Prêmio

26/08/2021 10:30h

Com o tema “Hackathon Rede +Brasil: mais Acessível e mais Colaborativo”, o objetivo da iniciativa é aprimorar a Plataforma +Brasil, com prêmios de até R$ 15 mil para os vencedores

Baixar áudio

Entre os dias 8 e 15 de setembro, o Ministério da Economia realizará o Hackathon Rede +Brasil, uma maratona de programação que pretende criar soluções digitais para a evolução da Plataforma +Brasil, que automatiza a gestão e o acompanhamento das transferências de recursos da União para estados e municípios. O evento acontecerá no formato on-line, com transmissão pelo YouTube. As inscrições podem ser feitas até 5 de setembro pelo site do Serpro.

Com o tema “Hackathon Rede +Brasil: mais Acessível e mais Colaborativo”, o objetivo da iniciativa é buscar criatividade e inovação para aprimorar a plataforma, que é uma ferramenta digital estratégica do Governo Federal. Em equipes de três a cinco integrantes, os participantes devem desenvolver soluções que proporcionem a construção de um ecossistema colaborativo para a análise de dados públicos.

Real digital: saiba como estão as discussões do Banco Central para criação da moeda virtual brasileira

Leilão do 5G deve acontecer até a primeira quinzena de outubro

Por meio do mapeamento de propostas voltadas ao setor público, a expectativa é que as soluções contribuam para a inclusão dos municípios nos processos digitais. Os projetos devem proporcionar maior transparência, aumento dos mecanismos de participação e controle social e melhoria da qualidade dos serviços públicos.

As três soluções vencedoras ganharão prêmios de R$ 15 mil (1º lugar), R$ 10 mil (2º lugar) e R$ 5 mil (3º lugar). O anúncio dos vencedores acontecerá em 15 de setembro.

Copiar o texto
13/04/2021 15:00h

Professores das redes públicas estaduais, municipais e federais podem se inscrever na sétima edição da competição, que oferece prêmios como notebooks, assinatura de periódicos e acervo para biblioteca

Baixar áudio

A sétima edição da Olimpíada de Língua Portuguesa abriu as inscrições e receberá candidatos até o dia 30 de abril. Professores das redes públicas estaduais, municipais e federais podem se inscrever na competição.

A iniciativa busca contribuir para a melhoria do ensino e aprendizagem da leitura e escrita nas escolas, e realizará oficinas de produção de texto com os alunos do 5º ano do Ensino Fundamental ao 3º ano do Ensino Médio. 

O tema do concurso é “O lugar onde vivo”, para estimular a reflexão sobre as realidades locais. A olimpíada oferece prêmios como notebooks, assinatura de periódicos e acervo para biblioteca.

Cada etapa de ensino terá um gênero proposto: poema (5º ano), memórias literárias (6º e 7º), crônica (8º e 9º), documentário (1ª e 2ª séries do Ensino Médio) e artigo de opinião (3ª série do Ensino Médio).
 

Copiar o texto
22/01/2021 10:50h

As inscrições vão até o dia 19 de fevereiro, gratuito e online

Baixar áudio

Na próxima segunda-feira (25), serão abertas as inscrições para o Prêmio Sesc de Literatura, um dos mais importantes do País e que pretende encontrar escritores inéditos, cujos trabalhos possuam qualidade literária para edição e circulação nacional. As obras podem ser inscritas nas categorias Romance e Conto, mas precisam ser inéditas, ou seja, não podem ter sido publicadas antes da premiação. Os vencedores terão suas obras publicadas e distribuídas pela editora Record, com tiragem inicial de 2 mil livros.

Desde a criação em 2003, mais de 16 mil livros foram inscritos e 31 novos autores foram revelados pelo Prêmio Sesc de Literatura. Isso reforça a importância dessa ferramenta para impulsionar e renovar o cenário literário no Brasil, oferecendo contribuições à cultura nacional por meio do estímulo à escrita e o reconhecimento de novos talentos. Para se ter uma ideia do incentivo desta premiação, apenas no ano passado, foram inscritos 1.358 livros, sendo 692 romances e 666 contos.

Após perdas da pandemia, livrarias lançam campanha para atrair leitores para lojas físicas

Livro digital de receitas valoriza agricultura familiar do Rio Grande do Norte

Os livros são inscritos pela internet, gratuitamente, processo de curadoria e seleção das obras é protegido por pseudônimos. Isso evita que os avaliadores reconheçam os reais autores, impedindo qualquer tipo de favorecimento. Quem se interessar na participação terá até o dia 19 de fevereiro para concluir o processo de inscrição, que é gratuito e online. O regulamento completo pode ser acessado em www.sesc.com.br/premiosesc.

Copiar o texto
22/01/2021 00:00h

Premiação reconhece iniciativas mundiais de destaque socioambiental, e representante brasileiro reuniu 17 instituições em ações que beneficiaram mais de 200 produtores rurais

Baixar áudio

Um projeto que acontece na bacia hidrográfica do Ribeirão Pipiripau, no Distrito Federal, ganhou destaque mundial e está concorrendo ao prêmio "Water Change Maker Awards", promovido pela Global Water Partnership (GWP). A iniciativa reconhece ações de destaque socioambiental em questões relacionadas à água, e avaliou 340 trabalhos, de mais de 80 países. 

