Exame

21/05/2022 17:10h

Cobertura de mamografias no Brasil está abaixo dos 70% recomendados pela Organização Mundial da Saúde

Baixar áudio

A Sociedade Brasileira de Mastologia (SBM) recomenda a realização do exame de mama a partir dos 40 anos. A orientação é baseada em estudos que mostram que 25% das mulheres brasileiras que terão câncer de mama estarão na faixa etária entre 40 e 49 anos de idade.

Além disso, um estudo canadense, publicado pela revista científica JNCI da Oxford University Press, confirma uma redução média de 40% na mortalidade entre mulheres que fizeram a mamografia a partir dos 40 anos. 

No entanto, a cobertura de mamografias no Brasil ainda está abaixo dos 70% recomendados pela Organização Mundial da Saúde (OMS). Segundo a SBM, a cobertura média das mulheres atendidas pelo Sistema Único de Saúde (SUS) é em torno de 20%, percentual que diminuiu ainda mais durante a pandemia.

Em 2021, foram realizadas pouco mais de 1,6 milhão de mamografias, na faixa etária de 50 a 69 anos, no sistema público; 15% abaixo do habitual. Mas houve uma recuperação em relação a 2020, quando foi registrada uma queda de mais de 40% na realização dos exames de mama. 

“A cobertura mamográfica no Brasil é extremamente baixa. Em um país com dimensões continentais, há diferentes dificuldades em todo o território nacional, como equipamentos inoperantes; falta de profissionais capacitados para manuseá-los; equipamentos localizados longe de cidades, com acessos difíceis; entre outras dificuldades, como a própria orientação das pacientes em relação à necessidade de fazê-los e o medo em relação ao exame”, afirma a doutora Paula Saad, mastologista e membro titular da SBM. 

A mamografia é um direito da mulher brasileira, estipulado pela Lei n° 11.664/2008. Segundo o Ministério da Saúde, existem cerca de 4,2 mil mamógrafos em uso no SUS, número considerado suficiente para o país. No entanto, a SBM chama a atenção para a má distribuição desses equipamentos, cuja grande maioria está nas grandes cidades e capitais.

Diagnóstico precoce

O Instituto Nacional de Câncer (INCA), órgão do Ministério da Saúde, estima 66.280 novos casos de câncer de mama para cada ano do triênio 2020-2022. De acordo com a Sociedade Brasileira de Mastologia (SBM), 60% dos casos de câncer de mama no Brasil são diagnosticados em estágio avançado.

O doutor Anderson Silvestrini, oncologista da Rede D’Or, afirma que o exame de mamografia é considerado padrão ouro, por detectar o câncer de mama em mulheres assintomáticas.

“Isso é importante, porque [detectar] esses tumores iniciais de uma doença pré-maligna aumenta a taxa de cura. Aquela mulher que já tem o nódulo palpável vai fazer a mamografia também, mas a chance de ter uma doença mais avançada e que tenha que fazer diversos tratamentos é maior. Então o rastreamento com a mamografia é o padrão ouro para detectar a doença inicial.”

Autoexame

A brasiliense Elizabeth Alves, de 61 anos, descobriu que estava com câncer de mama, a partir do autoexame.

“O meu câncer eu descobri um dia deitada no chão. Levantei os braços e passei a mão em uma dorzinha que eu estava sentindo debaixo do seio direito. Quando eu vi, tinha um nódulo e isso me deixou muito preocupada. No outro dia, eu fui ao médico, que pediu todos os exames e descobriu que eu estava com câncer maligno.”

Segundo a doutora Paula Saad, o autoexame foi idealizado para o autoconhecimento do próprio corpo.

“Nós recomendamos que mulheres a partir dos 20 anos realizem o autoexame. Então, não esqueça de fazer a movimentação dos braços em frente ao espelho, palpar suas duas mamas e terminar fazendo a expressão do mamilo que é quando a gente faz aquela compressão da papila para ver se tem a saída de algum líquido. É de extrema relevância que você conheça o padrão das suas mamas, porque se houver alguma coisa diferente você vai perceber rapidamente.”

