Cadastro de mídia

TERMO DE USO E PARCERIA

TERMO DE USO E PARCERIA

Regras de Uso

1º - A utilização gratuita e livre dos materiais produzidos pelo Brasil 61 só será permitida depois que este termo de parceria for aceito pelo usuário, prevendo as seguintes regras:

a) A utilização do material - na íntegra, ou em partes - só será permitida desde que as informações não sejam distorcidas, manipuladas ou alteradas.

b) Não é necessário a identificação do Brasil 61 na hora da replicação do conteúdo. Mas toda e qualquer veiculação de áudios produzidos pelo Brasil 61 prevê o cadastro no site, com a disponibilização de dados que serão utilizados para a organização do mailing desta empresa,

2º - OBRIGAÇÕES DO BRASIL 61

a) O Brasil 61 se compromete, a partir deste termo de uso, a produzir conteúdo particularizado diariamente, trazendo informações de dia-a-dia e bastidores do Planalto Central, além de outras temáticas de relevância do noticiário nacional. 

b) O acesso ao conteúdo jornalístico (na versão de leitura) é livre e gratuito, podendo ser replicado por qualquer usuário que acesse o site. O download do áudio para que seja utilizado na programação das rádios requer que o radialista realize o login no site do Brasil 61 - informando e-mail e senha cadastrados. 

3º - OBRIGAÇÕES DOS COMUNICADORES PARCEIROS

Não alterar o sentido dos materiais, ou distorcer fala de entrevistados ou mudar a conotação das mensagens dos materiais. 

ADENDOS IMPORTANTES SOBRE A PARCERIA

a) O Brasil 61 poderá distribuir conteúdo patrocinado com ou sem assinatura dos clientes patrocinadores do boletim e sem aviso prévio ao comunicador. 

b) As rádios parceiras não vão ter participação financeira sobre o faturamento do Brasil 61.

c) Os comunicadores podem patrocinar os conteúdos do Brasil 61, desde que não alterem o sentido e a conotação dos conteúdos oferecidos. Nesses casos, o Brasil 61 não terá participação nos lucros conquistados pelos veículos parceiros. 

Ao clicar em ACEITO, a emissora aqui cadastrada afirma concordar e estar ciente de todas as condições apresentadas neste Termo de Utilização de Conteúdo.

Educação

Educação
28/09/2020 17:00h

O documento foi oficializado pelo Diário Oficial do Estado e define os critérios de desenvolvimento do Plano de Contingência Escolar – PlanCon-EDU/COVID-19.

Baixar áudio

Foi publicada, na semana passada, uma portaria que estabelece regramento antes do retorno gradual das atividades escolares no Estado de Santa Catarina. O documento foi oficializado pelo Diário Oficial do Estado e define os critérios de desenvolvimento do Plano de Contingência Escolar – PlanCon-EDU/COVID-19.

Região Sul tem aumento de 16% no número de candidaturas a prefeitos e vereadores

De acordo com o documento, fica estabelecida a obrigatoriedade do cumprimento do plano de contingência nos municípios do território catarinense para a formulação de planos para as escolas e da criação ou reorganização dos Comitês Municipais específicos para a Educação e suas atribuições. Segundo a portaria assinada pelas secretarias de Estado da Saúde, da Educação e Defesa Civil, os municípios terão autonomia para articular a retomada das atividades respeitando a matriz de risco potencial e as regras sanitárias determinadas.

Copiar o texto
28/09/2020 16:00h

Para ter acesso ao conteúdo e fazer parte do curso extra, os estudantes interessados se inscrever no aplicativo, gratuitamente, até a próxima sexta-feira (2/10).

Baixar áudio

A Secretaria de Estado de Educação de Minas Gerais (SEE/MG) vai disponibilizar, em parceria com o Sesi, o "Enem Conectado", ferramenta on-line e gratuita, com conteúdo preparatório para alunos do 3º ano do ensino médio da rede estadual de ensino. Com isso, os estudantes já podem se inscrever para obter auxílio na preparação para a prova do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem). 

Mudanças no ensino médio são previstas pelo Inep

Ministro da Educação expõe ao Congresso estratégias de retorno às aulas presenciais

A ferramenta reúne materiais como, por exemplo, aulas on-line e conteúdos de apoio ao estudante, simulados de provas e um espaço específico para redação. Um diferencial desse recurso é que o aluno pode escrever o seu texto e ver as correções feitas pelos professores. Para ter acesso ao conteúdo e fazer parte do curso extra, os estudantes interessados se inscrever no aplicativo, gratuitamente, até a próxima sexta-feira (2/10). O link de inscrição está disponível em estudeemcasa.educacao.mg.gov.br.

