Cadastro de mídia

TERMO DE USO E PARCERIA

TERMO DE USO E PARCERIA

1º - A utilização gratuita e livre dos materiais produzidos pelo Brasil 61 só será permitida depois que este termo de parceria for aceito pelo usuário, prevendo as seguintes regras:

a) A utilização do material - na íntegra, ou em partes - só será permitida desde que as informações não sejam distorcidas, manipuladas ou alteradas.

b) Não é necessário a identificação do Brasil 61 na hora da replicação do conteúdo. Mas toda e qualquer veiculação de áudios produzidos pelo Brasil 61 prevê o cadastro no site, com a disponibilização de dados que serão utilizados para a organização do mailing desta empresa,

2º - OBRIGAÇÕES DO BRASIL 61

a) O Brasil 61 se compromete, a partir deste termo de uso, a produzir conteúdo particularizado diariamente, trazendo informações de dia-a-dia e bastidores do Planalto Central, além de outras temáticas de relevância do noticiário nacional. 

b) O acesso ao conteúdo jornalístico (na versão de leitura) é livre e gratuito, podendo ser replicado por qualquer usuário que acesse o site. O download do áudio para que seja utilizado na programação das rádios requer que o usuário realize o login no site do Brasil 61 - informando e-mail e senha cadastrados. 

3º - OBRIGAÇÕES DOS COMUNICADORES PARCEIROS

Não alterar o sentido dos materiais, ou distorcer fala de entrevistados ou mudar a conotação das mensagens dos materiais. 

ADENDOS IMPORTANTES SOBRE A PARCERIA

a) O Brasil 61 poderá distribuir conteúdo patrocinado com ou sem assinatura dos clientes patrocinadores do boletim e sem aviso prévio ao comunicador. 

b) As rádios parceiras não vão ter participação financeira sobre o faturamento do Brasil 61.

c) Os comunicadores podem patrocinar os conteúdos do Brasil 61, desde que não alterem o sentido e a conotação dos conteúdos oferecidos. Nesses casos, o Brasil 61 não terá participação nos lucros conquistados pelos veículos parceiros. 

Ao clicar em ACEITO, a emissora aqui cadastrada afirma concordar e estar ciente de todas as condições apresentadas neste Termo de Utilização de Conteúdo.

Política de privacidade

Nós do Brasil 61 coletamos e usamos alguns dados dos nossos leitores com o intuito de melhorar e adaptar nossas plataformas e nossos produtos. Para isso, agimos conforme a Lei Geral de Proteção de Dados (Lei 13.709/2018) e nos esforçamos para sermos transparentes em todas nossas atividades.

Para podermos oferecer melhores serviços e veicular peças publicitárias de nossos anunciantes, precisamos conhecer certas informações dos nossos usuários.

COMO O BRASIL 61 COLETA SEUS DADOS

– Quando você se cadastra e cria um usuário no Brasil 61

Quando você entra no nosso site, fornece informações (dados) para a criação do usuário. Estes dados são usados para orientar a estratégia do Brasil 61 e o desenvolvimento de novos serviços e/ou produtos. Essas informações são fornecidas voluntariamente por você leitor e não são compartilhadas com nenhum terceiro.

– Quando você acessa o site do Brasil 61 (www.brasil61.com.br) ou abre uma de nossas newsletters enviadas por e-mail

O Brasil 61 usa tecnologias como cookies e pixel tags para entender como é a sua interação com as nossas plataformas. Esses dados permitem saber, por exemplo, de que dispositivo você acessa o site ou em que links você clicou e quanto tempo permaneceu lendo as notícias. 

COMO O BRASIL 61 USA OS SEUS DADOS

Nós, do Brasil 61, usamos seus dados sempre com a principal intenção de melhorar, desenvolver e viabilizar nossos próprios produtos e serviços a você leitor.

Seus dados são sempre analisados de forma não individualizada, mesmo os que são fornecidos vinculados seu nome ou ao seu endereço de e-mail. 

Os dados em conjunto são analisados para criar relatórios estatísticos de audiência sobre as páginas, textos e meios de acesso ao site e às newsletters. 

