Cadastro de mídia

TERMO DE USO E PARCERIA

TERMO DE USO E PARCERIA

Regras de Uso

1º - A utilização gratuita e livre dos materiais produzidos pelo Brasil 61 só será permitida depois que este termo de parceria for aceito pelo usuário, prevendo as seguintes regras:

a) A utilização do material - na íntegra, ou em partes - só será permitida desde que as informações não sejam distorcidas, manipuladas ou alteradas.

b) Não é necessário a identificação do Brasil 61 na hora da replicação do conteúdo. Mas toda e qualquer veiculação de áudios produzidos pelo Brasil 61 prevê o cadastro no site, com a disponibilização de dados que serão utilizados para a organização do mailing desta empresa,

2º - OBRIGAÇÕES DO BRASIL 61

a) O Brasil 61 se compromete, a partir deste termo de uso, a produzir conteúdo particularizado diariamente, trazendo informações de dia-a-dia e bastidores do Planalto Central, além de outras temáticas de relevância do noticiário nacional. 

b) O acesso ao conteúdo jornalístico (na versão de leitura) é livre e gratuito, podendo ser replicado por qualquer usuário que acesse o site. O download do áudio para que seja utilizado na programação das rádios requer que o radialista realize o login no site do Brasil 61 - informando e-mail e senha cadastrados. 

3º - OBRIGAÇÕES DOS COMUNICADORES PARCEIROS

Não alterar o sentido dos materiais, ou distorcer fala de entrevistados ou mudar a conotação das mensagens dos materiais. 

ADENDOS IMPORTANTES SOBRE A PARCERIA

a) O Brasil 61 poderá distribuir conteúdo patrocinado com ou sem assinatura dos clientes patrocinadores do boletim e sem aviso prévio ao comunicador. 

b) As rádios parceiras não vão ter participação financeira sobre o faturamento do Brasil 61.

c) Os comunicadores podem patrocinar os conteúdos do Brasil 61, desde que não alterem o sentido e a conotação dos conteúdos oferecidos. Nesses casos, o Brasil 61 não terá participação nos lucros conquistados pelos veículos parceiros. 

Ao clicar em ACEITO, a emissora aqui cadastrada afirma concordar e estar ciente de todas as condições apresentadas neste Termo de Utilização de Conteúdo.

Saúde
16/06/2020 04:00h

Entre janeiro e abril do ano passado, foram coletados 13,5 litros

Baixar áudio

Diminuiu em 40% a quantidade de leite materno doado ao Posto de Coleta de Leite Humano (PCLH) Cantinho do Leite Maria Adriana Moreira, no município de Borba. Entre janeiro e abril do ano passado, foram coletados 13,5 litros. Já neste ano, foram apenas 8,1 litros, apontam os dados da Rede Global de Bancos de Leite Humano (rBLH), da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz). 

O número de doadoras também caiu: de 12, em 2019, para oito neste ano. Os dados refletem tendência nacional, apontada pelo Ministério da Saúde. De acordo com o órgão, houve redução de 5% no número de doadoras de leite materno, em todo o país. Mesmo em meio à pandemia da Covid-19, o ministério garante que é possível manter a rotina de doação com os cuidados necessários, tanto da doadora, quanto dos Bancos de Leite Humano. 

Autoridades em saúde destacam a importância do leite materno para ajudar na sobrevivência de bebês prematuros e/ou de baixo peso internados em Unidades Neonatais. Segundo o Ministério da Saúde, aproximadamente 330 mil bebês nascem prematuros por ano no Brasil e precisam da doação de leite materno.

A coordenadora do Banco de Leite Humano da Maternidade Ana Braga — referência no Amazonas — Maria Elizabeth Hardman, faz um apelo às mães que têm leite materno excedente. 

“É extremamente importante, porque temos bebês precisando desse leitinho. Uma gotinha de leite materno faz a diferença na vida de um bebê prematuro. A mulher que esteja com excedente de leite, em fase de amamentação, que tenha esse desejo no coração de fazer a doação para o Banco de Leite Humano mais próximo. Os bebês vão ficar eternamente agradecidos.”

A mãe Luciana da Silva Távora foi surpreendida com o nascimento prematuro da filha. Após ver a bebê ser internada em uma UTI Neonatal, ela contou com ajuda do banco de leite para complementar a alimentação da pequena.

