;

Cadastro de mídia

TERMO DE USO E PARCERIA

TERMO DE USO E PARCERIA

1º - A utilização gratuita e livre dos materiais produzidos pelo Brasil 61 só será permitida depois que este termo de parceria for aceito pelo usuário, prevendo as seguintes regras:

a) A utilização do material - na íntegra, ou em partes - só será permitida desde que as informações não sejam distorcidas, manipuladas ou alteradas.

b) Não é necessário a identificação do Brasil 61 na hora da replicação do conteúdo. Mas toda e qualquer veiculação de áudios produzidos pelo Brasil 61 prevê o cadastro no site, com a disponibilização de dados que serão utilizados para a organização do mailing desta empresa,

2º - OBRIGAÇÕES DO BRASIL 61

a) O Brasil 61 se compromete, a partir deste termo de uso, a produzir conteúdo particularizado diariamente, trazendo informações de dia-a-dia e bastidores do Planalto Central, além de outras temáticas de relevância do noticiário nacional. 

b) O acesso ao conteúdo jornalístico (na versão de leitura) é livre e gratuito, podendo ser replicado por qualquer usuário que acesse o site. O download do áudio para que seja utilizado na programação das rádios requer que o usuário realize o login no site do Brasil 61 - informando e-mail e senha cadastrados. 

3º - OBRIGAÇÕES DOS COMUNICADORES PARCEIROS

Não alterar o sentido dos materiais, ou distorcer fala de entrevistados ou mudar a conotação das mensagens dos materiais. 

ADENDOS IMPORTANTES SOBRE A PARCERIA

a) O Brasil 61 poderá distribuir conteúdo patrocinado com ou sem assinatura dos clientes patrocinadores do boletim e sem aviso prévio ao comunicador. 

b) As rádios parceiras não vão ter participação financeira sobre o faturamento do Brasil 61.

c) Os comunicadores podem patrocinar os conteúdos do Brasil 61, desde que não alterem o sentido e a conotação dos conteúdos oferecidos. Nesses casos, o Brasil 61 não terá participação nos lucros conquistados pelos veículos parceiros. 

Ao clicar em ACEITO, a emissora aqui cadastrada afirma concordar e estar ciente de todas as condições apresentadas neste Termo de Utilização de Conteúdo.

Política de privacidade

Nós do Brasil 61 coletamos e usamos alguns dados dos nossos leitores com o intuito de melhorar e adaptar nossas plataformas e nossos produtos. Para isso, agimos conforme a Lei Geral de Proteção de Dados (Lei 13.709/2018) e nos esforçamos para sermos transparentes em todas nossas atividades.

Para podermos oferecer melhores serviços e veicular peças publicitárias de nossos anunciantes, precisamos conhecer certas informações dos nossos usuários.

COMO O BRASIL 61 COLETA SEUS DADOS

– Quando você se cadastra e cria um usuário no Brasil 61

Quando você entra no nosso site, fornece informações (dados) para a criação do usuário. Estes dados são usados para orientar a estratégia do Brasil 61 e o desenvolvimento de novos serviços e/ou produtos. Essas informações são fornecidas voluntariamente por você leitor e não são compartilhadas com nenhum terceiro.

– Quando você acessa o site do Brasil 61 (www.brasil61.com.br) ou abre uma de nossas newsletters enviadas por e-mail

O Brasil 61 usa tecnologias como cookies e pixel tags para entender como é a sua interação com as nossas plataformas. Esses dados permitem saber, por exemplo, de que dispositivo você acessa o site ou em que links você clicou e quanto tempo permaneceu lendo as notícias. 

COMO O BRASIL 61 USA OS SEUS DADOS

Nós, do Brasil 61, usamos seus dados sempre com a principal intenção de melhorar, desenvolver e viabilizar nossos próprios produtos e serviços a você leitor.

Seus dados são sempre analisados de forma não individualizada, mesmo os que são fornecidos vinculados seu nome ou ao seu endereço de e-mail. 

Os dados em conjunto são analisados para criar relatórios estatísticos de audiência sobre as páginas, textos e meios de acesso ao site e às newsletters. 

