Acre

05/11/2021 20:40h

Secretaria de Estado de Indústria, Ciência e Tecnologia do estado espera que nova geração de internet móvel ajude a conectar os moradores das regiões remotas

Baixar áudio

Dois municípios do Acre não possuem cobertura 4G de internet, de acordo com a Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel). Apesar de oito operadoras prestarem o serviço no estado, nenhum morador de Assis Brasil e Manoel Urbano tem acesso à tecnologia. As outras 20 cidades do Acre possuem cobertura 4G, mas em oito delas o acesso está restrito a menos da metade da população. 

Enquanto o Distrito Federal e estados como São Paulo e Rio de Janeiro conseguiram quase que universalizar o acesso à internet, e veem na chegada do 5G a oportunidade de potencializar a chamada Internet das Coisas e os setores produtivos, como a indústria e o agronegócio, o Acre vê na implementação da tecnologia uma chance de garantir, ao menos, conexão de alta velocidade para os habitantes locais. 

Segundo Adriano Sales Santos, diretor de Tecnologia da Informação da Secretaria de Estado de Indústria, Ciência e Tecnologia (SEICT), não há, de fato, alcance efetivo de 4G em todas as regiões do estado. Além disso, a dificuldade de acesso a alguns municípios, em que só é possível chegar de barco ou avião, dificultou a implementação de infraestrutura de banda larga por fibra óptica. 

A chegada do 5G, no entanto, pode representar uma solução para o problema, graças às características da tecnologia. “O 5G, pela sua capacidade wireless e alta velocidade, vai conseguir atender a essas regiões de difícil acesso a partir de uma conexão de qualidade e dentro do que se espera para internet. Acreditamos que a gente vai conseguir com o 5G colocar áreas distantes do estado realmente no século 21”. 

Leilão do 5G começou nesta quinta-feira (4) e deve arrecadar R$ 49,7 bi em investimentos

Chegada do 5G vai impulsionar a chamada Internet das Coisas, dizem especialistas

De acordo com a Anatel, o prazo para que os municípios com menos de 30 mil habitantes, caso de 17 dos 22 municípios do Acre, recebam a cobertura 5G vai até 31 de dezembro de 2029. 

Até lá, no entanto, o edital do leilão 5G prevê que a empresa que arrematar a faixa de 700 MHz terá que levar internet para as localidades sem 4G. Quem levar a faixa de 2,3 MHz também é obrigado a cobrir 95% da área urbana dos municípios sem 4G. 

Na prática, as operadoras de telecomunicação que ganharam o certame têm o compromisso de levar o 4G para todas as localidades com mais de 600 habitantes. “A gente traz uma melhora em toda a infraestrutura de comunicação para o estado”, diz Adriano. 

Segundo o diretor da SEICT, o setor produtivo também vai se beneficiar com o avanço tecnológico. “O próprio agronegócio no estado do Acre tem o uso muito limitado da agricultura de precisão, porque para a agricultura de precisão eu preciso de conectividade e de comunicação. Eu não consigo ter isso em diversas regiões do estado, então a implementação forte na agricultura de precisão pode aumentar muito a produtividade das áreas do estado”, destaca. 

A deputada federal Perpétua Almeida (PCdoB/AC), presidente da subcomissão da Câmara dos Deputados que acompanha a implantação da tecnologia 5G no Brasil, ressalta a revolução que a chegada do 5G pode trazer ao país. 

“O 5G é fundamental, porque ele vai permitir a Internet das coisas. Com o 5G vai ser permitido, por exemplo, o funcionamento de carros autônomos no Brasil. O 5G vai possibilitar cirurgias à distância. Da mesma forma, uma máquina que está no campo em uma grande plantação no Nordeste brasileiro, por exemplo, poderá ser manuseada ou operada por um trabalhador que vai estar no Norte do Brasil. Isso tudo vai ser possível com essa nova tecnologia virtual, que com certeza vai aumentar a produtividade na indústria brasileira e no agronegócio”, exemplifica. 

Copiar o texto
01/11/2021 19:02h

Essa quantidade será somada a 1,3 milhão de doses recebidas pelo estado até agora - sendo que mais de 942 mil já foram aplicadas.

