Amazonas

24/09/2021 17:31h

Com apoio da Unicef, projeto mobiliza jovens de 22 municípios do Pará e Amazonas. Encontros resultaram em campanha de comunicação, com spots para emissoras de rádio locais

Baixar áudio

O Instituto Peabiru, em parceria técnica com o Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF), iniciou a segunda edição do Te Sai Covid. O projeto mobiliza grupos de jovens a partir de 12 anos, de 22 municípios do Pará e Amazonas, na promoção de cuidados básicos de higiene e enfrentamento à epidemia do novo coronavírus na região Norte.

Os resultados desses encontros apoiaram a construção de uma campanha de comunicação. Quatro spots de rádio fazem parte desta campanha e visam incentivar a população, especialmente adolescentes e jovens, a adotarem as medidas de prevenção, tais como uso de máscara, lavagem correta de mãos, distanciamento social, evitar aglomerações e outros.

COMUNICADOR: Baixe e utilize o terceiro spot da campanha Te Sai Covid! 

Em carta (imagem abaixo), Cláudio Melo pede o apoio das emissoras de rádio dos municípios contemplados na mobilização, ao divulgar voluntariamente os spots nas programações.

Copiar o texto
16/09/2021 03:00h

Revisão do Imposto de Renda foi aprovada na Câmara dos Deputados e prevê R $30 bi a menos nas contas dos estados e municípios

Baixar áudio

A revisão das regras do Imposto de Renda (PL 2337/21) está em análise no Congresso Nacional e o texto prevê uma queda na arrecadação do tributo no estado do Amazonas de cerca de R$ 407 milhões. A estimativa é da Federação Brasileira de Associações de Fiscais de Tributos Estaduais (Febrafite). 

O PL foi aprovado na Câmara dos Deputados e prevê diminuição da carga tributária, taxação dos lucros e dividendos das pessoas jurídicas em 15%, além do aumento da faixa de isenção para as pessoas físicas. 

A conta livra o governo federal de grandes prejuízos com a arrecadação do IR, entretanto, coloca nas costas dos estados um prejuízo de R$ 30 bilhões. Já as cidades podem perder R$ 13,1 bilhões, de acordo com a Frente Nacional de Prefeitos (FNP). Para passar a valer, o projeto aguarda aprovação no Senado. 

Especialistas apontam que a revisão do IR, proposta pela equipe do ministro da Economia, Paulo Guedes, não prevê mudanças nas metodologias de arrecadação dos tributos sobre o consumo – PIS, COFINS, IPI, ICMS e ISS – que de fato pesam nos bolsos dos contribuintes e, ademais, não é capaz de modernizar o modelo atual de recolhimento de impostos, classificado como oneroso e sufocante para o setor produtivo. 

“Ao mesmo tempo em que o governo federal exige dos estados e dos municípios rigor e equilíbrio fiscal, impõe um modelo de reforma tributária repassando a conta para os entes, retirando receita. São os entes que estão mais próximos do cidadão e são os mais cobrados por serviços de qualidade, sem que disponham de nenhum mecanismo para recuperação dessa receita, que é muito importante para prestação desses serviços”, explica Sara Félix, especialista em Direito Tributário da Associação dos Auditores Fiscais de Minas Gerais (AFFEMG). 

Arte: Brasil 61

Reforma Tributária “Ampla” 

Empresários, especialistas e gestores defendem a modernização ampla e necessária do sistema tributário brasileiro é defendida por empresários, especialistas e gestores. A ideia seria instituir no País sistemas unificados de cobranças de impostos, como o IVA (Imposto de Valor Agregado) ou o IBS (Imposto Sobre Bens e Serviços), por exemplo. Os dois modelos já foram discutidos no Congresso Nacional – PEC 45/2019 e PEC 110/2019.

Mudanças no Programa Casa Verde e Amarela facilitam ainda mais a compra da casa própria

Profissionais de segurança pública terão programa para facilitar compra da casa própria

Complicações por doenças cardíacas podem matar 400 mil em 2021

A reforma tributária ampla pode aumentar em até 20% o ritmo de crescimento do PIB do Brasil nos próximos 15 anos, de acordo com pesquisadores do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (IPEA). Segundo eles, esse resultado será consequência de ganhos de competitividade da produção nacional em relação aos competidores externos e da melhor alocação dos recursos produtivos. 

