Cadastro de mídia

TERMO DE USO E PARCERIA

TERMO DE USO E PARCERIA

Regras de Uso

1º - A utilização gratuita e livre dos materiais produzidos pelo Brasil 61 só será permitida depois que este termo de parceria for aceito pelo usuário, prevendo as seguintes regras:

a) A utilização do material - na íntegra, ou em partes - só será permitida desde que as informações não sejam distorcidas, manipuladas ou alteradas.

b) Não é necessário a identificação do Brasil 61 na hora da replicação do conteúdo. Mas toda e qualquer veiculação de áudios produzidos pelo Brasil 61 prevê o cadastro no site, com a disponibilização de dados que serão utilizados para a organização do mailing desta empresa,

2º - OBRIGAÇÕES DO BRASIL 61

a) O Brasil 61 se compromete, a partir deste termo de uso, a produzir conteúdo particularizado diariamente, trazendo informações de dia-a-dia e bastidores do Planalto Central, além de outras temáticas de relevância do noticiário nacional. 

b) O acesso ao conteúdo jornalístico (na versão de leitura) é livre e gratuito, podendo ser replicado por qualquer usuário que acesse o site. O download do áudio para que seja utilizado na programação das rádios requer que o radialista realize o login no site do Brasil 61 - informando e-mail e senha cadastrados. 

3º - OBRIGAÇÕES DOS COMUNICADORES PARCEIROS

Não alterar o sentido dos materiais, ou distorcer fala de entrevistados ou mudar a conotação das mensagens dos materiais. 

ADENDOS IMPORTANTES SOBRE A PARCERIA

a) O Brasil 61 poderá distribuir conteúdo patrocinado com ou sem assinatura dos clientes patrocinadores do boletim e sem aviso prévio ao comunicador. 

b) As rádios parceiras não vão ter participação financeira sobre o faturamento do Brasil 61.

c) Os comunicadores podem patrocinar os conteúdos do Brasil 61, desde que não alterem o sentido e a conotação dos conteúdos oferecidos. Nesses casos, o Brasil 61 não terá participação nos lucros conquistados pelos veículos parceiros. 

Ao clicar em ACEITO, a emissora aqui cadastrada afirma concordar e estar ciente de todas as condições apresentadas neste Termo de Utilização de Conteúdo.

Sergipe

14/10/2020 10:40h

O público-alvo desta modalidade serão os alunos que vão participar do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) e estudantes de Anos Iniciais do Ensino Fundamental

Baixar áudio

Por conta do isolamento social provocado pela pandemia do novo coronavírus, os estudantes brasileiros passaram a ter aulas remotas, com o objetivo de evitar contato físico com outras pessoas no ambiente escolar. Em Sergipe, além dos encontros virtuais, o governo do estado também vai promover aulas em formato de podcasts educativos via Rádio Aperipê (AM 630). As aulas terão início a partir do dia 19 de outubro.

O público-alvo desta modalidade serão os alunos que vão participar do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) e estudantes de Anos Iniciais do Ensino Fundamental. A iniciativa foi desenvolvida pela Secretaria de Estado da Educação, do Esporte e da Cultura (Seduc) em parceria com a Fundação de Cultura e Arte Aperipê de Sergipe (Funcap).

Guia de retorno às aulas presenciais para a educação básica é apresentado pelo MEC

As aulas preparatórias para o Enem na Rádio Aparipê AM 630 são baseadas nos cadernos do Preuni Seduc e devem ocorrer de segunda a sexta-feira, das 9h22 às 9h42, com dois momentos de 10 minutos cada. O conteúdo será conduzido pelos professores articuladores do Preuni Seduc.
 

Copiar o texto
02/10/2020 11:30h

Regras são válidas tanto para prefeituras, como para o governo estadual

Baixar áudio

O Tribunal de Contas de Sergipe (TCE-SE) aprovou, nesta quinta-feira (01), resolução que trata sobre a transição de governo, tanto em prefeituras como no âmbito estadual, em meio à pandemia da Covid-19. 

