Leito

Saúde
06/02/2022 14:51h

Leitos foram utilizados para o atendimento aos pacientes com Covid-19. Confira a distribuição das unidades por estado

Baixar áudio

O Ministério da Saúde publicou na última sexta-feira (4) a portaria que incorpora mais 6.450 leitos de UTI ao Sistema Único de Saúde (SUS). Os leitos foram usados para o cuidado aos pacientes com Covid-19 durante a pandemia e, agora, serão destinados ao atendimento de pessoas com outras doenças. 

Do total de leitos de UTI incorporados ao SUS, 6.077 são para adultos e 373 para crianças. A decisão foi tomada na última reunião tripartite da pasta com o Conselho Nacional de Secretários de Saúde (Conass) e Conselho Nacional de Secretarias Municipais de Saúde (Conasems). 

Confira abaixo se o seu município vai receber leitos de UTI incorporados
 

A incorporação de mais leitos permanentes ao SUS é uma demanda de estados e municípios e ganhou força com o arrefecimento da pandemia no Brasil, no fim do ano passado, quando a demanda por leitos Covid apresentava queda. 

O Conasems destacou que a incorporação dos leitos é “uma conquista histórica para o Sistema Único de Saúde”. A Confederação Nacional dos Municípios (CNM) disse que a medida “fortalece a Rede de Urgências e o cuidado integral em saúde, pois a baixa disponibilidade de leitos têm sido um desafio para a Média e Alta Complexidade”. 

Atualmente, segundo o Conasems, o país conta com 24.091 leitos de UTI. Com as quase 6,5 mil novas unidades, serão mais de 30 mil. O ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, comemorou a ampliação da capacidade de atendimento e disse que espera reduzir as desigualdades na oferta desses leitos entre as unidades da federação. 

“Hoje nós temos condições de ampliar esses leitos, sejam leitos extraordinários em função da Covid, mas também leitos incorporados ao Sistema de Saúde, que ficarão como legado. Esses 6,5 mil leitos que ficam vão elevar para 30 mil leitos de UTI no Brasil. Nós esperamos que consigamos uma distribuição mais homogênea de leitos, que contemple estados que têm poucos leitos. Nós temos o desafio de qualificar recursos humanos para que esses estados com carência demográfica de especialistas em terapia intensiva possam resolver esse problema”, disse. 

Ministério da Saúde confirma o quinto caso da subvariante BA.2 da Ômicron no Brasil

É preciso tomar a segunda dose da vacina? Especialistas respondem

Devo jogar fora a escova de dente após a Covid-19?

A divisão dos leitos entre os estados se dará da seguinte forma: 3.250, ou seja, 50%, vão ser distribuídos com base na população estimada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) para o ano de 2021. Para os outros 3.250, foram aplicados pesos diferenciados visando diminuir as desigualdades de distribuição no país. 

Confira a divisão de leitos por estado

Região Nordeste

Bahia (429)
Ceará (300)
Pernambuco (295)
Maranhão (180)
Rio Grande do Norte (130)
Paraíba (125)
Alagoas (125)
Piauí (115)
Sergipe (31)

Região Norte
 
Pará (300)
Amazonas (141)
Rondônia (60)
Amapá (45)
Roraima (35)
Tocantins (20)
Acre (10)

Região Centro-Oeste

Goiás (225)
Mato Grosso (130)
Mato Grosso do Sul (94)
Distrito Federal (40)

Região Sudeste

São Paulo (1.425)
Rio de Janeiro (625)
Minas Gerais (590)
Espírito Santo (115)

Região Sul

Paraná (320)
Rio Grande do Sul (315)
Santo Catarina (230)

Custeio
O Ministério da Saúde também anunciou que vai reajustar os valores repassados para estados e municípios custearem os leitos já existentes e os que serão habilitados. Segundo a pasta, o custo da diária de leitos do tipo II passará de R$ 478,72 para R$ 600 no primeiro semestre do ano que vem, e para R$ 650 no segundo semestre. 

