Cepa

Covid
05/02/2022 16:15h

São Paulo (2), Rio de Janeiro (2) e Santa Catarina (1) registram os primeiros casos da linhagem, que estudos preliminares apontam ser mais transmissível do que versão inicial da Ômicron

Baixar áudio

O Ministério da Saúde confirmou, no início da tarde deste sábado (5), que o Brasil registra cinco casos da subvariante BA.2 da Ômicron. São dois casos da linhagem em São Paulo, dois no Rio de Janeiro e um em Santa Catarina. De acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), a BA.2 já é a principal responsável pelas infecções de Covid-19 nas Filipinas, Qatar, Índia e Dinamarca. A subvariante BA.1 da Ômicron, “versão original” da cepa, foi a principal responsável pelo aumento de casos no mundo desde o fim de 2021. 

Não é possível cravar muitas certezas sobre a subvariante BA.2, mas um estudo preliminar feito por cientistas na Dinamarca apontou que a nova versão é 33% mais contagiosa que a cepa predominante no mundo, a BA.1. Até por isso, Boris Pavlin, chefe da equipe de resposta contra a Covid-19 da OMS, disse que a BA.2 está começando a substituir a cepa original e deve se tornar dominante em outros países. No entanto, a subvariante não parece levar a formas mais graves da doença, indica a OMS. 

Kleber Luz, infectologista da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN), explica o que são as subvariantes de um vírus. "Em todos os vírus RNA as cópias, “os filhotes”, para que a gente possa entender, geralmente são diferentes dos pais. Então, chama-se de mutação e essa mutação pode ganhar uma capacidade maior de produzir doença mais grave ou de aumentar a transmissão. No caso, a Ômicron e essa nova subvariante têm uma transmissibilidade maior”, detalha. 

O infectologista destaca que, embora as infecções pelo Ômicron sejam, em sua maioria, mais leves, quanto maior o número de casos, maiores são as chances de ocorrências graves, principalmente em idosos. Segundo Luz, a vacinação continua sendo importante para minimizar as chances de internação e morte pela Covid-19. A explicação para isso é que o organismo vacinado já está “treinado” para combater uma infecção pelo novo coronavírus. 

“A vacina ensina o sistema imunológico a se defender da doença e ele fica capacitado a controlar a replicação do vírus, portanto você tem menos forma grave. Então, ainda que a vacina escape, ou seja, o vírus produz a doença nas pessoas vacinadas, o sistema imunológico por ter sido treinado pela vacina vai fazer uma doença menos grave. A recomendação de tomar a vacina continua”, defende.

Em nota, o Ministério da Saúde disse que a sublinhagem BA.2 da Ômicron não tem impacto no diagnóstico laboratorial e eficácia dos imunizantes.“Até o momento, não existem evidências relacionadas à nova linhagem que demonstrem mudanças na transmissibilidade, quadro clínico, gravidade ou resposta vacinal”, diz a pasta. 

Covid-19: pode tomar a vacina gripado?

Anvisa aprova venda e uso de autotestes para detecção da Covid-19

Anvisa autoriza aplicação de CoronaVac em crianças e adolescentes de 6 a 17 anos

Sintomas da subvariante BA.2
Segundo o Instituto Butantan, os sintomas mais comuns entre os infectados pela Ômicron são febre, coriza, dor de garganta e dor no corpo. Sintomas específicos para a subvariante BA.2 não foram divulgados. Em geral, os sinais são bem diferentes da infecção por outras cepas, como perda de paladar, olfato e tosse seca, por exemplo.  

Ocupação de leitos de UTI
Na última quinta-feira (3), a Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), apontou em nota técnica que 13 estados brasileiros apresentaram aumento das taxas de ocupação de leitos de UTI para pacientes com Covid-19. Nove unidades federativas estão na zona de alerta crítico, pois estão com ocupação acima de 80% (Amazonas, Espírito Santo, Rio Grande do Norte, Pernambuco, Mato Grosso, Piauí, Goiás, Distrito Federal e Mato Grosso do Sul). 

A maioria dos estados, no entanto, estão em níveis de alerta médio ou baixo para a ocupação dos leitos de UTI. Os pesquisadores ressaltaram que “a elevadíssima transmissibilidade da variante [Ômicron] pode incorrer em números expressivos de internações em leitos de UTI, mesmo com uma probabilidade mais baixa de ocorrência de casos graves”. 

