Cadastro de mídia

TERMO DE USO E PARCERIA

TERMO DE USO E PARCERIA

1º - A utilização gratuita e livre dos materiais produzidos pelo Brasil 61 só será permitida depois que este termo de parceria for aceito pelo usuário, prevendo as seguintes regras:

a) A utilização do material - na íntegra, ou em partes - só será permitida desde que as informações não sejam distorcidas, manipuladas ou alteradas.

b) Não é necessário a identificação do Brasil 61 na hora da replicação do conteúdo. Mas toda e qualquer veiculação de áudios produzidos pelo Brasil 61 prevê o cadastro no site, com a disponibilização de dados que serão utilizados para a organização do mailing desta empresa,

2º - OBRIGAÇÕES DO BRASIL 61

a) O Brasil 61 se compromete, a partir deste termo de uso, a produzir conteúdo particularizado diariamente, trazendo informações de dia-a-dia e bastidores do Planalto Central, além de outras temáticas de relevância do noticiário nacional. 

b) O acesso ao conteúdo jornalístico (na versão de leitura) é livre e gratuito, podendo ser replicado por qualquer usuário que acesse o site. O download do áudio para que seja utilizado na programação das rádios requer que o usuário realize o login no site do Brasil 61 - informando e-mail e senha cadastrados. 

3º - OBRIGAÇÕES DOS COMUNICADORES PARCEIROS

Não alterar o sentido dos materiais, ou distorcer fala de entrevistados ou mudar a conotação das mensagens dos materiais. 

ADENDOS IMPORTANTES SOBRE A PARCERIA

a) O Brasil 61 poderá distribuir conteúdo patrocinado com ou sem assinatura dos clientes patrocinadores do boletim e sem aviso prévio ao comunicador. 

b) As rádios parceiras não vão ter participação financeira sobre o faturamento do Brasil 61.

c) Os comunicadores podem patrocinar os conteúdos do Brasil 61, desde que não alterem o sentido e a conotação dos conteúdos oferecidos. Nesses casos, o Brasil 61 não terá participação nos lucros conquistados pelos veículos parceiros. 

Ao clicar em ACEITO, a emissora aqui cadastrada afirma concordar e estar ciente de todas as condições apresentadas neste Termo de Utilização de Conteúdo.

Política de privacidade

Nós do Brasil 61 coletamos e usamos alguns dados dos nossos leitores com o intuito de melhorar e adaptar nossas plataformas e nossos produtos. Para isso, agimos conforme a Lei Geral de Proteção de Dados (Lei 13.709/2018) e nos esforçamos para sermos transparentes em todas nossas atividades.

Para podermos oferecer melhores serviços e veicular peças publicitárias de nossos anunciantes, precisamos conhecer certas informações dos nossos usuários.

COMO O BRASIL 61 COLETA SEUS DADOS

– Quando você se cadastra e cria um usuário no Brasil 61

Quando você entra no nosso site, fornece informações (dados) para a criação do usuário. Estes dados são usados para orientar a estratégia do Brasil 61 e o desenvolvimento de novos serviços e/ou produtos. Essas informações são fornecidas voluntariamente por você leitor e não são compartilhadas com nenhum terceiro.

– Quando você acessa o site do Brasil 61 (www.brasil61.com.br) ou abre uma de nossas newsletters enviadas por e-mail

O Brasil 61 usa tecnologias como cookies e pixel tags para entender como é a sua interação com as nossas plataformas. Esses dados permitem saber, por exemplo, de que dispositivo você acessa o site ou em que links você clicou e quanto tempo permaneceu lendo as notícias. 

COMO O BRASIL 61 USA OS SEUS DADOS

Nós, do Brasil 61, usamos seus dados sempre com a principal intenção de melhorar, desenvolver e viabilizar nossos próprios produtos e serviços a você leitor.

Seus dados são sempre analisados de forma não individualizada, mesmo os que são fornecidos vinculados seu nome ou ao seu endereço de e-mail. 

Os dados em conjunto são analisados para criar relatórios estatísticos de audiência sobre as páginas, textos e meios de acesso ao site e às newsletters. 

Esses relatórios são compartilhados com nossos anunciantes e patrocinadores e servem para modelar estratégias e campanhas institucionais.

As informações que você fornece durante a criação do cadastro do seu usuário no Brasil 61 são utilizadas para a formulação de estratégia comercial e desenvolvimento de novos produtos e/ou serviços.

Essas informações individualizadas podem ser usadas pelo Brasil 61 para o envio de campanhas comerciais e divulgação de serviços e/ou produtos próprios. Não são compartilhadas com nenhum terceiro.

As informações captadas por meio de cookies e pixel tags são usadas em relatórios internos de monitoramento da audiência e também em relatórios para os anunciantes verificarem a efetividade de suas campanhas. Essas informações não estão vinculadas a nome ou e-mail dos leitores e são sempre avaliadas de forma não individualizada.

