu produzir bioplástico a partir da palma forrageira. Ideia é minimizar impacto do plástico no meio ambiente e melhorar renda de produtores do sertão nordestino

Baixar áudio

Um projeto desenvolvido por alunos da escola Dionísio Marques de Almeida, do Sesi, na cidade de Patos (PB), vai concorrer na 35ª Mostra Internacional de Ciência e Tecnologia (Mostratec). A equipe formada por Rauanny Silva Alves, Andressa Onassis e Bruno Cézar, sob orientação do professor Rafael Sales Brito, desenvolveu um bioplástico a partir da palma forrageira — planta usada no Sertão Nordestino para alimentar os ruminantes.
 
O projeto de iniciação científica dos estudantes do 3º ano já ganhou repercussão local, porque foi o vencedor da Mostra de Iniciação Científica (MIC) e o escolhido para representar o estado a nível internacional. O objetivo da pesquisa é contribuir com o meio ambiente e ajudar os produtores do semiárido nordestino a obterem mais renda a partir da transformação da fibra da planta em um tipo de plástico. É o que explica Rauanny Silva, 16 anos, uma das integrantes do projeto.
 
“A ideia é produzir o bioplástico, que vai super rentável ao produtor, que vai passar a produzir, além da alimentação do seu gado, o plástico, ou seja, vai aumentar a sua rentabilidade. E é uma planta bastante sustentável, porque a degradação do plástico biodegradável leva meses ou poucos anos, é mínima em comparação com o plástico normal, que leva mais de 400 anos para se degradar”.
 
A estudante diz que a iniciação científica logo no ensino médio foi o que proporcionou o desenvolvimento do projeto, algo que não está ao alcance de boa parte dos estudantes brasileiros. Ela conta que está surpresa com o sucesso da pesquisa e confiante na disputa internacional. “O nosso projeto foi criado no interior da Paraíba. É uma coisa que a gente não esperava. A gente está muito feliz e eufórico confiantes com o nosso projeto, que já passou da fase de testes, o plástico foi produzido”, comemora. 

Orgulho

O professor de Física do Sesi e orientador do projeto, Rafael Sales Brito, se diz muito orgulhoso do trabalho que conseguiu desenvolver junto aos três alunos. Ele lembra que, até conseguirem produzir o plástico a partir da palma forrageira, houve estudo sobre o tema, desenvolvimento de plano de pesquisa, metodologia, entre outras etapas.  Segundo ele, a alegria dos alunos com a participação na Mostratec se explica pelo objetivo da própria pesquisa. “Eles têm o interesse não só da produção de um bioplástico a partir da palma, como também de incentivar os produtores locais a plantarem a planta e conseguirem um pouco mais de renda para as suas famílias”, afirma. 
 
A produção de bioplástico a partir da planta seria um avanço considerável para o meio ambiente. Isso porque o plástico comum é resistente e dura mais tempo antes de se decompor. Além disso, o plástico se fragmenta em pedaços bastante pequenos, o que compromete a vida dos animais, sobretudo aqueles que vivem nos oceanos. Dados divulgados pela ONU apontam que 80% de todo o lixo marinho é composto por plástico. A estimativa é de que até 2050 a quantidade do material supere a de peixes.
 
Rafael destaca que ele e os alunos estão “eufóricos” com os resultados do projeto. “É um evento de importância internacional e um projeto que foi desenvolvido aqui na cidade de Patos, no Sertão da Paraíba, aceito para representar o estado e a nossa cidade nesta feira virtual, promovendo a pesquisa e a iniciação científica. Ver o sucesso dos seus orientandos é algo ímpar, uma sensação incrível. Acompanhar todo esse processo e vê-los desenvolvendo-se e amadurecendo dentro da pesquisa é algo substancial”, celebra.

Mostratec

Realizada anualmente em Novo Hamburgo, Rio Grande do Sul, a Mostratec é uma feira de ciência e tecnologia internacional. O principal objetivo do evento é estimular estudantes na atividade de iniciação científica e tecnológica, de forma a acelerar o processo de expansão e renovação no quadro de pesquisadores. Este ano, a Mostratec vai ocorrer virtualmente, devido à pandemia da Covid-19, entre os dias 9 e 11 de dezembro. Esta edição vai contar com 229 trabalhos e a participação de estudantes de doze países.

