Cadastro de mídia

TERMO DE USO E PARCERIA

TERMO DE USO E PARCERIA

Regras de Uso

1º - A utilização gratuita e livre dos materiais produzidos pelo Brasil 61 só será permitida depois que este termo de parceria for aceito pelo usuário, prevendo as seguintes regras:

a) A utilização do material - na íntegra, ou em partes - só será permitida desde que as informações não sejam distorcidas, manipuladas ou alteradas.

b) Não é necessário a identificação do Brasil 61 na hora da replicação do conteúdo. Mas toda e qualquer veiculação de áudios produzidos pelo Brasil 61 prevê o cadastro no site, com a disponibilização de dados que serão utilizados para a organização do mailing desta empresa,

2º - OBRIGAÇÕES DO BRASIL 61

a) O Brasil 61 se compromete, a partir deste termo de uso, a produzir conteúdo particularizado diariamente, trazendo informações de dia-a-dia e bastidores do Planalto Central, além de outras temáticas de relevância do noticiário nacional. 

b) O acesso ao conteúdo jornalístico (na versão de leitura) é livre e gratuito, podendo ser replicado por qualquer usuário que acesse o site. O download do áudio para que seja utilizado na programação das rádios requer que o radialista realize o login no site da Agência do Rádio - informando e-mail e senha cadastrados. 

3º - OBRIGAÇÕES DOS COMUNICADORES PARCEIROS

Não alterar o sentido dos materiais, ou distorcer fala de entrevistados ou mudar a conotação das mensagens dos materiais. 

ADENDOS IMPORTANTES SOBRE A PARCERIA

a) O Brasil 61 poderá distribuir conteúdo patrocinado com ou sem assinatura dos clientes patrocinadores do boletim e sem aviso prévio ao comunicador. 

b) As rádios parceiras não vão ter participação financeira sobre o faturamento do Brasil 61.

c) Os comunicadores podem patrocinar os conteúdos do Brasil 61, desde que não alterem o sentido e a conotação dos conteúdos oferecidos. Nesses casos, o Brasil 61 Mais não terá participação nos lucros conquistados pelos veículos parceiros. 

Ao clicar em ACEITO, a emissora aqui cadastrada afirma concordar e estar ciente de todas as condições apresentadas neste Termo de Utilização de Conteúdo.

Ceará

03/07/2020 20:00h

Boletim epidemiológico do Ministério da Saúde desta sexta-feira (03) aponta 63.174 óbitos desde o início da pandemia

Baixar áudio

O boletim epidemiológico do Ministério da Saúde sobre a covid-19, divulgado nesta sexta-feira (3), mostra que o total de infectados no país é de 1.539.081 brasileiros. Mais de 42 mil casos foram registrados nas últimas 24 horas. O número de vidas perdidas já soma 63.174 desde o início da pandemia. 

Os números do governo federal apontam ainda que 56% das pessoas que contraíram o coronavírus estão recuperadas. São Paulo, Rio de Janeiro e Ceará seguem como os estados mais afetados pela doença. Acre, Tocantins e Mato Grosso do Sul são as unidades da Federação com menor incidência da Covid-19.
 

Copiar o texto
30/06/2020 20:00h

Números do Ministério da Saúde desta terça-feira (30) apontam 59.594 óbitos

Baixar áudio

O Brasil registrou quase 34 mil novos casos de Covid-19 no período de 24 horas. É o que aponta o mais recente boletim epidemiológico do Ministério da Saúde, divulgado na noite desta terça-feira (30). O total de infectados é de 1.402.041 e os óbitos em território brasileiro são 59.594.

Os dados atualizados do Governo Federal revelam ainda que 56% das pessoas que tiveram a Covid-19 estão recuperadas e que cerca de 552 mil casos estão em acompanhamento. São Paulo, Rio de Janeiro e Ceará aparecem no topo da lista de estados mais afetados pela pandemia.
 

