Bahia

15/09/2021 03:00h

Na pandemia, houve uma redução de 40% no município. Unidade faz apelo por novos doadores

Baixar áudio

O tipo sanguíneo O positivo está em estado crítico no Hemocentro Regional de Eunápolis. A informação é da responsável administrativa da unidade, Karoline Cavalcante, que faz um apelo a todos que moram na região para que procurem o local e doem sangue. Além da carência para essa tipagem, ela explica que houve uma redução de até 40% no número de doadores em Eunápolis e que as tipagens negativas também se encontram em estado de alerta. 

“Gostaria de enfatizar a todos que o sangue não pode ser comprado na indústria. O sangue depende da ação solidária do próximo. Então, nós precisamos muito da sua ajuda. Compareça ao hemocentro e realize sua doação”, clama Karoline.

O motorista Rafael Lopes, 38 anos, se sentiu realizado ao doar sangue. Morador do Bairro do Uruguai na Bahia, ele doa há uma década. “No dia do meu aniversário, sempre tomo essa atitude de agradecer a Deus pelo dom da vida e faço isso doando sangue. Todas as vezes eu vou ao Hemoba, aqui em Salvador, doar voluntariamente, pois sei que muita gente precisa. Eu me sinto realizado em saber que estou sendo útil para a humanidade, estou muito satisfeito”, comemora.

Para o ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, a população precisa entender a importância de ir ao hemocentro e às unidades de coleta para doar sangue ou medula óssea. Mesmo com a pandemia, as doações não podem parar. Só assim os estoques de sangue podem ser abastecidos diariamente, evitando situações de emergência e escassez.

“Vamos aproveitar essa oportunidade para reafirmar não só as ações de enfrentamento à pandemia, mas também a necessidade contínua de cumprir o preceito constitucional da saúde como direito fundamental. O sangue, ao longo do tempo, simboliza a vida. E, nesse sentido, é importante a doação regular de sangue. Doe sangue regularmente. Com a nossa união, a vida se completa”, alerta.

Onde doar sangue na Bahia

Interessados em doar sangue e medula óssea podem procurar, além do hemocentro coordenador do estado, em Salvador, os hemocentros regionais de Barreiras e Eunápolis ou uma das mais de 20 unidades espalhadas por toda a Bahia. Todos os hemocentros e unidades de coleta estão agendando as doações por telefone e pelo site do Hemoba (saude.ba.gov.br/hemoba/). 

Quem mora na microrregião de Porto Seguro, composta por 19 municípios, entre eles Caravelas, Mucuri  e Teixeira de Freitas pode procurar o Hemocentro Regional do Extremo Sul, em Eunápolis, localizado na Avenida Brilhante, sem número, no bairro Pequi ou discar para (73) 3261-1845.

Doadores dos municípios de Baianópolis, Catolândia, Formosa do Rio Preto, Luís Eduardo Magalhães, Riachão das Neves e São Desidério, podem procurar o Hemocentro Regional de Barreiras que fica na Rua Paulo Afonso, sem número, Barreirinhas (ao lado do Hospital Municipal Eurico Dutra). O telefone para contato é o (77) 3613-3799. 

Após uma semana da retomada das atividades comerciais em Salvador, dois postos de coleta de sangue da Hemoba foram abertos nos centros comerciais Salvador Shopping e Salvador Norte Shopping, atendendo demanda espontânea, de segunda a sábado, seguindo todos os protocolos de segurança estabelecidos pelo Salvador Shopping e pela Secretaria Municipal de Desenvolvimento e Urbanismo (Sedur). 

Para saber mais sobre horários de funcionamento e endereços, acesse o mapa abaixo.

Critérios para doar sangue

De acordo com a Coordenação-Geral de Sangue e Derivados do Ministério da Saúde, o procedimento para doação de sangue é simples. Primeiro se faz o cadastro, aferição de sinais vitais, teste de anemia, triagem clínica, coleta de sangue e depois o lanche. Isso tudo leva em média 40 minutos.

Vale lembrar que até mesmo quem foi infectado pelo coronavírus pode doar sangue e medula óssea. No entanto, é necessário aguardar 30 dias após completa recuperação da doença. Quem teve contato com pessoas infectadas também precisa esperar 14 dias para poder fazer a doação, apresentando RT-PCR negativo e ausência de sintomas. Já os vacinados devem esperar o tempo de imunização, que vai depender da marca do imunizante.

Para doar sangue é necessário ter entre 16 e 69 anos de idade e pesar no mínimo 50 quilos. Mulheres podem doar até três vezes ao ano com intervalo de três meses entre as doações. Já os homens podem doar até quatro, com intervalo de dois meses. A doação é voluntária e uma bolsa de apenas 450mL de sangue pode ajudar até quatro pessoas.

Candidatos à doação de medula óssea devem ter entre 18 e 35 anos, estar em bom estado de saúde e não apresentar doença infecciosa ou incapacitante. Segundo o Redome, algumas complicações de saúde não são impeditivas para doação, sendo analisado caso a caso.

