Cadastro de mídia

TERMO DE USO E PARCERIA

TERMO DE USO E PARCERIA

Regras de Uso

1º - A utilização gratuita e livre dos materiais produzidos pelo Brasil 61 só será permitida depois que este termo de parceria for aceito pelo usuário, prevendo as seguintes regras:

a) A utilização do material - na íntegra, ou em partes - só será permitida desde que as informações não sejam distorcidas, manipuladas ou alteradas.

b) Não é necessário a identificação do Brasil 61 na hora da replicação do conteúdo. Mas toda e qualquer veiculação de áudios produzidos pelo Brasil 61 prevê o cadastro no site, com a disponibilização de dados que serão utilizados para a organização do mailing desta empresa,

2º - OBRIGAÇÕES DO BRASIL 61

a) O Brasil 61 se compromete, a partir deste termo de uso, a produzir conteúdo particularizado diariamente, trazendo informações de dia-a-dia e bastidores do Planalto Central, além de outras temáticas de relevância do noticiário nacional. 

b) O acesso ao conteúdo jornalístico (na versão de leitura) é livre e gratuito, podendo ser replicado por qualquer usuário que acesse o site. O download do áudio para que seja utilizado na programação das rádios requer que o radialista realize o login no site da Agência do Rádio - informando e-mail e senha cadastrados. 

3º - OBRIGAÇÕES DOS COMUNICADORES PARCEIROS

Não alterar o sentido dos materiais, ou distorcer fala de entrevistados ou mudar a conotação das mensagens dos materiais. 

ADENDOS IMPORTANTES SOBRE A PARCERIA

a) O Brasil 61 poderá distribuir conteúdo patrocinado com ou sem assinatura dos clientes patrocinadores do boletim e sem aviso prévio ao comunicador. 

b) As rádios parceiras não vão ter participação financeira sobre o faturamento do Brasil 61.

c) Os comunicadores podem patrocinar os conteúdos do Brasil 61, desde que não alterem o sentido e a conotação dos conteúdos oferecidos. Nesses casos, o Brasil 61 Mais não terá participação nos lucros conquistados pelos veículos parceiros. 

Ao clicar em ACEITO, a emissora aqui cadastrada afirma concordar e estar ciente de todas as condições apresentadas neste Termo de Utilização de Conteúdo.

Campanha de Vacinação

16/07/2020 17:00h

Baixo índice de vacinação pode ocasionar no retorno de doenças erradicadas

Baixar áudio

A Sociedade Brasileira de Imunizações lançou campanha de conscientização sobre a importância de vacinar mesmo em meio à pandemia. A iniciativa é realizada em parceria com a Sociedade Brasileira de Pediatria (SBP) e o Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF). Entre as ações da campanha, está a disponibilização de uma cartilha digital com orientações sobre a manutenção das vacinas durante o período de isolamento social.

Surto de sarampo preocupa gestores de saúde

Sudeste e Nordeste concentram maior parte dos leitos de UTI para Covid-19 habilitados pelo MS

Em laboratório, antivirais contra Hepatite C conseguem conter Covid-19

Todas as entidades envolvidas publicaram conteúdo educativo sobre o assunto em seus respectivos sites. Segundo os autores da campanha, interromper a vacinação de rotina pode ocasionar no retorno de doenças até então controladas ou erradicadas. Neste momento, diversos estados brasileiros vivenciam um surto do sarampo que especialistas atribuem aos baixos índices de vacinação, principalmente por conta da pandemia.

Intitulada “Vacinação em dia, mesmo na pandemia”, a campanha tem como foco crianças menores de 5 anos, gestantes e outros grupos de risco. No curto, médio e longo prazo, de acordo com a Sociedade Brasileira de Pediatria, as consequências para as crianças que tiveram a vacinação interrompida podem ser mais graves do que as causadas pela pandemia do novo coronavírus.

Copiar o texto
07/07/2020 05:00h

Cobertura foi de 88,8%, número abaixo da meta do governo

Baixar áudio

Finalizada a Campanha Nacional de Vacinação contra a Gripe, 17 milhões de pessoas que precisavam se vacinar não foram imunizadas. De acordo com dados do Ministério da Saúde, o número representa 11,2% do público- alvo da campanha. A meta do governo era de alcançar ao menos 90% desse grupo. Foram alcançados 88,8%.