O Brasil 61 compartilha informações captadas por meio de cookies e pixel tags com terceiros, como anunciantes, plataformas de redes sociais e provedores de serviço – por exemplo, o serviço de envio de e-mails. O Brasil 61 também em seu site cookies de terceiros que captam informações diretamente do usuário, de acordo com suas próprias políticas de privacidade e uso de dados. 

O QUE O BRASIL 61 NÃO FAZ COM SEUS DADOS

– Não monitoramos ou coletamos dados de páginas que não pertencem ao Brasil 61.
– Não compartilhamos ou vendemos para terceiros nenhuma informação identificável.

O QUE VOCÊ PODE FAZER SE NÃO QUISER MAIS QUE SEUS DADOS SEJAM USADOS PELO BRASIL 61

– Caso não queira que o Brasil 61 use nenhum tipo de cookies, altere as configurações do seu navegador. Nesse caso, a exibição de anúncios e mensagens importantes do Brasil 61 e de nossos anunciantes pode ser prejudicada.

– Caso queira deixar de receber algum newsletter ou e-mail de alertas de notícias, basta clicar em “Unsubscribe”, na parte de baixo do e-mail enviado pelo Brasil 61. 

– Caso queira excluir seu usuário e apagar seus dados individuais da base do Brasil 61, basta enviar um e-mail para: privacidade@brasil61.com

 Última atualização: 24 de dezembro de 2020 

Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil
Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil

Covid-19: Queiroga estima que metade da população brasileira vai receber as duas doses da vacina até setembro

Ministro detalhou ações da pasta para combater a pandemia no país em audiência na Comissão de Seguridade Social e Família, na Câmara


O ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, disse nesta quarta-feira (14) que metade da população brasileira vacinável, isto é, acima dos 18 anos, vai receber as duas doses da vacina contra a Covid-19 até setembro.  A projeção de imunização de 50% dos adultos, aproximadamente 80 milhões de pessoas, foi dada por Queiroga à Comissão de Seguridade Social e Família da Câmara dos Deputados. 

“Foi perguntado quando teríamos um maior percentual da população vacinada com a segunda dose. A expectativa é de que em setembro tenhamos 50% da população vacinável, ou seja, acima de 18 anos, imunizada”, declarou. 

Queiroga voltou a confirmar que, com o andamento da vacinação no país, será possível vacinar toda a população brasileira adulta com duas doses até o fim do ano. Já o grupo mais vulnerável de pessoas deve ter completado o esquema vacinal até setembro. 

Até o final de agosto, o Brasil deve receber cerca de 100 milhões de doses de vacinas contra o novo coronavírus. São esses números que dão suporte à projeção do ministro da Saúde, que explica as ações da pasta para acelerar a campanha de vacinação. 

“O que o MS tem feito é buscar a antecipação de doses, o que já conseguimos com a Jassen, cerca de 1,8 mi de doses, que estavam previstas para o último trimestre. Também conseguimos antecipação de 7 mi de doses da Pfizer para julho”, destacou. 

O ministro da Saúde relatou que se reuniu com Tedros Adhanom, diretor-geral da OMS, nesta terça-feira (13). Do encontro, ficou acordado que o Consórcio Covax Facilty, iniciativa liderada pela organização para aquisição e distribuição de imunizantes, vai enviar quatro milhões de doses ao Brasil nas próximas semanas. Um milhão deve chegar até amanhã, disse Queiroga. Mais três milhões de vacinas desembarcam no país nas próximas semanas. 

O Ministério da Saúde distribuiu mais de 147 milhões de doses de vacinas contra a Covid-19 para estados e municípios. Dessas, 117 milhões foram aplicadas, sendo cerca de 85,7 milhões referentes à primeira dose e 31,6 milhões à dose de reforço ou única, no caso do imunizante da Janssen. 

Covid-19: nove vacinas estão em fase de testes no Brasil

Covid-19: mais municípios adotam política do “fim de fila” para pessoas que querem escolher vacina

Antecipação da segunda dose

Durante a audiência, o ministro da Saúde foi questionado sobre os entes da federação que estão antecipando a aplicação da segunda dose de vacinas, como alternativa para frear o avanço de variantes da Covid-19 pelo país. O estado do Rio de Janeiro, por exemplo, vai antecipar em quatro semanas a dose de reforço da vacina da AstraZeneca, cujo intervalo entre as duas doses recomendado é o dobro. 

Queiroga afirmou que deveria prevalecer o intervalo aprovado pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), o mesmo que é informado pelas fabricantes das vacinas durante o processo de obtenção do registro. "Não há um consenso na ciência a respeito disso. Pelo contrário. O que tenho visto é os pesquisadores da AstraZeneca dizerem que o espaçamento garante maior eficácia das vacinas”, avaliou. 

