Cursos

30/09/2022 18:04h

A capacitação é voltada a agentes estaduais e municipais de proteção e defesa civil de todo o País, além do público geral interessado

Baixar áudio

Para aprofundar os conhecimentos práticos em gerenciamento de desastres durante e após uma ocorrência, o Ministério do Desenvolvimento Regional, o MDR, disponibiliza o curso Proteção e Defesa Civil: Gestão de Desastres.

A capacitação é voltada a agentes estaduais e municipais de proteção e defesa civil de todo o País, além do público geral interessado. O curso é on-line, a distância, totalmente gratuito e pode ser acessado em mdr.gov.br.

Karine Lopes, diretora do Departamento de Articulação e Gestão da Defesa Civil Nacional, explica um pouco mais sobre o curso.

"Os cursos vão da teoria à prática da concepção de alerta. Tratam da importância do monitoramento, da gestão local de risco e desastres e trazem aspectos geo-hidrológicos do país e as diferenças regionais. Nesse curso, o público-alvo são os agentes de proteção e defesa civil. Os cursos são em EAD, gratuitos e certificados pela Escola Virtual de Governo. Acreditamos que o conhecimento salva vidas. Todos podemos nos preparar para possíveis ocorrências. Defesa Civil somos todos nós”

O curso tem duração de 30 horas e está dividido em cinco módulos: Introdução à Gestão de Desastres, Medidas Iniciais, Ações de Resposta, Ações de Recuperação e Decretação e Solicitação de recursos.

Para mais informações, acesse mdr.gov.br.

Reportagem, Gabriel Navajas

Copiar o texto
30/09/2022 16:31h

O curso é voltado a agentes estaduais e municipais de proteção e defesa civil de todo o País

Baixar áudio

Para entender os processos de formação dos eventos geo-hidrológicos que ocorrem nas diferentes regiões do Brasil, interpretar os boletins, alertas, relatórios e demais produtos fornecidos pelos órgãos competentes, o Ministério do Desenvolvimento Regional, o MDR, disponibiliza o curso aspectos técnicos dos extremos geo-hidrológicos no país e as diferenças regionais. A capacitação é realizada em parceria com o Centro Nacional de Monitoramento e Alertas de Desastres Naturais, o Cemaden.

O curso é voltado a agentes estaduais e municipais de proteção e defesa civil de todo o País, além do público geral interessado. As atividades são on-line, a distância, totalmente gratuitas e podem ser acessadas em mdr.gov.br.

Karine Lopes, diretora do Departamento de Articulação e Gestão da Defesa Civil Nacional, explica um pouco mais sobre o curso.

"Os cursos vão da teoria à prática da concepção de alerta. Tratam da importância do monitoramento, da gestão local de risco e desastres e trazem aspectos geo-hidrológicos do país e as diferenças regionais. Nesse curso, o público-alvo são os agentes de proteção e defesa civil. Os cursos são em EAD, gratuitos e certificados pela Escola Virtual de Governo. Acreditamos que o conhecimento salva vidas. Todos podemos nos preparar para possíveis ocorrências. Defesa Civil somos todos nós”

O curso tem duração de 60 horas e está dividido em oito módulos: O Ciclo Hidrológico e seus Impactos nas Cidades; Componentes de Tempo e Clima; Extremos Geo-Hidrológicos; A Dinâmica das Bacias Hidrográficas; Previsão de Eventos Hidrológicos; Processos de Movimentos de Massa; e Limiares e Diferenças Regionais dos Eventos Geo-Hidrológicos.

Para mais informações, acesse mdr.gov.br.

Copiar o texto
30/09/2022 15:21h

A capacitação é voltada a agentes estaduais e municipais de proteção e defesa civil de todo o País, além do público geral interessado

Baixar áudio

Quer se aprofundar sobre conceitos relacionados ao risco de desastres e entender como eles se expressam nos alertas enviados pelo Centro Nacional de Monitoramento e Alertas de Desastres Naturais, o Cemaden, e, assim, aplicá-los em sua rotina de trabalho? O Ministério do Desenvolvimento Regional, o MDR, tem um curso que trata desse tema. O nome é Metodologia de Concepção do Alerta - da teoria à prática.