Esses relatórios são compartilhados com nossos anunciantes e patrocinadores e servem para modelar estratégias e campanhas institucionais.

As informações que você fornece durante a criação do cadastro do seu usuário no Brasil 61 são utilizadas para a formulação de estratégia comercial e desenvolvimento de novos produtos e/ou serviços.

Essas informações individualizadas podem ser usadas pelo Brasil 61 para o envio de campanhas comerciais e divulgação de serviços e/ou produtos próprios. Não são compartilhadas com nenhum terceiro.

As informações captadas por meio de cookies e pixel tags são usadas em relatórios internos de monitoramento da audiência e também em relatórios para os anunciantes verificarem a efetividade de suas campanhas. Essas informações não estão vinculadas a nome ou e-mail dos leitores e são sempre avaliadas de forma não individualizada.

O Brasil 61 compartilha informações captadas por meio de cookies e pixel tags com terceiros, como anunciantes, plataformas de redes sociais e provedores de serviço – por exemplo, o serviço de envio de e-mails. O Brasil 61 também em seu site cookies de terceiros que captam informações diretamente do usuário, de acordo com suas próprias políticas de privacidade e uso de dados. 

O QUE O BRASIL 61 NÃO FAZ COM SEUS DADOS

– Não monitoramos ou coletamos dados de páginas que não pertencem ao Brasil 61.
– Não compartilhamos ou vendemos para terceiros nenhuma informação identificável.

O QUE VOCÊ PODE FAZER SE NÃO QUISER MAIS QUE SEUS DADOS SEJAM USADOS PELO BRASIL 61

– Caso não queira que o Brasil 61 use nenhum tipo de cookies, altere as configurações do seu navegador. Nesse caso, a exibição de anúncios e mensagens importantes do Brasil 61 e de nossos anunciantes pode ser prejudicada.

– Caso queira deixar de receber algum newsletter ou e-mail de alertas de notícias, basta clicar em “Unsubscribe”, na parte de baixo do e-mail enviado pelo Brasil 61. 

– Caso queira excluir seu usuário e apagar seus dados individuais da base do Brasil 61, basta enviar um e-mail para: privacidade@brasil61.com

 Última atualização: 24 de dezembro de 2020 

SENAI

29/03/2021 17:30h

Os cursos estão divididos entre diversos estados nas modalidades presencial, semipresencial e à distância

Baixar áudio

O Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (SENAI) está oferecendo mais de 20 mil vagas para cursos por diversos estados do país, nas modalidades presencial, semipresencial e à distância (on-line). Além disso, mais de seis mil dessas oportunidades são de cursos gratuitos.

Cemitérios estimam aumento de até 60% de enterros com agravamento da pandemia

Sebrae fornece orientações para retomada econômica no setor de transporte

O SENAI do Distrito Federal, por exemplo, está com cerca de 6 mil vagas abertas para cursos gratuitos de qualificação profissional e de aperfeiçoamento, além do curso técnico em Segurança do Trabalho. São 2.268 vagas do Programa SENAI de Gratuidade Regimental e outras 3.904 do DF Inova Tech. Para se inscrever, é necessário preencher o formulário no site do SENAI/DF.

Outro estado que oferece muitas oportunidades é o SENAI de Tocantins, com mais de 21 turmas. São mais de 700 vagas em cursos como o de Eletricista Residencial, Almoxarife, Operador de Computador, Pintor de Obras Imobiliárias, Supervisor Inovador, Auxiliar de Recursos Humanos, entre outras opções on-line, presenciais e semipresenciais distribuídas nas unidades do Tocantins. Para acessar todas as vagas disponíveis pelo SENAI, basta acessar https://noticias.portaldaindustria.com.br/

Copiar o texto
12/03/2021 04:00h

O evento terá vagas de trabalho, palestras e workshops

Baixar áudio

O Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (Senai) vai promover a Feira de Talentos Contrate-me, oferecendo com vagas de trabalho, palestras e workshops. O evento acontecerá entre os dias 23 e 25 de março e será realizado de forma online e gratuita.

