Dr. Ajuda!

Dr. Ajuda
24/09/2022 13:00h

Neste episódio a Dra. Tatiana torres dá mais detalhes sobre o assunto

Baixar áudioBaixar áudioBaixar áudio

Você sabe o que é infarto? Sabe os cuidados que devem ser seguidos após um infarto? Neste episódio a Dra. Tatiana torres dá mais detalhes sobre o assunto.

Todas as partes do nosso corpo precisam de sangue com nutrientes e oxigênio para viver. Se por alguma razão o sangue não chega uma determinada parte do corpo, essa parte começa a morrer, isso é o que chamamos de infarto.

Existe infarto de vários lugares do corpo como cérebro, também conhecido por derrame ou AVC, no pulmão, no rim, mas sem dúvida o mais conhecido é o infarto do coração ou do músculo do coração chamado Miocárdio, o que na medicina chamamos de IAM, Infarto Agudo do Miocárdio.

O que causa o infarto no coração?

Na maioria das vezes o infarto ocorre quando há um súbito entupimento nas chamadas artérias coronárias, que são os vasos sanguíneos que levam o sangue com nutrientes e oxigênio para o músculo do coração. Essa obstrução normalmente é causada por uma placa de gordura na artéria, que se rompe, favorecendo a formação de um coágulo em cima dessa placa. Esse coágulo é que acaba entupindo a artéria e dessa forma impede o fluxo do sangue para parte do músculo do coração que assim, como eu falei, começa a morrer definindo o infarto.

Uma vez que isso acontece a pessoa normalmente começa a ter alguns sintomas. O mais frequente é a dor no peito, uma dor forte no peito em aperto ou opressão, podendo irradiar para os ombros, braço esquerdo, boca do estômago ou até na mandíbula. As vezes a dor no peito pode estar acompanhada de outros sintomas como falta de ar, suador, enjoos e vômitos.  

No hospital, o paciente recebe diversos tratamentos e medicamentos específicos com objetivo de diminuir o sofrimento do coração e principalmente levar sangue a área infartada. Na maioria das vezes faz parte também do tratamento a desobstrução da artéria entupida com medicamentos que dissolvem o coágulo de sangue, ou através do cateterismo cardíaco e da angioplastia. Em casos mais complexos em que não é possível tratar a artéria, a correção das obstruções das artérias coronárias se faz por uma cirurgia aberta do coração, com a colocação de pontes. Então se está entupido aqui e não é possível desentupir o que se faz é uma ponte que leva o sangue de um lugar ao outo pulando o local da obstrução. Essa ponte é feita com as veias safena ou com artérias como a artéria mamária. Daí o nome ponte safena e ponte mamária. 

Tratamento

  1. Quando o paciente recebe alta após uma internação por infarto, é liberado com uma lista de medicações como remédios para pressão, para o colesterol, medicamentos específicos para o coração e para diminuírem a chance de formar novos coágulos com antiplaquetários e, a depender do caso, anticoagulantes deixando o que é conhecido popularmente como sangue mais fino.
  2. Parar de fumar
  3. Dieta adequada
  4. Manter atividade física
  5. Retorno a atividade sexual

Para saber mais detalhes sobre o assunto, assista ao vídeo no canal Dr. Ajuda.

Copiar o texto
Dr. Ajuda
16/09/2022 17:00h

O Dr. Douglas Calderoni dá mais detalhes sobre o assunto.

Baixar áudioBaixar áudioBaixar áudio

Recentemente temos observado várias pessoas que escrevem, postam ou falam coisas e depois se arrependem. Muitas vezes são situações que acarretam grandes prejuízos para a vida.

Existe também àqueles que tem reações exageradas e de forma impensadas, podendo até mesmo se colocar em risco de vida. Conhece alguém assim, impulsivo? O Dr. Douglas Calderoni dá mais detalhes sobre o assunto.

A impulsividade é um padrão de comportamentos caracterizados por ações não planejadas. Pensamos e temos vontade de fazer ou falar várias coisas, mas quando refletimos melhor percebemos que aquilo não tem fundamento. 

