Ciência

25/08/2021 10:30h

Proteína extraída do veneno da Jararacuçu impede proliferação do coronavírus em até 75%

Baixar áudio

Estudo realizado por pesquisadores da Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho, de Araraquara (SP), identificou uma proteína capaz de inibir em 75% a capacidade de multiplicação do coronavírus. A molécula foi extraída do veneno da cobra Jararacuçu e testada em células de macacos. 

A equipe de pesquisadores estudou o veneno da cobra em aplicações antibacterianas e decidiu usar a técnica também contra a Covid-19; e obteve sucesso. A pesquisa foi publicada na revista científica Molecules

Terceira dose da vacina contra a Covid-19 deve ser aplicada 8 meses após a segunda, diz especialista

Estudantes de escolas públicas e privadas voltam às aulas após desmotivação causada pelo ensino remoto

Governo Federal destina R$ 13,5 milhões para ações contra desastres naturais pelo País

O próximo passo do estudo é avaliar se a bactéria extraída do veneno da Jararacuçu é capaz de proteger as células ao ponto de evitar a invasão do coronavírus no organismo. 

A princípio, a produção de remédio com base no veneno, na avaliação dos cientistas, pode ser usada para desacelerar a replicação da Covid-19, o que possibilitaria mais tempo para o organismo criar anticorpos de defesa ao coronavírus. No entanto, as pesquisas ainda estão na fase de estudos moleculares e não tem data para início dos testes em animais, por exemplo.

Fique por dentro das informações sobre Covid-19 na sua cidade aqui.

Copiar o texto
01/07/2021 16:30h

O total investido nesta ação é de R$ 1,8 milhão, oriundos do Fundo Estadual de Ciência e Tecnologia do Espírito Santo (Funcitec)

Baixar áudio

Foi lançada uma nova chamada pública para pesquisadores do Espírito Santo destinada a ajudar no desenvolvimento de projetos, o Edital 06/2021 – Bolsa Pesquisador Capixaba. A chamada pública oferece bolsas para pesquisadores vinculados a instituições de Ensino Superior ou pesquisa, públicas ou privadas, localizadas no estado.

O Edital oferece a concessão de 50 bolsas, com duração de até 36 meses, no valor individual de R$ 1 mil. O total investido pela Fapes nesta ação é de R$ 1,8 milhão, oriundos do Fundo Estadual de Ciência e Tecnologia do Espírito Santo (Funcitec).

Confira calendário dos principais programas federais de educação que impactam municípios

Publicados os editais do Prouni, Fies e Sisu para segundo semestre

A Bolsa Pesquisador Capixaba (BPC) será concedida a duas modalidades, para pesquisadores com produtividade em pesquisa e para pesquisadores com produtividade em desenvolvimento tecnológico e extensão inovadora.

A ação do Governo do Estado visa a valorizar e estimular a produção científica e a atuação do pesquisador como agente do desenvolvimento técnico-científico. O edital busca consolidar o crescimento do número de pesquisadores capixabas bolsistas de produtividade no Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq). 

Copiar o texto
Ciência & Tecnologia
14/06/2021 15:00h

Coletas serão feitas até 18 de junho. Objetivo é ajudar na identificação e investigação dos casos

Baixar áudio

Dá início, nesta segunda-feira (14), a campanha de coleta do DNA de familiares de pessoas desaparecidas em Roraima. O trabalho faz parte da campanha promovida pelo Ministério da Justiça e Segurança Pública (MJSP) que visa a convocação de familiares de pessoas desaparecidas para o recolhimento de amostras biológicas para exame de DNA.

As coletas serão feitas em Boa Vista, entre os dias 14 e 18 de junho, das 8h às 12h, na sede do Instituto de Criminalística. Durante a tarde, o local é no prédio da Polícia Federal, das 13h às 17h. A coleta será realizada apenas se já houver Boletim de Ocorrência do desaparecimento registrado. Também serão coletadas referências diretas das vítimas, como escovas de dente, aparelho de barbear, entre outros objetos que possam ajudar na identificação.