Estão previstas participações de grandes empresas do setor industrial, como Pirelli, Ferronorte, Kepler Weber, Energisa, Seara, Coca-Cola, Ocyan, Alpargatas, CSN e Heineken. Serão oferecidas vagas de diferentes níveis, desde o técnico ao especialista.

Pela primeira vez em dez anos contratações na indústria superaram demissões no primeiro mês do ano, aponta CNI

Pesquisa mostra que faturamento do setor industrial cresceu 8,7% em janeiro deste ano

Os interessados deverão se registrar na página do Senai na internet, para receberem um e-mail com o link de acesso no dia do evento. Para se candidatar a uma das vagas que serão anunciadas no evento, é necessário se inscrever no Contrate-me.

A feira é promovida desde 2014 no Rio de Janeiro, mas migrou para o formato online em razão da pandemia da covid-19. Com o alcance da internet, 15 departamentos regionais do Senai aderiram ao evento, que terá abrangência nacional.

Copiar o texto
Educação
01/03/2021 00:00h

Matrículas devem ser feitas pelas empresas; até dezembro, mais de 7 mil trabalhadores devem ser qualificados

Baixar áudioBaixar áudio

A Firjan Senai oferece a industriários do Rio de Janeiro diversos cursos online de capacitação. Neste momento estão abertas 125 vagas para os cursos de Automação de Processos Industriais; Lean Manufacturing; Planejamento, Programação e Controle da Produção – PPCP;  Sistemas Lógicos Programáveis de Manufatura e BIM – Aplicado em Projeto de Arquitetura.

Até o final do ano, o Programa Emprega Mais da Firjan Senai pretende capacitar 7.200 industriários fluminenses. Felipe Morgado, gerente de educação profissional e tecnológica do Senai nacional, afirma que as aulas ofertadas vão além de competências técnicas.

“Todos os cursos que o Senai está oferecendo para empregados e desempregados visam desenvolver competências técnicas aos trabalhadores e, principalmente, competências socioemocionais", explica.

As inscrições serão feitas pela própria empresa, que deverá realizar um cadastro no Marketplace do Senai Nacional, selecionar os cursos de aperfeiçoamento desejados e indicar os empregados escolhidos para o treinamento. Após isso, será enviado, automaticamente, um voucher personalizado aos candidatos, que deverão ativá-lo o voucher para realizar a matrícula.

Edson Melo, gerente de Educação Profissional da Firjan Senai, diz que “as primeiras turmas do Programa Emprega Mais serão retomadas em 8 de março, com a disponibilização de 125 vagas e em março e abril serão disponibilizadas mais 1000 vagas, 500 em cada mês”.

MS: IEL oferece cursos de estágio em Ribas do Rio Pardo

O deputado federal Paulo Ganime (Novo-RJ) afirma que a qualificação profissional é de suma importância para o aprimoramento das competências dos industriários. “A gente tem conversado com muitos industriários do Rio de Janeiro, onde é percebido uma grande carência de formação técnica, de pessoas capacitadas em fábricas, na operação e na manutenção de máquinas e equipamentos.”

O número de vagas gratuitas depende do tamanho de cada instituição e da disponibilidade do Senai. Para mais informações, acesse: loja.mundosenai.com.br

Copiar o texto
25/02/2021 00:00h

Selecionados recebem remuneração e possuem os mesmos direitos trabalhistas e previdenciários que os demais empregados da Mineração Rio Norte

Baixar áudioBaixar áudio

Jovens paraenses podem dar os primeiros passos no mercado de trabalho dentro da maior produtora de bauxita do Brasil – a Mineração Rio Norte (MRN). O Programa Jovem Aprendiz, em parceria com o Senai-PA, oferece formação técnica e profissional, no distrito de Porto Trombetas, município de Oriximiná (PA). 

O objetivo do programa é disponibilizar aos jovens da região a primeira experiência profissional, proporcionando uma formação de qualidade, com atividades práticas dentro da empresa e formação teórica nas instalações do Senai. O diretor de operações do Sesi/Senai, Raphael Barbosa, explica quem pode participar.

“Podem participar adolescentes e jovens de 14 a 24 anos. Ele deve estar estudando o nono ano do ensino fundamental, ou já ter concluído o ensino médio, ou estar matriculado em um programa de educação de jovens adultos”.

