Bahia

23/09/2022 16:44h

Abetre será responsável por realizar estudos técnicos para viabilizar o fechamento da estrutura ainda em 2022

Baixar áudio

O Ministério do Desenvolvimento Regional (MDR) e a Associação Brasileira de Empresas Tratamento de Resíduos e Efluentes (Abetre) assinaram, nesta quinta-feira (22), um termo de cooperação técnica para o início dos estudos técnicos e demais ações relacionadas ao encerramento do lixão de Ilhéus, na Bahia. A instituição será responsável por executar as atividades por meio de equipe própria ou assessoria técnica contratada, além de monitorar os avanços do trabalho no local.

Já o MDR, por meio da Secretaria Nacional de Saneamento (SNS), irá atuar como articulador institucional para conectar as demandas municipais e dos financiadores durante todo o projeto. Também irá dar apoio nas definições dos Termos de Referência para as atividades de assistência técnica e divulgar as atividades e suas repercussões.

A prefeitura de Ilhéus tem como principais competências a execução das ações previstas no plano de trabalho, que será elaborado em prazo futuramente acordado, a disponibilização de técnicos, equipamentos e maquinários e a implementação da coleta seletiva, além de garantir a disposição final dos resíduos sólidos em aterro sanitário.

"Estamos dando mais um passo no projeto de encerramento dos mais de 3 mil locais de depósito inadequado de resíduos. O fechamento do lixão de Ilhéus vai transformar a realidade da população, pois vai garantir mais saúde e qualidade de vida, já que estamos contribuindo diretamente com a despoluição do mar e a recuperação dos biomas da região”, destacou o secretário nacional de Saneamento, Pedro Maranhão. "Tudo isso está previsto no Novo Marco Legal do Saneamento, que é um grande programa ambiental", completou.

Na Bahia, a cidade de Itacaré foi a primeira a encerrar o lixão sob os moldes do novo marco legal do saneamento. Além de Ilhéus, os municípios de Valença e Maraú também já iniciaram processos para fechamento dos lixões.

Copiar o texto
15/09/2022 18:58h

Recursos serão destinados a empreendimentos de saneamento integrado e canalização e revestimentos, além da elaboração de estudos e projetos para macrodrenagem em bacias hidrográficas

Baixar áudio

As cidades de Salvador e Lauro de Freitas, na Bahia, vão receber, juntas, mais de R$ 1,3 milhão para a continuidade de obas de saneamento básico. Os recursos serão destinados a empreendimentos de saneamento integrado, canalização e revestimentos, além da elaboração de estudos e projetos.

A capital Salvador vai contar com cerca de R$ 767 mil para canalização e revestimentos na calha dos rios Jaguaribe e Canal Mangabeira, com obras de arte e vias marginais e mais R$ 78 mil para elaboração de estudos preliminares, projetos básicos e executivos para macrodrenagem em diversas bacias hidrográficas locais.

Já Lauro de Freitas, município localizado a aproximadamente 30 km ao norte da capital baiana, vai receber mais de R$ 455 mil para a construção do sistema de saneamento integrado do Bairro Quintas do Picuaia.

No total, 26 cidades brasileiras vão receber, juntas, mais de R$ 11,6 milhões para a continuidade de obras de saneamento básico. São empreendimentos de abastecimento de água, esgotamento sanitário, saneamento integrado e manejo de águas pluviais, além da elaboração de estudos e projetos, nos estados da Bahia, Ceará, Goiás, Minas Gerais, Mato Grosso, Pará, Rondônia, Rio Grande do Sul, Sergipe, Santa Catarina e São Paulo.

Copiar o texto
14/09/2022 03:20h

Pais e responsáveis da cidade de Salvador, aproveitem a mobilização nas unidades de saúde do SUS para atualizar a caderneta de vacinas de seus filhos e protegê-los de doenças graves

Baixar áudio

As unidades de saúde do SUS de todo o País já aplicaram mais de 3,6 milhões de doses da vacina contra a paralisia infantil, desde o começo da Campanha Nacional de Vacinação contra a Poliomielite e de Multivacinação, iniciada no último dia 8 de agosto. Em Salvador, são mais de 13 mil doses aplicadas. O dado preliminar é do painel montado pelo Ministério da Saúde, com base nas notificações feitas em tempo real por estados e municípios. O público-alvo é de cerca de 121 mil bebês e crianças menores de cinco anos. 

O Raphael mora na cidade e tem um filho de 5 anos. Para ele, a vacinação é a melhor maneira de proteger as crianças contra as doenças imunopreveníveis. “Seja para proteger o sistema imunológico [das crianças], seja para reforçar a proteção coletiva, para impedir que as doenças voltem. Vamos acreditar na ciência, confiar nos profissionais que se dedicam anos e anos nesses estudos, para que a gente consiga aumentar o número de pessoas vacinadas e proteger a população.”

O objetivo da Campanha Nacional de Vacinação contra a Poliomielite, também conhecida como paralisia infantil, é vacinar 95% da população menor de cinco anos de idade. Além de reduzir o número de crianças e adolescentes menores de 15 anos que estão com vacinas atrasadas, com a Campanha da Multivacinação.

