Cadastro de mídia

TERMO DE USO E PARCERIA

TERMO DE USO E PARCERIA

1º - A utilização gratuita e livre dos materiais produzidos pelo Brasil 61 só será permitida depois que este termo de parceria for aceito pelo usuário, prevendo as seguintes regras:

a) A utilização do material - na íntegra, ou em partes - só será permitida desde que as informações não sejam distorcidas, manipuladas ou alteradas.

b) Não é necessário a identificação do Brasil 61 na hora da replicação do conteúdo. Mas toda e qualquer veiculação de áudios produzidos pelo Brasil 61 prevê o cadastro no site, com a disponibilização de dados que serão utilizados para a organização do mailing desta empresa,

2º - OBRIGAÇÕES DO BRASIL 61

a) O Brasil 61 se compromete, a partir deste termo de uso, a produzir conteúdo particularizado diariamente, trazendo informações de dia-a-dia e bastidores do Planalto Central, além de outras temáticas de relevância do noticiário nacional. 

b) O acesso ao conteúdo jornalístico (na versão de leitura) é livre e gratuito, podendo ser replicado por qualquer usuário que acesse o site. O download do áudio para que seja utilizado na programação das rádios requer que o usuário realize o login no site do Brasil 61 - informando e-mail e senha cadastrados. 

3º - OBRIGAÇÕES DOS COMUNICADORES PARCEIROS

Não alterar o sentido dos materiais, ou distorcer fala de entrevistados ou mudar a conotação das mensagens dos materiais. 

ADENDOS IMPORTANTES SOBRE A PARCERIA

a) O Brasil 61 poderá distribuir conteúdo patrocinado com ou sem assinatura dos clientes patrocinadores do boletim e sem aviso prévio ao comunicador. 

b) As rádios parceiras não vão ter participação financeira sobre o faturamento do Brasil 61.

c) Os comunicadores podem patrocinar os conteúdos do Brasil 61, desde que não alterem o sentido e a conotação dos conteúdos oferecidos. Nesses casos, o Brasil 61 não terá participação nos lucros conquistados pelos veículos parceiros. 

Ao clicar em ACEITO, a emissora aqui cadastrada afirma concordar e estar ciente de todas as condições apresentadas neste Termo de Utilização de Conteúdo.

Política de privacidade

Nós do Brasil 61 coletamos e usamos alguns dados dos nossos leitores com o intuito de melhorar e adaptar nossas plataformas e nossos produtos. Para isso, agimos conforme a Lei Geral de Proteção de Dados (Lei 13.709/2018) e nos esforçamos para sermos transparentes em todas nossas atividades.

Para podermos oferecer melhores serviços e veicular peças publicitárias de nossos anunciantes, precisamos conhecer certas informações dos nossos usuários.

COMO O BRASIL 61 COLETA SEUS DADOS

– Quando você se cadastra e cria um usuário no Brasil 61

Quando você entra no nosso site, fornece informações (dados) para a criação do usuário. Estes dados são usados para orientar a estratégia do Brasil 61 e o desenvolvimento de novos serviços e/ou produtos. Essas informações são fornecidas voluntariamente por você leitor e não são compartilhadas com nenhum terceiro.

– Quando você acessa o site do Brasil 61 (www.brasil61.com.br) ou abre uma de nossas newsletters enviadas por e-mail

O Brasil 61 usa tecnologias como cookies e pixel tags para entender como é a sua interação com as nossas plataformas. Esses dados permitem saber, por exemplo, de que dispositivo você acessa o site ou em que links você clicou e quanto tempo permaneceu lendo as notícias. 

COMO O BRASIL 61 USA OS SEUS DADOS

Nós, do Brasil 61, usamos seus dados sempre com a principal intenção de melhorar, desenvolver e viabilizar nossos próprios produtos e serviços a você leitor.

Seus dados são sempre analisados de forma não individualizada, mesmo os que são fornecidos vinculados seu nome ou ao seu endereço de e-mail. 

Os dados em conjunto são analisados para criar relatórios estatísticos de audiência sobre as páginas, textos e meios de acesso ao site e às newsletters. 

Esses relatórios são compartilhados com nossos anunciantes e patrocinadores e servem para modelar estratégias e campanhas institucionais.

As informações que você fornece durante a criação do cadastro do seu usuário no Brasil 61 são utilizadas para a formulação de estratégia comercial e desenvolvimento de novos produtos e/ou serviços.

