Ensino Técnico

09/06/2022 19:30h

SouTEC é o novo aplicativo que auxilia jovens a escolherem a qualificação profissional de acordo com o perfil de cada estudante. O app já está disponível gratuitamente para Android e IOS

Baixar áudio

O SouTEC, aplicativo lançado pelo Ministério da Educação (MEC), visa auxiliar os estudantes que estão no final do ensino fundamental e início do ensino médio a conseguirem encontrar uma qualificação profissional de acordo com seu perfil. 

O aplicativo é composto por 72 questões que avaliam as preferências do aluno. Após todas as questões respondidas, o estudante terá acesso a um resumo e um relatório completo sobre o seu perfil profissional. O programa também disponibiliza, a partir das respostas dos alunos, roteiros de estudo e indica cursos técnicos para que possam se preparar para a vida profissional.

Para utilizar o aplicativo, não é necessário ter acesso à internet. O estudante consegue responder às perguntas e ter acesso ao relatório mesmo estando offline. A internet é necessária apenas para o download do programa.

Segundo o ministro da Educação, Victor Godoy, o programa está passando por um processo de implantação, juntamente com o novo ensino médio e o Ministério da Educação tem trabalhado para que esse seja um processo tranquilo. “O que nós estamos fazendo aqui, é deixar um pouquinho mais de segurança para vocês fazerem as escolhas das profissões”, completou o ministro.

Ana Heloísa Dantas tem 13 anos e é estudante do 8° ano do Centro de Ensino Fundamental 26 de Ceilandia. A estudante disse que quando soube do aplicativo achou a ideia bastante interessante, pois esse é um recurso a mais na hora de escolher uma profissão.  “O aplicativo vai ser muito bom para os outros estudantes, pois eles terão menos dificuldade e será mais prático para escolher uma profissão”, acredita Ana. 

O aplicativo já está disponível para download gratuito nas lojas Google Play e Apple Store.

Copiar o texto
19/05/2022 15:31h

Ainda de acordo com o Mapa do Trabalho Industrial 2022-2025, realizado pelo Observatório Nacional da Indústria, o país deve criar 497 mil novas vagas formais em ocupações industriais no período

Baixar áudio

A demanda por profissionais com nível superior no setor industrial deve crescer 8,7% até 2025, aponta o Mapa do Trabalho Industrial 2022-2025, realizado pelo Observatório Nacional da Indústria. De acordo com o levantamento, o país deve criar 497 mil novas vagas formais em ocupações industriais no período. Com isso, o crescimento na demanda por trabalhadores será de: 

  • 8,7% em nível superior: 90 mil vagas
  • 6,3% em nível técnico: 136 mil vagas
  • 3,2% em nível de qualificação com mais de 200 horas: 64 mil vagas
  • 2,4% em nível de qualificação com menos de 200 horas: 208 mil vagas

Em número de vagas, ainda prevalecem as ocupações de nível qualificação (272 mil vagas). Contudo, o crescimento da demanda por profissionais de nível técnico e superior é maior. Segundo o levantamento, isso ocorre por conta das mudanças organizacionais e tecnológicas, que fazem com que as empresas busquem profissionais mais qualificados.

De acordo com a Pesquisa de Acompanhamento de Egressos 2019/2021, oito em cada dez egressos da graduação tecnológica do Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (Senai) estão empregados no mercado formal. As áreas Automotiva, de Refrigeração e Climatização, Mineração, Energia, Automação e Mecatrônica e Metalmecânica tiveram as maiores taxas de empregabilidade. 

O diretor de Educação e Tecnologia do Sesi e Senai Goiás, Claudemir José Bonatto, explica que o perfil de saída dos alunos no processo de aprendizagem está alinhado com as demandas e as tendências do mercado de trabalho. 

“O mercado está contratando; e profissionais formados na área de tecnologia são requisitados pelas empresas, até por conta da necessidade que elas têm de profissionais muito bem preparados, muito bem qualificados, para que, dentro do seu processo produtivo, tornem a empresa muito mais competitiva.”

O presidente da Frente Parlamentar Mista da Educação, deputado Professor Israel Batista (PV-DF), destaca a importância da graduação tecnológica e, também, dos cursos técnicos de nível médio.