Leitos do tipo III terão reajuste de R$ 508,23 para R$ 700 no primeiro semestre, e R$ 750 no segundo. Leitos qualificados na Rede de Urgência e Emergência (RUE) e Rede Cegonha (RC) mantêm os valores do incentivo atualmente praticados.

As diárias do leito de UTI para queimados serão reajustadas de R$ 322,00 para R$ 700,00, equivalente ao leito de UTI Tipo III devido à complexidade e como forma de incentivo à habilitação de novos leitos no país.

Copiar o texto
26/01/2022 20:15h

Custeio das unidades de tratamento intensivo acabaria no fim de janeiro e prorrogação só aguarda publicação no Diário Oficial da União

Baixar áudio

Em momento de alta nas taxas de ocupação em leitos de UTI para Covid em 12 Unidades da Federação, segundo boletim divulgado pela Fiocruz, o Ministério da Saúde anunciou que vai prorrogar por mais 30 dias o custeio de 14.254 mil leitos de Unidade de Tratamento Intensivo (UTI), adulto e pediátrico, destinados ao tratamento da doença. 

A medida foi uma demanda do Conselho Nacional de Secretários de Saúde (Conass) e de municípios (Conasems) para garantir a assistência de pacientes que desenvolveram formas graves ou gravíssimas de Covid, já que o contrato que disponibiliza leitos excedentes aos estados pelo Ministério da Saúde se encerraria no próximo dia 31 de janeiro.

Segundo o presidente do Conasems, Wilames Freire, a desativação, criação de novas unidades e a necessidade de financiamento das mesmas se adequam de acordo com o fator epidemiológico no país.

“A importância é que teremos agora o financiamento assegurado e não iremos estar perdendo os leitos, até porque estamos precisando muito desses leitos, assegurados pelo financiamento, por conta do aumento na ocupação e o recrudescimento da pandemia”, destacou Freire.

A renovação deve ser publicada no Diário Oficial da União nos próximos dias, quando só então teremos o apontamento dos valores e municípios beneficiados. “Com a portaria, dependendo da situação de cada estado e município, é que teremos os valores definidos, até porque houve uma desmobilização muito grande dos leitos. Nós tivemos, ao longo dos meses de dezembro e janeiro, a desativação de 10 mil leitos de UTI Covid”, complementa.

De acordo com a nota da Fiocruz, a ocupação de leitos de UTI apresenta uma “situação de piora”. Segundo a nota, seis estados e o Distrito Federal estão no que a fundação chama de “zona de alerta crítico”, 12 estados estão na “zona de alerta intermediário” e oito estão fora da “zona de alerta”.

O DF, de acordo com a última atualização do portal InfoSaúde, indicava lotação superior a 98%. Os estados com situação igualmente complicada na Rede Pública são Espírito Santo (80%), Pernambuco (81%), Goiás (82%), Piauí (82%), Rio Grande do Norte (83%) e Mato Grosso do Sul (80%). 

Amazonas, Roraima, Pará, Tocantins e Ceará também já estão em alerta, com ocupação ultrapassando a barreira dos 70%.

Entre as capitais, nove estão: Porto Velho (89%), Rio Branco (80%), Macapá (82%), Fortaleza (93%), Natal (percentual estimado de 89%), Belo Horizonte (95%), Rio de Janeiro (98%), Cuiabá (89%) e Brasília (98%).

Mesmo com uma proporção menor de casos gerando internações em UTI, graças à vacinação, os números se tornam expressivos por causa da grande transmissibilidade da variante Ômicron, que é mais contagiosa. Segundo o Ministério da Saúde, já foram distribuídas mais de 407 milhões de doses de vacinas, com a vacinação de, pelo menos, 163 milhões de pessoas com a primeira dose. O número representa quase 92% da população-alvo acima de 12 anos. Outros 150 milhões (81,3%) completaram o esquema vacinal com a segunda dose e mais de 35,3 milhões de pessoas já receberam a dose de reforço ou a dose adicional.