Para esta faixa etária, o público-alvo na capital é de 121 mil pessoas, de acordo com a prefeitura. A infectologista Joana D’arc alerta: o Brasil apresenta redução nas coberturas vacinais, o que pode ser um risco para a população . “Essa campanha é importante porque a gente tem tido uma redução muito grande do número de pessoas vacinadas no Brasil e isso faz com que a gente tenha risco de reintrodução de doenças, podendo ter surtos e epidemias de doenças já controladas. Vacinar é um gesto de amor porque a gente tem a certeza de que nossos filhos vão estar protegidos.”

CADERNETA DE VACINAÇÃO: Pais devem manter documento atualizado

POLIOMIELITE: Entenda os riscos de não vacinar as crianças

A Campanha Nacional de Vacinação contra a Poliomielite e de Multivacinação vai até o dia 30 de setembro nas unidades básicas. Para as crianças e adolescentes estão disponíveis as vacinas BCG; hepatite A, hepatite B; penta; pneumocócica 10-valente; pneumocócica 23-valente; poliomielite inativada (VIP) e poliomielite oral (VOP); rotavírus humano; meningocócica C (conjugada), meningocócica ACWY (conjugada); febre amarela; tríplice viral; tetraviral; tríplice bacteriana (DTP); dupla adulto (dT); varicela e HPV quadrivalente. 

Em Salvador, a mobilização acontece nas 156 salas de vacinas instaladas nos postos de saúde da rede básica, de segunda a sexta-feira, das oito da manhã às cinco da tarde.

A atualização da caderneta vacinal aumenta a proteção das crianças e adolescentes contra as doenças imunopreveníveis, evitando a ocorrência de surtos, hospitalizações e óbitos. Todos os imunizantes são seguros e estão registrados pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária, a Anvisa.

Saiba mais:

Copiar o texto
13/09/2022 04:00h

Meta da Campanha Nacional de Vacinação contra a Poliomielite é vacinar 95% das crianças de 1 a quatro anos no estado. Para a Multivacinação a meta é atualizar a caderneta de vacinas de seus filhos e protegê-los de doenças graves

Baixar áudio

Os pais e responsáveis por bebês, crianças e adolescentes menores de 15 anos de idade devem ficar atentos: a Campanha Nacional de Vacinação contra a Poliomielite e de Multivacinação deste ano já começou. Na Bahia, a mobilização envolve as 3,9 mil unidades de saúde do SUS espalhadas pelos municípios do estado. São 18 vacinas do Calendário Nacional de Vacinação, do Programa Nacional de Imunizações, que previnem contra doenças como a Poliomielite, Sarampo, Rubéola, Caxumba, entre outras. 

A intenção é ampliar as coberturas vacinais das crianças e adolescentes. Em 2022, a cobertura vacinal da poliomielite, por exemplo, está em 48,6%, no estado. Já a cobertura da primeira dose da Tríplice Viral é de 51,4%. Os dados são do Sistema de Informação do Programa Nacional de Imunizações.

A infectologista Ethel reforça: é fundamental ter altas coberturas vacinais para o controle das doenças imunopreveníveis. “O que significa atingirmos um percentual grande da população para faixa etária indicada para cada vacina. Em geral, a meta de vacinação está entre 90 e 95% do público-alvo a ser vacinado.”

O foco da Campanha Nacional de Vacinação contra a Poliomielite, também conhecida como paralisia infantil, é de  vacinar 95% da população menor de cinco anos de idade. Além de reduzir o número de crianças e adolescentes menores de 15 anos, não vacinados, que estão com vacinas atrasadas, com a Campanha de Multivacinação.

Ministério da Saúde realiza Dia D da Multivacinação com foco na poliomielite

Dia D de vacinação contra a pólio e de Multivacinação acontece neste sábado (20)

CADERNETA DE VACINAÇÃO: Pais devem manter documento atualizado

Sabendo dos riscos de não vacinar seu filho de 2 anos, a médica Fabia Santos, moradora da cidade de Pojuca, Região Metropolitana de Salvador, mantém a caderneta de vacinação do pequeno em dia. Para ela, os pais devem se informar sobre a importância desse ato. “Aos pais que têm receio, que têm medo de expor o filho a uma vacina, indico que leiam, que busquem informações em lugares de confiança. Não tem por que ter medo, ter receio de vacinar, sendo que a vacinação é uma proteção. A vacinação vai propiciar a essa criança um desenvolvimento saudável.”

A Campanha Nacional de Vacinação contra a Poliomielite e de Multivacinação vai até o dia 30 de setembro nas unidades básicas. Para as crianças e adolescentes estão disponíveis as vacinas BCG; hepatite A, hepatite B; penta; pneumocócica 10-valente; pneumocócica 23-valente; poliomielite inativada(VIP) e poliomielite oral(VOP); rotavírus humano; meningocócica C (conjugada), meningocócica ACWY (conjugada); febre amarela; tríplice viral; tetraviral; tríplice bacteriana (DTP); dupla adulto (dT); varicela e HPV quadrivalente. 

A atualização da caderneta vacinal aumenta a proteção das crianças e adolescentes contra as doenças imunopreveníveis, evitando a ocorrência de surtos, hospitalizações e óbitos. Todos os imunizantes são seguros e estão registrados pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária, a Anvisa.