Copiar o texto
02/12/2020 01:00h

Documento revela ainda grandes desigualdades entre as regiões e forte concentração de recursos voltados para o setor de saúde privada em relação ao SUS

Baixar áudio

O Brasil está vivendo um aumento no número de novos casos e mortes de pessoas contaminadas pela Covid-19 em alguns estados e municípios ao longo das últimas semanas. Isso é o que revela o novo Boletim Observatório Fiocruz Covid-19, que mostra a taxa de incidência, que já se encontrava em níveis altos por todo o País, mas agora voltou a subir.

Esse boletim é realizado por uma equipe multidisciplinar de pesquisadores da Fiocruz, com objetivo de estudar a Covid-19 em suas diferentes áreas. O documento é divulgado a cada quinze dias pela instituição, apresentando um panorama geral do cenário epidemiológico da doença com destaque para indicadores como a taxa de ocupação de leitos e dados de hospitalização e óbitos por Síndrome Respiratória Aguda (SRAG), que incluem casos severos da Covid-19.

De acordo com o documento, o diagnóstico inicial da capacidade instalada no País para o atendimento de pacientes graves da Covid-19 revelou grandes desigualdades entre as regiões e forte concentração de recursos voltados para o setor de saúde suplementar em áreas específicas, com grande diferença entre a disponibilidade de leitos de UTI para atender os 75% de cidadãos brasileiros dependentes do SUS e os 25% portadores de planos de saúde.



Esse cenário tem causado impacto na ocupação de leitos de UTI para o tratamento do coronavírus, como exemplifica o subsecretário de Vigilância em Saúde do Espírito Santo, Luiz Carlos Reblin. “Estamos vivenciando o que aconteceu no começo da pandemia. O aumento de casos na região metropolitana deverá firmar um pequeno platô nas próximas semanas e depois segue para uma queda. Paralelo a isso, vai iniciar, também nesse período, um aumento de casos no interior. Isso vai fazer com que tenhamos uma concomitância ainda de casos altos na grande Vitória e o aumento de casos no interior. Isso, para nós, traz uma pressão no sistema assistencial”, disse.

De acordo com Luiz Carlos, o Espírito Santo vai passar por esse quadro “muito bem, pois nós planejamos a quantidade de leitos de UTI, chegando a 715 no auge da pandemia – que foi o estimado para atender com segurança nossos pacientes. Mas se houver um aumento de casos para além do que tivemos no começo da pandemia, o estado pode chegar a 800 leitos” afirmou.

Apesar dessas informações, os pesquisadores do Observatório sugerem cautela quanto a afirmar que o Brasil vive uma “segunda onda” da pandemia, sendo que o cenário epidemiológico deve ser monitorado. A recomendação é a de tomar todas as medidas de proteção, como também orienta a Confederação Nacional de Municípios (CNM).

Especial Covid-19: afinal, o Brasil já está passando pela segunda onda da doença?

Número de internações por Covid-19 volta a subir na Paraíba

Segundo consultor da área de saúde da CNM, Denilson Magalhães, a entidade tem norteado aos gestores municipais que avaliem como a doença tem se comportado pela região para elaborar medidas efetivas na prevenção à Covid-19. Com isso, é necessário observar.

“O que a CNM tem feito, e mantém suas atividades nesse sentido, é orientar que cada gestor desenvolva todas as atividades para monitoramento e identificação dos casos, principalmente, as ações de prevenção da transmissão do coronavírus. Cabe a cada gestor local avaliar a sua situação epidemiológica e definir quais as melhores medidas adotar para ter o controle da pandemia no seu município”, informou Magalhães.

Para a CNM, neste momento, a prevenção e as normas de segurança devem ser prioridade como no início da pandemia. Caso seja necessário, os gestores municipais podem receber auxílio da Confederação com informações e orientações, como a de encaminhar pacientes para a Atenção Primária à Saúde que é a porta de entrada da população ao Sistema Único de Saúde (SUS), como um “postinho de saúde” perto da sua casa.

Copiar o texto
02/12/2020 01:00h

O Plano trata sobre medidas temporárias e emergenciais de prevenção de contágio pela Covid-19 pela Administração Pública

Baixar áudio

A 13ª avaliação do Plano Novo Normal Paraíba revela que houve aumento na taxa de transmissão da Covid-19 nos últimos 15 dias. A avaliação aponta, também, que a variação culminou em um aumento na quantidade de municípios em bandeira amarela e laranja, bem como uma diminuição das localidades em bandeira verde. Isso significa uma maior necessidade em observara tendência de crescimento da circulação do vírus nos municípios paraibanos.