Pessoas com aumento de impulsividade não conseguem filtrar esses pensamentos e vão rapidamente para a ação, muitas vezes se arrependendo depois. Esse tema Impulsividade sempre foi relevante porque muitas vezes esses comportamentos trazem prejuízos pessoais, sociais, familiares e chegam até mesmo a sua integridade física, mas atualmente ele se tornou ainda mais importante por causa das redes sociais. Um texto, uma foto ou mesmo um vídeo mostrando um ato impulsivo pode viralizar e se espalhar para milhares de pessoas tendo consequências desastrosas para a pessoa.

Em primeiro lugar é importante saber que a impulsividade é normal do ser humano, é uma característica da nossa personalidade. Algumas pessoas são mais impulsivas outras menos. No dia a dia, além dos exemplos da Internet que eu falei ocorrem com frequência atos impulsivos. Quem nunca comprou algo que não estava precisando? Ou ficou irritado com uma coisa sem deixar a pessoa nem terminar de falar? 

Isso é normal se ocorrer de forma eventual. Deixa de ser normal e é isso que eu quero destacar se ocorrerem com muita frequência ou com grande intensidade causando prejuízos aquela pessoa. Nesse caso a impulsividade pode ser um sintoma de uma doença e por isso deve chamar sua atenção. Eu vou citar alguns exemplos de subtipos de impulsividade para você entender melhor:

  • Transtorno Explosivo Intermitente: É a incapacidade da pessoa de lidar com o impulso de raiva e agressividade. Como agredir pessoas, ameaçar, xingar, quebrar objetos etc. Para ser caracterizado um transtorno esse comportamento deve ser frequente. Todo mundo pode ter tido um dia de fúria, mas se é só um dia não é Transtorno.
  • Oniomania: Nada mais é do que realizar compras de forma impulsiva e frequente se arrependendo posteriormente. Muitas vezes nem usando o que comprou.
  • Cleptomania: É a dificuldade de conter um impulso de pegar algo que não é seu, ou seja, furtar. Os objetos geralmente são de pequeno valor e desnecessários, mas a pessoa sente uma forte tensão, um impulso para pegar aquele objeto e um alívio posterior seguido de arrependimento.
  • Automutilações: A pessoa não consegue resistir a um impulso de se ferir de alguma forma.

Há também os que tem dificuldade de controle dos impulsos em relação ao desejo sexual e se colocam em situações bastante desagradáveis por isso, os que tem impulsos de colocar fogo como no caso da Piromania, dentre outros.

Quero deixar claro que você não precisa ter alguns desses subtipos para sofrer com a impulsividade. Se você achar que está tendo atos impulsivos com mais frequência que o normal e isso está te trazendo prejuízos a sua vida, ou conhece alguém com essas características não deixe de procurar um psicólogo e um psiquiatra. O tratamento com terapia e em alguns casos com medicação melhora muito a qualidade de vida dessas pessoas.

Para saber mais detalhes sobre o assunto, assista ao vídeo no canal Dr. Ajuda.

Copiar o texto
Dr. Ajuda
09/09/2022 17:00h

A Dra. Tatiana Aguiar dá mais detalhes sobre o assunto

Baixar áudioBaixar áudioBaixar áudio

Você conhece alguém que Ronca? Sabe se tem Apneia do Sono? Você sabe quando suspeitar desse problema? A Dra. Tatiana Aguiar dá mais detalhes sobre o assunto.

Apnéia do Sono é um distúrbio do sono em que a pessoa deixa de respirar por alguns segundos diversas vezes durante a noite.  Por definição consideramos Sindrome da Apneia do Sono quando em um intervalo de 1 hora a pessoa que está dormindo tem 5 momentos em que deixa de respirar por alguns segundos.

Quais são os sintomas da Apneia do Sono? 

Você deve reparar inicialmente nos sintomas durante o sono:

  • Você ronca alto durante a noite?
  • Tem o Sono agitado? 
  • Acorda muitas vezes durante o sono?
  • Levanta-se muitas vezes para urinar à noite que é o que chamamos de noctúria? 

Você pode começar a apresentar os sintomas decorrentes desse cansaço que são:

  • Cansaço diário
  • Sonolência 
  • Acorda com a boca seca 
  • Dor de cabeça pela manhã
  • Alteração no humor, irritabilidade e dificuldade em se concentrar
  • Perda de memória
  • Diminuição do desejo sexual

O diagnóstico da apneia do sono é feito através de um exame chamado polissonografia que é realizada à noite em um laboratório de sono sob a supervisão de um técnico. 

