Cadastro de mídia

TERMO DE USO E PARCERIA

TERMO DE USO E PARCERIA

1º - A utilização gratuita e livre dos materiais produzidos pelo Brasil 61 só será permitida depois que este termo de parceria for aceito pelo usuário, prevendo as seguintes regras:

a) A utilização do material - na íntegra, ou em partes - só será permitida desde que as informações não sejam distorcidas, manipuladas ou alteradas.

b) Não é necessário a identificação do Brasil 61 na hora da replicação do conteúdo. Mas toda e qualquer veiculação de áudios produzidos pelo Brasil 61 prevê o cadastro no site, com a disponibilização de dados que serão utilizados para a organização do mailing desta empresa,

2º - OBRIGAÇÕES DO BRASIL 61

a) O Brasil 61 se compromete, a partir deste termo de uso, a produzir conteúdo particularizado diariamente, trazendo informações de dia-a-dia e bastidores do Planalto Central, além de outras temáticas de relevância do noticiário nacional. 

b) O acesso ao conteúdo jornalístico (na versão de leitura) é livre e gratuito, podendo ser replicado por qualquer usuário que acesse o site. O download do áudio para que seja utilizado na programação das rádios requer que o usuário realize o login no site do Brasil 61 - informando e-mail e senha cadastrados. 

3º - OBRIGAÇÕES DOS COMUNICADORES PARCEIROS

Não alterar o sentido dos materiais, ou distorcer fala de entrevistados ou mudar a conotação das mensagens dos materiais. 

ADENDOS IMPORTANTES SOBRE A PARCERIA

a) O Brasil 61 poderá distribuir conteúdo patrocinado com ou sem assinatura dos clientes patrocinadores do boletim e sem aviso prévio ao comunicador. 

b) As rádios parceiras não vão ter participação financeira sobre o faturamento do Brasil 61.

c) Os comunicadores podem patrocinar os conteúdos do Brasil 61, desde que não alterem o sentido e a conotação dos conteúdos oferecidos. Nesses casos, o Brasil 61 não terá participação nos lucros conquistados pelos veículos parceiros. 

Ao clicar em ACEITO, a emissora aqui cadastrada afirma concordar e estar ciente de todas as condições apresentadas neste Termo de Utilização de Conteúdo.

Política de privacidade

Nós do Brasil 61 coletamos e usamos alguns dados dos nossos leitores com o intuito de melhorar e adaptar nossas plataformas e nossos produtos. Para isso, agimos conforme a Lei Geral de Proteção de Dados (Lei 13.709/2018) e nos esforçamos para sermos transparentes em todas nossas atividades.

Para podermos oferecer melhores serviços e veicular peças publicitárias de nossos anunciantes, precisamos conhecer certas informações dos nossos usuários.

COMO O BRASIL 61 COLETA SEUS DADOS

– Quando você se cadastra e cria um usuário no Brasil 61

Quando você entra no nosso site, fornece informações (dados) para a criação do usuário. Estes dados são usados para orientar a estratégia do Brasil 61 e o desenvolvimento de novos serviços e/ou produtos. Essas informações são fornecidas voluntariamente por você leitor e não são compartilhadas com nenhum terceiro.

– Quando você acessa o site do Brasil 61 (www.brasil61.com.br) ou abre uma de nossas newsletters enviadas por e-mail

O Brasil 61 usa tecnologias como cookies e pixel tags para entender como é a sua interação com as nossas plataformas. Esses dados permitem saber, por exemplo, de que dispositivo você acessa o site ou em que links você clicou e quanto tempo permaneceu lendo as notícias. 

COMO O BRASIL 61 USA OS SEUS DADOS

Nós, do Brasil 61, usamos seus dados sempre com a principal intenção de melhorar, desenvolver e viabilizar nossos próprios produtos e serviços a você leitor.

Seus dados são sempre analisados de forma não individualizada, mesmo os que são fornecidos vinculados seu nome ou ao seu endereço de e-mail. 

Os dados em conjunto são analisados para criar relatórios estatísticos de audiência sobre as páginas, textos e meios de acesso ao site e às newsletters. 

Esses relatórios são compartilhados com nossos anunciantes e patrocinadores e servem para modelar estratégias e campanhas institucionais.

As informações que você fornece durante a criação do cadastro do seu usuário no Brasil 61 são utilizadas para a formulação de estratégia comercial e desenvolvimento de novos produtos e/ou serviços.

Essas informações individualizadas podem ser usadas pelo Brasil 61 para o envio de campanhas comerciais e divulgação de serviços e/ou produtos próprios. Não são compartilhadas com nenhum terceiro.

As informações captadas por meio de cookies e pixel tags são usadas em relatórios internos de monitoramento da audiência e também em relatórios para os anunciantes verificarem a efetividade de suas campanhas. Essas informações não estão vinculadas a nome ou e-mail dos leitores e são sempre avaliadas de forma não individualizada.

O Brasil 61 compartilha informações captadas por meio de cookies e pixel tags com terceiros, como anunciantes, plataformas de redes sociais e provedores de serviço – por exemplo, o serviço de envio de e-mails. O Brasil 61 também em seu site cookies de terceiros que captam informações diretamente do usuário, de acordo com suas próprias políticas de privacidade e uso de dados. 

