Rodovias

20/07/2024 00:04h

Motoristas devem ficar alerta, principalmente pelas BRs dos estados do Rio Grande do Sul, Santa Catarina e Rio Grande do Norte

Baixar áudio

Motoristas do Rio Grande do Sul que vão precisar circular pela BR-116/RS devem ficar atentos. A partir das 21h desta sexta-feira (19) até as 9h de domingo (21), em ambos os sentidos da rodovia, haverá obras nas imediações do km 257.

Das 21h de sexta-feira (19) às 9h de sábado (20) será executada a 3ª etapa da desmontagem da passarela antiga, sobre a BR-116/RS.

O tráfego no sentido capital-interior será desviado para a pista contrária, passando sobre o viaduto de Esteio, em apenas uma faixa de trânsito. Já o tráfego sentido interior-capital estará desviado para a rua Independência (junto ao Parque de Exposições Assis Brasil).

A partir das 21h de sábado (20) até as 9h de domingo (21) será executada a 4ª etapa da desmontagem da passarela.

Para a execução dessa etapa, será necessário o posicionamento de um guindaste sobre a pista da BR-116/RS, no sentido interior-capital, sendo o trânsito nesse sentido novamente desviado para a rua Independência (junto ao Parque de Exposições Assis Brasil). O sentido capital-interior estará com fluxo liberado normalmente.

No sábado (20), em função das operações de desmontagem, não será possível aos usuários do trem utilizarem a passarela que está em operação, devendo o acesso à estação ser feito somente pela rua Maurício Cardoso.

RS: um trecho de estrada está totalmente interditado e 16 parcialmente, aponta Ministério dos Transportes

Antônio Henrique Monteiro, advogado especialista em administração pública, ressalta a importância de parar sempre em locais apropriados, quando é preciso sair da estrada:

"Velocidades excessivas aumentam a gravidade dos acidentes mas, principalmente, diminuem o tempo de reação do motorista. Então mantenha uma distância de segurança do veículo à frente. Se atente às condições climáticas, porque a depender de um tempo ruim, de uma chuva muito forte, o ideal é parar num lugar seguro, principalmente se você não conhece a estrada. Já tem postos de atendimento ao usuário, considerados locais seguros seguro para parar", informa.

Santa Catarina

Em Santa Catarina, neste sábado (20), começará o lançamento de vigas para a execução do novo viaduto do km 35 da BR-470/SC, acesso principal a Gaspar, junto à rua Hercílio Zimmermann. Os trabalhos seguirão até o dia 30 de julho, com interdições totais do tráfego em determinados momentos, das 7h às 17h, totalizando 72 interdições ao longo dos 10 dias.

Rio Grande do Norte

Nas estradas do Nordeste os motoristas também devem ficar atentos. A partir da próxima segunda-feira (22), haverá interdição da via marginal da BR-101/RN, no sentido Natal-Parnamirim, entre o km 96,1 (Alameda das Mansões) e o km 96,3 (Av. Governador Tarcísio de Vasconcelos Maia), pelo período de 15 dias. Esta interdição é necessária para a realização de obras de substituição de dutos de drenagem pela CAERN. Os motoristas devem seguir as orientações para acessos alternativos e estar atentos à sinalização implantada no local.

As informações foram divulgadas pelo Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (DNIT).

Copiar textoCopiar o texto
16/07/2024 00:10h

Foram liberados 124 trechos em 11 rodovias federais do Rio Grande do Sul

Baixar áudio

No Rio Grande do Sul, foi registrada interdição total em um trecho em uma rodovia federal, e interdições parciais em 16 trechos em cinco rodovias federais. As interdições estão ocorrendo nas rodovias BR-116, BR-287, BR-290, BR-386 e BR-470. As informações foram apresentadas pelo Ministério dos Transportes, no último Boletim de Recuperação de Rodovias Federais - RS, divulgado na sexta-feira (12).

Até o fechamento desta matéria, foram liberados 124 trechos em 11 rodovias federais que cortam o Rio Grande do Sul. Além disso, 13 trechos estão em obras ou em processo de liberação das pistas e não há segmentos liberados exclusivamente para veículos de emergência.