O instituto considera, ainda, que as mudanças na forma de se cobrar impostos no Brasil poderiam reduzir a pressão dos tributos sobre o cidadão de menor renda, o que resultaria na diminuição das desigualdades sociais, e isso, segundo especialistas, não é previsto na proposta do governo federal.

“A reforma tributária do IR não é suficiente para modernizar o sistema tributário. A proposta do governo atrapalha, porque gera maior complexidade na fiscalização e arrecadação desse imposto”, ressalta Fernando Aurélio Zilveti, especialista em Direito Tributário da Universidade de São Paulo (USP). 

O Amazonas arrecadou cerca de R $21 bilhões em impostos federais, estaduais e municipais, de janeiro ao início de setembro deste ano. O valor contribui com 1,2% do total de impostos recolhidos em todo País. O ICMS foi responsável por arrecadar cerca de R$ 7,1 bilhões no estado amazonense, entre janeiro e setembro. 

PL 2337/21

O projeto de lei de autoria do governo federal foi aprovado na Câmara dos Deputados no início de setembro e segue para análise no Senado. A medida, relatada pelo deputado federal Celso Sabino (PSDB-PA), taxa os lucros e dividendos das pessoas jurídicas em 15% e, como forma de compensação, o Imposto de Renda da Pessoa Jurídica (IRPJ) pode ser reduzido de 15% para 8%. A CSLL deve ser reajustada de 9% para 8%. 

As regras de arrecadação do Imposto de Renda da Pessoa Física (IRPF) também devem mudar e a faixa de isenção do tributo pode ser ampliada de R$ 1.903,98 para R$ 2.500,00 mensais.

Copiar o texto
14/09/2021 04:00h

Os recursos serão usados para ajudar os municípios de Parintins e de São Paulo de Olivença

Baixar áudio

Duas cidades do Amazonas vão receber recursos do Governo Federal para investir na defesa civil. Ao todo, serão quase um milhão e meio de reais para ações nos municípios de Parintins e de São Paulo de Olivença. Os recursos serão usados na compra de cestas básicas, colchões e combustível e no aluguel de embarcações. Os dois municípios foram atingidos por inundações.

A decisão foi publicada na edição desta segunda-feira (13) do Diário Oficial da União (DOU).  Por todo o Brasil, estados e municípios podem solicitar recursos do Ministério do Desenvolvimento Regional (MDR), para ações de resposta a desastres naturais e de reconstrução de infraestrutura pública danificada.

Karine Lopes, diretora de Articulação e Gestão da Defesa Civil Nacional, explica como deve ser feita a solicitação. “Para solicitar o recurso, o ente deve ter o reconhecimento federal de situação de emergência ou estado de calamidade pública. Os pleitos devem ser remetidos por meio do S2iD, o Sistema Integrado de Informações sobre Desastres. É importante que todos os municípios estejam cadastrados e com os cadastros atualizados”, destacou.

ORÇAMENTO 2022: prazo para buscar dinheiro de emendas parlamentares pode começar em outubro

“Cenário de volta às aulas em 2021 é desafiador”, diz presidente do Consed

Como solicitar recursos federais

Para fazer a solicitação, os estados e municípios afetados por desastres naturais devem ter decretado situação de emergência ou estado de calamidade pública. Em seguida, é preciso solicitar o reconhecimento federal ao MDR, por meio do Sistema Integrado de Informações sobre Desastres (S2iD). O pedido deve atender aos critérios da Instrução Normativa n. 36/2020.

Depois da publicação do reconhecimento federal por meio de portaria no DOU, o ente federado pode solicitar repasses para restabelecimento de serviços essenciais e reconstrução de infraestrutura pública danificada pelo desastre.

Com base nas informações enviadas por meio do S2iD, a equipe técnica da Defesa Civil Nacional avalia as metas e os valores solicitados. Com a aprovação, é publicada portaria no DOU com a especificação do valor a ser liberado.

Copiar o texto
14/09/2021 03:00h

O local promoveu uma campanha recente com o objetivo de captar mais voluntários para a doação

Baixar áudio

A situação  do estoque de Parintins precisa de uma atenção especial para a tipagem sanguínea O positivo. No entanto, o armazenamento, no geral, está bom, já que a região promoveu uma campanha recente para captar mais doadores, como informa Eliana Maria de Farias, gestora da Unidade de Coleta e Distribuição de Sangue em Parintins.

“A gente pede para que você, doador que estiver em tempo hábil para doação, que doe sangue a fim de que nosso estoque não entre em colapso. Tivemos uma baixa no nosso estoque na pandemia, mas tivemos estratégias que funcionaram para que não ficássemos sem sangue”, relembra.