O QUE O BRASIL 61 NÃO FAZ COM SEUS DADOS

– Não monitoramos ou coletamos dados de páginas que não pertencem ao Brasil 61.
– Não compartilhamos ou vendemos para terceiros nenhuma informação identificável.

O QUE VOCÊ PODE FAZER SE NÃO QUISER MAIS QUE SEUS DADOS SEJAM USADOS PELO BRASIL 61

– Caso não queira que o Brasil 61 use nenhum tipo de cookies, altere as configurações do seu navegador. Nesse caso, a exibição de anúncios e mensagens importantes do Brasil 61 e de nossos anunciantes pode ser prejudicada.

– Caso queira deixar de receber algum newsletter ou e-mail de alertas de notícias, basta clicar em “Unsubscribe”, na parte de baixo do e-mail enviado pelo Brasil 61. 

– Caso queira excluir seu usuário e apagar seus dados individuais da base do Brasil 61, basta enviar um e-mail para: privacidade@brasil61.com

 Última atualização: 24 de dezembro de 2020 

Sistema S

Ciência & Tecnologia
23/02/2021 00:00h

Companhias criaram soluções inovadoras para uma melhor produção da estatal

Baixar áudioBaixar áudio

Duas startups foram selecionadas pela aceleradora do Sistema Fiep em um edital da Petrobras, e vão receber, cada uma, R$ 60 mil em investimentos que serão utilizados para a elaboração de soluções inovadoras. O certame contemplou a Exy e a GTI IT Solutions. 

Felipe Couto, gerente de Consultorias de Inovação e Produtividade do Sistema Fiep, explica que o principal objetivo da aceleradora é trazer soluções para grandes empresas, como por exemplo a Petrobras.  Ele afirma que a aceleradora não faz um aporte direto nas startups, mas auxilia na captação desses recursos através de editais e contatos com fundos de investimentos.

“É um movimento que completa 10 anos de atuação nessa área de promover o surgimento de novos negócios, que devem estar vinculados a uma demanda e necessidade do setor industrial”, explica Couto.

Iniciativas

A Exy desenvolveu um exoesqueleto industrial, que já está no mercado, que funciona como apoio para reabilitação, redução da fadiga e potencialização da força humana na indústria. O CEO da companhia, Alfredo Marczynski, diz que o equipamento, que é usado como uma roupa por trabalhadores, é capaz de reduzir os afastamentos de profissionais. Segundo ele, passar no edital da Petrobras será um grande passo para o produto desenvolvido pela empresa.

“Será uma chancela de uma empresa de renome, que vai utilizar o equipamento em suas atividades de óleo e gás, e também nos ajudará a evoluir o produto, que sempre está passando por aprimoramentos”, afirma.

MS: Índice de Desempenho Industrial atinge maior patamar para o mês de dezembro, aponta Fiems

Já a GTI IT Solutions foi selecionada com um projeto que aumenta a eficiência da manutenção de equipamentos laboratoriais. A startup possui um projeto que faz o controle físico e financeiro da eficiência de equipamentos.  A iniciativa será implementada em 150 laboratórios da Petrobras, que contam com mais de 4.500 equipamentos.

“Mostramos que ao aumentar em 10% a eficiência dos laboratórios vai gerar, no mínimo, um aumento de receitas ou redução de custos de mais de R$ 2 milhões por dia à Petrobras”, explica Maurício Doebeli, CEO da GTI.

Ao longo de uma década, mais de 40 startups já passaram pela Aceleradora Sistema Fiep, que é mantida pelo Senai. Para mais informações sobre o trabalho da iniciativa, ou para inscrever algum serviço, produto ou processo inovador, acesse: www.senaipr.org.br/tecnologiaeinovacao/aceleradora.

Copiar o texto
Brasil
19/01/2021 00:00h

Através do Elabora SC, a entidade busca pessoas com experiência na criação de propostas por meio de leis de incentivo fiscal

Baixar áudio

Pessoas que queiram contribuir com a elaboração de projetos que ajudem o terceiro setor podem se inscrever no Elabora SC. Por meio dessa iniciativa, a Federação das Indústrias do Estado de Santa Catarina (Fiesc) busca voluntários com experiência na criação de projetos para ajudar organizações da sociedade civil a conseguir recursos utilizando mecanismos de leis de incentivo fiscal.

Sandro Volpato, assessor de Responsabilidade Social da Fiesc, explica que o programa contempla várias temáticas e que o seu principal objetivo é promover um intercâmbio de ideias entre voluntários e instituições.

“O Elabora SC integra o Eu Voluntário, iniciativa da Fiesc que contém vários projetos. O seu objetivo é fazer uma conexão entre as pessoas que têm experiência na elaboração de projetos e querem, voluntariamente, ajudar às instituições do terceiro setor a elaborar propostas para serem submetidas à Lei de Incentivo”, afirma. 