Apneia do Sono tem cura? 

É difícil falar em cura da Apneia. Preferimos falar em controle da doença, o que na prática significa tratamento com cirurgias, fonoterapia, aparelhos de avanço da mandíbula ou CPAP, com consequente redução dos sintomas e melhora na qualidade de vida.

Por tudo isso que eu falei espero que tenha ficado clara a importância dessa doença. Se você notou algum dos sintomas que eu descrevi, fique atento e não deixe de procurar um médico, no caso um Otorrinolaringologista ou Médico do Sono.

Para saber mais detalhes sobre o assunto, assista ao vídeo no canal Dr. Ajuda. 

Copiar o texto
Dr. Ajuda
08/09/2022 17:00h

O Dr. Andre Paggiaro dá mais detalhes sobre o que fazer quando você tem uma queimadura

Baixar áudioBaixar áudio

Você já se queimou e não soube quais cuidados tomar? Estava com uma bolha e não sabia o que fazer? O Dr. Andre Paggiaro dá mais detalhes sobre o que fazer quando você tem uma queimadura.

O que fazer logo depois que você se queimou? São 3 pontos principais: 

  1. Deve-se o mais rapidamente possível resfriar o local da queimadura com água corrente gelada por 20 minutos. Nem todos sabem, mas se você queima a mão na panela quente, mesmo você retirando o dedo do contato com a panela, a sua pele continua queimando. Apenas o resfriamento interrompe o processo de queimadura. Mas, isso não deve ser feito com gelo pelo risco de causar queimadura pelo frio.
  2. Remover roupas, joias, piercings e próteses da área queimada, antes que ela inche
  3. Cubra a lesão com um tecido limpo. 

E quando você deve procurar um pronto socorro?

Em situações de queimaduras maiores, é aconselhável procurar por atendimento médico. A maior parte dos pacientes será tratada de maneira ambulatorial, voltando regulamente para trocas de curativos. Queimaduras em áreas consideradas nobres (mãos, pés, face, genitais, articulação), lesões em uma grande área do corpo, lesões de terceiro grau, queimaduras causadas por eletricidade ou químicas indicam a necessidade de internação em centros especializados para o tratamento de queimados. 

E se tiver bolhas o que fazer? O que são essas bolhas?

Uma bolha é uma bolsa de líquidos formada abaixo de uma pele que foi queimada. Ainda existem dúvidas quanto ao tratamento ideal. Existem duas alternativas corretas: se ela estiver íntegra, podemos mantê-la intacta até que se rompam espontaneamente e a partir de então, limpamos os restos de pele morta. Ou, pode-se optar por rompê-la com uma tesoura ou lâmina, logo no começo do tratamento para evitar o risco de infecção.  Nesse tipo de situação vale a pena consultar um profissional de saúde. 

Além disso, existem muitos mitos sobre substâncias milagrosas que teoricamente ajudariam na cicatrização. Entretanto, elas podem prejudicar a ferida e piorar a gravidade da lesão. Nunca aplicar substâncias como: pasta de dente, pó de café, extrato de tomate, iogurte, clara de ovo crua ou gelo.

Para saber mais detalhes sobre o assunto, assista ao vídeo no canal Dr. Ajuda.

Copiar o texto
Dr. Ajuda
02/09/2022 17:00h

O Dr. Jose Atta dá mais detalhes sobre o assunto

Baixar áudioBaixar áudioBaixar áudio

Existe um mito na população de que o tempo frio e a exposição ao frio levam a problemas de saúde. Isso é verdade! Mas a relação entre frio e doenças tem mais a ver com mortalidade cardiovascular em adultos que com “gripes” em crianças. O Dr. Jose Atta dá mais detalhes sobre o assunto.

Existe sim uma maior incidência de quadros respiratórios agudos nos meses de inverno e primavera, mas não porque o tempo frio predispõe a doenças virais, mas sim porque aumenta a circulação de vírus nessa época, já que as pessoas tendem a ficar mais tempo em ambiente fechados, em maior contato com outras pessoas e mais expostas a doenças de transmissão por contato pessoal.