Confira os trechos com interdições totais ou parciais:

Câmara aprova projeto que permite ao governo criar o Fundo de Investimento em Infraestrutura Social

MG: Obra esperada há 40 anos levará água a mais de 140 mil pessoas em 19 municípios

Antônio Henrique Monteiro, advogado especialista em administração pública, recomenda que os motoristas não usem celulares enquanto estão dirigindo, mantenham uma distância segura do veículo à frente e respeitem os limites de velocidade.

“Tem postos de atendimento ao usuário também, que pode ser considerado um local seguro para parar e descansar adequadamente. [Os motoristas devem] observar a sinalização, ter cuidado com os veículos grandes. Um planejamento da viagem também é muito importante, se é uma viagem mais longa”, explica.

Dados de monitoramento

Os dados foram consolidados entre o Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (DNIT), a Secretaria Nacional de Transporte Rodoviário e a concessionária responsável pelas rodovias federais sob supervisão da Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT).

Copiar textoCopiar o texto
11/07/2024 00:05h

Foram liberados 124 trechos em 11 rodovias federais do Rio Grande do Sul

Baixar áudio

No Rio Grande do Sul foi registrada interdição total em um trecho em uma rodovia federal, e interdições parciais em 16 trechos em cinco rodovias federais. As interdições estão ocorrendo nas rodovias BR-116, BR-287, BR-290, BR-386 e BR-470. As informações foram apresentadas pelo Ministério dos Transportes, no último Boletim de Recuperação de Rodovias Federais - RS, divulgado nesta terça-feira (9).

Até o fechamento desta matéria, foram liberados 124 trechos em 11 rodovias federais que cortam o Rio Grande do Sul. Além disso, 13 trechos estão em obras ou em processo de liberação das pistas e não há segmentos liberados exclusivamente para veículos de emergência.

Confira os trechos com interdições totais ou parciais:

Rio de Janeiro (RJ) adota modelo de "cidade esponja" para controlar enchentes

Internet 5G: Apenas 589 dos 5,5 mil municípios têm sinal ativo

Antônio Henrique Monteiro, advogado especialista em administração pública, destaca que investir na infraestrutura rodoviária leva a uma menor incidência de acidentes.

“Uma boa sinalização horizontal, que é a pintura, as linhas no asfalto, a sinalização, que são as placas de trânsito, e uma iluminação adequada são essenciais para guiar os motoristas. Especialmente à noite ou em condições climáticas adversas. A falta de sinalização pode levar a confusões e decisões erradas”, explica.

Dados de monitoramento

Os dados foram consolidados entre o Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (DNIT), a Secretaria Nacional de Transporte Rodoviário e a concessionária responsável pelas rodovias federais sob supervisão da Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT).

Copiar textoCopiar o texto
09/07/2024 00:07h

Foram liberados 123 trechos em 11 rodovias federais do Rio Grande do Sul

Baixar áudio

No Rio Grande do Sul, foi registrada interdição total em um trecho em uma rodovia federal e interdições parciais em 17 trechos em cinco rodovias federais. As interdições estão ocorrendo nas rodovias BR-116, BR-287, BR-290, BR-386 e BR-470. As informações foram apresentadas pelo Ministério dos Transportes, no último Boletim de Recuperação de Rodovias Federais - RS, divulgado nesta sexta-feira (5).

Até o fechamento desta matéria, foram liberados 123 trechos em 11 rodovias federais que cortam o Rio Grande do Sul. Além disso, 13 trechos estão em obras ou em processo de liberação das pistas e não há segmentos liberados exclusivamente para veículos de emergência.

Confira os trechos com interdições totais ou parciais:

Empresas rodoviárias interestaduais investem 1,2 bilhão de reais em infraestrutura, aponta Abrati

Lei Rouanet terá programa especial voltado à recuperação cultural do Rio Grande do Sul

Antônio Henrique Monteiro, advogado especialista em administração pública, recomenda que os motoristas evitem o uso de aparelhos celulares e sinalizem manobras para evitar acidentes de trânsito. 

“Respeite os limites de velocidade. Isso é crucial, porque essa velocidade é calculada por engenheiros e uma série de profissionais. Velocidades excessivas aumentam a gravidade dos acidentes mas, principalmente, diminuem o tempo de reação do motorista. Mantenha uma distância segura ao veículo à frente para dar tempo também de reagir em caso de uma frenagem brusca”, destaca.