Saiba mais:

Copiar o texto
12/09/2022 04:00h

A meta da Campanha Nacional de Vacinação contra a Poliomielite é vacinar 95% das crianças de um a quatro anos no estado. Para a Multivacinação a meta é atualizar a caderneta de vacinas de seus filhos e protegê-los de doenças graves. Pais e responsáveis de Feira de Santana, aproveitem a mobilização nas unidades de saúde do SUS para atualizar a caderneta de vacinas de seus filhos e protegê-los de doenças graves.

Baixar áudio

As unidades de saúde do SUS de todo o País já aplicaram mais de 4,6 milhões de doses da vacina contra a paralisia infantil, desde o começo da Campanha Nacional de Vacinação contra a Poliomielite e de Multivacinação, iniciada no último dia 8 de agosto.

Em Feira de Santana, são mais de 6 mil doses aplicadas. O dado preliminar é do painel disponibilizado pelo Ministério da Saúde, com base nas notificações feitas em tempo real por estados e municípios.

O público-alvo da vacinação contra a pólio é de 33 mil bebês e crianças menores de cinco anos. 

De acordo com a secretaria municipal de saúde, somente no Dia D, ocorrido no último dia 20, foram aplicadas 2,3 mil doses contra a poliomielite. Além disso, 4,4 mil doses foram administradas na campanha de multivacinação para crianças e adolescentes menores de 15 anos de idade, com o objetivo de atualizar a Caderneta de Vacinação.

O objetivo da Campanha Nacional de Vacinação contra a Poliomielite, também conhecida como paralisia infantil, é vacinar 95% da população menor de cinco anos de idade. Além de reduzir o número de crianças e adolescentes menores de 15 anos que estão com vacinas atrasadas, com a Campanha da Multivacinação.

As coberturas vacinais estão abaixo do recomendado em todo país, e para a Dra. Joana D’arc Gonçalves da Silva, isso representa um risco para a população.

“Essa campanha é importante porque a gente tem tido uma redução muito grande do número de pessoas vacinadas no Brasil e isso faz com que a gente tenha risco de reintrodução de doenças, podendo ter surtos e epidemias de doenças já controladas. Vacinar é um gesto de amor porque a gente tem a certeza de que nossos filhos vão estar protegidos.”

A Campanha Nacional de Vacinação contra a Poliomielite e de Multivacinação vai até o dia 30 de setembro nas unidades básicas. Para as crianças e adolescentes estão disponíveis as vacinas BCG; hepatite A, hepatite B; penta; pneumocócica 10-valente; pneumocócica 23-valente; poliomielite inativada (VIP) e poliomielite oral (VOP); rotavírus humano; meningocócica C (conjugada), meningocócica ACWY (conjugada); febre amarela; tríplice viral; tetraviral; tríplice bacteriana (DTP); dupla adulto (dT); varicela e HPV quadrivalente.

Em Feira de Santana, a mobilização acontece nas Unidades Básicas de Saúde e Unidades de Saúde da Família espalhadas pelo município.

A vacinação aumenta a proteção das crianças e adolescentes contra as doenças imunopreveníveis, evitando a ocorrência de surtos, hospitalizações e óbitos. Todos os imunizantes são seguros e estão registrados pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária, a Anvisa.

Saiba mais:

Sobre o Calendário Nacional de Vacinação.
Sobre o Número de crianças vacinadas durante as Campanhas Nacionais contra a Poliomielite e Multivacinação.

Copiar o texto
06/09/2022 04:00h

A nova tecnologia de internet promete otimizar indústria do estado, que atualmente gera mais de R$ 56 milhões de PIB e emprega mais de 360 mil pessoas

Baixar áudio

A indústria da Bahia gera aproximadamente R$ 56 bilhões de Produto Interno Bruto (PIB) e emprega mais de 360 mil pessoas, segundo dados da Confederação Nacional da Indústria (CNI). O setor, que representa mais de 21% de todo o PIB do estado, deve ser um dos mais beneficiados com o 5G, que chegou a Salvador no dia 16 de agosto. Se a nova tecnologia promete maior velocidade de navegação aos usuários, o setor produtivo tem a possibilidade de maior automatização e otimização de processos.

Considerado o pilar da Indústria 4.0, o 5G permitirá que a Inteligência Artificial faça ajustes de forma contínua para que a produção se mantenha sempre de acordo com a demanda, ou ainda um monitoramento 24 horas por dia e otimização de desempenho e segurança. Tudo graças à alta velocidade e ao baixo tempo de resposta, além de uma maior capacidade de conexão, essencial para a indústria. Estima-se que a nova internet suporte aproximadamente a conexão simultânea de um milhão de dispositivos por quilômetro quadrado, o que leva à evolução da Internet das Coisas (IoT), em que máquina “conversa” com máquina, para produzirem análises mais rápidas de dados.

O 5G que está sendo instalado nas capitais está presente principalmente na área central. No caso de Salvador, o sinal é melhor captado nos bairros Brotas, Pituba, Rio Vermelho, Parque Bela Vista, Armação, Barra, Matatu, Nazaré, Santa Teresa, Patamares, São Marcos e Barbalho. Ao todo, foram instaladas 193 antenas, segundo a Anatel. 