Baixar áudio

O Acre vai receber mais de 10,5 mil doses de vacinas contra a Covid-19 da Pfizer, que foram enviadas pelo Ministério da Saúde na última semana. O estado recebeu 1,3 milhão de doses de vacinas até agora - sendo que mais de 942 mil foram aplicadas.

Essas vacinas estão destinadas para a primeira dose da população acima de 18 anos e, também, para a segunda dose das pessoas que precisam completar o esquema vacinal. Além disso, os imunizantes foram enviados para aplicação de reforço dos grupos prioritários de idosos, pessoas imunossuprimidas e profissionais de saúde, devido ao elevado risco de óbito pela doença. 

Até o momento, o Ministério da Saúde distribuiu mais de 334 milhões de doses para todo o país. De acordo com o médico infectologista Hemerson Luz, esses envios realizados pelo Governo Federal são importantes para combater a doença. 

“A vacinação, como medida de controle da pandemia, associada às outras medidas como distanciamento social e de uso da máscara, tem dado um resultado enorme na disseminação da Covid-19. Como resultado, hoje é possível discutir a não utilização de máscara em espaços abertos, o retorno às aulas presenciais e o resto de eventos coletivos”, destacou.

Antes de enviar essas doses ao estado, o Ministério da Saúde já havia concluído o envio de imunizantes para vacinar com a primeira dose ou dose única toda a população brasileira acima de 18 anos. Além disso, todos os grupos prioritários do Programa Nacional de Operacionalização (PNO) já foram atendidos. 

Um ponto importante observado pelo Ministério da Saúde é que mais de 18 milhões de pessoas deixaram de voltar ao posto para tomar a segunda dose. Por isso, o órgão ressalta a necessidade de completar o esquema vacinal, pois apenas com as duas doses da vacina é possível garantir a máxima proteção oferecida pelas vacinas. 
 

Copiar o texto
09/09/2021 03:00h

Reforma tributária do governo federal prevê queda de arrecadação de R$ 30 bilhões aos estados e municípios brasileiros

Baixar áudio

Os senadores devem analisar o Projeto de Lei (2337/21) que modifica as regras de arrecadação do Imposto de Renda, a chamada reforma tributária fatiada do governo Federal.

O texto foi aprovado na Câmara dos Deputados e, se for aprovado no Senado, pode gerar perdas na arrecadação do Acre de R$ 334 milhões, de acordo com estimativa da Federação Brasileira de Associações de Fiscais de Tributos Estaduais (Febrafite)

Isso porque a reforma tributária fatiada produzida pela equipe do ministro da Economia, Paulo Guedes, não prevê mudanças nas metodologias de arrecadação dos tributos sobre o consumo – PIS, COFINS, IPI, ICMS e ISS - que de fato pesam nos bolsos dos contribuintes, e não é capaz de modernizar o modelo atual de recolhimento de impostos, classificado por especialistas como oneroso e sufocante para o setor produtivo. 

BRASIL MINERAL: ANM abre 5ª rodada de disponibilidade de áreas

SGB e EMBRAPA apresentam resultados iniciais do Projeto Germânio-Lítio

Oito municípios vão receber R$ 3 milhões para obras de saneamento básico 

Ao todo, as mudanças na arrecadação do IR previstas no PL de reforma tributária fatiada vão colocar nas costas dos estados e das prefeituras queda de arrecadação de cerca de R$ 30 bilhões. Os municípios vão perder mais de R$ 13,1 bilhões, de acordo com estimativa da Frente Nacional de Prefeitos – FNP

“Ao mesmo tempo em que o governo Federal exige dos estados e dos municípios rigor fiscal, equilíbrio fiscal, impõe um modelo de reforma tributária repassando a conta para os entes, retirando receita. São os entes que estão mais próximos do cidadão e são os mais cobrados por serviços de qualidade, sem que disponham de nenhum mecanismo para recuperação dessa receita, que é muito importante para prestação desses serviços”, explica Sara Félix, especialista em Direito Tributário da Associação dos Auditores Fiscais de Minas Gerais (AFFEMG). 

Arte: Brasil 61

Reforma Tributária Ampla 

Ao contrário das sugestões do governo federal, a modernização ampla e necessária do sistema tributário brasileiro é defendida por empresários, especialistas e gestores. A ideia seria instituir no País sistemas unificados de cobranças de impostos, como o IVA (Imposto de Valor Agregado) ou o IBS (Imposto Sobre Bens e Serviços), por exemplo. Os dois modelos já foram amplamente discutidos no Congresso Nacional – PEC 45/2019 e PEC 110/2019.  