Doadora diamante 

Com mais de 60 doações acumuladas, Jussara Carla Michilis repete o ato desde 1995. A professora de 62 anos também doou plaquetas e medula óssea. “Doar é um ato de solidariedade e a minha motivação é saber que posso ajudar alguém e isso se chama amor, a cada três meses eu agendo minha doação no Hemoam”, conta a moradora do Bairro Cidade Nova, no Amazonas. 

O Governo Federal, por meio do Ministério da Saúde, reforça a importância da doação regular. “Vamos aproveitar essa oportunidade para reafirmar não só as ações de enfrentamento à pandemia, mas também a necessidade contínua de cumprir o preceito constitucional da saúde como direito fundamental. O sangue, ao longo do tempo, simboliza a vida. E nesse sentido, é importante a doação regular de sangue. Doe sangue regularmente, com a nossa união, a vida se completa”.

Onde doar sangue no Amazonas

Interessados em doar sangue devem procurar a Unidade de Coleta e Distribuição de Parintins, que fica Rua Pedro Ferreira Gonçalves, no 1771, bairro São José. O telefone para contato é o (92) 9912-34710.

Outras unidades também estão disponíveis para receber novos voluntários. Quem mora em Alvarães e Uarini, pode procurar o hemocentro regional de Tefé no endereço na – Estrada do Bexiga, sem número, cujo telefone é (97) 99164-4651.

Moradores de Itapiranga, Nova Olinda do Norte ou Silves, podem procurar o Hemocentro Regional de Itacoatiara no endereço Rua Acácio Leite, número 2593, no Hospital Geral, no bairro Iraci. Para ligar, disque (92) 99178-5484. Para saber mais informações sobre endereços e horários de funcionamento das unidades mais próximas de você, veja o mapa abaixo.

Critérios para doar sangue

Para doar sangue é necessário ter entre 16 e 69 anos de idade. Para os menores de idade, é preciso apresentar autorização dos responsáveis e os idosos entre 60 e 69 anos só podem doar se já o tiverem feito antes dos 60.

Além disso, é essencial pesar no mínimo 50 quilos e estar em bom estado de saúde. O doador pode doar até quatro vezes ao ano se for do sexo masculino (com intervalo de 2 meses entre as doações) e três vezes se for do sexo feminino (com intervalo de 3 meses entre as doações). Doar sangue regularmente é seguro e não apresenta riscos à saúde, pois todos os materiais utilizados para doação de sangue são descartáveis e de uso único. “O volume coletado não ultrapassa nem 15% da quantidade total que o doador possui e depois de 24 horas o volume é reposto naturalmente”, como reforça a Coordenação-Geral de Sangue e Hemoderivados da Secretaria de Atenção Especializada à Saúde do Ministério da Saúde.

Segurança na doação durante a pandemia

Todos os hemocentros e unidades de coleta do país adotaram os protocolos de contenção contra a Covid-19. As doações estão sendo realizadas através de agendamento prévio pela internet ou telefone para evitar aglomerações. Vale lembrar que até mesmo quem foi infectado pelo coronavírus pode doar sangue e medula óssea. No entanto, é necessário aguardar 30 dias após completa recuperação da doença.
 
Quem teve contato com pessoas infectadas também precisa esperar 14 dias para poder fazer a doação, apresentando RT-PCR negativo e ausência de sintomas. Já os vacinados, devem esperar o tempo de imunização que vai depender da marca do imunizante. Os vacinados com a CoronaVac devem aguardar 48 horas. E o tempo de espera para outras vacinas é de sete dias.
 
Vale lembrar que todos os tipos sanguíneos são importantes e não há um substituto para o sangue. Pessoas com doenças crônicas, tais como a talassemia e a doença falciforme, pessoas com determinados tipos de câncer, assim como aquelas que se submetem a transplantes e cirurgias de grande porte ou que se acidentam necessitam de transfusão de sangue.

Procure o hemocentro ou unidade de coleta mais próxima de sua região e agende a sua doação de sangue. Uma bolsa de apenas 450mL de sangue pode salvar até quatro vidas. Seja solidário. Doe sangue!
 
Mais informações sobre endereços e horários de funcionamento estão disponíveis no site hemoam.am.gov.br.

