blog

Dr. Ajuda
21/01/2022 17:00h

Neste episódio, o psiquiatra infantil Dr. Mauro Victor de Medeiros dá mais detalhes sobre o assunto

Baixar áudioBaixar áudio

Seu filho tem ansiedade? Sabe se é normal ou patológico?

Neste episódio o psiquiatra infantil Dr. Mauro Victor de Medeiros dá mais detalhes sobre o assunto.

A ansiedade é considerada uma reação de defesa normal. Ela é um estado de apreensão que pode ser sentido tanto no corpo quanto nos pensamentos. No corpo, ela pode ser sentida de diferentes formas: bola na garganta, sensação de falta de ar, coração acelerado, dor de estômago ou enjoo, vontade de ir ao banheiro, suor nas mãos, fraqueza, formigamento, tontura, dor de cabeça e até sensação de perda de barreira do corpo ou sensação de estar sonhando. 

Nos pensamentos, a ansiedade aparece como preocupações, tensões, ideias ou imagens de que as coisas podem dar errado. Em geral, crianças e adolescentes sentem apreensão tanto no corpo quanto nos pensamentos.

Essa apreensão é desencadeada por uma ameaça, real ou imaginária. Se a ameaça é presente, como um cachorro pronto para nos atacar, chamamos de medo.

Se a ameaça está no futuro, como o receio de o cachorro atacar quando eu chegar na casa de um amigo daqui há algumas horas, chamamos de ansiedade.

Mas quando a ansiedade passa a ser vista como um transtorno psiquiátrico? Aqui vão algumas dicas para diferenciar ansiedade normal de patológica:

  • Primeiro: a ansiedade normal é passageira. Na ansiedade patológica, o estado de alerta para ameaças é constante, e por isso geralmente vem junto com cansaço, inquietação, irritabilidade, falta de concentração ou sensação de “branco” na mente, alteração de sono e dores. 
  • Segundo: na ansiedade patológica, a ameaça é vivida de um jeito desproporcional. Exemplo, uma criança que estudou para a prova e nitidamente sabe a matéria, mas tem uma ansiedade e quase uma certeza de tirar zero; ou a criança que sabe se comunicar bem, mas não consegue pedir uma comida no restaurante para o garçom por ansiedade extrema de falar algo errado e ser ridicularizada. 
  • Terceiro: na ansiedade patológica, as crianças e adolescentes começam a evitar constantemente as possíveis ameaças da rotina de uma forma generalizada. Por exemplo, faltas repetidas na escola em dia de prova ou em casos mais graves abandono escolar, faltas e abandonos de jogos competitivos, evitação constante de ficar sem os pais mesmo quando a criança já tem autonomia para isso, esquiva de ir em vários aniversários ou casas de amigos por ansiedade de lidar com situações sociais. 
  • Quarto: na ansiedade patológica há um prejuízo significativo na vida da criança ou adolescente, com sofrimento constante e piora do desenvolvimento social e acadêmico.

Para saber mais, assista ao vídeo no canal Doutor Ajuda.

Copiar o texto
17/01/2022 19:00h

Neste episódio a oncologista Milena dá mais detalhes sobre o assunto.

Baixar áudioBaixar áudioBaixar áudio

Você sabia que câncer de pulmão é um dos cânceres mais comuns? Sabe quais os sintomas e fatores de risco dessa doença?

Neste episódio a oncologista Milena Mak dá mais detalhes sobre o assunto.

Câncer de pulmão é o nome de um conjunto de diferentes doenças. Existem vários tipos de câncer de pulmão, cada um tem um comportamento, agressividade, risco de metástase. Os mais comuns são o Adenocarcinoma, o Carcinoma espinocelular e o Carcinoma de pequenas células, dentre outros.

Nem todos sabem, mas câncer de pulmão é um dos cânceres mais incidentes no Brasil e no mundo. No Brasil, excluindo o câncer de pele, é o segundo em incidência em homens ficando atrás do câncer de próstata e em mulheres é o quarto (câncer de mama, colón e colo de útero são mais frequentes).

Quando você deve suspeitar que tem câncer de pulmão?

