Astrazeneca

01/09/2021 14:00h

O estado prevê iniciar a imunização contra a Covid-19 no início do mês de setembro

Baixar áudioBaixar áudio

Após o Ministério da Saúde confirmar, na última quarta-feira (25), a necessidade da terceira dose da vacina contra a Covid-19, estados já se mobilizam para iniciar a imunização. A Secretaria de Saúde do Rio de Janeiro informou, por nota, que a vacinação começará em setembro para idosos acima de 90 anos, para idosos que vivem em asilos, e também para imunossuprimidos, ou seja, pessoas que possuem sistema imunológico com baixa atividade. O esquema de vacinação será heterólogo, o que significa que a vacina usada não será a mesma das doses anteriores, como foi recomendado pelo Ministério da Saúde.

O carioca Miguel Felice, de 94 anos, recebeu com alegria a notícia da dose de reforço. “Que venha depressa! Isso [a vacina] me traz alegria, fico feliz em saber que vou tomar outra vacina, para mim foi uma tranquilidade. Estou até emocionado, obrigado pela terceira dose.”

A cidade do Rio de Janeiro já divulgou o cronograma de vacinação que inicia no dia 1º de setembro, paralelamente à vacinação de adolescentes. Do dia 1º ao dia 10, idosos que vivem em instituições de longa permanência receberão a terceira dose, a partir do dia 13 de setembro a vacinação segue até outubro, confira abaixo os calendários:

O município de Resende saiu na frente e deu início a imunização ainda no dia 30 de agosto. Os idosos residentes do Asilo Nicolino Gulhot receberam a dose de reforço nesta segunda-feira. A Secretaria Municipal informou que a dose utilizada foi a Pfizer e aguarda a chegada novas remessas de vacinas para divulgar informações sobre os próximos grupos que serão contemplados com a terceira dose.

Terceira dose em outros estados

A Secretaria de Saúde de Minas Gerais informou que a vacinação de reforço está prevista para o início do mês de setembro, mas enfatiza que o cronograma só será divulgado posteriormente porque depende da disponibilidade de doses enviadas pelo Governo Federal. “De acordo com a NOTA TÉCNICA Nº 27/2021-SECOVID/GAB/SECOVID/MS, a administração de dose de reforço de vacinas contra a Covid-19 contemplará os idosos que deverão ser imunizados 6 meses após a última dose do esquema vacinal (segunda dose ou dose única), independente do imunizante aplicado”, afirmou a pasta.

O secretário de Saúde, Fábio Baccheretti, explicou que a vacinação seguirá o esquema heterólogo da seguinte forma, "quem tomou Coronavac seu reforço vai ser ou com Astrazeneca ou com Janssen ou com Pfizer. Quem tomou Astrazeneca o reforço poderá ser dado ou por Coronavac ou com Pfizer."

Posso tomar doses diferentes da vacina para Covid-19?

Covid-19: saiba como é feita a logística de distribuição de vacinas no País

O Rio Grande do Sul deve iniciar a nova etapa de vacinação ainda na primeira quinzena de setembro, no dia 15. O estado estima que 1 milhão de idosos acima de 70 anos, e pessoas com alto grau de imunossupressão, receberão a dose de reforço. “Estão incluídos na nova vacinação: pacientes com imunodeficiência primária grave, em quimioterapia para câncer, transplantados com uso de drogas imunossupressoras, portadores de HIV com uma contagem de células CD4 abaixo de 200 por milímetro cúbico, usuários do corticóide prednisona ou equivalente em doses acima de 20m por dia por mais de duas semanas, usuários de drogas modificadoras da resposta imune, pacientes em hemodiálise, pacientes com doenças reumatológicas, auto inflamatórias e intestinais inflamatórias graves". Detalhou a Secretaria de Saúde por nota.

Na Paraíba ainda não foi definido o início da vacinação, apenas o público-alvo, ou seja, idosos maiores de 70 anos. “A Paraíba segue rigorosamente as orientações do Programa Nacional de Imunização (PNI), por isso ainda aguardamos informações detalhadas a respeito da aplicação da dose de reforço”. Informou a Secretaria de Saúde da Paraíba.

Porque doses de vacinas diferentes?

O infectologista e diretor da Sociedade Brasileira de Imunizações (SBIm), Renato Kfouri, esclarece que o intercâmbio de vacinas heterólogas é seguro e pode ser ainda mais eficaz, de acordo com estudos. “Esquemas alternativos podem se traduzir por respostas imunes mais robustas, em função de um estímulo no sistema imunológico por mais uma via diferente através dessas vacinas de plataformas diferentes”.

Em relação às reações que a vacina pode provocar, o infectologista disse que são semelhantes aos que se sente quando a imunização é feita por doses iguais e garante “não há porque temer efeitos colaterais mais importantes”.

