Cadastro de mídia

TERMO DE USO E PARCERIA

TERMO DE USO E PARCERIA

Regras de Uso

1º - A utilização gratuita e livre dos materiais produzidos pelo Brasil 61 só será permitida depois que este termo de parceria for aceito pelo usuário, prevendo as seguintes regras:

a) A utilização do material - na íntegra, ou em partes - só será permitida desde que as informações não sejam distorcidas, manipuladas ou alteradas.

b) Não é necessário a identificação do Brasil 61 na hora da replicação do conteúdo. Mas toda e qualquer veiculação de áudios produzidos pelo Brasil 61 prevê o cadastro no site, com a disponibilização de dados que serão utilizados para a organização do mailing desta empresa,

2º - OBRIGAÇÕES DO BRASIL 61

a) O Brasil 61 se compromete, a partir deste termo de uso, a produzir conteúdo particularizado diariamente, trazendo informações de dia-a-dia e bastidores do Planalto Central, além de outras temáticas de relevância do noticiário nacional. 

b) O acesso ao conteúdo jornalístico (na versão de leitura) é livre e gratuito, podendo ser replicado por qualquer usuário que acesse o site. O download do áudio para que seja utilizado na programação das rádios requer que o radialista realize o login no site da Agência do Rádio - informando e-mail e senha cadastrados. 

3º - OBRIGAÇÕES DOS COMUNICADORES PARCEIROS

Não alterar o sentido dos materiais, ou distorcer fala de entrevistados ou mudar a conotação das mensagens dos materiais. 

ADENDOS IMPORTANTES SOBRE A PARCERIA

a) O Brasil 61 poderá distribuir conteúdo patrocinado com ou sem assinatura dos clientes patrocinadores do boletim e sem aviso prévio ao comunicador. 

b) As rádios parceiras não vão ter participação financeira sobre o faturamento do Brasil 61.

c) Os comunicadores podem patrocinar os conteúdos do Brasil 61, desde que não alterem o sentido e a conotação dos conteúdos oferecidos. Nesses casos, o Brasil 61 Mais não terá participação nos lucros conquistados pelos veículos parceiros. 

Ao clicar em ACEITO, a emissora aqui cadastrada afirma concordar e estar ciente de todas as condições apresentadas neste Termo de Utilização de Conteúdo.

Saúde
16/06/2020 04:00h

O leite materno é fundamental para um melhor desenvolvimento da criança e é o único alimento recomendado para o bebê até os seis meses de vida

Baixar áudio

No município paraense de Bragança, o Banco de Leite Humano (BLH) Maria Eunice Begot da Silva Dantas opera com baixos estoques de leite materno. A direção do Banco de Leite Humano, que funciona dentro do Hospital Santo Antônio Maria Zaccaria, afirma que há uma dificuldade em atrair doadoras que não deram à luz na maternidade do hospital.

Em meio à Campanha Nacional de Doação de Leite Humano, ação promovida pelo Ministério da Saúde, e diante da pandemia do novo coronavírus, a unidade reforça a necessidade em aumentar o estoque do Banco de Leite Humano, que caiu 60% neste período. 

O leite materno é fundamental para um melhor desenvolvimento da criança e é o único alimento recomendado para o bebê até os seis meses de vida. É o que diz a coordenadora do Banco de Leite Humano da Fiocruz, Danielle Aparecida da Silva.

“Não há como comparar a grandiosidade do leite materno com outros produtos. Ele é o alimento mais completo, que facilita a digestão, provoca menos cólica, possui fatores probióticos e de proteção. E ajuda no desenvolvimento do trato gastrointestinal.”

De acordo com o Ministério da Saúde, o leite materno protege as crianças de infecções e alergias e reduz o risco de elas desenvolverem doenças crônicas na fase adulta, como diabetes, hipertensão e obesidade.

A mãe Ingrid Fassanaro conta que não conseguiu produzir leite materno suficiente para a filha recém-nascida que se encontra internada na unidade neonatal. Segundo ela, o que tranquilizou foi saber que poderia contar com o Banco de Leite Humano para alimentar a sua bebê.

“Só o fato de saber que minha filha será alimentada tranquiliza o meu coração de alguma forma e ajuda com que fique mais calma.”

O Banco de Leite Humano (BLH) Maria Eunice Begot da Silva Dantas funciona dentro Hospital Santo Antônio Maria Zaccaria, localizado na Avenida Nazeazeno Ferreira, Padre Luiz. Para mais informações e para agendar a coleta domiciliar, ligue para (91) 99631-3114. 