Copiar o texto
26/09/2020 00:00h

As informações foram apresentadas em coletiva de imprensa on-line pelo governo estadual.

Baixar áudio

Duas novas estratégias de enfrentamento e monitoramento da pandemia da Covid-19 serão realizadas, nas próximas semanas, em conjunto pelas Secretarias da Educação e da Saúde do Espírito Santo. As estratégias são o censo sorológico, destinado a todos os profissionais da Rede Estadual de Educação, e o inquérito sorológico com a coleta de amostras da comunidade escolar capixaba. As informações foram apresentadas em coletiva de imprensa on-line pelo governo estadual. 

Estudo aponta que refluxo pode aumentar o risco de morte por Covid-19

Pesquisa aponta recuo na taxa de infecção da Covid-19 em todo o país

De acordo com o secretário de Educação, Vitor de Angelo, essa é mais uma etapa do trabalho em conjunto, articulado entre os órgãos do governo para envolver as Redes Públicas Estadual e municipal e as redes privadas de ensino. Para ambas as propostas de testagem, tanto o censo quanto o inquérito sorológico, serão aplicados os testes sorológicos realizados e processados pelo Laboratório Central de Saúde Pública do Espírito Santo (Lacen/ES) e pela Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz). 

Copiar o texto
24/09/2020 00:00h

Grupo vai elaborar conceitos de avaliação do Novo Ensino Médio e assessorar a Diretoria de Avaliação da Educação Básica na reformulação dessa etapa

Baixar áudio

Neste mês foi instituída a Comissão de Assessoramento Técnico-Pedagógico para a Avaliação do Novo Ensino Médio da Diretoria de Avaliação da Educação Básica (Daeb), por meio da Portaria n.º 533. O colegiado vai ser responsável por assessorar o Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep) na concepção do novo modelo de avaliação educacional para a renovação do ensino médio brasileiro.

De acordo com Caio Sato, coordenador do Núcleo de Inteligência do Todos pela Educação, como essas mudanças no ensino médio ainda não estão em implementação pelo Brasil, o trabalho dessa comissão vai ser importante para ajudar o Inep a melhorar os modelos de avaliação e ampliar os debates técnicos com diversos setores do sistema de ensino brasileiro.  

“Como a arquitetura do ensino médio vai mudar, de um modelo que era fechado, rígido, para um mais flexível onde os estudantes vão ter liberdade de escolher o seu itinerário de formação, áreas do conhecimento que estarão vinculadas, isso vai demandar mudanças na forma como a etapa é avaliada. Essa comissão que foi criada pela portaria vai assessorar tanto a concepção desse modelo de avaliação educacional para a etapa mas, também, assessorar pedagogicamente a equipe do Inep”, explicou Sato.   



Entre as atribuições da Comissão como assessoria pedagógica está a validação de instrumentos de avaliação para a reformulação da etapa educacional, além disso, a comissão ainda tem como objetivo de colaborar nas demandas técnico-pedagógicas da equipe da diretoria, no sentido de agregar conhecimento pedagógico qualificado às ações de avaliação educacional do Novo Ensino Médio.

Segundo Caio Sato, uma das mudanças que poderão ser vistas já a partir do ano que vem, com a instituição da Comissão de Assessoramento é a melhoria na forma de avaliação da qualidade do ensino médio do Brasil.  

“Daqui para frente, teremos avaliação todo ano para todas as séries com a justificativa de que conseguiremos acompanhar de forma mais contínua, precisa, a aprendizagem dos estudantes, além de usar a combinação dessas notas da etapa para o acesso ao ensino superior”, destacou.

Retorno às aulas: R$ 454 milhões são repassados aos municípios para combater a Covid-19

FNDE procura parcerias para aprimorar Programa Nacional do Livro Didático

O colegiado vai ser constituído por membros internos e externos, designados por meio da Portaria N.º 534, também publicada neste mês. Os integrantes externos, membros natos, serão especialistas de notório saber, com reconhecida produção científico-acadêmica e experiência nos campos da educação, ou docentes com longa prática no ensino médio da rede pública nacional de ensino. A comissão será composta por até 30 membros externos. Três servidores representantes da Coordenação-Geral de Exames para Certificação (Cgec/Daeb) serão membros internos e integrarão o grupo, em caráter permanente e de coordenação, sendo dois titulares e um suplente.

