21/10/2021 19:30h

De acordo com o indicador CEPEA/ESALQ, o preço da saca do café arábica registra alta de 10,58% no acumulado de outubro.

Baixar áudio

O preço da saca de 60 quilos do café arábica teve alta de mais de 0,5%, em São Paulo, com venda, nesta sexta-feira (22), a R$ 1.257. O preço da saca de café robusta está estável, com venda a R$ 753,38. 

O valor da saca do açúcar cristal teve alta de quase 0,5%, em São Paulo, com venda a R$ 148,18. Em Ribeirão Preto (SP), a saca do açúcar bruto é vendida a R$ 146, a R$ 147 no Triângulo Mineiro e a R$ 149 em Maringá (PR). 

Brasil e Colômbia fecham parceria para discutir ações ligadas à segurança hídrica e saneamento básico

O preço da saca do milho teve queda de mais de 0,5%, com venda a R$ 89,99 em São Paulo. Em Rio Verde (GO), a saca do milho tem cotação de R$ 82; em Erechim (RS) e em Cascavel (PR) a R$ 89.

Os valores são do Canal Rural e Cepea.
 

Copiar o texto
21/10/2021 19:30h

De acordo com o indicador CEPEA/B3, a arroba do boi gordo teve queda de 9,88% no acumulado de outubro.

Baixar áudio

O preço da arroba do boi gordo está estável, em São Paulo, sendo comercializada, nesta sexta-feira (22), a R$ 262,80. Em Belo Horizonte (MG), o preço da arroba do boi gordo também está estável, com venda a R$ 258. Em Goiânia (GO), a arroba do boi gordo é vendida a R$ 252 e em Cuiabá (MT), a R$ 248. 

O preço do quilo do frango congelado teve queda de quase 0,5%, sendo comercializado em São Paulo, a R$ 8,04. Em Santa Catarina e em Porto Alegre, o quilo do frango e vendido a R$ 8,10. 

Brasil e Colômbia fecham parceria para discutir ações ligadas à segurança hídrica e saneamento básico

O preço da carcaça do suíno está estável em São Paulo, com venda a R$ 10,32 o quilo. No Paraná, o quilo da carcaça do suíno é comercializado a R$ 10 e em Santa Catarina, a R$ 10,10.

Os valores são do Canal Rural e Cepea.
 

Copiar o texto
20/10/2021 19:55h

De acordo com o indicador CEPEA/B3, a arroba do boi gordo teve queda de 9,84% no acumulado de outubro

Baixar áudio

O preço da arroba do boi gordo teve queda de mais de 3,5%, em São Paulo, sendo comercializada, nesta quinta-feira (21), a R$ 262,90. Em Belo Horizonte (MG), o preço da arroba do boi gordo está estável, com venda a R$ 259. Em Goiânia (GO), a arroba do boi gordo é vendida a R$ 254 e em Cuiabá (MT), a R$ 251. 

O preço do quilo do frango congelado teve queda de quase 0,5%, sendo comercializado em São Paulo, a R$ 8,07. Em Santa Catarina e em Porto Alegre, o quilo do frango é vendido a R$ 8,10.

Brasil prevê reduzir emissão de 1 bilhão de toneladas de gases do efeito estufa na agricultura até 2030

O preço da carcaça do suíno teve alta de quase 0,5% em São Paulo, com venda a R$ 10,32 o quilo. No Paraná, o quilo da carcaça do suíno é comercializado a R$ 10 e em Santa Catarina, a R$ 10,10.

Os valores são do Canal Rural e Cepea.
 

Copiar o texto
20/10/2021 19:50h

De acordo com o indicador CEPEA/ESALQ, o preço da saca do café arábica registra alta de 9,95% no acumulado de outubro

Baixar áudio

O preço da saca de 60 quilos do café arábica teve alta de 0,5%, em São Paulo, com venda, nesta quinta-feira (21), a R$ 1.250. O preço da saca de café robusta teve queda de quase 3%, com venda a R$ 752,65.

O valor da saca do açúcar cristal teve alta de quase 1%, em São Paulo, com venda a R$ 147,50. Em Ribeirão Preto (SP), a saca do açúcar bruto é vendida a R$ 150, a R$ 151 no Triângulo Mineiro e a R$ 153 em Maringá (PR).

Brasil prevê reduzir emissão de 1 bilhão de toneladas de gases do efeito estufa na agricultura até 2030

O preço da saca do milho teve queda de quase 1%, com venda a R$ 89,56 em São Paulo. Em Rio Verde (GO), a saca do milho tem cotação de R$ 80,80; em Erechim (RS) a R$ 89; e em Cascavel (PR) a R$ 89,50.