Matrículas para escolas da Rede Sesi de Rondônia estão abertas até 27 de janeiro

Os escolhidos vão passar por uma capacitação, que deve ter início em março.  Os voluntários poderão desenvolver propostas de leis nos seguintes eixos: Fundo da Infância e Adolescência (FIA), Fundo do Idoso, Lei de Incentivo ao Esporte, Lei de Incentivo à Cultura, Programa Nacional de Apoio à Atenção Oncológica (Pronon) e Programa Nacional de Apoio à Atenção da Saúde da Pessoa com Deficiência (Pronas). 

Para se juntar à iniciativa do Elabora SC, os interessados devem participar de uma seleção, que tem como primeiro passo o preenchimento de um formulário.  Os pré-requisitos para se inscrever são: ter ao menos o ensino médio completo e possuir experiência na elaboração de projetos. Caso seja escolhido, o participante deverá participar de uma capacitação, além de assinar um termo. 

Legislação

Basicamente, as leis de incentivo fiscal consistem na diminuição ou eliminação de algum tributo para que alguma ação receba recursos.  Através desse tipo de legislação, o governo federal, além de governos estaduais e municipais abrem mão de recursos provenientes de impostos para incentivar propostas ligadas à saúde, esporte, cultura e desenvolvimento social. 

As leis de incentivo fiscal possuem particularidades em cada esfera de poder. Rodrigo Fagundes, especialista em Direito Civil, diz que o grande desafio de pessoas e organizações interessadas em conseguir recursos com esse tipo de mecanismo está relacionado às especificidades dessas legislações no governo federal e nos entes federativos. 

“A grande dificuldade em utilizar os recursos disponibilizados pelas leis de incentivo fiscal consistem na elaboração de projetos, que precisam obedecer a cada legislação específica”, afirma.

Diferenças

No âmbito federal, estão incluídas nas leis de incentivo fiscal o Imposto de Renda (IR) e a Contribuição Social Sobre o Lucro (CSSL). Nos estados, a legislação inclui o Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) e, em municípios, o Imposto Predial e Territorial Urbano (IPTU) e o Imposto Sobre Serviços (ISS).

Doações através desses incentivos estão limitadas a empresas que declaram o imposto de renda com base em seu lucro real e a pessoas físicas que fazem a declaração completa do imposto de renda. 
 

Copiar o texto
18/08/2020 00:00h

Negociações mantidas com o governo federal são para que financiamento não seja feito com base nos royalties de petróleo, como propôs a equipe econômica liderada pelo ministro Paulo Guedes

Baixar áudio

Enquanto a comissão mista da reforma tributária continua na missão de estabelecer um único texto que atualize o sistema de arrecadação de impostos no Brasil, os secretários estaduais de Fazenda defendem uma proposta que defina o financiamento do Fundo de Desenvolvimento Regional e do Fundo de Compensação das Exportações por meio de tributos recolhidos pela União.

Nesse sentido, as negociações mantidas com o governo federal são para que esse financiamento não seja feito com base nos royalties de petróleo, como propôs a equipe econômica liderada pelo ministro Paulo Guedes. O tema voltou a ser debatido na 20ª Reunião Extraordinária do Comitê Nacional de Secretários de Fazenda, Finanças, Receita ou Tributação dos Estados e do Distrito Federal (Comsefaz).

O presidente da entidade, Rafael Fonteles, explica que, pela proposta, os estados computaram o valor de R$ 97 bilhões escalonado em dez anos para os fundos, totalizando R$ 485 bilhões no período. Segundo ele, esse é o principal ponto de discussão entre a União e os estados para a criação de tributo nos moldes de um Imposto Sobre Valor Agregado (IVA) nacional.

“É uma proposta que deve chegar a R$ 97 bilhões após dez anos, de forma escalonada. Então, se você somar, não haveria nenhum valor para 2021, nem 2022, nem 2023; a partir de 2024, escalonado, linearmente, até chegar a R$ 97 bilhões em 2032. O ano de 2032 é importante porque é quando, pela Lei Complementar 160, se prevê a extinção dos benefícios fiscais. Então, esse escalonamento coincide com o ano de 2032”, pontua Fonteles.

Um dos argumentos utilizados pelos secretários é de que o Fundo de Desenvolvimento Regional vai garantir a implementação de programas de estímulo ao desenvolvimento regional e compensar um eventual fim das atuais políticas de desenvolvimento industrial e comercial com base em incentivos fiscais do ICMS.

Os secretários da Fazenda dos estados tinham enviado ao presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), em novembro de 2019, a proposta de reforma tributária idealizada pelos entes federativos. A matéria tem a mesma base da PEC 45/2019, com a unificação de cinco impostos – PIS, Cofins, IPI, ICMS e ISS, que seriam substituídos pelo Imposto sobre Bens e Serviços (IBS).

As principais diferenças, no entanto, são em relação a quem irá gerir os recursos e também ao tempo de transição para a adaptação dos estados e municípios depois que as mudanças da reforma passarem a vigorar no País.

Proposta do governo

Além dos secretários estaduais de Fazenda, o governo federal também enviou uma proposta de reforma tributária ao Congresso Nacional. As sugestões estão contidas no PL 3887/20, que atualmente está aguardando despacho do presidente da Câmara dos Deputados. A ideia central da matéria é unificar o PIS com a Cofins e criar a Contribuição Social sobre Movimentação de Bens e Serviços (CBS).