A capacitação é voltada a agentes estaduais e municipais de proteção e defesa civil de todo o País, além do público geral interessado. O curso é on-line, a distância, totalmente gratuito e pode ser acessado em mdr.gov.br.

Karine Lopes, diretora do Departamento de Articulação e Gestão da Defesa Civil Nacional, destaca a importância do curso.

"Os cursos vão da teoria à prática da concepção de alerta. Nesse curso, o público-alvo são os agentes de proteção e defesa civil. Os cursos são em EAD, gratuitos e certificados pela Escola Virtual de Governo. Acreditamos que o conhecimento salva vidas. Todos podemos nos preparar para possíveis ocorrências. Defesa Civil somos todos nós”

O curso tem duração de 40 horas e está dividido em cinco módulos: Introdução às ações de redução de risco de desastres; Estrutura Teórica para Determinação de Cenários de Risco; Descrição e Interpretação dos Alertas do Cemaden; Vulnerabilidade e Percepção de Riscos e Importância do Banco de Dados de Ocorrências para Avaliação de Alertas.

Para mais informações, acesse mdr.gov.br.

Copiar o texto
29/09/2022 15:00h

Módulos do curso são disponibilizados gratuitamente e de forma on-line na plataforma da Escola Virtual de Governo da ENAP

Baixar áudio

A CAIXA lançou, nesta quinta-feira, 29 de setembro, um curso on-line e gratuito sobre parcerias público-privadas e concessões. Voltada para gestores e servidores municipais e estaduais, a capacitação será disponibilizada pela Escola Virtual de Governo da ENAP.

O curso utiliza exemplos de projetos desenvolvidos no Brasil e no mundo, que demonstram e reforçam o papel das PPPs como instrumento de solução para os desafios enfrentados pela gestão pública.

Os participantes conhecerão todo o processo de estruturação de uma PPP, desde a fase inicial de identificação de oportunidades, passando por avaliação de projetos, aprovação de estudos técnicos, jurídicos e fiscais até etapas como consulta e audiência pública, aprovação dos órgãos de controle, desenvolvimento do edital, realização do leilão e assinatura do contrato. 

O objetivo é trazer a credibilidade de instituições que são referência em projetos de desenvolvimento da infraestrutura no Brasil, aliando expertise técnica e didática da ENAP.

O curso é formado por 4 módulos, com acesso a e-book, vídeos, entre outros materiais de apoio. A carga horária é de 30 horas, com emissão de certificado de conclusão para os aprovados em avaliação de aprendizagem.

O curso sobre parcerias público-privadas e concessões faz parte da parceria firmada entre a CAIXA, o BNDES e a Secretaria Especial do Programa de Parcerias de Investimentos, do Ministério da Economia, para atuação em projetos de concessão e PPPs. Esse esforço conjunto pretende multiplicar os investimentos em infraestrutura por todo o Brasil. 

A capacitação está disponível no site da Escola Virtual de Governo da ENAP, no endereço escolavirtual.gov.br.

Copiar o texto
01/09/2022 16:35h

Objetivo é aprofundar conhecimentos práticos em gerenciamento de desastres durante e após uma ocorrência

Baixar áudio

O Ministério do Desenvolvimento Regional (MDR), por meio da Secretaria de Proteção e Defesa Civil Nacional (Sedec), lançou, em parceria com a Escola Virtual de Governo (EVG), o curso 4 da capacitação em Proteção e Defesa Civil: Gestão de Desastres, destinado aos agentes estaduais e municipais de proteção e defesa civil de todo o Brasil, além do público geral interessado. O curso é on-line, a distância e totalmente gratuito. Para acessar, basta clicar neste link.

A capacitação foi desenvolvida com o objetivo de aprofundar os conhecimentos práticos em gerenciamento de desastres durante e após uma ocorrência. Para isso, o participante conhecerá os principais componentes da avaliação de danos e prejuízos e das ações de resposta e recuperação de desastres.

“Neste curso, o nosso foco é a gestão do desastre. Teremos a instrução de especialistas sobre medidas iniciais e ações práticas para gestão de desastres. Iniciamos o curso com a introdução à política de gestão de desastres, tratamos da atuação municipal e da gestão de risco e fechamos com a gestão do desastre”, destaca a diretora do Departamento de Articulação e Gestão da Defesa Civil Nacional, Karine Lopes.