Copiar o texto
13/09/2021 18:30h

Com apoio da Unicef, projeto mobiliza jovens de 22 municípios do Pará e Amazonas. Encontros resultaram em campanha de comunicação, com spots para emissoras de rádio locais

Baixar áudio

O Instituto Peabiru, em parceria técnica com o Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF), iniciou a segunda edição do Te Sai Covid. O projeto mobiliza grupos de jovens a partir de 12 anos, de 22 municípios do Pará e Amazonas, na promoção de cuidados básicos de higiene e enfrentamento à epidemia do novo coronavírus na região Norte.

Os resultados desses encontros apoiaram a construção de uma campanha de comunicação. Quatro spots de rádio fazem parte desta campanha e visam incentivar a população, especialmente adolescentes e jovens, a adotarem as medidas de prevenção, tais como uso de máscara, lavagem correta de mãos, distanciamento social, evitar aglomerações e outros.

COMUNICADOR: Baixe e utilize o segundo spot da campanha Te Sai Covid! 

Em carta (imagem abaixo), Cláudio Melo pede o apoio das emissoras de rádio dos municípios contemplados na mobilização, ao divulgar voluntariamente os spots nas programações.

   

Copiar o texto
31/08/2021 11:01h

Mobilização de grupos de adolescentes a partir de 12 anos trabalha na promoção de cuidados básicos de higiene e enfrentamento à epidemia nas cidades; encontros resultaram em campanha de comunicação, com spots para emissoras de rádio locais.

Baixar áudio

O Instituto Peabiru, em parceria técnica com o Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF), iniciou a segunda edição do Te Sai Covid. O projeto mobiliza grupos de jovens a partir de 12 anos, de 22 municípios do Pará e Amazonas, na promoção de cuidados básicos de higiene e enfrentamento à epidemia do novo coronavírus na região Norte.

Ne estado do Amazonas, o Te Sai Covid contempla 10 municípios: Manaus, Iranduba, Manacapuru, Novo Airão, Itacoatiara, Careiro da Várzea, Rio Preto da Eva, Barreirinha, Autazes e Presidente Figueiredo. 

No Pará, participam do projeto grupos da sociedade civil dos municípios de Alenquer, Almeirim, Curuá, Faro, Monte Alegre, Óbidos, Oriximiná, Prainha, Terra Santa, Santarém, Gurupá e Belém.    

Desde fevereiro de 2021, aproximadamente 400 adolescentes e jovens participaram de diálogos virtuais que discutiram a percepção desses agentes em relação à pandemia, as medidas de prevenção e de que forma poderiam incentivar amigos, familiares e comunidade a se protegerem da doença.

A proposta de trabalho do Te Sai Covid passa pelo trabalho de mobilização entre vários setores da sociedade, em parceria com as secretarias municipais de Educação, Saúde e Assistência Social.

Segundo Cláudio Melo, gerente de projetos do Instituto Peabiru, a proposta de implantação de um núcleo de enfrentamento à Covid-19 possui ênfase na prevenção e controle da doença a partir do conhecimento local e do contexto vivido pelas comunidades, na mobilização e engajamento dos jovens como agentes de mudança e demais setores da sociedade civil, como as lideranças comunitárias e coletivos. 

“O combate à Covid-19 depende da união de forças de vários setores da sociedade e de estratégias efetivas, como o Te Sai Covid, auxiliam as pessoas para mudanças de comportamentos de hábitos básicos de higiene e proteção contra o novo coronavírus”, acrescenta. 

Os resultados desses encontros apoiaram a construção de uma campanha de comunicação. Quatro spots de rádio fazem parte desta campanha e visam incentivar a população, especialmente adolescentes e jovens, a adotarem as medidas de prevenção, tais como uso de máscara, lavagem correta de mãos, distanciamento social, evitar aglomerações e outros.

Em carta (imagem abaixo), Cláudio Melo pede o apoio das emissoras de rádio dos municípios contemplados na mobilização, ao divulgar voluntariamente os spots nas programações.

 

Copiar o texto
20/08/2021 03:00h

O estado possui, atualmente, PIB industrial de R$ 28,9 bilhões, equivalente a 2,2% da indústria nacional. Sem uma reforma tributária ampla, o cenário é de perda da posição relativa da indústria no PIB nacional e estadual

Baixar áudio

O Amazonas possui, atualmente, Produto Interno Bruto (PIB) industrial de R$ 28,9 bilhões, equivalente a 2,2% da indústria nacional. Sem uma reforma tributária ampla, o cenário é de perda da posição relativa da indústria no PIB nacional e estadual. Segundo dados da Confederação Nacional da Indústria (CNI), ao todo, o setor emprega 121.530 trabalhadores no segmento.
 