Vacinação
Segundo o Ministério da Saúde, o mês de fevereiro começa com mais de 21,5 milhões de brasileiros aptos a receberem a segunda dose da vacina contra a Covid-19. Essas pessoas não retornaram às unidades de saúde para atualizar o esquema vacinal. São Paulo, Minas Gerais, Paraná e Rio de Janeiro são os estados com mais pessoas com a vacinação atrasada. 

A pasta informa que mais de 152 milhões de brasileiros acima de 12 anos já tomaram as duas doses dos imunizantes, o que representa 85% do público nesta faixa etária. Além disso, mais de 42 milhões de pessoas receberam a dose de reforço. 

Copiar o texto
28/11/2021 16:50h

País africano já registra casos da nova variante do coronavírus, Ômicron. Viajante foi colocado em isolamento e cumpre quarentena residencial

Baixar áudio

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) identificou um caso de Covid-19 em passageiro brasileiro que passou pela África do Sul, país que já registrou casos da nova variante do coronavírus, a Ômicron. Ele desembarcou no sábado (27), em Guarulhos, em um voo da Ethiopian Airlines.

O viajante foi colocado em isolamento e cumpre quarentena residencial. Segundo a Anvisa, ele está sem sintomas. O Ministério da Saúde acompanha o caso.
A agência informa que realiza a triagem em aeroportos brasileiros desde o início da pandemia, para que possa adotar medidas de prevenção e promoção da saúde nos casos de identificação de viajantes infectados pelo coronavírus.

Fechamento das fronteiras aéreas

Ainda neste domingo (28), a Anvisa publicou uma Nota Técnica Complementar (204/2021), que amplia a lista de países com restrição de voos e desembarque no Brasil, para evitar a propagação da nova variante do coronavírus, a Ômicron.

A agência adicionou Angola, Malawi, Moçambique e Zâmbia ao grupo dos seis países africanos que o governo federal já havia determinado bloqueio temporário das fronteiras aéreas: África do Sul, Botsuana, Eswatini, Lesoto, Namíbia e Zimbábue. 

No entanto, a recomendação da agência sobre adicionar mais quatro nações à lista de restrição deve ser analisada pelo governo e depende de portaria interministerial antes de passar a valer.

Covid-19: Brasil fecha a fronteira para voos vindos de seis países

O ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, reafirmou que a principal arma contra a Covid-19 é a vacinação. “Gostaria de tranquilizar todos os brasileiros, porque os cuidados com essa variante são os mesmos cuidados com as outras variantes. A principal arma que nós temos para enfrentar essas situações é a nossa campanha de imunização.”

O secretário de Vigilância em Saúde, Arnaldo Medeiros, explica que o Brasil tem tecnologia laboratorial para detectar a nova variante. “ O nosso RT-PCR, no Brasil, detecta e capta essa variante. E nós temos uma rede de vigilância genômica para fazer o sequenciamento dos possíveis casos que possam eventualmente surgir no nosso país. A gente reforça os chamados cuidados não farmacológicos: evitar aglomerações fúteis, [fazer] a utilização de álcool em gel, distanciamento de pelo menos um metro e meio entre as pessoas e utilização de máscaras.”

Segundo o vacinômetro do Ministério da Saúde, já foram distribuídas 372 milhões de doses de vacinas aos estados. Dessas 308 milhões já foram aplicadas na população.

Somente neste final de semana, pousaram dois aviões no aeroporto de Guarulhos com 3,2 milhões de doses da vacina da Pfizer.

O que se sabe até agora

A primeira identificação da cepa B.1.1529 foi em meados de novembro em Botsuana, na África. Mais tarde, a variante foi denominada de Ômicron. Até agora, ela já foi notificada na África do Sul, Lesoto, Namíbia, Zimbábue, Eswatini, Hong Kong, na China, Israel, Bélgica, Reino Unido e Alemanha.

A Ômicron foi classificada pela Organização Mundial da Saúde (OMS) como variante de preocupação, quando possui evidência de aumento na transmissibilidade e no aumento da severidade da doença.

Copiar o texto
27/11/2021 16:15h

Nova variante do coronavírus, denominada Ômicron, preocupa as autoridades

Baixar áudio

O Brasil fechará as fronteiras aéreas para voos vindos da África do Sul, Botsuana, Lesoto, Namíbia, Zimbábue e Eswatini - todos países africanos. O motivo é o surgimento de uma nova variante do coronavírus, denominada Ômicron. A medida valerá a partir de segunda-feira (29).

O anúncio foi feito na última sexta-feira (28), pelo ministro da Casa Civil, Ciro Nogueira, em sua conta no Twitter.