O Todos pela Educação é uma organização sem fins lucrativos suprapartidária e independente, composta por diversos setores da sociedade brasileira com o objetivo de assegurar o direito à educação básica de qualidade para todos os cidadãos até 2022 - ano que se comemora o bicentenário da independência do Brasil.

Copiar o texto
Educação
23/09/2020 10:45h

Boletins que mostram desempenho em português e matemática no ano de 2019 em cada escola estão disponíveis

Baixar áudio

Os diretores das escolas que participaram do Sistema de Avaliação da Educação Básica (Saeb) 2019, divulgado na última semana, podem conferir os resultados de suas instituições de ensino por meio de uma nova plataforma do Sistema Saeb. De acordo com o governo federal, a ferramenta online foi reformulada para aprimorar a produção de informações e facilitar a navegação dos gestores escolares. 

O Sistema Saeb permite que cada escola avalie o desempenho dos alunos. O objetivo é subsidiar os diretores na gestão dos resultados educacionais. Aplicado no fim de 2019 para mais de 7,6 milhões de estudantes matriculados em 292 mil turmas, o Saeb 2019 teve resultados divulgados por escola em língua portuguesa e matemática, para o 5º e 9º anos do ensino fundamental e 3ª e 4ª séries do ensino médio. 

Mais de 100 deputados federais assinam manifesto contra corte de R$ 1,8 bi no orçamento do MEC para 2021

Governo abre crédito para implementação de ações contra o coronavírus em instituições de ensino

Ministro da Educação expõe ao Congresso estratégias de retorno às aulas presenciais

Os resultados mostram que o desempenho dos estudantes melhorou em matemática, mas está muito aquém do nível de proficiência mais alto.Já em português, houve uma leve melhora, mas que manteve o nível médio de conhecimento estagnado. 

Copiar o texto
23/09/2020 00:00h

Os parlamentares se comprometeram a reverter o corte na Comissão Mista de Orçamento (CMO) do Congresso Nacional

Baixar áudio

Mais de 100 deputados federais de diversos partidos se comprometeram a reverter o corte de R$ 1,8 bilhão em despesas discricionárias anunciado pelo Ministério da Educação para 2021. Os parlamentares assinaram o “manifesto pelo orçamento justo da Educação”, endossado por diversas entidades da área, como a Associação Nacional dos Dirigentes das Instituições Federais de Ensino Superior (Andifes) e União Nacional dos Estudantes (UNE) e 16 frentes parlamentares do Congresso Nacional. 

São consideradas despesas discricionárias do Ministério da Educação, por exemplo, a concessão de bolsas de pesquisas no ensino superior, exames como o Prova Brasil e o Enem, investimentos no Programa Nacional de Acesso ao Ensino Técnico e Emprego (Pronatec). 

Políticos e membros de entidades participaram de um ato virtual em defesa de orçamento que atenda mais as necessidades da educação brasileira. O deputado federal Pedro Cunha Lima (PSDB-PB), presidente da Comissão de Educação na Câmara, diz que, ao longo do tempo, as despesas obrigatórias têm crescido de forma substancial, o que acarreta na diminuição de outros investimentos na área. 

“O crescimento das despesas obrigatórias faz com que se diminua os investimentos da verba discricionária. Considero importante refletirmos sobre isso. Dessa forma, poderemos estabelecer um entendimento maior sobre a Educação.”

Ministro da Educação expõe ao Congresso estratégias de retorno às aulas presenciais

Recessão econômica gerada pela pandemia impactou financiamento do Fundeb

No âmbito das universidades e instituições federais, as despesas discricionárias englobam gastos com o funcionamento, obras, contratação de serviços de terceirização da mão de obra e custos com assistência estudantil. 

Rosana Cavalcante, vice-presidente de Relações Parlamentares do Conselho Nacional das Instituições da Rede Federal (Conif) e reitora do Instituto Federal do Acre (Ifac), diz que o Governo Federal não aumenta os investimentos para o ensino federal há seis anos. Por outro lado, segundo ela, a oferta de vagas nessas instituições tem crescido ao longo dos anos. 