Entre outros pontos, o documento estabelece que o governador ou prefeito, em exercício do último ano de mandato, nomeie servidores para cuidarem da transição, com atribuição de repassar informações e documentos para equipe de transição do próximo gestor. Os funcionários públicos deverão ser nomeados para a função em até 48 horas após o resultado das eleições. 

Eleições 2020: Assassinato em Minas Gerais acende alerta para crimes cometidos contra candidatos

ELEIÇÕES 2020: Mídia e redes sociais podem causar impacto nas urnas

Segundo o presidente do TCE-SE, a resolução deve garantir os princípios de probidade, continuidade dos serviços públicos, responsabilidade e transparência da gestão fiscal. 

Copiar o texto
01/10/2020 11:10h

Prática é vedada pela legislação eleitoral

Baixar áudio

O plenário Tribunal Regional Eleitoral de Sergipe (TRE-SE) condenou, por unanimidade, um deputado estadual ao pagamento de multa de R$ 5 mil, por ter divulgado uma enquete em um rede social, em que fazia uma sondagem sobre o voto dos eleitores durante a eleição. O TRE confirmou a condenação da primeira instância judicial.

Segundo os magistrados, apesar de não ter divulgado o resultado da enquete, o parlamentar buscava o próprio favorecimento. O juiz relator do caso, Dr. Leonardo Souza Santana Almeida, afirmou que o político violou o princípio da igualdade de oportunidades entre os candidatos. 

Propaganda eleitoral na internet e redes sociais já está liberada

Presidência da República divulga documento sobre como realizar a transição de governos municipais

Além disso, segundo o relator, o deputado estadual tentou se eximir da responsabilidade em relação às informações que publica nas redes sociais, o que não tem respaldo na legislação eleitoral.
 

Copiar o texto

Projeto faz uso da luz UV-C para desinfecção. Competição tinha foco no combate à Covid-19

Baixar áudio

A fácil infecção pelo coronavírus através do ar ou simples contato com superfícies contaminadas afastou a população de táxis e transportes por aplicativo e obrigou os trabalhadores da área a adaptarem os veículos para a viagem mais segura de passageiros. Ainda assim, o risco de contaminação de usuários e motoristas é alto, já que diferentes pessoas passam pelo mesmo local todos os dias, mesmo com a circulação reduzida nas cidades. 

Pensando nisso, um grupo de oito alunos do colégio particular COESI, de Aracaju, desenvolveu um sistema de desinfecção para transportes particulares com uso da luz UV-C, chamado de SAFETRIP. O projeto rendeu à equipe ROBOCOE o terceiro lugar geral no Torneio SESI de Robótica – Desafio Covid-19. 

Os estudantes criaram o produto a partir da percepção de que, no transporte privado de passageiros, ainda não havia proteção eficaz tanto para motoristas quanto para os usuários. Na prática, o sistema é de fácil uso. Entre uma viagem e outra, o motorista aciona uma lâmpada que emite a luz UV-C por três minutos, tempo suficiente para a desinfecção do ambiente.

“Vimos que aplicativos de transporte exigiram que os motoristas colocassem um biombo que dividisse a relação entre passageiro e motorista. A relação passageiro com passageiro não havia proteção, já que um sai e outro entra. Quando o passageiro sai, a luz é ligada. Fizemos teste com radiômetro e conferimos que a radiação não passava para o motorista. Quando apaga a luz, automaticamente acaba a radiação”, explica o técnico da equipe, Hélio Igor. “O aparato custa R$ 350. É barato e eficaz. Só com material de limpeza o custo é de cerca de R$ 200 por mês, além do risco de limpar a parte traseira. Com o sistema de desinfecção, só se gasta uma vez. Pessoas passaram a confiar mais nos carros em que aplicamos o sistema e tinham o selo SAFETRIP de proteção ”, completa. 