MS: IEL oferece cursos de estágio em Ribas do Rio Pardo

Empresas que fornecem bens e serviços ao governo terão acesso a empréstimo facilitado

Startups que tiveram apoio do Sistema Fiep receberão investimentos da Petrobras

Oportunidades

Neste novo ciclo do programa, as vagas na MRN foram ofertadas para cursos de eletricistas de manutenção industrial e operador de manutenção de máquinas industriais e terão duração de um ano, com aulas de quatro horas diárias, começando em fevereiro. As oportunidades foram disponibilizadas para 18 comunidades vizinhas à empresa em Porto Trombetas (PA).

Arte - Brasil 61

O jovem Helber de Oliveira Carvalho, 21 anos, é um dos participantes do Programa Jovem Aprendiz. Ele esclarece como a experiência o tem preparado para o mercado de trabalho. 

“Eu aprendi diversas coisas no programa, coisas que não somos ensinados desde pequeno, como tributação de impostos, o funcionamento de um ambiente administrativo, corporativo, de uma empresa grande”. Para ele, um dos benefícios do programa é o conhecimento teórico aliado à prática profissional.

Todo o processo seletivo é realizado pela empresa contratante e não gera nenhum tipo de custo para o jovem. Uma vez aprovado, o estudante será matriculado como aluno regular do Senai e assinará um contrato especial com a empresa, pelo tempo médio de dois anos, com carteira assinada. O diretor de operações Raphael Barbosa aponta os direitos dos jovens aprendizes.

“Ele recebe uma remuneração ao longo desse período de dois anos. E eles têm os mesmos direitos trabalhistas e previdenciários dos demais empregados: férias, décimo terceiro salário, vale-transporte e é feito também o recolhimento do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço”, afirma.

Segundo Raphael Barbosa, a remuneração do Jovem Aprendiz é calculada com base no valor da hora do atual salário-mínimo que, segundo a Medida Provisória n° 1.021 de 2020, é de R$ 5. Portanto, dependendo do setor em que o jovem for selecionado, a remuneração mensal pode ser maior que R$ 1.100.

O diretor de operações Raphael Barbosa ressalta que o Programa Jovem Aprendiz do Senai incentiva candidaturas de pessoas com deficiência.

“É um programa que busca ter a inclusão de pessoas com deficiência; para esse público não há limite de idade. E para os jovens com deficiência intelectual, não há exigência de escolaridade. A empresa vai considerar as habilidades relacionadas com a profissão”, ressalta.

Contrate-me

Os jovens interessados em se posicionarem no mercado de trabalho também podem acessar a plataforma Contrate-me do Senai, como recomenda o diretor de operações do Sesi/Senai, Raphael Barbosa.

“É uma plataforma de emprego, onde são feitas entrevistas online e análises do perfil desse jovem. Depois de identificadas as características socioemocionais do candidato, essas informações são repassadas aos empresários, que poderão contratar o aprendiz, nesse novo formato. É uma espécie de entrevista prévia”, comenta.

Interessados podem se cadastrar pelo link

Copiar o texto
25/02/2021 00:00h

O programa é voltado tanto para construtoras, incorporadoras e escritórios de projetos, quanto para profissionais das áreas de Arquitetura e Urbanismo ou Engenharia Civil

Baixar áudioBaixar áudio

O Instituto Senai de Tecnologia em Construção Civil do Paraná lançou o programa de Residência em “Building Information Modeling” (BIM). O sistema transforma toda a informação do projeto da construção em um modelo virtual, que permite fazer simulações, ter um planejamento mais efetivo, redução de custos e otimização do tempo. 

A Residência BIM é voltada tanto para construtoras, incorporadoras e escritórios de projetos, quanto para profissionais graduados nas áreas de Arquitetura e Urbanismo ou Engenharia Civil, e prevê atividades teóricas e práticas, com aplicação nas empresas parceiras, de acordo com as demandas propostas por elas, contando com a mentoria de consultores do Senai, especialistas na tecnologia.