“Doe leite materno. Nessa corrente pela vida, cada gota faz a diferença”.  Para mais informações, ligue 136 ou acesse o site saude.gov.br/doacaodeleite. 
 

Copiar o texto
Saúde
10/06/2020 04:00h

O Banco de Leite Humano (BLH) Irmã Maria José Machado, que funciona na Santa Casa de Campo Grande, capital sul mato-grossense, está conseguindo atender a demanda dos bebês internados e/ou de baixo peso internados em Unidade Neonatal

Baixar áudio

Mesmo diante de uma pandemia que impõe uma série de restrições no dia a dia da população, o Banco de Leite Humano (BLH) Irmã Maria José Machado, que funciona na Santa Casa de Campo Grande, capital sul mato-grossense, está conseguindo atender a demanda dos bebês internados e/ou de baixo peso internados em Unidade Neonatal. No final de maio, o estoque da unidade, segundo a direção do Banco de Leite Humano, era de 115 litros de leite materno. De acordo com o Ministério da Saúde, um pote de leite materno pode alimentar, diariamente, até 10 recém-nascidos. 

O leite materno reduz em até 13% a mortalidade de crianças  menores de 5 anos  e as protegem de diarreia, infecções e alergias. Além disso, o leite materno doado é destinado a bebês prematuros e/ou de baixo peso internados em Unidades Neonatais e é fundamental para a recuperação e melhor desenvolvimento dos pequenos. João Aprígio de Almeida, presidente da Rede Brasileira de Banco de Leite Humano, destaca a importância do leite materno para o sistema imunológico do bebê. 

“O leite humano tem substâncias que protegem, o leite humano tem substâncias de imunomodulação. E o que é imunomodulador? Aumentam a resistência do organismo da criança e promove o crescimento facilitado dos pequenos.”

O Ministério da Saúde afirma que toda mulher que amamenta é uma possível doadora de leite materno. Para doar, basta ser saudável e não tomar nenhum medicamento que interfira na amamentação. Bianca Ferro, mãe e doadora diz que contribuir para a alimentação de outros bebês é gratificante. 

“Eu sei que esse leite materno é destinado as crianças que estão na UTI Neonatal. Eu acredito que elas têm ali o sustento. E, na UTI esses bebês estão mais sensíveis, eles realmente precisam. Acredito que a doação de leite materno seja essencial.”

Especialistas em saúde recomendam o aleitamento materno por dois anos ou mais, sendo o alimento exclusivo nos 6 primeiros meses de vida de uma criança. O Banco de Leite Humano Irmã Maria José Machado, da Santa Casa Campo Grande, está localizado na Rua Eduardo Santos Pereira, número 88, no centro da cidade. A unidade funciona de segunda a domingo, 24 horas por dia. A unidade conta com o apoio do Corpo de Bombeiro para realizar a coleta domiciliar. Para mais informações, ligue para (67) 3322-4174.

“Doe leite materno. Nessa corrente pela vida, cada gota faz a diferença”. Para mais informações, ligue 136 ou acesse o site saude.gov.br/doacaodeleite.

Copiar o texto
Saúde
10/06/2020 04:00h

Segundo a direção da unidade, a média de doação, neste momento de pandemia da COVID-19, é de 40 litros semanais de leite materno.

Baixar áudio

O estoque do Banco de Leite Humano (BLH) João Aprígio Guerra de Almeida, em Belém (PA), está bem abaixo do necessário. Segundo a direção da unidade, a média de doação, neste momento de pandemia da COVID-19, é de 40 litros semanais de leite materno. Para atender a demanda necessária, o número de doações deveria estar 25% maior. Para reverter a situação, o Banco de Leite Humano promove a coleta domiciliar. 

Diante desse cenário, as autoridades de saúde fazem um apelo às mães lactantes da cidade e que podem ser doadoras de leite materno, que entrem em contato com o Banco de Leite Humano. Isso porque, segundo o Ministério da Saúde, houve redução de 5% no número de doadoras em relação ao mesmo período de 2019, em todo o Brasil. O ministério alerta que com os cuidados necessários, tanto da doadora quanto dos Bancos de Leite Humano, é possível manter a rotina de doação durante a pandemia.

O leite materno doado é fundamental para ajudar a salvar a vida de bebês prematuros ou de baixo peso, internados nas Unidades Neonatais, que não podem ser amamentados pelas próprias mães. Janini Selva Ginani, coordenadora de Saúde da Criança e Aleitamento Materno do Ministério da Saúde, reforça a importância da substância para o desenvolvimento dos pequenos. 

