Bahia

Saúde
19/01/2022 20:00h

Apoio financeiro será direcionado a ações de atenção primária nos 155 municípios que decretaram situação de emergência ou estado de calamidade pública

Baixar áudio

Mais de 30 mil pessoas ficaram desabrigadas em decorrência das chuvas na Bahia e o Governo Federal, por meio do Ministério da Saúde, destinou mais um apoio financeiro ao estado. O ministro da pasta, Marcelo Queiroga, assinou nesta quarta-feira (19) portaria que antecipa o repasse de R$ 104,6 milhões para a Atenção Primária – porta de entrada do Sistema Único de Saúde (SUS) – dos 155 municípios que decretaram estado de calamidade pública.

Além do apoio financeiro, que ocorre desde o início das enchentes nos municípios baianos, o ministro anunciou que 182 novos profissionais vinculados ao Projeto Mais Médicos para o Brasil iniciaram suas atividades no estado. Outra medida que possibilitou a ampliação do número de médicos nas cidades atingidas foi a publicação da Nota Técnica nº 171/2021, que permitiu o remanejamento dos profissionais bolsistas de outros municípios do estado.

Segundo o ministro da Saúde, após as enchentes de grandes proporções na Bahia, não faltou ação do Governo Federal e o enfrentamento à calamidade foi iniciado rapidamente, atendendo às necessidades das pessoas que sofreram com o desastre. Queiroga ressaltou que o trabalho seguirá, uma vez que as consequências nos municípios atingidos são graves. “Temos de dar assistência àqueles que precisam e depois temos de reconstruir o que foi destruído pelas chuvas, as estradas, as casas de cada um dos nossos irmãos brasileiros que ficaram desalojados, que ficaram desabrigados”, aponta.

Queiroga lembrou que por meio de portarias do Ministério da Saúde já foram alocados mais de R$ 20 milhões para o combate à calamidade na Bahia, além de kits para desastre, com vacinas para Influenza e materiais de tratamento de água. O ministro destaca que esteve no estado para reforçar, junto aos médicos, a importância da Atenção Primária.

“Passada a emergência da chuva, das enchentes, nós precisamos cuidar das pessoas que estão ali. O Ministério da Saúde não pode ser um problema. O Ministério da saúde é, sim, a solução para os problemas. Basta que haja uma gestão comprometida com os princípios do Sistema Único de Saúde”, salientou o ministro.

1500 médicos

O Ministério da Saúde permitiu, ainda, que os profissionais do Mais Médicos intercalam  a atuação na Unidade Básica de Saúde com plantões na rede assistencial do SUS durante o período de emergência na Bahia. Houve também suspensão temporária dos recessos dos profissionais pelo período de 30 dias. Atualmente, 1.497 profissionais estão atuando na Bahia.

O número de médicos deve aumentar ao longo de 2022 com o 1º edital do Programa Médicos pelo Brasil, que está com inscrições abertas até dia 6 de fevereiro. Confirmaram adesão 201 municípios, o que representa 624 vagas que poderão ser ocupadas por médicos selecionados pela Agência de Desenvolvimento da Atenção Primária (Adaps), responsável pela execução do programa.

Calamidade

Segundo dados da Superintendência de Proteção e Defesa Civil da Bahia (Sudec), atualizados junto às prefeituras no último domingo (16), são mais de 30 mil desabrigados nos municípios baianos afetados pelas fortes chuvas e, ainda, cerca de 62 mil desalojados. Até o momento, já foram registrados 27 mortos e 523 feridos, com um total de 965 mil pessoas atingidas de alguma forma pela calamidade pública no estado.

Recursos

Segundo o Ministério da Saúde, o cálculo do repasse aos municípios foi feito com base nos dados de dezembro enviados ao Sistema de Informação da Atenção Básica (Sisab). Os gestores dos 155 municípios precisam estar atentos, pois a transferência excepcional será deduzida das parcelas a serem transferidas no último quadrimestre do exercício financeiro de 2022. A gestão poderá manifestar interesse pelos percentuais de dedução mensal mediante formalização de ofício, que deverá ser encaminhado para o e-mail: aps@saude.gov.br, após término da situação de emergência ou estado de calamidade pública decorrente de desastres.

*A lista com os 155 municípios beneficiados será divulgada junto à portaria, que ainda aguarda publicação no Diário Oficial da União

Copiar o texto
19/01/2022 18:42h

Reconhecimentos federais ocorreram no Rio Grande do Sul, São Paulo, Maranhão, Rondônia, Piauí e Bahia e tiveram como causa estiagem, chuvas intensas ou inundações

Baixar áudio

O Governo Federal, por meio do Ministério do Desenvolvimento Regional (MDR), reconheceu, nesta quarta-feira (19), a situação de emergência em 14 cidades do País afetadas pela estiagem ou por fortes chuvas. As portarias com os reconhecimentos foram publicadas no Diário Oficial da União (DOU). Confira.  

