Cadastro de mídia

TERMO DE USO E PARCERIA

TERMO DE USO E PARCERIA

Regras de Uso

1º - A utilização gratuita e livre dos materiais produzidos pelo Brasil 61 só será permitida depois que este termo de parceria for aceito pelo usuário, prevendo as seguintes regras:

a) A utilização do material - na íntegra, ou em partes - só será permitida desde que as informações não sejam distorcidas, manipuladas ou alteradas.

b) Não é necessário a identificação do Brasil 61 na hora da replicação do conteúdo. Mas toda e qualquer veiculação de áudios produzidos pelo Brasil 61 prevê o cadastro no site, com a disponibilização de dados que serão utilizados para a organização do mailing desta empresa,

2º - OBRIGAÇÕES DO BRASIL 61

a) O Brasil 61 se compromete, a partir deste termo de uso, a produzir conteúdo particularizado diariamente, trazendo informações de dia-a-dia e bastidores do Planalto Central, além de outras temáticas de relevância do noticiário nacional. 

b) O acesso ao conteúdo jornalístico (na versão de leitura) é livre e gratuito, podendo ser replicado por qualquer usuário que acesse o site. O download do áudio para que seja utilizado na programação das rádios requer que o radialista realize o login no site do Brasil 61 - informando e-mail e senha cadastrados. 

3º - OBRIGAÇÕES DOS COMUNICADORES PARCEIROS

Não alterar o sentido dos materiais, ou distorcer fala de entrevistados ou mudar a conotação das mensagens dos materiais. 

ADENDOS IMPORTANTES SOBRE A PARCERIA

a) O Brasil 61 poderá distribuir conteúdo patrocinado com ou sem assinatura dos clientes patrocinadores do boletim e sem aviso prévio ao comunicador. 

b) As rádios parceiras não vão ter participação financeira sobre o faturamento do Brasil 61.

c) Os comunicadores podem patrocinar os conteúdos do Brasil 61, desde que não alterem o sentido e a conotação dos conteúdos oferecidos. Nesses casos, o Brasil 61 não terá participação nos lucros conquistados pelos veículos parceiros. 

Ao clicar em ACEITO, a emissora aqui cadastrada afirma concordar e estar ciente de todas as condições apresentadas neste Termo de Utilização de Conteúdo.

Ministério da Saúde

25/11/2020 15:30h

A decisão publicada na Portaria Nº 3.160 estabelece o montante de R$ 18.720.000

Baixar áudio

O Ministério da Saúde irá destinar recursos aos estados e municípios para habilitar leitos de Unidades de Terapia Intensiva (UTI) e manter as ações e serviços no combate à pandemia da Covid-19. A decisão publicada na Portaria Nº 3.160 estabelece o montante de R$ 18.720.000.

Estudo clínico CoronaVac chega ao estágio final

Ministério da Saúde atualiza protocolo de prevenção de ISTs entre gestantes e filhos

Os recursos valem pelo período excepcional de 60 dias, podendo ser prorrogados a cada 30 dias, a depender da situação de emergência de saúde pública de importância internacional e poderão ser encerradas a qualquer momento, caso seja finalizada a situação de emergência.

A destinação da verba inclui habilitações, leitos e procedimentos para atendimento exclusivo dos pacientes com Covid-19.

Copiar o texto
25/11/2020 10:15h

Ação alerta para necessidade de eliminação dos focos de proliferação do inseto, transmissor da dengue, Zika e chikungunya

Baixar áudio

O Ministério da Saúde lançou nesta terça-feira (24) campanha de combate ao mosquito Aedes aegypti, transmissor da dengue, Zika e chikungunya. Com o tema “Combater o mosquito é com você, comigo, com todo mundo”, a estratégia é conscientizar a população sobre os perigos do inseto e motivar os brasileiros para o combate aos criadouros. 
 
A campanha atua em duas frentes. Na primeira, alerta sobre a importância de as pessoas cuidarem dos locais que podem acumular água. Na segunda, informa os sintomas e sobre o tratamento para as doenças causadas pelo mosquito. A ação será veiculada na TV, rádio e na internet. 