“O Brasil fechará as fronteiras aéreas para seis países da África em virtude da nova variante do coronavírus. Vamos resguardar os brasileiros nessa nova fase da pandemia naquele país.”

Outros países também restringiram a entrada de viajantes dessas seis nações africanas, para conter o avanço da nova cepa do coronavírus, como Reino Unido, União Europeia e Estados Unidos. 

Neste sábado (27), o Reino Unido e a Alemanha informaram ter detectado, em cada país, dois casos de infecção pela nova variante em pessoas relacionadas com viagens para a África do Sul. Enquanto isso, a Holanda investiga casos suspeitos e governos europeus impõem novas restrições aos viajantes que chegam da África.

A nova variante foi classificada pela Organização Mundial da Saúde (OMS) como variante de preocupação, quando possuem evidência de aumento na transmissibilidade e no aumento da severidade da doença.

O médico infectologista do Hospital das Forças Armadas de Brasília (HFA), Hemerson Luz, afirma que é preciso que o país se prepare para lidar com essa nova situação pandêmica. 

“O mundo todo está preocupado com essa variante que foi encontrada no sul do continente africano. O Brasil também tem que estar preparado, mas estamos progredindo muito bem com a vacinação, diferente dos países onde essa variante foi identificada. Devemos estar preocupados e manter todas as medidas de distanciamento, continuar higienizando as mãos e observar o que vai acontecer no cenário mundial da pandemia”, avaliou. 

Em várias capitais, a tradicional festa de ano novo pode ser cancelada para evitar a propagação do coronavírus. Em São Paulo, a Secretaria Estadual da Saúde tende a não apoiar o evento. No Ceará, o governo estadual proibiu a celebração da chegada de 2022 em Fortaleza. A proibição se estende a qualquer grande evento em todo o estado. Em Belo Horizonte, o Comitê de Enfrentamento à Covid-19 desaconselhou os eventos com aglomerações. Em Salvador e Recife, a questão ainda está indefinida. No Rio de Janeiro, a celebração deve acontecer, bem como em Florianópolis.

O que são as novas cepas do coronavírus?

Covid-19: Brasil se prepara para combater nova mutação do vírus

Durante as comemorações do 76º Aniversário da Brigada de Infantaria Paraquedista, no Rio de Janeiro, na sexta-feira (26), o presidente Jair Bolsonaro afirmou, em coletiva de imprensa, que o Brasil e o mundo não aguentariam um novo lockdown, que poderia agravar a crise econômica.

Até o fechamento da reportagem, o Brasil não registrou nenhum caso de contaminação pela Ômicron ou B.1.1.529, de acordo com o Ministério da Saúde.

Os dados mais atualizados da pasta mostram que o país já registrou mais de 22.067.630 milhões de casos de contaminação pelo coronavírus, desde o início da pandemia. O Rio de Janeiro ainda é o estado com a maior taxa de letalidade entre as 27 unidades da federação, com 5,15%. O índice médio de letalidade do país está em 2,8%.  

Copiar o texto
20/07/2021 11:00h

Desses, cinco evoluíram para quadros graves e um para óbito, informa Ministério da Saúde

Baixar áudio

O Ministério da Saúde informou que já identificou 110 casos da variante Delta do novo coronavírus no Brasil. Desses, cinco evoluíram para quadros graves e um resultou em morte. A cepa conhecida como variante indiana possui maior taxa de infecção do que o coronavírus original. 
 
O estado que mais registrou casos da variante foi o Rio de Janeiro, com 83 ocorrências. Em seguida, vêm o Paraná (13), Maranhão (6), São Paulo (3), Pernambuco (2), Goiás (2) e Minas Gerais (1). 

Covid-19: “Provavelmente vamos precisar, no futuro, de uma terceira dose”, diz infectologista

Covid-19: aqueles que ficaram para falar

Brasil imunizou com uma dose 56,2% da população vacinável
 
O Ministério da Saúde disse que está dialogando com as secretarias de Saúde para ampliar a vigilância sobre a variante. Uma das medidas adotadas é o sequenciamento genômico para mapear a presença da cepa em cada estado ou município. 
 
No Brasil, a variante Gama, que foi identificada primeiro em Manaus, é a cepa que está em maior circulação. 
 