No Rio Grande do Sul, oito municípios sofrem com a estiagem. São eles: Agudo, Anta Gorda, Esperança do Sul, Ibirapuitã, Pouso Novo, Santo Expedito do Sul, São Valério do Sul e Venâncio Aires.

Já no Maranhão, a cidade de Imperatriz teve a situação de emergência reconhecida por causa das inundações e, em Novorizonte, o problema são as fortes chuvas. O mesmo ocorre em Governador Jorge Teixeira, em Rondônia, e em Barretos, no estado de São Paulo. Teresina, no Piauí, e Ibiassucê, na Bahia, também obtiveram o reconhecimento federal em razão dos alagamentos.

Como solicitar recursos do MDR

Após a concessão do status de situação de emergência pela Defesa Civil Nacional, os municípios atingidos por desastres naturais podem solicitar recursos do MDR para atendimento à população afetada. As ações envolvem restabelecimento de serviços essenciais e reconstrução de equipamentos de infraestrutura danificados pelo desastre.

A solicitação deve ser feita por meio do Sistema Integrado de Informações sobre Desastres (S2iD). Com base nas informações enviadas, a equipe técnica da Defesa Civil Nacional avalia as metas e os valores solicitados. Com a aprovação, é publicada portaria no DOU com a especificação do montante a ser liberado.

Chuvas intensas pelo País

Confira neste link as ações da Defesa Civil Nacional para apoiar os municípios brasileiros afetados pelas fortes chuvas. 
 

Copiar o texto
18/01/2022 17:07h

Até o momento, o Ministério do Desenvolvimento Regional (MDR) já garantiu aproximadamente R$ 140 milhões para o estado

Baixar áudio

O Governo Federal, por meio do Ministério do Desenvolvimento Regional (MDR), repassou, nesta terça-feira (18), R$ 1,6 milhão a quatro cidades da Bahia atingidas pelas fortes chuvas. As portarias com os repasses foram publicadas no Diário Oficial da União (DOU).

O maior recurso, de R$ 861 mil, foi destinado à cidade de Cotegipe. O valor será usado para a compra de cestas básicas, kits de limpeza, galões de água, dormitórios e colchões.

Para Ubatã, foram repassados R$ 347 mil para a aquisição de cestas básicas e kits de higiene pessoal e de limpeza.

Já para a cidade de Floresta Azul, R$ 275 mil serão destinados à compra dos mesmos itens e, também, de dormitórios e colchões. E, com a mesma finalidade, o município de Ibirapitanga recebeu R$ 178 mil do Governo Federal.

Até o momento, o Ministério do Desenvolvimento Regional (MDR) já garantiu aproximadamente R$ 140 milhões para o estado. Os recursos aprovados são para socorro e assistência humanitária, restabelecimento de serviços essenciais e recuperação de infraestrutura danificada. A Bahia está, atualmente, com 149 municípios com situação de emergência reconhecida.

Confira neste link as ações da Defesa Civil Nacional para apoiar os municípios brasileiros afetados pelas fortes chuvas.

Copiar o texto
14/01/2022 19:30h

A utilização do recurso pelo ente público local deve ser feita exclusivamente para a execução de resposta ao desastre natural

Baixar áudio

A cidade de Medeiros Neto, na Bahia, terá R$ 120 mil para executar ações de resposta às chuvas intensas que castigam o município. O repasse foi autorizado pelo Ministério do Desenvolvimento Regional, o MDR, nesta sexta-feira (14). 

A utilização do recurso deve ser feita exclusivamente para recuperação de guarda-corpo, corrimão e calçada de ponte danificados. A previsão é de 2 mil pessoas beneficiadas com as intervenções. 

O coronel Alexandre Lucas, secretário Nacional de Proteção e Defesa Civil, explica como, no geral, os recursos autorizados podem ser usados pelas cidades.

"Os recursos da Defesa Civil Nacional podem ser empregados de três formas: socorro da população afetada, restabelecimento de serviços essenciais e recuperação de infraestruturas danificadas pelo desastre".

Ainda nesta sexta, o MDR reconheceu a situação de emergência na cidade de Ilhéus. O município também foi atingido por fortes chuvas e, a partir do reconhecimento federal, está apto a solicitar recursos do Orçamento Geral da União para ações de resposta. 

Mais repasses

Na última quinta-feira (12), o MDR já havia autorizado repasses de recursos para outras quatro cidades baianas afetadas por chuvas intensas, no valor de R$ 413 mil. 

O maior montante, de R$ 126,6 mil, foi destinado ao município de Belo Campo para a compra de cestas de alimentos, gasolina e kits pessoais. Os recursos vão beneficiar 1,7 mil pessoas. O restante dos recursos são para a limpeza urbana das cidades de Jiquiriçá (R$ 123,7 mil), Dário Meira (R$ 100,9 mil) e Cocos (R$ 61,8 mil).