“O orçamento federal praticamente não tem tido reajustes de 2014 para cá. Entre 2016 e 2019, trabalhamos com o mesmo orçamento. No entanto, a rede federal tem crescido em média 6,8%. Significa que, apesar do orçamento reduzido, a oferta de vagas tem crescido”, explica.

Os parlamentares que compareceram no encontro realizado pela internet afirmaram que vão tentar reverter o corte de R$ 1,8 bilhão na Comissão Mista de Orçamento (CMO), colegiado formado por deputados federais e senadores que analisa propostas orçamentárias elaboradas pelo Poder Executivo. 

Atualidade

Na última semana, o ministro da Educação, Milton Ribeiro, afirmou que cerca de R$ 1,6 bilhão foi cortado do orçamento da pasta neste ano. O titular da pasta disse que o corte ocorreu pois a equipe econômica argumentou que o dinheiro não tinha uma clara finalidade de utilização. De acordo com ele, o corte pode prejudicar principalmente os investimentos na educação básica. 

Copiar o texto
Educação
22/09/2020 15:00h

O curso tem o objetivo de aprimorar as estratégias pedagógicas do ensino híbrido, que une atividades presenciais e on-line, na rede pública estadual.

Baixar áudio

A Secretaria da Educação da Bahia promoveu, pelo Youtube, a apresentação do Módulo de Atualização Ensino Híbrido na Prática, cujas inscrições estão abertas até esta terça-feira (22), pelo endereço http://bit.ly/insc-EH. O curso tem o objetivo de aprimorar as estratégias pedagógicas do ensino híbrido, que une atividades presenciais e on-line, na rede pública estadual. Ao todo são oferecidas 10 mil vagas para professores, gestores e coordenadores pedagógicos.

PEC pretende beneficiar crianças e jovens com pagamento de benefício mensal

Ministro da Educação expõe ao Congresso estratégias de retorno às aulas presenciais


O Módulo de Atualização Ensino Híbrido na Prática vai ter uma carga horária de 40h, com mediação totalmente online, através da plataforma da Sincroniza Educação. O curso será realizado do dia 28 de setembro até o dia 09 de novembro deste ano. Em caso de dúvidas, o educador pode enviar e-mail para formacaosuped@enova.educacao.ba.gov.br.

Copiar o texto
Educação
22/09/2020 11:00h

Governo federal afirma que instalou mais de 12 mil antenas de conexão via satélite

Baixar áudio

Até agosto deste ano, o Satélite Geoestacionário de Defesa e Comunicações Estratégicas (SGDC-1), que disponibiliza internet banda larga em regiões remotas, já beneficiou cerca de 2,6 milhões de alunos de nove mil escolas públicas. Segundo o governo federal,12.447 antenas de comunicação via satélite SGDC já foram instaladas. 

Dos pontos instalados, 77% estão em áreas rurais e 80% nas regiões Norte e Nordeste. Além disso, 500 Unidades Básicas de Saúde (UBSs) foram contempladas com a internet banda larga. 

Ministro da Educação expõe ao Congresso estratégias de retorno às aulas presenciais

Governo propõe aumento de cerca de R$ 1,7 bi no orçamento do Ministério da Educação para 2021

Durante a pandemia da Covid-19, as dificuldades do acesso à internet foram expostas no país. A pesquisa TIC Educação 2019, divulgada em junho deste ano pelo Comitê Gestor da Internet no Brasil (CGI.br), apontou que quase 40% dos estudantes da rede pública de ensino do país não contam com um computador e internet em casa. 
 

Copiar o texto
22/09/2020 00:00h

O MEC realiza uma série de ações em apoio às redes de ensino federal, estadual e municipal, sendo a principal delas o repasse de R$ 525 milhões de reais para as escolas públicas

Baixar áudio

A volta às aulas, de maneira presencial, por todo o país é um momento bastante aguardado pela população brasileira. Por isso, o ministro da Educação, Milton Ribeiro, participou de audiência pública do Congresso Nacional para explicar as estratégias e investimentos do Governo Federal em relação ao assunto e tirar as dúvidas dos parlamentares a respeito das medidas que estão sendo adotadas para garantir segurança aos estudantes e profissionais da área.   

De acordo com Milton Ribeiro, o MEC está realizando uma série de ações em apoio às redes de ensino federal, estadual e municipal, sendo a principal delas o repasse de R$ 525 milhões de reais para as escolas públicas, por meio do Programa Dinheiro Direto na Escola (PDDE), que vai alcançar aproximadamente 116.757 escolas.