O “Projeto Produtor de Água na Bacia do Ribeirão Pipiripau” chamou atenção pela união de esforços e resultados satisfatórios no local, que abastece mais de 200 mil pessoas, alcançando as populações das Regiões Administrativas de Planaltina e Sobradinho. Ao todo, são 200 produtores rurais e 17 instituições participando da iniciativa, coordenada pela Agência Reguladora de Águas, Energia e Saneamento do Distrito Federal (Adasa).

As ações são divididas em sete grupos de trabalho, e têm como objetivo promover reflorestamento de áreas degradadas, cercamento de nascentes e Áreas de Preservação Permanente, adequação de estradas rurais, conservação do solo e melhoria da infiltração da água, por exemplo. Jorge Werneck, diretor da Adasa, lembra que existiam conflitos hídricos históricos na bacia, principalmente porque a água não era suficiente para todos os produtores, algo que foi mudado.

“O projeto visa implementar boas práticas agrícolas, boas práticas ambientais e também de engenharia para melhorar o uso da água e a gestão de recursos hídricos, nessa importante área que contribui para o abastecimento de, aproximadamente, 200 mil pessoas dentro do DF. Os 600 produtores rurais que estão naquelas bacias são beneficiados ou têm potencial de serem beneficiados pelo projeto”, explica.

Benefícios

O programa foi implantado na Bacia do Ribeirão Pipiripau em 2011. Quem foi contemplado por essas ações ressalta as mudanças provocadas por ela, como Flávia Kikuchi, produtora rural, presidente da Associação de Usuários do Canal de Abastecimento de Água do Núcleo Rural Santos Dumont. Ela cultiva hortaliças e comercializa os alimentos nas Centrais de Abastecimento (Ceasa), e sofreu durante o período de crise hídrica, minimizado por ações do projeto.

“O que nós conseguimos aqui foi ampliar as reservas das propriedades, também foi feito, na beira das estradas, os bolsões para reter a água pluvial para que possa abastecer o lençol freático e, através desse projeto, também nas propriedades, foram realizados os revestimentos nos reservatórios de água para evitar perdas por infiltração, tendo um aproveitamento maior da água, sem desperdício”, conta.

Marco Alexandro, coordenador de Implementação de Projetos Indutores da Agência Nacional de Águas e Saneamento Básico (ANA), lembra que os trabalhos garantem água para atividades econômicas essenciais nas regiões. 

“Esse projeto serve de vitrine e inspiração para outros projetos desse tipo no País, mostrando assim que, com esforço coletivo, coordenado e com engajamento, envolvendo governo, usuários e a sociedade civil, é possível solucionar situações de problemas que fazem parte do nosso dia a dia”, avalia. 

A premiação conta ainda com iniciativas em Bangladesh, Bolívia, Butão, Canadá, Egito, Equador, Filipinas, Honduras, México e Quênia. O anúncio do projeto vencedor será realizado em 25 de janeiro, durante a Cúpula de Adaptação Climática 2021, que acontecerá de modo virtual. Para votar na ação brasileira basta entrar no site gwp.org/vote e clicar no ícone do coração abaixo do Projeto Produtor de Água no Pipiripau. Não há limites de votos por pessoa. 
 

Copiar o texto
06/07/2020 11:05h

Terceira edição da iniciativa vai dar destaque aos profissionais brasileiros que atuam na linha de frente de combate ao novo coronavírus

Baixar áudio

Estão abertas até 29 de julho as inscrições para o Prêmio Espírito Público. Servidores e profissionais do setor público vão poder concorrer em seis áreas: Educação, Gestão de Pessoas, Governo Digital, Meio Ambiente, Saúde e Segurança Pública. Neste ano, o prêmio quer dar visibilidade ao trabalho daqueles que estão na linha de frente de combate à pandemia da Covid-19.  

A categoria Saúde vai reconhecer o trabalho em equipe, valorizando os esforços, em conjunto,  dos profissionais da área em diferentes especialidades para cuidar do bem-estar da população. A terceira edição do prêmio traz outra novidade: a Medalha Espírito Público, que vai ter um tema diferente a cada ano. Em 2020 vai reconhecer instituições que buscam soluções inovadoras no enfrentamento ao novo coronavírus. 

Podem concorrer ao prêmio profissionais públicos de todos os estados do país que tenham, no mínimo, 10 anos de atuação no setor, mesmo que não de modo consecutivo. Na categoria Saúde, as equipes inscritas devem ter, ao menos, cinco anos de atuação. 

O Prêmio Espírito Público é organizado pela Fundação Brava, Fundação Lemann, Instituto Humanize e República.org, além de ter a correalização e parceria de outras instituições. 

Para mais informações, acesse: premioespiritopublico.org.br/.

Copiar o texto
Brasil 61