“Ambos são importantes para a formação para o mundo do trabalho e para a profissionalização. O ideal é alcançarmos a articulação do Ensino Técnico de Nível Médio com o Ensino Superior Tecnológico, por meio de estrutura curricular única com envolvimento do setor produtivo; buscando a centralidade no trabalho como princípio educativo e viabilizando a aquisição de saberes de forma mais flexível.”

Pesquisa mostra que egresso da graduação tecnológica tem melhor desempenho no mercado de trabalho do que alunos que abandonaram cursos de bacharelado

Áreas de formação

Segundo o Mapa do Trabalho Industrial, o Brasil precisa investir no aperfeiçoamento e na qualificação de pelo menos 9,6 milhões de trabalhadores em ocupações industriais até 2025. Desse total, 2 milhões deverão se capacitar em formação inicial, para repor os profissionais inativos e preencher as novas vagas, e 7,6 milhões em formação continuada, para os trabalhadores que precisam se aperfeiçoar. 

O gerente-executivo do Observatório Nacional da Indústria, Márcio Guerra, destaca a importância da formação continuada em um mercado de trabalho concorrido.
“Independente de já se ter uma formação, é preciso estar se atualizando continuamente. Isso é bom pelo lado da indústria, porque a indústria precisa fortalecer a sua produtividade para que tenhamos produtos cada vez mais competitivos no mercado, e para o trabalhador, porque ele precisa estar sempre atualizado nas novas tecnologias, competindo nesse mercado de trabalho bastante concorrido.”

As áreas com maior demanda por formação são: Transversais, Metalmecânica, Construção, Logística e Transporte, e Alimentos e bebidas. 

Formação inicial  

  • Transversais (411.149) 
  • Construção (346.145) 
  • Metalmecânica (231.619) 
  • Logística e Transporte (194.898) 
  • Alimentos e Bebidas (181.117) 
  • Têxtil e Vestuário (137.996) 
  • Automotiva (92.004) 
  • Tecnologia da Informação (76.656) 
  • Eletroeletrônica (55.747) 
  • Couro e calçados (48.868) 

Formação continuada 

  • Transversais (1.393.283) 
  • Metalmecânica (1.300.675) 
  • Logística e Transporte (1.095.765) 
  • Construção (780.504)  
  • Alimentos e Bebidas (583.685) 
  • Têxtil e vestuário (509.354) 
  • Tecnologia da Informação (397.836) 
  • Eletroeletrônica (248.790) 
  • Gestão (226.176) 
  • Automotiva (208.317)

O estudo destaca que, devido à lenta recuperação na abertura de novas vagas formais, a formação inicial servirá, principalmente, para repor a mão de obra inativa. 

Márcio Guerra destaca a relevância das ocupações nas áreas transversais. “Ou seja, aquelas ocupações coringas, aquelas profissões que são absorvidas por diversos setores da economia, que vão desde o setor automotivo até o setor de alimentos. No que diz respeito às áreas, vale destacar também aquelas profissões que estão relacionadas com a indústria 4.0, relacionada a automação de processos industriais.”

Para conferir outras informações do Mapa do Trabalho Industrial, clique no link.

Copiar o texto
18/05/2022 12:59h

Do total de vagas oferecidas pelo SENAI, 387 são destinadas para o programa de bolsas de estudo gratuitas. As inscrições vão até 30 de junho.

Baixar áudio

Até 2025, o Brasil precisará qualificar 9,6 milhões de pessoas em ocupações industriais. É o que revela o Mapa do Trabalho Industrial 2022-2025, estudo realizado pelo Observatório Nacional da Indústria. Desse total, 2 milhões em formação inicial e 7,6 milhões em formação continuada. 

Diante desse cenário, o Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial da Bahia (SENAI-BA) identificou as principais áreas demandadas para direcionar cursos técnicos a essas oportunidades. “Estamos bastante atentos ao que o Mapa do Trabalho sinaliza, principalmente onde essas ocupações estão sendo demandadas. Ou seja, toda oferta do SENAI Bahia está embasada em uma série de dados que compõem nossa inteligência de mercado, mas, com certeza, no pacote desses dados, temos o Mapa do Trabalho como um farol que nos guia na definição da nossa oferta de cursos”, pontua a gerente executiva de Educação Profissional do SENAI Bahia, Patrícia Evangelista.

