Petróleo

Economia
07/07/2021 18:20h

Entenda o que está por trás dos reajustes realizados pela Petrobras

Baixar áudioBaixar áudio

A Petrobras anunciou esta semana o aumento do preço de derivados de petróleo, segundo a estatal, os reajustes acompanham a elevação dos patamares internacionais de preços da commodity e derivados. Já passaram a valer os novos preços da gasolina, do diesel e do gás de cozinha (GLP) nas refinarias, o novo valor do preço do gás natural (GNV) vendido às distribuidoras passará a valer a partir de 1º de agosto.
 
Para a gasolina, o aumento médio será de R$ 0,16 (6,3%), fazendo com que o litro do combustível saia de R$ 2,53 e chegue a R$ 2,69 nas refinarias. Já o diesel terá um reajuste médio de R$ 0,10 (3,7%) por litro, que passará a custar R$ 2,8. Já o preço médio de venda do GLP para as distribuidoras passará a ser de R$ 3,60 por kg, refletindo um aumento médio de R$ 0,20 por kg. Já para o gás natural, o reajuste será de 7%.
 

É o décimo-quinto aumento consecutivo no preço do gás de cozinha nas refinarias da Petrobras, após um período de queda no início da pandemia. Desde o início do governo Bolsonaro, o produto vendido pela estatal acumula alta de 66%.
 
Segundo o conselheiro do Conselho Federal de Economia e diretor do sindicato dos economistas de São Paulo, Carlos Eduardo Oliveira Júnior, esse aumento se deve ao preço internacional do petróleo. “As refinarias também acabam seguindo esse caminho de elevação dos preços. Ou seja, ela acompanha os preços internacionais independentemente de produzir mais ou menos petróleo”, afirmou.

Petrobras aumenta o preço da gasolina, do diesel e do gás de cozinha

Especialistas estimam queda de preços com Nova Lei do Gás
 
O anúncio dos reajustes ocorre em meio a questionamentos sobre a política de preços da companhia, que começou a observar prazos mais longos antes de decidir por mudanças. A estatal afirma que evita repassar imediatamente a volatilidade externa aos preços do mercado interno, mas busca o equilíbrio de seus valores com o mercado internacional e a taxa de câmbio.
 
Mas até chegar ao consumidor final, os preços cobrados nas refinarias na venda às distribuidoras ainda têm o acréscimo de impostos, custos para a mistura obrigatória de biocombustível, margem de lucro de distribuidoras e revendedoras e outros custos.
 
O economista William Baghdassarian explicou o comportamento dos postos de combustíveis em relação a esses aumentos. “Quando há aumento do preço na distribuidora, normalmente eles repassam esse aumento do preço da gasolina aumentando a sua própria margem, muitas vezes eles elevam até mais do que o aumento da gasolina na distribuidora. O posto de gasolina é sim um elemento que pode afetar esse preço de uma forma um pouco mais ativa”, destacou.
 
 

De acordo com a Petrobras, o valor final não é determinado apenas pelo preço de venda da companhia, mas também pelas margens das distribuidoras. No caso do GNV, o valor será dado pelos postos de revenda e pelos tributos federais e estaduais. Além disso, o processo de aprovação das tarifas é realizado pelas agências reguladoras estaduais, conforme legislação e regulação específicas.
 
Segundo os economistas, não há nenhuma perspectiva de queda para esses valores nos próximos meses. A explicação não é local, mas sim macroeconômica, logo, o preço dos combustíveis e do gás de cozinha deve continuar pressionado pelo contexto internacional. 

Copiar o texto
05/05/2021 16:15h

No total, foram produzidos 2,56 milhões de barris de óleo equivalente por dia. Produção do pré-sal correspondeu a 73,1%

Baixar áudio

A produção da Bacia de Santos ultrapassou 70% da fabricação nacional de petróleo. Esta é a primeira vez que o valor é atingido, marcando a maior participação relativa na série histórica e a sexta maior até hoje. No total, foram produzidos 2,56 milhões de barris de óleo equivalente por dia, sendo quase 2 MMbbl/d (milhões de barris por dia) de petróleo e 90 MMm3/d (milhões de metros cúbicos por dia) de gás natural.

O resultado foi divulgado na segunda-feira (3) pela Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP) no Boletim Mensal da Produção de Petróleo e Gás Natural de março de 2021. Na fabricação nacional relacionada ao mês anterior, houve aumento de 0,9% de petróleo e redução de 3,9% na de gás natural. Já na comparação com março de 2020, a redução foi de 4,3% no petróleo e aumento de 3,6% no gás natural.