Além disso, o frio pode desencadear crises de asma. Ar frio é um dos estímulos para fechamento das vias aéreas, e as crises asmáticas costumam aparecer mais nessa época de mais frio. Assim como a asma, crises de rinite também pode aparecer mais nessa época, também por causa da exposição ao ar frio e seco, e os sintomas respiratórios altos se tornam mais evidentes, podendo ser confundidos com resfriados ou gripes. Por causa desse aumento da circulação de vírus nos meses de inverno, há um consequente aumento da mortalidade por gripe nesses meses, nas populações mais suscetíveis- idosos, crianças recém-nascidas, pessoas com algumas doenças crônicas.

Apesar de não haver uma relação nítida entre aparecimento de gripe e exposição ao frio, sabemos que nos meses de inverno as pessoas morrem mais, principalmente de causas cardiovasculares e de causas respiratórias. Dentre as causas respiratórias, as infecções desencadeando crises de asma e de bronquite crônica são as maiores causadoras desse excesso de mortalidade, assim como o aumento dos níveis de poluição atmosférica. 

Além disso, algumas doenças dermatológicas ficam mais evidentes nos meses de frio, como por exemplo a dermatite atópica.

Resumindo:

  1. Frio não causa gripe (gripe é doença causada por vírus)
  2. Aumenta sim a incidência de gripe nos meses de inverno, por causa das aglomerações e ambientes fechados
  3. Previne-se gripes e resfriados lavando as mãos frequentemente (e não colocando cachecol)
  4. Aumenta os casos de asma, rinite e bronquite crônica nos meses de inverno
  5. Há um excesso de mortalidade associado às quedas de temperatura, tanto por mortes cardiovasculares quanto por mortes respiratórias 

Para saber mais detalhes sobre o assunto, assista ao vídeo no canal Dr. Ajuda.

Copiar o texto
Dr. Ajuda
01/09/2022 17:00h

A Dra. Helena Rangel dá mais detalhes sobre o assunto

Baixar áudioBaixar áudio

Você já ouviu falar em “barriga d’água” ou calazar? Esses são os nomes mais conhecidos para uma doença infecciosa chamada de Leishmaniose Visceral, uma doença muito séria e bastante letal. A Dra. Helena Rangel dá mais detalhes sobre o assunto.

A primeira coisa que você precisa saber é que a Leishmaniose Visceral é uma doença que, se não for tratada, pode ser letal em 90% dos casos. É por isso que é muito importante conhecer os sintomas, os tratamentos e principalmente as formas de prevenção.

Essa doença acontece no ser humano de forma acidental depois da picada de um mosquito do gênero Lutzomia, conhecido como mosquito palha, birigui ou tatuquira. Depois de picar algum animal que serve de reservatório para o protozoário causador da doença, o mosquito pode picar o ser humano, transmitindo a Leishmania chagasi e, assim, fechar o ciclo.

Esse mosquito gosta de picar no final da tarde e precisa de solo úmido e matéria orgânica para colocar seus ovos. Ele é encontrado nas regiões Norte e Nordeste, normalmente em regiões de florestas e matas fechadas. No entanto, recentemente ele também pode ser encontrado em regiões rurais próximas a algumas cidades grandes e capitais. Os reservatórios desse protozoário podem ser animais urbanos, como o cachorro, ou silvestres, como raposas e gambás. Ou seja, a Leishmania é levada desses animais reservatórios para o ser humano pelo mosquito e entra no nosso corpo por meio da picada. Alguns dias após a picada começam os primeiros sintomas. 

Algumas pessoas vão ter uma resposta imune adequada e não vão desenvolver nenhum sintoma. Mas em outras, principalmente em crianças, os sintomas iniciais são: Febre, apatia, emagrecimento, palidez e aumento do volume da barriga, com aumento do fígado e do baço. 

O diagnóstico é feito a partir da história clínica, e um exame de sangue simples pode sugerir a doença quando se observa anemia, glóbulos brancos e plaquetas baixas. Mas essa alteração não é específica da leishmaniose, algumas outras doenças podem apresentar esses mesmos sintomas e alterações laboratoriais, como por exemplo cânceres do sangue e linfomas. Portanto, o diagnóstico é mais certeiro quando se encontra o parasita em alguma amostra do corpo, como por exemplo em uma biópsia de medula óssea, baço ou gânglio. O tratamento somente pode ser realizado pela veia ou por injeção no musculo, com antiparasitários e antifúngicos. O tempo de tratamento depende da medicação utilizada e vai de 5 a 30 dias; e tem alguns efeitos colaterais, como arritmias cardíacas, pancreatite e insuficiência renal.

