Cadastro de mídia

TERMO DE USO E PARCERIA

TERMO DE USO E PARCERIA

Regras de Uso

1º - A utilização gratuita e livre dos materiais produzidos pelo Brasil 61 só será permitida depois que este termo de parceria for aceito pelo usuário, prevendo as seguintes regras:

a) A utilização do material - na íntegra, ou em partes - só será permitida desde que as informações não sejam distorcidas, manipuladas ou alteradas.

b) Não é necessário a identificação do Brasil 61 na hora da replicação do conteúdo. Mas toda e qualquer veiculação de áudios produzidos pelo Brasil 61 prevê o cadastro no site, com a disponibilização de dados que serão utilizados para a organização do mailing desta empresa,

2º - OBRIGAÇÕES DO BRASIL 61

a) O Brasil 61 se compromete, a partir deste termo de uso, a produzir conteúdo particularizado diariamente, trazendo informações de dia-a-dia e bastidores do Planalto Central, além de outras temáticas de relevância do noticiário nacional. 

b) O acesso ao conteúdo jornalístico (na versão de leitura) é livre e gratuito, podendo ser replicado por qualquer usuário que acesse o site. O download do áudio para que seja utilizado na programação das rádios requer que o radialista realize o login no site do Brasil 61 - informando e-mail e senha cadastrados. 

3º - OBRIGAÇÕES DOS COMUNICADORES PARCEIROS

Não alterar o sentido dos materiais, ou distorcer fala de entrevistados ou mudar a conotação das mensagens dos materiais. 

ADENDOS IMPORTANTES SOBRE A PARCERIA

a) O Brasil 61 poderá distribuir conteúdo patrocinado com ou sem assinatura dos clientes patrocinadores do boletim e sem aviso prévio ao comunicador. 

b) As rádios parceiras não vão ter participação financeira sobre o faturamento do Brasil 61.

c) Os comunicadores podem patrocinar os conteúdos do Brasil 61, desde que não alterem o sentido e a conotação dos conteúdos oferecidos. Nesses casos, o Brasil 61 não terá participação nos lucros conquistados pelos veículos parceiros. 

Ao clicar em ACEITO, a emissora aqui cadastrada afirma concordar e estar ciente de todas as condições apresentadas neste Termo de Utilização de Conteúdo.

Região Centro-oeste

Tempo
17/09/2020 18:00h

A temperatura mínima na região pode ser de 24ºC e a máxima de 40ºC

Baixar áudio

A região Centro-Oeste do país deve manter a massa de ar seca com céu claro e poucas nuvens em Goiás, Mato Grosso e no Distrito Federal. Em Mato Grosso do Sul há chances de uma formação de névoa úmida e nevoeiro no sul do estado, mas que logo se dissipa e dá lugar ao sol. Na maior parte da região, a temperatura pode variar entre 24 e 40 graus. Desta forma, a semana termina mais uma vez muito quente e bastante seca. Há expectativa, inclusive, para quebra de recordes com as maiores temperatura do ano. Por todos os estados, a massa de ar seco continua e faz a umidade relativa do ar permanecer baixa, podendo chegar a níveis críticos abaixo dos 12%.

As informações são do Somar Meteorologia.
 

Copiar o texto
17/09/2020 00:00h

Entre as regiões do país, o Centro-Oeste apresentou a maior taxa por 100 mil habitantes

Baixar áudio

A crise sanitária causada pela pandemia voltou a atenção da população para os cuidados preventivos contra a Covid-19. Outra conhecida doença, no entanto, vem apresentando números altos em 2020. Entre 29 de dezembro do ano passado e agosto deste ano, o Ministério da Saúde registrou 924.238 casos prováveis de dengue em todo o país, com taxa de incidência de 439,8 diagnósticos por 100 mil habitantes. 

Entre as regiões do Brasil, Centro-Oeste apresentou a maior taxa com 1.159 diagnósticos por 100 mil habitantes, seguida das regiões Sul (929,2 casos/100 mil habitantes); Sudeste (339,1 casos/100 mil habitantes); Nordeste (240,7 casos/100 mil habitantes) e Norte (106,7 casos/100 mil habitantes). No cenário entre os estados, Acre, Bahia, São Paulo, Mato Grosso do Sul, Mato Grosso, Goiás e Distrito Federal tiveram incidências acima da apresentada no país como um todo. 

Método usado no Brasil ajudou cidade na Indonésia a reduzir casos de dengue em 77%

Américas registram mais de 1,6 milhão de casos de dengue, afirma OPAS

No sul do Brasil, o Paraná também esteve acima da média nacional. O estado teve 227.724 casos confirmados até julho deste ano, segundo a Secretaria Estadual de Saúde. A chefe da Divisão de Doenças Transmitidas por Vetores da pasta, Emanuelle Pouzato, destaca que a maior parte dos criadouros identificados no estado estava dentro dos domicílios e chama atenção para a importância dos cuidados dentro de casa. 