“A minha filha ainda não se alimenta 100% do meu peito, porque não tenho uma produção suficiente. É muito recente – ela nasceu prematura. Ela recebe alimento de outra mulher. Isso é amor, é vida, é amar o próximo. Eu fico muito feliz por isso.”

O Posto de Coleta de Leite Humano (PCLH) Cantinho do Leite está localizado na Avenida Amazonas, bairro Cristo Rei. De acordo com a Secretaria de Estado de Saúde do Amazonas (Susam), há coleta do leite materno em domicílio, com o auxílio de taxistas parceiros. A coleta ocorre de segunda à sexta-feira, das sete da manhã às sete da noite. Para doar, basta ligar para o telefone (92) 3512-1104. O posto de coleta funciona de segunda a sábado, das sete da manhã às cinco da tarde. 

Doe leite materno. Nessa corrente pela vida, cada gota faz a diferença. Para mais informações, ligue 136 ou acesse o site saude.gov.br/doacaodeleite.

Copiar o texto
Saúde
10/06/2020 04:00h

Segundo a coordenadora da unidade, Marília Neves Santos, a redução é consequência da pandemia do novo coronavírus que, entre outros efeitos, causou medo nas mães que estão receosas em doar presencialmente

Baixar áudio

Caiu em 26% o número de doadoras que contribuem com leite materno para o Banco de Leite Humano (BLH) do Hospital das Clínicas de Uberlândia. Este ano, a média mensal de mães que contribuem é de 79. No ano passado, eram cerca de 108 mulheres. 

Segundo a coordenadora da unidade, Marília Neves Santos, a redução é consequência da pandemia do novo coronavírus que, entre outros efeitos, causou medo nas mães que estão receosas em doar presencialmente. No entanto, o Banco de Leite Humano coleta o leite materno na residência das doadoras. Para doar, basta ligar no Disque Amamentação: (34) 3218-2666, e agendar o dia da coleta pela equipe de saúde da unidade. 

Dados do Ministério da Saúde apontam que houve queda de 5% no número de doadoras de leite materno no país, este ano. De acordo com o órgão, cerca de 330 mil bebês prematuros nascem por ano e grande parte deles precisam da doação do leite materno para ajudá-los a sobreviver. No entanto, a coleta anual só é suficiente para suprir a necessidade de 45% das crianças que necessitam. 

O leite materno é importante para todos os bebês, principalmente para os que nascem prematuros e/ou de baixo peso e estão internados em Unidade Neonatal e não podem ser amamentados pela própria mãe. A depender da criança, 1ml de leite materno já é o suficiente para nutri-lo a cada alimentação. Janini Selva Ginani, coordenadora de Saúde da Criança e Aleitamento Materno do Ministério da Saúde, descreve a importância da substância para a saúde dos pequenos. 

“O leite materno traz inúmeros benefícios para a saúde da criança. Protege de infecções, diarreia e alergias. Diminui a chance da criança desenvolver diabetes tipo 2, colesterol alto, pressão alta e obesidade na vida adulta. Além de ser a única ação que isoladamente é capaz de reduzir a mortalidade infantil em até 13% por causas evitáveis.”

Vem de Belo Horizonte, a cerca de 500 quilômetros, o exemplo de Luiza Freire Vidigal, 33 anos. Após o nascimento do primeiro filho, Henrique, a engenheira procurou um Banco de Leite Humano na capital mineira para tirar dúvidas sobre amamentação. Lá, ela diz que foi muito bem atendida e que descobriu que poderia doar o excedente do seu leite para ajudar outros bebês. Agora, amamentando o segundo filho, Marcelo, Luiza continua doando e faz um apelo para que outras mulheres se juntem a ela nesse gesto de solidariedade. 

“Doação de leite materno não custa nada. É o seu leite que está sobrando. O pessoal do Banco de Leite Humano busca em casa. É super gratificante. Quem puder, vale muito a pena, pelo outro, por você.”

O BLH do Hospital de Clínicas de Uberlândia está localizado na Avenida Maranhão, nº 1.800, Umuarama. A equipe da unidade faz a coleta em domicílio, de segunda à sexta-feira, das 8h às 12h. O atendimento presencial também está funcionando, mas só por agendamento. A medida ocorre para evitar aglomerações e risco à saúde das mulheres que querem tirar dúvidas sobre amamentação ou desejam doar no  Banco de Leite Humano da cidade. Para ser uma doadora, basta ligar para o número (34) 3218-2666. 