Dicas de prevenção: Você deve sempre se lembrar das medidas comportamentais para evitar encontrar o mosquito, como uso de repelentes e mosquiteiros e evitar sair descoberto no horário do final de tarde. Em segundo lugar, você deve prestar atenção no seu melhor amigo; sim, o seu cachorro, já que ele pode ser reservatório do protozoário.

Para saber mais detalhes sobre o assunto, assista ao vídeo no canal Dr. Ajuda.

Copiar o texto
Dr. Ajuda
31/08/2022 17:00h

A Dra. Nelly Kim dá mais detalhes sobre o assunto

Baixar áudioBaixar áudio

Você já teve ou tem dificuldade de atingir o orgasmo? Gostaria de saber como chegar lá? A Dra. Nelly Kim dá mais detalhes sobre o assunto.

O orgasmo feminino é o momento de clímax do prazer sexual. Ele pode ser definido como uma sensação de intenso prazer, resultando em reações fisiológicas e sensação de bem-estar e felicidade. Pode vir acompanhado de alguns sintomas, como alteração do estado de consciência, contrações musculares rítmicas, seguidas de relaxamento e sentimentos positivos.

Existem várias formas de se atingir o orgasmo

  • Penetração na relação sexual
  • Masturbação ao se estimular o clitóris
  • Uso de vibradores
  • Estimulação do mamilo
  • E outros.

E existem também relatos de orgasmos espontâneos em mulheres, ou seja, sem estimulação de nenhum órgão sexual, apenas com a fantasia ou o estímulo visual. 

Mas qual é a diferença entre orgasmo vaginal e orgasmo clitoriano?

Somente um terço das mulheres afirma que chega ao orgasmo através da penetração. As demais relatam ter tido orgasmo apenas através de estímulo do clitóris e não há problema algum nisso.

O orgasmo vaginal não se diferencia muito do clitoriano em relação à intensidade do prazer, o que acontece é que a origem está em lugares diferentes, já que fibras nervosas responsáveis pelo orgasmo, que têm origem no clitóris, passam pela entrada da vagina, próximo à uretra (que é aquele orifício por onde sai a urina). Essa região é conhecida como ponto G e é importante salientar que não esse ponto não é um órgão ou estrutura que se pode sentir, é apenas uma região com maior sensibilidade para o prazer. Por isso é mais difícil obter o orgasmo sem estimular o clitóris e somente com a penetração, pois o pênis estimula mais o fundo da vagina e as fibras nervosas mais sensíveis ficam na sua entrada. Quando a mulher tem desejo e se sente excitada, em condições normais muitas glândulas presentes na vagina começam a liberar secreção para lubrificar a vagina e facilitar a penetração, é uma forma de evitar dor e lesão por atrito.

Aqui vão dicas de como ter um orgasmo com maior facilidade:

  1. Inicialmente, se você acha que está com problema associado ao orgasmo é sempre importante passar por uma avaliação médica para ter certeza de que não há nada de errado com sua saúde que possa estar impedindo ou dificultando seu orgasmo. 
  2. O ponto mais importante é a masturbação. Muitas mulheres, principalmente por questões culturais, ainda se sentem inseguras com essa prática. Mas não há nada de errado com a masturbação e ela é o ponto chave para atingir o orgasmo
  3. Trabalhar aspectos psicológicos, como problemas de autoestima e amor-próprio, é fundamental, além de tratar traumas passados. 
  4. Meditação sempre traz benefícios para todos os aspectos da função sexual porque ela ajuda a não perder a concentração e a focar no prazer.
  5. Existem medicações que podem contribuir para a melhora do orgasmo, sempre prescritas por um médico. 
  6. Caso o seu parceiro tenha alguma dificuldade sexual, como dificuldade de ereção ou não conseguir segurar a ejaculação, ele deve procurar um urologista. 

Para saber mais detalhes sobre o assunto, assista ao vídeo no canal Dr. Ajuda. 