Copiar o texto
24/06/2020 13:00h

Senador vê novo marco do saneamento como “inovador” e afirma que competição entre companhias estatais e privadas “é boa para o consumidor”; texto deve ser votado hoje (24)

Baixar áudio

O senador Styvenson Valentim (PODE-RN) defende a aprovação do novo marco do saneamento básico por ser uma matéria “inovadora”. O PL 4.162/2019, que abre concorrência no setor na tentativa de alavancar investimentos, está previsto para ser votado nesta quarta-feira (24) no Senado. Hoje, segundo dados do Sistema Nacional de Informações de Saneamento (SNIS), o atendimento total de esgoto alcança menos de 40% dos moradores de Natal. 

Para o parlamentar, a abertura de mercado, que vai permitir que empresas públicas e privadas possam prestar o serviço por meio de contratos firmados por licitação, beneficia os brasileiros. “A população exige e quer um bom serviço. A competição é boa até para o consumidor ter com quem reclamar. É mais fácil reclamar com a companhia privada ou com a pública? A população está esquecida há muitos anos pelo poder público nesse quesito, que é água potável e esgoto”, aponta Valentim. 

Sobre a iminente aprovação do PL, o senador espera que ele seja aprovado sem ressalvas, mas reconhece que ainda pode haver discussão em torno de alguns temas. “Alguns parlamentares acreditam que o Estado ainda seja esse grande provedor dos serviços, mas a maioria das empresas públicas hoje só são cabides de emprego”, critica.

Caso a proposta seja aprovada pelos senadores, a Agência Nacional de Águas (ANA) passa a estabelecer parâmetros de qualidade para os serviços de saneamento. Mecanismo que, para Styvenson Valentim, proporcionará o bom funcionamento dos serviços. “Ter essa padronização nas resoluções e nas ordens pela ANA é imprescindível”, completa. 

O senador Eduardo Girão (PODE-CE) também acredita que a nova legislação “é extremamente positiva, embora venha de forma tardia”. Em Fortaleza, menos de 50% dos moradores contam com atendimento total de esgoto e 22,7% vivem sem água potável para lavar as mãos e cozinhar alimentos – orientações simples e recomendadas pela Organização Mundial da Saúde (OMS) no combate à disseminação da covid-19. 

A nova atribuição da ANA é bem vista por Girão para colocar o setor nos trilhos. “Acho que vai trazer mais estabilidade de regras, viabilizando um ambiente de negócios mais atrativo e investidores por meio de uma prestação mais segura para a população.” 

Para Girão, a entrada de capital privado pode ajudar na sonhada universalização de serviços de água e esgoto até 2033.

“Toda concorrência é saudável. Os contratos terão que comprovar, obviamente, a viabilidade econômico-financeira da contratada por recursos próprios ou contratação de dívida, com vistas a viabilizar a universalização dos serviços dentro do prazo estabelecido no Plano Nacional de Saneamento Básico. Por isso, a escolha de empresas economicamente aptas e com expertise necessária é crucial para evolução do saneamento”, ressalta. 

Outra novidade prevista no marco do saneamento é a formação de blocos regionais para a prestação do serviço, onde uma empresa escolhida por licitação pode operar em mais de uma cidade. Esse mecanismo é uma tentativa de ajudar locais que individualmente não teriam capacidade de atrair investimentos. Segundo Eduardo Girão, isso pode contribuir para regionalização do saneamento no Ceará e demais estados do Nordeste.

“Isso vai permitir ganhos de escala e inclusão de áreas menos rentáveis aos blocos”, indica o senador. Para evitar que o serviço prestado às regiões mais necessitadas seja deixado de lado em detrimento das capitais e regiões metropolitanas, onde o mercado é mais atrativo, o PL 4.162 deixa claro que nenhuma empresa pode deixar de atender, à revelia, determinado município, sob a pena de ter o contrato de concessão cancelado. 