Até o momento, o Governo Federal garantiu recursos de aproximadamente R$ 140 milhões para o estado da Bahia, um dos mais atingidos pelas fortes chuvas desde novembro do ano passado.

Apoio

Com o reconhecimento federal de situação de emergência, os municípios atingidos por desastres naturais podem solicitar recursos do MDR para atendimento à população afetada, restabelecimento de serviços essenciais e reconstrução de infraestruturas públicas danificadas pelas desastre.

A solicitação deve ser feita por meio do Sistema Integrado de Informações sobre Desastres (S2iD). Com base nas informações enviadas, a equipe técnica da Defesa Civil Nacional avalia as metas e os valores solicitados. Com a aprovação, é publicada Portaria no DOU com a especificação do montante a ser liberado.

Ações da Defesa Civil Nacional para apoiar as cidades baianas

Copiar o texto
14/01/2022 16:40h

O resultado manteve o estado na terceira posição dentre os maiores arrecadadores de CFEM, atrás apenas de Pará e Minas Gerais

Segundo dados da Agência Nacional de Mineração (ANM), a Bahia registrou R$ 175 milhões com arrecadação da CFEM em 2021, um aumento de 86% sobre os R$ 94 milhões obtidos no ano anterior. O resultado manteve o estado na terceira posição dentre os maiores arrecadadores de CFEM, atrás apenas de Pará e Minas Gerais.

O crescimento é explicado pelo aumento na produção de minérios como cobre, ouro, níquel, ferro e cromo - os cinco maiores arrecadadores em 2021, que somados representam mais de 80% de tudo que foi arrecadado no ano. O destaque ficou para o minério de ferro com uma alta de mais de 2.600% em suas operações, impulsionado pelo início e aumento de produção de grandes empresas no mercado baiano, como a Bamin e a Tombador Iron, que, junto com a Brazil Iron, aumentaram a produção do minério de ferro na Bahia.

Apesar do aumento do minério de ferro, o cobre foi responsável pela maior arrecadação de 2021. O minério, que em 2020 ocupava a segunda colocação, registrou um aumento de mais de 100% em suas operações. Os números são resultados de uma preocupação e extenso investimentos em pesquisa realizados nos últimos anos. "Foram investidos mais de US$ 20 milhões anuais em pesquisa geológica desde os processos indiretos até os processos diretos de avaliação de potenciais minerais. Como resultado desse trabalho, temos uma expansão e crescimento da produção de concentrado de cobre com sucessivos recordes de produção, quando chegamos a marca de mais de 45 mil toneladas de cobre e uma vida útil projetada para 15 anos", explica Manoel Valério, Diretor de Operações da Mineração Caraíba, produtora do minério no estado. 

O níquel registrou crescimento de mais de 180%, em relação a 2020. Produzido em Itagibá, pela Atlantic Nickel, a empresa ultrapassou a marca de 110 mil toneladas de minério comercializadas ano passado. Outro minério que integra a lista é o ouro. A substância garantiu a segunda posição, como produto com maior arrecadação de CFEM do estado, com mais de R$ 34 milhões recolhidos, e um crescimento de mais de 10%, no valor das operações em 2021. Já o cromo teve um papel fundamental para o crescimento da mineração baiana. Quinto colocado na lista de maiores arrecadadores da ANM, o minério teve um aumento de mais de 75%, em suas operações no ano de 2021. 

Mesmo com o TOP 5 gerando resultados robustos para a Bahia, o estado tem outros minérios, como o urânio de Caetité, que teve um aumento em suas operações em mais de 400%. Outro destaque ficou por conta da Pedra de São Tomé – utilizada na construção civil -.  Sexto colocado na lista de maiores arrecadadores, o item registrou um crescimento de mais de 83% nas operações e garantiu a liderança da Bahia em sua produção. "Hoje temos mais de 43 minérios diferentes e somos líderes nacionais na produção de 19 substâncias. Somos grandes produtores de água mineral e possuímos a segunda maior reserva de gemas do país”, diz o presidente da CBPM, Antônio Carlos Tramm. A Bahia produz ainda talco, o que só reforça a importância da mineração para a economia do estado. Para Tramm, em 2022, o estado deve alcançar resultados ainda melhores e conquistar mais investimentos em pesquisa, tecnologia e uma logística mais eficiente e sustentável para o escoamento da produção.

A CBPM desenvolveu um infográfico interativo que analisa uma base de dados com mais de 1,2 milhões de declarações de CFEM, cedida pela Agência Nacional de Mineração (ANM), para mostrar o que é produzido em bens minerais em cada um dos municípios baianos, desde 2017 até hoje. A ferramenta possibilita ver com facilidade que a mineração está presente em 228 municípios baianos e onde a Bahia lidera na produção de 19 minerais. Maiores informações no www.cbpm.ba.gov.br.