Dados de monitoramento

Os dados foram consolidados entre o Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (DNIT), a Secretaria Nacional de Transporte Rodoviário e a concessionária responsável pelas rodovias federais sob supervisão da Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT).

Copiar textoCopiar o texto
06/07/2024 00:02h

Foram liberados 124 trechos em 11 rodovias federais do Rio Grande do Sul

Baixar áudio

No Rio Grande do Sul, foi registrada interdição total em um trecho em uma rodovia federal e interdições parciais em 17 trechos em cinco rodovias federais. As interdições estão ocorrendo nas rodovias BR-116, BR-287, BR-290, BR-386 e BR-470. As informações foram apresentadas pelo Ministério dos Transportes, no último Boletim de Recuperação de Rodovias Federais - RS, divulgado nesta quinta-feira (4).

Até o fechamento desta matéria, foram liberados 124 trechos em 11 rodovias federais que cortam o Rio Grande do Sul. Além disso, 13 trechos estão em obras ou em processo de liberação das pistas e não há segmentos liberados exclusivamente para veículos de emergência.

Confira os trechos com interdições totais ou parciais:

Gestão: 3 mil municípios têm obras paralisadas

LIXO: Brasil gerou mais de 40 mil toneladas de resíduos de construção

Marlon Bento, especialista em infraestrutura e diretor administrativo da Line Bank BR, recomenda que os motoristas tenham atenção total ao trânsito, para evitar acidentes.

“Sem excesso de velocidade, cuidar com as ultrapassagens. O motorista deve estar usando o cinto [de segurança] e estar com as revisões em dia. Também é importante não ingerir bebida alcoólica. Isso é fundamental para evitar esses acidentes de trânsito nesse momento e sempre”, afirma.

Dados de monitoramento

Os dados foram consolidados entre o Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (DNIT), a Secretaria Nacional de Transporte Rodoviário e a concessionária responsável pelas rodovias federais sob supervisão da Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT).

Copiar textoCopiar o texto
04/07/2024 00:04h

Foram liberados 125 trechos em 11 rodovias federais do Rio Grande do Sul

Baixar áudio

No Rio Grande do Sul, foi registrada interdição total em um trecho de uma rodovia federal e interdições parciais em 16 trechos em cinco rodovias federais. As interdições estão ocorrendo nas rodovias BR-116, BR-287, BR-290, BR-386 e BR-470. As informações foram apresentadas pelo Ministério dos Transportes, no último Boletim de Recuperação de Rodovias Federais - RS, divulgado na terça-feira (2).

Até o fechamento desta matéria, foram liberados 125 trechos em 11 rodovias federais que cortam o Rio Grande do Sul. Além disso, 14 trechos estão em obras ou em processo de liberação das pistas e não há segmentos liberados exclusivamente para veículos de emergência.

O tráfego na BR-470/RS, entre Veranópolis e Bento Gonçalves, foi parcialmente liberado.  A liberação será suspensa em dias de chuva intensa, como medida de segurança.

Segundo o boletim, o local conta com o apoio da Polícia Rodoviária Federal (PRF). A passagem está autorizada para veículos leves, vans, ônibus e caminhões com Peso Bruto Total (PBT) de até 16 toneladas. No trecho que vai do km 178 ao km 201, estão em andamento trabalhos de contenção de encostas, alargamento da pista e construção de aterros.

Confira os trechos com interdições totais ou parciais:

Gestão: 3 mil municípios têm obras paralisadas

LIXO: Brasil gerou mais de 40 mil toneladas de resíduos de construção

Marlon Bento, especialista em infraestrutura e diretor administrativo da Line Bank BR, explica a importância da recuperação de rodovias.

“É preciso ligar uma cidade à outra, ou seja, para as pessoas poderem ter mobilidade para trabalhar, irem ao médico, poderem fazer essas necessidades diárias de locomoção. Além disso é preciso ter as rodovias ligadas para fazer a economia fluir, da maneira que tem que ser”, afirma.

Bento pontua que o transporte de cargas é “fundamental” para a economia brasileira.

Dados de monitoramento

Os dados foram consolidados entre o Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (DNIT), a Secretaria Nacional de Transporte Rodoviário e a concessionária responsável pelas rodovias federais sob supervisão da Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT).