O curso tem duração de 30 horas e está dividido em cinco módulos:

  • Módulo 1: Introdução à Gestão de Desastres
  • Módulo 2: Medidas Iniciais
  • Módulo 3: Ações de Resposta
  • Módulo 4: Ações de Recuperação
  • Módulo 5: Decretação e Solicitação de recursos

O lançamento do curso de Gestão em Desastres conclui a capacitação em Proteção e Defesa Civil. Os três anteriores são Introdução à Política Nacional, Atuação no Âmbito Municipal e Gestão de Risco, que podem ser acessados neste link.

Nas próximas semanas, deverão ser lançados outros quatro cursos: Plano de Contingência para Movimento de Massa, Metodologia de Concepção do Alerta: da teoria à prática, Aspectos técnicos dos extremos geo-hidrológicos no país e as diferenças regionais e Sistemas de monitoramento e alerta como suporte à gestão local de riscos e desastres. Os três últimos serão feitos em parceria com o Centro Nacional de Monitoramento e Alertas de Desastres Naturais (Cemaden).

“A Defesa Civil Nacional tem um plano de capacitação continuada em Proteção e Defesa Civil. Todo mês, são lançados novos cursos, inteiramente gratuitos, em EAD (ensino a distância), em parceria com a Escola Virtual de Governo. Nosso objetivo é alcançar agentes municipais e estaduais de proteção e defesa civil e, também, toda a sociedade”, ressalta Karine Lopes.

Em 2022, já foram emitidos 6.043 certificados das capacitações. Em todo o ano passado, o número de certificações chegou a 9.568. Os cursos têm a certificação da Escola Nacional de Administração Pública (Enap).

Outros cursos

Além da capacitação em Proteção e Defesa Civil, a Defesa Civil Nacional oferece outros 25 cursos a distância para habilitar e qualificar os alunos para o uso do Sistema Integrado de Informações sobre Desastres (S2iD), capacitação e Plano de Contingência Municipal. As capacitações têm como foco principal os agentes de proteção e defesa civil nas três esferas de governo e constam no Plano de Capacitação Continuada em Proteção e Defesa Civil.

Sobre os cursos para operar o S2iD, estão disponíveis, entre outros, módulos como acesso ao sistema, registro e reconhecimento, solicitação de recursos para ações de resposta e de recuperação, prestação de contas e acompanhamento de obras de recuperação. Confira neste link a lista completa dos cursos.

O S2iD é uma plataforma digital na qual é possível elaborar planos de contingência; registrar desastres ocorridos no município/estado; solicitar o reconhecimento federal de situação de emergência ou de estado de calamidade pública; solicitar recursos federais a partir da elaboração de formulários on-line; consultar e acompanhar as solicitações de reconhecimento e de repasses para ações de resposta e de recuperação, e buscar informações sobre recorrências de desastres com base em dados oficiais. A plataforma pode ser acessada em s2id.mi.gov.br.

Copiar o texto

O objetivo é melhorar os indicadores de saúde, a qualidade e a resolutividade dos serviços da Atenção Primária no Brasil

Baixar áudio

O Ministério da Saúde lançou, nesta quarta-feira (22), os cursos de formação técnica do programa Saúde com Agente. A iniciativa vai capacitar cerca de 200 mil Agentes Comunitários de Saúde e Agentes de Combate a Endemias, com o objetivo de melhorar os indicadores de saúde, a qualidade e a resolutividade dos serviços da Atenção Primária no Brasil.

O programa, lançado em dezembro de 2020, conta com a parceria do Conselho Nacional de Secretarias Municipais de Saúde (Conasems), da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS) e das Secretarias Municipais de Saúde. Até fevereiro de 2022, 5.452 municípios aderiram ao programa - cerca de 98% das cidades brasileiras - com 236.453 inscrições. Dessas, 198.265 foram homologadas em junho deste ano. 

Ao todo, são ofertadas 138 mil vagas para o Curso Técnico de Agentes Comunitários de Saúde e 62 mil vagas para Curso Técnico em Vigilância em Saúde com Ênfase no Combate às Endemias, com investimento de mais de R$ 388 milhões, com recursos inteiramente da União.

O secretário de Gestão do Trabalho e da Educação na Saúde do Ministério da Saúde, Hélio Angotti Neto, detalha como será a capacitação.