Copiar o texto
10/01/2022 20:12h

Recursos serão utilizados para ações de resposta aos prejuízos causados pelas chuvas que ocorrem desde novembro no estado

Baixar áudio

O Governo Federal, por meio do Ministério do Desenvolvimento Regional (MDR), autorizou o repasse de R$ 9,5 milhões para mais 12 cidades da Bahia que sofrem com os impactos das chuvas que atingem o estado desde novembro. Os recursos serão utilizados em ações de resposta aos desastres naturais e serão destinados à aquisição de cestas de alimentos, água mineral, kits de higiene, limpeza, dormitório e colchões. Algumas cidades vão receber, ainda, verba para combustível.

A maior parte dos recursos (R$ 1,6 milhão) será destinada a Vitória da Conquista, onde mais de 22 mil pessoas serão atendidas.

Em Ubaíra, R$ 1,5 milhão será utilizado para a aquisição de cestas básicas, colchões, kits de limpeza e higiene pessoal, além de R$ 191 mil para a aquisição de combustível. Ao todo, 12,7 mil pessoas serão beneficiadas.

Ibicaraí vai receber R$ 1,3 milhão e a cidade de Wenceslau Guimarães terá R$ 1 milhão para atender a sua população. O montante repassado pelo Governo Federal será destinado à aquisição de cestas de alimentos, kits de limpeza e higiene, dormitório, colchões e combustível. O município de Conceição do Almeida receberá o mesmo valor para atender mais de 6 mil pessoas.

Em Cravolândia, serão R$ 283,1 mil destinados à compra de cestas de alimentos, kits de limpeza e higiene e água mineral, em atendimento a 3,5 mil habitantes. Já em Itacaré, cerca de 4 mil pessoas serão atendidas pelas ações da Defesa Civil. A cidade vai receber R$ 780,4 mil.

Os municípios de Aurelino Leal e Ibicuí vão receber R$ 527,3 mil para a aquisição de alimentos, kits dormitório, de higiene e limpeza.

Outros serviços

No município de Itambé serão cerca de R$ 150 mil para custear os serviços de limpeza emergencial das áreas urbanas, além da desobstrução das principais vias de acesso ao município.

As cidades de Laje, Conceição do Almeida e Brejões terão o repasse de R$ 891 mil cada uma. Os recursos serão empregados na limpeza das zonas urbanas e rurais. Brejões também receberá recursos para a aquisição de outros itens de assistência humanitária.
 

Copiar o texto
10/01/2022 19:59h

Municípios da Bahia, Maranhão, Mato Grosso, Rio Grande do Norte, Rio Grande do Sul e Santa Catarina foram atingidos por estiagem, alagamentos, chuvas intensas e granizo

Baixar áudio

O Governo Federal, por meio do Ministério do Desenvolvimento Regional (MDR), reconheceu a situação de emergência em dez cidades da Bahia, Maranhão, Mato Grosso, Rio Grande do Norte, Rio Grande do Sul e Santa Catarina afetadas por desastres naturais. A Portaria que concede o status foi publicada na edição desta segunda-feira (10) do Diário Oficial da União.

A maior parte dos reconhecimentos foi concedida por conta da estiagem, que atinge Nova Cruz (RN), Novo Tiradentes (RS), Pinhal (RS) e Soledade (RS).

Na Bahia, o município de Paratinga registrou alagamentos. Também no estado baiano, Caravelas registrou chuvas intensas, assim como Barra do Corda (MA) e Santa Terezinha (MT). Por fim, duas cidades de Santa Catarina foram atingidas por granizo: Catanduvas (SC) e Timbó Grande (SC).

Apoio

Com o reconhecimento federal de situação de emergência, os municípios atingidos por desastres naturais podem solicitar recursos do MDR para atendimento à população afetada, restabelecimento de serviços essenciais e reconstrução de infraestruturas públicas danificadas pelas desastre.

A solicitação deve ser feita por meio do Sistema Integrado de Informações sobre Desastres (S2iD). Com base nas informações enviadas, a equipe técnica da Defesa Civil Nacional avalia as metas e os valores solicitados. Com a aprovação, é publicada Portaria no DOU com a especificação do montante a ser liberado.
 

Copiar o texto
05/01/2022 18:15h

Com a medida, já chega a 142 o número de municípios com o reconhecimento federal, necessário para que os municípios possam solicitar recursos do MDR para atendimento à população afetada

Baixar áudio

O Ministério do Desenvolvimento Regional (MDR) reconheceu, nesta quarta-feira (5), a situação de emergência em mais 12 municípios da Bahia atingidos por chuvas intensas. Agora, já são 142 municípios com essa condição no estado. A Portaria dos reconhecimentos foi publicada no Diário Oficial da União (DOU).