MS recomenda ampliação da vacinação contra gripe nos municípios

O grupo com a menor cobertura vacinal foi de pessoas entre 55 e 59 anos de idade: pouco mais de metade do grupo se vacinou, 55,86% de cobertura. 60,91% das gestantes se vacinaram. Entre crianças de até cinco anos de idade a cobertura foi de 61,60%. Professores de escolas públicas tiveram 68,56% de cobertura vacinal.

Como o período da campanha acabou, agora as doses da vacina contra a Influenza que sobraram estão disponíveis para o restante da população, mesmo aqueles que não se encaixam no público-alvo. A vacinação é ainda mais importante durante a pandemia de covid-19, já que as duas doenças possuem sintomas semelhantes e a imunização ajuda os médicos a identificarem rapidamente quais casos podem ser causados pelo novo coronavírus.

Copiar o texto
02/07/2020 10:30h

Além disso, a Pasta orienta que todas as equipes de saúde tomem as precauções necessárias de segurança e realizem uma vacinação sem sujeitar a população e as equipes de saúde a outras infecções

Baixar áudio

Com o fim da Campanha Nacional de Vacinação contra Gripe, em que mais de 18 milhões de pessoas do público prioritário não tomaram a vacina, o Ministério da Saúde recomenda que estados e municípios prorroguem a vacinação à população em geral até quando durarem os estoques da vacina excedentes da campanha. De acordo com a Pasta, o intuito da medida é evitar desperdícios de doses nas localidades que não alcançaram a meta de imunização no público-alvo.

Mais de 20 milhões de pessoas ainda precisam se vacinar contra a gripe

Pandemia provoca queda na procura por vacinas

INFLUENZA: Caminhoneiros têm baixa adesão à vacinação contra a gripe

Além disso, o Ministério da Saúde orienta que todas as equipes de saúde tomem as precauções necessárias de segurança e realizem uma vacinação sem sujeitar a população e as equipes de saúde a outras infecções. Ao todo, foram distribuídas 79,9 milhões de doses no Brasil. O investimento total foi de R$ 1,1 bilhão para as três fases da campanha. 

A vacina da gripe protege contra os três subtipos do vírus influenza que mais circularam no último ano no Hesmifério Sul, de acordo com determinação da Organização Mundial da Saúde (OMS). O grupo prioritário é composto por idosos com 60 anos ou mais de idade; trabalhadores da saúde; membros das forças de segurança e salvamento; pessoas com doenças crônicas ou condições clínicas especiais; caminhoneiros; motoristas e cobradores de transporte coletivo; e trabalhadores portuários. 

Também fazem parte do rol de prioridade os povos indígenas; adolescentes e jovens de 12 a 21 anos sob medidas socioeducativas; população privada de liberdade; funcionários do sistema prisional; pessoas com deficiência; professores de escolas públicas e privadas; crianças de 6 meses a menores de 6 anos; gestantes; puérperas (pós-parto até 45 dias) e pessoas de 55 a 59 anos de idade.
 

Copiar o texto
24/06/2020 12:00h

Campanha vai até a próxima terça-feira (30). Gestantes, crianças de até 5 anos e puérperas ainda estão longe da cobertura vacinal recomendada

Baixar áudio

A uma semana do fim da Campanha Nacional de Vacinação contra a Gripe, 20,8 milhões de pessoas que fazem parte do público-alvo ainda precisam se vacinar. Até agora, 84% do público visado pelo Ministério da Saúde já recebeu a vacina - são 58 milhões de pessoas. A meta é atingir 90% de cobertura vacinal.

Entre idosos e trabalhadores da área de saúde a vacinação atingiu 100% do público. Mas os grupos que menos se vacinaram foram as gestantes, que tiveram 53% de cobertura vacinal, crianças de até 5 anos de idade, somente 53,2% foram vacinadas, e as puérperas, que atingiram 63,8%.

A vacinação contra a influenza é importante para reduzir o número de casos graves e de mortes pela gripe. A imunização é ainda mais importante neste momento porque ajuda a diminuir a procura por hospitais, que vão poder focar seus esforços no atendimento de pacientes da covid-19. A campanha de vacinação vai até a próxima terça-feira, dia 30 de junho. 

Copiar o texto
Saúde
16/06/2020 09:25h

De acordo com o Ministério da Saúde, apenas 25,7% do público-alvo da etapa se imunizaram contra o Influenza

Baixar áudio

A baixa adesão do público-alvo da terceira e última fase da Campanha Nacional de Vacinação contra a Gripe motivou o Ministério da Saúde a adiar a ação até o dia 30 de junho. Integram essa fase pessoas com deficiência, crianças de 6 meses a menores de 6 anos, gestantes, puérperas, professores e pessoas de 55 a 59 anos de idade.