“É um curso que vai tratar de conhecimentos, ciências, técnicas, habilidades e atitudes, a parte ética. É um curso de formação integral e global. E esse é o tipo de saúde que queremos para nosso cidadão: uma saúde integral, com pessoas compromissadas com o bem, compromissadas com o nosso país.”

Segundo o Ministério da Saúde, o intuito é que os agentes tenham um olhar apurado sobre as informações coletadas nas residências e saibam como melhor orientar os pacientes que precisam de atendimento em saúde. 

As aulas estão previstas para começar no dia 9 de agosto deste ano, na modalidade à distância (EAD), com atividades presenciais realizadas no ambiente de trabalho dos agentes. Nos municípios com dificuldade ou sem acesso à internet, os alunos poderão assistir às aulas pela TV, pelo canal Mais Conasems.

“Um curso que, em dez meses intensivos, oferecerá 1.275 horas de experiência e de aprendizagem para elevar toda uma categoria profissional a nível técnico, para distribuir conhecimento e capacitação, e para ajudar a modernizar nosso Sistema Único de Saúde”, afirma o secretário.

Novo piso dos agentes comunitários de saúde deve gerar impacto em torno de R$ 3,7 bilhões

Agentes comunitários de saúde: piso aprovado corrige problema de uma década

Programa “Saúde com Agente” oferece cursos técnicos para Agentes Comunitários de Saúde

Durante o lançamento dos cursos, o ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, destacou o papel fundamental dos Agentes Comunitários de Saúde e de Combate a Endemias.

“Os nossos recursos humanos são parte fundamental da eficiência e da qualidade da assistência à saúde. E parte importante desses recursos humanos são os Agentes Comunitários de Saúde. São os olhos do SUS na casa de cada um dos brasileiros. São vocês que chegam lá para ver e ouvir os reclames da nossa sociedade. Então, é muito mais do que justo que nós nos empenhemos ao máximo para qualificar os Agentes Comunitários de Saúde.”

“Esse curso, com a abrangência que tem, com o conteúdo programado de excelência que foi elaborado em parceria com uma das melhores universidades do Brasil, fará uma verdadeira revolução no nosso sistema de saúde”, acrescenta.

Para outras informações, acesse a página oficial do Ministério da Saúde ou ligue gratuitamente para o 136.

Copiar o texto
09/06/2022 18:12h

Conteúdo gratuito, disponibilizado no site do ministério, tem como objetivo habilitar e qualificar agentes para o uso do Sistema Integrado de Informações sobre Desastres (S2iD)

Baixar áudio

O Ministério do Desenvolvimento Regional (MDR) disponibiliza gratuitamente uma série de cursos de capacitação a distância para habilitar e qualificar agentes municipais e estaduais de defesa civil para o uso do Sistema Integrado de Informações sobre Desastres (S2iD). É por meio dessa ferramenta que são feitos os registros de desastres e também as solicitações de reconhecimento de situação de emergência ou estado de calamidade pública e de repasse de recursos federais para ações de resposta e de recuperação de infraestruturas danificadas.

Confira a lista completa dos cursos disponíveis

“A educação tem a capacidade de mudar as circunstâncias, as pessoas e as instituições. E o ensino a distância nos permitiu democratizar a oferta de capacitações oferecidas pela Defesa Civil Nacional”, destaca a diretora de Articulação e Gestão da Secretaria Nacional de Proteção e Defesa Civil do MDR, Karine Lopes. “Nos últimos anos, tivemos um crescimento expressivo no número de agentes capacitados a utilizar o S2iD. E isso é de grande importância para que seja possível agilizar as ações de resposta aos desastres”, completa.

A Defesa Civil do município de São Carlos, em São Paulo, foi umas das que apostou na capacitação a distância dos profissionais. Desde 2019 na instituição, a engenheira civil Denise Cabrera Cezare, de 36 anos, já fez quase 20 cursos sobre o funcionamento do S2iD. Ela conta que sentiu necessidade de ampliar o conhecimento quando viu o município ser atingido por enchentes.

“No meu primeiro ano de trabalho, São Carlos sofreu muitas perdas. As ruas e calçadas da cidade foram destruídas pelo desastre, sem contar o prejuízo para o comércio. Eu entendi que precisava buscar conhecimento para me preparar para atuar em ocorrências futuras”, conta Denise, ressaltando que não é a responsável oficial pelo preenchimento do sistema. “Ainda assim, acho importante a equipe toda estar pronta para dar suporte aos colegas da linha de frente”, acrescenta.