“No período anterior de avaliação, verificamos nos nossos trabalhos que 80% dos criadouros que foram encontrados eram removíveis. São aqueles locais em que, muitas vezes, as pessoas têm pratos, garrafas, tampas, vasos, que possam acumular água. São recipientes que podem ser eliminados do ambiente. Uma vez que conseguimos fazer a eliminação desses materiais, é um criadouro a menos para o mosquito”, diz chefe da Divisão de Doenças Transmitidas por Vetores. 

Emanuelle Pouzato também ressalta que o mosquito Aedes Aegypti tem se adaptado a diferentes ambientes para poder sobreviver. “Muitas vezes foram encontradas larvas do mosquito em locais onde não se encontrava, como fossas que não estavam bem vedadas. É importante, neste momento, que a população esteja engajada na eliminação dos criadouros que são passíveis de eliminação”, completa. 



Do outro lado do país, no Amapá, o cenário é diferente. Houve redução de 78,9% de casos registrados de dengue em agosto de 2020, na comparação com o mesmo período do ano passado. No entanto, mesmo com o número expressivo de queda nos registros da doença, o superintendente de Vigilância em Saúde do Amapá, Dorinaldo Malafaia, alerta que pode haver subnotificação de casos no estado.

“Nossa avaliação é de que, por um lado pode representar subnotificação de casos em virtude do que foi o reflexo do coronavírus, a partir do momento que teve aplicação do isolamento social, quarentena e lockdown. Isso estabeleceu que tivesse uma procura menor por parte da população às unidades básicas de saúde. E também, pode refletir um diagnóstico diferencial, ou seja, uma dificuldade na identificação entre os sintomas da dengue e da Covid-19”, ressalta. 

Malafaia explica ainda que os serviços do poder público de combate à proliferação da dengue foram afetados pela pandemia. “Em virtude do isolamento social e decretos, agentes de endemia não estão indo à campo. Estamos fazendo agora reuniões para retomada dos serviços. Os indicadores epidemiológicos do Amapá estão em queda, o que permite que possamos retomar as atividades de combate ao Aedes”, diz.

Zika e chikungunya

O boletim epidemiológico do Ministério da Saúde também trouxe dados sobre chikungunya. Foram notificados 66.788 casos no país, com taxa de incidência de 31,8 casos por 100 mil habitantes. As regiões Nordeste e Sudeste apresentam o maior número de casos por 100 mil pessoas, com 79,2 casos/100 mil habitantes e 22,0 casos/100 mil habitantes, respectivamente. 

Com relação aos dados de Zika, a taxa foi de 2,8 casos por 100 mil habitantes, em um total de 5.959 casos em território nacional. A região Nordeste apresentou a maior incidência (7,3 casos/100 mil habitantes); seguida das regiões Centro-Oeste (3,4 casos/100 mil habitantes); e Norte (2,0 casos/100 mil habitantes). 

Copiar o texto
Tempo
15/09/2020 18:00h

A temperatura mínima na região pode ser de 18ºC e a máxima de 36ºC

Baixar áudio

A região Centro-Oeste do país se mantém com uma predominância de massa de ar seco e céu aberto no Mato Grosso, Goiás e Distrito Federal. No extremo sul do Mato Grosso do Sul, a previsão é de bastante nebulosidade, mas sem registro de chuva. A temperatura pode variar entre 18 e 36 graus. Além disso, a atenção deve ser redobrada nas horas mais quentes do dia, pois a umidade relativa do ar pode chegar a níveis críticos abaixo dos 20% por toda a região. 

As informações são do Somar Meteorologia.
 

Copiar o texto
Tempo
14/09/2020 18:00h

A temperatura mínima na região pode ser de 15ºC e a máxima de 40ºC

Baixar áudio

Nesta terça-feira (15), a região Centro-Oeste vive mais um dia de calor e tempo seco. Uma massa de ar quente impede a formação de nuvens de chuva então o dia deve ter tempo aberto, com poucas nuvens, com predominância de sol na maior parte de Goiás, Mato Grosso, Mato-Grosso do Sul e no Distrito Federal. 