Copiar o texto
17/06/2021 12:15h

Segundo a pesquisa, receber duas doses da Oxford/AstraZeneca protege 92% contra as hospitalizações derivadas da variante Delta

Baixar áudio

Um estudo da agência de saúde do governo britânico mostrou que a aplicação de duas doses da vacina AstraZeneca apresenta 92% de efetividade contra a hospitalização pela variante Delta do coronavírus e que nenhuma morte foi observada entre os pacientes completamente imunizados. A variante, antes conhecida como indiana, tem se espalhado rapidamente pelo Reino Unido e já teve casos confirmados no Brasil. 

O estudo envolveu a vacina da AstraZeneca, que no Brasil é produzida pela Fiocruz, e o imunizante da Pfizer. A pesquisa analisou 14.019 casos da variante Delta que chegaram às emergências dos hospitais ingleses entre 12 de abril e 4 de junho deste ano. Destes, 166 foram hospitalizados. Foi comparado o risco de internação entre os não vacinados e os vacinados com primeira e segunda doses. 

Especialistas avaliam a constitucionalidade da importação das vacinas Sputnik V e Covaxin

Witzel na CPI da Covid no Senado: desabafos, acusações e altercação

Segundo a pesquisa, receber duas doses da Pfizer/BioNTech protege 96% contra as hospitalizações derivadas da variante Delta, enquanto Oxford/AstraZeneca oferece uma eficácia de 92%.
 

Copiar o texto
11/06/2021 11:30h

Análises de sequenciamento genômico estão sendo feitas pela Lacen em parceria com a UnB

Baixar áudio

A equipe de Biologia Molecular do Laboratório Central de Saúde Pública do Distrito Federal (Lacen), em parceria com pesquisadores da Universidade de Brasília (UnB), realizaram análises de sequenciamento genômico com 92 amostras, onde todas tiveram resultado para a cepa P1, conhecida como a variante brasileira com primeiros casos registrados em Manaus.

Segundo a Secretaria de Saúde, o Lacen vem desenvolvendo novas estratégias de sequenciamento a fim de auxiliar o monitoramento de variantes do novo coronavírus circulantes no Distrito Federal. O trabalho teve início em janeiro e os primeiros resultados saíram em fevereiro. Até o momento já foram sequenciadas 490 amostras.

Anvisa autoriza vacina da Pfizer para crianças com mais de 12 anos

Ministério da Saúde autoriza mais leitos de suporte pulmonar para 16 estados

Covid-19: Anvisa autoriza pesquisa clínica da vacina Butanvac

Com isso, ações de vigilância mais intensivas de combate à pandemia são possibilitadas. Com o sequenciamento, as rotas de circulação do vírus podem ser identificadas em diferentes regiões geográficas do DF e, assim, será possível intervir diretamente.

Copiar o texto
04/06/2021 17:50h

Testes são feitos em passageiros sintomáticos no Aeroporto de Congonhas e terminais rodoviários

Baixar áudio

Por meio de uma barreira sanitária, o Aeroporto de Congonhas, em São Paulo, já identificou 33 pessoas com sintomas de Covid-19 em desembarques no terminal. Deste número, um passageiro teve o teste com resultado positivo e nove ainda aguardam o resultado do exame. Além do aeroporto, os terminais rodoviários do Tietê, Barra Funda e Jabaquara também estão monitorando os passageiros.

Montadas pela Secretaria Municipal da Saúde (SMS), as barreiras tem como objetivo identificar e cadastrar os casos suspeitos de Covid-19, evitando a disseminação da cepa indiana do vírus na cidade de São Paulo. Apenas passageiros sintomáticos fazem os exames, segundo orientações do Ministério da Saúde.

Covid-19: Brasil recebe mais 527 mil doses de vacina da Pfizer

CoronaVac: SP receberá mais insumos para produção da vacina ainda neste mês

Covid-19: estado de São Paulo garante vacinação de toda sua população até 31 de outubro

As pessoas que estiverem apresentando os sintomas estão sendo orientadas a ficar em isolamento social até terem o resultado do exame liberado, o que deve acontecer entre 48 e 72 horas. Caso seja identificado algum caso com a variante indiana da Covid-19, a pessoa será encaminhada para o Hospital Geral Guaianazes para o tratamento.

Copiar o texto
28/05/2021 15:15h

Em entrevista ao portal Brasil61.com, o infectologista Julival Ribeiro explicou as diferenças entre a variante indiana e outras cepas da Covid-19 e as medidas que o País pode adotar para minimizar a disseminação em território nacional

Baixar áudio

O Brasil registrou na noite desta quinta-feira (27) o oitavo caso de infecção pela variante indiana do novo coronavírus. Embora as autoridades de Saúde descartem a transmissão comunitária no País, uma vez que todos os casos confirmados até o momento tiveram origem no exterior, especialistas temem que a cepa cause uma nova onda de contaminação.
 
