Ensino Superior

06/10/2021 18:45h

Unicamp também já havia começado a retomar atividades presenciais de forma gradual

Baixar áudio

A Universidade de São Paulo (USP) está retomando as atividades presenciais para os estudantes neste início de outubro. Em carta enviada aos alunos da graduação, o reitor da USP, Vahan Agopyan, aponta que, apesar de o calendário ter sido cumprido durante o ensino remoto, a volta das atividades presenciais é necessária para a formação profissional dos estudantes.

“Não houve prejuízo maior aos alunos quanto ao cumprimento do calendário escolar, mas sim na formação global do profissional que a Universidade se desdobra para oferecer. Vamos juntos recuperar o que não pudemos fazer nesses últimos 19 meses”, declarou.

Entre as medidas adotadas pela USP, está o escalonamento de ambientes de refeição, como salas de almoço, copas e cantinas. Os locais devem ser adaptados para possuir ventilação e ter um número máximo de pessoas por turno e horário fixo de permanência. 

Além disso,  funcionários com guarda de crianças de até 12 anos terão a jornada de trabalho híbrido e poderão continuar no teletrabalho enquanto as crianças não retornarem às próprias atividades escolares presenciais, cabendo aos servidores comprovarem à instituição essas condições. Por fim, servidoras e alunas grávidas também poderão permanecer no sistema completamente remoto.

Volta às aulas em São Paulo

Em São Paulo, um decreto de julho do governo paulista autorizava a volta do ensino presencial em instituições de nível superior. Antes disso, apenas os cursos de áreas da saúde poderiam ter aulas presenciais.

Porém, segundo o Semesp, associação que representa instituições de ensino superior no Brasil e especialmente no estado de São Paulo, cada instituição de ensino superior tem autonomia para a definição e condução do retorno às atividades presenciais, considerando projetos pedagógicos e especificidades de cada curso.

Atualmente, o estado de São Paulo possui 2 milhões de estudantes do ensino superior, segundo dados oficiais do governo.

Isabela Menezes, estudante de psicologia em uma universidade privada de São Paulo, já está tendo atividades práticas presenciais desde o início do semestre. Segundo ela, o retorno está sendo essencial para a sua aprendizagem.

“O difícil é se acostumar ao presencial depois de tanto tempo no remoto, mas é inevitável reconhecer como nós absorvemos mais os conteúdos e colocamos as atividades melhor em prática quando estamos presencialmente”, diz.

“Cenário de volta às aulas em 2021 é desafiador”, diz presidente do Consed

Ensino remoto durante pandemia impactou alfabetização de crianças

SP: confiança com a volta às aulas presenciais aumenta em municípios

Na Unicamp, apesar de o semestre letivo ter iniciado em agosto, o retorno começou de forma gradual no dia 13 de setembro, quando docentes com o esquema vacinal completo voltaram às atividades. A orientação da universidade aos estudantes é que, até o fim deste semestre, permaneçam com as aulas teóricas no modo remoto e, assim que também completarem a imunização, passem a frequentar atividades práticas, grupos de estudos e dúvidas presencialmente.

Em parceria com a prefeitura de Campinas, o campus da Unicamp também se tornou um ponto de vacinação para a população do município. “Queremos que os nossos alunos venham ser vacinados aqui, temos vacinas para todos. E isso não significa aulas presenciais, significa uma retomada das atividades de ensino lenta e gradualmente”, explica o reitor Antônio José Meirelles.

Uma das regras para este retorno vai ser o comprovante de vacinação de docentes e estudantes com a data de, no mínimo, 14 dias após a segunda dose aplicada. Maria Luiza Moretti, coordenadora geral da Universidade de Campinas (Unicamp), explicou como será feita a comprovação vacinal: “Em relação à vacina, ela será obrigatória para todos os nossos servidores e alunos. A nossa área de TI já está desenvolvendo um programa que reunirá todo esse sistema de informações que será exigido.”

Cuidados necessários

Com a retomada, as instituições de ensino também reforçam a importância de manter os cuidados contra o coronavírus, como o uso de máscaras e higienização das mãos.

A infectologista Ana Helena Germoglio acredita que essas medidas tenham mais adesão entre os universitários que na educação infantil, por exemplo: “As mesmas medidas de precaução em relação a uso de máscara, distanciamento e testagem, são as mesmas que a gente orienta para as escolas e que também devem ser seguidas pelos universitários. A gente entende que, por se tratarem de pessoas adultas, em tese eles devem compreender até melhor todas essas orientações.”