Copiar textoCopiar o texto
27/06/2024 00:04h

Já foram liberados 121 trechos em 11 rodovias federais do Rio Grande do Sul

Baixar áudio

No Rio Grande do Sul há o registro de interdições totais em oito trechos em três rodovias federais e interdições parciais em 14 trechos em quatro rodovias federais. As interdições estão ocorrendo nas rodovias BR-116, BR-153, BR-287, BR-290, BR-386 e BR-470. As informações foram apresentadas pelo Ministério dos Transportes no último Boletim de Recuperação de Rodovias Federais - RS, divulgado nesta terça-feira (25).

Até o fechamento desta matéria, foram liberados 121 trechos em 11 rodovias federais que cortam o estado. Além disso, 12 trechos estão em obras ou em processo de liberação das pistas e não há segmentos liberados exclusivamente para veículos de emergência.

Confira os trechos com interdições totais ou parciais:

Antônio Henrique Monteiro, advogado especialista em administração pública, recomenda que os motoristas fiquem atentos às condições climáticas.

"Pode acontecer um tempo ruim, uma chuva muito forte. [Nesse caso,] o ideal é parar em um lugar seguro, principalmente se você não conhece a estrada. Porque com essas catástrofes climáticas mais recentes, está muito claro que as estradas não estão preparadas para eventos extremos", explica.

Brasil registra mais de 65 mil acidentes de trânsito em 2023, aponta estudo

Dados de monitoramento

Os dados foram consolidados entre o Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (DNIT), a Secretaria Nacional de Transporte Rodoviário e a concessionária responsável pelas rodovias federais sob supervisão da Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT).

Confederação Nacional do Transporte

Após as enchentes que afetaram o Rio Grande do Sul, a recuperação de infraestrutura rodoviária do estado exigirá investimentos de até R$ 27,28 bilhões, dependendo das intervenções necessárias. Essa estimativa foi calculada pela Confederação Nacional do Transporte (CNT) e está detalhada no informe técnico "Transporte em Foco – Enchentes no Rio Grande do Sul", divulgado na segunda-feira (24).

A CNT enfatiza a importância da criação de Salas de Situação para monitorar os cenários de risco que afetam as operações e as infraestruturas de transporte no país, abrangendo ferrovias, rodovias, hidrovias e terminais.

Para a CNT, essas ferramentas permitem identificar as causas dos problemas que comprometem as infraestruturas e encontrar soluções viáveis, além de antecipar eventos que podem prevenir acidentes e perdas de vidas e oferecer alternativas de rotas para otimizar o tráfego.

Copiar textoCopiar o texto
04/04/2024 00:03h

As 112 empresas associadas à Abrati ainda planejam investir mais 3,6 bilhões de reais ao longo de 2024

Baixar áudio

Empresas do setor rodoviário interestadual já investiram 1,2 bilhão de reais, incluindo o segundo semestre de 2023 e as projeções para o primeiro semestre de 2024, para fortalecer a  infraestrutura e os serviços de transporte no Brasil. As informações são do levantamento da  Associação Brasileira das Empresas de Transporte Terrestre de Passageiros (Abrati).

De acordo com a conselheira da Abrati, Letícia Pineschi, o investimento traz benefícios para os usuários do transporte e para os fabricantes de carrocerias, chassis e fornecedores de tecnologia.

“Os investimentos serão utilizados no setor para promover a renovação da frota, o aumento no efetivo da frota de determinadas regiões do país, em tecnologia, para alavancar projetos que estavam paralisados desde a pandemia, e que agora sim podem ter tração novamente. Especialmente por conta da consolidação do novo marco regulatório do transporte, que trouxe segurança jurídica para que os empresários retomassem os investimentos”, informa a conselheira.

As 112 empresas associadas à Abrati, estão planejando investir mais 3,6 bilhões de reais ao longo de 2024. Este montante já está sendo direcionado para contratos com fabricantes de chassis e carrocerias.

Segundo a Abrati, os investimentos também serão direcionados para novas gerações de aplicativos que estão em desenvolvimento para monitorar a demanda, gerenciar receitas e analisar a concorrência. 