O Ministério da Saúde também monitora de perto o aumento de casos e divulgou que, caso seja necessário, vai avaliar novas prorrogações de financiamento de unidades. Apenas em 2021, a pasta já investiu mais de R$ 16 bilhões para reforçar a estrutura do Sistema Único de Saúde (SUS) e ajudar no enfrentamento da pandemia de Covid-19. Deste valor, R$ 6,9 bilhões foram para custeio de 1,1 milhão de procedimentos hospitalares, ou seja, que necessitaram de internação.

A autorização de leitos de UTI Covid adultos e pediátricos chegou a 26,6 mil no ano passado. Além disso, houve a autorização de 4.305 leitos de suporte ventilatório pulmonar, o que gerou investimento federal na ordem de R$ 48,1 milhões.

Valores

O governo fez uma movimentação parecida em julho do ano passado, quando liberou R$ 1,2 bilhão para custear, por um mês, pouco mais de 25 mil leitos de UTI Covid em todo o país. O valor mensal foi superior a R$ 47 mil por unidade, ou mais de R$ 1,5 mil por dia. Segundo estudo realizado pela Planisa – empresa que presta consultoria de gestão de saúde em sete hospitais brasileiros de referência no atendimento à Covid-19 –, o custo diário de uma UTI pode ultrapassar a marca de R$ 2 mil por paciente.
 

Copiar o texto
16/07/2021 18:00h

O podcast Giro Brasil 61 faz uma seleção dos principais fatos e acontecimentos noticiados pelo Brasil61.com durante a semana

Baixar áudio

Nesta semana (16), vamos falar sobre o Boletim Observatório da Covid-19 que revela que a vacinação está reduzindo as ocupações de UTIs nos estados para menos de 90%. Na área da economia, vamos comentar a MP 1057/21, que cria um Programa de Estímulo ao Crédito para micro e pequenas empresas, produtores rurais e microempreendedores individuais. E começando essa edição do podcast, vamos falar sobre o valor da cesta básica que, segundo especialistas, deve seguir ‘pressionando’ as famílias brasileiras.

Espero que gostem e continuem acompanhando o nosso podcast!

Copiar o texto
16/07/2021 17:30h

Segundo o Boletim Observatório Covid-19 da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), vacinação tem contribuído para queda das ocupações de leito de UTI

Baixar áudio

Pela primeira vez desde o início de dezembro de 2020, nenhum estado apresenta taxa de ocupação de leitos de UTI Covid-19 para adultos no SUS superior a 90%, é o que indica o Boletim Observatório Covid-19 da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), publicado na quarta-feira (14). Os indicadores de incidência e mortalidade do mês de julho também apresentaram queda pela terceira vez consecutiva. 

Segundo o pesquisador do Observatório Fiocruz Covid-19, Raphael Guimarães, a vacinação tem feito diferença e traz reflexos positivos ao quadro pandêmico. “A progressão da cobertura vacinal hoje na população tem permitido que a gente consiga evitar ou então reverter adequadamente, principalmente os casos graves, e impedir as fatalidades. Então, a gente acredita que tenha relação com a vacinação”.

O número de casos e de óbitos vem caindo há três semanas em cerca de 2% ao dia, mas ainda permanece em alto patamar. A taxa de letalidade foi mantida em torno de 3%, percentual considerado elevado.

O boletim mostra que quatro estados permanecem na zona de alerta crítico, com mais 80% dos leitos ocupados. A pior situação é a de Santa Catarina (82%), seguida por Goiás (81%), Paraná (81%) e Distrito Federal (80%).

Em nota, a secretaria de Saúde do Distrito Federal informou que vem trabalhando para a redução da taxa de ocupação de leitos de UTI e tem ampliado a vacinação de acordo com a disponibilização de doses pelo Ministério da Saúde. A pasta informou também que a rede pública do DF dispõe de 422 leitos de UTI exclusivos para pacientes com Covid-19.

Na capital federal, 1.103.249 pessoas tomaram a primeira dose da vacina contra o coronavírus, 381.193 a segunda dose e 40.491 receberam a dose única. Com relação ao número de casos, foram registrados 439.981. No total, 424.224 estão recuperados e 9.434 evoluíram para óbito.