Divulgada lista de produtos da agricultura familiar com bônus em junho

O objetivo da campanha é criar uma rede nacional de dados que possa ajudar na identificação e investigação de casos de pessoas desaparecidas em todo o Brasil. Atualmente, o sistema do Ministério tem mais de 3 mil perfis genéticos de restos mortais não identificados e mais de 2 mil famílias cadastradas.

Copiar o texto
Saúde
09/06/2021 04:00h

Em tramitação na Câmara dos Deputados, proposta institui novas regras para orientar estudos clínicos no Brasil

Baixar áudio

Em entrevista ao portal Brasil61.com, o deputado federal Hiran Gonçalves (PP/RR) afirmou que a aprovação de um novo marco legal para pesquisas clínicas com seres humanos no Brasil pode atrair investimentos para o País. Tramita na Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania (CCJ) o Projeto de Lei 7.082/17, que, entre outras proposições, busca agilizar a análise e o registro de medicamentos.
 
Para o parlamentar, além de ampliar a quantidade de medicamentos disponíveis para o tratamento de pessoas com doenças raras, a iniciativa pode fomentar o mercado interno. “Com marcos adequados e pareados com os países que mais fazem pesquisa clínica no mundo, certamente vamos nos tornar um País atrativo para pesquisa, até porque somos miscigenados, continental, com características distintas, uma série de coisas que faz desse País extremamente importante no sentido de estabelecermos protocolos de pesquisa por aqui”, acredita.
 
Segundo Hiran, que foi relator da matéria na Comissão de Seguridade Social e Família, apenas 0,19% dos recursos investidos em pesquisas clínicas no mundo vêm para o Brasil. Ao todo, segundo a Interfarma (Associação da Indústria Farmacêutica de Pesquisa), esse mercado movimenta, em média, US$ 160 bilhões por ano.
 
“Hoje, a Argentina, que é menor do que nós, atrai mais pesquisa clínica do que o nosso país, o que eu considero inadmissível, porque nós temos uma planta imensa, grandes universidades, centros de inovação no nosso País, que podem ser ampliados com o marco regulatório mais dentro da realidade do mundo”, analisa Hiran. 
 
Greyce Lousana, presidente da Sociedade Brasileira de Profissionais em Pesquisa Clínica (SBPPC), acredita que há muito espaço no Brasil para condução de ensaios clínicos em diversas áreas, mas que além da regulamentação são necessários outros fatores para atrair aporte financeiro. “Quanto melhores as condições de um país, obviamente, mais investimento a gente tem. Tais condições vão desde a estrutura dos locais, de capacitação das equipes, enfim, aliado obviamente a uma estabilidade econômica e política”, diz. 

Projeto de Lei pretende acelerar análise ética de pesquisas clínicas com humanos no Brasil

O projeto

O projeto em questão, de autoria da ex-senadora Ana Amélia, quer instituir novas regras para o processo administrativo que envolve as pesquisas clínicas com seres humanos. 
 
Os estudos clínicos em seres humanos (que se dividem em quatro fases) constituem a última etapa antes de um medicamento ser disponibilizado para a população. Na corrida por vacinas contra a Covid-19, por exemplo, o Brasil foi um dos países a realizar pesquisas com a participação de pessoas no intuito de atestar segurança e eficácia de imunizantes.
 
O PL institui o Sistema Nacional de Ética em Pesquisa Clínica com Seres Humanos, constituído por uma Comissão Nacional de Ética em Pesquisa (Conep) e por Comitês de Ética em Pesquisa (CEPs). 
 
A Conep, que já existe, deixaria de responder ao Conselho Nacional de Saúde (CNS) e se tornaria vinculada ao Ministério da Saúde, o que, para defensores da proposta, traria mais autonomia à comissão. 
 
Além da instância nacional, existiriam as instâncias locais, conhecidas como CEPs, que seriam responsáveis pela aprovação prévia da pesquisa e por assegurar direitos e bem-estar aos participantes. 