Doar sangue e medula é seguro! Com a pandemia, todos os protocolos de contenção contra a Covid-19 estão sendo realizados. No dia da doação, será preciso apresentar documento de identificação com foto. Para saber onde doar sangue ou se cadastrar para doar medula óssea, acesse saude.ba.gov.br/hemoba.

Copiar o texto
14/09/2021 03:00h

Redução no número de doações se deve à pandemia do coronavírus instalada no país

Baixar áudio

O Hemocentro Regional de Barreiras está com as tipagens sanguíneas negativas em estado bastante preocupante. A instituição aproveita para sensibilizar a população da região para se solidarizar doando sangue, principalmente agora diante do atual cenário da Covid-19. De acordo com Dulce Rodrigues, responsável administrativa pelo local, a pandemia reduziu bastante o número de doações.

“Nossos estoques estão críticos devido ao aumento de consumo diante desse cenário que estamos vivenciando.  Então, fazemos um apelo à população que faça o seu agendamento pelo telefone ou site”, disse.

O motorista Rafael Lopes, 38 anos, se sentiu realizado ao doar sangue. Morador do Bairro do Uruguai, na capital baiana, ele doa há uma década. “No dia do meu aniversário eu sempre tomo essa atitude de agradecer a Deus pelo dom da vida e faço isso doando sangue. Todas as vezes eu vou ao Hemoba, aqui em Salvador, doar voluntariamente, pois sei que muita gente precisa. Eu me sinto realizado em saber que estou sendo útil para a humanidade, estou muito satisfeito”, comemora.

Para o ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, a população precisa entender a importância de ir ao hemocentro e às unidades de coleta para doar sangue ou medula óssea. Mesmo com a pandemia, as doações não podem parar. Só assim os estoques de sangue podem ser abastecidos diariamente, evitando situações de emergência e escassez.

“Vamos aproveitar essa oportunidade para reafirmar não só as ações de enfrentamento à pandemia, mas também a necessidade contínua de cumprir o preceito constitucional da saúde como direito fundamental. O sangue, ao longo do tempo, simboliza a vida. E, nesse sentido, é importante a doação regular de sangue. Doe sangue regularmente. Com a nossa união, a vida se completa”, afirmou.

Onde doar sangue na Bahia

Interessados em doar sangue e medula óssea podem procurar, além do hemocentro coordenador do estado, em Salvador, os hemocentros regionais de Barreiras e Eunápolis ou uma das mais de 20 unidades espalhadas por toda a Bahia. 

Doadores dos municípios de Baianópolis, Catolândia, Formosa do Rio Preto, Luís Eduardo Magalhães, Riachão das Neves e São Desidério, podem procurar o Hemocentro Regional de Barreiras que fica na Rua Paulo Afonso, sem número, Barreirinhas (ao lado do Hospital Municipal Eurico Dutra). O telefone para contato é o (77) 3613-3799. 

Quem mora na microrregião de Porto Seguro, composta por 19 municípios, entre eles Caravelas, Mucuri  e Teixeira de Freitas pode procurar o Hemocentro Regional do Extremo Sul, em Eunápolis, localizado na Avenida Brilhante, sem número, no bairro Pequi ou discar para (73) 3261-1845.

Para saber mais informações sobre endereços e horários de funcionamento das unidades mais próximas de você, veja o mapa abaixo.

Critérios para doar sangue

De acordo com a Coordenação-Geral de Sangue e Derivados do Ministério da Saúde, o procedimento para doação de sangue é simples. Primeiro se faz o cadastro, aferição de sinais vitais, teste de anemia, triagem clínica, coleta de sangue e depois o lanche. Isso tudo leva em média 40 minutos.

Vale lembrar que até mesmo quem foi infectado pelo coronavírus pode doar sangue e medula óssea. No entanto, é necessário aguardar 30 dias após completa recuperação da doença. Quem teve contato com pessoas infectadas também precisa esperar 14 dias para poder fazer a doação, apresentando RT-PCR negativo e ausência de sintomas. Todos os vacinados devem esperar o tempo de imunização, que vai depender da marca do imunizante.

Para doar sangue é necessário ter entre 16 e 69 anos de idade e pesar no mínimo 50 quilos. Mulheres podem doar até três vezes ao ano com intervalo de três meses entre as doações. Já os homens podem doar até quatro, com intervalo de dois meses. A doação é voluntária e uma bolsa de apenas 450mL de sangue pode ajudar até quatro pessoas.

Candidatos à doação de medula óssea devem ter entre 18 e 35 anos, estar em bom estado de saúde e não apresentar doença infecciosa ou incapacitante. Segundo o Redome, algumas complicações de saúde não são impeditivas para doação, sendo analisado caso a caso.

Doar sangue e medula é seguro! Com a pandemia, todos os protocolos de contenção contra a Covid-19 estão sendo realizados. No dia da doação, será preciso apresentar documento de identificação com foto. Para saber onde doar sangue ou se cadastrar para doar medula óssea, acesse saude.ba.gov.br/hemoba.