Esses recursos serão usados de forma estratégica pelas escolas na aquisição de produtos e contratação de serviços para dar segurança aos profissionais da educação e aos alunos contra a Covid-19, como destacou o ministro. “São itens de consumo para a higiene do ambiente e das mãos, contratação de serviços especializados para desinfecção. Realização de pequenos reparos e adequação das salas e dos ambientes para o acesso à internet para alunos e professores”, afirmou o ministro.

A medida pode beneficiar mais de 36 milhões de alunos, uma vez que a previsão é de que os recursos contemplem as escolas municipais, estaduais e federais da Educação Básica, que inclui pré-escolas, ensinos fundamental e médio. Segundo o Anuário Brasileiro da Educação Básica, publicação que reúne as informações mais recentes como as pesquisas do IBGE e do Inep/MEC, fazem parte dessa estrutura mais de três milhões de crianças de zero aos três anos de idade, quase cinco milhões de estudantes de quatro e cinco anos, vinte e cinco milhões de jovens entre 6 e 14 anos, além de pouco mais de oito milhões de adolescentes entre os 15 e 17 anos. A publicação ainda estima que nas escolas públicas, estejam lotados mais de um milhão e setecentos mil professores.

Retorno às aulas: R$ 454 milhões são repassados aos municípios para combater a Covid-19

Governo propõe aumento de cerca de R$ 1,7 bi no orçamento do Ministério da Educação para 2021


Além disso, dados apresentados pelo ministro mostram que, das 69 universidades federais, 15 suspenderam totalmente as atividades durante a pandemia. Dos 41 institutos federais, 4 tomaram a mesma providência. O Ministério da Educação informou que serão destinadas verbas extras para as instituições de ensino superior.
Para o professor do Instituto de Medicina Social (IMS/Uerj), Guilherme Werneck, que também é vice-presidente da Associação Brasileira de Saúde Coletiva (Abrasco) e responde pela Frente Pela Vida, é necessário mais ações deste tipo para que a Covid-19 não seja uma ameaça para estudantes e professores nesse momento de reabertura das escolas.

“Esses são recursos importantes e vão ajudar as escolas a se organizarem nos municípios, mas obviamente é muito mais complexo e que vai envolver, principalmente, o controle da infecção naquela comunidade. E é importante salientar, é uma boa iniciativa mas não resolve o problema apenas cria condições para quando as escolas e os municípios retornarem”, avaliou.

Protocolos

De acordo com o ministro da Educação, até o final deste mês, vai ser finalizado um protocolo de biossegurança para a educação básica, a exemplo do que já existe para o ensino superior. Esse material está em elaboração juntamente com o Conselho Nacional de Secretários de Educação (Consed) e a União Nacional dos Dirigentes Municipais de Educação (Undime). O Protocolo de Biossegurança para a educação básica, de acordo com as recomendações sanitárias das principais autoridades nacionais e mundiais de saúde. O mesmo já foi feito para a educação superior, que teve o lançamento da cartilha em julho deste ano.

Copiar o texto
20/09/2020 00:00h

Primeira fase da retomada é voltada ao Ensino Médio

Baixar áudio

O Governo do Estado de São Paulo decidiu que as aulas presenciais da rede pública de ensino serão retomadas no dia 7 de outubro. A data é o início de uma volta gradual das atividades. Primeiro devem regressar os alunos do Ensino Médio e Educação de Jovens e Adultos (EJA) da rede estadual.  No dia 3 de novembro, será a vez dos estudantes do Ensino Fundamental.

De acordo com o governo local, o objetivo de começar a reabertura pelo ensino médio e pelo EJA é diminuir a evasão escolar.

Todas as unidades de ensino devem apresentar planos de retomada à Secretaria da Educação e às Diretorias Regionais de Ensino.

Audiência pública do FNDE discute aquisição de recursos digitais para o PNLD

Projeto destina recursos para equipamentos de informática e acesso à internet para alunos da rede pública de ensino

Contudo, o retorno às aulas depende do aval dos prefeitos. Eles podem escolher assinar embaixo da decisão do governo estadual ou, por exemplo, adotar um calendário com mais restrições.

Para ajudar na retomada, o Governo de São Paulo vai liberar R$ 50 milhões para a manutenção das escolas estaduais.
 

Copiar o texto

Acesse nossos conteúdos de rádio