Dengue: Estados voltam a registrar circulação significativa do sorotipo 1

Método usado no Brasil ajudou cidade na Indonésia a reduzir casos de dengue em 77%
 
De acordo com as autoridades em saúde, é possível realizar uma varredura em casa em menos de 15 minutos, realizando a limpeza necessária para evitar a proliferação do mosquito. Para isso, é necessário eliminar os recipientes com água parada. 
 
Este ano, já foram registrados mais de 970 mil casos de dengue em todo o País . Ao todo, 528 pessoas morreram por causa da doença. Ainda segundo a pasta, mais de 78 mil brasileiros tiveram chikungunya, com 25 óbitos, e pouco mais de seis mil tiveram Zika. 

Copiar o texto
Saúde
25/11/2020 09:15h

Parlamentares querem questionar Eduardo Pazuello sobre testes e vacinas contra o novo coronavírus

Baixar áudio

A comissão mista do Congresso Nacional que acompanha as ações do Governo Federal no enfrentamento à pandemia da Covid-19 aprovou a realização de uma audiência pública com o ministro da Saúde, Eduardo Pazuello. 

Os parlamentares querem ouvir o titular da pasta sobre os testes do coronavírus que estão prestes a perder a validade e sobre eventuais compras de vacinas contra a doença pelo governo. Os integrantes da comissão querem saber, por exemplo, informações sobre a inclusão do produto no Programa Nacional de Imunizações.

Brasil está analisando casos suspeitos de reinfecção por Covid-19

Ainda não há data marcada para que Pazuello trate sobre esses temas no colegiado. No entanto, o ministro já estava com uma reunião marcada na comissão para 7 de dezembro para discutir os gastos do governo na pandemia. 

Copiar o texto

Documento foi elaborado após consulta pública

Baixar áudio

A Comissão Nacional de Incorporação de Tecnologias no Sistema Único de Saúde (Conitec) atualizou o protocolo o Protocolo Clínico e Diretrizes Terapêuticas (PCDT) para prevenção de infecções sexualmente transmissíveis (IST) de mãe para filho durante a gravidez. A atualização engloba duas medidas.

A primeira mudança refere-se ao esquema terapêutico preferencial de terapia antirretroviral para grávidas com HIV, que inclui a incorporação do medicamento antirretroviral dolutegravir. A outra novidade é a inclusão da testagem universal para rastreio da Hepatite C durante o pré-natal. 

Brasil está analisando casos suspeitos de reinfecção por Covid-19

O protocolo contou com a aprovação da Conitec e também passou por uma consulta pública em agosto deste ano. 

Copiar o texto
22/11/2020 23:00h

Mais que um boato, por alguns lugares do mundo já foram identificados casos de reinfecção pelo coronavírus e muitos estudos estão em andamento para tentar responder a novas perguntas trazidas pela doença

Baixar áudio

Ao longo dos meses, vêm ganhando força histórias sobre a possibilidade de uma pessoa que já foi infectada e curada de Covid-19 poder ficar novamente doente por causa do vírus. Mais que um boato, por alguns lugares do mundo já foram identificados casos de reinfecção pelo coronavírus e muitos estudos estão em andamento para tentar responder a novas perguntas trazidas pela doença.

Esses casos, até então considerados raros, tem gerado debates entre especialistas e médicos e levanta questionamentos a respeito da imunidade – que serve, inclusive, como argumento fundamental para algumas teorias como a “imunidade de rebanho”.

De acordo com a Nota Técnica 52/2020, divulgada pelo Ministério da Saúde no final de outubro, “recentes estudos publicados admitem a possibilidade de reinfecção pelo vírus SARS-CoV-2 em um curto período de tempo. A analogia com outros vírus semelhantes indica que a hipótese de reinfecção é plausível”. O documento segue reconhecendo casos suspeitos de reinfecção por parte das vigilâncias de alguns estados no Brasil, que descrevem intervalos de tempo bastante variáveis entre as duas possíveis infecções.