“O leite materno traz inúmeros benefícios para a saúde da criança. Protege de infecções, diarreia e alergias. Diminui a chance da criança desenvolver as chamadas doença crônicas e esses efeitos perduram, até mesmo, na vida adulta. O aleitamento materno é a única ação que isoladamente é capaz de reduzir a mortalidade infantil por causas evitáveis.”

Segundo o Ministério da Saúde, toda mulher que amamenta é uma possível doadora de leite materno, basta estar saudável e não estar tomando medicamento que interfira na amamentação. Especialistas defendem o aleitamento materno até os dois anos de idade, sendo de forma exclusiva até os seis meses de idade da criança. 

O Banco de Leite Humano (BLH) João Aprígio Guerra de Almeida está localizado na Rua Oliveira Belo, número 395, no Bairro Umarizal, em Belém. Devido à pandemia da COVID-19, o atendimento presencial da unidade está suspenso. As coletas estão sendo feitas em domicilio. Para mais informações, ligue para (91) 4009-2311. Repetindo: (91) 4009-2311.

Doe leite materno. Nessa corrente pela vida, cada gota faz a diferença. Para mais informações, ligue 136 ou acesse o site saude.gov.br/doacaodeleite. 

Copiar o texto
Saúde
10/06/2020 04:00h

Segundo a direção da unidade, desde início de abril as doações estão crescendo e, no final de maio, o Banco de Leite Humano operava com um estoque de 40 litros do alimento

Baixar áudio

Mesmo durante a pandemia do novo coronavírus, o estoque do Banco de Leite Humano da Maternidade Pública Dona Regina em Palmas (TO), consegue atender a demanda dos bebês prematuros e/ou de baixo peso internados nas Unidades Neonatais que necessitam do leite materno. Segundo a direção da unidade, desde início de abril as doações estão crescendo e, no final de maio, o Banco de Leite Humano operava com um estoque de 40 litros do alimento. 

Para conscientizar sobre a importância da doação de leite materno, o Ministério da Saúde está promovendo a Campanha Nacional de Doação de Leite Humano. A pasta ressalta que qualquer contribuição é válida. Para se ter ideia, um pote do produto pode alimentar, diariamente, até 10 crianças. 

A coordenadora do Banco de Leite Humano da Fiocruz, Danielle Aparecida da Silva, explica que mães que doam leite materno para os Bancos de Leite Humano não terão a sua produção prejudicada.

“O maior mito na doação de leite materno é: se eu tiro leite para doação o meu filho ele vai ficar sem? Não. Quanto mais a mãe estimular a produção, mais leite materno ela vai ter. Assim, quanto mais leite materno, mais poderá doar ao Banco de Leite Humano de sua cidade.”

O alimento doado é destinado aos bebês prematuros ou de baixo peso que estão internados em Unidades Neonatais. Especialistas de saúde afirmam que o leite materno aumenta o sistema imunológico da criança, protegendo de diarreia, infecções e alergias na infância, assim como diabetes, pressão alta, colesterol alto e obesidade na vida adulta. 

Após dar à luz a uma bebê prematura, Luciana da Silva Távora, se emociona ao lembrar que a alimentação da filha está garantida devido ao Banco de Leite Humano da Maternidade Pública Dona Regina.

“Minha pequena recebe o leite materno de outra mãe. Ela mama de três horas uma grande quantidade. Somente o meu leite não a sustenta. Isso é amor o próximo.”

Especialistas em saúde recomendam o aleitamento materno por dois anos ou mais, sendo exclusivo nos 6 primeiros meses de vida. Durante esse período, o leite materno é o único alimento recomendado para o bebê e é considerado fundamental para um melhor desenvolvimento de uma criança.

O Banco de Leite Humano da Maternidade Pública Dona Regina está localizado na quadra 104 Norte, Rua número 05. A unidade funciona todos os dias, durante 24 horas. O local oferece coleta em domicílio. Para mais informações sobre o assunto, o governo do Tocantins dispõe o Disque Amamentação 0800 646 8283. 

“Doe leite materno. Nessa corrente pela vida, cada gota faz a diferença”. Para mais informações, ligue 136 ou acesse o site saude.gov.br/doacaodeleite.