A Secretaria Estadual de Saúde de São Paulo foi além e incluiu no grupo de contemplados nesta etapa da campanha colaboradores dos Correios,  Metrô e da Companhia Paulista de Trens Metropolitanos (CPTM) e também funcionários da limpeza urbana e pessoas em situação de rua.

A terceira fase da Campanha Nacional de Vacinação contra a Gripe terminaria em 5 de junho, mas, segundo o  Ministério da Saúde, apenas  25,7% dos contemplados nessa fase se imunizaram contra o Influenza, o que motivou a pasta a adiar o fim da campanha.

Copiar o texto
Saúde
12/06/2020 10:13h

Constatação é do Ministério da Saúde, que observou procura menor por vacinas nos postos de saúde por conta do novo coronavírus

Baixar áudio

Mesmo durante o período de isolamento social, é importante manter a caderneta de vacinação atualizada. O alerta é do Ministério da Saúde, que afirma ter havido queda na cobertura vacinal nesse período, já que muitas famílias estão com receio de ir até um posto de saúde durante a pandemia. 

Segundo a pasta, a procura pelas vacinas disponíveis no Sistema Único de Saúde (SUS) tem sido “preocupante”. 

O Brasil possui o maior programa público de imunização do mundo, com a distribuição de mais de 300 milhões de doses de imunobiológicos por ano. O Programa Nacional de Imunização (PNI) conta com 37 mil postos públicos de vacinação de rotina em todo o País. 

O Ministério estendeu a Campanha Nacional de Vacinação contra a Gripe até 30 de junho. O público-alvo da campanha são idosos com 60 anos ou mais de idade, trabalhadores da saúde, membros das forças de segurança e salvamento, pessoas com doenças crônicas ou condições clínicas especiais, caminhoneiros, motoristas e cobradores de transporte coletivo, trabalhadores portuários, povos indígenas, adolescentes e jovens de doze a 21 anos sob medidas socioeducativas, população privada de liberdade, funcionários do sistema prisional, pessoas com deficiência, professores de escolas públicas e privadas, crianças de seis meses a menores de seis anos, gestantes, puérperas (pós-parto até 45 dias) e pessoas de 55 a 59 anos de idade. 

As pessoas que fazem parte dos grupos contemplados para a vacinação e, que por algum motivo perderam a oportunidade de receber a vacina nas fases anteriores, precisam comparecer aos postos de vacinação para receber a dose.

Copiar o texto
Saúde
02/06/2020 20:00h

Decisão foi motivada devido ao baixo comparecimento do grupo prioritário para essa etapa

Baixar áudio

Devido ao baixo comparecimento do público-alvo, o Ministério da Saúde decidiu prorrogar, para 30 de junho, a terceira e última fase da Campanha Nacional  de Vacinação contra a Gripe o. Essa etapa foi dividida  em duas fases e, neste momento, podem se vacinar professores de escolas públicas e privadas,  e adultos de 55 a 59 anos de idade. 

A terceira fase da campanha terminaria na próxima sexta-feira (5), mas segundo o Ministério da Saúde foram vacinadas menos de  26% das mais de 36 milhões de pessoas estimadas.De acordo com a pasta, a meta é vacinar 90% de todos os grupos prioritários. 

A vacina contra o Influenza pode auxiliar profissionais de saúde a excluir o diagnóstico de Covid-19, pois ambas doenças possuem sintomas semelhantes. O Ministério da Saúde afirma que distribuiu quase 75 milhões de vacinas contra a gripe na terceira fase da campanha. No total, a pasta investiu mais de R$ 1 bilhão nas três fases da campanha. 

Copiar o texto
Saúde
29/05/2020 04:30h

A Campanha Nacional de Vacinação contra a Gripe se encerra no dia 5 de junho.

Baixar áudio

A Campanha Nacional de Vacinação contra a Gripe se encerra no dia 5 de junho. Isso significa que todas as pessoas que precisam tomar a vacina para se proteger contra o Influenza, e ainda não se imunizaram, devem comparecer a um posto de saúde. Até agora, pouco mais 63% da população foi vacinada; faltando ainda cerca de 29 milhões de pessoas, de acordo com dados do Ministério da Saúde. 