Gestores precisam formular Planos Municipais de Saneamento Básico

Pandemia, eleições municipais e o impacto do pleito nas cidades brasileiras

As novas definições de bandeiras já estão em vigor e as recomendações da Secretaria de Estado da Saúde são as de máxima atenção dos gestores e autoridades sanitárias municipais para garantir o monitoramento efetivo dos indivíduos com sintomas gripais relacionados ao novo coronavírus.

O Plano Novo Normal Paraíba trata sobre medidas temporárias e emergenciais de prevenção de contágio pela Covid-19 pela Administração Pública direta e indireta, bem como sobre recomendações aos municípios e ao setor privado estadual. As bandeiras mostram a situação de cada município, indo da verde como nível normal, passando pelos níveis amarelo e laranja até a bandeira vermelha que representa um nível de mobilidade impedida para evitar novos casos da doença.

Copiar o texto
29/11/2020 23:35h

O deputado federal derrotou Marília Arraes (PT) por uma diferença de quase 100 mil votos; Edvaldo Nogueira é reeleito em Aracaju, e Cícero Lucena volta a comandar a capital paraibana

Baixar áudio

O deputado federal João Campos (PSB) é o novo prefeito de Recife. Ele venceu a disputa contra a candidata Marília Arraes (PT), no segundo turno das Eleições Municipais de 2020, neste domingo (29). Em Aracaju, o atual prefeito, Edvaldo Nogueira (PDT), foi reeleito para mais quatro anos de mandato. Já em João Pessoa, Cícero Lucena (PP) derrotou o emedebista Nilvan Ferreira e vai comandar a capital paraibana a partir de janeiro do ano que vem. 

Na capital pernambucana, a disputa se mostrou menos apertada do que as pesquisas de intenção de voto mostravam há um dia do pleito. Tanto o Ibope, quanto o Datafolha, apontavam empate entre os candidatos, que são primos. Filho do ex-governador Eduardo Campos — morto após acidente aéreo — João Campos conquistou 56,37% dos votos, contra 43,73% de Marília Arraes. 

Presidente do TSE diz que combater a Covid-19 e as Fake News foram prioridade durante as eleições

Mais de 140 urnas precisaram ser substituídas neste domingo (29) na região Nordeste

O novo prefeito de recife é formado em engenharia civil pela Universidade Federal de Pernambuco (UFPE) e está no seu primeiro mandato como deputado federal, após ser escolhido pelos pernambucanos nas eleições de 2018. Ele é, também, vice-líder do PSB na Câmara dos Deputados. 

Em seu discurso após a vitória nas urnas, João Campos homenageou o pai e prometeu governar para todos os recifenses. “Não tem como vir aqui hoje celebrar essa vitória e não lembrar daquele que é minha referência na política, como pessoa, como cidadão, que é meu pai, Eduardo Campos”, disse, antes de completar: “Independente de qual candidato votou, qual é o seu credo, raça e onde mora, nós governaremos para todos os recifenses da nossa cidade."

Arte: Brasil 61

Ex-governador da Paraíba, Cícero Lucena é o novo prefeito de João Pessoa. Ele conquistou 185.055 votos (53,16%). O seu adversário, Nilvan Ferreira, obteve cerca de 20 mil votos a menos, arrematando 46,84% do eleitorado. Lucena vai para o seu terceiro mandato como prefeito da capital paraibana. Ele foi gestor da cidade em 1996 e reeleito em 2000. 

“Eu voltei! É momento de agradecer a Deus por esse instante de poder retornar à vida pública. Também de agradecer a confiança do eleitor de João Pessoa, que compreendeu nossa mensagem. Nossa cidade precisa de um gestor com experiência, equilibrado e com uma visão pro futuro”, destacou Lucena em uma rede social. 

Atual prefeito de Aracaju, Edvaldo Nogueira segue à frente da capital sergipana por mais quatro anos. Com cerca de 150 mil votos, o que representa 57,86%, ele bateu a Delegada Danielle (Cidadania), que obteve 109.864 votos. O pedetista já foi gestor da cidade e é um dos fundadores do PCdoB em Sergipe. 

Em seu perfil no Twitter, o vencedor comemorou o apoio da maioria dos eleitores de Aracaju. “É vitória de Aracaju, é vitória do povo, é vitória do melhor projeto para o futuro da cidade! Muito obrigado, aracajuanos e aracajuanas! Vamos retribuir toda essa confiança com muito amor e muito, muito trabalho!”. 

Copiar o texto