Diante disso, o Ministério da Saúde já implementa, em parceria com a Secretaria de Estado da Saúde do Maranhão (SES/MA) e a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), barreiras sanitárias para impedir a disseminação da variante indiana da Covid-19 no Brasil. A estratégia é aumentar a testagem em aeroportos e rodovias maranhenses e nas regiões de fronteira, além de acompanhar de perto a cepa, por meio do sequenciamento genômico.

Arte: Brasil 61
 
O portal Brasil61.com foi atrás de Julival Ribeiro, infectologista, membro da Sociedade Brasileira de Infectologia (SBI), para tentar entender qual a diferença entre a variante indiana e outras cepas do novo coronavírus que já circulavam pelo País e quais medidas podem ser adotadas para impedir nova ascensão na curva de casos.
 
Segundo ele, o que difere a variante indiana das já conhecidas pelos brasileiros, como a P1, que circulou com força em Manaus, é a maior transmissibilidade. “Em relação especificamente a essa variante que chegou aqui no Brasil, vinda da Índia, sabe-se que ela tem três mutações, está em mais de cinquenta países e é altamente transmissível. Mas não se tem estudo ainda se ela causa doença mais grave ou não”, explica. 

Covid-19: governo maranhense confirma variante indiana em tripulantes de navio ancorado na costa do estado

Variante Indiana: Ministério da Saúde vai criar barreiras sanitárias

Cepa indiana: primeiro caso da variante é confirmada em São Paulo

Terceira onda da covid-19? 

A preocupação de especialistas quanto à maior facilidade com que esta cepa passa de uma pessoa para outra se deve ao receio de que a variante indiana seja responsável por uma nova onda de infecções no País, o que alguns já ousam chamar de terceira onda. 
 
“Infelizmente, devido não só a essas variantes que temos no Brasil, mas um relaxamento por parte da população em relação às medidas restritivas e preventivas, se supõe que nós podemos ter uma terceira onda aqui no Brasil. A chance não é zero de essa cepa começar a ser transmitida na comunidade e tenhamos muitos casos pela cepa indiana, como foi a P1, que aconteceu em Manaus, que a gente viu, distribuiu-se para o País inteiro”, avalia.

Não existe nenhuma vacina 100% eficaz, mas o grande mérito das vacinas é que mesmo se você pegar o coronavírus, você não tem casos graves, ou seja, não precisa de hospitalização ou de terapia intensiva. E as vacinas continuam, pelo menos, da Astrazeneca e da Pfizer, tendo bom resultado em relação a essa variante da Índia. 

Julival Ribeiro,
Infectologista, membro da SBI.

Durante o bate-papo, o especialista falou sobre as ações que acredita serem importantes para conter a nova variante em território brasileiro e o impacto da cepa sobre a eficácia das vacinas. Confira agora a entrevista com Julival Ribeiro.

Copiar o texto
26/05/2021 18:30h

Viajante chegou da Índia e desembarcou no Aeroporto Internacional de Guarulhos (SP) já infectado pela variante do vírus. Governo paulista afirma que foi notificado pela Anvisa quando passageiro já havia embarcado para o Rio de Janeiro

Baixar áudioBaixar áudio

Nesta quarta-feira (26) o governo do estado de São Paulo confirmou que a variante indiana da Covid-19 (B.1.617) foi identificada em um passageiro de 32 anos que chegava da Índia e desembarcou no Aeroporto Internacional de Guarulhos no dia 22 de maio. 

O passageiro, que mora em Campos dos Goytacazes (RJ), foi identificado pelo monitoramento do aeroporto pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa). Porém, o governo paulista afirma que só foi notificado pela Anvisa quando o passageiro já havia embarcado em voo doméstico para o Rio de Janeiro. 

Em nota, a Anvisa alega que “o viajante resolveu fazer um teste para Covid-19 em um laboratório privado localizado no aeroporto de Guarulhos e recebeu o resultado positivo para a doença quando já estava no Rio de Janeiro. A Anvisa foi informada do resultado positivo pelo laboratório privado, seguindo o fluxo de informações existentes para casos positivos e informou as autoridades competentes para que monitorassem o viajante, o que é previsto no plano de contingência”.

Segundo a instituição, não é exigido testes para embarques nacionais e “não é competência da Anvisa o monitoramento de pessoas em trânsito entre estados e municípios”, diz a nota. 