A reforma tributária ampla pode aumentar em até 20% o ritmo de crescimento do PIB do Brasil nos próximos 15 anos, de acordo com pesquisadores do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (IPEA). Segundo eles, esse resultado será consequência de ganhos de competitividade da produção nacional em relação aos competidores externos e da melhor alocação dos recursos produtivos.

O instituto considera, ainda, que as mudanças na forma de se cobrar impostos no Brasil poderiam reduzir a pressão dos tributos sobre o cidadão de menor renda, o que resultaria na diminuição das desigualdades sociais e, isso, segundo especialistas, não é previsto na proposta do governo Federal.

“A reforma tributária do IR não é suficiente para modernizar o sistema tributário. A proposta do governo atrapalha porque gera maior complexidade na fiscalização e arrecadação desse imposto”, ressalta Fernando Aurélio Zilveti, especialista em Direito Tributário da Universidade de São Paulo (USP). 

O estado do Acre, por exemplo, arrecadou cerca de R$ 2,8 bilhões em impostos federais, estaduais e municipais, de janeiro ao início de setembro deste ano. O valor contribui 0,16% do total de impostos recolhidos em todo país. O ICMS foi responsável por arrecadar no estado cerca de R$ 927 milhões, entre janeiro e setembro. 

PL 2337/21

O projeto de lei de autoria do governo federal foi aprovado na Câmara dos Deputados no início de setembro e segue para análise no Senado. A medida, relatada pelo deputado federal Celso Sabino (PSDB-PA), taxa os lucros e dividendos das pessoas jurídicas em 15% e, como forma de compensação, o Imposto de Renda da Pessoa Jurídica (IRPJ) pode ser reduzido de 15% para 8%. A CSLL deve ser reajustada de 9% para 8%. 

As regras de arrecadação do Imposto de Renda da Pessoa Física (IRPF) também devem mudar e a faixa de isenção do tributo pode ser ampliada de R$ 1.903,98 para R$ 2.500,00 mensais.

Copiar o texto
20/08/2021 03:00h

Segundo o diretor de Assuntos Tributários da Federação Brasileira de Associações de Fiscais de Tributos Estaduais, Juracy Soares, o sistema tributário em vigor no Brasil reduz a capacidade de competitividade do País e dos estados

Baixar áudio

O estado do Acre registrou um saldo positivo de 30,86% na arrecadação do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS), entre janeiro e julho de 2021. O total recolhido este ano chegou a 992,47 milhões. A comparação é feita com o mesmo período do ano passado. Os dados são Conselho Nacional de Política Fazendária (Confaz).

Outro destaque para a unidade da federação está ligado ao setor da indústria. Atualmente, o Acre possui PIB industrial de R$ R$ 1,1 bilhão. O valor corresponde a 0,1% da indústria nacional. Segundo o advogado tributarista Marcel Hira Campos, o quadro é positivo, mas só deverá continuar com esse panorama se o Congresso Nacional aprovar uma reforma tributária ampla, com a junção de impostos federais, estaduais e municipais.

“O PL 2337/2021 não parece que resolverá os inúmeros problemas enfrentados diariamente pelas sociedades empresárias. Isso porque não podem prevalecer algumas regras ali estabelecidas, como, por exemplo, a tributação dos dividendos, a não dedutibilidade do pagamento dos juros sobre capital próprio e a obrigatoriedade de escrita contábil para as empresas que estiverem no lucro presumido”, pontua.

O projeto ao qual Campos se refere, apontando-o como insuficiente, é tido como a segunda parte da reforma tributária proposta pelo governo federal. O texto já foi enviado ao Congresso Nacional e aguarda despacho do presidente da Câmara dos Deputados.

O que muda com a reforma tributária mais ampla?

Uma reforma tributária ampla pode aumentar em até 20% o ritmo de crescimento do PIB do Brasil nos próximos 15 anos. A projeção foi feita por profissionais renomados, que atuam em instituições como o Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (IPEA), a Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), a LCA Consultores e a Fundação Getúlio Vargas (FGV). De acordo com os pesquisadores, esse resultado será consequência de ganhos de competitividade da produção nacional em relação aos competidores externos e da melhor alocação dos recursos produtivos.