Regulamentação da Lei do Gás ajudará na retomada econômica

O aumento significativo da produção do pré-sal correspondeu a 73,1% do total produzido no Brasil, alcançando o maior percentual já registrado em relação ao total nacional.

Copiar o texto
03/03/2021 16:00h

Apesar disso, na comparação com janeiro de 2020, os resultados tiveram queda na produção

Baixar áudio

Em janeiro, a produção brasileira de petróleo subiu e conseguiu ficar acima da média em comparação à produção de dezembro do ano passado. Isso quer dizer que a produção nacional atingiu uma média diária de 2,87 milhões de barris no primeiro mês deste ano, resultado que ficou 5,4% acima da produção de dezembro de 2020. Os dados foram divulgados nesta terça-feira (02) pela Agência Nacional de Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP).

Sebrae lança nova campanha para incentivar retomada segura da economia

“Não me surpreende”, diz deputado Beto Pereira após resultado positivo de Três Lagoas em ranking das melhores cidades para se investir

Outro dado apresentado pela ANP foi o da produção de gás natural que teve média diária totalizando 136 milhões de metros cúbicos (m³). Esse também foi um resultado melhor em janeiro do que o registrado no mês anterior, em cerca de 7,4% acima do resultado de dezembro de 2020. Apesar disso, na comparação com janeiro de 2020, os resultados tiveram queda na produção, tanto de petróleo (-9,3%) quanto de gás natural (-1,7%).

Copiar o texto
24/02/2021 16:30h

Informação ao consumidor deve ser feita com clareza e fixada em placa no posto

Baixar áudio

Publicado nessa terça-feira (23), o Decreto nº 10.634, com determinação de que os postos de combustíveis devem informar com clareza a composição do preço final dos combustíveis automotivos e os preços reais e promocionais do produto vendido. Segundo o texto, as informações devem estar disponíveis de forma detalhada e visível no estabelecimento. A medida entra em vigor no prazo de 30 dias.

Sistema FIEP oferece capacitação voltada para importação e exportação de serviços

Projeto “Na Fábrica” aproxima setor produtivo industrial e órgãos do governo do Pará

Segundo o decreto, os postos revendedores de combustíveis ficam obrigados a informar os valores por meio de painel fixado em local visível do estabelecimento. As informações a serem prestadas são: o valor médio regional no produtor ou no importador; o preço de referência para o Imposto sobre Operações relativas à Circulação de Mercadorias e Prestação de Serviços de Transporte Interestadual e Intermunicipal e de Comunicação (ICMS); e o valor do ICMS.

Copiar o texto
13/01/2021 15:15h

Variação impacta principalmente as famílias de menor renda

Baixar áudio

Não é só o preço dos alimentos básicos que subiu em 2020; preparar a refeição também ficou mais caro para os brasileiros, no ano passado. Preço do gás de cozinha subiu mais que o dobro da inflação e encerrou 2020 com alta de 9,24%. O dado é do Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo, divulgado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). A inflação registrada no ano passado ficou em 4,52%.

Preço da cesta básica aumentou em todas as capitais brasileiras em 2020

Hortas comunitárias podem auxiliar no consumo de alimentos mais saudáveis

No fim de 2020 cresceu a quantidade de brasileiros com dívidas

O aumento do gás de cozinha impacta principalmente as famílias mais pobres, já que o gás encanado – usado pelas famílias de maior renda – ficou 1,29% mais barato no período. O gás veicular fechou 2020 com alta de 1,66%.

O botijão de gás de cozinha está custando em média, atualmente, R$ 75,04, segundo levantamento semanal da Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP). Antes da pandemia, o preço médio era de R$ 69.

Segundo os pesquisadores, a variação do preço do gás de cozinha se dá pelo preço do dólar e pela cotação internacional do petróleo, mas a queda no consumo das famílias também contribuiu com o aumento.

Copiar o texto
19/10/2020 11:10h

Atualmente, só recebem royalties, no regime de concessão, os municípios que possuem instalações ligadas a operação de embarque ou desembarque de petróleo e gás natural

Baixar áudio

Municípios que abrigam parques de tancagem para armazenamento de petróleo, gás natural e derivados poderão receber royalties. A proposta faz parte do Projeto de Lei 652/20, que tramita na Câmara dos Deputados alterando a Lei do Petróleo. 
 