Copiar o texto
06/09/2021 19:03h

Com a concessão, a ferrovia irá ajudar a escoar a produção de minério de ferro da mina Pedra de Ferro, de Caetité (BA), até o Porto Sul, em fase de construção na cidade de Ilhéus, litoral baiano

O governo federal e a BAMIN firmaram o contrato de subconcessão da FIOL (Ferrovia de Integração Oeste-Leste), arrematada em leilão realizado em abril deste ano na B3, em São Paulo. A conclusão para construção da ferrovia de mandará investimentos de R$ 3,3 bilhões, dos quais R$ 1,6 bilhão em obras civis e R$ 1,7 bilhão em material rodante, como vagões e locomotivas. A BAMIN adquiriu subconcessão por um período de 35 anos, sendo cinco para a construção da ferrovia e 30 para sua exploração. 

Assim que estiver concluída, a FIOL terá capacidade para movimentar 60 milhões de toneladas anuais. A mineradora utilizará apenas um terço desse potencial e dois terços serão disponibilizados para outras empresas de mineração e agronegócio, além de demais setores que precisarem escoar seus produtos e receber insumos, máquinas e implementos agrícolas. 

Para a BAMIN, a FIOL irá ajudar a escoar a produção de minério de ferro da mina Pedra de Ferro, de Caetité (BA), até o Porto Sul, em fase de construção na cidade de Ilhéus, litoral baiano. A BAMIN deve transportar 1 milhão de toneladas de minério de ferro e, com a finalização do Porto Sul e FIOL, previstos para 2026, este volume deve alcançar 18 milhões de toneladas por ano. O minério produzido é de altíssima qualidade, com 65% de hematita, considerada uma commodity premium: DSO 65. O processo de beneficiamento dessa matéria-prima na indústria não requer água e não consome muita energia, o que gera ganhos em termos de sustentabilidade.

Com a assinatura do acordo, a BAMIN terá 120 dias para entender o andamento da obra e avaliar outras questões relacionadas. É uma fase preliminar para a elaboração do plano de retomada das obras civis previstas para o segundo semestre de 2022. A retomada da construção gera expectativas de desenvolvimento, já que a ferrovia passará por 20 municípios da Bahia. A BAMIN prevê instalar mais de 30 pátios de carga ao longo da rota, criando oportunidades para os produtores regionais, potencializando as cadeias produtivas instaladas ao longo do caminho. Por onde a FIOL passar, possibilitará novos negócios, arrecadação de impostos, geração de empregos e renda. O Ministério da Infraestrutura estima a geração de 55 mil empregos diretos e indiretos com a construção da ferrovia, em cinco anos. "A Mina Pedra de Ferro, Porto Sul e agora a FIOL, que a BAMIN está desenvolvendo na Bahia, constituem um marco histórico de transformação para a economia, para o orgulho e a autoestima da população do estado e de todos os brasileiros. Estamos construindo um novo corredor logístico para integrar o Oeste com o Leste do Brasil, com um novo e importante corredor de exportação. Tanto a FIOL quanto o Porto Sul certamente contribuirão para o crescimento e o desenvolvimento sustentável da região. O estado da Bahia ocupará uma nova e importante dimensão na economia nacional, tornando-se também o terceiro maior produtor de minério de ferro do país, gerando riquezas, distribuição de renda e elevando a qualidade de vida de sua população", afirma Eduardo Ledsham, CEO da BAMIN.

A Associação de Agricultores e Irrigantes – Aiba considera a FIOL um projeto bem-vindo, já que o novo modal vai reduzir os custos de transporte. A estimativa da entidade é conseguir embarcar mais de 10 milhões de toneladas de grãos e fibras anualmente. "Porém, há uma grande quantidade de carga ainda não dimensionada nas áreas da pecuária, piscicultura, madeira, celulose e fruticultura, com a expansão da área de cacau no Oeste, e de banana, em que a Bahia é o maior produtor do país", diz Odacil Ranzi, presidente da Aiba. 

A BAMIN arrematou o trecho 1 da ferrovia que liga as cidades de Ilhéus, Uruçuca, Aureliano Leal, Ubaitaba, Gongogi, Itagibá, Itagi, Jequié, Manoel Vitorino, Mirante, Tanhaçu, Aracatu, Brumado, Livramento de Nossa Senhora, Lagoa Real, Rio do Antônio, Ibiassucê e Caetité. Com mais dois trechos a serem construídos futuramente, a FIOL terá um total de 1.527 km, chegando ao Tocantins onde poderá ser conectada à Ferrovia Norte-Sul. O projeto do trecho 2 vai de Caetité a Barreiras e o terceiro trecho vai até o Tocantins, na cidade de Figueirópolis

