Transporte

16/10/2021 18:05h

A obra foi inaugurada nesta sexta-feira (15) pelo Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (DNIT)

Baixar áudio

O Município de São José do Cedro, Santa Catarina, recebeu nesta sexta-feira (15), um novo viaduto localizado na BR-163/SC. A obra foi inaugurada pelo Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (DNIT).

A estrutura faz parte de um importante trecho logístico para o estado, que faz integração da parte oeste de Santa Catarina com as outras regiões, além de ser rota de carga de veículos do Rio Grande do Sul, fundamental para a agroindústria do Brasil. 

O local também faz ligação ao Paraná e às outras regiões do país. O viaduto vai integrar 47,6 quilômetros da BR-163/SC, situado entre os municípios Guaraciaba e Dionísio Cerqueira, onde fica localizado o acesso ao porto internacional de cargas da Receita Federal, que passa por revitalização.

O DNIT informou por nota que as obras haviam sido iniciadas em 2014, foram suspensas e então retomadas em 2019. A pavimentação das vias laterais, drenagem e sinalização ainda estão em fase de conclusão.
 

Copiar o texto
Brasil
09/10/2021 19:35h

Maior fluxo de veículos nas rodovias aliado à imprudência de parte dos motoristas costumam resultar em mais acidentes, explica especialista

Baixar áudio

O feriado prolongado, que acaba na próxima terça-feira (12), fez a Polícia Rodoviária Federal (PRF) iniciar na noite desta sexta-feira (8) a Operação Nossa Senhora Aparecida 2021. A corporação visa diminuir a quantidade de acidentes. Para isso, intensificou a fiscalização nas vias, uma vez que há mais carros nas estradas. 

A PRF reforçou o policiamento preventivo em locais e horários de maior incidência de acidentes graves e de criminalidade. Segundo especialistas, a alta no fluxo de veículos aliada à imprudência dos motoristas aumenta as chances de tragédias, resultando em feridos e mortos. 

Artur Moraes, especialista em trânsito e doutor em transportes, afirma que quase todos os acidentes de trânsito ocorrem por causa de infrações, como excesso de velocidade, ultrapassagem em local não permitido e uso de bebida alcoólica.  

“O acidente, normalmente, é resultado de uma infração de trânsito, porque se todo mundo andasse na velocidade regulamentar da via, respeitasse a sinalização, não fizesse ultrapassagem perigosa, nem que tivesse que ficar 20 quilômetros atrás de um caminhão em baixa velocidade para poder ultrapassar só quando tivesse condições, não teríamos os acidentes”, pontua. 

Outro fator que contribui para a maior insegurança nas estradas, diz Artur, é o que o número de motoristas inexperientes em circulação aumenta durante esses dias. “Muita gente que não tem costume de pegar estrada vai pegar estrada agora e não fez revisão do carro, tem pneus que não estão em condições de viajar, não fez revisão de freio. Então, tem muita gente que deixa de cuidar do equipamento, deixa de cuidar do carro e isso é um risco potencial de acidente”, alerta. 

A PRF dá dicas para quem vai pegar a estrada.

  • Respeite os limites de velocidade e distanciamento;
  • Só ultrapasse quando houver condições seguras;
  • Faça revisão do carro, mesmo antes de viagens curtas;
  • Verifique a presença de todos os equipamentos obrigatórios, como pneu estepe, macaco, triângulo, chave de roda, limpadores de para-brisa e luzes do veículo;
  • A cadeirinha é fundamental para o transporte de crianças;
  • Planeje a viagem, evitando sair nos horários de pico;
  • Não dirija cansado ou após ingerir bebida alcoólica. 

Até o fechamento desta reportagem, a PRF informou     que não fazia nenhum bloqueio em rodovias federais, devido a acidentes ou qualquer outro motivo.

Transporte clandestino
A Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT) também deu início a uma ação especial para o feriado: trata-se da Operação Centauro, que visa combater o transporte clandestino de passageiros em todo o país. A ANTT instalou bases, em parceria com a PRF e polícias militares estaduais, em 27 pontos estratégicos, nas rotas onde mais ocorrem transportes não autorizados. 

