Guerra

Economia
22/06/2022 03:30h

Produtos são fundamentais para a economia brasileira. Cientista político avalia que postura das autoridades brasileiras ajudou a minimizar impactos do conflito na agricultura

Baixar áudio

Um estudo da Consultoria Legislativa da Câmara dos Deputados divulgou dados sobre os impactos da guerra entre Rússia e Ucrânia para o Brasil. O levantamento mostra que os preços de produtos importantes para a economia brasileira, como adubos, fertilizantes e petróleo dispararam desde o início do conflito no leste europeu, mas que o país pode ter sido beneficiado com a realocação de investimentos estrangeiros. 

A consultoria aponta que 23% dos fertilizantes usados no Brasil vêm da Rússia. O país compra cerca de R$ 3,5 bilhões em fertilizantes por ano do país e entre março de 2021 e março deste ano, a importação desses insumos vindos de lá cresceu 122,5%.  

Os fertilizantes são importantes para aumentar a produtividade e qualidade nas lavouras. Desde o início da guerra, o preço global de adubos e fertilizantes subiu 140,4%. A consequência natural é que os campos sejam menos produtivos caso a agricultura brasileira, a quarta maior consumidora mundial de fertilizantes, não consiga substituir a quantidade de insumos que antes importava dos russos. 

Para o cientista político Paulo Kramer, especialista da Fundação da Liberdade Econômica, as autoridades brasileiras agiram bem para minimizar os impactos da guerra sobre a  economia do país. 

“É preciso reavaliar positivamente a viagem que o presidente Jair Bolsonaro fez à Rússia um pouco antes da invasão à Ucrânia. Essa visita gerou muita polêmica, porque parecia que o Brasil estava escolhendo um lado, mas, passados quatro meses, a gente pode enxergar melhor que ele se esforçou para garantir o abastecimento dos fertilizantes que são tão importantes para o nosso agronegócio, nossa produção e exportação de alimentos”, avalia. 

Kramer destaca que mais de 80% dos fertilizantes usados na produção agrícola brasileira vêm do exterior, mas que além da visita do presidente Jair Bolsonaro à Rússia, a viagem da então ministra da Agricultura, Tereza Cristina, ao Canadá, foi determinante para garantir o estoque dos insumos a médio prazo. “Foi um esforço de diversificar as nossas fontes de fertilizantes”. 

Lei que prorroga desoneração de tributos a empresas que compram insumos para produtos destinados à exportação já está valendo

Câmara aprova projeto que limita alíquotas de ICMS sobre combustíveis

Petróleo

Desde o início do conflito no leste europeu o preço do petróleo no mercado externo aumentou cerca de 70%, de acordo com o estudo da Consultoria Legislativa. Apesar de não comprar petróleo russo, o que não gera prejuízo para o abastecimento interno, o Brasil, assim como outros países, viu o preço dos combustíveis disparar nos últimos meses, o que aumentou o custo dos insumos, dos fretes e, por consequência, a inflação. 

Segundo o cientista político, a alta no preço do petróleo prejudica a população mais pobre. “A Rússia é responsável pela exportação de 25% de todo o óleo diesel do mundo. O óleo diesel é fundamental para o transporte rodoviário, e o Brasil é um país rodoviário. Se encarece o diesel, isso encarece o frete dos gêneros de primeira necessidade e, obviamente, vai encarecer o preço do próprio produto que o brasileiro consome, um sacrifício desproporcionalmente maior para as camadas mais pobres da população”, explica. 

O senador Luiz Carlos Heinze (PP-RS) defende que o Brasil só vai conseguir conter a escalada no preço dos combustíveis no nível interno se houver articulação entre União, estados e municípios. “Agora não é hora de procurar culpados. É hora de resolver o problema. A crise dos combustíveis é mundial. Temos uma guerra regional em curso e saímos de uma pandemia. São muitos os desafios e nossa obrigação é atuar para minimizar os impactos para a população brasileira. Todo mundo precisa fazer a sua parte. Entendo que o governo federal está buscando uma solução e compactuo com isso”, afirma. 

Investimento

A consultoria destaca que a guerra entre Rússia e Ucrânia não trouxe apenas efeitos negativos para a economia brasileira. O estudo diz que o Brasil pode ter sido beneficiado de forma momentânea por investimentos estrangeiros realocados por conta do conflito. 

Paulo Kramer diz que é cedo para analisar com precisão o desvio de capital internacional em direção ao Brasil, mas que o país vem melhorando a sua capacidade de atrair investimentos nos últimos anos. “Agora só falta os poderes da República se entenderem melhor entre si, de maneira a diminuir aquilo que mais assusta investidores estrangeiros, que é a insegurança jurídica, quer dizer, se as regras vão se manter ou não. É muito importante que a gente insista nesse ponto: a harmonia entre os poderes é muito importante para fortalecer a nossa capacidade de atração de investimento, que gera emprego e renda”, conclui. 

Copiar o texto
14/03/2022 16:15h

Webinar será realizado no dia 17/3, das 15hs às 17hs, com transmissão ao vivo

A questão da dependência que o Brasil tem do exterior de matérias primas para fertilizantes ganhou destaque com o conflito Rússia x Ucrânia. O tema já vinha preocupando o governo, que agora lança o Plano Nacional de Fertilizantes, objetivando estimular o aumento da produção interna dos insumos essenciais para o desenvolvimento do agronegócio. 