A Tim, uma das operadoras que oferecem a nova tecnologia e a que possui mais alcance, disponibiliza o 5G puro em 77 bairros da cidade. Homero Salum, diretor de Engenharia da TIM Brasil, diz que a internet de quinta geração vai impactar não só a rotina do dia a dia, como também revolucionar diversos setores.

“Com conexões melhores e mais rápidas, o 5G é capaz de conectar máquinas, objetos, coisas e pessoas. Por isso, é chamada a tecnologia do futuro. Essas características vão impactar o Brasil em inúmeros segmentos da indústria, do setor de serviços, do agronegócio e até mesmo as rotinas das pessoas dentro das casas”, aponta Salum. “Na indústria, que vai gerar máquinas e equipamentos para toda essa conectividade, o impacto será revolucionário.”

Conexão rápida: saiba onde o 5G está presente nas capitais que já têm a tecnologia
5G: tecnologia que vai revolucionar setores da economia já está presente em 12 capitais
Lei determina novas regras para cooperativas de crédito brasileiras

Luciano Stutz, presidente da Associação Brasileira de Infraestrutura para Telecomunicações (Abrintel), revela que o 5G vai impactar tanto as micro e pequenas empresas quanto as de maior porte. Para a grande indústria, a maior novidade será a possibilidade de criar redes privadas com a tecnologia, o que vai otimizar ainda mais os processos e ganhos. Ele ressalta, no entanto, que todo e qualquer produtor que tenha acesso vai começar a se beneficiar a partir de agora.

“O empresário que está incrustado dentro da cidade e que faz também o processo fabril, ou o pequeno agricultor que está na borda e pode se cobrir com esse 5G, ou um microempreendedor pode, sim, ter seus processos produtivos melhorados. Você vai ter uma indústria que vai trabalhar com 5G, esse já vai poder operar um equipamento à distância, seja um drone, um semeador, seja uma máquina agrícola, se ele já tiver acesso ao 5G. Aquelas indústrias que se prevalecem de meios mecânicos, automatizados para fazerem seu processo produtivo, se aproveitam do 5G na medida em que estão presentes”, destaca Stutz.

De acordo com dados da CNI, a indústria baiana exportou, em 2021, mais de US$ 5,5 bilhões, colocando o estado em sétimo lugar no país em exportações industriais. O setor também é responsável por 55,8% de todas as exportações baianas.

Salvador recebeu o 5G no mesmo dia em que Goiânia (GO) e Curitiba (PR). As três capitais se juntaram a São Paulo (SP), Brasília (DF), Belo Horizonte (MG), Porto Alegre (RS) e João Pessoa (PB), que receberam o sinal antes, e às que receberam mais recentemente: Rio de Janeiro (RJ), Palmas (TO), Florianópolis (SC) e Vitória (ES).
 

Copiar o texto
Ciência & Tecnologia
05/09/2022 04:30h

Em entrevista ao Brasil61.com, gerente executivo do Senai Cimatec da Bahia explica estudo sobre o potencial do hidrogênio verde, que é obtido por meio de energias limpas e renováveis, como a solar e a eólica

Baixar áudio

Em termos de sustentabilidade e preservação do meio ambiente, o hidrogênio verde se apresenta como uma das soluções energéticas mais promissoras e acessíveis, e que devem pavimentar a descarbonização de setores como a indústria e a mobilidade. Isso porque o chamado combustível do futuro é obtido por meio de energias limpas e renováveis, como a solar, a eólica e a hidráulica, ou seja, sem a emissão de gás carbônico, diferentemente do hidrogênio utilizado atualmente em larga escala, conhecido como cinza porque provém da queima de combustíveis fósseis.

A eletrólise da água é considerada como o método mais viável para a produção de hidrogênio verde, um processo químico que quebra as moléculas da água para gerar hidrogênio e oxigênio. Mas, para fazer isso, os eletrolisadores precisam de uma boa quantidade de corrente elétrica de fontes renováveis.

A Bahia é rica em duas dessas fontes de energia limpa, o sol e o vento. Por isso o governo do estado encomendou junto ao Senai Cimatec o desenvolvimento de um Mapa do Hidrogênio Verde (H2V), um estudo para identificar as áreas prioritárias com vocação para a produção do componente.

O Brasil61.com conversou com José Luis Almeida, coordenador do Mapa do Hidrogênio Verde, que deve ser concluído em novembro. Ele explica que o combustível do futuro será responsável por descarbonizar, aos poucos, a indústria da Bahia e que a tecnologia pode não só ajudar outros estados com relação à sustentabilidade do setor, como também ajudar o país a resolver o problema da dependência de importação dos fertilizantes.

Confira a entrevista

Brasil61: José Luis, como se produz o hidrogênio verde?

José Luis Almeida: “O hidrogênio verde, para se produzir, é necessário que a energia dos eletrolisadores provém da energia eólica, solar ou hidráulica, que são energias limpas, não geram CO2. Então, você produz o hidrogênio e ao ser consumido, seja como matéria-prima ou seja como energia, ele não produz nenhuma emissão de CO². Ou seja, há uma descarbonização de todos os processos industriais.”

Brasil61: O Senai Cimatec já realizou o Mapa Eólico e Fotovoltaico da Bahia, que é de onde virá a energia limpa para fabricar esse novo combustível. Como vai ser esse Mapa do Hidrogênio Verde?