Entre os principais pontos do PL estariam o cálculo da CBS “por fora” e ainda a exclusão dos valores da própria CBS e do ICMS de sua base de cálculo. Além disso, a alíquota geral da CBS é de 12%.

Rafael Fonteles, assim como parte dos parlamentares, entende que a proposta do governo não é abrangente o suficiente ao ponto de resolver os problemas encontrados atualmente no sistema tributário brasileiro. Nesse sentido, os congressistas avaliam que a PEC 45/2019 e a PEC 110/2019, já sob análise do colegiado, são mais interessantes por terem uma maior amplitude.  

Brasil encontra momento favorável para aprovar reforma tributária, afirma presidente do Comsefaz

Reforma tributária com IVA Dual ameniza perda de recursos de estados e municípios, defende deputado Luis Miranda

Ampliação do gasto fiscal torna reforma tributária mais urgente, diz deputado Aguinaldo Ribeiro

O relator da reforma tributária na comissão mista, deputado federal Aguinaldo Ribeiro (PP-PB), também tem defendido a conclusão de um texto que abranja uma quantidade maior de tributos, levando em conta que as alterações não podem sobrecarregar ainda mais o bolso do contribuinte.

“Não dá para tratar da tributação sobre o consumo sem enfrentar a legislação e a complexidade do ICMS, que traz profundas distorções ao nosso sistema tributário. O segundo ponto que eu queria também destacar é não aumentar a carga tributária como princípio de uma reforma tributária. Então, nesse sentido, eu quero dizer que essa também tem sido a nossa convicção”, ressaltou.Pela PEC 45, o intuito é acabar com cinco tributos: IPI, PIS e Cofins, de arrecadação federal; ICMS, dos estados; e ISS, de cobrança municipal. Em substituição, seriam criados o Imposto sobre Bens e Serviços (IBS) e o Imposto Seletivo (IS). 

Já a PEC 110/2019, pretende extinguir 10 tributos: IPI, IOF, CSLL, PIS, Pasep, Cofins e Cide Combustíveis, de arrecadação federal; o ICMS, de competência dos estados; e o ISS, de âmbito municipal, além do Salário-Educação. Em substituição, cria o Imposto sobre Bens e Serviços (IBS) e o Imposto Seletivo (IS).

A arrecadação e a partilha, em ambos os textos, seriam únicas para União, estados, municípios e Distrito Federal. Dessa forma, a cumulatividade de cobrança seria extinta, incidindo apenas no estado de destino do produto fabricado.

Copiar o texto
Educação
01/11/2019 05:34h

Última edição do ano, no último dia 26, levou serviços como corte de cabelo e vacinação para moradores da região de Santana

Baixar áudio

As quatro edições do projeto “SESI SENAI nos Bairros” levou ações gratuitas de cidadania, saúde, educação e lazer para mais de seis mil amapaenses em 2019. No total, foram mais de 13 mil atendimentos realizados, que vão desde corte de cabelo até vacinação contra gripe e sarampo. A última edição do ano ocorreu em Santana, no último dia 26, onde foram distribuídas refeições gratuitas e feitos quatro mil atendimentos aos moradores da região.

Segundo o coordenador de mercado e gestão corporativa do SESI SENAI, Eduardo Costa, a maior procura é por atendimentos na área da saúde. O gestor lembra que o projeto atende principalmente as regiões mais carentes do estado.

“É isso que a gente quer. Por meio desses projetos, o objetivo é levar atendimento a quem está lá na ponta, em áreas periféricas, com várias mazelas ao seu redor. A ideia é que essas pessoas tenham uma facilidade no acesso a esses serviços que são básicos, mas que se tornam difíceis em virtude de estrutura do bairro e da atuação do setor público”, apontou.

“Nós estamos no colocando à disposição da sociedade. Podemos pontuar algumas ações como reparos e benfeitorias em espaços públicos por meio de uma rede colaborativa de parceiros, capacitação para fomentar a empregabilidade e levar serviços básicos para a sociedade para as áreas mais periféricas”, completou Costa.

O trabalho desempenhado por entidades do Sistema S, como SESI e SENAI, tem chamado a atenção no Congresso Nacional. Para a deputada federal Aline Gurgel (REPUBLICANOS-AP), os serviços oferecidos no estado, voltado especialmente aos mais jovens, precisa ser ampliado.

“O que mais queremos hoje é acelerar os empregos, é dar oportunidade à juventude, às mulheres. É muito importante o que fazem SESI e SENAI. Eu quero que esse trabalho tenha continuidade para que nossos netos e bisnetos também possam ser capacitados”, defende a parlamentar.

Levantamento do Instituto FSB Pesquisa, divulgado em julho deste ano, mostra que o SESI e o SENAI foram as instituições melhor avaliadas pela iniciativa privada por conta da qualificação profissional ofertada no país. Nove em cada dez empresários (91,2%) disseram ter imagem positiva ou muito positiva do SENAI. Já sobre o SESI, esse percentual foi de 79,4%. 

A pesquisa realizada com quatro mil empresários revela ainda que, em uma escala de zero a dez, SESI e SENAI receberam nota 7,0 por sua contribuição profissional, com avaliação superior a de instituições das redes pública e privada. De acordo com a pesquisa, 85,2% dos empresários avaliaram o trabalho das entidades administradas pela indústria como bom ou ótimo.