Segundo o órgão, a população corre riscos ao viajar em transportes clandestinos, devido à “precariedade dos veículos, motoristas cansados, ou não treinados e aumento do risco de infecção pelo novo coronavírus”. Nauber Nascimento, superintendente de fiscalização da ANTT, apela para que as pessoas evitem esse tipo de transporte. “Ele coloca a vida do passageiro e dos seus familiares em risco. Evite o transporte clandestino. Transporte clandestino muitas vezes pode ser reconhecido quando alguém que te presta esse serviço te propõe uma passagem mais barata. Então, desconfie. Não entre nessa furada. Busque passagens regularizadas nas rodoviárias, com os ônibus regularizados pela ANTT.”

A agência informa que para obter informações sobre a legalidade da viagem ou denúncias de transporte clandestino, basta fazer contato pelo WhatsApp (61) 99688-4306, telefone 166 ou pelo e-mail: ouvidoria@antt.gov.br.

Copiar o texto
09/10/2021 19:25h

Ministro Tarcísio Gomes de Freitas disse que houve grande interesse de investidores estrangeiros pelos ativos brasileiros. Meta é alcançar R$ 260 bi em investimentos em infraestrutura até o fim de 2022

Baixar áudio

A viagem da delegação do Ministério da Infraestrutura à Nova Iorque, nos Estados Unidos, chegou ao fim após cinco dias e o saldo é positivo para o país. Como resultado inicial das conversas com mais de 40 instituições financeiras sobre o modelo brasileiro de concessões à iniciativa privada de transportes, a pasta retornou com R$ 11 bilhões em créditos para a infraestrutura nacional e afirma que fundos estrangeiros estão interessados no programa de concessões e estudam, até, abrir escritórios no Brasil. 

De acordo com o MInfra, entre os projetos do mega-pacote está o leilão de 16 aeroportos nos próximos meses, entre eles Santos Dumont, no Rio de Janeiro, e Congonhas, em São Paulo. A pasta também vai conceder à iniciativa privada a Rodovia Presidente Dutra, o Porto de Santos e a Companhia de Docas do Espírito Santo (Codesa). A meta é fechar o ano com R$ 100 bilhões contratados e chegar à marca de R$ 260 bilhões previstos em infraestrutura até 2022.
 
O ministro da Infraestrutura, Tarcísio Gomes de Freitas, avaliou o roadshow da delegação brasileira aos EUA. “A gente percebe um grande interesse pelo pacote de infraestrutura brasileiro, que já é uma realidade, que tem entregas para mostrar e isso foi muito ressaltado. Percebemos muito conhecimento dos nossos projetos e extremo interesse. É possível afirmar que teremos novos players nos nossos leilões que virão, que são leilões excelentes. O programa de infraestrutura do Brasil é uma grande realidade e vai transformar o nosso futuro”, comemorou. 

Desde 2019, a pasta concedeu aos investimentos privados 34 aeroportos, 29 arrendamentos portuários, 99 contratos de adesão para terminais privados, mais de 2,5 mil quilômetros de ferrovias e cerca de dois mil quilômetros de rodovias. “Temos que convidar os investidores para a festa, porque o nosso Programa de Concessões já é um sucesso e quem quer investir em infraestrutura no mundo tem obrigação de olhar o Brasil”, disse Tarcísio. 

Pro Trilho conta com investimento de R$ 80 bi

Ferrovias
Um dos objetivos do Ministério da Infraestrutura é diversificar a malha de transportes do país, hoje dependente do modal rodoviário. A meta é que o modal ferroviário saia de 20% para 40% de participação na matriz de transportes brasileira. 