Marco Legal do Saneamento Básico: mais de 300 municípios descumprem o prazo para destinação correta do lixo

Pequenas empresas podem se beneficiar com nova ferramenta para licitações do governo

FPM: repasse da segunda parcela de agosto será 44% maior do que no ano passado

O IPEA, por exemplo, considera que as mudanças na forma de se cobrar impostos no Brasil poderão reduzir a pressão dos tributos sobre o cidadão de menor renda, o que resulta em diminuição das desigualdades sociais.

Crescimento econômico

Especialistas consideram, ainda, que o sistema tributário em vigor no Brasil reduz a capacidade de competitividade do País e dos estados. Um deles é o diretor de Assuntos Tributários da Federação Brasileira de Associações de Fiscais de Tributos Estaduais, Juracy Soares. Segundo ele, o atual modelo contribui para o baixo crescimento econômico.

“Para milhares de empresas, os elevados custos de conformidade afastam investimentos produtivos e minam as atividades dessas corporações no mercado nacional e global. Para a administração pública, a infinidade de novas normas que são escritas para tapar buracos, que viabilizam sonegação, e também para gerir esse sistema complexo, resultam em perdas de arrecadação e elevados custos de gerenciamento e controle”, destaca.
 

Copiar o texto
18/08/2021 03:00h

Candidatos à doação de sangue ou medula óssea devem procurar uma das unidades do estado

Baixar áudio

Com estoque sanguíneo baixo, o Centro de Hematologia e Hemoterapia do Acre (Hemoacre) precisa de que a população acreana se mobilize para doar sangue. O estado conta com o Hemocentro Coordenador, localizado no Acre, e, também, com uma estrutura descentralizada, composta pelos hemonúcleos regionais.
 
O Acre tem dois hemonúcleos, que ficam nos municípios de Brasiléia e Cruzeiro do Sul. Com o objetivo de abastecer o banco de sangue e aumentar o número de doadores de medula, o Hemoacre indica que os voluntários devem procurar o hemonúcleo mais próximo e permitir uma pequena coleta de sangue para averiguação do tipo sanguíneo e da compatibilidade. 

Logo depois, o cadastro é repassado para o Registro Nacional de Doadores Voluntários de Medula Óssea (Redome), do Instituto Nacional do Câncer (Inca), órgão nacional responsável pelo gerenciamento das informações do doador e do paciente. Caso haja compatibilidade, o Redome entrará em contato com o doador para retirada das células.

Coordenação estadual

De acordo com Quésia Nogueira, gerente da Captação de Doadores do Hemoacre, atualmente o estoque está crítico, principalmente as tipagens sanguíneas O negativo e O positivo. “Precisamos de cada pessoa e a cada dia conscientizar ainda mais a população que nós precisamos de sangue, porque ele ainda não é produzido sinteticamente'', lembra a gerente. 

Atendimento regional

O hemonúcleo localizado em Brasiléia, atende, sobretudo, a outros três municípios: Assis Brasil, Epitaciolândia e Xapuri. A unidade fica na Rua Generalíssimo Deodoro, número 417, bairro Raimundo Chaar. O telefone para contato é o (68) 3546 -3791.

Já o hemonúcleo de Cruzeiro do Sul está mais próximo de Mâncio Lima, Marechal Thaumaturgo, Porto Walter e Rodrigues Alves. A unidade está localizada na Rua Pedro Telles, número 600, bairro Manoel Terças e o telefone é o (68) 3322 -4318.

Vontade de fazer a diferença

O estudante João Henrique Barbosa, de 18 anos, diz que a doação de sangue e de medula óssea são importantíssimas. Ele pretende fazer o cadastro no Hemoacre em breve, já que na sua região estava suspenso e, assim, ajudar a salvar mais e mais vidas. 

“Porque a gente ajuda a ter pessoas menos individualistas e com mais empatia, principalmente no atual cenário em que muita gente tem receio por achar que a saúde pública é ruim, mas ela é maravilhosa e muitas vezes a pessoa não doa por falta de conhecimento”, assegura o jovem, que mora no bairro Ipase.