Ana Helena ainda destaca que “hoje em dia, com o conhecimento da doença que nós já temos, que as medidas simples como distanciamento são eficazes. Com a vacinação da população, sabemos que é seguro o retorno das atividades universitárias e elas devem ser consideradas essenciais.”

Copiar o texto
27/07/2021 11:00h

Os candidatos interessados poderão efetuar a inscrição no portal do Fies até o dia 30 de julho

Baixar áudio

As inscrições para o Fundo de Financiamento Estudantil (Fies) do segundo semestre de 2021 começam nesta terça-feira (27). Os candidatos interessados poderão efetuar a inscrição no portal do Fies até o dia 30 de julho.

Estudantes que realizaram o Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) a partir da edição de 2010 podem solicitar uma bolsa no programa de financiamento deste ano. Entre os requisitos estão ter alcançado média mínima de 450 pontos e nota superior a zero na redação.

Inscrições e pré-matrículas para o segundo semestre do ano letivo da rede estadual do Rio Grande do Sul encerram neste domingo (25)

Rio Grande do Sul terá quarto ano no ensino médio em 2022

O resultado dos pré-selecionados sai no dia 3 de agosto e o prazo para complementação da inscrição na chamada única vai do dia 4 ao 6. A lista de espera ficará em aberto até o dia 31 de agosto. 

O novo Fies divide o programa em diferentes modalidades, possibilitando juros zero a quem mais precisa e uma escala de financiamentos que varia conforme a renda familiar do candidato. 

Copiar o texto
28/06/2021 12:00h

Selecionados serão contemplados com bolsas para cursos de graduação e lato sensu

Baixar áudio

As inscrições para o programa Gente do Campo foram prorrogadas até dia 4 de julho. O processo seletivo é um convênio de cooperação técnica e científica entre a Emater-RN, Universidade do Estado do Rio Grande do Norte (Uern) e Fundação para o Desenvolvimento da Ciência, Tecnologia e Inovação do Estado do Rio Grande Do Norte (Funcitern).

Senacon abre inscrições para curso sobre direitos do consumidor

Divulgada lista de escolas que receberão apoio financeiro do Programa Brasil na Escola

O programa possui 81 vagas de nível médio e 44 vagas de nível superior, num total de 125 técnicos. Os selecionados serão contemplados com bolsas de 48 e 24 meses para os cursos de Tecnólogo em Agroecologia e de Especialista em Desenvolvimento Rural e Agricultura Familiar. Além disso, o programa prioriza as populações do campo na seleção dos novos formandos-bolsistas.

Os candidatos deverão escolher um local para atuação, podendo ser o escritório estadual da Emater-RN, em Natal, ou um dos 28 Núcleos Estratégicos de ATER (Assistência Técnica e Extensão Rural). A inscrição deve ser feita pelo site da Funcitern.
 

Copiar o texto
09/06/2021 17:50h

Para 2021, estimativa é de queda no número de matrículas em cursos presenciais e aumento no EAD

Baixar áudio

Dados do Mapa do Ensino Superior no Brasil 2021 divulgados pelo Semesp, mostram que o número de matrículas em cursos superiores presenciais e de ensino a distância (EAD), nas redes privada e pública, cresceu 1,8% em 2019.

Prazo para fazer inscrição no Programa de Apoio à Iniciação Científica (FVS-AM) é prorrogado

MEC avalia desafio maior em 2021 e discute educação híbrida

O crescimento total das matrículas na rede privada para cursos presenciais e EAD foi de 2,4%, enquanto na rede pública foi de 1,5%. Em contrapartida, para 2021, quando se considera apenas os cursos presenciais da rede privada, a previsão é de queda de 8,9% no número de matrículas. Já para os cursos EAD, na mesma rede e período, a estimativa é de crescimento de 9,8%.

Segundo o diretor executivo do Semesp, Rodrigo Capelato, os números revelam o impacto da pandemia da Covid-19 tanto no presencial quanto no EAD, e é preciso estar atento para o fato de que, apesar das aulas estarem sendo assistidas remotamente, não é possível dizer que o EAD cresce e o presencial decresce um em função do outro.