Covid-19: estados pretendem diminuir o intervalo entre doses das vacinas

Vacinação reduz ocupação de UTIs nos estados para menos de 90%

Covid-19: Queiroga estima que metade da população brasileira vai receber as duas doses da vacina até setembro

De acordo com a Fiocruz, quatro capitais brasileiras estão com taxas de ocupação de leitos de UTI Covid-19 iguais ou superiores a 80%: São Luís (81%), Rio de Janeiro (81%), Goiânia (92%) e Brasília (80%). 

A secretaria de Saúde de Goiânia esclareceu à reportagem que tem mantido taxas de ocupação de leitos de UTI para tratamento de Covid-19 abaixo de 80% nas últimas semanas. Os números de casos e mortes também sofreram queda e com o avanço da vacinação, a expectativa é de que diminuam ainda mais. A pasta reforça que o município já aplicou 861.751 doses da vacina contra a Covid-19 e que 51,68% da população a partir de 18 anos já recebeu pelo menos a primeira dose do imunizante. De acordo com a pasta, até o dia 14/07 a taxa de ocupação de leitos de UTI para Covid estava em 76%. 

Doze capitais estão fora da zona de alerta: Porto Velho (57%), Rio Branco (24%), Belém (48%), Macapá (52%), Natal (53%), João Pessoa (40%), Recife (50%), Maceió (55%), Aracaju (50%), Salvador (52%), Vitória (54%) e Florianópolis (53%).

Segundo Raphael Guimarães, medir a taxa de ocupação de leitos é importante para mensurar as respostas ao tratamento para os casos que necessitam de internação. “Nós temos duas questões: primeiro, qualquer alívio, qualquer respiro que a redução de casos traga para nós, ela repercute na verdade na questão da taxa de ocupação dali umas três, quatro semanas, porque isso é o curso natural da própria doença. Então, se hoje a gente observa uma redução de casos, só conseguimos ver os que não estão aparecendo mais graves algumas semanas depois.”

Vacinação

Ainda de acordo com o pesquisador da Fiocruz, a vacina possui capacidade limitada de bloquear a transmissão do vírus, sendo necessário uma cobertura em torno de 70%. “A vacina é uma ótima alternativa para reduzir casos graves ou fatais, mas o principal propósito da vacina não é necessariamente impedir a ocorrência de todos os casos, a gente não vai conseguir ter uma conta zerada de casos novos, em nenhum momento. Então é importante que a gente compreenda que para poder, de fato, conter definitivamente a pandemia, precisamos progredir com a vacina, aumentar a cobertura vacinal, mas, sobretudo, manter as regras sanitárias”, explica Guimarães. 

Membro da Sociedade Brasileira de Infectologia (SBI), o médico Julival Ribeiro, destaca que a queda na taxa de ocupação de leitos de UTI tem relação direta com a vacinação da população qualificada como grupo de risco. “O número de casos da Covid está caindo, o número de hospitalizações também, com isso o número de mortes vem caindo, isso é reflexo também da população de risco que já tomou a segunda dose. Além do mais, o que se espera é que tenhamos maior rapidez na vacinação, sobretudo para completar as doses, visto que a população só está protegida após a segunda dose”.

Durante live na noite desta quinta (15), o prefeito do Rio de Janeiro (RJ), Eduardo Paes, anunciou que até a 2ª semana de setembro os adolescentes entre 12 e 18 anos serão vacinados contra a covid-19 na cidade. No geral, a previsão é que todos os adultos sejam vacinados com ao menos uma dose até 18 de agosto. A prefeitura pretende também aplicar outra dose de reforço em idosos a partir do mês de outubro.

Apesar da antecipação das imunizações, Eduardo Paes alerta a população fluminense. “O nível de transmissão ainda é alto, não podemos relaxar. Eu busco ser otimista com as coisas, mas temos que ser otimistas e realistas, então continuem usando máscara, álcool em gel e respeitando as regras de distanciamento”, reforça.