Apesar dessa fase da campanha ter o público prioritário formado por professores das escolas públicas e privadas, e adultos de 55 a 59 anos, a oportunidade está aberta a todos.  É o que afirma a coordenadora geral do Programa Nacional de Imunizações do Ministério da Saúde, Francieli Fontana. “Essa divisão levou em consideração e também a capacidade do laboratório parceiro na entrega do quantitativo necessário das vacinas dentro do prazo previsto. Mas todas as pessoas que estiverem contempladas em qualquer uma das etapas da campanha, e que não tiveram a oportunidade de se vacinar, podem procurar um serviço de vacinação da campanha até o dia 5 de junho”, explicou.

Neste momento, em que o mundo vive uma pandemia por conta do novo coronavírus, a vacina contra o Influenza é importante para ajudar no diagnóstico da Covid-19, pois é uma forma de diferenciar mais rapidamente uma doença da outra, apesar de não ser uma vacina que protege contra o coronavírus.

Essa vacina ajuda a evitar que as pessoas com maior facilidade de ter casos graves por causa da gripe, precisam ser internadas ou mesmo que ocorra morte, como explica a coordenadora geral do Programa Nacional de Imunizações do Ministério da Saúde, Francieli Fontana. “A vacinação contra o Influenza é muito importante para reduzir complicações, internações e, também, óbitos decorrentes das infecções pelo vírus da gripe", afirmou.

Segundo ela, "todos os serviços de vacinação do país estão orientados a fazer a vacinação do público-alvo de forma segura, conforme orientações que já foram amplamente divulgadas pelo Ministério da Saúde, com o objetivo de evitar aglomerações e prevenir a disseminação da Covid-19”.

O público-alvo da Campanha Nacional de Vacinação contra a Gripe é formado por Idosos com 60 anos ou mais, trabalhadores da saúde, membros das forças de segurança e salvamento, pessoas com doenças crônicas ou condições clínicas especiais, caminhoneiros, motoristas e cobradores de transporte coletivo, trabalhadores portuários, povos indígenas, adolescentes e jovens de 12 a 21 anos sob medidas socioeducativas, população privada de liberdade, funcionários do sistema prisional, pessoas com deficiência, professores de escolas públicas e privadas, crianças de 6 meses a menores de 6 anos, gestantes, puérperas (pós-parto até 45 dias) e pessoas de 55 a 59 anos. Em caso de fila, as pessoas, dos grupos prioritários, devem manter distância de dois metros da outra pessoa. Para mais informações, acesse: saude.gov.br/vacinabrasil.

Copiar o texto
Saúde
21/05/2020 19:29h

Começou nesta segunda-feira (18), a segunda etapa da última fase da Campanha Nacional de Vacinação contra a Gripe, que vai ser realizada até o dia cinco de junho

Baixar áudio

Começou nesta segunda-feira (18), a segunda etapa da última fase da Campanha Nacional de Vacinação contra a Gripe, que vai ser realizada até o dia cinco de junho, quando se encerra sem prorrogação.  

Neste momento em que o mundo vive uma pandemia por conta do novo coronavírus, além de proteger a população contra a gripe, essa vacina é importante para ajudar no diagnóstico da Covid-19, pois é uma forma de diferenciar mais rapidamente uma doença da outra. “A vacina contra a gripe não proteje a pessoa contra o coronavírus”, explica a Coordenadora Geral do Programa Nacional de Imunizações do Ministério da Saúde, Francieli Fontana.

Nesta etapa, os professores de escolas públicas ou particulares e pessoas de 55 a 59 anos são os grupos prioritários para receber a dose da vacina. O Ministério da Saúde tem como objetivo proteger 90% do público-alvo.
 
Este Ministério convoca as pessoas que fazem parte dos grupos contemplados para a vacinação, e que por algum motivo perderam a oportunidade de receber a vacina nas fases anteriores, a comparecerem em uma unidade de saúde para receber a dose da vacina. E reforça que é preciso proteger contra a gripe os grupos mais vulneráveis, para que esses não tenham prejuízos maiores em sua saúde.  “Todas as pessoas que estiverem elencadas em qualquer uma das fases da campanha, e que não tiveram ainda a oportunidade de se vacinar, podem procurar um serviço de vacinação da campanha até o dia 5 de junho”, afirma Francieli Fontana. 

De acordo com o Sistema de Informações do Programa Nacional de Imunizações do Ministério da Saúde, até o momento, pouco mais de 43.135.846 de doses da vacina foram administradas, o que representa aproximadamente 46% da população total que precisa ser protegida. Mais de 74,9 milhões de doses da vacina já foram distribuídas aos estados para garantir a vacinação dessa população e, no total, o Ministério da Saúde investiu R$ 1,1 bilhão na aquisição de 79 milhões de doses da vacina para todas as fases da campanha. 