Para viabilizar isso, a pasta criou o Programa de Autorizações Ferroviárias, o Pro Trilhos, em setembro, por meio da Medida Provisória nº 1065/21. O objetivo da medida é aumentar a concessão de autorizações ferroviárias no país, sejam elas para a construção de novos trilhos ou melhoria da estrutura já existente. A ideia é que os investidores não precisem mais de licitação e, sim, de uma autorização do Minfra para operarem no setor. 

Até este sábado, o Governo Federal recebeu 19 solicitações para novos trechos de ferrovias pelo Brasil. Ao todo, as autorizações devem injetar R$ 81,5 bilhões na implantação de 5.420,5 km de trilhos pela iniciativa privada, cruzando 12 estados. 

Também nesta semana, terça-feira (5), o Senado aprovou o Marco Legal das Ferrovias (PLS 261/18), que agora segue para a Câmara dos Deputados. O ministro comentou sobre a aprovação da proposta.

“Nós tivemos a aprovação, no Senado, do Marco Ferroviário, que permite as autorizações e isso abre uma nova perspectiva para a infraestrutura brasileira. E, seguramente, com esse passo, que traz segurança jurídica e coloca o marco como algo, como um passo definitivo, nós teremos ainda mais pedidos de autorização. O assunto está sendo extremamente debatido, causou um interesse muito grande e tenho certeza que isso vai concorrer para o impulso ferroviário, que vai nos proporcionar um reequilíbrio, um redesenho da nossa matriz de transportes”, acredita Tarcísio.

A Confederação Nacional da Indústria (CNI) acredita que o marco é importante para modernizar o setor ferroviário brasileiro, “hoje marcado pela baixa utilização e eficiência na maior parte da malha”. Segundo o presidente da entidade, Robson Andrade, a proposta vai permitir que o modal cresça e proporcione recuperação de trechos ociosos.  

Copiar o texto
30/09/2021 10:50h

Cerca de R$ 2,8 bilhões serão investidos pela União no processo que vai permitir a criação do novo trecho férreo, além da expansão e modernização da Linha 1

Baixar áudio

O Governo Federal vai investir R$ 2,8 bilhões para viabilizar a construção da Linha 2 do Metrô de Belo Horizonte (MG), além de obras de modernização e ampliação da Linha 1. O aporte de recursos da União foi formalizado nesta quinta-feira (30) com a sanção do Projeto de Lei do Congresso Nacional (PLN) 15/2021 pelo presidente da República, Jair Bolsonaro, em evento na capital mineira.

“Estamos na semana de 1.000 dias e Minas Gerais tinha que fazer parte dessas nossas viagens pelo Brasil. Mesmo com menos recursos, estamos apresentando mais trabalho para o bem de todos nós. É um momento de alegria para todos vocês e para nós também quando podemos anunciar obras em nosso Brasil, como é esse investimento no Metrô de Belo Horizonte”, afirmou o presidente Jair Bolsonaro.

Para o ministro do Desenvolvimento Regional, Rogério Marinho, a ampliação do metrô da capital mineira vai significar mais qualidade de vida e menos tempo gasto nos deslocamentos para cerca de 210 mil pessoas que utilizam o sistema de transporte sobre trilhos diariamente, além de outras 50 mil que passarão a utilizar o transporte por meio da Linha 2.

“Quando chegamos ao Ministério do Desenvolvimento Regional, buscamos, mesmo neste quadro de escassez fiscal, apresentar uma alternativa para, finalmente, resolver a questão do Metrô. E essa situação aconteceu. É um investimento vultoso para darmos melhor condição de vida para os brasileiros. É assim que trabalhamos neste País: a favor do povo brasileiro e fazendo o que deve ser feito a favor daqueles que mais precisam”, reforçou o ministro.

“Esse investimento no Metrô de BH, finalmente, se torna uma realidade. É uma melhoria e ampliação no transporte que vai torná-lo mais rápido e de melhor qualidade”, destacou o governador de Minas Gerais, Romeu Zema.

O investimento federal é fruto de um acordo alinhado entre os Ministérios do Desenvolvimento Regional (MDR), da Infraestrutura (Minfra) e da Economia (ME) com o Governo do Estado de Minas Gerais em agosto.