Em termos gerais, segundo a análise da Fiocruz, os dados continuam apresentando a tendência de melhora na situação da Covid-19 no País, em conformidade com os indicadores de incidência e mortalidade. O estudo reforça que a vacinação tem feito diferença, o que reflete positivamente no quadro pandêmico na medida em que é ampliada. 

1ª dose: Ranking de vacinação por estados

UF População Dose 1 %
RS 11.377.239 5.608.416 49,30
MS 2.778.986 1.285.740 46,27
SP 45.919.049 20.946.679 45,62
ES 4.018.650 1.813.737 45,13
PR 11.433.957 5.102.054 44,62
SC 7.164.788 2.880.872 40,21
RN 3.506.853 1.407.050 40,12
RJ 17.264.943 6.864.974 39,76
MG 21.168.791 8.222.633 38,84
GO 7.018.354 2.679.642 38,18
MA 7.075.181 2.653.451 37,50
PB 4.018.127 1.501.141 37,36
AM 4.144.597 1.542.918 37,23
AC 881.935 324.304 36,77
PE 9.557.071 3.490.744 36,53
PI 3.273.227 1.189.489 36,34
TO 1.572.866 548.774 34,89
RO 1.777.225 619.255 34,84
AL 3.337.357 1.161.655 34,81
DF 3.015.268 1.045.282 34,67
MT 3.484.466 1.180.971 33,89
BA 14.873.064 4.924.471 33,11
SE 2.298.696 739.972 32,19
RR 605.761 185.873 30,68
PA 8.602.865 2.485.232 28,89
AP 845.731 238.479 28,20
CE 9.132.078 2.546.527 27,89

Imunização completa: Ranking de vacinação por estados

UF População Dose 2 Única %
MS 2.778.986 561.324 197.410 27,30
RS 11.377.239 2.222.353 264.198 21,86
ES 4.018.650 618.030 87.547 17,56
SP 45.919.049 6.421.910 1.384.967 17,00
RJ 17.264.943 2.482.888 215.516 15,63
PR 11.433.957 1.509.224 270.800 15,57
PB 4.018.127 562.093 53.515 15,32
SC 7.164.788 901.729 174.312 15,02
RN 3.506.853 462.295 46.639 14,51
MG 21.168.791 2.774.796 201.179 14,06
AL 3.337.357 410.175 47.280 13,71
PE 9.557.071 1.156.047 143.473 13,60
PI 3.273.227 399.565 37.435 13,35
BA 14.873.064 1.785.245 175.943 13,19
DF 3.015.268 369.944 26.713 13,15
GO 7.018.354 814.923 102.924 13,08
AM 4.144.597 503.498 24.852 12,75
AC 881.935 101.653 7.735 12,40
MT 3.484.466 366.937 64.937 12,39
RR 605.761 63.495 9.127 11,99
TO 1.572.866 165.686 21.515 11,90
MA 7.075.181 754.440 74.868 11,72
CE 9.132.078 1.031.654 31.580 11,64
RO 1.777.225 172.045 25.937 11,14
SE 2.298.696 231.636 21.135 11,00
PA 8.602.865 862.179 40.799 10,50
AP 845.731 78.106 8.242 10,21
Copiar o texto
15/07/2021 12:40h

Apenas 3 estados e o DF estão na zona de alerta crítico, diz Fiocruz

Baixar áudio

O avanço da vacinação continua a reduzir a internação de pacientes com Covid-19 em unidades de terapia intensiva (UTIs) no país e, pela primeira vez desde dezembro de 2020, nenhuma unidade da federação está com mais de 90% desses leitos ocupados. O dado consta do Boletim Observatório Covid-19, divulgado nesta quarta (14) pela Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz). Segundo os pesquisadores da instituição, a vacinação tem feito diferença e traz reflexos positivos ao quadro pandêmico à medida que é ampliada.