Você deve avaliar alguns fatores. O primeiro deles é a presença de sintomas como:

  • Falta de ar
  • Tosse crônica que pode ou não ter sangue 
  • Dor no peito 
  • Rouquidão
  • Perda de peso sem a intenção de perder peso

Vale destacar que quando surgem esses sintomas normalmente o tumor não se encontra mais nas fases iniciais. No início do quadro o tumor não causa sintomas.

Esse é um grande problema porque ele vai crescendo silenciosamente sem você perceber e quando começam os sintomas a doença normalmente está avançada.

E por isso é preciso ficar atento ao seu pulmão, especialmente aqueles que tem maior chance de ter o problema que é o que chamamos de fatores de risco, que são:

  • Tabagismo: cigarro, cigarro eletrônico, maconha e narguilé;
  • Inalação de agentes químicos como asbesto, amianto e arsênio.
  • Poluição do ar: pessoas que moram em cidade grande;
  • Fatores genéticos: se possui algum parente que já tenha tido câncer de pulmão, seu risco é maior.

O diagnóstico pode ser feito através de exames como raio x de pulmão ou tomografia de tórax. Na presença de uma nodulação ou qualquer imagem suspeita a investigação deve prosseguir através de biópsia. Ao final dessa análise é possível saber se tem ou não câncer e qual o subtipo da doença.

Uma vez feito o diagnóstico o próximo passo é avaliar a extensão da doença através de outros exames, que pode ser tomografia, ressonância ou mesmo PET.

O tratamento nos casos de câncer de pulmão podem ser cirurgia, radioterapia, quimioterapia, imunoterapia e terapia alvo. É fundamental que você saiba que o câncer de pulmão tem cura, principalmente nas fases iniciais da doença. Por isso se tem suspeita dessa doença ou faz parte dos grupos de risco, não deixe de procurar um médico.

Para saber mais, assista ao vídeo no canal Doutor Ajuda. 

Copiar o texto
Dr. Ajuda
15/01/2022 03:00h

Neste episódio, o psiquiatra Douglas Calderoni dá mais detalhes sobre felicidade

Baixar áudioBaixar áudio

Você sabe o que é a felicidade? Sabe como ser feliz?

Neste episódio, o psiquiatra Douglas Calderoni dá mais detalhes sobre o assunto.

Aristóteles diz que a felicidade é um estilo de vida, ou seja, é preciso cultivar o que se tem de bom para atingir a felicidade. 

Epicuro, outro filósofo grego dizia que o equilíbrio e a temperança davam origem à felicidade. Pensamos que felicidade é um estado de ânimo que se traduz em um sentimento de satisfação. A Felicidade é um estado de satisfação, equilíbrio físico, psíquico e sensação de bem-estar emocional.

Como podemos interferir e buscar a nossa felicidade?

A felicidade decorre de como lidamos com os acontecimentos de nossa vida, como desenvolvemos nossa memória e como estamos nos sentindo no momento. Ou seja, a busca pela felicidade é algo que deve ser aprendido e exercitado.

Se esperamos que para ser feliz devemos ter saúde, a conta cheia de dinheiro, um trabalho que não cause dor de cabeça e o amor da sua vida ao lado, será muito difícil atingir essa meta, com todas essas variáveis ao mesmo tempo, e corre o risco de você passar a vida toda buscando algo e deixando de viver momentos felizes da vida.

Temos a tendência de valorizar o que está faltando e a felicidade é justamente a satisfação, ou seja, precisamos treinar nosso olhar para valorizar o que temos e que nos dá prazer.

Dicas para praticar e ser mais feliz

  • A felicidade depende de nossas lembranças, por isso procure valorizar as lembranças boas e cuidar para criar sempre boas lembranças. Procure investir em experiências, como viagens, passeios que são mais gratificantes do que objetos materiais.
  • Faça sempre coisas novas, aprenda algo diferente, se desafie! Sair do automático lhe trará a sensação de satisfação.
  • Exercite seu otimismo. Pessoas otimistas tem um maior nível de felicidade, isso porque conseguem se concentrar menos no problema, ou no que deu errado, e mais no aprendizado ou no que conquistou com isso.
  • Cultive as amizades e os relacionamentos. Um estudo realizado nos EUA, acompanha pessoas há 80 anos para identificar os fatores de vida que geram o bem-estar e chegou à conclusão de que o mais importante são vínculos sociais e familiares fortalecidos, muito mais do que dinheiro, poder, cargos importantes etc.