Procurado pela reportagem, o Ministério da Saúde informou que tem prestado apoio às equipes de vigilância das secretarias estaduais e municipais de saúde envolvidas na investigação de supostos casos de reinfecção por Covid-19 e que, até o momento, não há casos confirmados no Brasil. Os supostos casos de reinfecção estão sendo acompanhados pelo Ministério da Saúde, com apoio de especialistas dos Laboratórios de Referência Nacional (Fiocruz, Instituto Adolfo Lutz e Instituto Evandro Chagas).



De acordo com Alessandro Chagas, que é assessor Técnico do Conselho Nacional de Secretarias municipais de Saúde (CONASEM), está sendo realizada uma extensa avaliação nos casos de Covid-19 por todo o Brasil, com atenção especial na cadeia de informações que aproxima as informações nacionais com os dados de cada município.

“Pelo próprio sistema que tem hoje, o e-SUS Notifica que é por onde a gente já notifica as infecções, temos como acompanhar os casos de reinfecção. O Conasems representa os municípios no âmbito da tripartite em Brasília e tem uma articulação semanal com a representação nos estados, chamados de Cosems, e a gente conversa em relação a questões do enfretamento à pandemia. Essa articulação é rápida e precisa, então com essa rede nós conseguimos fazer essas informações chegarem nas secretarias [de Saúde] dos 5.570 municípios”, destacou o técnico do Conasem.

Covid-19: Vacina precisará de cuidados durante envio a Estados e Municípios

Sebrae lança série de ilustrações educativas para orientar empresários na reabertura das atividades

Por isso, a suspeita de reinfecção vai partir dos laboratórios e centros que estão analisando as testagens, conforme orientação do Ministério da Saúde, na Nota Técnica 52/2020, no sentido de ampliar a chances de identificar um caso suspeito com maior rapidez. A população pode receber assistência em centros de referência no âmbito do enfrentamento à Covid, sendo que atualmente existem 3.395 centros em funcionamento no país: 3.265 Centros de Atendimento e 130 Centros Comunitários de Referência.

Para o médico e diretor Científico da Sociedade de Infectologia do Distrito Federal, Jose David Urbaez, esses casos de reinfecção são muito raros e pouco representativos para que se possa tomar conclusões. “Dos casos que já foram comprovados e que foram escritos, você tem todo tipo de possibilidades. Você tem pessoas com um primeiro episódio muito grave ou sério e que, depois, tiveram um segundo episódio com sintomas mais brandos, mais leves. Também tiveram pessoas que em um primeiro episódio apresentaram quadro clínico mais leve e que tiveram uma segunda infecção mais grave. Então, o que é bem claro é que tratar, abordar e descrever a situação em relação a reinfecção é, ainda, um conhecimento que está em construção”, explicou.  

Copiar o texto
20/11/2020 11:00h

A inclusão do natalizumabe foi avaliada pela Comissão Nacional de Incorporação de Tecnologias no Sistema Único de Saúde (Conitec). Neste caso, foi analisado o impacto das mudanças na qualidade de vida dos pacientes

Baixar áudio

Os pacientes do Sistema Único de Saúde (SUS) que sofrem de esclerose múltipla passam a ter mais um aliado no combate à doença. Isso porque nos próximos meses o natalizumabe, medicamento utilizado no tratamento da enfermidade, terá sua oferta ampliada. A decisão partiu do Ministério da Saúde e consta em Portaria publicada recentemente.

A inclusão do natalizumabe foi avaliada pela Comissão Nacional de Incorporação de Tecnologias no Sistema Único de Saúde (Conitec). Neste caso, foi analisado o impacto das mudanças na qualidade de vida dos pacientes. Outro ponto levado em conta foi a relação custo-efetividade obtida por meio da comparação entre os medicamentos ofertados pelo SUS.

Ministério da Saúde traça estratégia de vacinação contra a Covid-19

Profissionais do Mais Médicos têm prazo de permanência no programa ampliado

A esclerose múltipla é uma doença que atinge, sobretudo, adultos jovens, com idade entre 20 e 50 anos, e compromete o sistema nervoso central. O problema acarreta interferências na transmissão dos impulsos elétricos que controlam as funções do organismo e diversas consequências para os pacientes, entre elas, alterações na visão, no equilíbrio e na capacidade muscular.