Os valores são do Canal Rural e Cepea.
 

Copiar o texto
19/10/2021 19:55h

De acordo com o indicador CEPEA/B3, a arroba do boi gordo acumula queda de 6,53% no acumulado de outubro.

Baixar áudio

O preço da arroba do boi gordo teve alta de quase 2%, em São Paulo, sendo comercializada, nesta quarta-feira (20), a R$ 272,55. Em Belo Horizonte (MG), o preço da arroba do boi gordo está estável, com venda a R$ 259. Em Goiânia (GO), a arroba do boi gordo é vendida a R$ 254 e em Cuiabá (MT), a R$ 253. 

O preço do quilo do frango congelado teve alta de quase 0,5%, sendo comercializado em São Paulo, em Santa Catarina e em Porto Alegre, a R$ 8,10. 

Governo Federal inicia Jornada das Águas e anuncia investimentos para revitalização de bacias hidrográficas

O preço da carcaça do suíno teve queda de mais de 2% em São Paulo, com venda a R$ 10,29 o quilo. No Paraná, o quilo da carcaça do suíno é comercializado a R$ 10 e em Santa Catarina, a R$ 10,10.

Os valores são do Canal Rural e Cepea.

Copiar o texto
19/10/2021 19:50h

As metas para os próximos dez anos foram apresentadas pelo presidente do Conselho Diretor do Instituto Brasileiro de Mineração (IBRAM) em seminário na Câmara dos Deputados nesta terça-feira (19)

Baixar áudio

O setor mineral tem como metas para os próximos dez anos reduzir em 10% o uso de energia elétrica nas indústrias minerais e o consumo de água nos parques extrativos, além de aumentar em 10% as áreas protegidas e trabalhar para eliminar totalmente os riscos de acidentes ambientais. As metas foram apresentadas pelo presidente do Conselho Diretor do Instituto Brasileiro de Mineração (IBRAM), Wilson Brumer. 

O Seminário Mineração, Transição Energética e Clima, promovido pela Câmara dos Deputados nesta terça-feira (19), discutiu ações de enfrentamento à emissão de gases de efeito estufa (GEE), defesa do meio ambiente, transição energética e clima nas atividades de extração dos minérios, nos próximos anos. 

Governo Federal inicia Jornada das Águas e anuncia investimentos para revitalização de bacias hidrográficas

Minery: startup brasileira aproxima negociações entre fornecedores e clientes na mineração

Reforma Tributária: especialistas afirmam quais impactos sobre a população serão sentidos a médio e longo prazo

O encontro foi organizado pela Comissão de Minas e Energia da Câmara dos Deputados em três painéis: “Minerais do futuro”; “O impacto das novas tecnologias na demanda do lítio”; “Estratégias de descarbonização na indústria mineral”.

A atividade mineral está presente em pouco mais de 0,5% do território nacional, em cerca de 2.500 municípios, de acordo com o IBRAM. o ramo é responsável por cerca de 4% do Produto Interno Bruto do País, de acordo com o Ministério de Minas e Energia (MME).

“A indústria mineral é uma baixa emissora de gases de efeito estufa, em comparação com outros setores, mas isso não quer dizer que a gente não tenha de tomar medidas concretas para mitigar ainda mais as nossas emissões, e outras iniciativas relacionadas a descarbonização”, ressaltou Wilson Brumer. 

Mineração na mudança climática

O Conselho Internacional de Mineração e Metais (ICMM), entidade que representa empresas e associações nacionais minerais em todo mundo, lembrou aos deputados presentes no seminário que a atividade mineral é a responsável por promover a descarbonização da atmosfera porque é provedora das principais matérias-primas das tecnologias de baixo carbono. Ou seja, segundo o CEO da entidade, Rohitesh Dhawan, a transição climática por meio do fomento de tecnologias consideradas limpas só será possível por causa da atividade mineral e o setor precisa se posicionar no centro das decisões mundiais sobre o tema.

A transição energética, segundo o ICMM, é dependente de minérios essenciais para produção de baterias - que vão substituir os motores a combustão - na construção de placas e chips presentes em turbinas de geradores eólicos e nas peças dos novos veículos elétricos, por exemplo.

Entretanto, Dhawan alertou que a indústria mineral também precisa diminuir a própria emissão de GEE por meio da substituição do maquinário dependente do diesel. Segundo dados repassados pelo CEO do ICMM, a atividade mineral é responsável por cerca de 5% a 7% do total de emissão GEE no mundo. A meta do setor é trocar a combustão por tecnologias mantidas por hidrogênio ou eólicas. A ICMM lembrou que a tendência do setor mineral é acabar totalmente com a emissão de GEE em seus processos até 2030. 