Atraso nacional

Segundo dados do SNIS, 33,1 milhões de brasileiros ainda não têm acesso à água potável, o que corresponde a 16,4% da população. Quase 100 milhões ainda não têm acesso a serviços de coleta de esgoto – 46,9% do total de habitantes no país. Apenas 46,3% do esgoto produzido é tratado.

Em ranking elaborado e divulgado em 2020 pelo Trata Brasil, capitais como Porto Velho (4,76%) e Macapá (11%) convivem com péssimos índices de atendimento de esgoto. Ao contrário de cidades como Curitiba (99,9%) e São Paulo (96,30%), as melhores do país no quesito. 
 

Copiar o texto
Saúde
22/06/2020 11:15h

Estado soma agora 105 aparelhos, que vão ajudar pacientes infectados pelo novo coronavírus com dificuldade em respirar

Baixar áudio

O sistema de saúde público do Ceará agora conta com mais quatro ventiladores pulmonares. Os equipamentos foram entregues pelo governo federal nas últimas semanas (de 9 a 15) e vão atender o município de Morada Nova. 

Essa é a terceira entrega do Ministério da Saúde ao estado cearense, que agora soma 105 aparelhos para dar assistência aos pacientes infectados pelo novo coronavírus que estão com dificuldade para respirar. Segundo a pasta, o esforço é parte de um apoio estratégico do governo brasileiro para atender estados e municípios no enfrentamento à pandemia. 

As entregas, segundo o ministério, levam em conta a capacidade instalada da rede de assistência em saúde pública, principalmente nos locais onde a transmissão se dá em maior velocidade. O Ministério da Saúde já entregou 4.435 ventiladores pulmonares em todo o Brasil. 

A aquisição é de responsabilidade de estados e municípios, mas a intervenção da União é no sentido de frear os avanços da doença diante do cenário de emergência e de calamidade pública. Até o momento, o ministério assinou cinco contratos com empresas brasileiras para produção de mais de 16 mil ventiladores. 

Além disso, o estado também já recebeu mais de quatro milhões de itens, como testes rápidos, máscaras e luvas. 

Copiar o texto
Economia
10/04/2020 03:00h

Instituição lidera força-tarefa, em parceria com dez multinacionais, para recuperar 3,6 mil equipamentos no país e aumentar capacidade de atendimento a pacientes infectados

Baixar áudio

Enquanto o governo do estado espera que parte dos equipamentos comprados da China para combate e proteção à covid-19 sejam entregues até 15 de abril, o SENAI trabalha para recuperar respiradores mecânicos. Esses aparelhos são essenciais no tratamento de infectados que apresentam sintomas graves.

A instituição fechou parceria com dez grandes indústrias para, de forma voluntária, deixar esses aparelhos danificados prontos para uso. Em Fortaleza, o SENAI Jacarecanga teve três salas transformadas em centrais de manutenção e produção de peças de reposição. A ação é feita com apoio da Fundação Cearense de Apoio ao Desenvolvimento Científico e Tecnológico (Funcap), do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Ceará e da Universidade Federal do Ceará (UFC). 

“Temos uma equipe multidisciplinar composta por engenheiros clínicos, pneumologistas, médicos intensivistas, fisioterapeutas e técnicos do SENAI, que atuam nessas áreas da eletrônica, mecânica, mecatrônica, hidráulica e pneumática”, explica Paulo André Holanda, diretor regional do SENAI-CE.

A ação, que se estende a outros 12 estados, pode recuperar cerca de 3,6 mil ventiladores pulmonares que estão fora de operação no Brasil, seja porque foram descartados ou têm necessidade de manutenção. No total, existem 65.235 desses equipamentos no país, sendo 17.837 na rede privada e 47.398 no Sistema Único de Saúde (SUS). A estimativa é que cada ventilador recuperado poderá atender até dez pessoas. Os dados são da LifesHub Analytics e da Associação Catarinense de Medicina (ACM).