Denise elogia a forma como os cursos foram criados. “Eles são muito explicativos e de fácil entendimento, além do conteúdo ser objetivo e claro. Espero que o material seja usado por outras defesas civis”, afirma.

O secretário de Segurança Pública e Defesa Social de São Carlos, coronel Samir Gardini, também destaca a importância da iniciativa. A defesa civil municipal integra a pasta.  “Os agentes precisam estar capacitados não apenas para o trabalho técnico de prevenção, mas, também, para dar uma pronta resposta em caso de ocorrências imprevisíveis. Vamos continuar capacitando nossa equipe. Nosso município é muito afetado pela estiagem, com o registro de vários focos de incêndio, e por chuvas intensas, resultando em enchentes de grandes proporções”, observa.

Na cidade de Honório Serpa, no Paraná, dois agentes de proteção e defesa civil também se capacitaram. Um deles foi o coordenador municipal de defesa civil, Bráulio Noé Valle Junior, que já tem 20 certificados de conclusão dos cursos. “Além de aprendermos a lançar corretamente os dados no S2iD, passamos a ter uma visão mais ampla de todo o Sistema Nacional de Proteção e Defesa Civil (Sinpdec). Quando estamos capacitados, conseguimos dar maior agilidade aos processos de resposta”, relata.

Material em vídeo

Com o intuito de ampliar o acesso ao Sistema Integrado de Informações sobre Desastres (S2iD), o MDR também disponibiliza tutoriais em vídeo sobre o funcionamento da ferramenta. Clique neste link para acessar.

Copiar o texto
20/05/2022 18:06h

Apoiada pelo Governo federal, capacitação forma profissionais para atuação na Região Integrada de Desenvolvimento do Distrito Federal e Entorno (Ride-DF). Primeira turma está finalizando a formação, com foco na geração de novos negócios no setor. Ação integra a Rota da Economia Circular

Baixar áudio

O Ministério do Desenvolvimento Regional, o MDR, está apoiando a formação de profissionais para atuarem na gestão de resíduos sólidos e energias renováveis no Distrito Federal e Entorno. A primeira turma de um curso nesta área vai se formar em breve. A ação tem como parceiro o Instituto Federal de Ciência, Tecnologia e Inovação de Brasília, o IFB.

A capacitação faz parte das atividades da Rota da Economia Circular, que integra a Estratégia Rotas de Integração Nacional. O coordenador da Rota, Luiz Paulo de Oliveira Silva, explica como funciona a iniciativa. "Essa Rota foi concebida como uma das estratégias das Rotas de Integração Nacional para atender uma demanda da nova economia, no sentido de produzir de uma forma não agressiva e sustentável ao meio ambiente, utilizando resíduos que normalmente são descartados e, também, por meio da utilização de energias renováveis."

Além de capacitar 40 profissionais para o mercado de trabalho, o curso também estimula que os alunos criem startups com foco no desenvolvimento de soluções para a gestão de resíduos sólidos. 

Ao todo, o curso conta com 170 horas de aula nos campi do IFB em Brasília, Planaltina, Samambaia e São Sebastião, todos no Distrito Federal. Os alunos também receberam instrução nas áreas de economia circular, meio ambiente, energias renováveis, impactos dos resíduos sólidos, gestão de processos, biodigestores e empreendedorismo.

 

Copiar o texto
18/05/2022 12:59h

Do total de vagas oferecidas pelo SENAI, 387 são destinadas para o programa de bolsas de estudo gratuitas. As inscrições vão até 30 de junho.

Baixar áudio

Até 2025, o Brasil precisará qualificar 9,6 milhões de pessoas em ocupações industriais. É o que revela o Mapa do Trabalho Industrial 2022-2025, estudo realizado pelo Observatório Nacional da Indústria. Desse total, 2 milhões em formação inicial e 7,6 milhões em formação continuada. 