Copiar o texto
11/05/2021 04:00h

O “riscômetro”, desenvolvido pela Universidade Federal do Rio Grande (FURG) mapeia taxa de transmissão da Covid-19 em ambientes dentro das redes de ensino

Baixar áudio

Para viabilizar o retorno das atividades acadêmicas, a Universidade Federal do Rio Grande (FURG) desenvolveu o mapeamento de riscos dos ambientes universitários para Covid-19 - o “riscômetro” - que auxilia na organização dos espaços coletivos conforme nível de transmissão do vírus no ambiente.

O mapeamento, que já foi iniciado na FURG, é classificado por cinco fatores relacionados à transmissibilidade do vírus. Segundo nota da universidade, “essa medida ajuda a quem trabalha, ou precisa estar naquele ambiente, a visualizar o nível de risco”. O mapeamento pode também ser utilizado fora do âmbito universitário.

O riscômetro trabalha com uma escala de pontuação que varia de 8 a 100 pontos. A pontuação de cada ambiente é o resultado do somatório dos itens de cada grupo. Na avaliação do risco global, os fatores "risco por pouco distanciamento" e "risco relacionado à ventilação" correspondem a 30% cada, o fator "risco por objeto e superfície de uso comum" corresponde à 10%, o fator "risco por exposição acidental" corresponde a 20% e o fator "risco por características do local" representa 10%.

Para entender as pontuações equivalentes a cada risco, clique aqui. O estudo indica que os locais que apresentam pontuação menor que 25 sejam sinalizados de amarelo, os locais com risco moderado, pontuação de 26 a 50, sejam sinalizados de laranja. Ambientes com pontuação de 51 a 75 são considerados de alto risco e devem ter placa na cor vermelha, e acima de 75, sinalização na cor preta.

Riscos por características do local

Alguns dos riscos de contaminação pelas características do local podem variar em salas de aula, auditórios, espaços de convivência ao ar livre, biblioteca, xerox, laboratórios, oficinas, cozinha do restaurante universitário, banheiros, elevadores e micro-ônibus. 

De acordo com o estudo, as bibliotecas apresentam como particularidade o risco de infecção pelo contato com materiais que possam vir a ser utilizados por pessoas contaminadas pelo coronavírus, como os livros. Entretanto, outros itens e superfícies presentes nas bibliotecas como maçanetas, teclados e mouses também merecem atenção. Assim, além das práticas de distanciamento, higienização para superfícies e objetos, as bibliotecas devem utilizar de locais específicos para armazenamento e períodos de espera antes de manipular os livros devolvidos.

Veículos escolares: FNDE publica novas orientações para aquisição

Saiba diferenciar a gripe da Covid-19

Covid-19: plasma pode ajudar no tratamento de infectados

Considerando que os serviços de xerox também possuem a particularidade do manuseio de papel como nas bibliotecas, os riscos e as recomendações para o manuseio dos mesmos são semelhantes, além dos demais cuidados envolvendo desinfecção de superfícies e distanciamento social.

Quanto às salas de permanência e ambientes administrativos, o estudo verificou que reuniões com duração de uma hora no local de trabalho têm uma taxa de transmissão muito alta quando comparadas ao trabalho conjunto no mesmo andar aberto, onde há movimento suficiente de pessoas.

Risco de contágio relacionado a ventilação

Ambientes ao ar livre apresentam menor risco de exposição ao vírus, devido à dispersão das gotículas. Porém, mesmo ao ar livre ainda há risco de contaminação, pois o vírus pode se deslocar de uma pessoa para a outra com o vento.

Quando o ambiente apresenta apenas ventilação artificial considera-se que há risco de propagação do vírus. Vale ressaltar que a maioria dos aparelhos de ar-condicionado não realiza a troca de ar ambiente. Em um local sem janelas, ainda é preferível não ligar o aparelho, pois ele promove uma movimentação mais intensa das gotículas contaminantes e ainda diminui a umidade do ar, favorecendo a permanência do coronavírus.

A Organização Mundial da Saúde (OMS) não recomenda a utilização de ventiladores, visto que se assemelha aos aparelhos de ar-condicionado, potencializando o risco de propagação do vírus em ambientes fechados. 

Retorno às aulas durante a pandemia

Em 2020, o Ministério da Educação lançou um guia para orientar o retorno das aulas presenciais nas redes de ensino estadual e municipal de forma segura, como estabelecer uma rotina de higienização das mãos em diversos momentos das atividades escolares. E também ter um cronograma de limpeza regular do ambiente com atenção especial a banheiros, maçanetas, carteiras, interruptores e material de ensino.