O aporte da União será feito por meio da capitalização da Veículo de Desestatização MG (VDMG), empresa que será criada exclusivamente para o processo de desestatização da filial mineira da Companhia Brasileira de Trens Urbanos (CBTU), que é vinculada ao MDR. A empresa teve a desestatização qualificada no Programa de Parcerias de Investimentos (PPI), por meio do Decreto n. 9.999/2019. A elaboração dos estudos necessários ao processo de desestatização e concessão da CBTU em Belo Horizonte está sendo conduzida pelo Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES).

Além dos recursos do Governo Federal, o Executivo mineiro vai aportar outros R$ 428 milhões – elevando o montante para R$ 3,2 bilhões. Os investimentos totais estão estimados em R$ 3,7 bilhões e serão complementados pela iniciativa privada, que terá o direito de explorar os serviços. A concessão prevê a execução de investimentos para modernização e ampliação da Linha 1 e para a construção de Linha 2.

Sobre as Linhas 1 e 2

A Linha 1 do metrô de Belo Horizonte liga Contagem, na Região Metropolitana, à capital mineira. São 28,1 quilômetros de extensão e 19 estações para passageiros. As intervenções previstas após a concessão envolvem reforma de estações, compra de trens novos equipados com ar-condicionado e diversas atualizações tecnológicas, resultando em melhoria da qualidade do serviço prestado à população, mais conforto, acessibilidade, segurança e maior regularidade nas viagens. Adicionalmente, a Linha 1 será ampliada até a Estação Novo Eldorado, em Contagem, agregando aproximadamente 1 quilômetro à extensão da linha.

Já a Linha 2 deverá ser construída para ligar o Bairro Calafate à região do Barreiro, ambos em Belo Horizonte. Ela terá aproximadamente 10 quilômetros de extensão e sete estações, conectando o Barreiro à Linha 1 na estação Nova Suíça.

Estima-se que, como resultado da parceria entre União, o estado de Minas Gerais e a iniciativa privada, as duas linhas transportem diariamente até 260 mil passageiros. A previsão é que o edital para a concessão das linhas seja divulgado no início do próximo ano.

Copiar o texto
20/09/2021 20:15h

A cidade foi pré-selecionada para aplicar os recursos em ações do Programa Avançar Cidades

Baixar áudio

Nesta segunda-feira (20), o ministro do Desenvolvimento Regional, Rogério Marinho, anunciou que Goiânia poderá investir até R$ 1 bilhão para a estruturação de melhorias no sistema de transporte público coletivo no Eixo Anhanguera. A capital foi pré-selecionada para aplicar os recursos em ações do Programa Avançar Cidades.
 
Os recursos serão provenientes do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS). A publicação da lista de pré-seleção é a terceira etapa do processo para a obtenção do financiamento. A etapa final é a divulgação, no Diário Oficial da União, das portarias de seleção das propostas.
 
A informação foi oficializada pelo ministro Marinho durante a cerimônia de abertura da Semana da Mobilidade – que tem o objetivo de discutir aspectos relacionados ao tema e conscientizar a população sobre o assunto. Para isso, até sexta-feira (24) serão realizadas diversas atividades, entre elas debates sobre aspectos relacionados à mobilidade urbana, com participação de representantes de governo, entidades setoriais e academia. 

Ensino remoto durante pandemia impactou alfabetização de crianças

BLOQUEADOS: 52 municípios não receberão parcela do FPM referente ao 2° decêndio de setembro
 
Para Horácio Mello, secretário de Mobilidade de Goiânia, os investimentos por meio do Programa Avançar Cidades serão essenciais para a melhoria do transporte público na cidade. “Sem dúvida nenhuma, com esse investimento, daremos um grande salto de qualidade, histórico, para a nossa cidade e para a nossa capital”, afirmou.
 