A mastologista explica que é normal sentir algumas ondulações, que são naturais da mama, por isso é fundamental conhecer o padrão do próprio corpo, para notar quando algo estiver diferente.

Outubro Rosa: Brasil estima mais de 66 mil diagnósticos de câncer de mama até o final deste ano

Quando suspeitar de câncer de mama hereditário?

OBESIDADE: Excesso de peso está relacionado ao surgimento de 250 doenças

Prevenção ao câncer de mama

A mastologista da SBM Paula Saad recomenda ter um estilo de vida saudável para prevenir o câncer de mama.

“A prevenção do câncer de mama tem que seguir o mote da SBM: quanto antes, melhor, justamente com foco no estilo de vida. Alimentação saudável, sem consumo excessivo de gorduras e álcool; não fumar; praticar exercícios físicos diariamente; controle de peso e ir ao mastologista periodicamente adotando uma rotina de saúde preventiva, uma consciência que ainda falta na saúde pública do Brasil”, orienta.

O oncologista Anderson Silvestrini afirma que a obesidade aumenta o risco de câncer de mama.

“O câncer de mama está relacionado em parte com o ganho de peso e a obesidade. A obesidade traz um processo inflamatório no corpo e leva à transformação de gordura periférica em hormônio feminino e esse hormônio feminino pode estimular as glândulas mamárias a se transformarem em uma neoplasia”, alerta.

Segundo o oncologista, o câncer de mama é multifatorial. “De 5% a 10% [dos casos] tem uma base de mutação genética, que aumenta o risco, e a outra parte tem vários fatores, que vão desde aquela mulher que não teve filhos, que ciclou várias vezes. Essa variação hormonal aumenta o risco. O uso de hormônios como um todo aumenta um pouco o risco também. O tabagismo e a obesidade aumentam um pouco o risco”, explica.

Copiar o texto
19/01/2022 19:15h

Infectologistas afirmam que não há problemas em consumir álcool antes do teste. No entanto, recomendam moderação para evitar problemas de saúde

Baixar áudio

Com o aumento da testagem após a alta de casos de Covid-19 no início do ano, os brasileiros estão curiosos: pode fazer teste de Covid-19 depois de beber bebida alcoólica? Karolina Peres de Oliveira, moradora de Samambaia (DF), se preocupa em ter se contaminado após entrar em contato com pessoas sintomáticas. 

“Recentemente eu estive em contato com pessoas que tiveram sintomas gripais. Por isso queria fazer o teste pra saber se eu estou com Covid-19. Mas eu queria saber se eu posso fazer o teste depois de ingerir bebida alcóolica?”

Quem responde é a infectologista e professora da Universidade de Campinas (Unicamp), Raquel Stucchi: “Pode fazer o teste de Covid-19, depois de beber bebida alcóolica. Pode tomar vacina, depois de beber bebida alcóolica também. Não tem nenhum problema.”

A infectologista Ana Helena Germoglio reforça a afirmativa. “Não há problema nenhum em fazer o teste de Covid-19 após a ingestão de bebida alcoólica. Da mesma forma que não há problema nenhum também de beber após tomar a vacina.”

RETROSPECTIVA: Quanto tempo devo ficar sem ingerir álcool após tomar vacina contra Covid-19?

Malefícios do Álcool

O epidemiologista da Sala de Situação em Saúde da Universidade de Brasília (UnB), Mauro Sanchez, reforça os prejuízos do consumo excessivo de álcool.

“Se você abusa do álcool - principalmente se esse abuso acontece durante um período prolongado - isso pode causar imunossupressão, o que afeta biologicamente o organismo. O que se deve ter é o bom senso de não abusar de bebida alcoólica, como sempre deve ser feito”, recomenda.