Esses relatórios são compartilhados com nossos anunciantes e patrocinadores e servem para modelar estratégias e campanhas institucionais.

As informações que você fornece durante a criação do cadastro do seu usuário no Brasil 61 são utilizadas para a formulação de estratégia comercial e desenvolvimento de novos produtos e/ou serviços.

Essas informações individualizadas podem ser usadas pelo Brasil 61 para o envio de campanhas comerciais e divulgação de serviços e/ou produtos próprios. Não são compartilhadas com nenhum terceiro.

As informações captadas por meio de cookies e pixel tags são usadas em relatórios internos de monitoramento da audiência e também em relatórios para os anunciantes verificarem a efetividade de suas campanhas. Essas informações não estão vinculadas a nome ou e-mail dos leitores e são sempre avaliadas de forma não individualizada.

O Brasil 61 compartilha informações captadas por meio de cookies e pixel tags com terceiros, como anunciantes, plataformas de redes sociais e provedores de serviço – por exemplo, o serviço de envio de e-mails. O Brasil 61 também em seu site cookies de terceiros que captam informações diretamente do usuário, de acordo com suas próprias políticas de privacidade e uso de dados. 

O QUE O BRASIL 61 NÃO FAZ COM SEUS DADOS

– Não monitoramos ou coletamos dados de páginas que não pertencem ao Brasil 61.
– Não compartilhamos ou vendemos para terceiros nenhuma informação identificável.

O QUE VOCÊ PODE FAZER SE NÃO QUISER MAIS QUE SEUS DADOS SEJAM USADOS PELO BRASIL 61

– Caso não queira que o Brasil 61 use nenhum tipo de cookies, altere as configurações do seu navegador. Nesse caso, a exibição de anúncios e mensagens importantes do Brasil 61 e de nossos anunciantes pode ser prejudicada.

– Caso queira deixar de receber algum newsletter ou e-mail de alertas de notícias, basta clicar em “Unsubscribe”, na parte de baixo do e-mail enviado pelo Brasil 61. 

– Caso queira excluir seu usuário e apagar seus dados individuais da base do Brasil 61, basta enviar um e-mail para: privacidade@brasil61.com

 Última atualização: 24 de dezembro de 2020 

Alimento

10/06/2021 12:00h

O Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC), que mede a variação da cesta de compras para famílias com renda de até cinco salários mínimos, ficou em 0,96%

Baixar áudio

O Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC), que mede a variação da cesta de compras para famílias com renda de até cinco salários mínimos, ficou em 0,96% em maio deste ano. É a maior taxa para o mês desde 2016, quando o índice bateu 0,98%. 

De acordo com os dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), o índice ficou bem acima do observado em abril, quando marcou 0,38%. O indicador é obtido a partir dos Índices de Preços ao Consumidor regionais e tem como objetivo oferecer a variação dos preços no mercado varejista, mostrando, assim, o aumento do custo de vida da população.

Com sétima alta consecutiva, projeção do PIB brasileiro para 2021 chega a 4,36%

Prévia da inflação sobe 0,44% em maio, aponta IBGE

O INPC acumula 3,33% no ano e 8,9% em 12 meses. Os percentuais registrados foram maiores do que os da inflação oficial, medida pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), que acusou variações de 0,83% em maio, de 3,22% no ano e de 8,06% em 12 meses.

Em maio, os produtos alimentícios, medidos pelo índice, tiveram inflação de 0,53%, enquanto os não alimentícios registraram alta de preços de 1,1%, no período. O peso do grupo alimentos, como arroz, feijão, leite, frutas, refeições feitas em restaurantes e lanchonetes, é maior no INPC que no IPCA, que mede até 40 salários mínimos. Logo, uma variação nesse grupo tem um impacto maior no INPC.

