25/09/2022 20:33h

Reunião presencial com integrantes do colegiado e instituições parceiras marcou um ano de criação do colegiado e integrou programação da Semana da Mobilidade

Baixar áudio

O Fórum Consultivo de Mobilidade Urbana se reuniu na manhã desta sexta-feira (23), para debater a construção do marco legal do transporte público coletivo no Brasil. O documento está sendo elaborado pelo Ministério do Desenvolvimento Regional, o MDR, junto com instituições e organizações parceiras.

A secretária nacional de Mobilidade de Desenvolvimento Regional e Urbano do MDR, Sandra Holanda, destacou a importância do Fórum para a construção do marco regulatório para o setor. O colegiado acaba de completar um ano de fundação.

 

"A gente avançou no debate sobre o marco regulatório, já fazendo aprimoramentos no texto. E, agora, vamos intensificar nossa programação de reuniões, de encontros, para fazer a entrega dessa proposta de lei. Foi muito bom esse encontro presencial com os atores do Fórum, fechando a Semana da Mobilidade."

A reunião do Fórum Consultivo de Mobilidade Urbana é parte da programação da Semana da Mobilidade, organizada pelo MDR e que teve atividades de segunda até esta sexta-feira.

Copiar o texto
25/09/2022 18:00h

A temperatura pode variar entre 21°C e 39°C

Baixar áudio

Nesta segunda-feira (26), muitas nuvens com pancadas de chuva isoladas e trovoadas em Rondônia, sul e centro amazonense, Baixo Amazonas, Marajó e sudoeste paraense.

Chuva isolada também nas demais regiões do Amazonas, Pará e nos estados do Acre, Roraima e Amapá. Em Tocantins, há variação entre muitas e poucas nuvens.

A temperatura mínima para a região Norte fica em torno dos 21ºC, e a máxima pode chegar aos 39ºC. A umidade relativa do ar varia entre 30% e 95%.

As informações são do Instituto Nacional de Meteorologia.
 

Copiar o texto
25/09/2022 18:00h

A temperatura pode variar entre 15ºC e 38ºC

Baixar áudio

A previsão para esta segunda-feira (26) é de poucas nuvens nos estados do Piauí, Ceará, Rio Grande do Norte, Paraíba, Pernambuco, Alagoas, Sergipe e Bahia. 

Muitas nuvens com chuva isolada no norte e oeste maranhense e sul baiano. Nas demais regiões do Maranhão, muitas nuvens.

A temperatura mínima para a região Nordeste fica em torno dos 12ºC, e a máxima prevista é de 38ºC. A umidade relativa do ar varia entre 35% e 100%.

As informações são do Instituto Nacional de Meteorologia.

Copiar o texto
25/09/2022 18:00h

A temperatura pode variar entre 9ºC e 24ºC

Baixar áudio

Nesta segunda-feira (26), tempo nublado com pancadas de chuva isoladas e trovoadas em todo Paraná e norte catarinense. Pancadas de chuva isoladas também no sudoeste e sudeste rio-grandense. 

Nas demais regiões de Santa Catarina e Rio Grande do Sul, muitas nuvens, mas sem chuva.

A temperatura mínima para a região Sul fica em torno dos 9°C, e a máxima prevista é de 24ºC. A umidade relativa do ar varia entre 50% e 100%.

As informações são do Instituto Nacional de Meteorologia.
 

Copiar o texto
25/09/2022 18:00h

A temperatura pode variar entre 14ºC e 33ºC

Baixar áudio

Nesta segunda-feira (26), tempo nublado com pancadas de chuva isoladas e trovoadas nos estados de São Paulo, Rio de Janeiro e nas regiões do Triângulo Mineiro, Alto Paranaíba, Zona da Mata e oeste de Minas. 

No Espírito Santo e nas demais localidades de Minas Gerais, muitas nuvens, mas sem chuva.

A temperatura mínima para o Sudeste fica em torno dos 14ºC, e a máxima prevista é de 33ºC. A umidade relativa do ar varia entre 40% e 100%.

As informações são do Instituto Nacional de Meteorologia.
 

Copiar o texto
25/09/2022 18:00h

A temperatura pode variar entre 15ºC e 39ºC

Baixar áudio

Nesta segunda-feira (26), muitas nuvens com chuva isolada no Distrito Federal e nas regiões do centro e noroeste goiano e norte mato-grossense.