Doação de sangue

O Governo Federal, por meio do Ministério da Saúde, garante que doar sangue é possível graças ao SUS. “Vamos aproveitar essa oportunidade para reafirmar não só as ações de enfrentamento à pandemia, mas também a necessidade contínua de cumprir o preceito constitucional da saúde como direito fundamental. O sangue, ao longo do tempo, simboliza a vida. E nesse sentido, é importante a doação regular. Doe sangue regularmente. Com a nossa união, a vida se completa”, destaca o ministro da Saúde, Marcelo Queiroga.

E quem vacinou contra a Covid-19 pode doar sangue?

Após a vacinação, é preciso aguardar um período para poder doar sangue e medula, de acordo com o tipo de vacina, conforme quadro abaixo: 

Laboratório 

Inaptidão para doação de sangue

CoronaVac

48 horas

AstraZeneca/Oxford/Fiocruz

7 dias

BioNTech/Fosun Pharma/Pfizer

7 dias

Janssen-Cilag

7 dias

Gamaleya National Center

7 dias

Fonte: Ministério da Saúde 

Critérios para doação de sangue e medula óssea

De acordo com a Coordenação-Geral de Sangue e Derivados do Ministério da Saúde, o procedimento para doação de sangue é simples. Primeiro se faz o cadastro, aferição de sinais vitais, teste de anemia, triagem clínica, coleta de sangue e depois o lanche. Isso tudo leva em média 40 minutos.
Vale lembrar que até mesmo quem foi infectado pelo coronavírus pode doar sangue e medula óssea. No entanto, é necessário aguardar 30 dias após completa recuperação da doença. Quem teve contato com pessoas infectadas também precisa esperar 14 dias para poder fazer a doação, apresentando RT-PCR negativo e ausência de sintomas. Já os vacinados devem esperar o tempo de imunização, que vai depender da marca do imunizante.

Para doar sangue é necessário ter entre 16 e 69 anos de idade e pesar no mínimo 50 quilos. Mulheres podem doar até três vezes ao ano, com intervalo de três meses entre as doações. Já os homens podem doar até quatro, com intervalo de dois meses entre as doações. A doação é voluntária e uma bolsa de apenas 450mL de sangue pode ajudar até quatro pessoas.

Candidatos à doação de medula óssea devem ter entre 18 e 35 anos, estar em bom estado de saúde e não apresentar doença infecciosa ou incapacitante. Segundo o Redome, algumas complicações de saúde não são impeditivas para doação, sendo analisado caso a caso.

Doar sangue e medula é seguro! Com a pandemia, todos os protocolos de contenção contra a Covid-19 estão sendo realizados. No dia da doação, será preciso apresentar documento de identificação com foto. Para saber onde doar sangue ou se cadastrar para doar medula óssea, acesse redome.inca.gov.br/hemocentros/hemoacre.

Copiar o texto
16/08/2021 04:00h

Este ano, o número de doações cresceu, mas o quantitativo ainda é insuficiente. Instituição pede que população se solidarize e ajude na mobilização para captar mais doadores

Baixar áudio

As tipagens sanguíneas O negativo, O positivo e B negativo do Centro de Hematologia e Hemoterapia do Acre (Hemoacre) estão com o estoque em estado crítico. A informação é da própria instituição, que faz um apelo para que a população acreana doe sangue. 

O Acre conta com três serviços de hemoterapia, localizados na capital e nos municípios de Brasiléia e Cruzeiro do Sul. O Hemocentro Coordenador funciona em Rio Branco, na Avenida Getúlio Vargas, número 2787, Bosque, telefone (68) 3248-1380. Além disso, o Hemoacre possui uma unidade móvel, que atua em Acrelândia, Senador Guiomard, Plácido de Castro e Porto Acre.

Segundo Quésia Nogueira, gerente de Captação de Doadores do Hemoacre, o estoque não é nada bom. “Estamos em estado crítico. Por isso, contamos com a colaboração acreana e esperamos a solidariedade de cada pessoa. Aqueles que não podem doar sangue, devem mobilizar e orientar os que estão aptos. Infelizmente, o sangue ainda não é produzido sinteticamente. Precisamos desse gesto de cidadania de toda a população”, apela. 

Com média de 8 mil bolsas coletadas ao ano, o Hemoacre obteve 3.523 doações de janeiro a junho de 2020. Este ano, o número de doações saltou para 4.783, no mesmo período, mas o quantitativo ainda é insuficiente. 