Essas informações individualizadas podem ser usadas pelo Brasil 61 para o envio de campanhas comerciais e divulgação de serviços e/ou produtos próprios. Não são compartilhadas com nenhum terceiro.

As informações captadas por meio de cookies e pixel tags são usadas em relatórios internos de monitoramento da audiência e também em relatórios para os anunciantes verificarem a efetividade de suas campanhas. Essas informações não estão vinculadas a nome ou e-mail dos leitores e são sempre avaliadas de forma não individualizada.

O Brasil 61 compartilha informações captadas por meio de cookies e pixel tags com terceiros, como anunciantes, plataformas de redes sociais e provedores de serviço – por exemplo, o serviço de envio de e-mails. O Brasil 61 também em seu site cookies de terceiros que captam informações diretamente do usuário, de acordo com suas próprias políticas de privacidade e uso de dados. 

O QUE O BRASIL 61 NÃO FAZ COM SEUS DADOS

– Não monitoramos ou coletamos dados de páginas que não pertencem ao Brasil 61.
– Não compartilhamos ou vendemos para terceiros nenhuma informação identificável.

O QUE VOCÊ PODE FAZER SE NÃO QUISER MAIS QUE SEUS DADOS SEJAM USADOS PELO BRASIL 61

– Caso não queira que o Brasil 61 use nenhum tipo de cookies, altere as configurações do seu navegador. Nesse caso, a exibição de anúncios e mensagens importantes do Brasil 61 e de nossos anunciantes pode ser prejudicada.

– Caso queira deixar de receber algum newsletter ou e-mail de alertas de notícias, basta clicar em “Unsubscribe”, na parte de baixo do e-mail enviado pelo Brasil 61. 

– Caso queira excluir seu usuário e apagar seus dados individuais da base do Brasil 61, basta enviar um e-mail para: privacidade@brasil61.com

 Última atualização: 24 de dezembro de 2020 

23/07/2021 18:40h

Exigências bancárias são as maiores queixas dos micros e pequenos empresários diante da necessidade de empréstimo

Baixar áudioBaixar áudio

A burocracia e as altas exigências dos bancos ainda são apontadas pelos micros e pequenos empresários como entraves significativas para acesso ao crédito nas instituições financeiras. 32% dos donos de pequenos negócios, que buscaram empréstimos nos bancos do país, em maio deste ano, não tiveram respostas positivas. 

O dado, levantado pelo Sebrae e FGV, é menor em comparação a quantidade de empresários frustrados com as exigências bancárias em abril, quando as imposições foram condenadas por quase 50% dos empreendedores que buscaram empréstimos. 

“Temos constatado de um ano para cá que os empresários ainda consideram os bancos muito exigentes para emprestar dinheiro e, por isso, é tão importante o desenvolvimento de políticas públicas que facilitem o uso de garantias”, alerta Carlos Melles, presidente do Sebrae. 

Créditos

No início de julho os bancos passaram a conceder novos créditos aos pequenos empresários por meio do Pronampe. Cerca de 5 milhões de pequenos negócios terão acesso a créditos que, de acordo com a expectativa do governo federal, podem ultrapassar mais de R$ 25 bilhões até o fim de 2021. 

Confira as mudanças propostas na reforma do Imposto de Renda

Os juros dos contratos não poderão passar de 6% ao ano, mais a taxa Selic, que é de 4,25% atualmente. O prazo de carência, ou seja, de quando a empresa começará a pagar o empréstimo, subiu de oito para 11 meses e o financiamento pode ser parcelado em até 48 meses. 

Confiança

O aumento de linhas de crédito é importante para elevar a confiança do MPE para o crescimento dos negócios nos próximos meses e a boa expectativa já é percebida. Em maio, o índice que mede a confiança dos pequenos empresários, o IC-MPE, nos setores de Serviços, Comércio e Indústria, subiu 5,4 pontos e ultrapassou 93,5 pontos, o melhor resultado desde 2020. 

Câmara dos Deputados avalia projeto que cria o Marco Regulatório da Energia Elétrica

De acordo com análise da Sondagem Econômica da MPE, realizada pelo Sebrae, o aumento do ritmo da vacinação contra a Covid-19, a extensão do auxílio emergencial e a MP do BEm contribuem para a recuperação dos setores econômicos. Além disso, a expectativa de crescimento do PIB brasileiro, estimada entre 4% e 5%, também está sendo capaz de melhorar o ‘humor' dos empresários. 