A BAMIN informa que já conta com profissionais experientes contratados no setor ferroviário. A empresa conta ainda com a expertise do Grupo do qual faz parte, o Eurasian Resources Group - ERG. Com operações em 15 países, e mais de 75 mil empregados, o Grupo ERG opera também na Ásia Central, com vasta experiência em ferrovias. A empresa movimenta mais de 50 milhões de toneladas de cargas anualmente, utilizando 10 mil unidades próprias de transporte. O tamanho da frota exige uma capacidade de manutenção e reparo de 2.500 vagões por ano e mais de mil manutenções por ano nas locomotivas. "Sabemos que em todo o mundo, onde quer que seja construída uma ferrovia, ela incentiva o desenvolvimento sustentável das cidades por onde passa. As pessoas experimentam prosperidade e as esperanças se tornam realidade. Temos certeza que a FIOL fará a integração necessária para gerar oportunidades e riquezas, unindo ainda mais o Oeste ao Leste do Brasil. Estamos aqui há dezesseis anos, acreditando no potencial do Brasil e na capacidade do povo brasileiro", disse Benedikt Sobotka, CEO do Grupo ERG.

Copiar o texto
06/09/2021 19:00h

Brotas de Macaúbas e Jeremoabo poderão ter a antecipação de benefícios sociais, liberação de seguros e a prorrogação de pagamentos de empréstimos federais

Baixar áudio

Os municípios de Brotas de Macaúbas e Jeremoabo, localizados no interior da Bahia, estão em situação de emergência. O Ministério do Desenvolvimento Regional (MDR) reconheceu a situação nas duas cidades, que foram atingidas pela estiagem, e que agora passam a integrar uma lista com mais de cem municípios do estado que se encontram em situação de emergência devido à falta de chuvas.
 
A decisão foi publicada na edição desta segunda-feira (6) do Diário Oficial da União (DOU). A medida possibilita a antecipação de benefícios sociais, liberação de seguros e a prorrogação de pagamentos de empréstimos federais, por exemplo. Com o reconhecimento federal, os gestores municipais agora podem solicitar recursos do Ministério do Desenvolvimento Regional para atender a população afetada.
 
E é isso o que explica Alexandre Lucas, secretário Nacional de Proteção e Defesa Civil. “O que o reconhecimento permite é que o Governo Federal, com todos os seus órgãos do Sistema Federal de Proteção e Defesa Civil, atue em apoio ao estado. Essa é a primeira consequência. Mudando, inclusive, os seus processos administrativos para acelerar essa ajuda”, ressaltou.  

Aneel cria a bandeira “escassez hídrica” e o preço da energia elétrica aumenta em 50% na Bahia

Saneamento: associações do setor e sociedade civil sugerem melhorias para que contratos de programa atendam ao novo Marco Legal

Fiscalização reforçada nas rodovias durante o feriadão
 
O Governo Federal tem acompanhado de perto as consequências da seca e da estiagem no Nordeste. Após percorrer o interior do Piauí, foram repassados R$ 4,5 milhões para abastecimento de água por carros-pipa nas áreas urbanas de 50 municípios. Para a Paraíba, outros R$ 8 milhões foram repassados também para reforçar a distribuição de água nas áreas urbanas.
 
As solicitações de recursos para ações de Defesa Civil devem ser feitas pelo Sistema Integrado de Informações sobre Desastres, o S2iD. A ferramenta pode ser acessada em s2id.mi.gov.br.

Menos burocracia

Em março de 2020, o ministro do Desenvolvimento Regional, Rogério Marinho, assinou uma portaria para simplificar o processo de solicitação e análise de reconhecimento federal da situação de emergência ou do estado de calamidade pública em decorrência do novo coronavírus.
 
Dessa forma, os entes federados ficam dispensados de enviar uma série de documentos obrigatórios para situações de desastres naturais, exigidos pela Instrução Normativa nº 02/2016.
 
O estado de emergência se caracteriza pela iminência de danos à saúde e aos serviços públicos. Já o estado de calamidade pública é decretado quando essas situações se instalam. Cabe ao prefeito avaliar a situação e decretar emergência ou calamidade, casos em que há possibilidade de obtenção de recursos federais e estaduais facilitada.

Copiar o texto
06/09/2021 03:00h

A nova bandeira reajustou o preço da energia de R$ 9,4 por 100 kwh (quilowatt-hora) para R$ 14,2 kwh

Baixar áudio

A meta inflacionária para 2021, medida pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), tinha estimativa de variar entre 3,75% e 5,25% no início do ano. No entanto, o Banco Central já vislumbra uma taxa de inflação de 7,11% ao final do período. Em julho, por exemplo, o IPCA já acumulava quase 9% em 12 meses e a tendência é que esse número continue em alta, já que os valores cobrados da energia elétrica subiram na última semana. 

A Aneel criou uma faixa de cobrança na conta de luz, a bandeira “escassez hídrica”, com valores mais altos em comparação aos praticados na bandeira vermelha 2. A nova cobrança na tarifa de energia elétrica reajustou o preço em 50%, passando de R$ 9,4 por 100 kwh (quilowatt-hora) para R$ 14,2 kwh. De acordo com a Aneel, a nova bandeira valerá até abril de 2022 e o reajuste médio aos consumidores deve ser de 6,78%. 