A mobilidade urbana vai muito além do transporte do cidadão de um ponto para outro, como destacou a secretária nacional substituta de Mobilidade e Desenvolvimento Regional e Urbano, Sandra Maria Holanda. "A mobilidade está totalmente associada a acesso a serviços de saúde, educação e à geração de empregos”, enfatizou.
 
Confira a programação completa aqui
 

Copiar o texto
31/08/2021 11:35h

De acordo com a FecomercioSP, a classe E é o segmento que mais sente a elevação do custo de vida. Entre os mais pobres, a variação é de 1,49%

Baixar áudio

O Custo de Vida por Classe Social (CVCS) aumentou na região metropolitana de São Paulo. O índice subiu 1,06% em julho, de acordo com indicador da Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de São Paulo (FecomercioSP). Trata-se da maior variação para o mês desde 2011, ano em que o levantamento começou a ser feito.

A elevação foi puxada pelo grupo transporte, sobretudo pelo valor das passagens aéreas, que sofreram alta de 42,67%. Já no grupo habitação, a energia elétrica teve um salto de 12,45% em julho, e acumulou 26,25% em 12 meses.

SP: confiança com a volta às aulas presenciais aumenta em municípios

Crise hídrica pode aumentar inflação nos estados brasileiros

De acordo com a FecomercioSP, a classe E é o segmento que mais sente a elevação do custo de vida. Entre os mais pobres, a variação é de 1,49%. Já para a classe A, a taxa ficou em 0,70%. A alta média do preço dos combustíveis, por exemplo, foi de 4,21%.

A entidade revela, ainda, que o IPV e o IPS indicam que a inflação está concentrada nos produtos. O índice de varejo teve um salto de 1,6% em julho. O indicador de preços dos serviços, por sua vez, aumentou 0,55%. O IPV acumula alta de 14,85% em 12 meses, enquanto o IPS, de 3,85%.

 

Copiar o texto
24/08/2021 17:35h

Em debate realizado no Senado sobre a PEC 110/2019, que trata da reforma tributária, representantes dos setores da indústria, comércio e agricultura defenderam junção de impostos federais, estaduais e municipais

Baixar áudio

O Senado Federal promoveu, nesta semana, a terceira sessão de debates temáticos sobre a PEC 110/2019. A medida pretende modernizar o sistema de cobrança de impostos no Brasil por meio de uma reforma tributária. A reunião, que precedeu o último encontro, marcado para a próxima sexta-feira (27), tratou, entre outros pontos, do consumo sob a perspectiva dos setores econômicos.

Na ocasião, o presidente da Confederação Nacional da Indústria (CNI), Robson Braga de Andrade, defendeu uma reforma tributária que garanta equilíbrio entre os setores produtivos, que ajude o Brasil na retomada econômica, sobretudo com geração de emprego e renda.

“Nós apoiamos a reforma que faça com que o Brasil esteja entre os países mais avançados no sistema tributário. Que acabe com a complexidade que temos hoje, com as dificuldades impostas a todos os setores da economia. Mesmo que tenhamos um IVA dual, vale a pena fazermos uma reforma tributária completa e ampla”, afirmou.

Sancionada por Bolsonaro, LDO 2022 é publicada no Diário Oficial da União

Paraíba pode ter rombo de R$ 411 milhões com reforma tributária fatiada

O gerente de política econômica da CNI, Mário Sérgio Carraro, destacou que uma reforma tributária ampla, nos moldes da PEC 110/2019, é uma ferramenta fundamental para a sustentação econômica, principalmente por tratar da tributação sobre consumo.

“Se nós tivéssemos feito esta reforma nos moldes propostos na PEC 110 ou na PEC 45, há 15 anos, hoje, o PIB brasileiro seria R$ 1 trilhão maior do que vai ser em 2021. Se nós dividíssemos esse valor por todos os 214 milhões de brasileiros, isso daria R$ 4,8 mil a mais de renda, por ano, para cada um”, pontuou.