Cada município é responsável por organizar as estratégias de vacinação para alcançar a meta de proteção do público-alvo, mas neste momento o Ministério da Saúde recomenda que essas estratégias sejam realizadas tendo em vista as recomendações de prevenção à disseminação da Covid-19, afim de evitar aglomerações. Da mesma forma, a Coordenadora Geral do Programa Nacional de Imunizações do Ministério da Saúde, Francieli Fontana destaca: “É importante manter o acesso da população de forma fácil à vacinação contra influenza.”
 
O público-alvo da Campanha Nacional de Vacinação contra a Gripe é formado por Idosos com 60 anos ou mais de idade, trabalhadores da saúde, membros das forças de segurança e salvamento, pessoas com doenças crônicas ou condições clínicas especiais, caminhoneiros, motoristas e cobradores de transporte coletivo, trabalhadores portuários, povos indígenas, adolescentes e jovens de 12 a 21 anos sob medidas socioeducativas, população privada de liberdade, funcionários do sistema prisional, pessoas com deficiência, professores de escolas públicas e privadas, crianças de 6 meses a menores de 6 anos, gestantes, puérperas (pós-parto até 45 dias) e pessoas de 55 a 59 anos de idade.
 
Os sintomas da gripe são: febre, tosse ou dor na garganta, podendo ocorrer também, dor de cabeça, dor muscular e nas articulações. Na forma grave, a gripe causa falta de ar, febre por mais de três dias, dor muscular intensa e prostração. A transmissão do vírus da gripe ocorre por meio do contato com secreções das vias respiratórias, de uma pessoa contaminada ao falar, tossir ou espirrar. “A vacina contra essa doença ajuda a reduzir as complicações graves da gripe, como pneumonia, internações e morte pelo vírus da influenza”, alerta a Coordenadora do PNI, Francieli Fontana. 
 
Em caso de fila, as pessoas dos grupos prioritários, devem manter distância de dois metros da outra pessoa. Para mais informações, acesse: saude.gov.br/vacinabrasil.
 

Copiar o texto
Saúde
19/05/2020 18:01h

No dia 11 de maio teve início da terceira fase da Campanha Nacional de Vacinação contra a Gripe, que será dividida em duas etapas.

Baixar áudio

No dia 11 de maio teve início da terceira fase da Campanha Nacional de Vacinação contra a Gripe, que será dividida em duas etapas. Na primeira, o público-alvo são crianças de 6 meses a menores de 6 anos, grávidas, mães no pós-parto até 45 dias e pessoas com deficiência. Essa etapa vai ser realizada até o dia 17 de maio. Já a segunda começa a partir do dia 18 de maio e vai até 5 de junho e inclui os professores de escolas públicas e privadas e pessoas de 55 a 59 anos. De acordo com a Coordenadora Geral do Programa Nacional de Imunizações do Ministério da Saúde, Francieli Fontana, essa vacinação é a melhor forma de impedir que a população fique doente e tenha complicação. 

“A vacinação contra Influenza é considerada uma das principais medidas de combate à doença e, também, das suas complicações. Essa vacina que nós estamos disponibilizando, oferece imunidade às três cepas prevalentes que circulam em qualquer estação. Tanto no inverno, no verão e assim por diante. A melhor maneira de reduzir a chance de adquirir Influenza e espalhar para outras pessoas é a vacinação.”  

A estimativa é de que mais de 36 milhões de pessoas precisem tomar a vacina nessa fase da campanha e, para proteger a população, existe um número mínimo a ser vacinado, como explica Francieli Fontana.

“O Ministério da Saúde trabalha com um indicador de cobertura vacinal. Temos uma meta de vacinação em todos os municípios. Para que a população esteja protegida, a meta do Ministério da Saúde é vacinar, pelo menos, 90% de cada um dos grupos prioritários.”   

Toda semana, o Ministério da Saúde envia novos lotes da vacina aos estados, conforme é feita a entrega do Instituto Butantan. A partir disso, os estados ficam responsáveis por fazer a distribuição aos municípios. Para isso, o Ministério da Saúde investiu R$ 1,1 bilhão na aquisição de 79 milhões de doses da vacina para todo o período da campanha. 

Em caso de fila, as pessoas, dos grupos prioritários, devem manter distância de dois metros da outra pessoa. Para mais informações, acesse: saude.gov.br/vacinabrasil.
 

Copiar o texto

Acesse nossos conteúdos de rádio