Ato solidário

Mayara Mello, 28 anos, mora em Rio Branco no Bairro Vila Acre e é doadora desde 2018. Ela conta que tinha medo de ir doar por causa da pandemia da Covid-19, mas que isso não a fez desistir e que também o local está seguindo todos os protocolos de segurança. 

“No dia que cheguei ao Hemoacre, vi uma criança com a idade da minha filha precisando de sangue e, consequentemente, o tipo sanguíneo dela era exatamente o meu”, relembra a cuidadora de idosos que ficou toda sensibilizada com a situação. Ela tem sangue A positivo e está ansiosa para sua próxima doação já agendada. 

Diante da necessidade de manter os hemocentros bem abastecidos, o Governo Federal, por meio do Ministério da Saúde, vem mobilizando a população para procurar o hemocentro mais próximo de casa e doar sangue. “Vamos aproveitar essa oportunidade para reafirmar não só as ações de enfrentamento à pandemia, mas também a necessidade contínua de cumprir o preceito constitucional da saúde como direito fundamental. O sangue, ao longo do tempo, simboliza a vida. E nesse sentido, é importante a doação regular de sangue. Doe sangue regularmente, com a nossa união, a vida se completa”, afirmou o ministro da Saúde, Marcelo Queiroga.

Onde doar sangue no Acre

O Hemoacre possui três unidades de coleta, nos municípios de Rio Branco, Brasiléia e Cruzeiro do Sul. Procure a unidade mais próxima de sua casa e faça a sua doação de sangue ou medula óssea. Para saber mais informações sobre endereços e horários de funcionamento das unidades, veja o mapa abaixo. 
Critérios para doação de sangue e medula óssea
 
De acordo com a Coordenação-Geral de Sangue e Derivados do Ministério da Saúde, o procedimento para doação de sangue é simples. Primeiro se faz o cadastro, aferição de sinais vitais, teste de anemia, triagem clínica, coleta de sangue e depois o lanche. Isso tudo leva em média 40 minutos.
 
Vale lembrar que até mesmo quem foi infectado pelo coronavírus pode doar sangue e medula óssea. No entanto, é necessário aguardar 30 dias após completa recuperação da doença. Quem teve contato com pessoas infectadas também precisa esperar 14 dias para poder fazer a doação, apresentando RT-PCR negativo e ausência de sintomas. Já os vacinados, devem esperar o tempo de imunização que vai depender da marca do imunizante.
 
Para doar sangue é necessário ter entre 16 e 69 anos de idade e pesar no mínimo 50 quilos. Mulheres podem doar até três vezes ao ano com intervalo de 3 meses entre as doações. Já os homens podem doar até quatro, com intervalo de 2 meses entre as doações. A doação é voluntária e uma bolsa de apenas 450mL de sangue pode ajudar até quatro pessoas.
 
Candidatos a doação de medula óssea devem ter entre 18 e 35 anos, estar em bom estado de saúde e não apresentar doença infecciosa ou incapacitante. Segundo o Redome, algumas complicações de saúde não são impeditivas para doação, sendo analisado caso a caso.

Doar sangue e medula é seguro! Com a pandemia, todos os protocolos de contenção contra a Covid-19 estão sendo realizados. No dia da doação, será preciso apresentar documento de identificação com foto. Para saber mais sobre os critérios e restrições para doação de sangue e medula óssea, acesse redome.inca.gov.br/hemocentros/hemoacre.

Copiar o texto
07/07/2021 18:00h

A temperatura no Nordeste pode variar entre 18 e 36 graus

Baixar áudio

A quinta-feira (8) no Norte do Brasil será de tempo instável por toda a faixa norte da região. Haverá chuva forte entre Roraima e o leste Amapaense, com acumulados altos, assim como é previsto no norte do Pará. Entre o Acre, Amazonas e Pará, as pancadas de chuva se concentram a partir da tarde. Nas demais áreas, a previsão é de sol e tempo firme.

A temperatura no Norte pode variar entre 18 e 36 graus. Em toda a região, os índices de umidade relativa do ar ficam entre 12% e 100%.

As informações são do Somar Meteorologia.