Copiar o texto
Educação
02/10/2019 11:50h

Segundo Mapa do Trabalho Industrial, do SENAI, áreas transversais e metalmecânica demandarão técnicos capacitados em quatro anos

Baixar áudio

O estado do Bahia terá de qualificar 389.750 trabalhadores em ocupações industriais nos níveis superior, técnico, qualificação e aperfeiçoamento entre 2019 e 2023. Os dados são do Mapa do Trabalho Industrial, elaborado pelo Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (SENAI) e divulgado nesta semana.

Segundo o levantamento, entre as áreas que mais demandarão técnicos capacitados em quatro anos estão transversais (13.818); metalmecânica (9.288) e energia e telecomunicações (7.938). São chamados de profissionais transversais aqueles que trabalham em qualquer segmento, como técnicos em eletrotécnica e técnicos de controle da produção.

De acordo com a gerente de Educação Profissional do SENAI da Bahia, Patrícia Evangelista, essas e outras vagas de trabalho estarão disponíveis, mas o mercado vai exigir uma especialização, que pode ser adquirida por meio da formação ou qualificação técnica. 

“É um caminho de acesso ao mercado de trabalho. São oportunidades que o jovem tem de acessar, seja o primeiro emprego, seja se manter no mercado, ou seja buscar uma nova oportunidade a partir de programas de qualificação”, considera.

Metalmecânica

Na Bahia, o setor de metalmecânica precisará, segundo o estudo do SENAI, qualificar 20.094 novos profissionais técnicos nos próximos quatro anos. Essa área é vista como estratégica para a indústria, já que quase todas as outras do setor produtivo dependem dela. As indústrias desse segmento transformam metais nos mais diversos tipos de produtos, como máquinas e tubulações.

Para o diretor-executivo de Tecnologia da Associação Brasileira da Indústria de Máquinas e Equipamentos (Abimaq), João Alfredo Delgado, a educação profissional é o grande diferencial para quem busca uma vaga de emprego dentro do setor industrial.

“A educação profissional é a solução. Quando a gente fala de vagas nas empresas que não estão sendo preenchidas, normalmente é que a pessoa não atende os skills, ou seja, não tem o perfil que está sendo procurado”, ressalta.

Como forma de mudar a realidade de milhões de brasileiros que estão desempregados e fomentar a economia no país, o deputado federal Daniel Almeida (PCdoB) afirma que a solução é ampliar a oferta de formação técnica e profissional. “A formação técnica é absolutamente essencial para qualquer economia, para qualificar mão de obra” destaca.

Qualificação profissional

O Mapa do Trabalho Industrial mostra que entre as ocupações que exigem cursos de qualificação e que mais vão demandar profissionais capacitados, estão padeiros, confeiteiros e afins (6.106) e mecânicos de manutenção de máquinas industriais (5.949).

Para quem tiver interesse em saber mais sobre alguma dessas áreas, basta acessar o site fieb.org.br ou comparecer a uma das unidades da instituição. Mais informações podem consultadas pelo telefone (71) 3534-8090.
 

Copiar o texto
Educação
01/10/2019 16:23h

Segundo Mapa do Trabalho Industrial, do SENAI, áreas de transversais, metalmecânica e informática demandarão técnicos capacitados em quatro anos

Baixar áudio

O estado do Rio Grande do Sul terá de qualificar 830.181 trabalhadores em ocupações industriais nos níveis superior, técnico, qualificação e aperfeiçoamento entre 2019 e 2023. Os dados são do Mapa do Trabalho Industrial, elaborado pelo Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (SENAI) e divulgado nesta segunda-feira (30).

Por ano, mais de 90 mil alunos procuram cursos nas unidades gaúchas do SENAI. A tendência é que, nos próximos anos, esse número cresça, segundo o diretor regional da instituição no Rio Grande do Sul, Carlos Trein. Com a nova revolução industrial, a chamada Indústria 4.0, Trein defende uma nova postura dos profissionais que já estão no mercado e dos que ainda estão por vir.

“Nós temos determinados segmentos industriais que são fortemente impactados pelas mudanças estruturais que estamos vivendo. Essas mudanças exigem alteração também de perfil de quem trabalha na indústria, inclusive para atuar em novas ocupações não previstas ainda, frente aos desafios que nós temos no futuro”, ponderou.

O diretor regional do SENAI gaúcho aponta ainda que a instituição está preparada e estruturada para esse novo cenário. “Todos os nossos cursos estão sendo revisados para a inserção de novas competências. Com isso, podemos desenvolver, cada vez mais, o profissional dentro desse cenário”, ressalta Trein.

Segundo dados do Ministério da Economia, a redução de custos no Brasil a partir da migração da indústria para o conceito 4.0 será de, no mínimo, R$ 73 bilhões. “Estamos oferecendo uma série de serviços para ajudar as empresas de todos os portes a fazer essa adequação, a incorporar essas tecnologias para que continuem sendo competitivas no cenário nacional e mundial”, completa.