Variante Indiana: Ministério da Saúde vai criar barreiras sanitárias

RJ: estado identifica nova cepa do vírus da Covid-19 em circulação

Covid-19: entenda a importância da vacinação para conter o surgimento de novas cepas

Os outros passageiros do voo, além de todos os funcionários do aeroporto e laboratório estão sendo isolados e monitorados. As equipes de vigilância epidemiológica da Secretaria de Estado da Saúde de São Paulo estão notificando os municípios de residência de todos os passageiros vindos da Índia que desembarcam no Brasil.

Durante coletiva de imprensa do governo de São Paulo que aconteceu nesta terça (26) o secretário da Saúde, Jean Gorinchteyn, afirma que a pasta vem acompanhando e realizando tratativas com a Anvisa e os municípios que detenham portos e aeroportos para conter a variante indiana que chega ao país por meio desses locais. 

“Dessa maneira, notificamos a Anvisa nesta terça-feira (25), algumas questões que são extremamente importantes para o estado, a importância da realização e identificação rápida dos pacientes sintomáticos, mesmo que sintomáticos leves. Essa busca, que nós chamamos busca ativa, já ocorre dentro das aeronaves por apoio das empresas aéreas. Esses indivíduos [funcionários], portanto, são encorajados de imediato ao saírem de suas aeronaves a realizar a testagem em ambiente afastado e isolado, para que ele sequer esteja entrando em contato com outros passageiros nas áreas comuns do aeroporto.” 

Variante indiana no Brasil

Além do caso confirmado em São Paulo da variante indiana da Covid-19, outros seis passageiros que vieram da Malásia e chegaram ao Maranhão, no dia 14 de maio, a bordo do navio MV Shandong da Zhi também estão infectados. Com exceção de um enfermo que teve piora no quadro e precisou ser internado em um hospital particular em São Luís (MA), os demais permanecem isolados, juntos aos demais tripulantes do navio, que está atracado a cerca de 35 quilômetros do litoral maranhense. 

Há ainda outros três casos suspeitos da cepa indiana no Pará, Ceará e no Distrito Federal. Em entrevista coletiva no último sábado (22), o ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, expressou preocupação com a cepa que teve origem na Índia. “A variante indiana é algo que tem nos causado preocupação. O nosso receio é que esse tipo de variante passe a ter uma transmissão comunitária.”

Segundo o infectologista Bergmann Morais Ribeiro, ainda não existem estudos que comprovem que a variante indiana seja mais agressiva ou letal do que outras cepas do novo coronavírus. No entanto, há evidências de que ela seja mais transmissível. 

“A diferença da variante indiana para as outras que já circulam, é que ela tem um conjunto de modificações genéticas específicas. Essas mutações estão, principalmente, naquela proteína espícula, que o vírus usa para entrar na célula. E quando essa mutação ocorre, dependendo do lugar, o vírus entra mais rápido. Daí essa característica de se espalhar mais facilmente”, explica. 

O virologista destaca que a ampliação da vacinação é essencial para impedir uma nova escalada no número de casos, consequência de variantes que, até então, estavam fora do Brasil. “A boa notícia é que imunizantes já utilizados no Programa Nacional de Imunizações (PNI) parecem eficientes na defesa contra a cepa. Saiu um estudo mostrando que as vacinas da AstraZeneca e da Pfizer são efetivas contra essa variante indiana.”

A variante indiana (B.1.617) possui três versões com pequenas diferenças (B.1.617.1, B.1.617.2 e B.1.617.3). As três versões apresentam mutações importantes nos genes que codificam a espícula, a proteína que fica na superfície do vírus e é responsável por se conectar aos receptores das células humanas e dar início à infecção. 

Ampliação de medidas para contenção de novas variantes

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) vai discutir com o Ministério da Saúde a elaboração de recomendações para mudanças na Portaria 653/2021, que dispõe sobre a restrição excepcional e temporária de entrada no país de estrangeiros, visando a ampliação das medidas para redução da circulação de novas variantes do coronavírus.

Dentre os temas discutidos está a definição exata do local em que se realizará a quarentena das pessoas sujeitas à medida (caso dos brasileiros com histórico de viagem à Índia nos últimos 14 dias) e dos encaminhamentos a serem adotados em relação aos casos suspeitos identificados pela Agência nos desembarques em aeroportos do Brasil. 