Agilidade

Visando dar celeridade ao processo, a análise ética de estudos pelos CEPs, com emissão de parecer, não poderia durar mais do que 30 dias, prorrogáveis por mais 30 dias. 
 
Hiran Gonçalves destaca esse como um dos pontos-chave da proposta. “O nosso país é um dos únicos países modernos do mundo que adota três estágios para avaliação dos protocolos de pesquisa, que seriam dois éticos e um técnico. Nós transformamos isso em dois estágios: um ético e um técnico e a Conep ficou como uma instituição mais recursal”, explica. 
 
De acordo com a Interfarma, o Brasil leva 180 dias a mais do que os Estados Unidos, mais de 150 dias do que a Polônia e mais de 125 dias que o México para aprovar uma pesquisa clínica. O levantamento aponta que um estudo clínico no Brasil leva, em média, cerca de 215 dias para ser aprovado.

Tramitação

Aprovado no Senado em 2015, o projeto seguiu para a Câmara dos Deputados, onde também teve sinal verde nas Comissões de Ciência, Tecnologia, Comunicação e Informática; Seguridade Social e Família.  Agora, o PL está na CCJ e, se aprovado, segue para análise no Plenário da Casa. 

Copiar o texto
08/06/2021 07:00h

Projetos precisam estar dentro do contexto da pandemia da Covid-19

Baixar áudio

As inscrições para o Programa de Apoio à Iniciação Científica (Paic/FVS-AM) 2021/2022, da Fundação de Vigilância em Saúde do Amazonas (FVS-AM), foram prorrogadas para até sexta-feira (11).

MEC avalia desafio maior em 2021 e discute educação híbrida

Inpe oferece curso online de introdução à astronomia e astrofísica

São 14 vagas destinadas a universitários com projetos de pesquisa voltados à área de Vigilância em Saúde dentro do contexto da pandemia da Covid-19. As bolsas de iniciação científica são financiadas pela Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado do Amazonas (Fapeam). O programa tem duração de 12 meses e é coordenado pelo Núcleo de Ensino e Pesquisa (NEP/FVS-AM).

Os interessados devem submeter as propostas de projetos científicos individuais, em formato PDF, ao Núcleo de Ensino e Pesquisa (NEP), da FVS-AM, por meio do e-mail neppaicfvs@gmail.com. Confira o edital completo. 

A FVS-AM funciona, para atendimento ao público, de segunda a sexta-feira, das 8h às 17h, na avenida Torquato Tapajós, 4.010, Colônia Santo Antônio, Manaus. Os contatos são (92) 3182-8550 e 3182-8551.

Copiar o texto
06/06/2021 17:15h

Público-alvo são professores e divulgadores de ciência. Inscrições terminam em 20 de junho

Baixar áudio

Os corpos celestes, como estrelas, planetas, cometas, aglomerados de estrelas e galáxias e os fenômenos que se originam fora da atmosfera da Terra estão entre os temas do 21ª Curso de Introdução à Astronomia e Astrofísica (CIAA), promovido pelo Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe), unidade do Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovações.  

O curso é dirigido a professores do ensino fundamental e médio ligados à área de ciências, de disciplinas como física, química, biologia, matemática, geografia e história, bem como para estudantes universitários a partir do terceiro ano de graduação em ciências exatas. 

Educação: bom desempenho municipal, Fundeb, trabalhos sociais e aulas remotas

MEC lançará plataforma universitária gratuita de conteúdos audiovisuais

Outros profissionais ligados diretamente à área de educação e divulgação de ciências também são incentivados a participar. O curso deste ano tem também o objetivo de receber participantes de países de língua portuguesa.

Com atividades online, o curso será realizado nos dias 9, 11, 13, 16, 18 e 20 de agosto, de forma gratuita, e as inscrições podem ser feitas até o dia 20 de junho no site do Inpe
 

Copiar o texto
29/05/2021 03:50h

Por maioria dos votos, os ministros validaram o dispositivo da norma estadual que estabeleceu a medida

Baixar áudio

O Supremo Tribunal Federal (STF) decidiu nesta quinta (27) manter a proibição da utilização de animais em testes experimentais de cosméticos, produtos de higiene pessoal e de limpeza no Rio de Janeiro. Por maioria dos votos, os ministros validaram o dispositivo da norma estadual que estabeleceu a medida.