Equipe do SESI Goiás é premiada em torneio nacional de robótica focado no combate à Covid-19

BA: Projeto de esterilização de livros por ozônio é premiado em torneio nacional de robótica com foco no combate à pandemia

Com sistema sanitizante para estabelecimentos comerciais, equipe do SESI Barra Bonita é premiada em torneio nacional de robótica

O projeto demorou aproximadamente três meses para ficar pronto. A equipe ROBOCOE teve a preocupação de desenvolver algo que fosse viável, eficaz e que alcançasse toda a população, sem restrição de idade. Além de eliminar o coronavírus, o produto também atua contra outros tipos de vírus, bactérias e fungos. Hélio Igor diz que há a possibilidade de produção do sistema de desinfecção em larga escala. Segundo Igor, já há uma fabricante de lâmpadas UV-C interessada no projeto.

“Estamos agora no processo de patente, de registro da solução. É um produto escalável, já foi estudado pela empresa. Já se dispuseram a ser fornecedor das lâmpadas em um primeiro momento, e depois avaliar venda em larga escala. O sistema tem um valor de mercado muito efetivo e há grande chance de ser multiplicado”, diz o técnico. 

Uma das integrantes da equipe ROBOCOE, Sofia Machado Menezes, estudante do 9º ano do ensino fundamental, ressalta a importância do projeto em meio à pandemia e destaca o trabalho em equipe realizado para a conclusão do produto. “É perceptível que nosso projeto é de suma importância, visto que mesmo com o coronavírus, ainda existe mais de 15,4 milhões de pessoas que utilizam o serviço de transporte privado. O SAFETRIP garante segurança a todos durante a corrida”, diz. “Ao decorrer do projeto, percebemos a importância do trabalho em equipe. Todos utilizaram suas habilidades e nos ajudamos mutualmente”, completa. 



O torneio

O Torneio SESI de Robótica – Desafio Covid-19 teve quase dois mil estudantes inscritos de escolas públicas e particulares de todo o país. Ao todo, foram pouco menos de 400 equipes disputando as primeiras colocações. A competição tinha o objetivo de estimular o desenvolvimento de projetos de diagnóstico, prevenção ou combate ao coronavírus.

Sete equipes foram premiadas: primeiro, segundo e terceiro lugares no geral, e ainda prêmios para o Melhor Projeto de Pesquisa; Melhor Projeto em Criatividade e Inovação; Melhor Proposta de Empreendedorismo e, também, de Impacto Social.

Todas as sete vencedoras receberam medalhas individuais por competidor e um troféu por equipe, da respectiva categoria conquistada. Além disso, as três primeiras colocadas foram convidadas a expor seus projetos em um stand exclusivo, durante o próximo Festival SESI de Robótica, previsto para ocorrer em maio de 2021.
 

Copiar o texto
23/09/2020 04:00h

Projeto de Lei 6407/2013, aprovado na Câmara dos Deputados no início de setembro, aguarda agora deliberação do Senado

Baixar áudio

A abertura do mercado de gás pode ser um dos caminhos para o Brasil reaquecer a economia no cenário pós-pandemia. A descentralização das atividades do segmento pode abrir as portas para atração de investimentos no estado de Sergipe e baratear o preço final do produto ofertado ao consumidor. Na primeira quinzena de setembro, Sergipe avançou mais um passo rumo à abertura do mercado do gás natural. 

A Agência Reguladora dos Serviços Públicos do estado (Agrese), com base em pleito apresentado pela Sergas (Sergipe Gás S/A), autorizou a Tarifa de Movimentação de Gás Natural (TMOV) ao segmento de grandes usuários em Sergipe, ou seja, aqueles que consomem acima de 100.000 m³ por dia. A medida possibilita à Sergas estabelecer contratos diretamente com os grandes consumidores para fazer o transporte e a movimentação do gás. 