“Doe leite materno. Nessa corrente pela vida, cada gota faz a diferença”. Para mais informações, ligue 136 ou acesse o site saude.gov.br/doacaodeleite. 

Copiar o texto
Saúde
10/06/2020 04:00h

A exemplo do que ocorre na maioria dos Bancos de Leite Humano (BLH) do estado de Goiás, a unidade Elaine Miriam de Oliveira, em Anápolis, registrou queda nas doações de leite materno este ano

Baixar áudio

A exemplo do que ocorre na maioria dos Bancos de Leite Humano (BLH) do estado de Goiás, a unidade Elaine Miriam de Oliveira, em Anápolis, registrou queda nas doações de leite materno este ano. Entre janeiro e abril, as doações de leite materno caíram 24% na comparação com o mesmo período do ano passado. A informação é da coordenação local do banco. 

Em Goiás, apenas o Hospital Materno Infantil (HMI) de Goiânia registrou aumento no número de doadoras de leite materno. A queda no número de doações tem relação com os efeitos causados pela pandemia do novo coronavírus, segundo Raquel de Castro Rodrigues, coordenadora do BLH Elaine Miriam de Oliveira. 

Diante desse cenário, a coordenadora faz um apelo às mães lactantes da cidade e que podem ser doadoras de leite materno, que entrem em contato com o Banco de Leite Humano. A gestora reforça que o leite materno é fundamental para garantir a sobrevida dos bebês prematuros e/ou de baixo peso internados em Unidades Neonatais 

“O leite materno contém tudo o que o bebê precisa e na concentração certa de vitaminas, aminoácidos, gordura, proteína. [O leite] Tem um elemento ouro que nenhum outro leite tem, que são os anticorpos, que é o que garante proteção para o bebê, principalmente nos primeiros meses de vida.”

Um grande exemplo de solidariedade vem da professora Bianca Ferro, 33. A moradora do DF se tornou doadora assídua de leite materno. Após dias difíceis sem conseguir amamentar a pequena Marcela depois do parto, ela precisou da ajuda de um Banco de Leite Humano. Hoje, ela contribui e incentiva outras mulheres a doar. 

“Incentivei muitas mães a fazerem isso [doar leite]. Todas as minhas amigas que viram a dificuldade que eu tive, repassam para outras mães. Doe leite materno, porque os bebês precisam. Se você doar um pouquinho, já está ajudando muito os bebês, porque tem bebê na UTI Neonatal que mama 10 ml. Faça sua parte. Doe amor, doe vida. É muito bom.”

O Banco de Leite Humano Elaine Miriam de Oliveira faz coleta de leite materno presencialmente, de segunda à sexta-feira, das sete da manhã às cinco da tarde. O banco está localizado no Bairro São Joaquim, Praça Martins, Avenida Cachoeira Dourada. A unidade também disponibiliza uma equipe que faz a coleta em domicílio, por agendamento. Para doar, basta ligar para o telefone 0800-6463223. 

Doe leite materno. Nessa corrente pela vida, cada gota faz a diferença. Para mais informações, ligue 136 ou acesse o site saude.gov.br/doacaodeleite.

Copiar o texto
Saúde
09/06/2020 14:37h

Na contramão da tendência nacional de redução no número de doadoras de leite materno

Baixar áudio

Na contramão da tendência nacional de redução no número de doadoras de leite materno — 5%, de acordo com o Ministério da Saúde — o Banco de Leite Humano da Maternidade Ana Braga, em Manaus, conseguiu aumentar em 2% a quantidade de doadoras. Das 172 entre janeiro e abril de 2019 para 177 no mesmo período deste ano. A unidade é o Centro de Referência da Rede de Bancos de Leite Humano (BLH) do Amazonas.  

Em meio à pandemia do novo coronavírus, a coordenação da Maternidade Ana Braga reforçou, junto às mães, as recomendações de segurança para o processo de retirada e coleta do leite materno. De acordo com o Ministério da Saúde, cerca de 330 mil bebês prematuros nascem por ano e precisam da doação do alimento para ajudá-los a sobreviver, todos os anos. No entanto, a coleta anual só é suficiente para suprir a necessidade de 45% dessas crianças. 