Demanda

Na lista das áreas com maior demanda de técnicos até 2023, a metalmecânica vai precisar de 1.193 profissionais para suprir a demanda. O setor é visto como estratégico para a indústria, já que quase todas as outras áreas do setor produtivo dependem dela. As indústrias desse segmento transformam metais nos mais diversos tipos de produtos, como máquinas e tubulações.

Arte: Sabrine Cruz e Italo Novais/Agência do Rádio Mais

Arte: Sabrine Cruz e Italo Novais/Agência do Rádio Mais

Para o diretor-executivo de Tecnologia da Associação Brasileira da Indústria de Máquinas e Equipamentos (Abimaq), João Alfredo Delgado, a educação profissional pode ser a diferença nesse novo mercado da Indústria 4.0. “A educação profissional é a solução. Quando a gente fala de vagas nas empresas que não estão sendo preenchidas, normalmente é que a pessoa não atende os skills, ou seja, não tem o perfil que está sendo procurado”, alerta Delgado.

O deputado federal Darcísio Perondi (MDB-RS) defende mais investimentos para a educação profissional. Para ele, esse é o caminho para gerar mais empregos. “O aluno já sai no mercado de trabalho com duas opções: ou empreende ou é absorvido pelo mercado. Precisamos ter, cada vez mais, recurso para o ensino profissionalizante”, opina.

Além de metalmecânica, as áreas que mais vão demandar a capacitação de profissionais com formação técnica no Rio Grande do Sul são transversais, energia e telecomunicações, informática e eletroeletrônica. Os profissionais com qualificação transversal trabalham em qualquer segmento, como técnicos em eletrotécnica e técnicos de controle da produção.

Segundo o Mapa do Trabalho Industrial, até 2023, entre as ocupações que exigem cursos de qualificação e que mais vão demandar profissionais capacitados, estão as de preparadores e operadores de máquinas-ferramenta convencionais (14.181) e mecânicos de manutenção de máquinas industriais (12.721). Mais informações sobre vagas e cursos podem ser consultadas pelo 0800 51 8555.

Copiar o texto
Educação
01/10/2019 15:27h

Segundo Mapa do Trabalho Industrial, do SENAI, áreas transversais e energia e telecomunicações demandarão técnicos capacitados em quatro anos

Baixar áudio

O estado do Maranhão terá de qualificar 88.344 trabalhadores em ocupações industriais nos níveis superior, técnico, qualificação e aperfeiçoamento entre 2019 e 2023. Os dados são do Mapa do Trabalho Industrial, elaborado pelo Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (SENAI) e divulgado nesta segunda-feira (30).

De acordo com o estudo, as ocupações industriais que mais vão precisar de profissionais qualificados para atuar dentro e fora da indústria são mecânicos de manutenção e máquinas (2.328), trabalhadores de instalações elétricas (2.012), mecânicos de manutenção de veículos automotores (1.545) e eletricistas de manutenção eletroeletrônica (1.305)

O coordenador de Ações Estratégicas da Federação das Indústrias do Estado do Maranhão (FIEMA), José Henrique Polary, afirma que as empresas localizadas no estado vão contratar esses profissionais, desde que eles estejam preparados. 

“A educação profissional é fundamental para o Maranhão. As empresas demandam muito a qualificação profissional e entendem que a mão de obra que é colocada no mercado por meio da educação formal está abaixo da demanda que o sistema produtivo precisa”, aponta.

De acordo com Polary, o SENAI promove a educação profissional no estado por meio de unidades fixas e móveis. Segundo o coordenador, as estruturas itinerantes levam a capacitação para o interior do estado, oferecendo oportunidades profissionais para a população dessas regiões.

“O SENAI tem um amplo portfólio de cursos e também atua naqueles municípios que não podem ser atendidos diretamente pelas unidades fixas, é aí que entram as unidades móveis”, completou.

Qualificação profissional

O setor da construção terá a maior demanda por profissionais formados em cursos de qualificação com carga horária inferior a 200 horas. Nos próximos quatro anos, 16.113 trabalhadores precisam estar capacitados para atuarem no estado.

A Marka Engenharia é uma empresa maranhense que atua no setor de construção civil, com obras industriais, residenciais, comerciais e de infraestrutura. O sócio-diretor da empresa, Edimilson Pires, defende que a capacitação profissional é o meio mais eficiente para que o segmento se mantenha aquecido, sobretudo porque os profissionais se mantêm atualizados.

“É muito importante que a gente tenha essa capacitação, essa formação de pessoal na área. Entendo que a formação é fundamental para garantir o futuro da construção civil”, defendeu.

O deputado federal Zé Carlos (PT-MA) salienta que, com o dinamismo da indústria, novas ocupações surgirão ao longo do tempo. Na avaliação do parlamentar, é com capacitação profissional que o setor vai acompanhar essas mudanças e continuar tendo relevância na economia do país.

“Haverá novas profissões que vão ser necessárias. E, fundamentalmente, a capacitação está inerente a isso. Nós temos que investir em capacitação. Toda empresa deve investir em capacitação”, pontua.

O Mapa do Trabalho Industrial mostra ainda que entre as ocupações que exigem cursos de qualificação e que mais vão demandar profissionais capacitados, estão as de coloristas (1.802) e técnicos em eletrônica (1.408).