Copiar o texto
Dr. Ajuda
23/08/2022 17:00h

O Dr. Bruno Miotto dá mais detalhes sobre o assunto

Baixar áudioBaixar áudio

Você tem colesterol ou triglicérides alto? Sabe como tratar e prevenir? O Dr. Bruno Miotto dá mais detalhes sobre o assunto.

Ter colesterol alto no sangue é uma causa importante para ter problemas cardiovasculares. Os fatores genéticos não podem ser controlados. Nesse caso, você deve controlar a doença e esse controle é feito por medicações e hábitos saudáveis. Para quem não tem a doença esses hábitos saudáveis são a prevenção da doença. 

Dez hábitos que ajudam no controle e prevenção da dislipidemia

  1. Reduza o consumo de alimentos de origem animal, como carnes e queijos amarelos.
  2. Evite alimentos açucarados ou açúcar refinado
  3. Coma cereais integrais, vegetais, frutas e alimentos com fibras regularmente.
  4. Evite frituras.
  5. Procure não comer pratos prontos congelados.
  6. Pratique exercícios físicos regularmente.
  7. Evite consumo de bebidas alcoólicas.
  8. Não fume.
  9. Mantenha um peso adequado. 
  10. Controle as doenças que como eu falei podem levar ao aumento do colesterol como diabetes, hipotiroidismo, dentre outros.

Essas medidas são para evitar a doença quando possível e são fundamentais no tratamento de quem acaba de descobrir que tem dislipidemia.

Quanto maior o seu risco de ter infarto ou AVC (que é o derrame), mais baixo deve ser o seu LDL. Para saber qual o seu risco de ter uma doença cardiovascular o médico deve incluir uma série de informações sobre a sua saúde em uma tabela que chamamos de escore. O escore calcula o seu risco e com base no seu risco sabemos qual o nível de colesterol LDL que devemos chegar com o tratamento. 

Quem deve fazer o exame de sangue para fazer o diagnóstico de dislipidemia? Todos!

Independente do resultado, é importante tomar as medidas de prevenção e se for diagnosticado com dislipidemia não deixe de procurar um médico de preferência um cardiologista.

Para saber mais detalhes sobre o assunto, assista ao vídeo no canal Dr. Ajuda.

Copiar o texto
Dr. Ajuda
18/08/2022 17:00h

Neste episódio o Dr. Carlos Pedrotti dá mais detalhes sobre o assunto.

Baixar áudioBaixar áudio

Queria ter um aparelho de pressão em casa e não sabe qual escolher nem como fazer? Hoje a ideia é dar umas dicas da melhor forma de se medir a pressão em casa. Neste episódio o Dr. Carlos Pedrotti dará mais detalhes sobre o assunto.

Para quem não sabe, o nome correto do aparelho de pressão é “Esfigmomanômetro”. Os médicos o apelidam carinhosamente de “esfigmo”. Temos hoje várias opções automáticas disponíveis em qualquer farmácia, eles estão mais confiáveis e, os preços, mais acessíveis.  

Não é todo mundo que precisa ter um “esfigmo” em casa. Mas se você tem pressão alta, problemas cardíacos ou alguma doença crônica, pode ser interessante, em especial hoje com a maior disponibilidade de serviços de telemedicina. Sobre a marca e modelo, depende de cada bolso, mas o mais importante é verificar se há o selo do Inmetro, que garante a confiabilidade. Cuidado com produtos muito baratos em sites de eletrônicos importados, pois podem ser menos confiáveis.

Mesmo para quem tem pressão alta, estando controlada não precisa medir todo dia, ok? É só de vez em quando, para ter uma ideia. 

Medidor de punho ou braço? Qual o melhor? Essa resposta é fácil: o de braço é geralmente o mais recomendado. Mas para isso é importante ter atenção se o tamanho da braçadeira está adequado ao diâmetro do seu braço.  Normalmente isto está escrito certinho na caixa. Na dúvida, consulte o farmacêutico. Não compre sem ver isso, ok? Isso significa que os monitores de pulso ou punho são ruins? Não, de jeito nenhum, eles também são bons. Mas o importante é saber que há um pouquinho mais de variação nas medidas e é bem importante lembrar de deixar o punho relaxado e na altura do coração durante a medida.