É necessário ter em mente que ser feliz não é estar feliz o tempo todo, é saber lidar com as adversidades de forma satisfatória, estimular nossa mente, olhar o lado positivo da vida e cultivar os laços familiares e sociais.

Para saber mais, assista ao vídeo no canal Doutor Ajuda.

Copiar o texto
31/12/2021 10:50h

Neste episódio a gastroenterologista Dra. Maira Marzinotto dá mais detalhes sobre o assunto

Baixar áudioBaixar áudioBaixar áudio

Você sabe reconhecer os sintomas de pancreatite? Neste episódio a gastroenterologista Dra. Maira Marzinotto dá mais detalhes sobre o assunto.

A pancreatite é uma doença potencialmente muito grave e que, se não tratada adequadamente, pode levar à morte. Os sintomas iniciais são: dor abdominal, náuseas e vômitos.

Quando você deve suspeitar que sua dor de barriga pode se tratar de uma pancreatite aguda?

O pâncreas possui duas funções principais, a primeira é produzir hormônios como insulina e glucagon, que são responsáveis pelo controle da glicose no sangue.

Quando ocorre um desbalanço na produção desses hormônios, podem surgir doenças como diabetes. A segunda é a função digestiva, que é responsável por produzir enzimas digestivas para digerir os alimentos que comemos. Se acontece uma infecção no pâncreas e essas enzimas não chegam ao intestino e ficam presas no pâncreas, elas começam a digerir o próprio órgão, esse processo chama-se pancreatite aguda. Muitas vezes esse processo inicia na região pancreática, mas pode atingir outros órgãos como por exemplo o pulmão e os rins.

Sintomas

  • Dor no abdome superior de forte intensidade (pode ocorrer dor para os lados e para as costas também e não melhora com analgésicos comuns).
  • Distensão abdominal
  • Icterícia 
  • Falta de ar

Fatores de risco

  • Pedra na vesícula (principal causa de pancreatite aguda)
  • Álcool 
  • Tabagismo

Existem muitas outras causas para a pancreatite aguda, portanto se você apresenta algum desses sintomas citados acima procure um médico.

Para saber mais, assista ao vídeo no canal Doutor Ajuda. 

Copiar o texto
29/12/2021 14:00h

Nesta edição, Érica Ferraz te dá mais seis dicas para fazer um balanço da sua comunicação em 2021

Baixar áudio

No episódio da semana passada falamos sobre importância do controle emocional, do nível de energia, preparação de conteúdo, como atrair a sua audiência e a importância dos efeitos audiovisuais. Se você ainda não escutou, corre lá que o de hoje vai complementar o conteúdo. 

PARTE 1: um balanço da sua comunicação

Vamos continuar a fazer nosso balanço e checklist?

6 dicas para melhorar sua comunicação

  1. Postura corporal: postura ereta, segura. Saiba que mesmo antes de você abrir a boca, a sua postura comunica algo para a sua audiência. 
  2. Voz: você fala muito alto ou rápido? Como está a sua entonação? A nossa voz tem um poder gigantesco e quanto mais ênfases você fizer, mais o seu interlocutor vai ser atraído por você. 
  3. Pausas estratégicas: faça perguntas para a audiência para que ela participe. 
  4. Gestos: o que você faz com a sua mão? Coloca no bolso, esconde atrás do corpo ou sabe usá-la junto com a voz para reforçar sua fala? 
  5. Expressões faciais: você é carrancudo? Nunca comece um diálogo sem dar um sorriso para a outra pessoa e olhe para os olhos da sua plateia. 
  6. Gestão do tempo: como anda a gestão do tempo nas suas reuniões, palestras ou discursos? 

Essas dicas te ajudam a avaliar a sua comunicação em 2021 e começar com o pé direito em 2022. 