A partir desse quadro, o Senai Bahia abriu inscrições para 4,4 mil vagas em cursos técnicos. A iniciativa abrange o período letivo do segundo semestre de 2022. Os cursos se dividem em presenciais e semipresenciais e serão distribuídos nos municípios de Alagoinhas, Camaçari, Feira de Santana, Juazeiro, Lauro de Freitas e Salvador.  As aulas devem começar no dia 1° de agosto de 2022. 

Brasil precisa qualificar 9,6 milhões de trabalhadores em ocupações industriais até 2025

REIQ: Revogação trará insegurança jurídica, afirma presidente da Abiquim

MINERAÇÃO: Eventos reunirão representantes do setor em Goiânia, na próxima semana

As matrículas podem ser feitas pelo site, até o dia 30 de junho. Este prazo também garante 30% de desconto na primeira mensalidade aos estudantes que se matricularem nos cursos pagos. Vale destacar que os estudantes podem solicitar crédito estudantil com ou sem fiador. A medida possibilitará pagamento de 50% da mensalidade durante o curso e o restante do valor, após a formação.

Segundo Patrícia Evangelista, o curso técnico precisa ser encarado como uma excelente oportunidade de ingresso mais rápido e qualificado no mercado de trabalho. “Temos exemplos de pessoas que optaram por um caminho profissional e que hoje encontram no curso técnico a possibilidade de diversificar sua área de atuação, inclusive de empreender”, destaca a gerente.  

Do total de vagas, 387 são destinadas para o programa de bolsas de estudos gratuitas. Serão 267 bolsas de estudos para cursos presenciais e 120 para semipresenciais. As oportunidades são destinadas a pessoas que tiveram pontuação média igual ou superior a 500 pontos no Exame Nacional do Ensino Médio (Enem), entre 2016 e 2021, e que declararem ser de baixa renda, além de outros requisitos previstos em edital. O prazo para inscrição é 30 de junho.

“O interessado deve acessar o site www.tecnicosenai.com.br, clicar em concorrer a bolsa de estudos de curso técnico, escolher o curso, anexar a documentação exigida e fazer uma autodeclaração de baixa renda. A partir daí, ele já está apto a concorrer à vaga. O resultado sai no início do mês de julho”, explica a gerente.  

O resultado do processo seletivo das bolsas gratuitas sairá no dia 6 de julho. Já as matrículas para quem foi aprovado nesse processo deverão ser feitas entre os dias 6 e 11 do mesmo mês. 

Alana Vitoria dos Santos tem 21 anos e mora em Salvador. Ela é aluna bolsista do curso técnico em eletrotécnica do SENAI Bahia. A jovem conta que sempre foi apaixonada pela área e que agora encontrou a oportunidade de se especializar. Para Alana, a expectativa é de que o curso renda bons frutos no futuro. 

“Um técnico em eletrotécnica pode trabalhar nos mais variados âmbitos. Por exemplo, pode atuar na criação de projetos elétricos industriais. Também pode trabalhar em várias empresas, como de energia solar, em indústrias. Então, por ser um mercado muito amplo, que oferece várias oportunidades, estou com as melhores expectativas possíveis em relação a conseguir um emprego logo que terminar o meu curso”, projeta. 

Maiores chances de contratação

Apesar de o Brasil ter registrado uma taxa de desemprego que chegou a 11,1% no 1° trimestre de 2022, dados da na Pesquisa de Acompanhamento de Egressos 2019/2021 revelam que sete em cada 10 ex-alunos de cursos técnicos do SENAI estão empregados.

Em relação aos cursos da graduação tecnológica, a taxa chega a 81,3%. As áreas Automotiva, de Refrigeração e Climatização, Mineração, Energia, Automação e Mecatrônica e Metalmecânica tiveram maior empregabilidade.

Além disso, de acordo com o levantamento, ao se comparar a renda média enquanto concluinte e depois de um ano, quando egresso, o técnico de nível médio conta com uma elevação de 22,7% na renda.