 

Copiar o texto
01/07/2021 16:00h

De acordo com o governo estadual, o controle de armazenamento e distribuição é feito de maneira que não falte o imunizante para a segunda dose

Baixar áudio

O estado do Acre passa a ter um reforço no estoque da vacina AstraZeneca, contra a Covid-19. Isso porque o governo estadual recebeu do Ministério da Saúde, nesta quarta-feira (3), mais 3.750 doses do imunizante produzido pela Fiocruz.

De acordo com o governo local, o Acre é a única Unidade da Federação que segue todas as recomendações do cronograma estabelecido pelo Ministério da Saúde. Ou seja, o controle de armazenamento e distribuição é feito de maneira que não falte o imunizante para a segunda dose.

Queiroga e João Roma assinam acordo de iniciativas contra doenças graves

Tosse com catarro é Covid-19, gripe ou resfriado?

A entrega das vacinas aos municípios é realizada com apoio das demais instituições do governo, como a Segurança Pública, para que os imunizantes cheguem de forma rápida e segura  a todas as localidades.

Além disso, a Secretaria de Saúde Estadual desenvolveu uma iniciativa denominada Operação Gota, que contou com o apoio de aeronave da Força Aérea Brasileira (FAB) e das equipes técnicas do estado e dos municípios. Também foram realizados mutirões de vacinação na capital, essenciais para acelerar o processo de imunização da população.

 

Copiar o texto
15/06/2021 04:00h

Anticorpos da dengue não protegem contra a Covid-19. Estudo foi realizado por pesquisadores da USP, em 1.285 moradores do município de Mâncio Lima (AC)

Baixar áudioBaixar áudio

Pessoas que tiveram dengue são duas vezes mais propensas a desenvolver sintomas da Covid-19. É o que aponta um estudo realizado por pesquisadores do Instituto de Ciências Biomédicas da Universidade de São Paulo (ICB-USP). Foram analisadas amostras sanguíneas de 1.285 moradores do município de Mâncio Lima, no Acre, onde o grupo trabalha na investigação de outras doenças. 

A motivação para a pesquisa se deu a partir de dois estudos, um americano e outro brasileiro, que sugeriram que a infecção prévia por dengue poderia ser um fator protetor contra o coronavírus.

Diante disso, o primeiro passo do estudo pela USP foi verificar a presença de anticorpos contra o vírus da dengue em amostras de outubro de 2019 e da Covid-19 em novembro de 2020, através de testes de sorologia com as mesmas pessoas analisadas. A pesquisadora Vanessa Nicolete, autora principal do estudo, explica que a possibilidade de uma reação cruzada foi descartada e o porquê das pessoas que foram infectadas com dengue têm maiores chances de serem sintomáticas para o coronavírus.

A idade é outro fator relevante que foi considerado no estudo. Em geral, quanto mais velho, maior a chance de ter sido exposto à dengue. “Assim como vemos na população em geral, todas as idades são predispostas a ter anticorpos. Porém, em relação à infecção por Sars-Cov-2, os mais velhos foram os que apresentaram mais sintomas durante a pesquisa”, afirma Vanessa.

Os pesquisadores ainda não sabem quais são as causas do fenômeno, mas apontam duas hipóteses. Uma delas seria biológica: os anticorpos contra o vírus da dengue poderiam estar favorecendo de algum modo o agravamento da Covid-19. A outra é sociodemográfica: populações estariam mais vulneráveis às duas doenças por características diversas.

De acordo com o médico especialista em dengue, Werciley Vieira Junior, o vírus da Covid-19 hiper estimula o sistema imune produzindo citocinas, que são proteínas inflamatórias. “A dengue hipersensibiliza nossa capacidade de produzir essas proteínas e, com isso, favorece um processo inflamatório mais intenso da Covid-19. E, automaticamente, com os processos inflamatórios mais intensos, os sintomas são maiores”, explica.

Como diferenciar a dengue da Covid-19?

Muitas pessoas costumam confundir os sintomas iniciais da Covid-19 com a dengue. Werciley Vieira Júnior explica o porquê dessa associação entre as doenças. “Os sintomas iniciais da Covid-19 são um quadro gripal que pode vir com mialgia, que é a dor no corpo, pode vir com dor de cabeça e dor nas juntas. E a dengue tem como marcante a febre, dor no corpo e dor nas juntas. Porém a proporção de dor na junta é muito maior na dengue do que na Covid-19, e a febre da dengue é bem maior.”