Copiar o texto
17/09/2021 22:05h

O reajuste negativo é de 8,19% e todas as empresas de plano de saúde são obrigadas a aderir à determinação da ANS

Baixar áudio

Na contramão de outros serviços básicos que tiveram aumento recentemente, os planos de saúde individuais e familiares ficaram mais baratos. O reajuste negativo de 8,19%, anunciado pela Agência de Saúde Suplementar (ANS), começou a valer em junho deste ano e vai até abril de 2022. 

Pagando R$ 400,00 no plano de saúde que usa desde janeiro, o jornalista Victor Henrique ainda não teve redução no valor da sua mensalidade, mas avalia de forma positiva a ação da ANS. “Eu acho muito importante diminuir os valores dos planos de saúde nessa época de pandemia, mesmo tendo muitas pessoas vacinadas. A inflação fez com que os preços das coisas ficassem mais caros e têm muitas pessoas fazendo sacrifício para poder manter o plano, mesmo tendo gastos com gás, gasolina e outras coisas”, opina.

Assim como Victor, outros consumidores ainda não tiveram redução no valor que estão pagando, mesmo com o reajuste já em vigência. De acordo com a ANS, o desconto nos valores de planos de saúde é aplicado no aniversário de cada contrato, e não após a determinação do órgão. Ou seja: quem tem direito ao reajuste só vai notá-lo após um ano ou mais de contrato. Sendo assim, Victor terá o desconto apenas em janeiro de 2022. 

Planos de saúde são obrigados a cobrir testes de detecção da Covid-19

Suspensão da venda de oito planos de saúde entra em vigor

Paulo Rebello, diretor-presidente da ANS, explica que a queda no número de demandas foi o que motivou o reajuste. “A metodologia de cálculos de reajustes dos planos individuais ou familiares utilizada pela ANS desde 2019 tem como um dos fatores a frequência de utilização dos planos de saúde no ano anterior. O percentual negativo definido este ano reflete a queda de 17% do número de consultas, terapias exames e cirurgias no ano passado em relação a 2019, em decorrência ao isolamento social causado pela pandemia do coronavírus”, esclarece. 

Evolução do valor comercial médio

A queda no número de consultas preocupa o diretor. Na cardiologia, por exemplo, os números mostram que as consultas caíram 23,4% e as internações por infarto agudo de miocárdio custeadas pelos planos de saúde privados subiram 14%. “A queda na realização de consultas de rotinas, de exames preventivos e de tratamentos de doenças crônicas é bastante preocupante porque pode agravar problemas já existentes ou deixar doenças que poderiam ser identificadas e tratadas em fase inicial”, alerta. 

Direito

O especialista em direito constitucional Ariel Sangaletti diz que todas as operadoras de planos de saúde são obrigadas a aplicar o desconto dado pela Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) e pede que os consumidores informem ao órgão caso o reajuste não tenha sido feito. “É importante esclarecer que o reajuste negativo definido pela ANS é obrigatório para todas as empresas de planos de saúde, pois a ANS entende que o consumidor, de forma isolada, é a parte mais frágil da relação contratual. Caso a empresa não oferte a redução da mensalidade, é preciso reclamar na ouvidoria da ANS e no PROCON.”

Visão geral de planos ativos

Onde reclamar: Disque ANS, 0800 701 9656; Fale Conosco, em gov.br/ans; ou para deficiente auditivo, 0800 021 2105.

Copiar o texto
04/08/2021 12:30h

Estudantes que realizarão o Encceja podem baixar de graça o material para estudar para as provas e conferir as edições anteriores

Baixar áudio

No dia 29 deste mês será realizado o Exame Nacional para Certificação de Competências de Jovens e Adultos (Encceja), que tem foco nas pessoas que não concluíram os estudos na idade apropriada. É por meio dessa prova que os participantes têm a oportunidade de obter o certificado para ensino fundamental ou ensino médio. E uma novidade é que, na página do Inep, estão disponíveis apostilas gratuitas para quem está se preparando para o exame. Além disso, é possível encontrar as provas de anos anteriores e seus respectivos gabaritos. 