O boletim mostra que quatro unidades da federação permanecem na zona de alerta crítico, com mais 80% dos leitos ocupados. A pior situação é a de Santa Catarina (82%), seguida por Goiás (81%), Paraná (81%) e Distrito Federal (80%).

Servidores dos Correios e bancários entram no grupo prioritário de vacinação contra a Covid-19

Covid-19: Queiroga estima que metade da população brasileira vai receber as duas doses da vacina até setembro

Os pesquisadores avaliam que a imunização tem feito a diferença para a queda dos percentuais, mas alertam que as vacinas têm capacidade limitada de bloquear a transmissão do vírus, que continua a circular de forma intensa

O relatório destaca ainda que os indicadores de incidência e mortalidade da Covid-19 no país estão em queda pela terceira semana seguida. Apesar disso, a pandemia mantém patamares altos, com média de mais de 46 mil novos casos e 1,3 mil óbitos diários nos últimos sete dias.
 

Copiar o texto
25/06/2021 19:15h

R$ 19 mi é o valor que o órgão vai desembolsar, em junho, para manter a estrutura adicional

Baixar áudio

O Ministério da Saúde autorizou a habilitação de mais 396 leitos de UTI para tratamento de pacientes com a Covid-19 em estado grave, nesta quinta-feira (24). São 391 leitos para adultos e cinco pediátricos, que se distribuem por catorze estados do País
 
A autorização ocorre em caráter excepcional e temporário, segundo a pasta. A liberação ocorre sob demanda dos estados, que têm autonomia para disponibilizar e financiar quantos leitos acharem necessários. No entanto, o Ministério da Saúde pode ajudar estados e municípios com recursos financeiros e auxílio técnico.

Municípios aplicaram 11,3 mi de vacinas em moradores de outras cidades

EUA doam 3 milhões de doses da vacina Janssen para o Brasil
 
Ao todo, o órgão vai desembolsar R$ 19 milhões em junho para garantir o funcionamento desses leitos. Somente este ano, o Ministério da Saúde já autorizou mais de 24 mil leitos de UTI Covid-19, que custaram, ao todo, mais de R$ 3,4 bilhões. 

Copiar o texto
09/06/2021 11:00h

Ao todo, 22 estados serão alcançados com o repasse, que supera os R$ 31,4 milhões

Baixar áudio

O Ministério da Saúde autorizou mais 2.191 leitos de suporte ventilatório pulmonar para atendimento aos pacientes confirmados ou com suspeita de Covid-19, nesta terça-feira (8). As autorizações têm caráter excepcional e temporário e alcançam 22 estados brasileiros. 
 
Ao todo, o valor do repasse é superior a R$ 31,4 milhões, montante correspondente ao mês de maio. De acordo com a pasta, a medida vai reforçar o atendimento no Sistema Único de Saúde (SUS), desde hospitais especializados até unidades de pronto atendimento. 

CPI: Queiroga incentiva distanciamento, diz ter autonomia e planeja vacinação de adultos até o fim do ano

Governador do Pará estima que população adulta será vacinada até setembro

Anvisa se reúne com representantes de estados para discutir importação da Sputnik V
 
Esse tipo de leito é voltado para pacientes com Covid-19 que não evoluíram para o estado grave, mas que precisam de suporte de oxigênio. A autorização do Ministério da Saúde ocorre a partir de pedido dos estados, que possuem autonomia para disponibilizar e financiar os leitos necessários. 
 
Desde o início deste ano, o órgão já autorizou cerca de 4 mil leitos de suporte ventilatório pulmonar, cujo investimento ultrapassa os R$ 71 milhões. 

Copiar o texto
25/05/2021 11:15h

Medida fortalece a estrutura hospitalar do SUS para enfrentamento da pandemia

Baixar áudio

O Ministério da Saúde autorizou nesta segunda-feira (25) mais 488 leitos de UTI adulto para 13 estados e 296 leitos de Suporte Ventilatório Pulmonar para 11 estados do país.