“A indústria está se recuperando. Ela teve um ano difícil em 2020 e agora ela vem se recuperando. E isso tem a ver com o crédito? Sim, mas não só isso. Você tem a própria melhora do cenário da pandemia, do cenário sanitário, que induz a esse crescimento. Isso tudo tem contribuído para que a indústria possa apresentar melhor desempenho nesse restante de ano”, acredita Benito Salomão, especialista em Economia e doutorando da Universidade Federal de Uberlândia (UFU)

Copiar o texto
23/07/2021 11:40h

As cidades que conseguirem superar 90% de cobertura vacinal contra Covid-19 e 80% da Influenza vão dividir cerca de R$ 65 milhões

Baixar áudio

O governo do Mato Grosso anunciou que vai premiar os municípios do estado que tiverem maiores índices de vacinação da população contra a Covid-19 e Influenza. 

As cidades que conseguirem superar 90% de cobertura vacinal contra Covid-19 e 80% da Influenza vão dividir cerca de R$ 65 milhões. A primeira premiação, de R$ 2 milhões, será entregue aos municípios líderes do ranking de vacinação no estado em outubro.

Valor da produção mineral cresce 98% no semestre e CFEM dobra, aponta IBRAM

Os premiados serão aquelas cidades com melhores desempenhos no Sistema de Informação do Programa Nacional de Imunizações (SIPNI). Os municípios vão concorrer aos prêmios do governo divididos em cinco grupos, de acordo com o número de população, e os três melhores, em cada grupo, serão premiados.  

  • Grupo 1 – Municípios de até 5 mil habitantes – R$ 150 mil
  • Grupo 2 – Municípios de até 10 mil habitantes – R$ 210 mil 
  • Grupo 3 – Municípios de até 15 mil habitantes – R$ 240 mil 
  • Grupo 4 – Municípios de até 30 mil habitantes – R$ 370 mil 
  • Grupo 5 – Municípios de até 60 mil habitantes – R$ 650 mil

Além disso, as cidades mato-grossenses que mais se destacarem na vacinação contra a Covid-19 vão receber selos ouro, prata, bronze e diamante, e premiação superior a R$ 7 milhões, no início de 2022.

Os municípios que tiverem cobertura vacinal superior a 90% da Tríplice Bacteriana Acelular Adulto e aumento de 20% na imunização da hepatite poderão ser premiados com o selo diamante e os três primeiros colocados dividirão prêmio de R$ 4 milhões.

Copiar o texto
23/07/2021 09:40h

Os valores da saca do açúcar cristal e do milho também registram alta

Baixar áudio

O preço da saca de 60 quilos do café arábica teve forte alta de mais de 7%, nesta sexta-feira (23), em São Paulo, e o preço ultrapassa R$ 1.028. O preço da saca de café robusta também teve alta de mais de mais de 2%, com venda a R$ 565,84. 

Valor da produção mineral cresce 98% no semestre e CFEM dobra, aponta IBRAM

O valor da saca do açúcar cristal teve alta de pouco mais de 0,5%, em São Paulo, sendo comercializada a R$ 117,42. Em Ribeirão Preto (SP), a saca do açúcar bruto é vendida a R$ 115; a R$ 118,00 em Maringá (PR); e a R$ 116,00 no Triângulo Mineiro (MG). 

O preço da saca do milho teve alta de mais de 0,5% sendo comercializada a R$ 99,19, em São Paulo. Em Rio Verde (GO), a saca do milho tem cotação de R$ 89,00; em Erechim (RS) e em Cascavel (PR), a R$ 100,00. 

Os valores são do Canal Rural e Cepea.

Copiar o texto
23/07/2021 09:40h

O preço do quilo do frango teve queda de quase e suíno segue estável

Baixar áudio

O preço da arroba do boi gordo teve alta de quase 1% nesta sexta-feira (23), em São Paulo, sendo comercializada a R$ 317,50. Em Barretos SP, o preço da arroba do boi gordo está estável com venda a R$ 308,50. Em Alagoas (AL), a arroba do boi gordo é vendida a R$ 295,50 e em Marabá (PA), a R$ 285,50. 

O preço do quilo do frango teve queda de quase 0,5% sendo comercializado em São Paulo a R$ 7,68. Em Santa Catarina o preço do quilo do frango congelado é cotado a R$ 7,30, e a R$ 7,50 em Porto Alegre. 