Simplificação

O debate também contou com a participação do presidente da Confederação Nacional do Transporte (CNT), Vander Francisco Costa. Segundo ele, o atual sistema de cobrança de impostos é complexo e dificulta o entendimento por parte dos contribuintes. Por isso, ele acredita que a aprovação da PEC 110 pode proporcionar mais clareza no ambiente tributário nacional.

“Vamos procurar beneficiar os contribuintes com a desburocratização. No setor de transporte, temos defendido a neutralidade da reforma e a simplificação do sistema tributário. Com isso, queremos baratear o custo de apuração dos tributos. É importante também uma clareza para podermos evitar a judicialização em torno da carga tributária”, considerou.

O encontro desta segunda contou, ainda, com a participação do presidente do instituto CNA e representante da Confederação Nacional da Agricultura, Roberto Brant; do consultor tributário da Fecomércio-RJ, representante da Confederação Nacional do Comércio, e do senador Izalci Lucas (PSDB-DF). Um ponto comum entre a opinião dos três foi a necessidade de urgência da aprovação da reforma, com observância de pontos que garantam um modelo amplo, no que diz respeito à união de impostos federais, estaduais e municipais, e simplificado.

Programação

Esta foi a penúltima de uma série de quatro sessões de debates solicitados por meio de requerimento (RQS 1.867/2021) do senador Roberto Rocha (PSDB-MA), relator da PEC 110/2019. O último encontro foi realizado na sexta-feira (20).  Já na primeira sessão, realizada na segunda-feira (16), foi discutida, entre outros pontos, a eventual criação de um imposto sobre o valor agregado (IVA) como forma de unificação de tributos e simplificação de cobrança.

O próximo encontro está agendado para a próxima sexta-feira (27), às 11h. O tema será “A Reforma do Imposto de Renda no contexto da Reforma Tributária Ampla.” Entre os convidados estarão Isaías Coelho, assessor especial do Ministério da Economia; Sérgio Gobetti, do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (IPEA); Vanessa Canado, do Núcleo de Tributação do INSPER; Eduardo Fleury, economista e advogado tributarista; e Daniel Loria, advogado tributarista.

PEC 110/2019

De acordo com a PEC 110/2019, o IBS terá legislação única aplicável em todo o território nacional. Além disso, não haverá cumulatividade e não integrará sua própria base de cálculo. A ideia é que esse imposto único também dê direito a crédito financeiro. Outro ponto importante é a cobrança do tributo que passará a ser feita no destino e não na origem.

A alíquota do IBS deverá ser uniforme, exceto para algumas atividades. Entre elas estão agropecuárias, agroindustriais, pesqueiras e florestais; serviços de saúde, programas de inclusão no âmbito da educação, transporte público coletivo e rodoviário de cargas, entidades beneficentes de assistência social, por 12 anos.
 

Copiar o texto
18/08/2021 11:30h

O serviço estava parado por cona da pandemia da Covid-19, mas com a volta das aulas presenciais o estado vai retomar a vistoria

Baixar áudio

Como forma de garantir a segurança dos transportes escolares e prevenir acidentes em Goiás, o Governo do Estado retomou a fiscalização desse tipo de veículo. A medida, que é realizada todos os semestres, estava suspensa devido à pandemia da Covid-19. As vistorias acontecerão em todo o estado de 23 de agosto a 29 de outubro e vão checar as condições de circulação dos veículos, a documentação e a qualificação dos condutores.

Pequenas empresas podem se beneficiar com nova ferramenta para licitações do governo

Marco Legal do Saneamento Básico: mais de 300 municípios descumprem o prazo para destinação correta do lixo

A expectativa é vistoriar cerca de cinco mil veículos, que realizam o transporte escolar público nos 246 municípios goianos. Os trabalhos começarão pelos municípios de Iporá, Edéia, Ivolândia e Jandaia e serão encerrados, em 29 de outubro, em Sanclerlândia. E, a partir do ano que vem, a vistoria do transporte escolar será feita com o aplicativo Detran GO ON Vistoria.