O estado arrecadou, entre janeiro e junho de 2021, R$ 7,1 bilhões de Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS). Com isso, a unidade da federação coletou 25,54% a mais em relação ao mesmo período de 2020, quando o valor foi de R$ 14,3 bilhões. Os números são do Conselho Nacional de Política Fazendária (Confaz).
 
Para a advogada tributarista, Dolane Patrícia, o cenário de crise, em função da pandemia, é favorável para a aprovação de uma reforma ampla, o que deve aumentar a competitividade das empresas. “Fica mais propícia a aceitação das mudanças com uma concorrência entre estados e municípios e criando ainda uma unificação da base tributária com a união”, afirmou.

TRIBUTÁRIA: união de impostos federais, estaduais e municipais é base para retorno do crescimento econômico

Reforma tributária precisa de mais discussão, defende especialista
 
A urgência para se aprovar uma reforma tributária no Brasil é considerada uma unanimidade. No entanto, parte dos parlamentares no Congresso Nacional, assim como profissionais que atuam diretamente no ramo, ressaltam que isso não pode ser desculpa para que as mudanças sejam feitas em partes, ou seja, com uma reforma tributária fatiada.

Crescimento econômico 

Outros especialistas também consideram que o sistema tributário em vigor no Brasil reduz a capacidade de competitividade do País e dos estados. Para o diretor de Assuntos Tributários da Federação Brasileira de Associações de Fiscais de Tributos Estaduais, Juracy Soares, o atual modelo contribui para a estagnação da economia. 
 
“Para milhares de empresas, os elevados custos de conformidade afastam investimentos produtivos e minam as atividades dessas corporações no mercado nacional e global. Para a administração pública, a infinidade de novas normas que são escritas para tapar buracos, que viabilizam sonegação, e também para gerir esse sistema complexo, resultam em perdas de arrecadação e elevados custos de gerenciamento e controle”, destacou.  

O que muda com a reforma tributária mais ampla? 

Uma reforma tributária ampla pode aumentar em até 20% o ritmo de crescimento do PIB do Brasil nos próximos 15 anos. A projeção foi feita por profissionais renomados, que atuam em instituições como o Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (IPEA), a Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), a LCA Consultores e a Fundação Getúlio Vargas (FGV). 
 
De acordo com os pesquisadores, esse resultado será consequência de ganhos de competitividade da produção nacional em relação aos competidores externos e da melhor alocação dos recursos produtivos.
 
O IPEA, por exemplo, considera que as mudanças na forma de se cobrar impostos no Brasil poderão reduzir a pressão dos tributos sobre o cidadão de menor renda, o que acarreta em diminuição das desigualdades sociais.
 

Copiar o texto
19/08/2021 03:00h

Embora o armazenamento esteja regular, doações precisam ser constantes para estabilidade do banco de sangue. A entidade também precisa de novos doadores de medula óssea

Baixar áudio

De acordo com o Hemocentro do Amazonas (Hemoam), em 2020 houve uma queda de até 40% no comparecimento de doadores à instituição. No entanto, o estoque da entidade está regular para todos os tipos sanguíneos, mas, para que o armazenamento se mantenha estável, é necessário que novos voluntários e doadores veteranos continuem a doar. 

O Amazonas conta com unidades espalhadas por todo o estado. Elas estão presentes em Coari, Humaitá, Itacoatiara, Manacapuru, Parintins, São Gabriel da Cachoeira, Tabatinga e Tefé. O órgão também faz um apelo por mais doadores de medula óssea. Nesse caso, os voluntários devem ir exclusivamente à sede do Hemoam, em Manaus, e se cadastrar. Logo depois, o cadastro é repassado para o Registro Nacional de Doadores Voluntários de Medula Óssea (Redome), do Instituto Nacional do Câncer (Inca), órgão nacional responsável pelo gerenciamento das informações do doador e do paciente. Caso haja compatibilidade, o Redome entrará em contato com o doador para retirada das células.

Coordenação estadual

Flávia Rezende, gerente de Captação de Sangue do Hemoam, diz que a instituição é a responsável por atender demandas de todos os hospitais públicos e privados da região. 