Nas demais áreas do Goiás, Mato Grosso e no estado do Mato Grosso do Sul, pancadas de chuva isoladas e trovoadas.

Apenas no norte goiano, não há previsão de chuva.

A temperatura mínima para o Centro-Oeste fica em torno dos 15ºC, e a máxima prevista é de 39ºC. A umidade relativa do ar varia entre 20% e 100%.

As informações são do Instituto Nacional de Meteorologia.
 

Copiar o texto
24/09/2022 18:01h

Número representa 2,7% das declarações do IRPF 2022 entregues, segundo balanço da Receita. A omissão de rendimentos sujeitos ao ajuste anual é um dos principais motivos para a retenção na malha fiscal

Baixar áudio

A Receita Federal reteve em malha 1.032.279 declarações do imposto de renda. O número representa 2,7% dos 38,1 milhões de documentos entregues neste ano. Os dados são do balanço do Imposto de Renda da Pessoa Física 2022, divulgado pelo órgão, na última quinta-feira (22).

São mais de 811 mil declarações com Imposto a Restituir, 198 mil declarações com Imposto a Pagar e cerca de 30 mil documentos com saldo zero.

Segundo a Receita, 41,9% das declarações caíram na malha fina por omissão de rendimentos sujeitos ao ajuste anual de titulares e dependentes declarados.   

Os principais motivos (Fonte: Receita Federal)

  • 41,9% - Omissão de rendimentos sujeitos ao ajuste anual de titulares e dependentes declarados;
  • 28,6% - Deduções da base de cálculo, sendo as despesas médicas, o principal motivo de dedução;
  • 21,9% - Divergências no valor de IRRF entre o que consta em Dirf e o que foi declarado pela pessoa física, entre outros, a falta de informação do beneficiário em Dirf, e a divergência entre o valor informado na DIRPF e na Dirf.

Especialista no assunto, o advogado tributarista e contador, Felipe Gaião, dá dicas para evitar problemas com a malha fina. Uma delas é o contribuinte fazer o acompanhamento da própria declaração do imposto de renda no site da Receita Federal. Outra dica que pode facilitar a vida do contribuinte é a opção pela declaração pré-preenchida. “Você entra no site da Receita Federal, por meio do portal de atendimento eletrônico ao contribuinte, o e-CAC, com o seu cadastro no gov.br, e ali buscar sua declaração pré-preenchida e a partir dela, fazer os ajustes necessários", explica.  

Caso a declaração apresente erro de preenchimento ou falta de informação, basta enviar uma declaração retificadora. A retificação do Imposto de Renda pode ser feita até cinco anos depois do envio da declaração anterior, desde que a Receita Federal não tenha notificado o contribuinte antes.  “A retificação dos dados pode ser feita a qualquer momento, desde que não haja procedimento fiscal aberto em seu nome. Ou seja, enquanto a Receita Federal não notificar formalmente para apresentar documentação referente aos problemas encontrados, você pode fazer essa retificação", explica Gaião 

Para saber se a declaração do imposto de renda foi retida em malha fiscal e qual o motivo, basta acessar o site do Centro de Atendimento Virtual da Receita Federal, o e-CAC. No portal, o cidadão deve selecionar a opção "Meu Imposto de Renda (Extrato da DIRPF)" e a aba “processamento”, escolhendo o item “pendências de malha”.

Copiar o texto
24/09/2022 18:00h

A temperatura pode variar entre 8ºC e 33ºC

Baixar áudio

Neste domingo (25), o dia fica ensolarado em São Paulo, e nas áreas do sul fluminense, região metropolitana do Rio de Janeiro; além do sul, sudoeste e oeste de Minas, Triângulo Mineiro e Alto Paranaíba. Céu com muitas nuvens no sul espírito-santense e demais áreas do Rio de Janeiro. Nas outras localidades do Sudeste, pode chover.

A temperatura mínima fica em torno de 8ºC, e a máxima prevista é de 33ºC. A umidade relativa do ar varia entre 40% e 100%.

As informações são do Instituto Nacional de Meteorologia.