Pelas regras atuais, nos termos da Portaria 653/21, a partir de recomendação técnica da Anvisa, estrangeiros e brasileiros com destino ao Brasil devem apresentar à empresa aérea, no momento do embarque, o resultado de um teste de RT PCR negativo realizado nas últimas 72 horas e comprovante de preenchimento eletrônico da Declaração de Saúde do Viajante (DSV).

Os estados e municípios também poderão aplicar medidas sanitárias adicionais em ambientes nos quais a Anvisa não possui competência legal de atuação, como rodoviárias e rodovias. 

Após reunião com o secretário de Saúde municipal de São Paulo, Edson Aparecido, e o prefeito de Guarulhos, Gustavo Henric Costa, o ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, traçou as primeiras estratégias que envolvem um protocolo sanitário mais rígido para evitar a disseminação da cepa indiana no Brasil. Desde então, pessoas que tiverem como origem o estado do Maranhão e passarem pelo Terminal Rodoviário do Tietê e as rodovias federais Fernão Dias e Dutra, serão monitoradas. A ação vai contar com o apoio da Polícia Rodoviária Federal. 

Por enquanto, aeroportos e rodovias federais no Maranhão continuarão funcionando, mas haverá maior vigilância e testagem nestes locais.

Desde o dia 14 de maio, uma portaria da pasta impede a entrada de passageiros no país vindos da Índia, África do Sul, Reino Unido e Irlanda do Norte. A restrição ocorreu após pedido da Anvisa. 
 

Copiar o texto
24/05/2021 21:30h

Monitoramento contra a variante indiana terá testagem em aeroportos, portos e fronteiras do estado do Maranhão

Baixar áudio

A Secretaria de Estado da Saúde do Maranhão (SES/MA) vai implantar barreiras sanitárias em aeroportos, portos e outros pontos do estado para impedir a disseminação da variante indiana da Covid-19. O primeiro caso da cepa no Brasil foi confirmado na última quinta-feira (20), em São Luís. Em resposta ao portal Brasil61.com, nesta segunda-feira (24), a pasta disse que a data para o início das ações está sendo acordada com o Ministério da Saúde. 

A ideia das autoridades de Saúde é impedir a transmissão comunitária da variante indiana no Brasil. Para isso não acontecer, a SES/MA e o Ministério da Saúde vão ampliar a testagem e medidas de controle nos aeroportos de São Luís e Imperatriz, na região portuária da capital maranhense e em outros pontos da Grande Ilha. 

Em entrevista coletiva no último sábado (22), o ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, expressou preocupação com a cepa que teve origem na Índia e detalhou as ações do governo federal para impedir a propagação da variante no Brasil. 

“A variante indiana é algo que tem nos causado preocupações. O nosso receio é que esse tipo de variante passe a ter uma transmissão comunitária. Para tanto, eu tenho dialogado com a Anvisa, com o secretário de Saúde do Maranhão e com o secretário Municipal de Saúde. Além disso, o Ministério da Saúde tem uma equipe no Maranhão, que está fazendo um inquérito epidemiológico para acompanhamento deste caso”, explicou. 

Covid-19: governo maranhense confirma variante indiana em tripulantes de navio ancorado na costa do estado

Número global de mortes por Covid-19 pode estar subestimado, diz OMS

PreCOV: Ministério da Saúde fará pesquisa sobre Covid-19 em 274 municípios

Barreiras sanitárias contra a variante indiana

Após reunião com o secretário de Saúde de São Paulo, Edson Aparecido, e o prefeito de Guarulhos, Gustavo Henric Costa, no sábado, Queiroga traçou as primeiras estratégias que envolvem um protocolo sanitário mais rígido para evitar a disseminação da cepa indiana no Brasil. Desde então, pessoas que tiverem como origem o estado do Maranhão e passarem pelo Terminal Rodoviário do Tietê e as rodovias federais Fernão Dias e Dutra, serão monitorados. A ação vai contar com o apoio da Polícia Rodoviária Federal. 

Já a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) vai intensificar a fiscalização nos aeroportos e portos pelo país. “A ideia é que a gente faça uma busca ativa em locais de circulação e pontos de saída, buscando pessoas sintomáticas e assintomáticas. Os grandes locais de pesquisa seriam nas rodoviárias urbanas e nas rodovias estaduais e federais e outras vias de acesso, utilizando esse teste de antígeno que tem resultado rápido”, disse Rodrigo Otávio da Cruz, secretário-executivo do Ministério da Saúde. 