A coordenadora do Banco de Leite Humano da Maternidade Ana Braga, Maria Elizabeth Hardman, pede que as mulheres que tenham leite materno excedente e podem doar, doem ao Banco de Leite Humano mais próximo de casa. Ela afirma que cada gota pode fazer a diferença na vida de um bebê prematuro ou de baixo peso internado na Unidade Neonatal.  

“É extremamente importante, porque temos bebês precisando do leite materno. Uma gotinha de leite faz a diferença na vida de um prematuro. A mulher que produz leite materno em excesso pode fazer a doação no Banco de Leite Humano mais próximo. Os bebês vão ficar eternamente agradecidos.”

Vem do estado vizinho, o Amapá, uma história comovente sobre a importância da doação de leite materno. Luciana da Silva Távora, teve uma gestação tranquila, mas foi surpreendida com o nascimento prematuro da filha. A bebê precisou ser internada na Unidade Neonatal da Maternidade Mãe Luzia, em Macapá. Sem produzir leite materno suficiente para suprir completamente a alimentação da filha, Luciana contou com a ajuda de outras mães, que doaram leite materno para o Banco de Leite Humano da unidade. 

“A minha filha ainda não se alimenta 100% do meu peito, porque eu não tenho uma produção suficiente, é muito recente, ela nasceu prematura. Ela recebe alimento de outra mãe que doou para um Banco de Leite Humano. Eu fico muito feliz por isso.”

O BLH da Maternidade Ana Braga está localizado na Avenida Cosme Ferreira, bairro São José do Operário. A unidade faz coleta do leite materno em domicílio, com o auxílio de taxistas parceiros. O Banco de Leite Humano e a coleta funcionam de segunda à sexta-feira, das 7h às 19h.  Para doar, basta ligar para os telefones: (92) 3647-4235 ou (97) 9485-0796. 

“Doe leite materno. Nessa corrente pela vida, cada gota faz a diferença”. Para mais informações, ligue 136 ou acesse o site saude.gov.br/doacaodeleite. 
 

Copiar o texto
Saúde
09/06/2020 14:19h

De janeiro a maio, 244 roraimenses contribuíram com o Banco de Leite Humano (BLH) do Hospital Materno Infantil Nossa Senhora de Nazareth (HMINSN), o único do estado

Baixar áudio

A Secretaria de Estado da Saúde de Roraima (SESAU/RR) informa a queda de 30% nas doações de leite materno neste ano. De acordo com o órgão, o resultado se deve à pandemia do novo coronavírus. De janeiro a maio, 244 roraimenses contribuíram com o Banco de Leite Humano (BLH) do Hospital Materno Infantil Nossa Senhora de Nazareth (HMINSN), o único do estado. 

Os números estaduais acompanham o cenário nacional. Dados do Ministério da Saúde apontam que, de janeiro a abril deste ano, houve queda de 5% no número de doadoras em relação ao mesmo período de 2019. O Ministério da Saúde, por meio da Rede Brasileira de Bancos de Leite Humano (rBLH), lançou a Campanha Nacional de Doação de Leite Humano, que visa incentivar as doações mesmo durante crise causada pela COVID-19. 

Em Roraima, a Secretaria de Saúde promove ações de conscientização sobre a importância do leite materno para os bebês prematuros e/ou de baixo peso internados nas Unidades Neonatais e da segurança no processo de doação do leite materno.

João Aprígio de Almeida, pesquisador brasileiro e Presidente da Rede Brasileira de Banco de Leite Humano, explica a importância da doação de leite materno para os bebês prematuros e/ou de baixo peso internados nas Unidades Neonatais.    

“Tudo aquilo que é tão importante para nós humanos crescermos e nos desenvolvermos, o leite humano tem. O leite humano tem substâncias que protegem, o leite humano tem substâncias de imunomodulação. E o que é imunomodulador? Aumentam a resistência do organismo. Têm substâncias que promovem o crescimento facilitado do bebê e da criança.”

A pequena Alice nasceu prematura e nos primeiros dias esteve prestes a ser entubada. O estresse após o trauma e a preocupação com a saúde da filha contribuíram para que a mãe, Ingrid Fassanaro, 29, não conseguisse produzir leite suficiente para amamentar a bebê. Foi aí que entrou o Banco de Leite Humano (BLH) do Hospital Materno Infantil Nossa Senhora de Nazareth (HMINSN). 