Valor da produção mineral cresce 98% no semestre e CFEM dobra, aponta IBRAM

O preço da carcaça do suíno está estável, em São Paulo, com venda a R$ 10,00 o quilo. No Paraná a carcaça do suíno também é comercializada a R$ 10,10 e em Santa Catarina, a carcaça do suíno é vendida a R$ 9,90.    

Os valores são do Canal Rural e Cepea.

Copiar o texto
22/07/2021 09:25h

O preço da saca de 60 quilos do café arábica teve forte alta, de quase 6,5%, nesta quinta-feira (22). Os valores do açúcar e do milho também tiveram alta de 0,5% e 1%, respectivamente

Baixar áudio

O preço da saca de 60 quilos do café arábica teve forte alta de quase 6,5%, nesta quinta-feira (22), em São Paulo, com venda a R$ 960,50. O preço da saca de café robusta também teve forte alta de mais de 10%, com venda a R$ 553,43. 

O valor da saca do açúcar cristal teve alta de quase 0,5%, em São Paulo, sendo comercializada a R$ 116,79. Em Ribeirão Preto (SP), a saca do açúcar bruto é vendida a R$ 115; a R$ 118,00 em Maringá (PR); e a R$ 116,00 no Triângulo Mineiro (MG). 

Prevenção a Covid-19 é ampliada nas escolas do país

O preço da saca do milho teve alta de mais de 1% sendo comercializada a R$ 98,54, em São Paulo. Em Rio Verde (GO), a saca do milho tem cotação de R$ 88,00, a R$ 99,00 em Erechim (RS); a R$ 100,00 em Cascavel (PR). 

Os valores são do Canal Rural e Cepea.
 

Copiar o texto
22/07/2021 09:20h

O preço da arroba do boi gordo teve queda de mais de 1,5% nesta quinta-feira (22). Os valores do frango e do suíno tiveram alta de mais de 2% e 1,5%, respectivamente

Baixar áudio

O preço da arroba do boi gordo teve queda de mais de 1,5% nesta quinta-feira (22), em São Paulo, sendo comercializada a R$ 314,50. Em Barretos SP, o preço da arroba do boi gordo está estável com venda a R$ 308,50. Em Alagoas (AL), a arroba do boi gordo é vendida a R$ 295,50 e em Marabá (PA), a R$ 284,50. 

Prevenção a Covid-19 é ampliada nas escolas do país

O preço do quilo do frango teve alta de mais de 2% sendo comercializado em São Paulo a R$ 7,71. Em Santa Catarina o preço do quilo do frango congelado é cotado a R$ 7,30, e a R$ 7,50 em Porto Alegre. 

O preço da carcaça do suíno teve alta de quase 1,5%, em São Paulo com venda a R$ 10,00 o quilo. No Paraná a carcaça do suíno também é comercializada a R$ 10,00 e em Santa Catarina, a carcaça do suíno é vendida a R$ 9,90.    

Os valores são do Canal Rural e Cepea.
 

Copiar o texto
22/07/2021 04:00h

Confira as ações de combate ao coronavírus nas escolas dos municípios levantadas pelo portal Brasil61.com

Baixar áudioBaixar áudio

Mais de 96,9% das escolas do país reforçaram as ações de limpeza e redobraram atenção na rotina de higienização das mesas, cadeiras, portas e maçanetas, vasos sanitários e pias, por exemplo, desde o início da pandemia da Covid-19. 

O monitoramento da temperatura é realizado em 94,5% das escolas e a exigência do uso de máscaras cresceu 98% nas instituições. Os dados são alusivos ao calendário de 2020 e foram colhidos pelo Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep) entre fevereiro e maio de 2021. 

Covid-19: vacinação para menores de 18 anos ainda aguarda aprovação do Ministério da Saúde

As informações foram reunidas pelo portal Brasil61.com e revelam, por exemplo, quantas escolas tiveram adequação na infraestrutura por precaução ao coronavírus nas cidades. Ao todo, mais de 56% das escolas do país realizaram algum tipo de reforma na infraestrutura dos prédios para tornar os ambientes mais seguros. 

Os dados também mostram que mais de 2,6 mil escolas públicas municipais responderam ao questionário do Inep. Na rede, mais de 90% aumentaram ações de limpeza, 78,4% monitoram temperatura, 93,5% exigem uso de máscaras, 37,2% realizaram reformas e 90,4% restringem trânsito de pessoas e previnem aglomerações. 