Copiar o texto
Saúde
09/06/2020 04:00h

No final de maio, a unidade operava com um estoque de aproximadamente 10 litros de leite materno

Baixar áudio

O baixo estoque do Banco de Leite Humano (BLH) da Maternidade e Clínica de Mulheres Bárbara Heliodora, em Rio Branco (AC), fez com que a unidade limite a distribuição de leite materno. No final de maio, a unidade operava com um estoque de aproximadamente 10 litros de leite materno. A escassez se dá devido à pandemia da Covid-19, segundo a direção do Banco de Leite Humano. Neste momento, a prioridade é atender bebês internados na Unidade Neonatal com até 1,5 kg. 

Em meio à Campanha Nacional de Doação de Leite Humano, o estado do Acre tem feito divulgações sobre a importância desse tipo de doaçãoo. Até abril deste ano, segundo a Rede Brasileira de Bancos de Leite, 239 bebês prematuros e/ou de baixo peso precisaram do leite materno distribuído no local. O alimento é ofertado aos bebês  internados em Unidades Neonatais. Um pote do produto pode alimentar até 10 recém-nascidos dependendo do seu peso e condições clínicas. 

Danielle Aparecida da Silva, coordenadora do Banco de Leite Humano (BLH) da Fiocruz, ressalta a importância da doação de leite materno. 

“Toda mulher que amamenta, produz leite materno além da necessidade que seu filho precisa. Quando você enche um pote, você coloca ali nutrição, saúde e esperança. É seguro para você, para o profissional de saúde e para o bebê que recebe.”

De acordo com o Ministério da Saúde, o leite materno protege as crianças de infecções e alergias e reduz o risco de elas desenvolverem doenças crônicas na fase adulta, como diabetes e hipertensão. 

Ingrid Fassanaro, mãe da pequena Alice, conta que não conseguiu produzir leite materno suficiente para a filha internada em uma unidade neonatal. Segundo ela, o que a tranquilizou foi saber que podia contar com outras mães que doam leite materno ao Banco de Leite Humano para alimentar sua pequena.

“Mesmo que você não consiga ordenhar leite materno suficiente, você pensa; ‘a minha filha vai ser alimentada’. Isso tranquiliza o coração de uma mãe.”

Especialistas em saúde recomendam o aleitamento materno por dois anos ou mais, sendo de forma exclusiva nos 6 primeiros meses de vida. Na capital do Acre, além do Banco de Leite Humano Heliodora, o município conta também com dois Postos de Coleta Leite Humano, localizados no Hospital Santa Juliana, no bairro Bosque e na Unidade de Referência da Atenção Primária Augusto Hidalgo de Lima.

O Banco de Leite Humano (BLH) da Maternidade e Clínica de Mulheres Bárbara Heliodora está localizado na Avenida Getúlio Vargas, 811, no centro de Rio Branco. A unidade funciona 24h, durante toda a semana. Para mais informações, ligue para (68) 3224-1060.

Doe leite materno. Nessa corrente pela vida, cada gota faz a diferença. Para mais informações, ligue 136 ou acesse o site saude.gov.br/doacaodeleite. 

Copiar o texto
Saúde
03/06/2020 09:27h

Projeto foi idealizado pela Costa Rica e será coordenado pela OMS

Baixar áudio

O Brasil fará parte de uma iniciativa internacional de compartilhamento de tecnologia e conhecimento para o desenvolvimento de vacinas, testes e tratamentos da Covid-19, informou o ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo.  Essa cooperação entre diversos países foi idealizada pela Costa Rica e será coordenada pela Organização Mundial da Saúde (OMS). 

O objetivo do projeto, que conta com a adesão de 44 países e diversas instituições internacionais, é acelerar a descoberta de imunizantes, medicamentos e outras tecnologias de combate ao novo coronavírus e garantir que esses produtos sejam acessíveis. O acordo internacional prevê o compartilhamento de sequências genéticas e de resultados de ensaios clínicos relacionados à doença. 

O Ministério das Relações Exteriores afirma que a pasta já atua, por exemplo, como intermediadora em importações de Equipamentos Médicos Hospitalares (EPIs) e no recebimento de doações de remédios. 
 

Copiar o texto
Saúde
03/06/2020 04:00h

No mesmo período de 2019, o estoque era de 28 litros, segundo informações da direção da unidade

Baixar áudio

Em um ano, o estoque do Banco de Leite Humano (BLH) do Hospital da Mulher Mãe Luzia, na capital amapaense, reduziu em cerca de 32%. No final de maio, o Banco de Leite Humano contava com um volume de 19 litros de leite materno. No mesmo período de 2019, o estoque era de 28 litros, segundo informações da direção da unidade.