“Em alguns dias em que a minha produção [de leite] não estava boa, o leite doado para o Banco de Leite Humano por outras mãezinhas foi de extrema importância para a bebê. Se não fosse isso, minha filha não ia se alimentar com leite materno. Só o fato de saber que mesmo que você não consiga tirar o leite suficiente, você pensa ‘minha filha vai ser alimentada’. Isso tranquiliza o coração de uma forma.”

O Banco de Leite Humano (BLH) do Hospital Materno Infantil Nossa Senhora de Nazareth (HMINSN) funciona 24 horas por dia. Fica na avenida Pres. Costa e Silva, 1100, São Pedro, Boa Vista. Além disso, para as mães se sentirem mais seguras, há coleta em domicílio pelo Corpo de Bombeiros. Para qualquer dúvida sobre a doação, ligue no telefone (95) 98414-0772. Repetindo: (95) 98414-0772. 

Doe leite materno. Nessa corrente pela vida, cada gota faz a diferença. Para mais informações, ligue 136 ou acesse o site saude.gov.br/doacaodeleite.

Copiar o texto
Saúde
08/06/2020 12:18h

Centro de Referência em Minas Gerais, registrou queda de 13% no volume de leite materno doado nos quatro primeiros meses deste ano em comparação com o mesmo período de 2019

Baixar áudio

Centro de Referência em Minas Gerais, o Banco de Leite Humano (BLH) da Maternidade Odete Valadares, em Belo Horizonte, registrou queda de 13% no volume de leite materno doado nos quatro primeiros meses deste ano em comparação com o mesmo período de 2019, conforme dados da Rede Brasileira de Bancos de Leite Humano (rBLH).

Em todo o país, houve queda de 5% no número de doadoras. Para autoridades em saúde, a queda generalizada pode ser explicada pela pandemia do novo coronavírus, que modificou a rotina de funcionamento de alguns Bancos de Leite Humano e gerou medo nas potenciais doadoras. No entanto, o Ministério da Saúde afirma que com os cuidados necessários, é possível manter a rotina de doação. 

De acordo com o órgão, cerca de 330 mil bebês prematuros precisam da doação de leite materno no Brasil, todos os anos. Infelizmente, a coleta só é suficiente para suprir a necessidade de 45% dessas crianças. Por isso, Danielle Aparecida da Silva, coordenadora do Banco de Leite Humano (BLH) do Instituto Nacional de Saúde da Mulher, da Criança e do Adolescente (IFF/Fiocruz), faz um apelo para que mais mães contribuam. 

“Uma mulher que esteja produzindo leite materno em quantidades excedentes ao que o seu bebê consome, pode entrar em contato com um Banco de Leite Humano e ajudar a salvar esses pequenos bebês prematuros e internados em UTI’s Neonatais. Mais do que ajudando na nutrição, ela vai ajudar na proteção desse bebê e, também dar esperança de vida para uma família.”

A engenheira Luiza Freire Vidigal, 33, moradora de Belo Horizonte, começou a doar leite materno para a Maternidade Odete Valadares desde o nascimento do primeiro filho, Henrique. Agora, após a chegada do segundo bebê, Marcelo, ela voltou a contribuir com o Banco de Leite Humano, doando ainda mais do que conseguia no início. Ela afirma que o faz como um gesto de gratidão e incentiva outras mães a doarem. 

“Sempre terão crianças precisando e quando a gente vê o nosso filhinho saudável no nosso braço, temos que pensar que tem outras crianças que nasceram prematuras e mães que não estão conseguindo amamentar, e que a gente pode ajudar, fazendo o bem para esses bebês e para essas mães.”

​​​​​​​
O BLH da Maternidade Odete Valadares está localizado na Avenida do Contorno, em Belo Horizonte. A unidade funciona para coleta de leite materno presencial, de segunda à sexta-feira, das 8h às 17h. No entanto, devido ao medo de muitas mães por conta do coronavírus, o Banco de Leite Humano também faz coleta domiciliar. A explicação do processo é feita por telefone e a equipe de coleta da unidade entrega o kit (touca, máscara e pote de vidro) sem entrar na residência. Para contribuir, basta ligar para o telefone (31) 3337-5678 ou (31) 3337-5678. 