 

Copiar o texto
19/11/2020 23:00h

Na coletiva de imprensa desta quinta-feira (19), órgão do Executivo falou sobre as vacinas testadas contra o coronavírus

Baixar áudio

Nesta quinta-feira (19) o Brasil contabilizou quase seis milhões de pessoas que ficaram doentes por conta da Covid-19, com aumento de mais de 35 mil casos desde a última averiguação do Ministério da Saúde. O número de mortes subiu para 168.061 pessoas e a taxa de curados da doença alcançou a marca de quase 90% do total. Esses dados foram apresentados pela pasta que, com o aumento de casos nos últimos dias, ainda debate se a chegada de uma segunda onda da Covid-19 no País é real ou não.

Para detalhar algumas estratégias elaboradas para combater a doença, o Ministério da Saúde realizou uma coletiva de imprensa nesta quinta-feira (19), quando tratou sobre as vacinas testadas contra o coronavírus. Com a evolução nas pesquisas sobre um imunizante seguro e eficaz contra a Covid-19, desde abril deste ano o Ministério da Saúde tem monitorado as vacinas em desenvolvimento para imunizar a população brasileira. Com isso, a pasta elaborou um relatório apresentando informações técnicas e científicas, em que foram compiladas informações sobre as pesquisas em andamento, bem como o detalhamento de cada candidata em fase clínica de desenvolvimento.

Por enquanto, o ministério tem acompanhando cerca de 270 pesquisas com vista em 15 potenciais candidatas à vacina nacional contra Sars-CoV-2, todas elas na fase pré-clínica de desenvolvimento. Essa avaliação serve para que possa traçar estratégias rápidas para o transporte cauteloso que o imunizante vai precisar ao ser enviado para todos os municípios do País, bem como a forma de proteger a população no momento de formular uma campanha de vacinação.

Covid-19 pode ter causado impacto na reeleição de alguns prefeitos

Anvisa define critérios para registro de vacinas contra a covid-19

De acordo com o secretário de Vigilância em Saúde do Ministério da Saúde, Arnaldo Medeiros, já existe uma estratégia pensada sobre como vai funcionar a possível campanha de vacinação. “A vacinação tem o objetivo de contribuir para a redução da morbidade e mortalidade no caso do processo pandêmico da Covid-19, tanto quanto a redução de transmissão da doença. Nós temos objetivos específicos como vacinar grupos prioritários com maior risco de desenvolver complicações e óbitos pela doença, bem como vacinar populações com maior risco de exposição ao vírus e, consequentemente, à própria transmissão”, destacou.

Uma das estratégias adotadas pelo Ministério da Saúde foi a publicação, nesta quinta-feira (19) da Portaria Nº 3.127, alterando a Portaria de Consolidação nº 6/GM/MS, de 28 de setembro de 2017, que trata sobre o incentivo financeiro mensal de custeio para as equipes de Saúde da Família Ribeirinhas (eSFR) e das Unidades Básicas de Saúde Fluviais (UBSF). É o que explica o secretário de Atenção Primária à Saúde, Raphael Câmara Parente.

“É foco do Ministério da Saúde as diversas populações vulneráveis e com essa portaria, passamos do valor de quase R$10 mil reais para mais de R$13 mil reais, ou seja, é uma ampliação no repasse de quase sete milhões de reais para 2021. As Equipes de Saúde da Família Ribeirinhas são equipes direcionadas ao atendimento da população ribeirinha da Amazônia Legal e pantanal sul-mato-grossense. Esses grupos desempenham a maior parte de suas funções em unidades localizadas em comunidades próximas aos rios, por isso necessitam de embarcações para atender essas comunidades”, detalhou o secretário.