Por enquanto, aeroportos e rodovias federais no Maranhão continuarão funcionando, mas haverá maior vigilância e testagem nestes locais, de acordo com o Ministério da Saúde. 

Desde o dia 14 de maio, uma portaria da pasta impede a entrada de passageiros no país vindos da Índia, África do Sul, Reino Unido e Irlanda do Norte. A restrição ocorreu após pedido da Anvisa. 

Arte: Brasil 61

Testes de Covid-19

Como parte da estratégia para evitar a transmissão entre brasileiros da cepa indiana, o órgão enviou 600 mil testes rápidos de antígeno ao estado do Maranhão. Pessoas que passarem pelos aeroportos e pelas divisas do estado serão testadas. 

Nos casos positivos para o novo coronavírus, um segundo teste, desta vez do tipo RT-PCR, será aplicado, com o intuito de descobrir qual a cepa para cada diagnóstico. As pessoas que testarem positivo para a Covid-19, independente da cepa, deverão ficar isoladas, de acordo com o órgão. 

O Ministério da Saúde também afirmou que acompanha diariamente os profissionais de saúde e as pessoas que entraram em contato com o paciente internado em São Luís, infectado pela variante originária da Índia. “Todos os contactantes são monitorados diuturnamente. Durante o seu trabalho eles são monitorados três vezes ao dia com relação à aferição de temperatura e com realização de testes de PCR,” detalhou Arnaldo Medeiros, secretário de Vigilância em Saúde.  

No último domingo (23), Queiroga também anunciou que a pasta vai enviar 300 mil doses a mais de vacinas contra a Covid-19 para a região de São Luís e cidades vizinhas. A remessa adicional, cuja previsão de chegada era para as 16h desta segunda, vem a pedido do prefeito da capital maranhense, Eduardo Braide. 

A variante indiana da Covid-19

Segundo o infectologista Bergmann Morais Ribeiro, ainda não existem estudos que comprovem que a variante indiana seja mais agressiva ou letal do que outras cepas do novo coronavírus. No entanto, há evidências de que ela seja mais transmissível. 

“A diferença da variante indiana para as outras que já circulam, é que ela tem um conjunto de modificações genéticas específicas. Essas mutações estão, principalmente, naquela proteína espícula, que o vírus usa para entrar na célula. E quando essa mutação ocorre, dependendo do lugar, o vírus entra mais rápido. Daí essa característica de se espalhar mais facilmente”, explica. 

Bergmann explica que as primeiras medidas das autoridades devem visar o controle das fronteiras, com monitoramento de pessoas que apresentam quadro gripal, testagem e o sequenciamento genômico, aquele em que se descobre qual a cepa do vírus. Na dúvida, ele diz, todo cuidado é pouco. 

“É muito importante controlar o espalhamento de novos vírus quando eles são, primeiramente, detectados, porque eles podem se espalhar e se tornarem dominantes, como nós não sabemos se esse vírus é mais letal ou não, é melhor não arriscar”, aconselha. 

Vacina

O virologista também destaca que a ampliação da vacinação é essencial para impedir uma nova escalada no número de casos, consequência de variantes que, até então, estavam fora do Brasil. A boa notícia é que imunizantes já utilizados no Programa Nacional de Imunizações (PNI) parecem eficientes na defesa contra a cepa. “Saiu um estudo mostrando que as vacinas da AstraZeneca e da Pfizer são efetivas contra essa variante indiana.”

Origem

O Ministério da Saúde confirmou os primeiros casos da variante indiana no Brasil na última quinta-feira (20). As seis pessoas diagnosticadas com a cepa eram tripulantes do navio chinês MV Shandong, que saiu da Malásia e chegou ao Maranhão em 14 de maio. 

Entre os infectados, um teve piora no quadro e está internado em um hospital particular em São Luís. O estado dele é grave. Os demais permanecem isolados, juntos aos demais tripulantes do navio, a cerca de 35 quilômetros do litoral maranhense. 

Embora só no Maranhão já exista caso confirmado da variante no Brasil, outros dois estados (Pará e Ceará) e o Distrito Federal investigam casos suspeitos da cepa. Por enquanto, não há transmissão comunitária, reafirmou Queiroga. “Não há indício de transmissão comunitária da variante indiana, mas a Vigilância em Saúde tem trabalhado fortemente, porque antes da vedação dos indianos no Brasil, chegavam pessoas da Índia. Então estamos buscando tudo isso para avaliar esses casos e buscar conter uma possível transmissão comunitária desse vírus”, concluiu. 

Copiar o texto
Brasil 61