Startups que tiveram apoio do Sistema Fiep receberão investimentos da Petrobras

Senai de Mato Grosso do Sul é o segundo melhor do País em sustentabilidade em tecnologia e inovação

Segundo a coordenadora do Instituto Senai de Tecnologia em Construção Civil, Letícia da Costa Gonçalves, o objetivo da iniciativa é apoiar tanto as empresas e os profissionais da área. “A gente resolve duas problemáticas, que é a formação de profissionais especializados para o mercado e ao mesmo tempo apoiamos com um custo reduzido a implantação desse processo nas empresas patrocinadoras do programa”, destacou.

Ao longo do programa, as oito empresas que serão selecionadas terão a oportunidade de desenvolver um processo de implantação BIM personalizado para sua realidade, bem como patrocinar o desenvolvimento técnico de um profissional, o qual poderá absorver em seu quadro técnico após o programa. 

As oito cotas empresariais previstas no edital do programa podem ser preenchidas por empresas de todos os portes, que atuam em qualquer região do Paraná. As empresas interessadas em participar podem se inscrever no programa até o dia 19 de março, sendo que a data pode ser antecipada perante o preenchimento das cotas. A duração será de 5 a 24 meses, a depender da quantidade de módulos realizados pela empresa parceira. 

A seleção para residentes, por sua vez, acontecerá entre os dias 1º e 26 de março. Os estudantes vão receber bolsa de estudos mensal e, ao final do curso, receberão certificado de especialização pelas Faculdades da Indústria. A carga horária para os residentes é de 40 horas semanais. As inscrições devem ser feitas pelo site e a previsão para o início da Residência é 4 de abril.

Para o engenheiro civil Ygor Carneiro, o BIM é uma necessidade de modernização que o setor anseia já há algum tempo. “Um dos maiores percalços que nós profissionais que trabalhamos diretamente no processo de criação e implantação de empreendimentos são as incompatibilidades de projeto, as perdas de informações. E a tecnologia BIM vem justamente para minimizar isso, já que você tem toda a informação concentrada em uma única base”, afirmou. 

Um levantamento realizado pelo BIM Brasil Maturidade em 2020 aponta que 70% das empresas que atuam no ramo da construção civil no Brasil ainda não utilizam a tecnologia em seus projetos. No entanto, por reconhecerem que é uma das principais tendências para o setor, as mesmas companhias que participaram do mapeamento afirmaram que pretendem adotar a tecnologia nos próximos anos. 
 

Copiar o texto
24/02/2021 00:00h

A comercialização está programada para o primeiro semestre deste ano em lojas de departamento, e-commerces e farmácias

Baixar áudioBaixar áudio

Um spray antiviral desenvolvido pelo Instituto Senai de Inovação em Eletroquímica do Paraná, capaz de neutralizar o vírus da covid-19 e suas variantes recém-descobertas, deve chegar ao mercado ainda neste primeiro semestre. A inovação funciona com nanopartículas de prata para proteger e revestir superfícies por, no mínimo, 72 horas, e a comercialização deve ser feita em lojas de departamento, e-commerces e farmácias. 

O produto, realizado em conjunto com a TNS Nano, pode ser utilizado, por exemplo, em maçanetas, mesas e bancadas, balcões de atendimento, corrimãos de escadas e corredores, auxiliando na prevenção do contágio não só dos consumidores como também dos funcionários em indústrias e comércio. 

Segundo a pesquisadora e responsável técnica pelo projeto, Agne Carvalho, a fórmula é responsável pela formação de uma película protetora nas superfícies em que ele é aplicado. “Ele consegue neutralizar a ação do vírus porque ele desestabiliza a estrutura proteica de forma que seu RNA fica exposto e não tem mais a sua ação contaminante”, explicou.

Startups que tiveram apoio do Sistema Fiep receberão investimentos da Petrobras

Senai de Mato Grosso do Sul é o segundo melhor do País em sustentabilidade em tecnologia e inovação

Foram desenvolvidas três diferentes formulações baseadas nas propriedades: estabilidade físico-química, formação de filme de proteção ultra fina capaz de proteger a superfície de aplicação, resistência à abrasão, eficácia antibacteriana, toxicidade oral, irritação dérmica e ocular e, principalmente, a eficácia antiviral.