No Centro-Oeste, a temperatura pode variar entre 15 e 40 graus, com exceção do sul do Mato Grosso do Sul, onde a mínima pode ser de 12 graus. A umidade relativa do ar segue abaixo dos 30% em quase todo o Centro-Oeste. Nas horas mais quentes do dia, a umidade relativa do ar pode chegar a menos de 12%, em uma área que abrange Campo Grande e Cuiabá. Na região mais ao Sul do Centro-Oeste é possível que haja uma melhora passageira na umidade, que pode chegar a 78%. Mas na maior parte do Centro-Oeste é necessário cuidado redobrado - a baixa umidade aumenta o risco de incêndios florestais e danos a saúde. Os especialistas recomendam o consumo de muito líquido e que a exposição ao sol seja evitada, principalmente nas horas mais quentes do dia.

As informações são do Somar Meteorologia.

Copiar o texto
Tempo
13/09/2020 18:00h

A temperatura mínima na região pode ser de 27ºC e a máxima de 40ºC

Baixar áudio

A região Centro-Oeste do país começa a semana com mais uma segunda-feira de altas temperaturas e baixa umidade. Como uma massa de ar quente impede a formação de nuvens de chuva, o dia deve ter tempo aberto e seco, com predominância de sol na maior parte de Goiás, Mato Grosso, Mato-Grosso do Sul e no Distrito Federal. 

No Centro-Oeste, a temperatura pode variar entre 27 e 40 graus. A umidade relativa do ar segue abaixo dos 30% em quase todo o Centro-Oeste. Nas horas mais quentes do dia, a umidade relativa do ar pode chegar a menos de 12%, em uma área que abrange Campo Grande e Cuiabá. É necessário cuidado redobrado - a baixa umidade aumenta o risco de incêndios florestais e danos a saúde. Os especialistas recomendam o consumo de muito líquido e que a exposição ao sol seja evitada, principalmente nas horas mais quentes do dia.

Mas tem uma boa notícia: de acordo com os meteorologistas, a partir da segunda quinzena de setembro o tempo pode ficar mais instável no sul do Mato Grosso do Sul, melhorando a baixa umidade. Já nas outras regiões do Centro-Oeste, a chuva só deve voltar um mês depois, na segunda quinzena de outubro.

As informações são do Somar Meteorologia.

Daniel Marques, o tempo e a temperatura.

Copiar o texto
Tempo
12/09/2020 18:00h

A temperatura mínima na região pode ser de 15ºC e a máxima de 40ºC

Baixar áudio

Neste domingo (13) a região Centro-Oeste do país vive mais um dia de altas temperaturas e baixa umidade. Uma massa de ar quente impede a formação de nuvens de chuva então o dia deve ter tempo aberto e seco, com predominância de sol na maior parte de Goiás, Mato Grosso, Mato-Grosso do Sul e no Distrito Federal.  Em São Félix do Araguaia (MT) e em Aragarcas (GO), já são mais de 125 dias consecutivos sem registro de chuva.

No Centro-Oeste, a temperatura pode variar entre 15 e 40 graus. A umidade relativa do ar segue abaixo dos 30% em quase toda a região, podendo chegar a menos de 12%. É necessário cuidado redobrado - a baixa umidade aumenta o risco de incêndios florestais e danos a saúde. Os especialistas recomendam o consumo de muito líquido e que a exposição ao sol seja evitada, principalmente nas horas mais quentes do dia.

As informações são do Somar Meteorologia.

Daniel Marques, o tempo e a temperatura.

Copiar o texto
11/09/2020 18:00h

A temperatura mínima na região pode ser de 15ºC e a máxima de 40ºC

Baixar áudio

Neste sábado (12), a região Centro-Oeste do país segue com tempo aberto e seco, com predominância de sol na maior parte de Goiás, Mato Grosso, Mato-Grosso do Sul e no Distrito Federal. Uma massa de ar quente segue impedindo a formação de nuvens de chuva. 

Na região, a temperatura pode variar entre 15 e 40 graus. A umidade relativa do ar segue abaixo dos 30% em quase todo o Centro-Oeste, com exceção do sul de Mato Grosso do Sul, e do extremo norte do Mato Grosso, onde a umidade pode variar de 30 a 60%. Nas demais áreas da região, a umidade relativa do ar pode chegar a menos de 12%. É necessário cuidado redobrado - há grande risco de incêndios florestais e danos a saúde. Os especialistas recomendam o consumo de muito líquido e que a exposição ao sol seja evitada, principalmente nas horas mais quentes do dia. 

As informações são do Somar Meteorologia.

Copiar o texto
10/09/2020 18:00h

A temperatura mínima na região pode ser de 15ºC e a máxima de 40ºC

Baixar áudio

A região Centro-Oeste do país tem tempo aberto e seco, nesta sexta-feira, com predominância de sol em Goiás, Mato Grosso, Mato-Grosso do Sul e no Distrito Federal. Uma massa de ar quente segue impedindo a formação de nuvens de chuva.