As prefeituras que não apresentarem os veículos na data da vistoria, ou que tiverem veículos reprovados, terão uma nova oportunidade para a inspeção até 30 de novembro deste ano. Nesse caso, a checagem é feita no pátio do Detran-GO, em Goiânia. Os responsáveis pela frota devem encaminhar a lista de veículos a serem vistoriados para o Detran-GO, pelo e-mail: gfsdetrango@gmail.com. As prefeituras que tiverem os veículos reprovados, ou que não apresentarem os veículos, podem responder a uma Ação Civil, conforme prevê o Termo de Cooperação firmado com o Ministério Público de Goiás.

Copiar o texto
17/08/2021 10:00h

A princípio, 35 municípios foram contemplados com dinheiro extra da Atenção Primária à Saúde

Baixar áudio

O Ministério da Saúde repassa cerca de R$ 1 milhão aos municípios para ações de atendimento em saúde aos caminhoneiros do país. A princípio, 35 municípios serão contemplados com valores mínimos de R$ 30 mil cada, por meio da Atenção Primária à Saúde. 

Covid-19: disseminação da variante Delta já supera meses iniciais da pandemia

As localidades escolhidas têm pontos de parada e descanso para motoristas de caminhões certificados pelo Ministério da Infraestrutura. A meta da ação do governo federal é aumentar o atendimento aos profissionais nos programas de saúde desenvolvidos pelos municípios, em prazo máximo de 12 meses.  

Os municípios contemplados com a verba deverão executar as ações em até 12 meses, a contar da data de recebimento dos recursos. A prestação de contas sobre a aplicação da verba deverá ser realizada por meio do Relatório Anual de Gestão. 

A portaria com a lista dos municípios contemplados foi publicada no dia 11 de agosto no Diário Oficial da União e o benefício pode ser ampliado a outras cidades. 

Confira lista dos municípios

  • Vilhena (RO)
  • Anapu (PA)
  • Benevides (PA)
  • Açailândia (MA)
  • São Luís (MA)
  • Altos (PI)
  • Lagoa do Piauí (PI)
  • Teresina (PI)
  • Cabrobó (PE)
  • Nossa Senhora do Socorro (SE)
  • Rosário do Catete (SE)
  • Feira de Santana (BA)
  • Itabuna (BA)
  • Frutal (MG)
  • Itatiaiuçu (MG)
  • Rio Manso (MG)
  • São Gonçalo do Sapucaí (MG)
  • Três Maria (MG)
  • Barra Mansa (RJ)
  • Porto Real (RJ)
  • Resende (RJ)
  • Rio de Janeiro (RJ)
  • Curitiba (PR)
  • Alegrete (RS)
  • Camaquã (RS)
  • Canoas (RS)
  • Caseiros (RS)
  • Gravataí (RS)
  • Ijuí (RS)
  • Osório (RS)
  • Passo Fundo (RS)
  • Santa Maria (RS)
  • Sarandi (RS)
  • Goiatuba (GO)
  • Brasília (DF)

Confira dos dados da Covid-19 na sua cidade aqui! 

Copiar o texto
13/08/2021 16:54h

O podcast Giro Brasil 61 faz uma seleção dos principais fatos e acontecimentos noticiados pelo Brasil61.com durante a semana

Baixar áudio

No episódio desta semana (13), o podcast Giro Brasil 61 vai abordar a reunião que discutiu sobre a redução do volume de passageiros no transporte coletivo nas cidades brasileiras e a ampliação do Vale Gás, em São Paulo, que irá beneficiar mais de 426 mil famílias em todo o Estado. A notícia que abre essa edição é sobre o faturamento do agronegócio de U$ 11 bi no exterior e recorde nas exportações, em julho. 

Especialistas discutem redução do volume de passageiros no transporte coletivo nas cidades brasileiras

Agronegócio fatura U$ 11 bi no exterior e registra recorde nas exportações, em julho

Vale Gás beneficia mais de 426 mil famílias em São Paulo

Quer saber tudo? Aperte o play e confira! 

Copiar o texto
Brasil 61