Copiar o texto
20/05/2021 04:45h

Critérios foram publicados pela Anvisa no mês passado

Baixar áudio

Segundo resolução da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) publicada no final do mês passado, os produtos alimentícios à base de cereais precisarão obedecer novos critérios para serem identificados como alimentos integrais. São eles: a quantidade de ingredientes integrais tem de ser superior à de ingredientes refinados e, pelo menos, 30% de todos os ingredientes devem ser integrais. Entre os alimentos considerados na resolução da Anvisa estão farinhas, massas, pães, biscoitos e cereais matinais.

Desta forma, o termo integral poderá aparecer no rótulo do produto ou apresentar a indicação do percentual de integrais. Os alimentos não considerados integrais também poderão colocar a porcentagem, mas de forma clara e que não possam enganar o consumidor.

Anvisa autoriza uso emergencial de coquetel contra a Covid-19

FNDE repassa R$ 370,5 milhões para alimentação escolar

As novas regras entrarão em vigor em abril de 2022. Os produtos que já estiverem em circulação terão um prazo de 12 meses para adequação dos rótulos, até abril de 2023.

Copiar o texto
14/05/2021 03:00h

Com registro de chuvas intensas, o município vai usar o recurso para a compra de cestas básicas para a população atingida.

Baixar áudio

A cidade de Cláudia, no Mato Grosso, vai receber mais de setenta e quatro mil reais da Defesa Civil Nacional. Com registro de chuvas intensas, o município vai usar o recurso para a compra de cestas básicas para a população atingida.

O coronel Alexandre Lucas, secretário de Proteção e Defesa Civil do Ministério do Desenvolvimento Regional, o MDR, explica como os municípios atingidos por desastres naturais devem fazer para ter acesso a recursos federais.

“Os municípios de todo o Brasil podem acessar recursos para acesso aos desastres. É importante que o prefeito ou o governador decrete situação de emergência e encaminhe a documentação via S2iD para que possamos apoiar com nossos recursos”.

O S2iD é o Sistema Integrado de Informações sobre Desastres. Ele pode ser acessado pelo link s2id.mi.gov.br.

Além da cidade de Cláudia, a Defesa Civil Nacional também liberou recursos para ações de recuperação e apoio à população em outras seis cidades do Pará, Acre e Espírito Santo. No total, foram liberados mais de um milhão e trezentos mil reais.

Para saber mais, acesse mdr.gov.br.

Copiar o texto
24/04/2021 10:30h

O alimento deve apresentar no mínimo 30% de ingredientes integrais na composição. Novas regras só entrarão em vigor em 2022

Baixar áudio

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) publicou nesta quinta-feira (22) a Resolução da Diretoria Colegiada (RDC) 493/2021, que estabelece regras para a classificação de um alimento à base de cereais como integral ou para o destaque da presença de ingredientes integrais nos alimentos.

Para ser classificado como integral, o alimento deve apresentar em sua composição o mínimo de 30% de ingredientes integrais e, adicionalmente, ter uma quantidade de ingredientes integrais superior à quantidade de ingredientes refinados. Em relação ao destaque nas embalagens, o termo “integral” poderá aparecer no nome de venda do alimento, desde que se declare juntamente o percentual de ingredientes integrais presentes na sua composição.

As novas regras entrarão em vigor em abril de 2022, mas a publicação imediata tem o objetivo de permitir a organização do setor de alimentos a atender ao regulamento.

Copiar o texto
02/04/2021 04:00h

A queda acumulada no primeiro trimestre do ano chega a 9,8%, em termos reais

Baixar áudio

O preço do leite captado em fevereiro e pago aos produtores em março recuou 2,5% na “Média Brasil” líquida, chegando a R$ 1,9384/litro. Com isso, a queda acumulada no primeiro trimestre do ano chega a 9,8%, em termos reais (descontando a inflação pelo IPCA de fevereiro/21). 

Esse valor é recorde para um mês de março e supera em 28,3% o registrado no mesmo período de 2020. O recuo das cotações está atrelado ao enfraquecimento da demanda por lácteos, tendo em vista a diminuição do poder de compra do brasileiro, o fim do recebimento do auxílio emergencial, o agravamento dos casos da Covid-19 e a elevação do desemprego. 