Com abertura do mercado e ampliação da concorrência, preço do gás pode ficar mais barato em Minas Gerais

Aprovada na Câmara, Nova Lei do Gás pode beneficiar indústria paulista

DF: Hoje restrito ao setor automotivo, gás natural pode beneficiar mais segmentos da economia local com a Nova Lei do Gás

Além de ser opção mais barata para geração de energia, o gás natural também é usado como matéria-prima pela indústria. No entanto, a ampliação do mercado do combustível em território nacional esbarra no monopólio da Petrobrás, que afeta o preço final pago pelo consumidor. Para quebrar o domínio da estatal e deixar o produto mais barato, a Câmara dos Deputados aprovou no início de setembro o Projeto de Lei 6407/2013, também conhecido como Nova Lei do Gás. A matéria aguarda deliberação do Senado. 

“Estamos em um mercado que tem uma defasagem de dez anos por causa do monopólio que se instalou nesse setor nesse período”, destaca o relator da proposta na Câmara dos Deputados, Laercio Oliveira (PP-SE). “Tivemos um retrocesso muito grande e esperamos superá-lo justamente com esse Marco do Gás. O projeto promove uma abertura imensa no setor de gás. Promove atratividade de investimentos, atração de empregos, promove o resgate da indústria brasileira, que perdeu competitividade em função do tempo que esse setor viveu de monopólio.” 

O Ministério da Economia estima que o marco regulatório deve trazer investimentos da ordem de R$ 60 bilhões por ano para o Brasil. Já a Confederação Nacional da Indústria (CNI) aponta que a Nova Lei do Gás tem potencial para gerar mais de quatro milhões de empregos em todo o país nos próximos anos.

Infraestrutura

A Nova Lei do Gás também propõe avanço na construção das tubulações de transporte de gás, os chamados gasodutos, através da redução da burocracia. Para o diretor do Centro Brasileiro de Infraestrutura (CBIE), Adriano Pires, a rede brasileira de escoamento de gás é insuficiente para a grande quantidade de combustível produzido no pré-sal brasileiro.

“O cenário de infraestrutura no Brasil de gás natural é muito precário. São três rotas de escoamento de produção de gás e existe muito gás para ser escoado do pré-sal. Gasodutos de transporte e distribuição também precisam ser aumentados. O Brasil tem uma das menores redes do mundo”, avalia Pires.

O PL assegura ainda o acesso a infraestruturas essenciais, como escoamento, processamento e terminais de gás natural liquefeito. Para isso, as companhias precisariam apenas de autorização da Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP), que regula o setor no Brasil, em vez de passar por licitação pública, como ocorre atualmente.

O diretor de Eletricidade e Gás da Associação Brasileira dos Comercializadores de Energia (Abraceel), Bernardo Sicsú, espera que o projeto seja aprovado no Senado sem alterações. Ele destaca, também, pontos que considera cruciais no sucesso da Nova Lei do Gás. 

“A partir de estímulo à livre iniciativa, de redução das barreiras para entrada de agentes, você cria um cenário para melhor utilização das infraestruturas existentes e também [dá] segurança jurídica para novos investimentos, que são fundamentais para a retomada do crescimento. O PL solidifica as bases para o aumento da produção e do número de vendedores e é isso o que vai fazer com que o preço do gás caia”, destaca.

Copiar o texto
21/09/2020 11:00h

Investimento é voltado para a aquisição de alimentos e construção de cisternas escolares

Baixar áudio

O governo federal autorizou o repasse de cerca de R$ 70 milhões para os estados de Alagoas e Sergipe para promover segurança alimentar e nutricional, além de facilitar o acesso à água na região do semiárido nas unidades da Federação. As verbas repassadas são provenientes do crédito extraordinário autorizado pela Medida Provisória 957, editada pelo presidente Jair Bolsonaro.