E lembra-se sempre dos três verbos do bom comunicador: observar mais, ouvir mais e perguntar mais. Sempre respeitando a opinião do outro por mais diferente que seja. 

EMISSORAS DE RÁDIO: Comunicador, disponibilizamos o áudio deste podcast para download. Utilize e diversifique sua programação!    

Quer saber mais? Aperte o play e escute o podcast Comunicação Positiva!

Copiar o texto
Dr. Ajuda
27/12/2021 17:00h

Neste episódio, a dermatologista Dra. Vivian Loureiro dá mais detalhes sobre o assunto

Baixar áudioBaixar áudioBaixar áudio

Você já teve micose? Sabe os tipos de micose? Neste episódio, a Dra. Vivian Loureiro dá mais detalhes sobre o assunto.

Micose é o termo genérico para as infecções causadas por fungos. As micoses são mais comuns em países tropicais, como o Brasil, e no verão, porque o calor, suor e a umidade, favorecem a proliferação dos fungos.

As Micoses superficiais são aquelas que podem afetar a pele, as unhas e os pelos. Os fungos que causam as micoses superficiais se alimentam de queratina e da camada de gordura que temos na superfície do nosso corpo.

A micose do cabelo é chamada de Tineas capitis, é um problema quase que exclusivo de crianças. Desconfiamos quando aparece no couro cabeludo alguma área de coceira, escamação e queda dos fios. Raramente o quadro é bem mais intenso e inflamatório com a formação de feridas crostas e até pus.

A Micose do corpo é chamada de Tinea corporis e você deve desconfiar se surgirem lesões com as seguintes características: placas avermelhadas, arredondadas que descamam e que podem ou não coçar. Essas lesões podem surgir em qualquer parte da pele.

Existe um outro tipo de micose muito comum chamada de pitiríase versicolor, popularmente chamada de pano branco ou micose da praia. Essa micose é causada por outro tipo de fungo, que existe normalmente na pele de todas as pessoas. Algumas pessoas apresentam uma sensibilidade maior a esse fungo e por isso desenvolvem a doença.

Caracteríscas da pitiríase versicolor

  • Manchas que podem ser brancas, rosadas, avermelhadas ou acastanhadas.
  • Costuma reaparecer de tempos em tempos com pessoas que já possuem pré-disposição.

A micose de unha é a doença de unha mais comum, é mais frequente nos pés do que nas mãos, isso deve-se ao fato que sapatos fechados e meias tornam o pé um ambiente mais propício para o crescimento do fungo.

Características que você deve observar

  • Unhas amareladas ou esbranquiçadas
  • Unhas mais grossas
  • Unhas que podem descolar da pele 

As micoses tendem a serem mais recorrentes em pessoas imunodeprimidas, como as pessoas com câncer, AIDS, Diabetes, entre outras. Por isso neste grupo a atenção deve ser redobrada

CONTEÚDO PARA EMISSORAS DE RÁDIO: Nesta edição, você pode utilizar três áudios sobre o tema:

  1. O que é
  2. Micose no corpo
  3. Micose nas unhas

Para saber mais, assista ao vídeo no canal Doutor Ajuda.

Copiar o texto
Dr. Ajuda
24/12/2021 17:00h

Neste episódio o Dr. Júlio Caio dá mais detalhes sobre o assunto

Baixar áudioBaixar áudioBaixar áudioBaixar áudio

Você tem alergia a picada de inseto? Conhece os sinais e alerta? Neste episódio o Dr. Júlio Caio dá mais detalhes sobre o assunto.

A alergia é uma reação exagerada e desproporcional do nosso sistema de defesa, que é o sistema imunológico respondendo a alguma agressão. É por isso que é chamada de hipersensibilidade. 

Normalmente essa reação desproporcional ocorre em crianças que já tem uma predisposição genética e já receberam algumas picadas de inseto ao longo da vida.

Grande parte das pessoas quando picadas por uma abelha ou uma vespa por exemplo, vai ter dor, vermelhidão e inchaço no local da picada. Esses sintomas podem durar horas e até dias. Isso é normal. O diagnóstico de Alergia a picada de inseto, na maioria das vezes, é clínico, através da história do paciente e da análise das lesões de pele, ou seja, somente em situações especiais há necessidade de coleta de exames. 