Cursos presenciais


●    Administração
●    Automação industrial
●    Desenvolvimento de sistemas
●    Edificações
●    Eletromecânica
●    Eletrotécnica
●    Logística
●    Manutenção automotiva
●    Mecânica
●    Mecânica de precisão
●    Mecatrônica
●    Petroquímica
●    Qualidade
●    Química
●    refrigeração e climatização
●    Redes de computadores
●    Segurança do trabalho

Cursos semipresenciais


●    Administração
●    Eletromecânica
●    Eletrotécnica
●    Logística
●    Segurança do trabalho
 

Copiar o texto
24/03/2022 09:00h

Levantamento foi feito pelo Banco Mundial para avaliar a oferta de cursos de tecnólogo na América Latina e no Caribe. Outro estudo mostra que oito em cada dez egressos da graduação tecnológica do Senai estão empregados

Baixar áudio

Uma análise feita pelo Banco Mundial sobre a oferta de cursos de tecnólogo na América Latina e no Caribe aponta que um egresso da graduação tecnológica tem melhor desempenho no mercado de trabalho do que alunos que começaram o curso de bacharelado e não concluíram. Sua taxa de desemprego é menor (3,8% contra 6,1%); a taxa de emprego formal é maior (82% contra 67%) e os salários, em média, são 13% mais altos.

Além disso, oito em cada dez egressos da graduação tecnológica do Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (Senai) estão empregados no mercado formal. As áreas Automotiva, de Refrigeração e Climatização, Mineração, Energia, Automação e Mecatrônica e Metalmecânica tiveram as maiores taxas de empregabilidade. As informações constam na Pesquisa de Acompanhamento de Egressos 2019/2021.

O diretor de Educação e Tecnologia do Sesi e Senai Goiás, Claudemir José Bonatto, explica que o perfil de saída dos alunos no processo de aprendizagem está alinhado com as demandas e as tendências do mercado de trabalho. 

“O mercado está contratando; e profissionais formados na área de tecnologia são requisitados pelas empresas, até por conta da necessidade que elas têm de profissionais muito bem preparados, muito bem qualificados, para que, dentro do seu processo produtivo, tornem a empresa muito mais competitiva.”

Graduação tecnológica

Um levantamento do Semesp, instituto que representa as mantenedoras do ensino superior no Brasil, revela que quase 3,5 milhões de alunos evadiram de universidades privadas no Brasil em 2021. A taxa de evasão chegou a 36,6%, a segunda maior de toda a série histórica, ficando atrás apenas do ano de 2020. 

Segundo  Claudemir José Bonatto, uma das vantagens dos cursos tecnólogos é que eles possuem duração de dois e três anos e têm o mesmo valor de ensino superior, assim como bacharelado e licenciatura tradicionais, que duram de quatro a seis anos. 

“Por exemplo, cursos na área de redes, de manutenção industrial, de tecnologia, de logística, de sistemas; são profissionais que em dois anos e meio, três anos, já estão preparados para atuar no mercado de trabalho”, afirma.

Outra vantagem da graduação tecnológica é o custo das mensalidades, que são bem mais acessíveis, segundo Claudemir.

“Outro benefício é a interação durante todo o curso com o mundo do trabalho. Esse aluno, desde os primeiros semestres, já entra no ambiente da realidade da indústria. As práticas pedagógicas e os recursos didáticos utilizados no processo de formação simulam, ainda dentro das nossas faculdades, o ambiente real do mundo do trabalho. E essa relação da teoria com a prática o coloca muito mais preparado e habilitado para desenvolver a sua atividade com extrema competência”, acrescenta.

FIES 2022: prazo para candidatos aprovados na chamada única complementarem inscrição começa nesta segunda-feira (21)

O presidente da Frente Parlamentar Mista da Educação, deputado Professor Israel Batista (PV-DF), destaca a importância da graduação tecnológica e, também, dos cursos técnicos de nível médio.

“Ambos são importantes para a formação para o mundo do trabalho e para a profissionalização. O ideal é alcançarmos a articulação do Ensino Técnico de Nível Médio com o Ensino Superior Tecnológico, por meio de estrutura curricular única com envolvimento do setor produtivo; buscando a centralidade no trabalho como princípio educativo e viabilizando a aquisição de saberes de forma mais flexível.”

Participação ainda pequena 

Segundo dados mais recentes do Ministério da Educação, entre 2015 e 2019, o número de matrículas em cursos de graduação tecnológica passou de 1 milhão para 1,2 milhão, um crescimento de 9% ao ano a partir de 2017.