“Preço do arroz deve permanecer entre R$ 5 e R$ 7 até março do ano que vem”, afirma presidente da Abiarroz

Mais 117 municípios serão beneficiados com os recursos do Programa de Aquisição de Alimentos

Parte dos recursos será destinada ao Programa de Aquisição de Alimentos (PAA). Com o investimento, o governo espera que todos os 102 municípios alagoanos e as 75 cidades sergipanas sejam beneficiadas. 

Copiar o texto
05/09/2020 10:00h

Dos 209 leitos de UTI criados e instalados pela Secretaria de Estado da Saúde (SES), 78 foram contratados em unidades hospitalares filantrópicas, instituição de ensino federal e privadas

Baixar áudio

Com a redução na ocupação dos Leitos de UTI destinados ao tratamento de pacientes com covid-19, o governo de Sergipe começa a desinstalar os equipamentos e montar estruturas para pessoas com outras doenças. Ao todo, 131 novos Leitos serão distribuídos nos hospitais públicos do estado. A reorganização passará por um processo gradual, à medida que for havendo desocupação.

O governador Belivaldo Chagas afirmou que, após a pandemia, Sergipe ficará com o legado na estrutura da saúde. Segundo ele, “os leitos próprios vão sendo transformados em leitos comuns para urgência. Um legado de pelo menos metade dos leitos.”

Dos 209 leitos de UTI criados e instalados pela Secretaria de Estado da Saúde (SES), 78 foram contratados em unidades hospitalares filantrópicas, instituição de ensino federal e privadas. O estado ficará com um saldo de 131 leitos estruturados na rede pública que vão auxiliar nas cirurgias eletivas e atendimentos de urgência e emergência. A previsão é de que isso tenha início neste mês.

Brasil alcança marca de 80% de curados da Covid-19

Ministério da Saúde discute ações de enfrentamento à pandemia com Conasems e Conass

Ao longo da pandemia, foram contratados 10 leitos no Hospital Nossa Senhora da Conceição em Lagarto; 21 no Hospital Amparo de Maria em Estância; 5 no Hospital do Coração, 16 no Hospital Renascença, 6 no Hospital São José e 14 no Hospital Universitário em Aracaju.

 

Copiar o texto
Economia
03/09/2020 17:00h

O repasse dos valores será realizado com cerca de R$ 2.7 milhões distribuídos entre contatos firmados no Piauí e R$ 3 milhões, em Sergipe

Baixar áudio

Um edital publicado nesta semana pelo Ministério da Cidadania pretende formalizar novos convênios para execução do Programa de Aquisição de Alimentos na modalidade de Incentivo à Produção e ao Consumo de Leite, o PAA-Leite. A medida se destina aos estados do Piauí e Sergipe e prevê a distribuição de R$ 5,7 milhões de reais entre as duas Unidades da Federação.

Os dois estados foram os selecionados porque são os únicos elegíveis ao PAA-Leite que ainda não possuem convênios firmados com o Governo Federal. As aquisições e doações do programa podem ser operacionalizadas em entes federativos que possuem ao menos um município da região do semiárido. A, exceção é o estado do Espírito Santo.

Seguro Rural alcança marca de um milhão de apólices contratadas

MP que facilita acesso ao crédito vai beneficiar agronegócio do país, aponta CNA

O repasse dos valores será realizado com cerca de R$ 2,7 milhões distribuídos entre contatos firmados no Piauí e R$ 3 milhões, em Sergipe. O montante é parte dos R$ 500 milhões liberados pela Medida Provisória 957/2020, que abriu crédito extraordinário, em favor do Ministério da Cidadania, destinados ao Programa de Aquisição de Alimentos.

Copiar o texto
18/08/2020 09:39h

Viagem é feita em defesa do projeto da Nova Lei do Gás, que tramita na Câmara dos Deputados

Baixar áudio

Nesta segunda-feira (17), o presidente Jair Bolsonaro e o ministro de Minas e Energia, Bento Albuquerque, acompanharam a cerimônia de inauguração da maior termelétrica a gás natural da América Latina. A Usina Termoelétrica Porto de Sergipe I tem capacidade para suprir 15% da demanda de energia do Nordeste, o equivalente a 16 milhões de pessoas.