José Luis Almeida: “Esse mapa vai identificar quais são os pontos potenciais para a produção de hidrogênio verde no estado da Bahia, levando em consideração a disponibilidade de água, sejam elas águas residuais, águas do subsolo, águas salinas, leva em consideração também a infraestrutura que existe no estado, de transporte, portos, aeroportos, a infraestrutura de transmissão elétrica já existe. E nesse mapa vai conter também a parte de regulamentação do hidrogênio verde dos cinco países mais avançados e também a forma de financiamento e de fomento, nesses países, do hidrogênio verde”

Brasil61: O que falta para as indústrias passarem a usar o hidrogênio verde no lugar do hidrogênio de hoje, que emite CO²?

José Luis Almeida: “O que nós temos de fazer é desenvolver tecnologia de maneira com que consigamos fazer um hidrogênio competitivo com o hidrogênio já existente, ou seja, que é gerado através de reforma a vapor. Uma vez que seja isso, as indústrias utilizarão, substituirão rapidamente o hidrogênio de reforma a vapor por um hidrogênio verde, fazendo amônia verde, ureia verde, fazendo fertilizantes verdes que nós precisamos tanto aqui no Brasil.”

Brasil61: O hidrogênio verde está sendo apontado como o combustível que vai ajudar a construir um futuro de indústrias sustentáveis. Esse já é um planejamento do setor no Brasil? Todos os tipos de indústria podem se beneficiar com essa tecnologia?

José Luis Almeida: “Eu acredito e todos nós acreditamos, inclusive a Europa, toda ela acredita e está pesquisando também, que o hidrogênio será o combustível do futuro. Nós não podemos substituir hoje todos os hidrocarbonetos que geram gases do efeito estufa, NOX, CO², SO² rapidamente. Então, existe um processo de descarbonização, existe uma transição energética. A importância do Cimatec é produzir tecnologia para que cada vez mais os setores da indústria química, ou da indústria de uma maneira geral, seja pouco a pouco descarbonizada, sustentavelmente. E como isso acontece? Substituindo o hidrogênio cinza, de reforma a vapor, gradativamente em todos os setores da indústria, seja ele petroquímico, refino, papel e celulose, siderurgia, mineração, a parte de bebidas e alimentos, têxteis. Então, gradativamente nós vamos substituir, a sociedade e as indústrias irão naturalmente substituir esses compostos, coque, hidrocarbonetos, por um hidrogênio que não emite absolutamente nada, porque quando ele queima ele gera vapor de água. É só isso que ele gera.” 

Brasil61: José Luis, além de combustível para indústrias, que outros usos a tecnologia do hidrogênio verde poderia proporcionar?

José Luis Almeida: “Os nossos projetos que temos hoje abrangem, por exemplo, os fertilizantes. Nós podemos, gradativamente, se esses projetos forem adiante, e vão adiante, tenho certeza, aumentar a produção de fertilizantes verdes no Brasil de maneira a suprir toda a nossa necessidade em fertilizantes e talvez até para exportar. Porque nós temos um potencial solar, eólico e hidráulico enorme no estado da Bahia. Porque hoje a amônia, uma matéria prima para a produção de fertilizantes, é proveniente do gás de síntese, com hidrogênio e monóxido de carbono, que é gerado a partir do gás natural. Esse hidrogênio, então, gera uma quantidade de CO², monóxido de carbono, muito grande. Se a gente substituir esse hidrogênio cinza hoje na produção de amônia, por um hidrogênio verde, nós vamos ter uma amônia verde. E com ela podemos fazer ureia verde, captando CO² da atmosfera. E fazendo ureia verde naturalmente nós fazemos sulfato de amônia e nitrato de amônia, que são também componentes dos fertilizantes. Oitenta e cinco por cento da demanda de fertilizantes hoje no Brasil é importada. Então, seremos capazes de suprir estes 85% do agronegócio e ainda talvez exportar.”
 

Copiar o texto
31/08/2022 19:55h

Empreendimento vai atender 16 municípios do litoral norte do estado. MDR participou da cerimônia de inauguração

Baixar áudio

A cidade de Entre Rios, na Bahia, agora abriga um aterro sanitário com potencial para atender cerca de 600 mil habitantes de 16 municípios do litoral norte do estado. A inauguração do empreendimento ocorreu nesta quarta-feira (31), com a presença do Ministério do Desenvolvimento Regional (MDR).

Além de Entre Rios, a nova Central de Tratamento e Valorização de Resíduos (CTVR) também vai atender as cidades de Araçás, Alagoinhas, Aramari, Acajutiba, Aporá, Cardeal da Silva, Catu, Conde, Crisópolis, Esplanada, Inhambupe, Jandaíra, Mata de São João, Pojuca e Rio Real.

O complexo foi implementado pela Recycle Waste Energy (RWE) e conta com uma unidade para disposição de resíduos domiciliares, uma para resíduos de construção civil e uma para tratamento de resíduos de serviço de saúde em fase de construção. Segundo a RWE, serão recebidas 350 toneladas de resíduos domésticos e 100 toneladas de resíduos inertes provenientes da construção civil por dia no local.