“Doe leite materno. Nessa corrente pela vida, cada gota faz a diferença”. Para mais informações, ligue 136 ou acesse o site saude.gov.br/doacaodeleite.

Copiar o texto
Tempo
03/06/2020 18:00h

A temperatura mínima na região fica em 9ºC e a máxima em 36ºC

Baixar áudio

A região Centro-Oeste do país tem tempo claro a parcialmente nublado, nesta quinta-feira (4). No noroeste e norte de Mato Grosso e no sul de Mato Grosso do Sul, tempo parcialmente nublado a nublado com pancadas de chuva e trovoadas. No Distrito Federal, em Goiás e demais áreas da região, tempo claro a parcialmente nublado. 
A temperatura mínima na região é de 9ºC e a máxima de 36ºC. A umidade relativa do ar varia de 25% a 95%. 

As informações são do Instituto Nacional de Meteorologia.

Felipe Moura, o tempo e a temperatura. 

Copiar o texto
Economia
03/06/2020 09:40h

Sorteio ocorre às 20h. Quem quiser concorrer, tem que apostar até uma hora antes do resultado

Baixar áudio

A Mega-Sena pode pagar um prêmio de cerca de R$ 45 milhões nesta quarta-feira (3). O sorteio do concurso 2.267 ocorre às 20h no Espaço Loterias Caixa, no terminal Rodoviário Tietê, em São Paulo. A aposta mínima custa R$ 4,50. 

Para concorrer à bolada, a pessoa tem que apostar até as 19h desta quarta em qualquer lotérica ou pela internet, no site da Caixa Econômica Federal. É preciso fazer um cadastro, ter mais de 18 anos e preencher com o número do cartão de crédito. 

De acordo com a Caixa, para uma aposta simples com apenas seis dezenas, a probabilidade de faturar o prêmio é de 1 em 50 milhões. Já para uma aposta com 15 dezenas — que é o máximo permitido —, a chance é de 1 em 10 mil. 

Copiar o texto
Saúde
03/06/2020 09:36h

Texto segue para análise na Câmara dos Deputados e prevê congelamento nos preços por quatro meses

Baixar áudio

O Senado aprovou nesta terça-feira (2) um Projeto de Lei (PL) que suspende o reajuste nos preços de remédios e de planos e seguros de saúde privados. Os senadores decidiram por congelar o preço dos medicamentos por 60 dias e dos planos assistenciais por 120 dias. Agora, o texto segue para análise na Câmara dos Deputados. 

Na prática, o congelamento no preço dos remédios também valerá por 120 dias, caso seja aprovado pelos deputados. Isso porque, uma Medida Provisória (MP) editada pelo governo federal congelou o preço dos medicamentos por 60 dias, que deverão se somar aos 60 dias do Projeto de Lei em tramitação no Congresso Nacional. 

De autoria do senador Eduardo Braga (MDB-AM), o texto teve apoio de 71 senadores. Dois se mostraram contrários à medida. 

Reportagem, Felipe Moura. 

Copiar o texto
Brasil
03/06/2020 09:31h

Ministro da Cidadania, Onyx Lorenzoni, estimou que os cidadãos vão poder protestar o resultado já a partir da próxima semana

Baixar áudio

O governo federal anunciou nesta terça-feira (2) que as pessoas que tiveram o auxílio emergencial negado poderão contestar o resultado. Segundo Onyx Lorenzoni, ministro da Cidadania, quem não foi contemplado com o benefício poderá protestar pelo telefone 121, pelo site ou em uma agência dos Correios.

De acordo com o governo, a ferramenta deve começar a funcionar a partir da próxima segunda-feira (8). Todas as pessoas que tiveram o “coronavoucher” negado poderão contestar. Dos 120 milhões de CPFs avaliados, cerca de 34 milhões não conseguiram o benefício.

O ministro também afirmou que a partir deste mês, os cidadãos vão poder fazer o cadastro para receber o auxílio emergencial em agências dos Correios. O objetivo, segundo Onyx Lorenzoni, é facilitar o processo para “os mais vulneráveis”. Além disso, os Correios também vão permitir a contestação do resultado.

O auxílio emergencial de R$ 600 é uma medida do governo para socorrer trabalhadores informais, microempreendedores individuais, autônomos e desempregados por causa do impacto econômico em decorrência da pandemia do novo coronavírus. 

Copiar o texto

Acesse nossos conteúdos de rádio