A medida foi tomada por procedimento sumário, que ocorre em casos de desastres de grandes proporções e com base apenas no requerimento e no decreto de emergência ou de calamidade do estado ou do município. O objetivo é acelerar as ações federais de resposta.

Com a nova portaria, as cidades beneficiadas são: Amélia Rodrigues, Andaraí, Cândido Sales, Cocos, Iaçu, Ibicoara, Iramaia, Nova Itarana, Novo Horizonte, Palmas de Monte Alto, Riacho de Santana e Tremedal.

O Governo Federal já garantiu o repasse de R$ 130 milhões para o estado da Bahia e ainda prevê outras liberações nos próximos dias.

Situação de emergência

Com o reconhecimento federal, os municípios atingidos por desastres naturais podem solicitar recursos do MDR para atendimento à população afetada, restabelecimento de serviços essenciais e reconstrução de equipamentos de infraestrutura danificados pelo desastre.

A solicitação deve ser feita por meio do Sistema Integrado de Informações sobre Desastres (S2iD). Com base nas informações enviadas, a equipe técnica da Defesa Civil Nacional avalia as metas e os valores solicitados. Com a aprovação, é publicada Portaria no Diário Oficial da União com a especificação do montante a ser liberado.

Até o momento, a atuação da Defesa Civil Nacional na Bahia inclui as seguintes ações:

  • Reconhecimento de situação de emergência em 142 municípios; O reconhecimento da situação de emergência é necessário para que o município possa solicitar recursos do MDR;
  • Garantia de liberação de repasse de R$ 130 milhões para 62 municípios;
  • Mobilização de equipes do Grupo de Apoio a Desastres (GADE);
  • Instalação de postos de comando em Itamaraju e em Eunápolis nas primeiras ocorrências e, recentemente, em Ilhéus;
  • Articulação com os órgãos do Sistema Nacional de Proteção e Defesa Civil (Sinpdec) visando o atendimento imediato à população afetada;
  • Articulação com Defesas Civis municipais e estadual;
  • Acionamento da Marinha, do Exército e da Aeronáutica para apoio com aeronaves;
  • Mobilização de uma operação conjunta para atender a região atingida com participação da Polícia Militar, do Corpo de Bombeiros Militar, da Polícia Rodoviária Federal, da Casa Civil, do Departamento Nacional de Infraestrutura e Transporte (DNIT), das agências brasileiras de Inteligência (Abin) e de Cooperação (ABC), da Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel), do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama), da Pátria Voluntária e dos ministérios da Defesa, da Saúde, da Cidadania e das Comunicações;
  • Reuniões diárias com agências federais para definir as ações conjuntas de apoio aos municípios, além de previsões meteorológicas e produção de relatórios e formulários diários com informações atualizadas sobre a operação.

Confira a lista das cidades que já contam com reconhecimento federal de situação de emergência

1. Alcobaça
2. Amargosa
3. Anagé
4. Angical
5. Apuarema
6. Arataca
7. Aurelino Leal
8. Amélia Rodrigues
9. Andaraí
10. Baixa Grande
11. Barra do Choça
12. Barra do Rocha
13. Belmonte
14. Belo Campo
15. Boa Vista do Tupim
16. Brejões
17. Brejolândia
18. Buerarema
19. Caatiba
20. Cachoeira
21. Caetanos
22. Camacan
23. Camamu
24. Canavieiras
25. Caturama
26. Caravelas
27. Coaraci
28. Conceição do Almeida
29. Cotegipe
30. Cravolândia
31. Cândido Sales
32. Cocos
33. Dário Meira
34. Dom Basílio
35. Encruzilhada
36. Esplanada
37. Eunápolis
38. Feira de Santana
39. Firmino Alves
40. Floresta Azul
41. Gandu
42. Gongogi
43. Governador Mangabeira
44. Guaratinga
45. Ibicaraí
46. Ibicuí
47. Ibipeba
48. Ibirapitanga
49. Ibirapuã
50. Ibirataia
51. Ibitiara
52. Igrapiúna
53. Iguaí
54. Ilhéus
55. Ipiaú
56. Itabela
57. Itaberaba
58. Itabuna
59. Itacaré
60. Itaeté
61. Itagi
62. Itagimirim
63. Itaju do Colônia
64. Itajuípe
65. Itamaraju
66. Itambé
67. Itanhém
68. Itapé
69. Itapebi
70. Itapetinga
71. Itapitanga
72. Itaquara
73. Itarantim
74. Itororó
75. Ituberá
76. Iaçu
77. Ibicoara
78. Iramaia
79. Jaguaquara
80. Jequié
81. Jiquiriçá
82. Jitaúna
83. Jucuruçu
84. Jussari
85. Jussiape
86. Lafaiete Coutinho
87. Laje
88. Lajedão
89. Livramento de Nossa Senhora
90. Macarani
91. Manoel Vitorino
92. Marcionílio Souza
93. Mascote
94. Mutuípe
95. Medeiros Neto
96. Milagres
97. Mucugê
98. Mucuri
99. Mundo Novo
100. Nazaré
101. Nilo Peçanha
102. Nova Canaã
103. Nova Viçosa
104. Nova Itarana
105. Novo Horizonte
106. Pau Brasil
107. Piraí do Norte
108. Poções
109. Porto Seguro
110. Potiraguá
111. Prado
112. Presidente Jânio Quadros
113. Presidente Tancredo Neves
114. Palmas de Monte Alto
115. Ribeira do Pombal
116. Ribeirão do Largo
117. Rio de Contas
118. Ruy Barbosa
119. Riacho de Santana
120. Santa Cruz Cabrália
121. Santa Cruz da Vitória
122. Santa Inês
123. Santa Maria da Vitória
124. Santanópolis
125. São Félix
126. Sapeaçu
127. Serra Dourada
128. Tabocas do Brejo Velho
129. Tanhaçu
130. Taperoá
131. Teixeira de Freitas
132. Teolândia
133. Tremedal
134. Ubaíra
135. Ubaitaba
136. Ubatã
137. Uruçuca
138. Valença
139. Vereda
140. Vitória da Conquista
141. Wanderley
142. Wenceslau Guimarães