Ele também afirma que estudos com a vacina da Pfizer e Astrazeneca não demonstraram respostas inferiores em relação aos esquemas de vacinação homólogos. “Temos a necessidade de revacinação de boa parte da população, mais imunossuprimida ou idosa, e essas vacinas de plataforma de RNA mensageiro, como a Pfizer, se mostraram mais imunogênicas, ou seja, com uma resposta imune melhor, então ela tem sido a opção para esse grupo que vai receber a dose de reforço."

Em nota publicada na última quarta-feira (25), o Ministério da Saúde afirmou que a dose reforço vale para “quem tomou qualquer vacina contra a Covid-19 no Brasil e será realizado, preferencialmente, com uma dose da Pfizer. Na falta desse imunizante, a alternativa deverá ser feita com as vacinas de vetor viral, Janssen ou Astrazeneca”. O ministério também definiu que a dose de reforço para idosos acima de 70 anos precisa ter um intervalo de 6 meses desde a última dose (segunda dose ou dose única em casa da vacina Janssen). Para imunossuprimidos o intervalo deve ser de pelo menos 28 dias.

Copiar o texto
30/06/2021 18:05h

Medida foi tomada após parecer favorável da Comissão Nacional de Incorporação de Tecnologias no SUS

Baixar áudio

Portaria publicada nesta quarta-feira (30) no Diário Oficial da União traz a inclusão das vacinas contra Covid-19 AstraZeneca/Fiocruz e Pfizer/BioNTech, no Sistema Único de Saúde (SUS) pelo Ministério da Saúde. A medida foi tomada após parecer favorável da Comissão Nacional de Incorporação de Tecnologias no SUS (Conitec).

São Paulo recebe mais de um milhão de vacinas prontas contra Covid-19

Projeto que evita interrupção de repasses ao terceiro setor na pandemia vai à sanção presidencial

O Conitec assessora o Ministério da Saúde nas decisões sobre a incorporação ou alteração de tecnologias no SUS e as demandas de avaliação de tecnologias para tratamento da Covid-19 têm tido prioridade na análise. No caso dos imunizantes, são analisados pela comissão apenas os que já possuem o registro definitivo autorizado pela Agência Nacional de Vigilância em Saúde (Anvisa).

Agora, os imunizantes da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) e da farmacêutica americana BioNTech entram efetivamente no rol de medicamentos do SUS, assim como já ocorre com a vacina da gripe, por exemplo. Com a incorporação, a Conitec reforça o reconhecimento da efetividade de ambas as vacinas.

Copiar o texto
Saúde
29/06/2021 15:45h

Resultado foi divulgado pelo Ministério da Saúde. Dos 108 mil moradores acima de 18 anos, 77 mil já receberam a primeira dose do imunizante da AstraZeneca

Baixar áudio

LOC.: O município de Botucatu, no interior do estado de São Paulo, teve queda de 71,3% nos casos de Covid-19 após o início da vacinação em massa da população da cidade. Além disso, o município registrou queda de 46% no número de moradores internados por conta do novo coronavírus. 

Os dados fazem parte de um estudo realizado com o apoio do Ministério da Saúde sobre a eficácia da vacina da AstraZeneca/Oxford, que a Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) produz no Brasil. 
 
Em 16 de maio, as autoridades de saúde iniciaram um programa para vacinação em massa da população da cidade, que possui cerca de 150 mil habitantes, sendo 106 mil maiores do que 18 anos (público vacinável, de acordo com o Ministério da Saúde). 
 
Em um único dia, 65 mil moradores receberam a primeira dose do imunizante. Até o momento, cerca de 77 mil pessoas já tomaram a dose inicial. A dose de reforço é aplicada após 90 dias. 
 
Reportagem, Felipe Moura.

Copiar o texto
14/06/2021 11:00h

Imunização em massa faz parte de estudo científico

Baixar áudio

Moradores voluntários da cidade de Viana (ES) começaram a se vacinar neste domingo (13) com meia dose da vacina AstraZeneca/Oxford. Eles fazem parte de um projeto voltado a avaliar a eficácia de uma dose menor do imunizante na redução do número de casos de Covid-19.

A ação tem como público-alvo aproximadamente 35 mil pessoas entre 18 a 49 anos que não fazem parte do grupo prioritário estabelecido pelo Plano Nacional de Imunizações (PNI) e ainda não foram vacinadas. De acordo com o governo estadual, a participação é voluntária e a vacinação será realizada com doses doadas pelo PNI.

Covid-19: mais da metade dos municípios começaram vacinação por faixa etária

MA: Governo do estado amplia Arraial da Vacinação

A iniciativa é justificada devido à falta de vacinas para imunização em massa. A eficácia da estratégia de vacinação com meia dose já foi testada e utilizada em outros momentos de emergência de saúde pública, como na epidemia de febre amarela, em que obteve êxito e garantiu a vacinação do Brasil e da África.