O caso chegou ao STF por meio de uma ação protocolada na Corte em 2018 pela Associação Brasileira da Indústria de Higiene Pessoal, Perfumaria e Cosméticos (Abihpec). 

A entidade alegou que a Lei Estadual 7.814/2017, aprovada pela Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro (Alerj), é inconstitucional por tratar de matéria sobre proteção ao meio ambiente, proibir a circulação de produtos que foram testados em animais e criar regras de rotulagem, questões que seriam de competência do Congresso Nacional. 

Decisão do STF deve atingir 3,4 mil patentes da área farmacêutica

STF: Lei que proíbe telemarketing para empréstimo a aposentados e pensionistas é validada

Por maioria de votos, os ministros seguiram voto proferido pelo relator, Gilmar Mendes. Para o ministro, o estado pode estabelecer medidas para proibir os testes em animais, mas não pode restringir a comercialização dos produtos. 

Copiar o texto
21/05/2021 03:00h

Em entrevista ao portal Brasil61.com, o secretário de Gestão do Ministério da Economia, Cristiano Heckert, explica as novidades e funcionamento da Plataforma +Brasil

Baixar áudio

Nesta semana o Ministério da Economia divulgou que o acompanhamento e comprovação do andamento de obras serão feitos de forma eletrônica e automática, em novo módulo incluso na Plataforma +Brasil. Para explicar melhor os detalhes da nova ação, funcionamento e benefícios que o sistema oferece aos gestores e cidadãos, o portal Brasil61.com conversou com o secretário de Gestão do Ministério da Economia, Cristiano Heckert.

“A partir de agora a própria empresa terá acesso a plataforma para poder inserir digitalmente os seus documentos, como o extrato do contrato, os boletins de medição, trazendo, assim, mais eficiência para essa etapa do processo de execução das obras.”

A Plataforma +Brasil é uma ferramenta integrada e centralizada, com dados abertos a qualquer cidadão, destinada à informatização e à operacionalização das transferências de recursos referentes do Orçamento Fiscal e da Seguridade Social da União a órgão ou entidade da administração pública estadual, distrital, municipal, direta ou indireta, consórcios públicos e entidades privadas sem fins lucrativos.

Primeira antena rural 5G do Brasil possibilita aumento de produção no agronegócio

Wi-Fi Brasil: BB e Sebrae firmam parceria para levar internet a mil cidades

O sistema permite mais eficiência no processo de acompanhamento e execução de tarefas, além de trazer mais segurança para os dados ali inseridos. “A ferramenta tem uma série de controles como, por exemplo, georreferenciamento das obras que são executadas, ou o próprio repositório digital dos processos. Ela também tem uma série de instrumentos de transparência que podem ser acompanhados por qualquer cidadão que queira saber quanto dinheiro foi destinado para o seu município, quanto da obra já foi executada e assim por diante”, esclarece Heckert.

A Plataforma +Brasil opera 12 modalidades de transferências da União: Convênio, Contrato de Repasse, Termo de Parceria, Termo de Colaboração, Termo de Fomento, Transferências Fundo a Fundo de Segurança Pública, Fundo Penitenciário, Fundo Antidrogas, Fundo do Sistema Nacional de Emprego, Fundo Cultural (Lei Aldir Blanc), Transferências Especiais e Termo de Compromisso. Até 2022, o governo federal espera operar 31 modalidades na plataforma.

O cadastramento dos gestores na plataforma é obrigatório e o Ministério da Economia oferece suporte e capacitação (EAD e presencial) para que as informações sejam inseridas na página do programa. Os entes federados que não fizerem o cadastramento no +Brasil não conseguem fazer o repasse dos recursos para que as obras sejam executadas.