O convite para a inauguração foi feito pelo deputado Laércio Oliveira (PP-SE), relator do projeto da Nova Lei do Gás (PL 6.407/13) na Câmara dos Deputados. O projeto é considerado prioritário pelo governo federal, que agora foi a campo para defender sua aprovação. “O que estamos construindo são instrumentos de transformação no mercado e criando as condições para e remoção de barreiras que dificultam a entrada de novos agentes no setor de gás natural no nosso país”, defendeu o ministro de Minas e Energia, Bento Albuquerque.

Câmara aprova regime de urgência e Nova Lei do Gás deve ser votada em agosto

Aprovação da Nova Lei do Gás pode baratear produção industrial em Minas Gerais

A produção de energia por gás natural é menos poluente do que outros insumos, como diesel e o carvão, mas enfrenta entraves para ser difundida pelo Brasil. A malha de gasodutos é pequena, em comparação com outros países, e a geração de energia usando o insumo precisa ser feita usando gás natural liquefeito (GNL), como no Porto de Sergipe. Onde não há gasodutos, isso acaba por limitar a presença das termelétricas a gás natural ao litoral.

Copiar o texto
15/08/2020 10:00h

No Nordeste, situação epidemiológica em Sergipe também chama atenção

Baixar áudio

O último boletim epidemiológico do Ministério da Saúde sobre a Covid-19, com dados consolidados semanalmente, aponta Roraima como o estado brasileiro com a maior taxa de incidência (5.931,9 casos por 100 mil habitantes) e mortalidade (90,3 óbitos por 100 mil habitantes). O boletim contém dados sobre o novo coronavírus entre 2 e 8 de agosto.

Até quinta-feira (13), o estado somava 38.897 casos e 565 mortes por conta do novo coronavírus, segundo o governo local. Em Roraima, em 13 de agosto, o índice de isolamento era de apenas 37,4%, de acordo com o levantamento da empresa de tecnologia In Loco, sendo a sexta pior taxa em todo o Brasil. 

Segundo Valdirene Oliveira, coordenadora geral de Vigilância em Saúde de Roraima, a baixa adesão ao isolamento por parte da população é o principal fator para a alta incidência da Covid-19. “O estado não possui um isolamento eficaz. No início da pandemia, havia uma taxa de mais de 60%, mas nos últimos meses estamos verificando um déficit grande.” 

No outro extremo do país, no Nordeste, Sergipe aparece em primeiro lugar como o estado da região com a maior incidência de registros (2.796 casos por 100 mil habitantes) e de óbitos (87,1 mortes por 100 mil habitantes) da Covid-19. De acordo com a Secretaria de Saúde, o estado acumula 66.810 mil registros da doença e 1.670 mortes.

Sergipe é a menor unidade da federação do País, em comprimento. Marco Aurélio, diretor de Vigilância em Saúde do governo estadual, argumenta que a baixa extensão territorial contribuiu para os altos índices da Covid-19. “Justamente por ser um estado pequeno, a transmissão foi rápida nos municípios”, explica. 

Covid-19 avança em todas as regiões do Brasil

Análises de amostras de esgoto auxiliam gestores no enfrentamento à Covid-19

Evolução

Hemerson Luz, médico especialista em doenças infecciosas, afirma que ao se fazer análises sobre as taxas de contaminação é preciso avaliar a progressão da doença desde o início da pandemia. “Devemos levar em conta como está ocorrendo a disseminação da doença e lembrar que, apesar de ter uma alta taxa de incidência, o Brasil possui também um índice de pacientes recuperados elevado.”

Segundo o Ministério da Saúde, até 13 de agosto, o índice de infecção da Covid-19 no país era de 1.534,6 casos e a taxa de mortalidade era de 50,2 óbitos por 100 mil habitantes. 

Copiar o texto

Use dados tenha mais votos nas eleições 2020