Copiar o texto
20/05/2021 10:20h

De acordo com a pasta, a distribuição do imunizante que completa o processo vacinal foi feita nas últimas três pautas de distribuição, entre os dias 7 e 19 de maio

Baixar áudio

O quantitativo total de segunda dose da vacina CoronaVac/Butantan, solicitado pelos estados, foi atendido, segundo informou o Ministério da Saúde. De acordo com a pasta, a distribuição do imunizante que completa o processo vacinal foi feita nas últimas três pautas de distribuição, que aconteceram entre os dias 7 e 19 de maio.

Durante esse período, foram enviadas mais de 5 milhões de doses para todas as Unidades da Federação. Os últimos grupos com pendência de segunda dose da CoronaVac foram de idosos entre 60 e 64 anos e agentes das forças de segurança, salvamento e forças armadas.

O ministério afirma que esse público foi atendido na 18º pauta de distribuição, realizada em 7 de maio, que enviou quase 1 milhão de vacinas do Butantan, levando em conta o planejamento proposto pelo Programa Nacional de Imunizações (PNI).

CPI da Covid: vacinas da Pfizer, cloroquina, colapso em Manaus. Saiba o que disse ex-ministro Pazuello ao Senado

Criação de plataforma para unificar dados do SUS e da rede privada é aprovada pelo Senado

A pasta destaca, ainda, que mais 1,08 milhão de doses do Butantan foram destinadas à aplicação da segunda dose na 20ª pauta, em andamento terça (18) e quarta-feira (19) desta semana, de acordo com as solicitações apresentadas por 12 estados.

Outras 15 Unidades Federativas, que não possuíam mais pendências para conclusão do esquema vacinal da Coronavac, foram atendidas proporcionalmente com doses da AstraZeneca/Fiocruz.

 

Copiar o texto
13/05/2021 04:00h

Ministério da Saúde instrui a população a tomar a segunda dose da vacina mesmo que a aplicação ocorra fora do prazo recomendado pelos laboratórios

Baixar áudio

Com o andamento da vacinação contra o coronavírus no país, muitas dúvidas têm surgido a respeito do assunto, principalmente sobre a aplicação da segunda dose da AstraZeneca e da CoronaVac. O tema chegou a apresentar aumento de 100% nas buscas do Google Trends, principalmente nos estados da Bahia, Espírito Santo e Ceará. O portal Brasil61.com recebeu dúvidas de alguns leitores que podem ajudar a entender melhor os prazos, eficácias e efeitos colaterais das vacinas aplicadas no Brasil.

Rita Frazão, Cidade Ocidental (GO) - Qual a importância de tomar a segunda dose da vacina contra a Covid-19? 

O epidemiologista do curso de saúde pública da Universidade de Brasília (UnB), Walter Ramalho, explica que os fabricantes das vacinas chegaram à conclusão de que a imunidade com aplicação de apenas uma dose era muito baixa, por isso, passou-se a testar também duas doses e o aumento da eficácia da vacina foi positivo.

“A ideia é que com duas doses tenhamos a eficácia desejada. A Organização Mundial da Saúde preconiza para a Covid-19 uma imunidade eficaz acima de 50%. As vacinas que nós temos no Brasil giram em torno de 60% a 70% da CoronaVac e da AstraZeneca. Vale lembrar que, com uma dose apenas, a eficácia é muito menor e a conversão para as células de imunidade são baixas.”

Tiago Morais, Goiânia (GO) - Para que serve a segunda dose da vacina? 

“É importante que sigamos as bulas dos laboratórios, porque são elas que garantem a pesquisa que foi feita inicialmente. Portanto, a primeira dose, mais a segunda dose é que vão garantir uma imunidade para as pessoas, contando com a eficácia que o laboratório divulga, e da qual a Anvisa também liberou. Somente com as duas doses nós temos a titulação de anticorpos condizentes com as que o laboratório preconiza”, explica Walter Ramalho.

Giovana Macêdo, Campestre (MA) - Se eu não cumprir a data da segunda dose, o que acontece com a eficácia da vacina? Eu perco os anticorpos que garanti na primeira dose? 

A vacinação contra a Covid-19 estimula o corpo a induzir imunidade contra o vírus SARS-CoV-2 para a prevenção de doenças causadas pelo mesmo. Cada fabricante estipula um intervalo próprio para a segunda aplicação do imunizante. A segunda dose da vacina Oxford/AstraZeneca deve ser aplicada entre 4 e 12 semanas após a primeira dose, e a CoronaVac deve ser aplicada entre 2 a 4 semanas após a injeção da segunda dose.  

A infectologista e professora da Unicamp, Raquel Stucchi explica que ainda não existem dados sobre a diminuição da eficácia caso o indivíduo tome a vacina depois do prazo indicado, mas que apenas duas doses garantem a completa imunização. 