De acordo com o diretor executivo da Associação Brasileira de Mantenedoras de Ensino Superior (ABMES), Sólon Caldas, as instituições de todo o país estão preparadas para o retorno das aulas utilizando os protocolos de segurança indicados pelas autoridades competentes. “A ABMES tem orientado as suas associadas a retornar às aulas presenciais com a maior segurança possível, obedecendo os protocolos definidos pelas autoridades. Juntos, nós já solicitamos às autoridades competentes que incluísse a educação no rol dos grupos prioritários e que precisam ser vacinados para que haja maior segurança na volta às aulas”, pontua.

Para a infectologista Ana Helena Germóglio quatro dimensões distintas devem ser consideradas ao desenhar medidas de saúde e de segurança nessa retomada de atividades presenciais. “Em relação à infraestrutura da escola ou da universidade, nos horários e nas equipes disponíveis, no transporte e na alimentação dos estudantes e nas políticas de saúde de comportamento, que envolve, principalmente, o uso de máscara e identificação de casos suspeitos. Em comum, todas essas medidas, visam minimizar a proximidade física e acatar os protocolos de higiene e reduzir o risco de contágio.”

Ainda de acordo com a médica, medidas básicas de proteção podem auxiliar de forma segura o retorno às atividades escolares. “Se fôssemos elencar algumas regras para o retorno presencial às aulas, seria o uso de máscaras, lembrando que o estudante deve levar algumas sobressalentes para serem trocadas a cada duas ou três horas. Manter as salas de aula sempre arejadas com janelas abertas, priorizando a ventilação natural”, destaca.

Copiar o texto
22/04/2021 11:45h

Deputados consideram educação básica e superior como serviços essenciais durante a pandemia

Baixar áudio

Câmara dos Deputados aprova projeto de lei (PL 5595/20) com as diretrizes para retomada das aulas presenciais em escolas e faculdades. Segundo o texto, educação básica e superior são serviços essenciais e não podem ser interrompidos durante a pandemia. O projeto segue agora para análise do Senado.

Segundo a relatora do PL, a deputada Joice Hasselmann (PSL-SP), muitas crianças da periferia, sem aulas presenciais, não possuem alimentação adequada e não estão necessariamente mantendo o isolamento.

O projeto proíbe a suspensão de aulas presenciais durante pandemias e calamidades públicas, exceto se houver critérios técnicos e científicos justificados pelo Poder Executivo em relação às condições sanitárias do estado ou município.

Prazo para matrículas de aprovados no Sisu começa nesta segunda-feira (19)

Inscrições para bolsas remanescentes do Prouni serão nos dias 3 e 4 de maio

A presidente da Comissão de Educação da Câmara, deputada professora Dorinha Seabra Rezende (DEM-TO) criticou a proposta, dizendo que o texto não se restringe à educação infantil. Segundo ela, o retorno presencial mobiliza professores e funcionários que utilizam o transporte público e estão mais expostos ao coronavírus.

Copiar o texto
16/04/2021 11:00h

Os interessados podem consultar pela página do Sisu na internet e a matrícula poderá ser realizada a partir da próxima segunda-feira (19)

Baixar áudio

Nesta sexta-feira (16) o Ministério da Educação (MEC) divulga o resultado do processo seletivo do Sistema de Seleção Unificada (Sisu), do primeiro semestre de 2021. Os interessados podem consultar pela página do Sisu na internet e a matrícula será realizada a partir da próxima segunda-feira (19) até sexta-feira (23), em dias, horários e locais de atendimento definidos por cada instituição de ensino.

“Dia Nacional da Educação Profissional é uma forma de valorização do ser humano no mundo do trabalho”, destaca senador Flávio Arns

Covid-19: Saiba a forma correta de usar a máscara

O processo seletivo do Sisu referente à primeira edição de 2021 vai ser feito em uma única chamada. Quem não conseguiu uma vaga pode participar da lista de espera. O estudante deve manifestar interesse por meio da página do Sisu na internet, a partir de hoje (16) em apenas um dos cursos para o qual optou por concorrer.