O diretor geral da TNS Nano, Gabriel Nunes, destacou o diferencial do produto. “Ele consegue eliminar não da mesma maneira que um sabão ou um álcool em gel vem fazendo. Ele oferece essa segurança pelas próximas 72 horas, então nós estamos oferecendo algo que até agora não foi visto no mercado”, afirmou.

As aprovações, realizadas pelo Laboratório de Virologia Aplicada da Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP), simularam aplicações em materiais que mimetizam as principais superfícies de interesse como tecidos, granito, aço inox e laminados sintéticos.

O gerente do Instituto Senai de Inovação em Eletroquímica, Filipe Cassapo, destacou a importância da iniciativa. “Esse é logicamente um produto absolutamente revolucionário, à medida que fomos capazes nesta pesquisa muito rápida, em apenas cinco meses, de desenvolver um revestimento que de maneira uniforme protege”, disse. 

Com uma proposta similar à iniciativa brasileira, só que em composição de medicamento, em Israel está sendo desenvolvido um spray nasal contra a covid-19. O presidente Jair Bolsonaro anunciou que enviará uma comitiva brasileira para conhecer o produto. 

O medicamento é inalado uma vez por dia durante alguns minutos, durante cinco dias, sendo direcionado diretamente para os pulmões. Assim como as vacinas, os estudos de medicamentos são divididos em várias etapas e, no Brasil, precisam de autorização da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) para acontecerem.

Missão contra COVID-19 

No início da pandemia, o Senai lançou a “Missão contra COVID-19” como parte de um Edital de Inovação para a Indústria. Com apoio da Embrapii e da ABDI, foram destinados R$ 20 milhões para projetos que ajudem a prevenir, diagnosticar e tratar a Covid-19. O spray antiviral foi um dos projetos aprovados pelo Edital.
 

Copiar o texto
22/02/2021 00:00h

Desempenho do Departamento Regional sul-mato-grossense só ficou atrás do Senai baiano

Baixar áudio

O Senai (Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial) de Mato Grosso do Sul foi o segundo melhor do País no índice que mede a sustentabilidade em tecnologia e inovação, no ano de 2020. O estado alcançou o resultado de 89,7%, ficando atrás, apenas, da Bahia, que registrou 90,2%.
 
O índice sul-mato-grossense está bem acima da média nacional, por exemplo, que foi de 71%. O presidente da Federação das Indústrias do Estado de Mato Grosso do Sul, Sérgio Longen, comemorou o resultado expressivo e destacou a participação de todos os envolvidos.
 
“É muito gratificante para mim receber um relatório como esse de sustentabilidade, em que o Mato Grosso do Sul é o segundo do País. A nossa indústria vai bem, o ano de 2021 é difícil, mas, com certeza, com essa equipe que está aí nós venceremos essa batalha, trazendo cada vez mais os nossos trabalhos para o fortalecimento da nossa indústria”, disse. 

Mais destaque

O Departamento Regional do Senai de Mato Grosso do Sul também conquistou a oitava posição no quesito “receita por competência em tecnologia e inovação”. No ano passado, a instituição teve arrecadação de R$ 12,6 milhões. 
 
Diretor do Senai sul-mato-grossense, Rodolpho Caesar Mangialardo destacou que o órgão tem colaborado para o crescimento da indústria do estado e a retomada pós-pandemia. 
 
“A gente foi agraciado com o segundo lugar em sustentabilidade dentro da área de tecnologia e inovação no País, na comparação entre os Senais. Isso representa que as nossas despesas foram muito bem controladas e as nossas receitas foram muito bem aportadas. A gente se graduou a nível nacional. Isso [é reflexo] nada mais do que o auxílio que o Senai tem feito na área de tecnologia e inovação no estado do Mato Grosso do Sul”, detalhou. 

Copiar o texto
21/01/2021 00:00h

Informação foi dada pela Fieac; Senai e Sebrae do estado promovem cursos de capacitação para profissionais da área

Baixar áudio

Apesar da crise econômica ocasionada pela pandemia do novo coronavírus, a venda das indústrias de cerâmica do estado do Acre cresceram no ano passado. A constatação foi feita pela Federação das Indústrias do Estado do Acre (Fieac). Um balanço do segmento ainda precisa ser fechado. 