Presente à inauguração, o secretário nacional de Saneamento do MDR, Pedro Maranhão, ressaltou que, com a medida, a região dá mais um passo em direção às metas previstas pelo Marco Legal do Saneamento Básico (Lei n° 14.026). Uma delas é o fechamento de mais de 3 mil locais de disposição final inadequada de resíduos sólidos espalhados por todo o País.

"Esse aterro vai receber resíduos sólidos de 16 cidades. Isso significa 16 lixões que iremos iniciar o processo de encerramento. Daí a importância da inauguração desse espaço, que vai atender essa região tão rica e bonita do litoral norte da Bahia", destacou Maranhão.

O Marco Legal do Saneamento Básico, que entrou em vigor em julho de 2020, passou a garantir maior segurança jurídica e previsibilidade para a atração de investimentos privados, com o objetivo de universalizar os serviços de saneamento básico no País até 2033. O diretor da RWE, João Fortuna, reforçou a importância da parceria entre os governos e a iniciativa privada para que o setor possa se desenvolver.

"O tratamento e destinação final dos resíduos é um problema nacional. Entendemos que a participação da iniciativa privada nesse setor é necessária, já que o Estado não consegue resolver esse problema isoladamente. Esperamos que os governos continuem a promover as condições necessárias para que as empresas se sintam seguras para fazer mais empreendimentos como esse", afirmou.

Litoral limpo

A implementação do aterro sanitário contribui para um projeto do Governo Federal de fechamento de lixões instalados na costa litorânea brasileira, principalmente na Mata Atlântica. O primeiro local de disposição inadequada de resíduos foi encerrado em Itacaré (BA), em agosto deste ano. A proposta é expandir a ação para outros municípios que tenham relevante importância turística.

Serão formados polos de manejo de resíduos sólidos que atendam esses municípios e cidades vizinhas, encerrando a operação dos lixões existentes e promovendo o tratamento e a disposição final ambientalmente adequada dos resíduos sólidos, de modo a possibilitar a redução da quantidade de lixo no mar e a recuperação dos biomas Mata Atlântica e amazônico. Nesse sentido, o MDR já articula junto a alguns gestores locais a possibilidade do encerramento dos seus lixões.

Leia também:

Após mais de 30 anos em meio à Mata Atlântica, Lixão de Itacaré (BA) será finalmente encerrado

Marco Legal do Saneamento completa dois anos nesta sexta-feira (15)

Copiar o texto
Educação
17/08/2022 04:30h

Antes de chegar à Akademia High School, na Polônia, jovem da Bahia foi o único brasileiro a integrar como bolsista integral o programa The School of the New York Times, nos EUA. A bolsa é uma conquista pela participação no Programa de Iniciação Científica do SESI Bahia

Baixar áudio

O jovem Juan Teles, de 17 anos, embarcou para os Estados Unidos para participar do The School of the New York Times. Ele é o único brasileiro com bolsa completa neste programa, que conta também com aulas nas principais universidades de Nova Iorque, como Columbia e Fordham University. O prêmio maior vem na sequência, quando se muda para Varsóvia, na Polônia. Lá, o estudante de Salvador (BA) vai integrar como bolsista, pelos próximos dois anos, a Akademia High School, uma das principais escolas técnicas da Europa, onde vai terminar a escolarização.

“Vai ser uma imersão, uma experiência que vai mudar minha vida, minha carreira e minhas perspectivas. Eu espero cursar relações internacionais e seguir na diplomacia brasileira. Tudo isso pode ser conquistado a partir da minha experiência de estudo que vou ter na Polônia. O que eu mais espero é a concretização de planos.” 

Juan começou a ter contato com a pesquisa pelo Programa de Iniciação Científica (IC) da Rede SESI Bahia de Educação, no 1º ano do ensino médio, e teve como grande destaque a participação em um projeto de análise socioespacial no Porto das Sardinhas. O estudante da Escola SESI Reitor Miguel Calmon, em Salvador, conta que o grupo trabalhou com cerca de três mil mulheres que tiram o sustento do tratamento da sardinha em jornadas que chegam a 12 horas de trabalho. 

Como foi identificado potencial de sustentabilidade na atividade, foi proposto um trabalho de reaproveitamento dos restos dos peixes para a elaboração de uma ração para pets. O lucro dessa farinha proteica será revertido a essas mulheres, já que a remuneração no processamento e ensacamento da sardinha paga muito pouco.

“Elas não veem solução para aquela situação, para aquele contexto em que elas estão. É um ciclo constante. Vi as mães, as filhas, gerações de avó, mãe, neta trabalhando no mesmo local, sem chance de estudo ou melhora de vida. E uma das motivações do projeto foi ver como podemos trazer um benefício socioeconômico para essas mulheres. Foi a partir daí que a gente viu os resíduos da sardinha como alternativa”, explica Juan.

O projeto tem parceria com técnicos do SENAI CIMATEC, mas ainda precisa de um parceiro comercial para que se viabilize economicamente e passe a ajudar as mulheres do Porto das Sardinhas. Anderson dos Santos Rodrigues, professor de Geografia na Escola Reitor Miguel Calmon, foi orientador no projeto de Juan. Ele explica que o nível do trabalho de pesquisa contribui significativamente para a formação e que os jovens conseguem desenvolver de forma muito mais acentuada esse perfil protagonista e autônomo de estudo e empenho científico no programa.