A população tem acesso às informações por meio dos painéis de transparência e aplicativos que a Plataforma +Brasil disponibiliza. Heckert destaca que o cidadão pode ativar filtros para ter maior acompanhamento das movimentações que acontecem em seu município.

“O cidadão pode cadastrar no aplicativo um filtro, por exemplo, em que toda vez que chegar dinheiro para sua região ele recebe um alerta. Se ele quiser saber como está o andamento de uma obra e ver fotos, a mesma coisa. O próprio cidadão pode nos ajudar a fiscalizar tirando fotos e enviando pelo próprio aplicativo e tudo isso vai se somando à documentação utilizada pelo governo para acompanhar a obra.”

O cidadão é um parceiro relevante no ciclo de fiscalização. É muito importante que ele nos auxilie fazendo denúncias ou reportes, isso traz um ganho enorme para a administração pública

Cristiano Heckert,
Secretário de Gestão do Ministério da Economia.

Para o secretário, a população tem um papel fundamental na plataforma. “Acreditamos que o cidadão, além de ser beneficiado pelas ações do governo, também é um parceiro importante no ciclo de fiscalização. É importante que ele [cidadão] nos auxilie fazendo denúncias ou reportes, isso traz um ganho enorme para a administração pública.”

Durante o bate-papo, Heckert falou também que o sistema é um grande aliado na prestação de contas. Confira agora a entrevista completa com o secretário de Gestão do Ministério da Economia, Cristiano Heckert.

Copiar o texto
20/05/2021 06:00h

Produtores rurais do estado podem fazer a inscrição até o dia 9 de julho

Baixar áudio

Estão abertas as inscrições para o 7º Prêmio Emater-MG de Criatividade Rural. A Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural do Estado de Minas Gerais (Emater-MG) lançou o concurso para eleger as melhores ideias colocadas em prática por produtores rurais do estado.

Cadastro de imóveis rurais passa a ser on-line

OMT promove concurso global para ajudar o turismo rural

Mapa anuncia criação de plataforma para análise dos dados do Cadastro Ambiental Rural

O objetivo é reconhecer e disseminar inovações tecnológicas que provoquem melhorias nos sistemas de produção, de processamento e de comercialização de produtos agropecuários. Podem participar produtores rurais de forma individual ou representados por associações e cooperativas. Todos os projetos inscritos precisam ter um responsável técnico da Emater-MG.

A inscrição é gratuita e vai até o dia 9 de julho. Os prêmios para os produtores classificados nos três primeiros lugares são um tablet e um smartphone. Já os técnicos da Emater-MG, responsáveis pela assistência técnica, ganham um smartphone.

O regulamento completo do 7º Prêmio Emater-MG de Criatividade Rural está disponível no site www.emater.mg.gov.br.

Copiar o texto
05/05/2021 10:00h

Programa Digitaliza Brasil também deve ampliar a oferta de sintonia de rádios FM em celulares

Baixar áudio

O Ministério das Comunicações publicou portaria que cria o programa Digitaliza Brasil de ampliação do sinal da TV digital para os municípios do interior do país. Atualmente, o sinal digital de TV abrange cerca de 2 mil cidades, com alcance de 75% da população.
 
O programa prevê custeio para as famílias de baixa renda trocarem a TV analógica pela digital. Para isso, o governo deve distribuir mais de 700 mil kits de digitalização, já em estoque, e 4 milhões de kits de recepção do sinal digital para participantes dos programas sociais, como o Bolsa Família, em 1.638 municípios. A verba será da arrecadação do leilão do 5G que o governo promoverá ainda neste semestre.

Produtos tecnológicos prometem eliminar o coronavírus
 
O Digitaliza Brasil permite que municípios pequenos tenham a outorga pública de autorização para instalação da tecnologia sem burocracia.
 
A medida também deve ampliar a oferta da sintonia de rádios FM em celulares. De acordo com o Ministério das Comunicações, essa tecnologia está presente em 90% dos aparelhos e a ideia é estender para 100%.

Copiar o texto
Brasil 61