“Muitas indústrias minerais pelo mundo já estão usando 100% de energias renováveis e, isso [a transição] deve continuar no curso do tempo”, contou Rohitesh Dhawan, CEO do ICMM.

Crescimento

A atividade mineral brasileira vem demonstrando crescimento forte desde 2020, quando o setor teve faturamento de quase R$ 210 bi, gerando cerca de R$ 72 bi em impostos e participando com 2,5% do PIB, de acordo com informações do Ministério de Minas e Energia.

Os dados do Governo Federal revelam, ainda, que, apenas nos seis primeiros meses deste ano, a atividade já negociou mais de R$ 149 bi, aumento de 98% em comparação ao mesmo período do ano passado, e tem expectativa de gerar R$ 80 bi em impostos até o final de 2021. Ao todo, o setor mineral é responsável por três milhões de empregos diretos no País, sendo 11 mil postos criados apenas neste ano.

O ministro de Minas e Energia, Bento Albuquerque, lembrou, durante o Seminário Mineração, Transição Energética e Clima, que o País está empenhado para investir no setor, por meio de incremento dos institutos de geologia e de promoção de tecnologias verdes, e da diminuição da emissão dos GEE na cadeia produtiva mineral. 

“Seguimos dando tratamento prioritário à mineração, uma vez que reconhecemos seu papel na cadeia extrativa e o potencial que ainda temos a explorar. Alcançaremos mais de 197 bi em investimentos no setor até 2025”, anunciou o ministro. 

Copiar o texto
19/10/2021 19:40h

De acordo com o indicador CEPEA/ESALQ, o preço da saca do café arábica registra alta de 9,38% no acumulado de outubro.

Baixar áudio

O preço da saca de 60 quilos do café arábica teve alta de quase 2%, em São Paulo, com venda, nesta quarta-feira (20), a R$ 1.243. O preço da saca de café robusta teve queda de mais de 3%, com venda a R$ 774,87.

O valor da saca do açúcar cristal teve queda de quase 2%, em São Paulo, com venda a R$ 146,62. Em Ribeirão Preto (SP), a saca do açúcar bruto é vendida a R$ 150, a R$ 151 no Triângulo Mineiro e a R$ 153 em Maringá (PR).

Governo Federal inicia Jornada das Águas e anuncia investimentos para revitalização de bacias hidrográficas

O preço da saca do milho teve alta de quase 0,5%, com venda a R$ 90,21 em São Paulo. Em Rio Verde (GO), a saca do milho tem cotação de R$ 80; em Erechim (RS) e em Cascavel (PR) a R$ 89.

Os valores são do Canal Rural e Cepea.
 

Copiar o texto
19/10/2021 04:00h

De acordo com o indicador CEPEA/ESALQ, o preço da saca do café arábica registra alta de 7,65% no acumulado de outubro

Baixar áudio

O preço da saca de 60 quilos do café arábica teve queda de quase 1%, em São Paulo, com venda, nesta terça-feira (19), a R$ 1.223. O preço da saca de café robusta também registra queda de mais de 1,5%, com venda a R$ 799,31.

O valor da saca do açúcar cristal teve queda de mais de 0,5%, em São Paulo, com venda a R$ 149,41. Em Ribeirão Preto (SP), a saca do açúcar bruto é vendida a R$ 150, a R$ 151 no Triângulo Mineiro e a R$ 153 em Maringá (PR). 

Frio em outubro? Tempestade de neve atinge Sul da Argentina e massa de ar frio predomina no Sul do Brasil

O preço da saca do milho teve queda de quase 0,5%, com venda a R$ 89,89 em São Paulo. Em Rio Verde (GO), a saca do milho tem cotação de R$ 80; em Erechim (RS) e em Cascavel (PR) a R$ 90.

Os valores são do Canal Rural e Cepea.
 

Copiar o texto
19/10/2021 04:00h

De acordo com o indicador CEPEA/B3, a arroba do boi gordo acumula queda de 8,16% no acumulado de outubro.

Baixar áudio

O preço da arroba do boi gordo teve alta de quase 0,5%, em São Paulo, sendo comercializada, nesta terça-feira (19), a R$ 267,80. Em Belo Horizonte (MG), o preço da arroba do boi gordo está estável, com venda a R$ 259. Em Goiânia (GO) em Cuiabá (MT), a arroba do boi gordo é vendida a R$ 254. 