“O importante é que o paciente tome a segunda dose o mais próximo possível da data que estava agendada. Se a vacina estiver em falta, assim que chegar, a pessoa deve procurar o posto de vacinação para completar o esquema de duas doses. A eficácia da vacina e a proteção contra a Covid-19 só é conseguida com duas doses do imunizante e do mesmo fabricante”, explica.

 O Ministério da Saúde divulgou nota técnica que instrui a população a tomar a segunda dose da vacina mesmo que a aplicação ocorra fora do prazo recomendado pelo laboratório. A pasta distribuiu mais de 76.900 milhões de doses para todo o país, o número de vacinados com a primeira dose passou dos 32.200 milhões de pessoas, e os que receberam a segunda somavam mais de 15.500 milhões. São Paulo, Minas Gerais, Rio de Janeiro, Rio Grande do Sul e Bahia são os estados que, até o momento, mais vacinaram. 

Quais os efeitos colaterais das vacinas contra a Covid-19?

Como todo medicamento, a vacina contra o coronavírus pode provocar eventos adversos, dos quais alguns podem exigir atendimento médico. A infectologista Raquel Stucchi, diz que o imunizante da Oxford/AstraZeneca costuma apresentar efeitos colaterais em pessoas mais jovens. 

“Vimos muito em profissionais mais jovens da saúde. Febre acima de 38 graus nas primeiras 48h/72h horas. Pode dar dor no corpo e até diarreia. São efeitos mais frequentes em relação a AstraZeneca. O ideal é manter uma hidratação adequada e medicação para febre. Se houver dor no local da aplicação, fazer uso de compressa fria.”

Circulação viral da Covid-19 e sequelas alertam para cuidados mesmo com vacinação em curso

Gestores pedem apoio para compra de vacinas por estados e municípios

Covid-19: OMS aprova o uso emergencial da vacina da Sinopharm

Vacinada neste mês com a primeira dose da AstraZeneca, a psicóloga Jéssica Medeiros, de 28 anos, relata que teve diversos efeitos colaterais que só melhoraram três dias após a imunização. “Quando fui vacinada senti o meu braço duro e uma tontura muito forte. No dia seguinte, tive uma fraqueza grande e só conseguia ficar deitada, além de dor de cabeça e enjoo. No segundo dia, o braço passou a doer mais, não conseguia movimentá-lo e os sintomas continuaram. No terceiro dia fiquei com dor de cabeça, e a partir do quarto dia as dores passaram e os sintomas também foram embora.” 

A psicóloga destaca ainda que apesar de estar feliz em receber a imunização, teme passar pela mesma situação quando chegar o momento da aplicação da segunda dose. “Em relação à segunda dose eu vou tomar em agosto, após 86 dias da primeira aplicação. Estou um pouquinho temerosa em relação aos efeitos colaterais que possa sentir, não sei se podem ser piores. Meu único medo é isso, mas com expectativa para tomar o quanto antes”, afirma. 

Os efeitos colaterais mais comuns que a vacina Oxford/AstraZeneca podem trazer são: 

  • Sensibilidade, sensação de calor, coceira ou hematoma (manchas roxas) onde a injeção é administrada; 
  • Sensação de indisposição de forma geral; sensação de cansaço (fadiga);  
  • Calafrio ou sensação febril;
  • Dor de cabeça; enjoos (náusea); 
  • Dor nas articulações ou dor muscular; 
  • Inchaço, vermelhidão ou um caroço no local da injeção; 
  • Febre ou diarreia;
  • Sintomas semelhantes aos de um resfriado como febre acima de 38 °C, dor de garganta, coriza (nariz escorrendo), tosse e calafrios. 

Já os efeitos colaterais menos graves que a vacina CoronaVac pode apresentar são:

  • Cansaço, febre, dor no corpo, diarreia;
  • Náusea, dor de cabeça, enjoo, dor ao engolir;
  • Dor muscular, calafrios, perda de apetite, tosse;
  • Dor nas articulações, coceira, coriza, congestão nasal;
  • Vermelhidão, inchaço, endurecimento e coceira no local da injeção.

Eficácia das vacinas

A eficácia geral da vacina AstraZeneca foi de cerca de 70% (entre 62% e 90%), após a aplicação das duas doses, apresentando o resultado exigido pela Anvisa, acima dos 50%.

A eficácia geral apresentada pelo Instituto Butantan para a CoronaVac nos testes brasileiros foi de 50,38% e mostrou-se 100% eficaz nos casos moderados e graves e 78% eficaz nos casos leves da Covid-19. Ou seja, a aplicação da vacina, quando feita adequadamente em duas doses, tem potencial de redução do número de internações pela doença. 

Copiar o texto
Brasil 61