E como medir? O ideal é estar pelo menos 3 a 5 minutos em repouso, relaxado, sentado e com as costas apoiadas. Meça duas vezes com um minutinho de intervalo e faça uma média. Pronto. Esse é o melhor jeito.

Com qual frequência devo medir? Isso vai depender de em qual estágio do tratamento cada um está. Quando o diagnóstico de pressão alta já está consolidado e o tratamento estável (explicar melhor o que é estável), uma medida a cada 15 dias está de bom tamanho.

Para saber mais detalhes sobre o assunto, assista ao vídeo no canal Dr. Ajuda. 

Copiar o texto
Dr. Ajuda
17/08/2022 17:00h

Nesse vídeo a Dra. Karina Bonfiglioli dá mais detalhes sobre a doença

Baixar áudioBaixar áudioBaixar áudio

Você tem ou conhece alguém que tem Artite reumatóide? Já ouviu falar de Reumatismo?

Nesse vídeo a Dra. Karina Bonfiglioli dará mais detalhes sobre o que é, os principais sintomas, quem tem maior risco, como é feito o diagnóstico, tratamento e muito mais sobre esse problema que acomete 1% da população: a Artrite reumatóide

A artrite reumatoide é uma doença autoimune que acomete principalmente a membrana das articulações e tendões:  a membrana sinovial.

Quando você deve suspeitar que tem Artrite reumatóide? Quais são os principais sintomas?  Existem vários sintomas, dentre esses eu vou destacar os principais: 

  1. Você tem dor? O primeiro sintoma é dor e inchaço nas articulações das mãos e punhos, principalmente (mas também pode acometer pés, cotovelos, tornozelos, joelhos, quadris e ombros) 
  2. A dor é pior pela manhã ou após longos períodos de repouso, e melhora com movimento?
  3. No período matinal, após acordar, sente uma sensação de rigidez e limitação das articulações, que dura mais de meia hora, e melhora com a movimentação da articulação?
  4. Você tem outros sintomas como fadiga, mal-estar e indisposição?
  5. Seu quadro teve início de forma leve e foi progredindo lentamente?
  6. Seu quadro já dura mais do que seis semanas?

Tudo isso não ocorre de repente, essa é uma doença crônica e sua evolução vai ocorrendo gradativamente durante semanas. A maioria das doenças autoimunes não tem apenas uma causa, e nem todas as causas são conhecidas.

Mas alguns fatores para Artrite reumatóide já foram identificados:

  1. Predisposição genética: a Artrite reumatóide em geral tem associação com outras casos de doença reumática na família, e algumas alterações genéticas especificas já foram identificadas
  2. Tabagismo: O cigarro pode promover a formação de anticorpos em pacientes que tem propensão genética para isso. Mesmo quem já parou de fumar pode estar em maior risco
  3. Alterações nas bactérias da boca e do intestino: Desbalanços na flora do trato digestivo parecem estar relacionados com diversas doenças autoimunes, pois estimulam o sistema imunológico, e esse excesso de estímulo pode desencadear a autoimunidade em predispostos
  4. Fatores hormonais: por ocorrer mais em mulheres, acredita-se hormônios femininos e suas variações podem estar relacionadas a doença
  5. Contato com vírus diversos ao longo da vida, que podem também servir como gatilhos para autoimunidade.

A primeira linha de tratamento é o medicamento metotrexato, que pode ser associado a outras drogas imunossupressoras (como a Cloroquina, a Sulfassalazina ou a Leflunomida). Esse grupo é chamado de Medicamentos Modificadores do Curso da Doença (MMCDs) sintéticos convencionais. 

Quando a doença é refratária a essa primeira linha de opções, é necessária a utilização de MMCDs biológicos ou MMCDs sintéticos alvo-específicos. A indicação para cada caso deve ser minuciosamente avaliada por um Reumatologista. A abordagem não medicamentosa também é importante. O paciente deve ser preferencialmente acompanhado por uma equipe multidisciplinar, que inclui avaliação nutricional, terapia ocupacional e fisioterapia. Deve-se manter um bom condicionamento muscular para proteção articular, o que contribui para evitar deformidades e lesões irreversíveis. O uso de órteses nas mãos também auxilia no controle de dor e na prevenção de sequelas articulares.

Para saber mais detalhes sobre o assunto, assista ao vídeo no canal Dr. Ajuda.

Copiar o texto
Brasil 61