Todos Contra a Dengue: campanha incentiva estudantes da rede pública no combate à doença

Município de Viana (ES) começa a vacinar população com meia dose da AstraZeneca

Saiba diferenciar a gripe da Covid-19

A dengue é transmitida ao ser humano a partir da picada do mosquito Aedes Aegypti que se desenvolve em água parada. No caso de locais com bastante incidência, como no Acre, o especialista em dengue destaca ainda alguns pontos para aumentar a proteção contra a doença. “Usar repelente e tela mosquiteira para evitar a entrada do mosquito já ajuda. Mas a melhor forma é diminuir os criadouros, seguindo as condutas de evitar água parada e evitar jogar lixo onde não se deve. Inibindo os criadores, diminuímos a taxa de proliferação do mosquito.”

O mosquito da dengue põe seus ovos em recipientes como latas e garrafas vazias, pneus, calhas, caixas d’água descobertas, pratos sob vasos de plantas ou qualquer outro objeto que possa armazenar água da chuva. O mosquito pode procurar ainda criadouros naturais, como bromélias, bambus e buracos em árvores.

De acordo com o Boletim Epidemiológico n° 21 do Ministério da Saúde, atualmente o Brasil tem 348.508 casos de dengue. Em comparação com o ano de 2020, houve uma redução de 57,4% de casos registrados para o mesmo período analisado. Esta diminuição pode ser consequência do receio da população em procurar atendimento em uma unidade de saúde durante a pandemia da Covid-19, bem como um possível atraso nas notificações das doenças pelas equipes de vigilância e assistência para o enfrentamento da pandemia.

Ranking de casos de dengue no Brasil (por incidência)

Estado Estado Casos incidência (casos/100 mil hab.)
1 Acre 13653 1526,4
2 Goiás 30441 427,9
3 Mato Grosso do Sul 11071 394,1
4 Paraná 38376 333,2
5 Mato Grosso 10951 310,6
6 São Paulo 132665 286,6
7 Distrito Federal 7276 238,2
8 Santa Catarina 16693 230,2
9 Amazonas 5667 134,7
10 Bahia 17791 119,2
11 Ceará 9857 107,3
12 Pernambuco 9674 100,6
13 Espírito Santo1 3781 93
14 Minas Gerais 19240 90,4
15 Tocantins 1378 86,7
16 Paraíba 2785 68,9
17 Rondônia 1201 66,9
18 Rio Grande do Sul 7618 66,7
19 Rio Grande do Norte 1353 38,3
20 Piauí 823 25,1
21 Pará 2072 23,8
22 Roraima 101 16
23 Alagoas 436 13
24 Rio de Janeiro 1972 11,4
25 Maranhão 760 10,7
26 Amapá 89 10,3
27 Sergipe 230 9,9

Desse total, foram confirmados 152 casos de dengue grave (DG), 1.984 casos de dengue com sinais de alarme (DSA) e 105 óbitos. 

Copiar o texto
06/06/2021 17:20h

Os materiais de apoio poderão ser acessados de forma gratuita na plataforma online da Secretaria de Educação do Acre ou pelas redes sociais da pasta

Baixar áudio

Pensando na necessidade de prevenir os agravos à saúde dos professores no período de pandemia, a Secretaria de Estado de Educação, Cultura e Esportes (SEE) do Acre desenvolveu o projeto Jornada de Autocuidado para os educadores.

A iniciativa faz parte do programa Corpo, Mente e Voz, idealizado pelo Estado em 2019. Nas edições anteriores foram implementadas atividades que somaram na qualidade de vida dos servidores da categoria. Entretanto, com a pandemia houve a necessidade de adaptar o projeto em um novo formato, ampliando o alcance das atividades ofertadas.

Covid-19: o que mudou no Brasil até agora?

Ministro da Educação explica impacto de cortes orçamentários na próxima quarta (9)

O primeiro passo consiste na produção de uma série de vídeos e material escrito sobre temas relacionados ao autocuidado com a saúde física e mental.  A série é produzida por uma equipe multiprofissional das áreas de fonoaudiologia, fisioterapia, nutrição, enfermagem, psicologia, neuropsicoterapia e educação física.

Os vídeos de autoajuda e os materiais de apoio poderão ser acessados de forma gratuita na plataforma online da Secretaria de Educação do estado ou pelas redes sociais.
 

Copiar o texto
Brasil 61