A diretora executiva adjunta da Confederação Nacional do Transporte (CNT), Fernanda Rezende, aponta que segundo o levantamento realizado pela CNT, mais da metade das rodovias brasileiras apresentam algum tipo de defeito no pavimento, na sinalização ou na geometria. 

“É fundamental o investimento em rodovias, porque 65% do transporte de cargas e 95% do transporte de passageiros utilizam essa modalidade. E o que a gente tem visto ao longo dos anos é que a qualidade dessa infraestrutura não não está boa”, aponta.

De acordo com Rezende, os investimentos podem aprimorar e adequar as rodovias para que sejam reduzidos a quantidade de acidentes e mortes na malha rodoviária brasileira.

Dados da Polícia Rodoviária Federal mostram que houve um aumento de acidentes e mortes nas rodovias brasileiras em 2023, na comparação com 2022.

No ano passado, foram registrados 166.623 acidentes e 5.615 mortes, contra os 155.266 acidentes de 1.439 mortes em 2022.

Leia mais:

Concessionárias investiram 280% a mais em rodovias federais que poder público em 2022

Brasil se aproximou de investimento recorde em infraestrutura em 2023, mas está longe do patamar ideal

Copiar textoCopiar o texto
23/02/2024 04:30h

Maior volume de recursos tem relação com estado de conservação e segurança das vias, aponta Confederação Nacional do Transporte (CNT)

Baixar áudio

A concessão de rodovias federais à iniciativa privada é a melhor alternativa para modernizar as BRs em todo o país. De acordo com a Confederação Nacional do Transporte (CNT), em 2022, as rodovias federais concedidas receberam, em média, 280% a mais em investimentos que aquelas sob administração do poder público. 

O levantamento aponta que, há dois anos, as concessionárias investiram R$ 486,55 mil por quilômetro nas rodovias federais que administram, enquanto os investimentos do governo chegaram a R$ 127,42 mil por quilômetro. 

Fernanda Schwantes, gerente-executiva de Economia da CNT, explica que o maior volume de investimento se traduz em rodovias mais seguras para os motoristas. 

"Em geral, as concessionárias conseguem promover mais investimento, melhorar a segurança dessas vias e, também, tem um modelo de governança bastante rígido e restrito pela implementação do contrato. São feitas diversas exigências à concessionária, para melhorar a qualidade do serviço para o usuário, como atendimento, o tempo em que uma ambulância vai chegar em caso de acidente", afirma. 

O mesmo levantamento da CNT mostra que a mortalidade nas rodovias federais que estão sob o domínio do poder público é cerca de 40% maior que nas rodovias concedidas à iniciativa privada. 

Entre 2018 e 2021, registraram-se 3,35 óbitos para cada 100 milhões de veículos por quilômetros viajados nos trechos administrados por concessionárias, enquanto o índice foi de 4,69 naqueles gerenciados pelo governo federal. 

Ainda de acordo com a entidade, 64,1% da malha rodoviária concedida à iniciativa privada está em ótimo ou bom estado. Por outro lado, apenas 22,9% das rodovias que continuam na mão do governo estão nessas condições. 

PR: dois lotes de rodovias devem ir a leilão este ano; investimentos podem chegar a R$ 28,3 bi

Região Norte: projeto de concessão inédito para uma rodovia federal em Rondônia deve ir a leilão este ano

Centro-Oeste: região tem seis leilões de rodovias previstos para este ano; investimentos podem chegar a mais de R$ 50 bi

Concessões em alta

A depender do Ministério dos Transportes, o investimento privado em infraestrutura rodoviária deve crescer nos próximos anos. A pasta anunciou que quer leiloar 13 lotes de rodovias federais somente em 2024. 

O leilão dessas BRs resultaria em investimentos da ordem de R$ 122 bilhões durante o  período dos contratos firmados entre poder público e concessionárias. 

Schwantes diz que a CNT é favorável à continuidade da agenda de concessões de forma complementar ao investimento público. "Que o governo não deixe ele, também, de fazer investimentos, porque a gente tem uma oferta reduzida de infraestrutura no país. Só 12% das rodovias são pavimentadas", lembra. 

Especialista em projetos privados, Rodrigo Petrasso diz que o debate em torno da origem do investimento em infraestrutura deve ser "mais técnico do que político". Isso porque, ele conta, há trechos que não são atrativos para a iniciativa privada, o que significa que caberá ao poder público garantir a conservação e melhoria desses ativos. 