Veja a lista dos municípios baianos que já tiveram os repasses garantidos

1. Amargosa
2. Apuarema
3. Arataca
4. Baixa Grande
5. Belmonte
6. Boa vista do Tupim
7. Brejões
8. Camacan
9. Canavieiras
10. Coaraci
11. Conceição do Almeida
12. Dário Meira
13. Encruzilhada
14. Eunápolis
15. Gandu
16. Gongogi
17. Guaratinga
18. Ibicuí
19. Itamaraju
20. Ilhéus
21. Itambé
22. Itapé
23. Itagimirim
24. Itacaré
25. Itarantim
26. Itapitanga
27. Itabuna
28. Ibicaraí
29. Iguaí
30. Itabela
31. Itaberaba
32. Itajuípe
33. Jaguaquara
34. Jiquiriçá
35. Jucuruçu
36. Jequié
37. Jussiape
38. Jitaúna
39. Laje
40. Macarani
41. Milagres
42. Maragogipe
43. Mascote
44. Medeiros Neto
45. Mutuípe
46. Nova Viçosa
47. Nilo Peçanha
48. Poções
49. Porto Seguro
50. Prado
51. Ruy Barbosa
52. Ribeira do Pombal
53. Santa Inês
54. Santa Cruz da Vitória
55. Teixeira de Freitas
56. Tanhaçu
57. Teolândia
58. Uruçuca
59. Ubatã
60. Ubaíra
61. Ubaitaba
62. Wanderley

Copiar o texto
04/01/2022 18:43h

Até o momento o estado já recebeu R$ 130 milhões

Baixar áudio

O Governo Federal, por meio do Ministério do Desenvolvimento Regional (MDR), autorizou, nesta terça-feira (4), a liberação de mais R$ 4 milhões para dar continuidade às ações de resposta e assistência humanitária nos municípios baianos atingidos por chuvas intensas desde o fim de novembro. As portarias com a liberação dos recursos foram publicadas no Diário Oficial da União (DOU). No total, o Governo Federal já garantiu, até o momento, o repasse de R$ 130 milhões e ainda prevê outras liberações nos próximos dias.

Com as novas portarias, 14 cidades foram beneficiadas. São elas: Laje, Ilhéus, Nilo Peçanha, Tanhaçu, Jussiape, Ubaitaba, Jitaúna, Uruçuca, Teolândia, Ruy Barbosa, Ubatã, Ubaíra, Dário Meira e Gandu. Ao todo, 62 municípios já estão com os repasses garantidos.

Situação de emergência

A Defesa Civil Nacional já reconheceu a situação de emergência em 130 cidades baianas devido às fortes chuvas. Com o reconhecimento federal, os municípios atingidos por desastres naturais podem solicitar recursos do MDR para atendimento à população afetada, restabelecimento de serviços essenciais e reconstrução de equipamentos de infraestrutura danificados pelo desastre.

A solicitação deve ser feita por meio do Sistema Integrado de Informações sobre Desastres (S2iD). Com base nas informações enviadas, a equipe técnica da Defesa Civil Nacional avalia as metas e os valores solicitados. Com a aprovação, é publicada Portaria no Diário Oficial da União com a especificação do montante a ser liberado.