“Em um nível de utilização intensa, esses respiradores podem apresentar mais defeitos do que o usual. A doença exige muito dos respiradores. Sem os respiradores, o sistema vai entrar em colapso. A gente precisa aumentar a linha de produção nacionalmente”, alerta o médico e presidente da ACM, Ademar José de Oliveira Paes Junior.

Ao todo, 25 pontos da iniciativa + Manutenção de Respiradores, dos quais 10 são unidades do SENAI e 15 estão em unidades de oito montadoras e fábricas da ArcerlorMittal e da Vale, estão espalhados pela Bahia, Ceará, Espírito Santo, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Minas Gerais, Paraná, Pernambuco, Rio de Janeiro, Rio Grande do Norte, Rio Grande do Sul, Santa Catarina e São Paulo.

 

Educação x isolamento

 

O apoio do SENAI não se restringe apenas à área da saúde. Como forma de levar educação e qualificação profissional a milhões de brasileiros que precisam ficar em casa neste momento, a instituição abriu 100 mil vagas gratuitas em cursos a distância com temas ligados à tecnologia. Os interessados podem ter acesso por meio do Mundo SENAI e só precisam fazer um cadastro.

“O SENAI tem uma plataforma de educação à distância com repositório de material, com realidade aumentada. Também há kits simuladores à distância que propiciam o aprendizado. Estamos investindo, sobretudo, na formação de competência da indústria 4.0, que tende a ser um elemento portador de futuro na carreira dos trabalhadores brasileiros”, aponta diretor geral do SENAI, Rafael Lucchesi.

Essas e outras ações do SENAI para amenizar os efeitos da Covid-19 e proteger quem produz e quem consome fazem parte da campanha nacional “A indústria contra o coronavírus”. Também participam da iniciativa a Confederação Nacional da Indústria (CNI), o Serviço Social da Indústria (SESI), o Instituto Euvaldo Lodi (IEL) e as Federações das Indústrias dos estados e do DF. Mais detalhes sobre as ações de cada instituição podem ser acessados pelas redes sociais.

Copiar o texto
Saúde
17/03/2020 10:29h

A população dos municípios pequenos do sertão cearense precisa se prevenir das infecções sexualmente transmissíveis, as ISTs, como HIV, gonorreia, hepatites virais e sífilis.

Baixar áudio

A população dos municípios pequenos do sertão cearense precisa se prevenir das infecções sexualmente transmissíveis, as ISTs, como HIV, gonorreia, hepatites virais e sífilis. Essas doenças são transmitidas de uma pessoa a outra por meio de contato sexual desprotegido, ou seja, sem o uso da camisinha.

Na microrregião do Sertão dos Inhamuns, por exemplo, onde estão os municípios de Tauá, Catarina, Parambu e outras três cidades cearenses, as infecções por sífilis entre a população tiveram aumento de 138%, em apenas um ano, de 2017 a 2018.  Apenas nos seis primeiros meses de 2019, a sífilis infectou 44 pessoas na região. Os dados são do DataSUS.

Arte: Ítalo Novais/Sabrine Cruz

As autoridades em Saúde alertam que a negligência no uso de camisinha e a crença de que essas doenças são problemas apenas das cidades grandes podem ser fatores que contribuem para aumento das ISTs principalmente entre os jovens.

A assessora técnica do Núcleo de Prevenção às ISTs, da Secretaria de Saúde do Ceará, Lea Barroso, explica que o uso da camisinha é a forma mais fácil e segura para evitar infecções sexualmente transmissíveis. Ela lembra que as Unidades Básicas de Saúde têm camisinhas – masculinas e femininas – à disposição da população, de graça. 

“O principal método que a gente tem é o uso da camisinha. Não podemos deixar de falar sobre a importância do uso da camisinha, tanto masculina, quanto feminina. E, paralelo a isso, a gente trabalha em cima das questões de redução dos riscos que existem na vida sexual.”