Apesar disso, a participação de alunos nesse tipo de curso ainda é pequena se comparado aos demais graus acadêmicos. Os tecnólogos representam 14,3% das matrículas, enquanto que bacharelado e licenciatura representam 66% e 19,7% respectivamente.

Claudemir Bonatto explica o motivo: “São cursos muito focados no desenvolvimento de competências específicas e exigidas naquele momento pelo mercado de trabalho. Então, naturalmente, a oferta e a procura não são tão grandes quando comparamos com as outras modalidades do ensino superior”.

Copiar o texto
30/04/2021 03:00h

Em entrevista ao portal Brasil61.com, a congressista comentou a aprovação do Dia Nacional da Educação Profissional, cujo projeto foi de sua autoria na Câmara dos Deputados

Baixar áudioBaixar áudio

A deputada Professora Dorinha (DEM/TO) afirmou ao portal Brasil61.com que vê a educação profissional não apenas como porta de entrada ao mercado de trabalho, mas como um caminho para o desenvolvimento do País. A congressista é autora do Projeto de Lei 62/2015 — sancionado pelo presidente Jair Bolsonaro na última semana — que institui a data de 23 de setembro como o Dia Nacional da Educação Profissional. 
 
Dorinha também destacou que a criação de um dia para celebrar a educação profissional no País traz um ‘simbolismo provocativo’, já que o Brasil, na visão dela, ainda investe muito pouco nessa área. 
 
De acordo com a edição mais recente do Anuário Brasileiro da Educação Básica, publicado pelo Todos pela Educação, apenas 18,7% dos estudantes brasileiros matriculados no ensino médio cursam o ensino profissionalizante. No Tocantins a quantidade de estudantes matriculados na educação profissional técnica é de 16,7%, 13.642 ao todo, índice inferior à média nacional.
 
Nos países membros da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE) esse índice chega a cerca de 50%. Segundo a deputada, o Brasil só vai conseguir avançar na temática quando houver mudança na política pública voltada à educação profissional. 
 
“Eu vejo com bons olhos quando a gente tem oportunidades de ter experiências de formação que envolvam o mundo do trabalho. Eu tive a oportunidade de conhecer o evento da Alemanha, em que os jovens são formados parte na empresa e parte na escola. Acho que isso faz uma diferença enorme”, cita. 
 
Um dos objetivos do Dia Nacional da Educação Profissional é promover discussões sobre os desafios e potencialidades dessa modalidade de educação, “fundamental para o desenvolvimento da economia, da empregabilidade e da melhoria da qualidade de vida dos brasileiros”, destaca a autora da proposta. 

Arte: Brasil 61

Emprego

Doutor em Psicologia Educacional e pesquisador do Instituto Experto Brasil, Afonso Galvão, afirma que a educação profissional é fundamental para inserir mais pessoas no mercado de trabalho, além de suprir a falta de mão de obra qualificada que diversos setores da economia acabam enfrentando.
 
“A educação profissional é muito importante porque é uma educação que é geradora de emprego. As pessoas saem da educação profissional qualificadas e encontram espaço no mercado de trabalho para aplicar seus conhecimentos”, destaca o especialista. 
 
Estudos apontam que jovens com formação técnica de nível médio têm mais facilidade para entrar e se manter no mercado de trabalho do que aqueles formados no ensino médio regular. 

“Dia Nacional da Educação Profissional é uma forma de valorização do ser humano no mundo do trabalho”, destaca senador Flávio Arns

Dia da Educação Profissional: Bolsonaro sanciona lei que cria data comemorativa
 
E isso vale para diferentes faixas etárias. Segundo pesquisa da Consultoria IDados, que contou com apoio da CNC, Sesc e Senac, entre 17 e 29 anos, por exemplo, os estudantes que tiveram educação profissional passaram, em média, 20,6% do tempo desocupados. Para quem fez o ensino médio regular, esse percentual sobe para 25,2%.
 
Para João Marcelo Borges, pesquisador do Centro de Desenvolvimento da Gestão Pública e Políticas Educacionais, da Fundação Getulio Vargas, é preciso romper com a ideia de que o ensino técnico é menos importante do que o ensino superior. “Muito disso, está ligado ao nosso passado escravocrata, de um País voltado ao bacharelado, que se importa mais com títulos do que com competências, que valoriza mais o canudo e o diploma do que a capacidade efetiva de trabalho e de abordar para produtividade das firmas, organizações e do País como um todo”, critica. 