É normal ter sintomas no local da picada, principalmente vermelhidão, inchaço e coceira, se você for picado por pernilongo, borrachudo, mosquito pólvora, formiga, carrapato ou pulga.

Você deve suspeitar que tem alergia a picada de inseto se, além dessas manifestações locais, a presença de sintomas como: lesões de pele que se parecem como pequenas “bolinhas” (que chamamos de pápulas), pequenas bolhas com líquido dentro (que chamamos de vesículas) ou bolhas maiores. Tem uma situação que merece atenção pela gravidade e que na medicina chamamos de sinais de alerta.

Se após uma picada de inseto houver surgimento rápido de:

  • Lesões de pele ou inchaços no rosto principalmente lábios e olhos (angioedema)
  • Falta de ar e dificuldade para respirar ou muita dor abdominal e vômitos. 

Isso pode ser uma reação alérgica de forte intensidade que chamamos de Anafilaxia. É emergência médica e por isso você deve procurar imediatamente um Pronto-socorro. 

A principal medida é prevenção, ou seja, evitar a picada de inseto com medidas como: 

  • Colocação de telas e mosquiteiros
  • Utilização de repelentes para passar na pele (sempre checar com seu pediatra se seu filho está liberado para o uso deles e quais podem ser utilizados)
  • Usar calças e roupas de manga comprida quando estiver em ambientes de maior exposição
  • Dedetização frequentes

CONTEÚDO PARA EMISSORAS DE RÁDIO: Nesta edição, você pode utilizar quatro áudios sobre o tema:

  1. Sintomas
  2. Emergência
  3. O que é
  4. Prevenção

Para saber mais, assista ao vídeo no canal Doutor Ajuda. 

Copiar o texto
Dr. Ajuda
23/12/2021 17:00h

Neste episódio a dermatologista Dra. Vivian Loureiro dá mais detalhes sobre o assunto

Baixar áudioBaixar áudioBaixar áudioBaixar áudio

Você tem celulite? Sabe o que é, graus e causa deste problema? Neste episódio a dermatologista Dra. Vivian Loureiro dá mais detalhes sobre o assunto.

Celulite é o que na medicina chamamos de Lipodistrofia ginóide.  É uma desordem metabólica do tecido adiposo, ou seja, uma alteração no depósito de gordura do corpo que está relacionada a dificuldade de drenagem acarretando acúmulo de líquidos em algumas regiões.

Se você tiver esse problema vai notar que a superfície da pele apresenta nodulações, depressões e retrações (furos) tornando sua pele parecida com uma “casa de laranja” e normalmente acomete mais algumas regiões que outras. As áreas mais afetadas são: quadril, nádegas, coxas e, eventualmente, no abdome e braços. 

Clinicamente a celulite é classificada em 4 graus: 

Grau I: corresponde à forma mais leve. A celulite aparece apenas durante a contração muscular ou pinçamento da pele. 
Grau II: o aspecto casca de laranja aparece quando a paciente está em pé, em repouso, sem fazer nenhuma contração.
Grau III: as nodulações e depressões são mais evidentes. 
Grau IV: é o estágio mais grave, frequentemente associado a problemas de circulação, inchaço e sensação de peso nas pernas.

Fatores associados

  • Sexo feminino
  • Peso (Ganho de peso)
  • Alimentação
  • Prática de exercícios físicos
  • Roupas apertadas
  • Tabagismo

Existem muitos outros fatores que podem estar relacionados a celulite como diabetes, excesso de colesterol no sangue e problemas hormonais. O mais importante é saber reconhecer o problema e principalmente entender o quanto a celulite está interferindo na sua autoestima e relacionamento social. Celulite não tem uma cura simples e definitiva, mas existem maneiras de suavizar o problema.

CONTEÚDO PARA EMISSORAS DE RÁDIO: Nesta edição, você pode utilizar quatro áudios sobre o tema:

  • O que é celulite
  • Dicas para diminuir celulite
  • Fatores de risco para celulite
  • A importância da celulite

Para saber mais, assista ao vídeo no canal Doutor Ajuda.