"Existe uma tendência do governo – me parece acertada – de tentar empacotar os trechos que são mais atrativos, para garantir os investimentos a partir do setor privado e a rentabilidade, e deixar para o erário público o investimento em trechos que não são tão rentáveis ou que podem até ser deficitários", destaca. 

"Obviamente que esses investimentos públicos ficam muito mais limitados e há um risco político maior em situações como a atual, em que há limitações fiscais, em que há um cenário de déficit fiscal reiterado, mas não tem muito como fugir", completa. 

Para este ano, o orçamento da União prevê cerca de R$ 18 bilhões em recursos para investimento em infraestrutura rodoviária. 
 

Copiar textoCopiar o texto
17/02/2024 06:00h

Concessão de rodovias à iniciativa privada no estado tem como principal objetivo melhorar a infraestrutura logística para o escoamento da produção agrícola

Baixar áudio

Dois lotes de rodovias federais e estaduais do Paraná devem ser leiloados este ano, de acordo com o Ministério dos Transportes. A expectativa da pasta é de que as concessionárias que vencerem a disputa invistam R$ 28,3 bilhões na melhoria da infraestrutura rodoviária. 

Segundo Rodrigo Petrasso, especialista em projetos privados, o leilão dos lotes 3 e 6 de rodovias do Paraná tem como objetivo facilitar o escoamento da produção agrícola do interior do estado rumo aos portos do litoral. 

Em todo o país, o governo planeja fazer 13 leilões de concessão rodoviária ao longo de 2024. Petrasso afirma que, assim como no nível nacional, a concessão de rodovias à iniciativa privada no Paraná visa, em primeiro lugar, reduzir gargalos que atrapalham o transporte de cargas. 

"A realização desses 13 leilões é uma boa notícia, em especial por conta da preocupação de modernizar a malha rodoviária em setores fundamentais para o escoamento de produção de carga, especialmente de commodities agrícolas. Nós temos um gargalo logístico muito grande, especialmente no agronegócio, por conta da escassez da malha ferroviária e da dependência da malha rodoviária e do fato de a malha rodoviária ainda não ter sido expandida de forma suficiente, não ter uma capilaridade adequada e de as rodovias existentes terem capacidade de transporte – até por conta de problemas de manutenção – aquém do que é necessário"

No ano passado, os portos de Paranaguá e Antonina movimentaram mais de 65 milhões de toneladas, maior resultado desde 1935. Apenas duas commodities agrícolas (soja e açúcar) foram responsáveis por 74% da carga destinada à exportação. Boa parte dessa produção é transportada pelas rodovias do estado, como a BR-277, cuja condição geral do pavimento é boa, de acordo com a Confederação Nacional dos Transportes (CNT), mas há trechos tidos como "ruins" ou "péssimos". 

Região Sudeste: governo quer seis leilões rodoviários em 2024 e estima R$ 55,7 bilhões em investimentos

Centro-Oeste: região tem seis leilões de rodovias previstos para este ano; investimentos podem chegar a mais de R$ 50 bi

Região Norte: projeto de concessão inédito para uma rodovia federal em Rondônia deve ir a leilão este ano

Lotes

O lote 3 de rodovias paranaenses que vão à leilão faz parte da chamada Malha Norte, que abrange 17 municípios. O Ministério dos Transportes considera o Paraná um estado de extrema importância para o agronegócio do país e acredita que a concessão das rodovias do Paraná será fundamental para melhorar a logística do estado. 

Fazem parte deste lote as BRs 369, 373 e 376 e as PRs 170, 232, 445 e 090. O governo espera que as concessionárias invistam R$ 13,5 bilhões nos quase 570 quilômetros dessas rodovias que vão à leilão. 

O lote 6, por sua vez, prevê a concessão de duas rodovias federais (BRs 163 e 277) e cinco estaduais (158,180, 182, 280 e 483). O projeto prevê investimentos de R$ 14,8 bilhões nos mais de 656 quilômetros que passarão a ser administrados pela iniciativa privada. A iniciativa está em análise pelo Tribunal de Contas da União (TCU), e deve ir à leilão no segundo semestre deste ano. 

Copiar textoCopiar o texto