Por meio do “Reage, Indústria”, o Senai do Acre, em parceria com o Sebrae, está promovendo uma capacitação com empresas do setor cerâmico nos municípios de Rio Branco, Brasiléia, Cruzeiro do Sul e Acrelândia.

Márcio Agiolfi, presidente do Sindicato das Indústrias Cerâmicas do Estado do Acre (Sindicer/AC), afirma que, para este ano, o segmento possui boas perspectivas. “O setor de cerâmica tem se preparado. Entre agosto e dezembro, houve uma aquecida no mercado e isso trouxe bastante confiança no empresário e apostamos que 2021 seja um ano muito bom”, relatou.

De acordo com a Fieac, as indústrias do segmento no estado possuem diversos entraves, como por exemplo o alto custo da energia e o fato da lenha utilizada para a queima da cerâmica ter de ser comprada de Rondônia. Tais fatores contribuem no aumento do produto que é vendido no mercado local. 

Somado a isso, devido a um longo período chuvoso no estado, Agiolfi explica que a construção civil no Acre apresenta bons resultados durante seis meses do ano. “Aqui há uma sazonalidade, em que o setor da construção civil funciona mesmo de julho até dezembro. No resto do ano, o segmento apresenta uma redução de até 40%”, diz. 

Fiesc abre inscrições para voluntários que queiram elaborar projetos para o terceiro setor

Inflação

O Índice Nacional da Construção Civil (Sinapi), indicador do IBGE que mede a inflação no setor, fechou 2020 com alta de 10,16%.  Em 2019, o índice havia aumentado 6,13%. O custo nacional por metro quadrado fechou 2020 com o valor de R$ 1.276,40, sendo R$ 710,33 relativos aos materiais e R$ 566,07 à mão de obra.

Copiar o texto
21/01/2021 00:00h

Técnica desenvolvida pela Hydro, em parceria com o Instituto SENAI de Inovação em Tecnologias Minerais, recebe prêmio internacional

Baixar áudio

Pesquisadores da empresa Hydro, em parceria com o Instituto SENAI de Inovação em Tecnologias Minerais (ISI-TM), conseguem aproveitar resíduos de bauxita da refinaria Alunorte e transformá-los em condicionador do solo, para uso na agricultura do Pará. A técnica também permite aproveitar o óxido de ferro dos resíduos e utilizá-los na produção de aço. O trabalho, firmado em 2019, foi premiado internacionalmente pela organização The Minerals, Metals & Materials Society, uma das mais importantes premiações do setor de metais.

Segundo o consultor químico da Hydro, Marcelo Montini, a pesquisa – que começou em 2019 – tem um total de quatro anos e, até agora, já foram realizadas diversas caraterizações físicas, químicas e mineralógicas de matérias-primas e testes em laboratório para selecionar e otimizar as tecnologias. “Nesse período, nosso objetivo é desenvolver essa tecnologia até sua escala piloto. Acreditamos que estamos no caminho certo, pois os resultados vêm se mostrado positivos, até o momento”, afirma.

Arte - Brasil 61

A pesquisa é composta por uma equipe de pesquisadores do ISI-TM e da Hydro, e utiliza diversas técnicas para o aproveitamento do resíduo, como por exemplo a biotecnologia. Segundo o Instituto, a utilização do resíduo de bauxita é um desafio global, com a meta de usar pelo menos 20% do material em novas aplicações, até 2025.

O consultor Marcelo Montini destaca os benefícios do trabalho. “Esse projeto pode trazer muitos benefícios para as outras indústrias e a sociedade. Mas gostaria de destacar a substituição de materiais primas convencionais pelo produto envolvido com resíduo, promovendo ganhos ambientais para a cadeia da siderurgia e agricultura”, comenta.