Garimpo já ocupa mais área do que a mineração industrial

Edital do Leilão do 5G traz ajustes para reforçar investimento em educação nos municípios

Nos estados da região Nordeste do país, por exemplo, a tarifa média cobrada na energia elétrica, sem a bandeira de escassez hídrica, é de R$ 0,60 por kwh consumido. Na Bahia, a tarifa convencional cobrada é de R$ 0,62 por kwh. 

“Remédio”

A principal medida usada para frear a alta da inflação é o controle da taxa básica de juros da economia, a Selic, realizado pelo Banco Central. A dinâmica é simples: quando os preços ao consumidor disparam, o BC aumenta a taxa de juros e o dinheiro e o crédito ficam mais caros, a procura por produtos e serviços diminui e, por consequência, força a queda dos valores no comércio. Entretanto, essa “receita” é indicada quando a inflação dispara por forte consumo, ou seja, diferente da realidade atual. 

“Quando você dá um ‘remédio’, que seria o aumento da taxa de juros, para uma inflação que não tem origem no consumo, ela tem origem na oferta, você gera desaquecimento da economia. O crédito e os produtos ficam mais caros e você desestimula da economia”, explica Luiz Carlos Ongaratto, especialista em Economia e Administração.

No entanto, o “remédio” tem contraindicações perversas sobre a produção industrial e na capacidade de o setor produtivo realizar investimentos, já que a Selic também influencia nos valores dos créditos, desvaloriza a moeda brasileira e contribui para a falta de insumos e matérias-primas nas indústrias. O combo da política de contenção da inflação desestimula a atividade econômica. 

“Automaticamente, quando você dá um ‘remédio’, que seria o aumento da taxa de juros, para inflação que não tem origem no consumo, você vai gerar desaquecimento da economia. O crédito fica mais caro, os produtos ficam mais caros”, lembrou Daniel Almeida, deputado federal do PC do B/BA. 

Este ano, a Selic teve quatro reajustes e já acumula alta de 3,25% a.a., saindo de 2% a.a., em janeiro, para 5,25% a.a., em agosto. O BC manteve o reajuste em 0,75% nos três primeiros movimentos do ano, em março, maio e junho, mas elevou a taxa em 1%, este mês. 

Copiar o texto
02/09/2021 09:45h

Segundo o secretário de Infraestrutura do Estado, Marcus Cavalcanti, a previsão é de um investimento que chega a R$ 26 milhões

Baixar áudio

O semianel viário de Candeias vai passar por obras de recuperação e melhorar o acesso de quem trafega entre o município baiano e a BR-324, no Viaduto de Via Maré. De acordo com o governo da Bahia, objetivo é evitar o tráfego de caminhões e carretas na área urbana de Candeias.

O aviso de licitação para a execução dos serviços foi publicado, nesta quarta-feira (1°) no Diário Oficial do Estado (DOE). A abertura dos envelopes com as propostas das empresas interessadas acontecerá em 5 de outubro.

Saneamento: Amapá se junta a outros estados que se beneficiaram com o novo Marco Legal

MDR apresenta Programa Pró-Cidades a estados e municípios do Norte e Centro-Oeste

Sob a responsabilidade da Secretaria de Infraestrutura da Bahia (Seinfra) a obra compreende um trecho de 13,9 km entre os entroncamentos da BA-523 e da BR-324. Segundo o secretário de Infraestrutura do Estado, Marcus Cavalcanti, a previsão é de um investimento que chega a R$ 26 milhões.

Além da recuperação do Semianel de Candeias, outras obras de infraestrutura são realizadas pela Seinfra no município e região. Uma delas é a restauração de 13,5 km da BA-522, do entroncamento da BA-522 até o distrito de Menino Jesus. A ponte que liga Madre de Deus a São Francisco do Conde, na BA-523, também passa por recuperação.

 

Copiar o texto
31/08/2021 03:00h

Tarifa de energia elétrica contribui para aumento de despesas dos baianos e juros altos limitam crédito para indústrias

Baixar áudioBaixar áudio

A crise hídrica que assola o país levou a Aneel a estipular a bandeira vermelha nas contas de luz. A tarifa já está na fase 2, com cobrança de R$ 9,4 por 100 kwh gastos a mais na conta dos consumidores. Esse valor pode subir entre R$ 11 e R$ 15 por 100 kwh consumidos a partir da próxima semana.

Nos estados da região Nordeste do país, por exemplo, a tarifa média cobrada na energia elétrica, sem a bandeira vermelha, é de R$ 0,60 por kwh consumido. A bandeira vermelha aumentou em cerca de 14% esse valor. Na Bahia, a tarifa convencional cobrada é de R$ 0,62.

O preço alto da conta de luz contribui para aumento da inflação e as consequências refletem negativamente no custo de vida da população, freia o consumo e trava os investimentos nos setores produtivos dos estados. Isso porque a meta inflacionária para o ano, medida pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), tinha estimativa de variar entre 3,75% e 5,25%.