Copiar o texto
Comunicação Positiva
22/12/2021 04:00h

Nesta edição, Érica Ferraz te dá dicas para fazer um balanço da sua comunicação

Baixar áudio

Durante o ano de 2021 conversamos sobre algumas formas de melhorar a sua comunicação. 

Falamos sobre os gatilhos mentais e como nosso cérebro usa esses atalhos quando estamos cansados, confusos, indecisos ou com medo para tomar decisões. Já falamos sobre reciprocidade, aprovação social, autoridade e escassez. 

Faltam apenas duas semanas para acabar o ano. E que ano! Não foi fácil para ninguém. Nunca nossa inteligência emocional foi tão exigida. 

A comunicação é a primeira a dar sinais externos que você não está bem: sua voz, expressão facial, postura, tudo fica mais tenso. Mesmo que você não fale, as pessoas vão sentir que algo não vai bem. 

Neste episódio, vamos te ajudar a fazer um balanço sobre a sua comunicação. Este checklist serve para você se preparar para qualquer situação. 

6 dicas para melhorar sua comunicação

  • Energia: para se comunicar bem você precisa ter energia para cativar sua audiência
  • Controle emocional: energia e emoções andam juntas. Ciclos de respiração profunda. Ter ciência dos seus pensamentos e emoções quando as coisas não vão bem. 
  • Ter conhecimento do conteúdo que deseja abordar. Treinar antes das apresentações. 
  • Estruturar seu conteúdo e criar um roteiro de apresentação; 
  • Atrair e manter a atenção do seu público;
  • Utilizar recursos audiovisuais nas suas apresentações, palestras ou reuniões.  

Mesmo que você tenha respondido não para todos ou quase todos, não tem problema. O importante é você começar a ter noção de quantas coisas estão envolvidas quando nós queremos nos comunicar melhor.

No próximo episódio, teremos mais seis dicas para completar o checklist da sua comunicação. 

EMISSORAS DE RÁDIO: Comunicador, disponibilizamos o áudio deste podcast para download. Utilize e diversifique sua programação!    

Quer saber mais? Aperte o play e escute o podcast Comunicação Positiva!

Copiar o texto
Dr. Ajuda
21/12/2021 19:00h

Neste episódio, o hepatologista Dr. Daniel Mazo dá mais detalhes sobre a doença

Baixar áudioBaixar áudioBaixar áudio

Você tem gordura no fígado ou esteatose hepática? Neste episódio, o hepatologista Dr. Daniel Mazo dá mais detalhes sobre a doença.

Estima-se que 25% a 30% da população tem gordura no fígado, não é por acaso que essa é a doença hepática mais comum. O acúmulo de gordura no fígado em geral não causa sintomas, ou seja, a maioria das pessoas que possuem gordura do fígado não tem conhecimento.

Causas da gordura no fígado:

  • Álcool
  • Obesidade
  • Diabetes
  • Colesterol
  • Pressão Alta
  • Medicamentos
  • Hepatite

Estima-se que 25% a 30% da população tem gordura no fígado, não é por acaso que essa é a doença hepática mais comum.

Quem possui gordura no fígado tem risco aumentado de ter doenças vasculares como infarto e derrame, por isso é importante a prevenção dessas doenças cardiovasculares.

As pessoas podem ter gordura no fígado sem grandes repercussões, a chamada esteatose simples que tende a ser mais comum, entretanto algumas pessoas podem ter inflamação associada, chamada esteato-hepatite e até mesmo fibrose hepática.

Para o diagnóstico, exames de imagem são capazes de detectar esta alteração como ultrassom ou ressonância magnética. Alguns exames de sangue, que avaliam o fígado podem sugerir o problema e indicar uma investigação mais completa.

CONTEÚDO PARA EMISSORAS DE RÁDIO: Nesta edição, você pode utilizar três áudios sobre o tema:

  • O que é e causas
  • Importância
  • Diagnóstico

Para saber mais, assista ao vídeo no canal do Doutor Ajuda. 

Copiar o texto
Brasil 61