Até o momento, a atuação da Defesa Civil Nacional na Bahia inclui as seguintes ações:

  • Reconhecimento de situação de emergência em 130 municípios; O reconhecimento da situação de emergência é necessário para que o município possa solicitar recursos do MDR;
  • Garantia de liberação de repasse de R$ 130 milhões para 62 municípios;
  • Mobilização de equipes do Grupo de Apoio a Desastres (GADE);
  • Instalação de postos de comando em Itamaraju e em Eunápolis nas primeiras ocorrências e, recentemente, em Ilhéus;
  • Articulação com os órgãos do Sistema Nacional de Proteção e Defesa Civil (Sinpdec) visando o atendimento imediato à população afetada;
  • Articulação com Defesas Civis municipais e estadual;
  • Acionamento da Marinha, do Exército e da Aeronáutica para apoio com aeronaves;
  • Mobilização de uma operação conjunta para atender a região atingida com participação da Polícia Militar, do Corpo de Bombeiros Militar, da Polícia Rodoviária Federal, da Casa Civil, do Departamento Nacional de Infraestrutura e Transporte (DNIT), das agências brasileiras de Inteligência (Abin) e de Cooperação (ABC), da Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel), do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama), da Pátria Voluntária e dos ministérios da Defesa, da Saúde, da Cidadania e das Comunicações;
  • Reuniões diárias com agências federais para definir as ações conjuntas de apoio aos municípios, além de previsões meteorológicas e produção de relatórios e formulários diários com informações atualizadas sobre a operação.

Confira a lista das cidades que já contam com reconhecimento federal de situação de emergência:

1. Alcobaça
2. Amargosa
3. Anagé
4. Angical
5. Apuarema
6. Arataca
7. Aurelino Leal
8. Baixa Grande
9. Barra do Choça
10. Barra do Rocha
11. Belmonte
12. Belo Campo
13. Boa Vista do Tupim
14. Brejões
15. Brejolândia
16. Buerarema
17. Caatiba
18. Cachoeira
19. Caetanos
20. Camacan
21. Camamu
22. Canavieiras
23. Caturama
24. Caravelas
25. Coaraci
26. Conceição do Almeida
27. Cotegipe
28. Cravolândia
29. Dário Meira
30. Dom Basílio
31. Encruzilhada
32. Esplanada
33. Eunápolis
34. Feira de Santana
35. Firmino Alves
36. Floresta Azul
37. Gandu
38. Gongogi
39. Governador Mangabeira
40. Guaratinga
41. Ibicaraí
42. Ibicuí
43. Ibipeba
44. Ibirapitanga
45. Ibirapuã
46. Ibirataia
47. Ibitiara
48. Igrapiúna
49. Iguaí
50. Ilhéus
51. Ipiaú
52. Itabela
53. Itaberaba
54. Itabuna
55. Itacaré
56. Itaeté
57. Itagi
58. Itagimirim
59. Itaju do Colônia
60. Itajuípe
61. Itamaraju
62. Itambé
63. Itanhém
64. Itapé
65. Itapebi
66. Itapetinga
67. Itapitanga
68. Itaquara
69. Itarantim
70. Itororó
71. Ituberá
72. Jaguaquara
73. Jequié
74. Jiquiriçá
75. Jitaúna
76. Jucuruçu
77. Jussari
78. Jussiape
79. Lafaiete Coutinho
80. Laje
81. Lajedão
82. Livramento de Nossa Senhora
83. Macarani
84. Manoel Vitorino
85. Marcionílio Souza
86. Mascote
87. Mutuípe
88. Medeiros Neto
89. Milagres
90. Mucugê
91. Mucuri
92. Mundo Novo
93. Nazaré
94. Nilo Peçanha
95. Nova Canaã
96. Nova Viçosa
97. Pau Brasil
98. Piraí do Norte
99. Poções
100. Porto Seguro
101. Potiraguá
102. Prado
103. Presidente Jânio Quadros
104. Presidente Tancredo Neves
105. Ribeira do Pombal
106. Ribeirão do Largo
107. Rio de Contas
108. Ruy Barbosa
109. Santa Cruz Cabrália
110. Santa Cruz da Vitória
111. Santa Inês
112. Santa Maria da Vitória
113. Santanópolis
114. São Félix
115. Sapeaçu
116. Serra Dourada
117. Tabocas do Brejo Velho
118. Tanhaçu
119. Taperoá
120. Teixeira de Freitas
121. Teolândia
122. Ubaíra
123. Ubaitaba
124. Ubatã
125. Uruçuca
126. Valença
127. Vereda
128. Vitória da Conquista
129. Wanderley
130. Wenceslau Guimarães
 
Veja a lista dos municípios baianos que já tiveram os repasses garantidos:
 