Diante desse cenário, o Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial da Bahia (SENAI-BA) identificou as principais áreas demandadas para direcionar cursos técnicos a essas oportunidades. “Estamos bastante atentos ao que o Mapa do Trabalho sinaliza, principalmente onde essas ocupações estão sendo demandadas. Ou seja, toda oferta do SENAI Bahia está embasada em uma série de dados que compõem nossa inteligência de mercado, mas, com certeza, no pacote desses dados, temos o Mapa do Trabalho como um farol que nos guia na definição da nossa oferta de cursos”, pontua a gerente executiva de Educação Profissional do SENAI Bahia, Patrícia Evangelista.

A partir desse quadro, o Senai Bahia abriu inscrições para 4,4 mil vagas em cursos técnicos. A iniciativa abrange o período letivo do segundo semestre de 2022. Os cursos se dividem em presenciais e semipresenciais e serão distribuídos nos municípios de Alagoinhas, Camaçari, Feira de Santana, Juazeiro, Lauro de Freitas e Salvador.  As aulas devem começar no dia 1° de agosto de 2022. 

Brasil precisa qualificar 9,6 milhões de trabalhadores em ocupações industriais até 2025

REIQ: Revogação trará insegurança jurídica, afirma presidente da Abiquim

MINERAÇÃO: Eventos reunirão representantes do setor em Goiânia, na próxima semana

As matrículas podem ser feitas pelo site, até o dia 30 de junho. Este prazo também garante 30% de desconto na primeira mensalidade aos estudantes que se matricularem nos cursos pagos. Vale destacar que os estudantes podem solicitar crédito estudantil com ou sem fiador. A medida possibilitará pagamento de 50% da mensalidade durante o curso e o restante do valor, após a formação.

Segundo Patrícia Evangelista, o curso técnico precisa ser encarado como uma excelente oportunidade de ingresso mais rápido e qualificado no mercado de trabalho. “Temos exemplos de pessoas que optaram por um caminho profissional e que hoje encontram no curso técnico a possibilidade de diversificar sua área de atuação, inclusive de empreender”, destaca a gerente.  

Do total de vagas, 387 são destinadas para o programa de bolsas de estudos gratuitas. Serão 267 bolsas de estudos para cursos presenciais e 120 para semipresenciais. As oportunidades são destinadas a pessoas que tiveram pontuação média igual ou superior a 500 pontos no Exame Nacional do Ensino Médio (Enem), entre 2016 e 2021, e que declararem ser de baixa renda, além de outros requisitos previstos em edital. O prazo para inscrição é 30 de junho.

“O interessado deve acessar o site www.tecnicosenai.com.br, clicar em concorrer a bolsa de estudos de curso técnico, escolher o curso, anexar a documentação exigida e fazer uma autodeclaração de baixa renda. A partir daí, ele já está apto a concorrer à vaga. O resultado sai no início do mês de julho”, explica a gerente.  

O resultado do processo seletivo das bolsas gratuitas sairá no dia 6 de julho. Já as matrículas para quem foi aprovado nesse processo deverão ser feitas entre os dias 6 e 11 do mesmo mês. 

Alana Vitoria dos Santos tem 21 anos e mora em Salvador. Ela é aluna bolsista do curso técnico em eletrotécnica do SENAI Bahia. A jovem conta que sempre foi apaixonada pela área e que agora encontrou a oportunidade de se especializar. Para Alana, a expectativa é de que o curso renda bons frutos no futuro. 

“Um técnico em eletrotécnica pode trabalhar nos mais variados âmbitos. Por exemplo, pode atuar na criação de projetos elétricos industriais. Também pode trabalhar em várias empresas, como de energia solar, em indústrias. Então, por ser um mercado muito amplo, que oferece várias oportunidades, estou com as melhores expectativas possíveis em relação a conseguir um emprego logo que terminar o meu curso”, projeta. 

Maiores chances de contratação

Apesar de o Brasil ter registrado uma taxa de desemprego que chegou a 11,1% no 1° trimestre de 2022, dados da na Pesquisa de Acompanhamento de Egressos 2019/2021 revelam que sete em cada 10 ex-alunos de cursos técnicos do SENAI estão empregados.

Em relação aos cursos da graduação tecnológica, a taxa chega a 81,3%. As áreas Automotiva, de Refrigeração e Climatização, Mineração, Energia, Automação e Mecatrônica e Metalmecânica tiveram maior empregabilidade.