Quem foi selecionado na chamada regular em uma de suas opções de vaga não pode participar da lista de espera, independentemente de ter realizado a matrícula na instituição. Os procedimentos para preenchimento das vagas não ocupadas na chamada regular serão definidos em edital próprio de cada instituição participante. O site do Sisu é https://sisualuno.mec.gov.br/

Copiar o texto
Educação
12/04/2021 11:30h

Com a determinação do Ministério da Educação, a nota do candidato parcialmente classificado no curso de sua primeira opção de inscrição não será mais computada para efeito do cálculo da segunda opção

Baixar áudio

As notas de corte dos cursos ofertados no Sistema de Seleção Unificada (Sisu), bem como a classificação parcial dos candidatos inscritos nesta primeira edição, voltaram a ser geradas e apresentadas no mesmo formato adotado em edições passadas, anteriores às duas edições de 2020.
 
Com a determinação do Ministério da Educação (MEC), a nota do candidato parcialmente classificado no curso de sua primeira opção de inscrição não será mais computada para efeito do cálculo da segunda opção.

Sisu começa inscrições nesta terça-feira (06)

Informações sobre situação do aluno devem ser enviadas até esta quarta-feira (7) para o Censo Escolar 2020
 
A nota de corte é a menor nota para o candidato ficar entre os potencialmente selecionados para cada curso, com base no número de vagas disponíveis e no total dos candidatos inscritos naquele curso, de acordo com o desempenho obtido no Enem.
 
O sistema de inscrição do Sisu estará apto a operacionalizar essa alteração em dois momentos: de zero hora até uma hora de terça-feira (13) e em segundo momento de zero hora até uma hora de quarta-feira (14). O total de vagas ofertadas nesta edição do Sisu chega a 206.609 mil para 5.571 cursos de graduação, distribuídos em todos os estados brasileiros.

Copiar o texto
06/04/2021 10:30h

A inscrição vale até esta sexta-feira (9) e para esta seleção serão exigidos, exclusivamente, a nota do candidato no Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) de 2020

Baixar áudio

A partir desta terça-feira (06), o Sistema de Seleção Unificado (Sisu), do Ministério da Educação, começa a receber inscrições para o primeiro semestre de 2021. A inscrição vale até esta sexta-feira (9) e para esta seleção serão exigidos, exclusivamente, a nota do candidato no Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) de 2020.

Municípios já podem se inscrever no SIMEC

SP: derrubada do veto que impede uso dos recursos FNDCT significa avançar no campo da ciência, diz Vitor Lippi

Para se inscrever no Sisu, a pessoa interessada não pode ter zerado a redação do Enem 2020. Já o peso de cada prova para o curso de escolha varia e deve ser consultado no edital da instituição superior de interesse ou no site do Sisu. As notas individuais do Enem 2020, que foram divulgadas na semana passada, estão disponíveis para consulta na Página do Participante ou aplicativo do Enem.

Quem tiver interesse em participar do Sisu deve escolher até duas opções de curso/instituição e especificar a ordem de preferência. O candidato também pode optar por concorrer às vagas de ampla concorrência ou aquelas reservadas a políticas de ações afirmativas, as cotas. Pelas regras, não é permitida a inscrição em mais de uma modalidade de concorrência para o mesmo curso e turno, na mesma instituição de ensino e local de oferta. Mais informações podem ser acessadas em sisu.mec.gov.br/

Copiar o texto
Educação
09/03/2021 12:00h

Ao todo, são mais de 209 mil oportunidades em 110 instituições públicas de ensino superior

Baixar áudio

Estudantes de todo o País já podem consultar as vagas ofertadas no primeiro processo seletivo de 2021 do Sisu, o Sistema de Seleção Unificada. O Ministério da Educação divulgou as oportunidades que, ao todo, somam 209.190, distribuídas em 5.685 cursos de graduação de 110 instituições públicas de educação superior. 
 
Os candidatos podem visualizar as vagas por modalidade de concorrência, cursos, turnos, instituições e localização. A consulta estará disponível na página do Sisu na internet até o fim da seleção. 
 
Para participar do Sisu, o aluno deve ter feito o Enem (Exame Nacional do Ensino Médio) de 2020, e não ter tirado nota zero na prova de redação. De acordo com o MEC, o período de inscrições vai ser de 6 a 9 de abril. O resultado da primeira chamada está previsto para o dia 13 de abril. Para consultar as vagas ofertadas, acesse sisu.mec.gov.br

Pernambuco abre seleção para bolsas de estudo de ensino superior

Congresso aprova R$ 3,5 bi para internet a alunos da rede pública

Copiar o texto
Brasil 61