1. Amargosa
2. Apuarema
3. Arataca
4. Baixa Grande
5. Belmonte
6. Boa vista do Tupim
7. Brejões
8. Camacan
9. Canavieiras
10. Coaraci
11. Conceição do Almeida
12. Dário Meira
13. Encruzilhada
14. Eunápolis
15. Gandu
16. Gongogi
17. Guaratinga
18. Ibicuí
19. Itamaraju
20. Ilhéus
21. Itambé
22. Itapé
23. Itagimirim
24. Itacaré
25. Itarantim
26. Itapitanga
27. Itabuna
28. Ibicaraí
29. Iguaí
30. Itabela
31. Itaberaba
32. Itajuípe
33. Jaguaquara
34. Jiquiriçá
35. Jucuruçu
36. Jequié
37. Jussiape
38. Jitaúna
39. Laje
40. Macarani
41. Milagres
42. Maragogipe
43. Mascote
44. Medeiros Neto
45. Mutuípe
46. Nova Viçosa
47. Nilo Peçanha
48. Poções
49. Porto Seguro
50. Prado
51. Ruy Barbosa
52. Ribeira do Pombal
53. Santa Inês
54. Santa Cruz da Vitória
55. Teixeira de Freitas
56. Tanhaçu
57. Teolândia
58. Uruçuca
59. Ubatã
60. Ubaíra
61. Ubaitaba
62. Wanderley

Copiar o texto
04/01/2022 15:01h

Três grandes empresas do setor mineral estão à frente do gesto solidário

A JMC Yamana Gold investiu R$ 250 milhões em doações, dentre cestas básicas, cobertores e colchões para as comunidades atingidas pelas fortes chuvas na Bahia. Ao todo, a empresa doou 1.335 cestas básicas para a cidade de Itamaraju e mais 2.280 doações entre cobertores, colchões e cestas direcionadas ao ponto de coleta do Instituto Anísio Teixeira que irá realizar a destinação a outros municípios baianos.

"Nós, da Yamana Gold, reconhecemos que nossa responsabilidade como empresa vai além daquelas exigidas por lei. Nós temos, sobretudo, a responsabilidade humanitária, então não poderíamos ficar de fora de um momento tão sensível como este. A nossa empresa sempre teve uma atuação na área social e cuidar das pessoas é um valor para nós. As 3.615 doações irão ajudar muitas famílias que estão precisando do nosso apoio", afirma o vice-presidente de Operações Brasil & Argentina, Sandro Magalhães. 

A JMC Yamana Gold durante a pandemia da Covid-19 investiu R$ 3,5 milhões em insumos para Jacobina como testes rápidos, equipamentos de saúde para hospitais públicos, máscaras, álcool em gel e líquido, kits escolares, termômetros, cestas básicas, etc. 

Belgo Bekaert arrecada 52 toneladas de alimentos 

A Belgo Bekaert tinha como meta inicial doar 50 toneladas de alimentos às vítimas dos temporais que atingiram a Bahia. Com duas unidades em Feira de Santana, a empresa já arrecadou 52 toneladas, que foram entregues às cidades de Ilhéus, Itabuna e Itapetinga.  

A empresa se comprometeu a doar 40 toneladas de alimentos, e graças a empregados, parceiros e fornecedores numa união de esforços conseguiu angariar um volume ainda maior de doações à população. 

Evocando Betinho, idealizador da Ação da Cidadania, criada em 1993, Ricardo Garcia, CEO da Belgo Bekaert Arames, justifica a rapidez para fazer os alimentos chegarem a quem precisa em prazo tão curto: 'Quem tem fome, tem pressa! A Belgo Bekaert não poderia deixar de se fazer presente neste momento de tanto sofrimento da população local', disse ele.

RHI Magnesita doa 14 toneladas de alimentos

A RHI Magnesita aderiu à ação conjunta formatada pelo Poder Executivo Estadual e doou 14 toneladas de alimentos para o município de Itamaraju, cidade que decretou situação de calamidade e emergência. Em outra frente de responsabilidade social, a companhia direcionou às comunidades do entorno da Planta de Brumado mais de cinco toneladas de alimentos. 

“Quando o coletivo está bem, todos crescemos juntos. Buscamos a construção de uma sociedade cada vez mais justa e igualitária. A fome dói e mesmo atuando em ações sólidas e sustentáveis para o desenvolvimento social, precisamos olhar para aqueles que sofrem insegurança alimentar, de forma responsável. A situação desses municípios é de apoio emergencial, e honramos o nosso compromisso em atender às principais necessidades das famílias em situação de vulnerabilidade”, comenta Lucilla Soledade, especialista em Comunicação e Relacionamento com as Comunidades. 

A campanha do governo baiano está destinando às cidades da região Sul da Bahia gêneros alimentícios, vestuário, itens de higiene pessoal e farmácia, bem como materiais para construção civil. “Esperamos que a situação seja amenizada e que esses municípios possam se reerguer o quanto antes. Permanecemos atentos às oportunidades de apoio e prontos para contribuir, sempre que necessário. Sabemos da importância de sermos parte dos esforços para o combate à fome no país, especialmente no momento crítico que estamos passando”, ressalta Lucilla.

Copiar o texto
Brasil 61