Copiar o texto
28/04/2021 03:00h

Em entrevista ao portal Brasil 61.com, o parlamentar comemorou a aprovação da data e sua importância para promover o ensino profissionalizante pelo País

Baixar áudioBaixar áudio

Em entrevista ao portal Brasil61.com na última quinta-feira (22), o senador Paulo Paim (PT/RS) comemorou a aprovação e sanção do Projeto de Lei da Câmara (PLC) 62/2015 que cria o Dia Nacional da Educação Profissional. A partir desse ano, a data passa a ser celebrada em 23 de setembro.
 
Um dos objetivos do Dia Nacional da Educação Profissional será promover discussões sobre os desafios e potencialidades dessa modalidade de educação, fundamental para o desenvolvimento da economia, da empregabilidade e da melhoria da qualidade de vida dos brasileiros, segundo a autora da proposta, a deputada Professora Dorinha Seabra Rezende (DEM/TO). 
 
Paulo Paim afirmou que a mera existência de uma data para celebrar e fortalecer as ações e projeções do ensino profissionalizante no País favorece as políticas públicas para o setor, capacita os profissionais da área e promove a inserção dos jovens no mercado de trabalho. 
 
“Precisamos investir nos nossos jovens e a educação profissional tem esse segurado papel. O reconhecimento da educação profissional, além de promover e incentivar os profissionais, aquece cada vez mais a economia e incentiva as contratações nas empresas da nossa juventude”, destacou. 

Arte: Brasil 61

Experiência própria

O senador lembrou que é “fruto” da educação profissional e tem orgulho do segmento. Ele estudou na Escola Senai Nilo Peçanha, em Caxias do Sul (RS).  “Lá me formei e a minha vida mudou. O ensino profissionalizante transforma vidas, como a minha. Um jovem que amassava barro e depois vendia frutas e flores, mas com o curso profissionalizante no Senai tornei-me, no caminhar da vida, deputado federal por quatro vezes e senador da República, no terceiro mandato”, recordou.

As estatísticas indicam que o País ainda tem muito a avançar no fomento à educação profissional. De acordo com a versão 2020 do Anuário Brasileiro da Educação Básica, do movimento Todos pela Educação, o Rio Grande do Sul, por exemplo, tem 25,4% dos alunos matriculados no ensino médio cursando, também, o ensino profissionalizante. 

O índice é o segundo melhor do País, ficando atrás, apenas, do Rio Grande do Norte (25,6%). Apesar disso, ainda está longe dos índices dos países membros da OCDE, Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico, que chegam a quase 50%. 

Atualmente, o Brasil tem 1,9 milhão de alunos matriculados na Educação Profissional. Entre 2009 e 2019, o percentual de estudantes matriculados no ensino médio e que fazem cursos profissionalizantes passou de 11,6% para 18,7%. 

“Dia Nacional da Educação Profissional é uma forma de valorização do ser humano no mundo do trabalho”, destaca senador Flávio Arns

Dia da Educação Profissional: Bolsonaro sanciona lei que cria data comemorativa

Emprego

Doutor em Psicologia Educacional e pesquisador do Instituto Experto Brasil, Afonso Galvão, afirma que a educação profissional é fundamental para inserir mais pessoas no mercado de trabalho, além de suprir a falta de mão de obra qualificada em diversos setores da economia.
 
“A educação profissional é muito importante porque é uma educação que é geradora de emprego. As pessoas saem da educação profissional qualificadas e encontram espaço no mercado de trabalho para aplicar seus conhecimentos”, destaca o especialista. 
 
Jovens com formação técnica de nível médio têm mais facilidade para entrar no mercado de trabalho do que aqueles formados no ensino médio regular para todas as faixas etárias analisadas, segundo pesquisa da Consultoria IDados, que contou com apoio da CNC, Sesc e Senac.
 
De acordo com o levantamento, entre 17 e 29 anos, por exemplo, os estudantes que tiveram educação profissional passaram, em média, 20,6% do tempo desocupados. Para quem fez o ensino médio regular, esse percentual sobe para 25,2%. 