Confira como está a estrutura das escolas da sua cidade a seguir.  

As informações colhidas pelo Inep são importantes na compreensão dos efeitos da pandemia da Covid-19 na Educação e traz expectativas positivas para a volta às aulas presenciais. 

A pesquisa teve início em fevereiro e até o mês de maio cerca de 16,5 mil escolas, 94%, responderam ao questionário suplementar, durante o Censo Escolar 2020, sobre o rendimento dos estudantes durante a pandemia do coronavírus. As ações de enfrentamento a Covid-19 também foram monitoradas pela pesquisa. O número corresponde a mais de 97% da rede pública e mais de 83% dos estabelecimentos privados. 

Covid-19: “Provavelmente vamos precisar, no futuro, de uma terceira dose”, diz infectologista

Os ministérios da Educação e Saúde, pretendem publicar portaria de orientação para o retorno às aulas presenciais. Nesse sentido, escolas de todo país devem se preparar para colocar em prática ações de prevenção a Covid-19. 

“Todo município e toda escola precisam ter ações a seguir nesse momento. Os gestores devem garantir os materiais, os equipamentos necessários para cumprir [o ano letivo]. Os professores, os alunos, os funcionários das escolas precisam ficar atentos”, sugere Luiz Miguel, presidente da Undime. 

Em 2020, mais de 99% das escolas do país tiveram paralisação das aulas presenciais e mais de 90% não encerraram o ano letivo. Entre as escolas públicas, cerca de 53%, tiveram mudanças no calendário escolar. Nos municípios, 97,5% entre as escolas das cidades protelaram o encerramento do ano letivo de 2020 para 2021. 

“É fundamental dialogar com as autoridades dos municípios, com as famílias, com os professores, para que essa retomada não implique em um constante abre e fecha de escola”, alerta Luiz Miguel. 

Copiar o texto
21/07/2021 10:15h

São Luiz do Paraitinga (SP), Boa Vista do Gurupi (MA) e Miravânia (MG), são os municípios com maiores taxas de letalidade

Baixar áudio

Dados do Ministério da Saúde, organizados no Painel Covid-19 do portal Brasil61.com, mostram 27.592 novos casos da doença e 1.424 óbitos por Covid-19, nesta quarta-feira (21). Desde o início da pandemia, mais de 19,4 milhões de brasileiros foram infectados pelo novo coronavírus. O número de pessoas que morreram pela doença no país é de 544.180. O número de pessoas curadas é superior a 18.124 milhões.

Rio de Janeiro e São Paulo são os estados com maior taxa de letalidade por Covid-19. De acordo com o Painel Covid-19 do portal Brasil 61.com, Roraima e Amapá registram as menores taxas de letalidade entre os estados.

Taxa de letalidade nos estados

  • Rio de Janeiro - 5,76%
  • São Paulo - 3,42%
  • Amazonas - 3,27%
  • Pernambuco - 3,17%
  • Maranhão - 2,85%
  • Goiás - 2,83%
  • Pará - 2,80%
  • Mato Grosso – 2,60%
  • Minas Gerais – 2,57%
  • Rio Grande do Sul – 2,57%
  • Ceará – 2,56%
  • Paraná – 2,51%
  • Alagoas – 2,50%
  • Mato Grosso do Sul - 2,49%
  • Rondônia – 2,48%
  • Piauí – 2,21%
  • Espírito Santo – 2,20%
  • Sergipe – 2,16%
  • Bahia – 2,15%
  • Distrito Federal – 2,15%
  • Paraíba – 2,15%
  • Acre – 2,05%
  • Rio Grande do Norte – 1,98%
  • Tocantins – 1,66%
  • Santa Catarina – 1,61%
  • Amapá – 1,57%
  • Roraima – 1,54%          

O Painel Covid-19 do portal Brasil61.com mostra ainda que entre os municípios do país, São Luiz do Paraitinga (SP) registra a maior letalidade da Covid-19 com 28,95%; Boa Vista do Gurupi (MA) 26,67% e Miravânia (MG) tem 20% de taxa de letalidade.