Copiar o texto
Saúde
19/11/2020 09:50h

Se houver casos em que o profissional não deseja a prorrogação do período para atuar nos serviços do SUS, ele deve manifestar desinteresse por meio do Sistema de Gestão de Programas

Baixar áudio

O Ministério da Saúde prorroga, por mais um ano, a permanência dos profissionais do programa Mais Médicos selecionados pelo 15º ciclo do projeto. A medida foi publicada no Diário Oficial da União desta quarta-feira (18).

A extensão do prazo vale para médicos formados em instituições de educação superior brasileira ou com diploma revalidado no Brasil (CRM Brasil), além de incluir médicos brasileiros formados em instituições de educação superior estrangeiras, com habilitação para exercício da medicina no exterior.

Ao todo, 531 médicos terão a prorrogação automática. Se houver casos em que o profissional não deseja a prorrogação do período para atuar nos serviços do SUS, ele deve manifestar desinteresse por meio do Sistema de Gestão de Programas.

Governo Federal abre consulta pública sobre ampliação de medicamento contra leucemia

Seleção para projetos de estruturação de Farmácias Vivas é prorrogada

O cronograma estará disponível em breve no endereço eletrônico maismedicos.gov.br. Pelo mesmo canal será divulgada a relação preliminar dos médicos aptos para a prorrogação excepcional. Também podem ser feitos questionamentos por meio do Disque Saúde 136, opção 8.

Copiar o texto
19/11/2020 09:30h

De acordo com a Comissão Nacional de Incorporação de Tecnologias no Sistema Único de Saúde (Conitec), o novo procedimento é capaz de prever o desenvolvimento da tuberculose ativa

Baixar áudio

O teste de liberação interferon-gama passará a fazer parte do Sistema Único de Saúde (SUS) em até 180 dias. A informação consta em portaria publicada recentemente no Diário Oficial da União. Com isso, os pacientes terão acesso a mais uma opção no combate à tuberculose.

De acordo com a Comissão Nacional de Incorporação de Tecnologias no Sistema Único de Saúde (Conitec), o novo procedimento é capaz de prever o desenvolvimento da tuberculose ativa. Por esse motivo, com o método é possível ampliar a orientação clínica para o diagnóstico da doença, reduzindo assim o número de casos.

Governo Federal abre consulta pública sobre ampliação de medicamento contra leucemia

Seleção para projetos de estruturação de Farmácias Vivas é prorrogada

Hoje em dia, o procedimento utilizado no SUS é o tuberculínico PPD, realizado em duas etapas. A primeira delas é a aplicação do teste, enquanto a segunda diz respeito à leitura e interpretação do resultado. Por interferon-gama, o processo será mais ágil. O paciente precisará se deslocar apenas uma vez ao laboratório.


 

Copiar o texto
Saúde
17/11/2020 10:00h

O programa tem como objetivo integrar a fitoterapia como opção terapêutica aos programas existentes no SUS

Baixar áudio

As inscrições para seleção de projetos para apoio à estruturação do programa Farmácias Vivas foram prorrogadas para o próximo domingo, 22 de novembro. Podem participar Secretarias de Saúde de todo o país e devem comprovar capacidade de execução do projeto que inclui cultivo, beneficiamento, preparação, controle de qualidade, dispensação e capacitação para a produção de fitoterápicos. 

Serão considerados a análise de mérito e técnico-econômica dos projetos que terão duração de 36 meses. A expectativa é que o resultado da seleção seja publicado a partir de 4 de dezembro. Segundo o Governo Federal, serão investidos R$ 7,9 milhões para melhoria do acesso da população a esses medicamentos.

Ministério da Saúde institui projeto piloto para cuidado integral à saúde do homem

Serviços odontológicos do SUS recebem incentivo de mais de R$ 128 milhões

O programa tem como objetivo integrar a fitoterapia como opção terapêutica aos programas existentes no Sistema Único de Saúde (SUS). Essas farmácias realizam as etapas de cultivo, coleta, processamento, armazenamento de plantas medicinais, preparação e dispensação de produtos e oficinais de plantas medicinais e fitoterápicos.

Copiar o texto

Use dados tenha mais votos nas eleições 2020