“A pesquisa aqui no SESI busca lapidar isso, como a escrita, a leitura. E as suas ações podem abrir portas para o mundo. Para Juan não foi diferente. Juan soube aproveitar isso muito bem, mesmo no contexto pandêmico, e sempre esteve com a mente aberta para participar de seleções, concursos, chamadas de editais mundo afora. Ele investiu na língua estrangeira, no caso inglês e espanhol, e agora está estudando francês. Ele conseguiu, dentro da IC, desenvolver isso de forma brilhante”, relata o professor.

Segundo Fernando Moutinho, gerente de Educação Científica e Tecnológica, a Iniciação Científica da Rede SESI Bahia de Educação desenvolve a ciência, o empreendedorismo e a inovação de forma prática e integrada. Ele conta que o resultado do programa é cada vez mais significativo nas principais feiras e eventos científicos nacionais e internacionais, com premiações e bolsas importantes conquistadas por alunos em grandes universidades fora do país. É o caso de Juan.

“Além de ele estar desenvolvendo todas as habilidades e potencializando o que ele traz consigo, como caraterística do seu contexto, a iniciação científica promoveu também a construção do projeto de vida e carreira. Esse movimento que ele está fazendo agora é justamente o projeto de vida e carreira que ele desenvolveu através das habilidades e conhecimentos que a iniciação científica proporcionou a ele.”

Programa de Iniciação Científica 

Os projetos de iniciação científica com os alunos da Rede SESI de Educação na Bahia mostram resultados positivos desde o início, em 2016. No estado, as escolas do SESI são as únicas da rede privada de ensino com um programa desta natureza.

São mais de mil estudantes do ensino médio, do 1º ao 3º ano, em dez escolas, integrados às mais diversas áreas de pesquisa, como ciências da natureza, ciências humanas, linguagens, matemática e engenharia. Além de propor temas de investigação para problemas reais e que fazem parte da sua realidade, os estudantes desenvolvem competências e habilidades do século XXI: autogestão, investigação, resolução de problemas e habilidades de comunicação.

A proposta do programa é que, a partir de problemáticas locais e globais, os estudantes utilizem seus conhecimentos sobre ciência, tecnologia, engenharia e matemática na construção de soluções aplicáveis para os desafios do cotidiano e da indústria. O programa pretende, assim, preparar os estudantes para o mundo do trabalho e o ingresso em uma universidade, além de formar cidadãos protagonistas e atuantes diante dos desafios do século XXI. 

Prêmios

Além de toda a experiência acadêmica e pessoal transmitida aos alunos, os projetos realizados vêm mostrando também excelência científica. Em junho, a Rede SESI Bahia de Educação foi destaque na edição 2022 da Feira Brasileira de Jovens Cientistas, evento científico pré-universitário voltado para estudantes do ensino médio de todo o país. Com 22 projetos submetidos, os estudantes das escolas da capital e do interior conquistaram dez premiações em diferentes categorias. Dentre as conquistas, destaca-se uma credencial para a Mostratec, o maior evento do gênero do país e que seleciona projetos de iniciação científica para mostras internacionais.
 

Copiar o texto
16/08/2022 11:30h

Em 18 de agosto se comemora o Dia do Estagiário. O estágio é etapa fundamental na formação do estudante e ferramenta indispensável para qualificação, formação e crescimento na futura carreira

Baixar áudio

Em 18 de agosto se comemora o Dia do Estagiário. A prática do estágio se configura em uma das ferramentas mais indispensáveis para a qualificação, formação e crescimento dos futuros trabalhadores, e instrumento fundamental para os empreendimentos, que aguardam profissionais preparados e com novas ideias no mercado. 

A data faz referência à publicação da Lei de Estágio, que regulamentou a prática no Brasil, definindo regras como pagamento de bolsa, férias, carga horária e auxílios. E, se durante a pandemia a contratação de estudantes foi prejudicada, agora as contratações foram retomadas pelas empresas. Somente no primeiro semestre de 2022, o Instituto Euvaldo Lodi (IEL Bahia) inseriu mais de 7.700 estagiários no mercado.

Foi por meio do IEL que Laina Barbosa, 33 anos, conseguiu uma oportunidade em Camaçari (BA). A estudante do 8º semestre de administração se identificou com uma vaga no Sebrae e foi contratada em fevereiro de 2021, onde está até hoje. Ela explica que a experiência não apenas ratificou o que ela aprendeu em sala de aula como também permitiu o desenvolvimento de outras competências.

“Eu acredito que tem dois aspectos, você poder aliar teoria e prática, porque só a teoria não dá a base e a vivência que o estágio dá, e a questão de relacionamento interpessoal também. São os dois fatores-chave, o relacionamento interpessoal e você poder correlacionar teoria e prática. Porque às vezes a teoria fica tão distante, mas, na prática, a gente consegue aplicar vários conteúdos e fundamentos da administração de forma bem simples”, destaca a estudante.

Laina também acredita que essa bagagem adquirida na empresa enquanto estuda será fundamental para abrir portas na hora de buscar um emprego efetivo em sua área.

“As empresas procuram muito esse perfil de conseguir aproveitar aprendiz, estagiário e trainee. Eu acredito que quando você vai participar de uma seleção para uma vaga efetiva e pode citar que passou um período em uma determinada empresa, que tem um nome no mercado, já é um diferencial, ou seja, ter passado por uma experiência dessa enquanto ainda em formação”, aponta a estudante.