“São 39 unidades hospitalares só na capital Manaus e também temos mais 44 unidades transfusionais e oito hemonúcleos, ou seja, são lugares que fazem a coleta e também conseguem fazer a transfusão. No total, são 52 municípios do interior em que o Hemoam se encontra. Isso a gente chama de hemorrede. Estamos conseguindo trabalhar para captar doadores e convidá-los para que toda demanda seja atendida”, explica a gerente.

Atendimento regional

O hemocentro localizado em Coari, no centro amazonense, atende a outros cinco municípios. São eles: Anamã, Anori, Beruri, Caapiranga e Codajás. O telefone para contato é o (97) 98114-8831.

Já o hemonúcleo de Tefé está mais próximo de duas cidades como Alvarães e Uarini. A unidade está localizada na Estrada do Bexiga, sem número, no Bairro Fonte Boa. O telefone para contato é (97) 99164-4651.

Quem mora em Itapiranga, Nova Olinda do Norte, Silves ou em outro município que faz parte da microrregião do centro amazonense, pode procurar o hemocentro regional de Itacoatiara, localizado na  Rua Acácio Leite, número 2593, no Bairro Iraci. O telefone para contato é  (92) 99178-5484.

Doador múltiplo

Igor Moreira Abreu, militar de 28 anos, é doador nato. E não só de sangue, mas também de plaquetas e de medula óssea. “Só dei importância a doação quando minha esposa foi diagnosticada com leucemia. Eu vi o quanto as pessoas sofriam e precisavam. Em 2020,  fiz o cadastro  e hoje sou doador de medula óssea. Eu espero que as pessoas um dia possam fazer com que os outros tenham a mesma alegria quando eu tive a notícia de que minha esposa estava em remissão”, comemora o morador do Bairro Japiim, na capital amazonense. 

Doação de sangue

O Governo Federal, por meio do Ministério da Saúde, garante que doar sangue é possível graças ao SUS. “Vamos aproveitar essa oportunidade para reafirmar não só as ações de enfrentamento à pandemia, mas também a necessidade contínua de cumprir o preceito constitucional da saúde como direito fundamental. O sangue, ao longo do tempo, simboliza a vida. E, nesse sentido, é importante a doação regular. Doe sangue regularmente. Com a nossa união, a vida se completa”, complementa o ministro da Saúde, Marcelo Queiroga".

E quem vacinou contra a Covid-19 pode doar sangue?

Após a vacinação, é preciso aguardar um período para poder doar sangue e medula, de acordo com o tipo de vacina, conforme quadro abaixo:

Laboratório 

Inaptidão para doação de sangue

Coronavac

48 horas

AstraZeneca/Oxford/Fiocruz

7 dias

BioNTech/Fosun Pharma/Pfizer

7 dias

Janssen-Cilag

7 dias

Gamaleya National Center

7 dias

Fonte: Ministério da Saúde

Onde doar sangue e se cadastrar para doar medula óssea no Amazonas

O hemocentro coordenador, em Manaus, é a única unidade que faz o cadastro para doadores de medula óssea. Quem deseja doar sangue, conta com uma rede mais ampla, presente nos municípios de Coari, Humaitá, Itacoatiara, Manacapuru, Parintins, São Gabriel da Cachoeira, Tabatinga e Tefé. Para saber mais informações sobre endereços e horários de funcionamento das unidades, veja o mapa abaixo. 

Critérios para doação de sangue e medula óssea

De acordo com a Coordenação-Geral de Sangue e Derivados do Ministério da Saúde, o procedimento para doação de sangue é simples. Primeiro se faz o cadastro, aferição de sinais vitais, teste de anemia, triagem clínica, coleta de sangue e depois o lanche. Isso tudo leva em média 40 minutos.

Vale lembrar que até mesmo quem foi infectado pelo coronavírus pode doar sangue e medula óssea. No entanto, é necessário aguardar 30 dias após completa recuperação da doença. Quem teve contato com pessoas infectadas também precisa esperar 14 dias para poder fazer a doação, apresentando RT-PCR negativo e ausência de sintomas. Já os vacinados devem esperar o tempo de imunização, que vai depender da marca do imunizante.

Para doar sangue é necessário ter entre 16 e 69 anos de idade e pesar no mínimo 50 quilos. Mulheres podem doar até três vezes ao ano com intervalo de três meses entre as doações. Já os homens podem doar até quatro, com intervalo de dois meses entre as doações. A doação é voluntária e uma bolsa de apenas 450mL de sangue pode ajudar até quatro pessoas.