A redução nas doações se dá devido à pandemia da Covid-19. Para conscientizar sobre a importância do leite materno, o Ministério da Saúde está promovendo a Campanha Nacional de Doação de Leite Humano. De acordo com a pasta, o leite materno doado é oferecido a bebês prematuros e/ou de baixo peso internados em Unidades Neonatais. Segundo Janini Selva Ginani, coordenadora de Saúde da Criança e Aleitamento Materno do Ministério da Saúde, mulheres que amamentam também têm a saúde beneficiada.

“Mulheres que amamentam, consequentemente as que doam o leite materno, também têm benefícios. Estudos demonstram que elas apresentam menor chance de desenvolver câncer, como o de mama ou de útero. E, também, elas retornam ao peso de antes da gravidez.”

Especialistas em saúde recomendam o aleitamento materno até os dois anos de idade. Durante seis meses, o leite materno é o único alimento recomendado para o bebê e é considerado de suma importância para seu desenvolvimento.

Ingrid Fassanaro precisou recorrer a um Banco de Leite Humano, pois a filha Alice nasceu prematura e ficou internada na Unidade Neonatal do hospital. Além da ajuda oferecida pela equipe do local, a servidora pública conta que a troca de experiências com outras mulheres que frequentam a unidade, e que passavam pela mesma situação, foi tranquilizador.

“São várias mães passando pela mesma experiência, de várias classes sociais e todas ligadas a um mesmo sentimento: todas ali são mães e nos conectamos de uma forma muito bonita. Isso transforma vidas.”

Segundo o Ministério da Saúde, toda mulher que amamenta é uma possível doadora de leite materno. Para doar, basta ser saudável e não tomar nenhum medicamento que interfira na amamentação. 

O Banco de Leite Humano (BLH) do Hospital da Mulher Mãe Luzia funciona na Avenida FAB, número 81, no Centro de Macapá. A unidade funciona todos os dias das 8h às 18h e realiza coleta domiciliar. Para mais informações, entre em contato no WhatsApp (96) 98115-9018. 

“Doe leite materno. Nessa corrente pela vida, cada gota faz a diferença”. Para mais informações, ligue 136 ou acesse o site saude.gov.br/doacaodeleite.

Copiar o texto
Economia
03/06/2020 00:00h

Confederação Nacional de Municípios prevê um cenário ainda pior na economia até o fim do ano

Baixar áudio

Em maio deste ano, o Fundo de Participação dos Municípios (FPM)  apresentou uma queda de 23,5%, em comparação ao mesmo período de 2019. O FPM é uma transferência de recursos da União aos estados, municípios e o Distrito Federal. O repasse aos entes federativos ocorre a cada 10 dias. 

Os dados são da Confederação Nacional de Municípios (CNM) que afirma que, sem descontar a inflação, os repasses três parcelas de maio deste ano somaram cerca de R$ 7,7 bilhões. No mesmo mês do ano passado as transferências somaram quase R$ 10 bilhões. 

Em meio ao cenário de pandemia do novo coronavírus, segundo Eduardo Stranz, consultor da CNM, a tendência é que a arrecadação de municípios seja ainda mais prejudicada até o final do ano. 

“Vai ser muito mais complicado, porque não é só o FPM, outras arrecadações também estão caindo, como o ICMS, o ISS, o ITBI, o IPTU, IPVA. Todos os impostos estão caindo muito e isto vai ter um grande problema na administração dos municípios.”

Para minimizar os impactos do novo coronavírus, no início de abril deste ano, o governo federal editou uma medida provisória que estabelece o apoio financeiro a estados, municípios e DF, por meio da correção na queda nos repasses do Fundo de Participação dos Municípios entre 2019 e 2020. 

Entretanto, o reparo financeiro é válido apenas entre os meses de março e junho deste ano e será depositado na conta dos entes federativos até o décimo quinto dia útil no mês seguinte da variação observada.

Incerteza
Stranz afirma que a MP é apenas um socorro financeiro paliativo e, por si só, não irá conter o prejuízo econômico trazido pela pandemia. “Por quatro meses, a gente tem essa garantia, mas a partir de julho, não haverá mais essa complementação e, pelo o que estão percebendo, a economia também não vai se recuperar por isso teremos muitos problemas a partir de agora”, afirma o consultor. 