RN: Centro de Tecnologias do Gás e Energias Renováveis do SENAI abre matrículas para cursos de capacitação profissional

Alunos do Sesi Planalto (GO) desenvolvem solução que impede a proliferação do novo coronavírus em superfícies

FIESC aposta em crescimento industrial catarinense acima da média nacional em 2021

Instituto Senai

O Instituto SENAI de Inovação em Tecnologias Minerais (ISI-TM) é uma instituição de ciência e tecnologias privada, sem fins lucrativos, localizada em Belém, no Pará. O ISI-TM faz parte de uma rede de 27 institutos SENAI e atua há 5 anos na realização de projetos de pesquisa e desenvolvimentos (P&D), em busca do aumento da competitividade e sustentabilidade do setor mineral brasileiro.

O diretor do ISI-TM, Adriano Lucheta, ressalta que a parceria com a Hydro é um dos inúmeros projetos de P&D desenvolvidos com grandes empresas do setor de minérios. “Essa parceria foi iniciada em 2019 e busca a aplicação dos conceitos de economia circular para o aumento da sustentabilidade da cadeia de produção do alumínio, através da utilização do resíduo de bauxita, principal subproduto desse setor”, afirma.

Lucheta destaca a premiação internacional do trabalho pela organização The Minerals, Metals & Materials Society. “Inclusive, os recentes resultados obtidos na pesquisa foram premiados internacionalmente, reforçando a importância das parcerias entre a indústria e as instituições de pesquisa nacionais”, comenta.

Segundo o diretor, a pesquisa realizada com a Hydro também pode ser aplicada em outros países, sendo um caso de sucesso para o aumento da sustentabilidade da cadeia de produção de alumínio.

Copiar o texto
Economia
21/01/2021 00:00h

O laboratório será responsável por realizar análises físico químicas em cachaças e aguardentes, por método oficial, para atender as demandas dos controles oficiais da Pasta

Baixar áudio

O Instituto SENAI de Tecnologia em Química (IST Química), que faz parte do Centro de Inovação e Tecnologia – CIT SENAI, da Federação das Indústrias do Estado de Minas Gerais (FIEMG), foi credenciado para realizar ensaios em amostras oriundas dos programas e controles oficiais do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA).

Com isso, o laboratório será responsável por realizar análises físico químicas em cachaças e aguardentes, por método oficial, para atender as demandas dos controles oficiais da Pasta. Segundo a pesquisadora do Instituto de Tecnologia em Alimentos e Bebidas do CIT SENAI FIEMG, Morgana Zimmermann, a medida garantirá que os produtos sejam confeccionados com maior segurança e qualidade.

“O Centro de Inovação e Tecnologia do SENAI-MG busca pela melhoria contínua dos serviços prestados, sempre com foco de elevar a competitividade da indústria mineira. Podendo, além de monitorar através das análises, a qualidade das cachaças produzidas, realizar as análises das cachaças exportadas para diversos outros países. Pois, essas cachaças necessitam ser analisadas em laboratórios credenciados junto ao Ministério da Agricultura”, pontua.

MEIs e pequenas empresas terão mais facilidade para participar de licitações do governo federal

“Aprovação do Marco Legal das Startups é uma conquista histórica para o Brasil”, diz a deputada Luísa Canziani

MP sob análise do Senado reduz impactos tarifários com aporte de recursos na CDE

Na avaliação de Mário Marques, presidente da Câmara da Indústria de Alimentos da FIEMG e do Sindicato das Indústrias de Cerveja e Bebidas em Geral do Estado de Minas Gerais (Sindbebidas), a relevância do credenciamento repercute em toda a cadeia produtiva do setor.

“Agora temos a facilidade de fazer as análises em nosso estado e conseguir diferenciar as boas cachaças das clandestinas. Vamos conseguir melhorar, cada vez mais, as nossas cachaças”, destaca.

Qualidade da cerveja

Em 2020, o Instituto SENAI de Tecnologia em Química, passou a estar apto a também realizar a quantificação dos teores de possíveis contaminações em amostras de cervejas. Com isso, as indústrias interessadas podem procurar o CIT SENAI FIEMG para enviarem as amostras das bebidas.

De acordo com a instituição, a determinação dos teores de substâncias tóxicas em amostras de cervejas é feita por uma técnica analítica conhecida como Cromatografia Gasosa, utilizada para quantificação de substâncias orgânicas.
 

Copiar o texto