Candidatos à doação de medula óssea devem ter entre 18 e 35 anos, estar em bom estado de saúde e não apresentar doença infecciosa ou incapacitante. Segundo o Redome, algumas complicações de saúde não são impeditivas para doação, sendo analisado caso a caso.

Doar sangue e medula é seguro! Com a pandemia, todos os protocolos de contenção contra a Covid-19 estão sendo realizados. No dia da doação, será preciso apresentar documento de identificação com foto. Para saber onde doar sangue ou se cadastrar para doar medula óssea, acesse www.hemoam.am.gov.br.

Copiar o texto
18/08/2021 15:40h

Residencial recebeu investimento federal de R$ 41 milhões, dos quais pouco mais de R$ 36 milhões foram repassados desde 2019

Baixar áudio

O Governo Federal, por meio do Ministério do Desenvolvimento Regional (MDR), entregou, nesta quarta-feira (18), 500 moradias a famílias de baixa renda de Manaus, no Amazonas. 

O investimento federal no Residencial Cidadão Manauara II B foi de R$ 41 milhões, dos quais pouco mais de R$ 36 milhões foram repassados desde 2019 – o que representa 88% do valor total da operação. Cerca de 2 mil pessoas foram beneficiadas com a casa própria.

Presente à entrega das chaves, o presidente da República, Jair Bolsonaro, se emocionou ao falar do sentimento que envolve essas entregas. “O que a gente vê no semblante de vocês, beneficiários, é simplesmente indescritível. A alegria de receber um imóvel realmente não tem preço”, afirmou.

Também presente à entrega das chaves, o ministro do Desenvolvimento Regional, Rogério Marinho, reforçou a importância das entregas residenciais para famílias de baixa renda em todo o país. "Sabemos que isso aqui não é só pedra, cal, tijolo e cimento. Isso aqui são os sonhos realizados. Isso aqui é dignidade. Isso aqui é respeito e cidadania aos cidadãos desse país, espalhados de Norte a Sul." 

O empreendimento conta com infraestrutura completa, com água, esgoto, iluminação pública, energia elétrica e sistema de pavimentação e drenagem. Além disso, os moradores terão acesso à área de lazer, com quadra de areia, três playgrounds e quadra poliesportiva. E nas proximidades, há quatro creches, cinco escolas, oito postos de saúde e quatro de segurança.

Antônio Carlos de Souza é um dos beneficiários. Ele comentou a emoção de receber o apartamento. 
"Hoje eu estou nascendo de novo. Uma vida de dignidade, tendo agora um lar pra dizer que é meu, junto com a minha família. E pra gente é um sentimento de gratidão. Agora é viver o novo e daqui pra frente, uma nova vida, uma nova caminhada junto com a minha família."

Segundo o MDR, nos primeiros seis meses de 2021, o Governo Federal entregou mais de 190 mil casas e apartamentos, que realizaram o sonho da casa própria para mais de 750 mil pessoas. Já no estado amazonense foram 1,6 mil unidades habitacionais concedidas no mesmo período, que representa um crescimento de 23,5% em comparação ao primeiro semestre de 2020.
 

Copiar o texto
16/08/2021 03:00h

Apesar disso, o estoque de sangue do estado está em situação regular. Instituição incentiva amazonenses a doarem

Baixar áudio

Caiu em 13% o número de doadores de sangue para o Hemocentro do Amazonas (Hemoam). No primeiro semestre de 2020, 22.462 pessoas contribuíram. No mesmo período em 2021, o número caiu para 19.525. Os dados são da Fundação Hospitalar de Hematologia e Hemoterapia do Amazonas (Hemoam). Dessa forma, a instituição incentiva os amazonenses a adotarem esse gesto solidário. 

O hemocentro coordenador está na Avenida Constantino Nery, número 4.397, bairro Chapada, Manaus. O telefone é o (92) 3655-0166. Outras cidades também contam com serviços de apoio à coleta de sangue, como Tabatinga, Manacapuru, Humaitá, Coari e Itacoatiara. 

Flávia Rezende, gerente de captação de sangue do Hemoam, diz que no Amazonas há uma peculiaridade: a tipagem O positivo apresenta a maior demanda. “Isso porque boa parte da população tem esse tipo sanguíneo, ele é o que mais entra, mas também o que mais sai”, explica ela. 