No entanto, o Banco Central já vislumbra uma taxa de inflação de 7,11% ao final de 2021. Em julho, por exemplo, o IPCA já acumulava quase 9% em 12 meses e a tendência é que esse número continue em alta, já que os valores cobrados da energia elétrica devem subir ainda mais nos próximos meses.

Curitiba (PR), Fortaleza (CE), Guarulhos (SP), Recife (PE) e Salvador (BA) vencem chamada pública de projetos de mobilidade urbana sustentável

Crise hídrica pode aumentar inflação nos estados brasileiros

FPM: prefeituras recebem R$ 2,4 bilhões nesta segunda-feira (30); confira quanto seu município vai receber

“Remédio”

A principal medida usada para frear a alta da inflação é o controle da taxa básica de juros da economia, a Selic, realizada pelo Banco Central. A dinâmica é simples: quando os preços ao consumidor disparam, o BC aumenta a taxa de juros e o dinheiro e o crédito ficam mais caros, a procura por produtos e serviços diminui e, por consequência, força a queda dos valores no comércio. Entretanto, essa “receita” é indicada quando a inflação dispara por forte consumo, ou seja, diferente da realidade atual.  

“Quando você dá um ‘remédio’, que seria o aumento da taxa de juros, para uma inflação que não tem origem no consumo, ela tem origem na oferta, você gera desaquecimento da economia. O crédito e os produtos ficam mais caros e você desestimula da economia”, explica Luiz Carlos Ongaratto, especialista em Economia e Administração.  

No entanto, o “remédio” tem contraindicações perversas sobre a produção industrial e na capacidade do setor produtivo realizar investimentos, já que a Selic também influencia nos valores dos créditos, desvaloriza a moeda brasileira e contribui para a falta de insumos e matérias-primas nas indústrias. O combo da política de contenção da inflação desestimula a atividade econômica.

“Nós não vamos ter mais dinheiro para o setor produtivo, o que pode criar recessão na economia e, com isso, sofrem a indústria, toda a agricultura e pecuária, e todo setor terciário, o turismo também”, lembra o deputado federal, Félix Mendonça Júnior (PDT-BA).

Este ano, a Selic teve quatro reajustes e já acumula alta de 3,25% a.a., saindo de 2% a.a., em janeiro, para 5,25% a.a., em agosto. O BC manteve o reajuste em 0,75% nos três primeiros movimentos do ano, em março, maio e junho, mas elevou a taxa em 1%, este mês.

Copiar o texto
26/08/2021 15:41h

Com o reconhecimento, municípios podem solicitar auxílio do Ministério do Desenvolvimento Regional para ações de respostas à falta de chuvas.

Baixar áudio

O Governo Federal reconheceu a situação de emergência em dez cidades da Bahia atingidas pela estiagem. 

A falta de chuvas tem causado prejuízo às cidades de Abaré, Belo Campo, Boa Vista do Tupim, Dom Basílio, Ibipitanga, Ituaçu, Lafaiete Coutinho, Maetinga e Presidente Jânio Quadros.

Com o reconhecimento federal, os municípios podem solicitar auxílio do Ministério do Desenvolvimento Regional, o MDR, para ações de respostas a desastres naturais e de reconstrução de infraestrutura pública danificada. 

Karine Lopes, diretora de Articulação e Gestão da Defesa Civil Nacional, conta como deve ser feita a solicitação.

"Para solicitar o recurso, o ente deve ter o reconhecimento federal de situação de emergência ou estado de calamidade pública. Os pleitos devem ser remetidos por meio do S2iD, o Sistema Integrado de Informações sobre Desastres. É importante que todos os municípios estejam cadastrados e com os cadastros atualizados."

O S2iD pode ser acessado em s2id.mi.gov.br. 

Também nesta quinta-feira, 26 de agosto, o MDR reconheceu a situação de emergência em outras cinco cidades da Região Nordeste, sendo duas no Ceará, duas no Rio Grande do Norte e uma em Sergipe.

Para saber mais sobre as ações de proteção e defesa civil do Ministério do Desenvolvimento Regional, acesse mdr.gov.br.

Copiar o texto
23/08/2021 03:00h

O estado possui, atualmente, PIB industrial de R$ 28,9 bilhões, equivalente a 2,2% da indústria nacional. Sem uma reforma tributária ampla, o cenário é de perda da posição relativa da indústria no PIB nacional e estadual

Baixar áudio

A Bahia possui, atualmente, Produto Interno Bruto (PIB) industrial de R$ 54 bilhões, equivalente a 4,1% da indústria nacional. Sem uma reforma tributária ampla, o cenário é de perda da posição relativa da indústria no PIB nacional e estadual. Segundo dados da Confederação Nacional da Indústria (CNI), ao todo, o setor emprega 364.603 trabalhadores no segmento.
 