Na região, a temperatura pode variar entre 15 e 40 graus. A umidade relativa do ar segue abaixo dos 30% em quase todo o Centro-Oeste, com exceção do sul de Mato Grosso do Sul, e do extremo norte do Mato Grosso, onde a umidade pode variar de 30 a 58%. Nas demais áreas do estado, a umidade relativa do ar pode chegar a menos de 12%.

As informações são do Somar Meteorologia.

Copiar o texto
10/09/2020 11:30h

O objetivo dos repasses é melhorar a infraestrutura de áreas urbanas e rurais dessas localidades, com obras de pavimentação asfáltica, construção de pontes, modernização de feiras, drenagem pluvial e compra de maquinários

Baixar áudio

A Superintendência do Desenvolvimento do Centro-Oeste (Sudeco) terminou o mês de agosto com a viabilização de R$ 94 milhões em recursos federais que devem ser repassados a 140 municípios da região. Ao todo, serão contemplados 69 municípios de Mato Grosso, 44 de Goiás e 27 de Mato Grosso do Sul. 

O objetivo dos repasses é melhorar a infraestrutura de áreas urbanas e rurais dessas localidades, com obras de pavimentação asfáltica, construção de pontes, modernização de feiras, drenagem pluvial e compra de maquinários.

Sudene repassa verba para projetos de infraestrutura na Bahia e no Rio Grande do Norte

Fundo Constitucional de Financiamento do Centro-Oeste têm diretrizes definidas por meio de resolução

O superintendente Nelson Fraga, afirma que a agilidade na celebração dos convênios tem sido essencial para apoiar os municípios a melhorarem o Índice de Desenvolvimento Humano (IDH), sobretudo durante a pandemia. Segundo ele, “a equipe da Sudeco tem se empenhado em acelerar o envio de recursos e esperam que os municípios possam superar o estado de calamidade pública, causado pela Covid-19. 

Os convênios firmados entre a Sudeco e os municípios da região integram a Política Nacional de Desenvolvimento Regional (PNDR), implementada pelo Ministério do Desenvolvimento Regional (MDR).
 

Copiar o texto
Economia
10/09/2020 00:00h

FCO é responsável por realizar investimentos em diversos setores econômicos da região

Baixar áudio

O Ministério do Desenvolvimento Regional publicou uma resolução com as prioridades e diretrizes da utilização dos recursos do Fundo Constitucional de Financiamento do Centro-Oeste (FCO) para o próximo ano. O FCO tem como objetivo fomentar o desenvolvimento nos municípios da região e tem entre os seus administradores o Banco do Brasil, que oferece uma linha de crédito com taxas de juros reduzidas a produtores rurais e empresários, segundo o perfil de cada empreendedor. 

Entre os diversos pontos da resolução publicada no Diário Oficial da União (DOU), em 2021 o fundo terá direcionamento prioritário de recursos para os municípios de baixa e média renda. De acordo com a publicação, também haverá tratamento diferenciado os projetos de mini e pequenos produtores rurais e de micro e pequenas empresas.

Nas diretrizes do FCO também é mencionado que o fundo priorize a recuperação e preservação das atividades produtivas afetadas pela pandemia, além do apoio a projetos com foco na geração e preservação de emprego e renda. Gilberto Perre, secretário executivo da Frente Nacional de Prefeitos (FNP), afirma que os investimentos terão um grande peso para retomada econômica na pós pandemia nos municípios brasileiros. 

“Os números demonstram que o investimento municipal representa a maior parcela do investimento público. É esse tipo de investimento que propicia um crescimento econômico vigoroso”, disse Perre em live promovida pela FNP. 

Além de linhas de crédito vantajosas, prefeituras e governos estaduais defendem um maior empenho do governo federal em ações que minimizem a perda na arrecadação de impostos ocasionada pela pandemia. O economista Carlos Eduardo de Freitas defende uma otimização dos repasses da União aos entes federativos, para que esses recursos sejam melhor aplicados. “Os recursos transferidos pela União precisam de mais fiscalização, para que se saiba o que é feito com o dinheiro”

Site deve ajudar na fiscalização de gastos da União com ações de enfrentamento à Covid-19

Empresários de todo o país recorrem a empréstimos para salvar os negócios

Prioridades 

Segundo a resolução publicada pelo governo federal, os recursos do FCO serão preferencialmente aplicados em investimentos de projetos agrícolas sustentáveis, no setor de turismo, empreendimentos médico hospitalares, projetos de saneamento básico, entre outros. 

Copiar o texto

Acesse nossos conteúdos de rádio