Arte: Sabrine Cruz e Italo Novais/Agência do Rádio Mais

Arte: Sabrine Cruz e Italo Novais/Agência do Rádio Mais

Para quem tiver interesse em saber mais sobre uma dessas áreas, é só acessar o site fiema.org.br/senai ou comparecer a uma das unidades da instituição no estado. Mais informações podem consultadas pelo telefone (98) 3212-1800.

Copiar o texto
Educação
01/10/2019 15:09h

Segundo Mapa do Trabalho Industrial, do SENAI, áreas de transversais e energia e telecomunicações demandarão técnicos capacitados em quatro anos

Baixar áudio

O estado da Paraíba terá de qualificar 99.118 trabalhadores em ocupações industriais nos níveis superior, técnico, qualificação e aperfeiçoamento entre 2019 e 2023. Os dados são do Mapa do Trabalho Industrial, elaborado pelo Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (SENAI) e divulgado nesta segunda-feira (30).

Só de profissionais com habilidades transversais, o estado precisará qualificar 4.415. Esses profissionais são aqueles que trabalham em qualquer segmento, como técnicos em eletrotécnica e técnicos de controle da produção. Em seguida, as principais demandas virão das áreas de energia e telecomunicações (1.792); informática (1.397); têxtil (1.290); e metalmecânica (1.266).

Segundo o gerente-executivo de Educação Profissional e Tecnologia do SENAI da Paraíba, Janildo Sales, o setor da construção civil é responsável por aproximadamente metade do trabalho industrial realizado no estado. 

“A construção civil é transversal. Quando você está fazendo a construção de um condomínio, uma residência, você irá necessitar de profissionais com outras habilidades. Isso proporciona desenvolvimento amplo para todas as cidades”, aponta.

Para Sales, o SENAI está atento às dinâmicas e mudanças presentes na indústria paraibana e oferece cursos atualizados com o objetivo de abrir o leque de oportunidade para os alunos da região.

“Surgirão novas profissões. A gente tem incentivado as escolas a construírem. Estamos construindo novas ações, novos cursos. Nas nossas ações, também estamos trabalhando as metodologias ativas para que o aluno possa sair com uma condição de encarar o mercado de trabalho”, completou.

Qualificação profissional

A área têxtil será a quarta com maior demanda de formação por técnicos até 2023 no estado. Magno Rossi é diretor de uma fábrica da Coteminas na Paraíba. A empresa, com sede em Minas Gerais, conta com cerca de 1.400 funcionários e atua nas áreas de fiação e tecido de algodão. Para Rossi, a atuação do SESI e do SENAI é fundamental na formação de mão de obra qualificada para o setor.

Arte: Sabrine Cruz e Italo Novais/Agência do Rádio Mais

Arte: Sabrine Cruz e Italo Novais/Agência do Rádio Mais

“Nós temos agora no SENAI, em João Pessoa, uma escola têxtil, onde fazem a formação de técnicos e até em curso superior na formação têxtil. Isso nos ajuda muito. O SENAI é fundamental. Tanto o SENAI, na parte técnica, quanto o SESI, na parte de saúde e segurança, são fundamentais para o nosso desenvolvimento”, ressaltou.

Para o deputado federal Ruy Carneiro (PSDB-PB), a capacitação profissional é fundamental, inclusive, para que os profissionais paraibanos possam atender às demandas de empresas instaladas fora do estado.

“Nós temos, às vezes, empresas que vêm de fora e precisam de uma mão de obra qualificada. Esse treinamento de mão de obra faz com que nós não percamos empregos no estado”, pontua.

O Mapa do Trabalho Industrial mostra ainda que entre as ocupações que exigem cursos de qualificação e que mais vão demandar profissionais capacitados, estão as de técnicos de planejamento e controle de produção (2.114); e técnicos em eletrônica (987).

Para quem tiver interesse em saber mais sobre alguma dessas áreas, é só acessar o site fiepb.com.br/senai ou comparecer a uma das unidades do SENAI. Mais informações podem consultadas pelo telefone (83) 2101-5311.

Copiar o texto
Educação
30/09/2019 15:30h

Segundo Mapa do Trabalho Industrial, do SENAI, áreas de metalmecânica e eletroeletrônica demandarão técnicos capacitados em quatro anos

Baixar áudio

O estado do Amazonas terá de qualificar 142.089 trabalhadores em ocupações industriais nos níveis superior, técnico, qualificação e aperfeiçoamento entre 2019 e 2023. Os dados são do Mapa do Trabalho Industrial, elaborado pelo Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (SENAI) e divulgado nesta segunda-feira (30).

Segundo o gerente da Escola SENAI Antônio Simões, em Manaus, José Nabir, os setores que mais vão demandar mão de obra qualificada no estado são os de metalmecânica e eletroeletrônica. Nabir aponta que a capacitação dos jovens locais pode ajudar na inserção no mercado de trabalho e lembra ainda dos desafios que devem ser enfrentados com as recentes demandas tecnológicas.

“Há também a necessidade de requalificarmos os profissionais que já estão inseridos no mercado de trabalho. Em função da mudança tecnológica e do contexto do emprego, eles vão precisar voltar para as escolas de formação profissional, em especial dentro do SENAI no Amazonas, para fazer essa requalificação e aperfeiçoamento profissional”, explicou o gerente.