Com o objetivo de discutir os caminhos e as possibilidades que o Brasil tem para aumentar a oferta interna dessas matérias primas e a viabilidade das metas estabelecidas pelo PNF, a Brasil Mineral está organizando o webinar “Fertilizantes: Como reduzir a dependência externa?”, que reunirá Bernardo Silva (Diretor Executivo do Sinpriferti), Márcio Remédio (diretor de Geologia e Recursos Minerais do SGB-CPRM), Luís Maurício Azevedo (presidente da ABPM) e Antenor F. Silva Júnior (membro do Conselho Consultivo da Brasil Mineral) e Francisco Alves (diretor editorial da Brasil Mineral). 

O webinar, com transmissão ao vivo, será realizado no dia 17/3, das 15hs às 17hs. Maiores informações pelo email: brasilmineral@brasilmineral.com.br.

Copiar o texto
11/03/2022 17:50h

O podcast Giro Brasil 61 faz uma seleção dos principais fatos e acontecimentos noticiados pelo Brasil61.com durante a semana

Baixar áudio

Neste episódio (11), o podcast Giro Brasil 61 comenta os assuntos que estiveram em alta durante a semana. 

Em 8 de março, celebramos o dia das mulheres, e lembramos a busca pelo cumprimento de direitos básicos. O impacto da Guerra na Ucrânia sobre o abastecimento de trigo e a alta no preço. O adeus a Orlando Brito, um dos maiores fotojornalistas do País. A obrigação do prefixo 0303 para empresas de telemarketing e a Síndrome da Gaiola, que pode afetar as crianças na volta às aulas presenciais. 

Quer saber tudo? Aperte o play e confira!

Veja mais

Prefixo 0303 passa a ser obrigatório para empresas de telemarketing

Morre Orlando Brito aos 72 anos, um dos maiores fotojornalistas do País

Dia 8 de março: mulheres ainda buscam o cumprimento de direitos básicos

Síndrome da Gaiola: como isolamento pode afetar as crianças na volta às aulas presenciais

Guerra na Ucrânia não compromete abastecimento de trigo, mas provoca alta no preço do produto

Copiar o texto
09/03/2022 03:30h

A avaliação é da Associação Brasileira da Indústria do Trigo (Abitrigo). Os russos são os maiores exportadores do produto e a Ucrânia ocupa a quarta posição

Baixar áudio

Nos últimos dois anos, o mercado global de trigo sofreu um sério impacto por crises climáticas nos países líderes na produção e pela pandemia da Covid-19. Agora, outra questão preocupa o setor: a guerra entre Rússia e Ucrânia. Na avaliação do presidente-executivo da Associação Brasileira da Indústria do Trigo (Abitrigo), Rubens Barbosa, é inevitável que esse conflito armado afete diretamente os preços do produto em todo o mundo.

“A desorganização daquela região já está causando um grande impacto no mercado de trigo, como vimos nas cotações. E o trigo é um dos produtos mais afetados, por causa da dependência do mercado global da produção que vem da Rússia e da Ucrânia. Na minha visão, não haverá, a curto prazo, nenhum problema de abastecimento. O que haverá é a continuidade e talvez a ampliação de aumento dos preços”, considera. 

Fertilizantes: com guerra, Brasil vê chances de explorar potássio

Guerra na Ucrânia: por que o conflito afeta o agronegócio brasileiro?

Sanções econômicas contra a Rússia podem impactar o Brasil?

Os russos são os maiores exportadores do produto no planeta. Já a Ucrânia ocupa a quarta posição neste ranking. Os dois países são responsáveis por aproximadamente 30% do mercado mundial de exportação do produto, o que corresponde a 210 milhões de toneladas.

Elevação dos preços

O mercado mundial de trigo já se movimenta para elevar o preço do cereal. 
De acordo com publicação da Abitrigo, o valor do produto na Bolsa de Chicago (EUA) bateu recorde histórico de US$ 12,94 por bushel, nessa segunda-feira (7). 

O resultado é superior à cotação registrada em março de 2008, de US$ 12,83. Desde o início da guerra, houve elevação para o trigo de 46,25% em Chicago. No interior do Rio Grande do Sul, a tonelada do grão atingiu R$ 1.960. O preço se trata de um recorde, com salto de 26% em uma semana. 

Para a ministra da Agricultura, Pecuária e Abastecimento do Brasil, Tereza Cristina, essa variação deve acompanhar a extensão do conflito. “Se a guerra acabar hoje ou amanhã, teremos um impacto. Se ela continuar por muito tempo, teremos outro impacto. Nós temos que diminuir esses impactos. Precisamos achar as alternativas de ter o fornecimento, o abastecimento. O preço dependerá do mercado. O preço do trigo subiu porque a Ucrânia é um grande produtor e influencia o mercado global”, destaca a ministra. 

Caso a guerra seja prolongada, haverá continuidade da suspensão dos embarques nos portos ucranianos e os importadores devem concentrar as demandas em outros exportadores, como Estados Unidos, Austrália, Canadá e Argentina. 
 

Copiar o texto
Brasil 61