Para João Marcelo Borges, pesquisador do Centro de Desenvolvimento da Gestão Pública e Políticas Educacionais, da Fundação Getulio Vargas, é preciso romper com a ideia de que o ensino técnico é menos importante do que o ensino superior. 
 
“Muito disso está ligado ao nosso passado escravocrata, de um País voltado ao bacharelado, que se importa mais com títulos do que com competências, que valoriza mais o canudo e o diploma do que a capacidade efetiva de trabalho e de abordar para produtividade das firmas, organizações e do País como um todo”, critica. 

Copiar o texto
20/04/2021 19:30h

Especialistas destacam importância de fortalecer o ensino técnico como porta de entrada para o mercado de trabalho

Baixar áudioBaixar áudio

O presidente Jair Bolsonaro sancionou nesta segunda-feira (19) a lei que cria o Dia Nacional da Educação Profissional. No fim de março, o Senado aprovou a iniciativa da deputada Professora Dorinha Seabra Rezende (DEM/TO), que institui a data, a ser celebrada anualmente em 23 de setembro.
 
De acordo com o Projeto de Lei 62/2015, um dos objetivos do Dia Nacional da Educação Profissional será promover discussões sobre os desafios e potencialidades dessa modalidade de educação, “fundamental para o desenvolvimento da economia, da empregabilidade e da melhoria da qualidade de vida dos brasileiros”.
 
O senador Izalci Lucas (PSDB/DF) comemorou a aprovação da proposta. Segundo o congressista, é necessário melhorar a qualidade da educação profissional no País.
 
“É preciso ofertar trajetórias de profissionalização robustas, capazes de responder aos desafios de um mercado agora impactado por um conjunto de novas tecnologias. Sabemos que a dificuldade de inserção dos jovens aqui no mercado de trabalho é precedida pela falta de uma qualificação profissional adequada que os torne aptos a acessar o mundo produtivo”, disse.

“Dia Nacional da Educação Profissional é uma forma de valorização do ser humano no mundo do trabalho”, destaca senador Flávio Arns

Emprego

Doutor em Psicologia Educacional e pesquisador do Instituto Experto Brasil, Afonso Galvão, afirma que a educação profissional é fundamental para inserir mais pessoas no mercado de trabalho, além de suprir a falta de mão de obra qualificada que diversos setores da economia acabam enfrentando.
 
“A educação profissional é muito importante porque é uma educação que é geradora de emprego. As pessoas saem da educação profissional qualificadas e encontram espaço no mercado de trabalho para aplicar seus conhecimentos.” 
 
Jovens com formação técnica de nível médio têm mais facilidade para entrar no mercado de trabalho do que aqueles formados no ensino médio regular para todas as faixas etárias analisadas, segundo pesquisa da Consultoria IDados, que contou com apoio da CNC, Sesc e Senac.
 
De acordo com o levantamento, entre 17 e 29 anos, por exemplo, os estudantes que tiveram educação profissional passaram, em média, 20,6% do tempo desocupados. Para quem fez o ensino médio regular, esse percentual sobe para 25,2%.
 
Para João Marcelo Borges, pesquisador do Centro de Desenvolvimento da Gestão Pública e Políticas Educacionais, da Fundação Getulio Vargas, é preciso romper com a ideia de que o ensino técnico é menos importante do que o ensino superior. “Muito disso, está ligado ao nosso passado escravocrata, de um País voltado ao bacharelado, que se importa mais com títulos do que com competências, que valoriza mais o canudo e o diploma do que a capacidade efetiva de trabalho e de abordar para produtividade das firmas, organizações e do País como um todo”, critica. 

Arte: Brasil 61
 
Números da Educação Profissional

Segundo a versão 2020 do Anuário Brasileiro da Educação Básica, do movimento Todos pela Educação, o Brasil tem 1,9 milhão de alunos matriculados na Educação Profissional. Entre 2009 e 2019, o percentual de estudantes matriculados no Ensino Médio e que fazem Educação Profissional passou de 11,6% para 18,7%. 
 
No entanto, o resultado ainda está distante da realidade de países que fazem parte da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico, a OCDE. Nessas nações, o mesmo índice chega a quase 50%. No Distrito Federal, dos 151.570 estudantes matriculados no Ensino Médio, apenas 16,1%, o que equivale a 24.361, também estão inseridos na Educação Profissional. 

Copiar o texto
Brasil 61