Os leitos de UTI vão beneficiar municípios nos estados da Bahia, Ceará, Minas Gerais, Mato Grosso, Pará, Pernambuco, Piauí, Rio de Janeiro, Rondônia, Rio Grande do Sul, Santa Catarina, Sergipe e São Paulo. O valor do repasse mensal será de mais de R$ 23,4 milhões, correspondente ao mês de maio. 

Variante Indiana: Ministério da Saúde vai criar barreiras sanitárias

Senado aprova plataforma digital do SUS para unificar dados dos pacientes da rede pública e privada

Já os leitos de suporte ventilatório reforçam os atendimentos no Sistema Único de Saúde (SUS) em Hospitais Especializados, Unidades Mistas, Prontos Socorros, Unidades de Pronto Atendimento, Hospitais de Campanha e Hospitais Gerais.

As autorizações, em caráter excepcional e temporário, são destinadas para os estados da Bahia, Ceará, Santa Catarina, Pernambuco, São Paulo, Minas Gerais, Maranhão, Mato Grosso, Pará, Paraíba e Rio de Janeiro. O valor do repasse é de mais de R$ 4,2 milhões, correspondente aos meses de abril e maio.
 

Copiar o texto
19/05/2021 10:00h

Investimento de R$ 3 milhões vai para 12 estados e Distrito Federal

Baixar áudio

O Ministério da Saúde autorizou o funcionamento de mais 212 leitos de suporte ventilatório pulmonar exclusivos para pacientes em tratamento da Covid-19. Ao todo serão investidos R$ 3 milhões para custeio parcial das estruturas, através de pagamentos mensais. A medida foi publicada nas Portarias n° 988, n° 990 e n° 991 do Diário Oficial da União.

Os leitos foram autorizados para os estados do Amazonas, Bahia, Ceará, Goiás, Maranhão, Minas Gerais, Paraíba, Paraná, Rio Grande do Sul, Rondônia, Santa Catarina, São Paulo e Distrito Federal. As estruturas poderão ser alocadas em diferentes unidades de saúde, como hospitais de grande e pequeno porte, pronto-socorro e Unidades de Pronto Atendimento (UPAs).

Covid-19: cerca de 18% da população já tomou a primeira dose da vacina e 9% a segunda

Anvisa investiga possível redução de doses da CoronaVac e conclui que não há falha

Os leitos de suporte ventilatório são utilizados para tratar pacientes que ainda não evoluíram para um quadro grave da Covid-19 e que não precisam de transferência para Unidade de Terapia Intensiva (UTI). Até o momento, foram autorizados 3,3 mil leitos desse tipo, com parte dos custos arcados mensalmente pelo governo federal.

Copiar o texto
05/05/2021 10:30h

Medida fortalece a estrutura hospitalar do SUS para enfrentamento da pandemia

Baixar áudio

Mais 1.152 leitos de UTI adulto e 51 leitos de UTI pediátrica foram autorizados nesta terça-feira (4), pelo Ministério da Saúde, para atendimento de pacientes graves com Covid-19. 

Estão sendo beneficiados vários municípios nos estados de Alagoas, Bahia, Ceará, Espírito Santo, Maranhão, Minas Gerais, Mato Grosso do Sul, Mato Grosso, Pará, Paraíba, Pernambuco, Piauí, Paraná, Rio de Janeiro, Rio Grande do Norte, Rio Grande do Sul, Santa Catarina, Rondônia e São Paulo, conforme portarias publicadas no Diário Oficial da União (DOU).

Produtos tecnológicos prometem eliminar o coronavírus

CPI da Covid: saiba o que disse o ex-ministro da Saúde Luiz Henrique Mandetta, nesta terça (4)

O valor do repasse mensal será de mais de R$ 58,2 milhões, correspondente à abril. A autorização ocorre sob demanda dos estados, que têm autonomia para disponibilizar e financiar quantos leitos forem necessários.

O pedido de autorização para o custeio dos leitos Covid-19 é feito pelas Secretarias Estaduais e Municipais de Saúde por meio de cadastro na plataforma SAIPS observando os requisitos necessários. 

Copiar o texto
Brasil 61