O preço do quilo do frango congelado está estável, sendo comercializado em São Paulo a R$ 8,08. Em Santa Catarina e em Porto Alegre, o quilo do frango congelado é cotado a R$ 8,20.

Frio em outubro? Tempestade de neve atinge Sul da Argentina e massa de ar frio predomina no Sul do Brasil

O preço da carcaça do suíno está estável em São Paulo, com venda a R$ 10,52 o quilo. No Paraná e em Santa Catarina, o quilo da carcaça do suíno é comercializado a R$ 10,10.

Os valores são do Canal Rural e Cepea.
 

Copiar o texto
18/10/2021 20:05h

Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento divulgou que país reduziu a emissão de CO² em 46% acima das metas traçadas para o período de 2010 a 2020

Baixar áudio

Nos próximos dez anos, o Brasil deve ampliar as áreas agropecuárias sustentáveis para reduzir em mais de 1 bilhão de toneladas a emissão de gases de efeito estufa (GEE). No período de 2010-2020 o país superou a meta traçada em 46%.

Os dados foram divulgados nesta segunda-feira (18) pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento - MAPA, durante o lançamento das novas metas de consolidação da economia de baixa emissão de carbono na agropecuária, no âmbito do programa ABC+. O plano prevê ampliar as áreas  com uso de tecnologias e práticas sustentáveis em 72 milhões de hectares, até 2030.

Na última década - entre 2010 e 2020 – o País tinha a missão de alcançar 35 milhões de hectares manejados com algum tipo de tecnologia de baixo carbono. Entretanto, o resultado foi 46% acima das expectativas iniciais, com cerca de 52 milhões de hectares adaptados à sustentabilidade no campo, que contribuíram na redução de cerca de 170 milhões de toneladas de CO² na atmosfera. 

Frio em outubro? Tempestade de neve atinge Sul da Argentina e massa de ar frio predomina no Sul do Brasil

Dia Mundial da Alimentação: Guia Alimentar da População Brasileira é referência mundial

Consumo dos lares brasileiros caiu 2,33% entre julho e agosto

Para isso, o Governo Federal investiu na conscientização dos produtores para as práticas e na adoção das tecnologias de emissão de baixo carbono, como recuperação de pastagens degradadas, sistemas de plantio direto, florestas plantadas, fixação biológica de nitrogênio e tratamento de dejetos de animais. 

“Trata-se de uma das mais ambiciosas políticas públicas de agropecuária do mundo, que traça metas ousadas para aprimorar a sustentabilidade da produção brasileira ao longo da próxima década, e manter o Agro na vanguarda dos esforços de enfrentamento da mudança do clima”, disse Teresa Cristina, ministra da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. 

O MAPA vai manter o estímulo e a conscientização do produtor para adoção e manutenção de sistemas agropecuários sustentáveis, de forma a promover aumento da produtividade e da renda das propriedades, capacitando e divulgando as tecnologias de baixo carbono entre os produtores rurais. 

O Governo Federal também pretende aumentar os investimentos nas pesquisas de estímulo ao desenvolvimento de técnicas e sistemas, produtos e processos produtivos de baixo carbono, por meio do próprio MAPA, além de Embrapa e Senar. 

Além disso, pretende criar mecanismos de reconhecimento do trabalho do produtor sustentável, em que a produção seja valorizada. Ou seja, a ideia é agregar valor “verde” aos frutos do investimento do agricultor e do pecuarista. 

Por fim, o ABC+ prevê a implementação de instrumentos de comercialização de créditos de redução de gases de efeito estufa (GEE) aos produtores e a maior interação com as instituições financeiras provedoras de financiamentos ao setor. 

“Estamos trabalhando em conjunto – com os demais ministérios do governo – para um Brasil melhor, mais verde, e, principalmente, mostrando para o produtor que, se ele produzir de maneira sustentável, ele terá mais renda”, pontuou a ministra do MAPA. 

Nos municípios

A Associação Brasileira de Municípios (AMB), por exemplo, coordena ações de orientação aos gestores municipais para combate ao desmatamento e diminuição da emissão de gases do efeito estufa nas cidades. A iniciativa é fruto de diretrizes traçadas pelo Pacto Global de Prefeitos pelo Clima e Energia, que pretende estabelecer as metas do Acordo de Paris nos municípios do País.

O tratado é um compromisso mundial assinado por 195 países no âmbito da Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre a Mudança do Clima (CQNUMC), que rege medidas de redução de emissão de gases de efeito estufa a partir de 2020. O objetivo é conter o aumento do aquecimento global em 1,5°C, reforçando a capacidade dos países de se desenvolverem em um contexto sustentável.

 

Copiar o texto
Brasil 61