PL que proíbe despejos na pandemia aguarda sanção presidencial

Covid-19: saiba como é feita a logística de distribuição de vacinas no País

De acordo com o Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep), estão confirmados 1,6 milhão de participantes. Os gabaritos das provas devem ser divulgados no dia 1º de setembro. Anteriormente, o exame estava marcado para o dia 25 de abril, mas foi adiado por causa do agravamento da pandemia de Covid-19 no Brasil. 

O Encceja é a possibilidade de os estudantes conquistarem o certificado que falta para a conclusão do ensino e seguir adiante em suas trajetórias educacionais. Os resultados do exame são usados como referência nacional de avaliação e possibilita, por exemplo, que os gestores educacionais utilizem esses dados para entender o cenário educacional e evitar que estudantes se atrasem na formação ou mesmo que abandonem os estudos. 

Copiar o texto
13/07/2021 10:45h

Inscrições do ProUni começam nesta terça-feira (13) e terminam na próxima sexta (16)

Baixar áudio

Prazo de inscrição no Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) 2021 termina nesta quarta-feira (14). Interessados em realizar a prova devem fazer o cadastro na Página do Participante, no site do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep), que é o responsável pelo certame.

A taxa de inscrição para quem não conseguiu a isenção é de R$ 85. O pagamento deve ser feito até 19 de julho, por meio de Guia de Recolhimento da União (GRU Cobrança).

As provas do Enem 2021 serão aplicadas nos dias 21 e 28 de novembro (dois domingos consecutivos), tanto na versão digital, quanto impressa.

Publicados os editais do Prouni, Fies e Sisu para segundo semestre

Secretarias de Educação e escolas federais têm até quinta-feira (15) para aderir ou atualizar dados junto do PNLD

Prouni

Começou nesta terça-feira (13) o período de inscrições para o Programa Universidade para Todos (ProUni). O programa oferece bolsas de estudos, integrais e parciais, em instituições privadas de ensino superior. 

Para concorrer às bolsas integrais, é preciso comprovar renda familiar bruta mensal de até 1,5 salário mínimo por pessoa. Já para as bolsas parciais (50%), a renda familiar bruta mensal per capita deve ser de até 3 salários mínimos. Além disso, só podem se inscrever estudantes brasileiros que não possuem diploma de curso superior.

Interessados devem se inscrever até sexta-feira (16) pelo site: prouniportal.mec.gov.br. O resultado da primeira chamada está previsto para o dia 20 de julho.

Copiar o texto
04/06/2021 11:15h

A adesão ao exame deve ser feita pelo órgão de administração prisional e socioeducativa

Baixar áudio

Termina nesta sexta-feira (04), às 23h59, o período de inscrições do Exame Nacional para Certificação de Competências de Jovens e Adultos para Pessoas Privadas de Liberdade ou sob medida socioeducativa, que inclua privação de liberdade, o Encceja PPL/2020.

A adesão ao exame deve ser feita pelo órgão de administração prisional e socioeducativa. No cadastro, é preciso identificar um responsável para o acesso ao sistema da prova. A solicitação é feita pelo e-mail aplicacao.ppl@inep.gov.br, com assunto “Adesão Encceja Nacional PPL 2020”.

O responsável pedagógico deverá realizar a inscrição dos interessados em fazer o exame; solicitar atendimento especializado aos que precisarem; indicar as salas de prova e divulgar as informações do Encceja aos participantes. Além disso, as unidades prisionais e socioeducativas deverão seguir os protocolos de segurança exigidos para evitar a propagação do coronavírus.

Educação: bom desempenho municipal, Fundeb, trabalhos sociais e aulas remotas

Estão abertas inscrições para oficinas de capacitação de gestores públicos municipais

O Encceja é realizado desde 2002 pelo Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep), em parceria com as Secretarias Estaduais e Municipais de Educação. A prova mede competências e conhecimentos de jovens e adultos que não concluíram o ensino fundamental e médio na idade adequada.

O Encceja PPL tem o mesmo nível de dificuldade do exame regular, no entanto, é aplicado dentro de unidades prisionais e socioeducativas.

Copiar o texto
Brasil 61