O estado arrecadou, entre janeiro e junho de 2021, R$ 17,1 bilhões de Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS). Com isso, a Unidade da Federação coletou 30,41% a mais em relação ao mesmo período de 2020, quando o valor foi de R$ 14,3 bilhões. Os números são do Conselho Nacional de Política Fazendária (Confaz).
 
Para o advogado tributarista Marcus Cruz, a complexidade do sistema tributário é um problema para todos, até mesmo para o poder legislativo, e além de simplificá-lo, a reforma promete ainda gerar impactos positivos na produtividade e no crescimento econômico do país. “A reforma tributária sem amplitude federativa não é reforma, sem dúvidas alguma é necessário a reforma completa incluindo estados e municípios”, afirmou.
 
A urgência para se aprovar uma reforma tributária no Brasil é considerada uma unanimidade. No entanto, parte dos parlamentares no Congresso Nacional, assim como profissionais que atuam diretamente no ramo, ressaltam que isso não pode ser desculpa para que as mudanças sejam feitas pontualmente, ou seja, uma reforma tributária fatiada.

Reforma tributária fatiada vai impedir expansão econômica em Alagoas e demais estados

AC: crescimento econômico do estado depende da aprovação de reforma tributária ampla

Crescimento econômico 

Outros especialistas também consideram que o sistema tributário em vigor no Brasil reduz a capacidade de competitividade do País e dos estados. Para o diretor de Assuntos Tributários da Federação Brasileira de Associações de Fiscais de Tributos Estaduais, Juracy Soares, o atual modelo contribui para a estagnação da economia.
 
“Para milhares de empresas, os elevados custos de conformidade afastam investimentos produtivos e minam as atividades dessas corporações no mercado nacional e global. Para a administração pública, a infinidade de novas normas que são escritas para tapar buracos, que viabilizam sonegação, e também para gerir esse sistema complexo, resultam em perdas de arrecadação e elevados custos de gerenciamento e controle”, destacou.  

O que muda com a reforma tributária mais ampla?  

Uma reforma tributária ampla pode aumentar em até 20% o ritmo de crescimento do PIB do Brasil nos próximos 15 anos. A projeção foi feita por profissionais renomados, que atuam em instituições como o Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (IPEA), a Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), a LCA Consultores e a Fundação Getúlio Vargas (FGV). 
 
De acordo com os pesquisadores, esse resultado será consequência de ganhos de competitividade da produção nacional em relação aos competidores externos e da melhor alocação dos recursos produtivos.
 
O IPEA, por exemplo, considera que as mudanças na forma de se cobrar impostos no Brasil poderão reduzir a pressão dos tributos sobre o cidadão de menor renda, o que acarreta em diminuição das desigualdades sociais.
 

Copiar o texto
19/08/2021 03:00h

Doação é a única maneira de os estoques sanguíneos se manterem estáveis. Para isso, procure uma unidade mais próxima e doe sangue

Baixar áudio

Estão disponíveis mais de 20 unidades no estado da Bahia, fixas e móveis e postos de coleta itinerantes, para novos voluntários de doação de sangue. Quem doa regularmente, também pode procurar um desses locais e ajudar a salvar vidas. Além disso, todas essas localidades recebem candidatos para cadastro de doação de medula óssea.

Logo depois, o cadastro é repassado para o Registro Nacional de Doadores Voluntários de Medula Óssea (Redome), do Instituto Nacional do Câncer (Inca), órgão nacional responsável pelo gerenciamento das informações do doador e do paciente. Caso haja compatibilidade, o Redome entrará em contato com o doador para retirada das células.

Coordenação estadual

O diretor do Hemoba Fernando Araújo disse que os estoques precisam estar sempre em segurança, principalmente nesse momento de pandemia que modificou toda a medicina transfusional. “A importância da doação de sangue nesse momento de pandemia  modifica todo o formato e a trajetória da nossa medicina transfusional e exige que a gente tenha os estoques sempre seguros", afirma.

Atendimento regional 

O hemocentro regional, localizado em Barreiras, atende a outros seis municípios. Entre eles estão: Baianópolis, Catolândia, Formosa do Rio Preto, Luís Eduardo Magalhães, Riachão das Neves e São Desidério. A unidade fica na Rua Paulo Afonso, sem número, em  Barreirinhas ao lado do Hospital Municipal Eurico Dutra e o telefone para ligar é (77) 3613-3799. 

Já na Unidade de Coleta e Transfusão em  Alagoinhas está mais próxima de oito municípios,  como Aporá, Araçás, Aramari, Crisópolis e Rio Real. A unidade fica na Rua Professor Maurício Pereira Teles, número 485, próxima à Plasbom Embalagens. O telefone para contato é (75) 3422-2042.

Quem mora em Caraíbas, Cordeiros, Piripá ou Presidente Jânio Quadros ou em outros nove municípios, pode procurar a Unidade de Coleta e Transfusão de Brumado, cujo endereço é na Rua Manoel Fernandes dos Santos, número 87, Jardim Brasil. O telefone é  (77) 3441-1363.