Copiar o texto
24/09/2022 18:00h

A temperatura pode variar entre 16ºC e 39ºC

Baixar áudio

A previsão do tempo para este domingo (25) é de tempo ensolarado no Mato Grosso do Sul, salvo o sudoeste do estado, onde fica com muitas nuvens. Possibilidade de chuva com trovoadas isoladas no Distrito Federal, Goiás e Mato Grosso, com exceção do sudeste, sudoeste e centro-sul mato-grossenses, onde fica apenas nublado.

A temperatura mínima fica em torno de 16°C, e a máxima pode chegar aos 39°C, no norte mato-grossense. A umidade relativa do ar varia entre 40% e 90%.

As informações são do Instituto Nacional de Meteorologia.

Copiar o texto
Economia
24/09/2022 17:45h

Otimismo acompanha todos os perfis socioeconômicos, mas é maior para quem ganha mais, aponta estudo da Confederação Nacional da Indústria (CNI)

Baixar áudio

Pesquisa da Confederação Nacional da Indústria (CNI), em parceria com a FSB, mostra que 56% dos brasileiros avaliam que a situação econômica pessoal vai melhorar até o fim do ano. Também de acordo com o estudo,  23% acham que não haverá mudança, e 16% acreditam que as dificuldades irão aumentar.  

O otimismo em relação à situação econômica pessoal ocorre mesmo em meio à inflação de 10,07% nos últimos 12 meses, de acordo com o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Marcelo Azevedo, gerente de Análise Econômica da CNI, explica o que está por trás dessa avaliação. 

“A gente acredita em duas coisas: uma delas é que a inflação aparentemente passou do seu pior ponto. Aquela sensação de alta generalizada nos preços parece ter ficado para trás e isso dá algum otimismo para a população”, acredita. 

O segundo fator é a queda do desemprego. “A gente vê uma recuperação importante do mercado de trabalho. Então, as pessoas estão conseguindo emprego, sentindo-se mais seguras no seu próprio emprego e tem a crença de que isso deve continuar até o final do ano e, por isso, essa crença de uma situação econômica pessoal melhor”, completa. 

Segundo o Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), o Brasil teve saldo 277.944 de vagas (diferença entre admissões e demissões) no mercado de trabalho no primeiro semestre deste ano. Em 2021, o saldo foi de quase 2,7 milhões. 

Otimismo proporcional à renda

Embora haja confiança de que a situação econômica pessoal vai melhorar independentemente da faixa salarial, a expectativa de dias melhores aumenta conforme a renda sobe, indica o levantamento. Entre os entrevistados que ganham até um salário mínimo e meio, 53% creem que as finanças vão melhorar até o fim do ano. Essa é a percepção de 67% daqueles que recebem mais do que cinco salários mínimos. 

Azevedo atribui essa diferença ao peso da inflação, principalmente dos alimentos sobre o orçamento das famílias mais pobres. 

"Historicamente, até por conta dessa maior folga que as famílias com maior renda têm, elas se mostram um pouco mais otimistas. Além disso, dá para apontar também os preços dos alimentos, que são itens muito importantes para aquelas famílias com renda menor, que foram pesadamente elevados e a situação financeira foi muito prejudicada e, por isso, acaba que há um ceticismo maior com a melhora”, avalia. 

Sobre a inflação, 64% dos entrevistados disseram que tiveram que reduzir gastos nos últimos seis meses. O percentual daqueles que fizeram cortes indicado na pesquisa de julho permaneceu igual ao do levantamento feito em abril. 

Entre aqueles que reduziram gastos nos últimos seis meses, 37% apontaram que o grau de corte de despesas foi médio; 29%, grande; 17%, muito grande; e 15%, pequeno. Seis em cada dez entrevistados acreditam que a redução de gastos é temporária. Um a cada três creem que será permanente. 

Foram entrevistadas 2.008 pessoas com idade a partir de 16 anos, nas 27 unidades da federação, entre 23 e 26 de julho. O levantamento traz as percepções sobre a situação das finanças pessoais, hábitos de consumo, inflação e endividamento.  

Saiba mais: 

Inflação: dois em cada três brasileiros tiveram que cortar gastos nos últimos seis meses

IPCA de julho é indicativo de que inflação pode começar a recuar, apontam especialistas

Setor de serviços cresce 0,7% em junho, diz IBGE

Copiar o texto
Brasil 61