Edneide Lima, gerente de Desenvolvimento de Carreiras e Empresarial do IEL Bahia, explica que além de ajudar na formação profissional, o estágio é o momento para reconhecimento de campo, ou seja, oportunidade para testar e errar antes de engatar em uma carreira. Carreira essa que será de sucesso se for realmente a que o estudante escolheu e que se sente bem e preparado para exercer.

“O que é uma carreira de sucesso? É aquela em que a pessoa vai se realizar, fazer aquilo que gosta, que escolheu, e vai fazer muito bem. Então, a chance de ter sucesso nessa carreira é muito grande. É onde entra o estágio. É esse momento que cria a oportunidade de testar”, diz Edneide. “Quando você realmente já escolheu uma carreira sólida, claro que você pode mudar a qualquer momento, mas fica um pouco mais custoso. Essa mudança acaba ficando mais morosa.”

Maiores demandas e competências procuradas

Historicamente algumas áreas demandam mais estagiários, como administração, engenharia, marketing e ciências contábeis. Mas, segundo Edneide, outras ganharam força no mercado nos últimos dois anos.

“Com esse momento que vivemos, de ainda estarmos em uma pandemia, as empresas têm tido necessidade de implementar sua área tecnológica, então tem crescido muito a necessidade de ter pessoas da área de tecnologia da informação, marketing digital, áreas com volume de vagas muito grande e com oportunidades muito boas de conhecimento, de ser efetivado na empresa, de ter experiências que vão fazer com que essa pessoa tenha grandes oportunidades depois”, destaca a gerente do IEL.

Edneide também aponta que além da capacidade técnica e do conhecimento adquirido na instituição de ensino, outras competências são observadas pelas empresas nos processos de seleção, como proatividade, relacionamento com demais funcionários e novas ideias.

“A empresa busca principalmente a questão comportamental. Qual é a atitude que aquela pessoa tem, qual é a vontade dela em participar da empresa, qual a vontade que tem de contribuir e de crescer. Porque o estágio é um espaço, um momento onde a pessoa vai adquirir muito conhecimento, confiança, experiência, mas é um momento também de troca, onde esse estagiário vai entregar suas qualidades, vai trazer as novidades que está vendo para dentro da empresa”, destaca.

Estudante de 17 anos ganha bolsa em uma das principais escolas técnicas da Europa
Bahia pode ser o centro do combustível do futuro, o Hidrogênio Verde

Dicas para a seleção

Além de identificar a área que lhe traz mais afinidade e demonstrar conhecimento, o candidato à vaga de estágio deve demonstrar interesse e se preparar. A gerente de Desenvolvimento de Carreiras e Empresarial do IEL Bahia lista algumas dicas para obter sucesso na empreitada, tanto na busca quanto na realização da experiência:

  • Procure uma vaga na qual você tenha afinidade, algo que realmente queira fazer, aprender, testar. Um dos maiores erros é buscar o estágio pelo valor da bolsa;
  • Busque o máximo possível de informações dessa empresa que está oferecendo o estágio. Isso vai fazer com que, no processo de seleção, você esteja munido de informação, que mostra interesse;
  • Ao ser contratado, mostre todo seu potencial. Quanto mais você mostra, mais desafios surgem e são eles que trazem o aprendizado. Se a empresa te dá muitas tarefas é porque ela confia no seu potencial;
  • Trabalhe sempre em equipe e contribua com o trabalho do colega. Sempre que você contribui, aprende com a experiência;
  • Dê o feedback ao supervisor. Mostre o que aprendeu e pergunte sobre o que mais pode aprender, ou se pode aplicar tal conhecimento de outra maneira. É justamente essa troca de experiências que enriquece a formação do jovem, bem como ajuda o empreendimento.

 
Prêmio IEL de Carreiras

O Prêmio Melhores Práticas de Estágio surgiu em 2004 e visa estimular a inovação e o desempenho, identificar as melhores práticas de estágio e premiar os projetos inovadores, executados pelas empresas, estudantes e instituições de ensino. O Prêmio IEL de Carreiras, como também é conhecido, também promove a interação com grandes empresas que entendem a necessidade de abrir as portas aos jovens.

Os vencedores de cada estado participam também de uma premiação nacional. Na edição de 2022, o IEL está no momento de avaliação, tanto dos estagiários quanto das empresas e instituições de ensino. Os campeões estaduais serão conhecidos até o fim de setembro e a premiação nacional está prevista para ocorrer em outubro.

Edneide Lima ainda destaca que, além de premiar, é importante comemorar a data porque mostra como essa prática do estágio, quando é bem feita, pode mudar a realidade de pessoas e empreendimentos. “O estágio de qualidade transforma a vida desses estagiários, fazendo com que um estudante se torne um profissional, e transforma também a empresa que abre as portas, porque ela está dando oportunidade de qualificação, mas também está abrindo portas para a entrada de novos talentos, de novas ideias e de novas formas de trabalho”, conclui.

O IEL existe desde 1969 e tem como objetivo principal criar essa conexão entre os jovens que estão buscando desenvolver a carreira e as organizações, em todos os estados, que procuram esses talentos. 
 

Copiar o texto
Brasil 61