Entre janeiro e maio deste ano, em valores nominais, o recuo nos repasses do Fundo de Participação dos Municípios caiu de aproximadamente de cerca de R$ 46 bilhões para R$ 44 bilhões, o que representa um recuo de 4,55%.

Copiar o texto
Saúde
02/06/2020 20:00h

Decisão foi motivada devido ao baixo comparecimento do grupo prioritário para essa etapa

Baixar áudio

Devido ao baixo comparecimento do público-alvo, o Ministério da Saúde decidiu prorrogar, para 30 de junho, a terceira e última fase da Campanha Nacional  de Vacinação contra a Gripe o. Essa etapa foi dividida  em duas fases e, neste momento, podem se vacinar professores de escolas públicas e privadas,  e adultos de 55 a 59 anos de idade. 

A terceira fase da campanha terminaria na próxima sexta-feira (5), mas segundo o Ministério da Saúde foram vacinadas menos de  26% das mais de 36 milhões de pessoas estimadas.De acordo com a pasta, a meta é vacinar 90% de todos os grupos prioritários. 

A vacina contra o Influenza pode auxiliar profissionais de saúde a excluir o diagnóstico de Covid-19, pois ambas doenças possuem sintomas semelhantes. O Ministério da Saúde afirma que distribuiu quase 75 milhões de vacinas contra a gripe na terceira fase da campanha. No total, a pasta investiu mais de R$ 1 bilhão nas três fases da campanha. 

Copiar o texto
Economia
02/06/2020 19:49h

Estabelecimentos só poderão funcionar com 40% da capacidade máxima

Baixar áudio

O comércio do setor de alimentação, como bares, restaurantes e lanchonetes reabriu nesta segunda-feira (1º), em 39 municípios do interior de São Paulo, entre eles Marília, Bauru, Jundiaí e Sorocaba. A reabertura será parcial e os estabelecimentos poderão funcionar com no máximo 40% da capacidade e com horário de atendimento ao público de seis horas seguidas. 

A decisão segue ao que foi estabelecido no Pacto Regional, documento assinado pelas prefeituras dessas cidades. O presidente da Associação Brasileira de Bares e Restaurantes de São Paulo, Percival Maricato, afirma que os estabelecimentos já estão prontos para reabrir, pois esse tipo de comércio sempre precisou seguir regras rígidas dos órgãos de fiscalização. 
 
“Os bares e restaurantes já têm em seu cotidiano a preocupação com a segurança alimentar, que inclui evitar a contaminação nas mais diversas atividades. Isso é do cotidiano [desses estabelecimentos] que já são fiscalizados pelos órgãos públicos.”

Nesta semana, também entrou em vigor o Plano São Paulo, conjunto de diretrizes estabelecidas pelo governo estadual sobre quais comércios podem reabrir em cada município. O protocolo dividiu o estado em 17 regiões, conforme a atuação dos Departamentos Regionais de Saúde em determinado conjunto de cidades. Dessa forma, cada região foi colocada em uma escala que vai de 1 a 5, sendo que cada fase estabelece quais os segmentos que podem reabrir durante a pandemia. A primeira fase é a mais restritiva (apenas o comércio essencial pode abrir) e a quinta fase permite a reabertura de todos os estabelecimentos. 

Segundo o governo de São Paulo, a definição das escalas segue critérios como ocupação de leitos de UTI para pacientes com a Covid-19 e número de internações causadas pela doença. Apesar das recomendações do Plano São Paulo, cabe a cada prefeitura definir o que pode ou não ser reaberto. 

Flexibilização 

O município de Marília não estaria preparado para reabrir bares e restaurantes, segundo o entendimento do governo de São Paulo. Apesar disso, um decreto municipal da cidade colocou Marília na Fase 4 do Plano São Paulo, o que permite a abertura de estabelecimentos do ramo de alimentação, de academia e shoppings. A cidade é a única em todo o estado nesta fase. 

O prefeito da cidade, Daniel Alonso (PSDB), defende a medida por conta da falência de diversas lojas da região e diz que será um desafio um aumento de casos do novo coronavírus na cidade e que até esta terça-feira (2) contava com 98 registros da doença. 

“É claro que não dá para ficar 100% aliviado, porque todas essas aberturas acarreta ainda mais responsabilidades, por isso que devemos estar sempre amparados com o parecer técnico científico da Secretaria de Saúde, da Vigilância Sanitária e da Epidemiologia”, afirmou o político.

Copiar o texto

Acesse nossos conteúdos de rádio