Atualmente, só recebem royalties, no regime de concessão, os municípios que possuem instalações ligadas a operação de embarque ou desembarque de petróleo e gás natural, não contemplando os municípios apenas com tanques de armazenamento.

Projeto de lei prevê transparência no uso de royalties de petróleo

RJ: Municípios recebem repasse de R$ 77 milhões

Os royalties são uma compensação financeira paga à União pelas empresas produtoras de petróleo e gás natural no Brasil, como forma de compensar a sociedade pela utilização destes recursos não são renováveis.
 
O autor da proposta, o deputado Alceu Moreira (MDB-RS) avalia a mudança da lei como uma questão de justiça.

Copiar o texto
14/10/2020 10:15h

Proposta do senador José Serra (PSDB-SP) aguarda designação de relator no Senado

Baixar áudio

Aguarda designação de relator no Senado Federal o projeto de lei 243/20, de autoria do senador José Serra (PSDB-SP), que prevê o aumento da transparência fiscal do uso dos royalties oriundos da exploração do petróleo e do gás natural. O autor da proposta afirma que os riscos fiscais associados ao uso desses recursos são “imensos”, especialmente quando envolvem despesas obrigatórias de longa duração, como folha de pessoal ou pagamento de aposentadorias do setor público.

Fonte de financiamento do Renda Cidadã será divulgada somente após eleições

Projeto do Senado quer tornar permanentes leitos de UTI usados em pacientes com Covid-19

O senador José Serra argumenta ainda este será o primeiro e único dispositivo da Lei de Responsabilidade Fiscal que exigirá a transparência das despesas do orçamento tendo por base a arrecadação de uma específica receita pública.

Copiar o texto
13/09/2020 00:00h

Valores correspondem à distribuição de parte da arrecadação de royalties do petróleo e dos tributos ICMS e IPVA às administrações municipais

Baixar áudio

O governo do Rio de Janeiro repassou nesta semana R$ 77 milhões aos 92 municípios do estado. O valor é referente à distribuição de parte da arrecadação de royalties do petróleo e dos tributos ICMS e IPVA, e foi arrecadado no período de 31 de agosto a 04 de setembro.

Rio de Janeiro: Prorrogação de benefício a exportadores deve evitar falências

Segundo o governo do estado, o total depositado no mês de setembro acumula R$ 174 milhões. Os depósitos semanais são previstos em lei e a consulta aos valores pode ser feita no site da Secretaria de Fazenda fluminense. Os repasses de arrecadação de royalties do petróleo e dos tributos ICMS e IPVA são feitos com base no Índice de Participação dos Municípios (IPM). 

Copiar o texto
04/09/2020 13:00h

Até o momento, 57 empresas estão interessadas em explorar as área

Baixar áudio

Decreto presidencial estabeleceu a oferta de 708 blocos exploratórios e três áreas na área de petróleo e gás. Segundo o governo federal, há 57 empresas inscritas interessadas em investir nessa exploração, contemplando desde companhias de pequeno e médio porte até os grandes companhias internacionais do setor de petróleo e gás.

Ministério da Infraestrutura tem planejamento robusto de concessões para o segundo semestre

O governo afirma que os investimentos privados no setor irão propiciar a atratividade de investimentos, além de fomentar a geração de novos postos de trabalho e incrementar as receitas públicas. O governo afirma investimentos público privados serão o grande motor da retomada econômica no pós pandemia. 

Copiar o texto
Economia
03/09/2020 16:00h

Entidade afirma que objetivo da resolução é diminuir burocracia pelos produtores e importadores

Baixar áudio

A Agência Nacional de Petróleo (ANP) publicou, nesta quarta-feira (2), resolução que prevê a obrigatoriedade do envio de informações de qualidade de todos os produtos regulados pela entidade e a utilização de um sistema informatizado pelos  produtores e importadores de combustíveis e biocombustíveis. 

Segundo a ANP, o objetivo do documento é simplificar procedimentos, diminuir a burocracia para os agentes econômicos e, principalmente, permitir maior eficiência no monitoramento e tratamento dos dados coletados pela agência. 

Com investimentos privados, Governo Federal espera duplicar malha ferroviária do país em 10 anos

Antes da publicação da resolução, as regras sobre o envio dos dados de qualidade que estavam presentes 12 diferentes documentos. Outros novidade trazida pela resolução publicada foi a criação de um sistema informatizado, que vai substituir o envio de planilhas que eram enviadas por e-mail. 

Copiar o texto
Brasil 61