O deputado federal Marcelo Ramos (PL-AM) acredita que é necessário treinar e qualificar profissionais no estado, principalmente por conta do desenvolvimento da Zona Franca de Manaus. “O complemento da educação formal acadêmica é a educação profissional, na qual as estruturas do Sistema S cumprem um papel fundamental, possibilitando que a gente tenha melhoria na qualidade da mão de obra. O desafio é enfrentar um dos maiores problemas da economia nacional, que é a produtividade. Quanto mais educação profissional tivermos, maior é a produtividade da nossa indústria, que é um elemento fundamental para que ela seja competitiva”, defendeu o parlamentar.

Qualificação profissional

O Mapa do Trabalho Industrial mostra que entre as ocupações que exigem cursos de qualificação e que mais vão demandar profissionais capacitados estão as de montadores de equipamentos eletroeletrônicos (22.307) e operadores de processos das indústrias de transformação de produtos químicos, petroquímicos e afins (1.964).

Arte: Sabrine Cruz e Italo Novais/Agência do Rádio Mais

Arte: Sabrine Cruz e Italo Novais/Agência do Rádio Mais

Já a demanda por capacitação de profissionais com formação técnica no Amazonas será maior nas áreas transversais; metalmecânica; equipamentos de transporte e veículos; eletroeletrônica; e energia e telecomunicações. Profissionais com qualificação transversal trabalham em qualquer segmento, como técnicos em eletrotécnica e técnicos de controle da produção.

Os jovens que tiverem interesse em uma dessas áreas podem acessar o site fieam.org.br ou comparecer a uma das unidades do SENAI no estado. Mais informações podem consultadas pelo telefone (92) 3182-9975.

Copiar o texto
Educação
30/09/2019 09:06h

Segundo Mapa do Trabalho Industrial, do SENAI, as áreas de metalmecânica e energia e telecomunicações demandarão técnicos capacitados em quatro anos

Baixar áudio

O estado do Acre terá de qualificar 13.555 trabalhadores em ocupações industriais nos níveis superior, técnico, qualificação e aperfeiçoamento entre 2019 e 2023. Os dados são do Mapa do Trabalho Industrial, elaborado pelo Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (SENAI) e divulgado nesta segunda-feira (30).

Segundo a gerente de educação profissional do SENAI do Acre, Geane Reis, os setores que mais vão demandar mão de obra qualificada no estado são os de energia e telecomunicações, construção civil e eletroeletrônica.

“As empresas precisam de uma formação profissional sólida e o jovem precisa buscar essas qualificações, não só no aspecto técnico da ocupação, mas principalmente das habilidades e capacidades socioemocionais. O jovem precisa estar de olho nesses indicadores e informações, quais áreas têm maior demanda e focar a formação nessas áreas”, pontuou a gerente.

Energia e telecomunicações

O setor de energia e telecomunicações, segundo estudo do SENAI, precisará qualificar 405 novos profissionais nos próximos quatro anos no estado. Na avaliação do presidente da Associação Brasileira de Telecomunicações (ABTelecom), Luiz Rocha, é preciso também estar atento às mudanças do mercado, que está em um momento diferente. Com o fenômeno da Indústria 4.0, os profissionais precisam estar munidos de outras ferramentas.

“O mundo e o país estão entrando em uma situação de tecnologia, da quinta geração de telefones celulares e o uso intensivo de internet das coisas (IoT), apresentando uma oferta de comunicação surpreendente, que nunca aconteceu e vai crescer rapidamente. Com essa disponibilidade de tecnologia, há também novas demandas tecnológicas para outros produtos, sistemas, aplicações e serviços”, aponta.

Como forma de mudar a realidade de milhões de brasileiros que estão desempregados, a saída, na avaliação da deputada federal Mara Rocha (PSDB-AC), é ampliar a oferta de vagas de formação técnica e profissional, destinadas principalmente aos mais jovens. 

“É muito bom ver o jovem capacitado, esse trabalho indo nas periferias. Isso é bom para o Brasil. É mão de obra qualificada, significa preparar as pessoas para exercer com maestria uma determinada profissão. A qualificação melhora demais a qualidade de vida das pessoas”, pondera a parlamentar.

Qualificação profissional

O Mapa do Trabalho Industrial mostra que entre as ocupações que exigem cursos de qualificação e que mais vão demandar profissionais capacitados, estão as de trabalhadores de instalações elétricas (516); e mecânicos de manutenção de veículos automotores (291).

Arte: Sabrine Cruz e Italo Novais/Agência do Rádio Mais

Arte: Sabrine Cruz e Italo Novais/Agência do Rádio Mais

Já a demanda por capacitação de profissionais com formação técnica no Acre será maior nas áreas de metalmecânica; energia e telecomunicações; transversais; construção; e eletroeletrônica. Profissionais com qualificação transversal trabalham em qualquer segmento, como técnicos em eletrotécnica e técnicos de controle da produção. 

Os jovens que tiverem interesse em uma dessas áreas podem acessar o site senaiac.org.br ou comparecer a uma das unidades do SENAI no estado. Mais informações podem consultadas pelo telefone (68) 3212-4200.

Copiar o texto