A gerente complementa: “Somos a única instituição responsável pelo fornecimento de sangue a todos os hospitais públicos e particulares do estado. Aqui na capital são 39 unidades hospitalares e temos mais de 44 agências transfusionais no interior e oito hemonúcleos.”

A sede central do Hemoam distribui sangue para 43 unidades do interior, além de Manaus. As cidades têm infraestrutura de coleta, abastecem a si próprias e, em alguns casos, as cidades circunvizinhas.

Dos quase 500 mil doadores de sangue cadastrados, apenas 75 mil doam regularmente. Por isso, o estado se mobiliza para conseguir mais doadores e maior frequência daqueles que já são voluntários. O estoque encontra-se regular, graças às caravanas de doações com diversas entidades feitas pelo Hemoam para garantir a estabilidade do estoque. 

Segundo as autoridades locais, todos os tipos sanguíneos sangues são bem-vindos. No entanto, os de RH negativo, por serem mais raros, são difíceis de abastecer, considerando, segundo o Hemoam, que a população com esse RH é bem menor. 

Braço amigo

O bioquímico João Gustavo Avelino, de 35 anos, doa sangue há uma década e acumula mais de 30 doações. Com carteirinha da categoria ouro, Gustavo lembra que na época em que era estudante participou de uma ação com o Hemoam e desde então nunca mais parou. 
O manauara elogia as ações do hemocentro do estado, uma vez que o local segue todas as normas sanitárias para combate à pandemia. “Durante todas as doações me senti seguro num local sanitariamente apto para receber doadores”, lembra. “Foi o maior acerto do Hemoam de fazer a coleta programada, de convocar os doadores e mostrar que o local está apto a pessoas”, complementa o amazonense que reside no bairro Adrianópolis.

Diante da necessidade de manter os hemocentros bem abastecidos, o Governo Federal, por meio do Ministério da Saúde, vem mobilizando a população para procurar o hemocentro mais próximo de casa e doar sangue. “Vamos aproveitar essa oportunidade para reafirmar não só as ações de enfrentamento à pandemia, mas também a necessidade contínua de cumprir o preceito constitucional da saúde como direito fundamental. O sangue, ao longo do tempo, simboliza a vida. E nesse sentido, é importante a doação regular de sangue. Doe sangue regularmente, com a nossa união, a vida se completa”, afirmou o ministro da Saúde, Marcelo Queiroga.

Onde doar sangue no Amazonas

O Hemoam possui diversas unidades de coleta. É possível agendar a doação de sangue por meio do telefone (92) 3655-0166 ou pelo WhatsApp (92) 984319920. Procure uma mais próxima de sua casa e faça sua doação de sangue ou medula óssea. Para mais informações sobre endereços e horários de funcionamento das unidades, veja o mapa abaixo. 

Critérios para doação de sangue e medula óssea

De acordo com a Coordenação-Geral de Sangue e Derivados do Ministério da Saúde, o procedimento para doação de sangue é simples. Primeiro se faz o cadastro, aferição de sinais vitais, teste de anemia, triagem clínica, coleta de sangue e depois o lanche. Isso tudo leva em média 40 minutos.

Vale lembrar que até mesmo quem foi infectado pelo coronavírus pode doar sangue e medula óssea. No entanto, é necessário aguardar 30 dias após completa recuperação da doença. Quem teve contato com pessoas infectadas também precisa esperar 14 dias para poder fazer a doação, apresentando RT-PCR negativo e ausência de sintomas. Já os vacinados, devem esperar o tempo de imunização que vai depender da marca do imunizante.

Para doar sangue é necessário ter entre 16 e 69 anos de idade e pesar no mínimo 50 quilos. Mulheres podem doar até três vezes ao ano com intervalo de 3 meses entre as doações. Já os homens podem doar até quatro, com intervalo de 2 meses entre as doações. A doação é voluntária e uma bolsa de apenas 450mL de sangue pode ajudar até quatro pessoas.

Candidatos a doação de medula óssea devem ter entre 18 e 35 anos, estar em bom estado de saúde e não apresentar doença infecciosa ou incapacitante. Segundo o Redome, algumas complicações de saúde não são impeditivas para doação, sendo analisado caso a caso. 

Doar sangue e medula é seguro! Com a pandemia, todos os protocolos de contenção contra a Covid-19 estão sendo realizados. No dia da doação, será preciso apresentar documento de identificação com foto. Para saber mais sobre os critérios e restrições para doação de sangue e de medula óssea, acesse o site  hemoam.am.gov.br.

Copiar o texto
Brasil 61