Residentes em Feira de Santana, Água Fria, Conceição da Feira, Conceição do Jacuípe ou em outros 19 municípios, podem procurar a Unidade de Coleta e Transfusão de Feira de Santana, no endereço Avenida Eduardo Fróes da Mota, sem número, ao lado do Hospital Clériston Andrade. O telefone é  (75) 3614-1556.

Eles se tornaram irmãos

Alan Fraga França, 31, teve a oportunidade de ser chamado para doar medula óssea e também de saber quem foi o seu receptor. Ele aceitou dar a entrevista ao portal Brasil61, que procurou o personagem de forma independente. Morador do Conjunto Pirajá, na Bahia, o vigilante diz que o procedimento não dói. Além de medula, Alan também foi chamado para doar outros materiais. “Sou doador regular de sangue há mais de 13 anos; de plaquetas comecei a doar há três”, conta. Carinhosamente chamado por ele de irmão, Alan ainda não teve oportunidade de conhecer Rodrigo Kovacs, de 40 anos, pessoalmente por causa da pandemia. 

O administrador Rodrigo Kovacs teve um linfoma no mediastino e está em remissão há quatro anos. A reportagem do portal Brasil61 também o procurou de forma independente. Na época, ele precisou de alguém compatível para doação de medula e, assim, salvar a vida dele. “A experiência de ter recebido a medula do Alan foi única, porque eu passei pela vida e pela morte, foram vários dias de UTI. Eu disse a mim mesmo que viveria para contar a minha história. A única coisa que falta é conhecer o Alan pessoalmente, meu novo irmão. Tenho muita gratidão por ele e por estar vivo”, reafirma.

Doação de sangue

O ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, garante que doar sangue é possível graças ao SUS. “Vamos aproveitar essa oportunidade para reafirmar não só as ações de enfrentamento à pandemia, mas também a necessidade contínua de cumprir o preceito constitucional da saúde como direito fundamental. O sangue, ao longo do tempo, simboliza a vida. E, nesse sentido, é importante a doação regular. Doe sangue regularmente. Coom a nossa união, a vida se completa.”

E quem vacinou contra a Covid-19 pode doar sangue?

Após a vacinação, é preciso aguardar um período para poder doar sangue e medula, de acordo com o tipo de vacina, conforme quadro abaixo:

Laboratório 

Inaptidão para doação de sangue

Coronavac

48 horas

AstraZeneca/Oxford/Fiocruz

7 dias

BioNTech/Fosun Pharma/Pfizer

7 dias

Janssen-Cilag

7 dias

Gamaleya National Center

7 dias

Fonte: Ministério da Saúde

Onde doar sangue ou se cadastrar para doar medula óssea na Bahia

Além dos hemocentros regionais, os voluntários à doação de sangue e interessados em se candidatar para doar medula óssea no estado podem procurar as unidades de coleta e transfusão que ficam nos municípios de Feira de Santana, Brumado, Alagoinhas entre outras.Para saber mais informações sobre endereços e horários de funcionamento das unidades, veja o mapa abaixo:

Critérios para doação de sangue e medula óssea

De acordo com a Coordenação-Geral de Sangue e Derivados do Ministério da Saúde, o procedimento para doação de sangue é simples. Primeiro se faz o cadastro, aferição de sinais vitais, teste de anemia, triagem clínica, coleta de sangue e depois o lanche. Isso tudo leva em média 40 minutos.

Vale lembrar que até mesmo quem foi infectado pelo coronavírus pode doar sangue e medula óssea. No entanto, é necessário aguardar 30 dias após completa recuperação da doença. Quem teve contato com pessoas infectadas também precisa esperar 14 dias para poder fazer a doação, apresentando RT-PCR negativo e ausência de sintomas. Já os vacinados devem esperar o tempo de imunização, que vai depender da marca do imunizante.

Para doar sangue é necessário ter entre 16 e 69 anos de idade e pesar no mínimo 50 quilos. Mulheres podem doar até três vezes ao ano com intervalo de três meses entre as doações. Já os homens podem doar até quatro, com intervalo de dois meses entre as doações. A doação é voluntária e uma bolsa de apenas 450mL de sangue pode ajudar até quatro pessoas.

Candidatos à doação de medula óssea devem ter entre 18 e 35 anos, estar em bom estado de saúde e não apresentar doença infecciosa ou incapacitante. Segundo o Redome, algumas complicações de saúde não são impeditivas para doação, sendo analisado caso a caso.

Doar sangue e medula é seguro! Com a pandemia, todos os protocolos de contenção contra a Covid-19 estão sendo realizados. No dia da doação, será preciso apresentar documento de identificação com foto. Para saber onde doar sangue ou se cadastrar para doar medula óssea, acesse saude.ba.gov.br/hemoba.
Acesse as unidades da Hemorrede para saber onde doar sangue ou se cadastrar para doar medula óssea , clique aqui.

Copiar o texto
Brasil 61