Ele também lembrou que 3,4 milhões de brasileiros não retornaram às salas de vacinação para tomar a segunda dose. O problema ensejou até a criação de uma campanha de conscientização promovida pela pasta em suas redes sociais. 

Vacinação de adolescentes

O ministro da Saúde também esclareceu qual o entendimento do órgão sobre a inclusão dos adolescentes entre 12 e 18 anos entre as pessoas que devem receber a vacina. Atualmente, o Programa Nacional de Imunização (PNI) só prevê a imunização de pessoas que atingiram a maioridade. 

No Brasil, apenas a Pfizer tem autorização da Anvisa para vacinar adolescentes. Queiroga disse que o Ministério da Saúde deve se posicionar sobre o assunto nas próximas semanas. “Não há uma evidência sólida em relação à vacinação de adolescentes. Mas isso é alvo de discussão no PNI e esse tema será discutido na próxima reunião do PNI, a inclusão de adolescentes entre 14 e 18 anos”, adiantou. 

“Se esse grupo for incluído pelo PNI, essa decisão deve ser capilarizada para o Brasil inteiro. O que discordamos é que, na ponta, municípios de forma discricionária façam alterações no que foi pactuado pela Câmara Técnica Tripartite”, criticou. 

Medo da morte é o sentimento mais comum entre vítimas da Covid-19 ouvidas pelo portal Brasil61.com

Família Zé Gotinha lembra importância da segunda dose da vacina contra Covid-19 em campanha do MS

Testagem

Mais uma vez, o ministro prometeu a implementação de uma política de testagem em massa da população. A meta do Ministério da Saúde é testar com o teste de antígeno até 20 milhões de brasileiros por mês. O programa já está aprovado em todas as esferas, com participação do Conselho Nacional de Secretários de Saúde (Conass) e do Conselho Nacional de Secretarias Municipais de Saúde (Conasems). 

A ideia do órgão é testar sintomáticos que deem entrada na Atenção Primária à Saúde em busca de atendimento e assintomáticos, em locais de grande circulação, como aeroportos, rodoviárias e transporte público, isolando os casos positivos e seus contactantes. 

“Já distribuímos 3 milhões de testes de antígenos rápidos. Essa política de testagem já está aprovada. Estamos em detalhes finais para aquisição desses testes junto a Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz). Isso envolve não só o teste em si, mas o rastreamento desses indivíduos com o devido isolamento dos casos positivos”, concluiu. 

Continue Lendo



Receba nossos conteúdos em primeira mão.

LOC.: O ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, disse nesta quarta-feira (14) que metade da população brasileira vacinável, isto é, acima dos 18 anos, vai receber as duas doses da vacina contra a Covid-19 até setembro.  A projeção de imunização de 50% dos adultos, aproximadamente 80 milhões de pessoas, foi dada por Queiroga à Comissão de Seguridade Social e Família da Câmara dos Deputados. 

TEC./SONORA: Marcelo Queiroga, ministro da Saúde
 

“Foi perguntado quando teríamos um maior percentual da população vacinado com a segunda dose. A expectativa é de que em setembro tenhamos 50% da população vacinável, ou seja, acima de 18 anos, imunizada.”
 

LOC.: Queiroga também esclareceu qual o entendimento do órgão sobre a inclusão dos adolescentes entre 12 e 18 anos entre as pessoas que devem receber a vacina. Atualmente, o Programa Nacional de Imunização (PNI) só prevê a imunização de pessoas que atingiram a maioridade. 

No Brasil, apenas a Pfizer tem autorização da Anvisa para vacinar adolescentes. Queiroga disse que o Ministério da Saúde deve se posicionar sobre o assunto nas próximas semanas. 

TEC./SONORA: Marcelo Queiroga, ministro da Saúde
 

“Não há uma evidência sólida em relação à vacinação de adolescentes. Mas isso é alvo de discussão no PNI e esse tema será discutido na próxima reunião do PNI, a inclusão de adolescentes entre 14 e 18 anos. Se esse grupo for incluído pelo PNI, essa decisão deve ser capilarizada para o Brasil inteiro. O que discordamos é que, na ponta, municípios de forma discricionária façam alterações no que foi pactuado pela Câmara Técnica Tripartite”

LOC.: O Ministério da Saúde distribuiu mais de 147 milhões de doses de vacinas contra a Covid-19 para estados e municípios. Dessas, 117 milhões foram aplicadas, sendo cerca de 85,7 milhões referentes à primeira dose e 31,6 milhões à dose de reforço ou única, no caso do imunizante da Janssen. 

Com a colaboração de Felipe Moura, reportagem de Poliana Fontenele