Taxa de letalidade nos municípios

  • São Luiz do Paraitinga (SP) – 28,95%
  • Boa Vista do Gurupi (MA) – 26,67%
  • Miravânia (MG) – 20%
  • Paço do Limiar (MA) – 16,53%
  • Ribeirão (PE) – 15,94%
  • Capitão Gervásio (PI) – 15,38%
  • São Fidélis (RJ) – 15,10%
  • Sarutaiá (SP) – 15,8%
  • Calmon (SC) – 15%
  • Itati (RS) – 13,75%
  • São Nicolau (RS) – 13,73%
  • Sebastião Barros (PI) – 13,04%
  • Nilópolis (RJ) – 12,92%
  • Lagoa do Sítio (PI) – 12,63%
  • São João de Pirabas (PA) – 12,20%
  • Guiratinga (MT) – 12,19%
  • São João da Ponta (PA) – 12,16%
  • Piracema (MG) – 11,97%
  • Viana (MA) – 11,93%
  • Itaueira (PI) – 11,92%
  • São João do Araguaia (PA) – 11,69%
  • Santo Antônio das Missões (RS) – 11,57%
  • Mesquita (RJ) – 11,54%
  • Tamboril do Piauí  (PI) – 11,11%
  • Terra de Areia (RS) – 10,84%
  • São Braz do Piauí (PI) – 10,64%
  • Escada (PE) – 10,43%

Entre os municípios com as menores taxas de letalidade do Brasil, alguns têm esse índice cravado em 0%, pois não confirmaram nenhum óbito pela doença até o momento. Entre eles, estão Aricanduva (MG), Boa Esperança do Iguaçu (PR), Campo Azul (MG), Guabiju (RS) e Guarani de Goiás (GO). 

Os números têm como base o repasse de dados das secretarias estaduais de saúde ao órgão. Acesse as informações sobre a Covid-19 no seu estado e município no Painel Covid-19 do portal Brasil 61.com

Copiar o texto
21/07/2021 09:45h

O preços da arroba do boi gordo e do frango estão estáveis nesta quarta-feira (21). O valor da carcaça do suíno teve alta de quase 1,5%

Baixar áudio

O preço da arroba do boi gordo está estável nesta quarta-feira (21), em São Paulo, sendo comercializada a R$ 319,50. Em Barretos SP, o preço da arroba do boi gordo está estável com venda a R$ 308,50. Em Alagoas (AL), a arroba do boi gordo é vendida a R$ 295,50 e em Marabá (PA), a R$ 284,50. 

O preço do quilo do frango está estável sendo comercializado em São Paulo a R$ 7,55. Em Santa Catarina o preço do quilo do frango congelado é cotado a R$ 7,30, e a R$ 7,50 em Porto Alegre. 

Apesar de bons indicadores, indústria nacional ainda enfrenta desafios para se desenvolver

Covid-19: vacinação para menores de 18 anos ainda aguarda aprovação do Ministério da Saúde

O preço da carcaça do suíno teve alta de quase 1,5%, em São Paulo com venda a R$ 9,87 o quilo. No Paraná a carcaça do suíno é comercializada a R$ 10,00. Em Santa Catarina, a carcaça do suíno é vendida a R$ 9,90.    

Os valores são do Canal Rural e Cepea.
 

Copiar o texto
21/07/2021 09:40h

O preço da saca de 60 quilos do café arábica teve alta de mais de 4%, o valor da saca do açúcar cristal teve queda de 0,5% e o preço da saca do milho está estável, nesta quarta-feira (21)

Baixar áudio

O preço da saca de 60 quilos do café arábica teve alta de mais de 4%, nesta quarta-feira (21), em São Paulo, com venda a R$ 902,64. O preço da saca de café robusta também teve alta de mais de 2%, com venda a R$ 549,48.  

O valor da saca do açúcar cristal teve queda de 0,5%, em São Paulo, sendo comercializada a R$ 116,55. Em Ribeirão Preto (SP), a saca do açúcar bruto é vendida a R$ 115; a R$ 118,00 em Maringá (PR); e a R$ 116,00 no Triângulo Mineiro (MG). 

Covid-19: vacinação para menores de 18 anos ainda aguarda aprovação do Ministério da Saúde

O preço da saca do milho está estável sendo comercializada a R$ 97,49, em São Paulo. Em Rio Verde (GO), a saca do milho tem cotação de R$ 88,00, a R$ 99,00 em Erechim (RS); a R$ 100,00 em Cascavel (PR). 

Os valores são do Canal Rural e Cepea.
 

Copiar o texto
Brasil 61