População ocupada no agronegócio cai 5,2% entre 2019 e 2020

Agricultura do Mato Grosso do Sul deve se beneficiar da ratificação do Protocolo de Nairóbi

Com o consumo fragilizado, houve o aumento da pressão dos canais de distribuição para obter preços mais baixos nas negociações de derivados junto às indústrias de laticínios. A pesquisa, realizada pelo Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada (Cepea), da Esalq/USP, destacou ainda que a oferta de leite no campo está limitada.
 

Copiar o texto
18/03/2021 00:00h

As orientações aos pequenos empresários têm sido no sentido dos cuidados sanitários e possíveis adequações ao negócio

Baixar áudio

Pesquisa realizada pelo Sebrae descobriu que 61% dos empresários do setor de alimentos – com foco nos pequenos empresários como lanchonetes, restaurantes, padarias e confeitarias – tiveram de se readequar neste momento de pandemia causada pela Covid-19. Esse foi o caso da empresária Camila Rodrigues, dona de um restaurante em Jundiaí, no interior de São Paulo.  

“Entre as adequações para o funcionamento do local, nós tivemos vários funcionários demitidos por não ter mesas para serem atendidas, tivemos de colocar álcool em gel nas mesas, fazer o uso de máscaras, o distanciamento das mesas e tivemos de aumentar as entregas por delivery”, afirmou a empresária. 

75 mil lojas fecharam ano passado devido a pandemia da Covid-19

Acesso à internet e infraestrutura escolar foram os maiores desafios das redes municipais de educação em 2020

Com a crise econômica gerada pela pandemia da Covid-19, o faturamento desse tipo de estabelecimento também caiu drasticamente. Por isso, o Sebrae elaborou uma série de documentos com dicas e orientações para que os pequenos negócios possam ajudar na retomada segura da economia brasileira.

As orientações aos pequenos empresários têm sido no sentido dos cuidados sanitários e possíveis adequações ao negócio. Essas dicas foram elaboradas a partir de conteúdos oficiais de saúde, com objetivo de uma reabertura mais rápida com o máximo de segurança aos funcionários e clientes dos estabelecimentos. Algumas dessas orientações são apresentadas pelo analista do Sebrae Nacional, Luiz Rebelatto.

 “Atenção aos decretos oficialmente estabelecidos, o foco na segurança das pessoas: colaboradores, fornecedores e clientes. É preciso, também, ter cuidado com a segurança dos alimentos que apesar de não terem mudado, precisam ser reforçados neste momento. Também é preciso cuidar dos aspectos como higiene, saúde e doenças no local de trabalho. Além disso, é importante atentar às questões do ambiente de trabalho como a disponibilização de álcool em gel e limpeza regular”, explicou o analista.  

Outras dicas presentes no documento elaborado pelo Sebrae são a divulgação dos protocolos de segurança, a fiscalização dos procedimentos realizados pelo comércio, atuação junto aos empresários entre outras. Para mais informações sobre esses e outros setores acesse: www.sebrae.com.br/cuidados.

#ContinueCuidando

Copiar o texto
11/02/2021 10:00h

Crescimento do IPCA, índice que mede a inflação oficial do País, desacelerou em relação a dezembro

Baixar áudio

A inflação em janeiro no País foi de 0,25%. O resultado representa queda de 1,1% em relação ao Índice Nacional de Preços ao Consumidor (IPCA) em dezembro, quando a inflação foi de 1,35%. Os dados são do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). 
 
A inflação acumulada nos últimos 12 meses acumula alta de 4,56%. Segundo o IBGE, o segmento de alimentos e bebidas é o responsável por puxar os preços para cima, mas já não tem tanta força. Por outro lado, as mudanças de bandeira nas contas de energia elétrica e a queda no preço das passagens aéreas ajudaram a segurar a inflação no primeiro mês do ano. 

Fim de auxílio emergencial e dívidas de início de ano; especialista explica como se organizar

Previsão da inflação de 2021 aumenta de 3,53% para 3,60% e dólar se mantém em R$ 5,01

Copiar o texto
Brasil 61