Além disso, de acordo com o levantamento, ao se comparar a renda média enquanto concluinte e depois de um ano, quando egresso, o técnico de nível médio conta com uma elevação de 22,7% na renda.

Cursos presenciais


●    Administração
●    Automação industrial
●    Desenvolvimento de sistemas
●    Edificações
●    Eletromecânica
●    Eletrotécnica
●    Logística
●    Manutenção automotiva
●    Mecânica
●    Mecânica de precisão
●    Mecatrônica
●    Petroquímica
●    Qualidade
●    Química
●    refrigeração e climatização
●    Redes de computadores
●    Segurança do trabalho

Cursos semipresenciais


●    Administração
●    Eletromecânica
●    Eletrotécnica
●    Logística
●    Segurança do trabalho
 

Copiar o texto
26/03/2022 17:10h

As inscrições para participar do curso podem ser realizadas até o dia 1° de abril de 2022. O interessado pode iniciar a formação logo que fizer a inscrição.

Baixar áudio

Na semana mundial da água, o Ministério do Meio Ambiente abriu as inscrições para a quarta edição do curso “Conduta Consciente na Zona Costeira e Marinha: Combate ao Lixo no Mar”. O conteúdo é distribuído em 20 horas de formação. O material será disponibilizado por meio do Educa+, uma plataforma de Ensino a Distância do Ministério do Meio Ambiente.

São duas mil vagas oferecidas para a formação. As inscrições vão até o dia 1º de abril e o candidato já pode iniciar o curso assim que efetivar o cadastro. A secretária de Biodiversidade do Ministério do Meio Ambiente, Beatriz Milliet, explica que o curso é gratuito e tem como objetivo orientar a população sobre os cuidados essenciais para preservação dos ecossistemas na zona costeira e marítima.

“É importante mencionar que educação e cidadania ambiental é um ponto de suma relevância, para que tenhamos pessoas informadas e que possam contribuir para a conservação, uso sustentável, e também viver de uma forma muito mais sustentável, em consonância com o meio ambiente. Nós somos parte do meio ambiente, por isso a educação ambiental é um ponto tão importante”, destaca.  

O curso será dividido por módulos. No primeiro deles, são destacados diversos ecossistemas e as atividades econômicas e recreativas desenvolvidas nesses ambientes. As demais fases vão contar com conteúdo acerca de boas práticas, atividades e mutirões de limpeza. Além disso, serão dadas a respeito do consumo responsável e descarte adequado de resíduos sólidos.

Estudo aponta que pesca no Brasil continua sendo feita “no escuro”

Governo Federal autoriza repasse de R$ 1 milhão a três cidades afetadas por desastres naturais

Na avaliação do especialista em meio ambiente, Charles Dayer, a importância do projeto também está relacionada à questão econômica do Brasil. “Muito do que consumimos em termos de produtos vem da nossa própria costa, como da pesca. Além de preservar essas áreas, isso é importante para as comunidades que dependem desse espaço para sobreviver. Também levo em conta o fato de um literal bem cuidado ser um enorme atrativo turístico”, considera. 

O Fundo das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação (FAO) considera que 1 em 10 pessoas estão relacionadas à cadeia da pesca no mundo. Os animais azuis, como são chamados os alimentos que vêm das águas, como mares e rios, são responsáveis por 15% da nutrição proteica. No mundo, cada pessoa consome, em média, 20,5kg de peixe. O lixo nos oceanos é um dos fatores que coloca essa atividade em risco.  

Fonte: Sofia 2020 / FAO - Arte: Joksã Natividade / ABR

Combate ao Lixo no Mar

Em 2019, o Ministério do Meio Ambiente lançou o Plano Nacional de Combate ao Lixo no Mar. Trata-se de um dos eixos prioritários da Agenda Nacional de Qualidade Ambiental Urbana. O intuito da iniciativa é dar destaque a ações de resposta imediata, como mutirões de limpeza de praia e conscientização da população, com o objetivo de minimizar impactos ambientais, sociais e econômicos provocados pelo problema.

Já em 2021, a Pasta lançou o programa Educa+, que dissemina informações para a sociedade por meio de palestras e cursos gratuitos com linguagem acessível. “A pessoa não precisa ser necessariamente técnica porque nossa ideia é engajar a população”, afirma Beatriz Milliet. 
 

Copiar o texto
Brasil 61