O Ceará registrou, ao todo, 1,3 mil casos de sífilis, no primeiro semestre do ano passado e, nos últimos 10 anos, foram 9,8 mil casos registrados. Além disso, o estado teve 550 casos de HIV notificados, apenas nos seis primeiros meses de 2019. Já a Aids, doença causada pelo HIV, atingiu mais de 20 mil pessoas, nas últimas duas décadas. Os dados são dos Boletins Epidemiológicos divulgados pelo Ministério da Saúde.

A prevenção é a melhor forma de proteção das ISTs e o uso da camisinha é um hábito que precisa ser constante também entre os jovens dos municípios pequenos, como ressalta o diretor do Departamento de ISTs do Ministério da Saúde, Gerson Pereira.   

“Não podemos relaxar no uso da camisinha. São importantes para diminuir o número de infecções sexualmente transmissíveis. Então, a gente precisa trabalhar com os jovens, no sentido de alertar que a camisinha é importante e o uso dela livra das ISTs.”

Este ano, o Ministério da Saúde pretende distribuir mais de 570 milhões de camisinhas. A quantidade representa um aumento de 12 por cento em relação ao número de camisinhas distribuídas no ano passado, quando foram enviadas 509,9 milhões aos estados.

Além disso, todas as unidades de saúde do SUS contam com testes rápidos ou laboratoriais para ISTs. Apenas para o diagnóstico da sífilis, serão distribuídos quase 14 milhões de testes rápidos em todo país.

Proteja-se! Usar camisinha é uma responsa de todos. Se notar sinais de uma infecção Sexualmente Transmissível (IST), procure uma unidade de saúde e informe-se. Saiba mais em: saude.gov.br/ist. Ministério da Saúde, Governo Federal. Pátria Amada, Brasil.

Copiar o texto
Saúde
13/03/2020 01:23h

No Instagram e no Facebook, desde o início do ano, foram publicados 15 conteúdos que esclarecem dúvidas e orientam os moradores

Baixar áudio

A Secretaria de Saúde tem utilizado as redes sociais como aliada para mobilizar a população na luta contra o mosquito que transmite dengue, Zika e chikungunya. No Instagram e no Facebook, desde o início do ano, foram publicados 15 conteúdos que esclarecem dúvidas e orientam os moradores, como sintomas e dicas de como manusear e armazenar água dentro de casa. 

A coordenadora de Vigilância Epidemiológica e Prevenção em Saúde da Secretaria Estadual de Saúde, Ricristhi Gonçalves, explica que esse canal é importante para os cearenses saibam como se proteger do Aedes.

“Nós estamos lançando vídeos, já foram lançados vários vídeos curtos nas redes sociais. A gente tem feito inúmeros vídeos informando a população e orientando que bastam dez minutos, uma vez por semana, para fazer uma vistoria em casa.”

ARB Mais

A ação preventiva é um esforço do estado por conta da possibilidade de surto de dengue em 2020, segundo projeção do Ministério da Saúde. Isso porque o Ceará pode ter um aumento no número de casos da doença com o retorno do vírus tipo 2, que não circulava há cerca de dez anos. 

As pessoas que já tiveram dengue do tipo 1, o mais comum no país, estão imunes a esse sorotipo, mas podem ser contaminadas pelo tipo 2. Toda a região Nordeste, além do Rio de Janeiro e do Espírito Santo, está em alerta, como explica o diretor do Departamento de Imunizações da Secretaria de Vigilância em Saúde do Ministério da Saúde, Júlio Croda. 

“A nossa avaliação de risco é que existem bastante pessoas suscetíveis nessas regiões e particularmente porque o sorotipo 2 não circulou muito no ano passado, a gente acredita que esse ano pode ter uma circulação importante.”

Neste ano, até o dia primeiro de fevereiro, o Ceará registrou 830 casos prováveis de dengue, 92 de chikungunya e nenhuma notificação de Zika, segundo o Ministério da Saúde. Por isso, a luta contra o Aedes não pode parar. E você? Já combateu o mosquito hoje? A mudança começa dentro de casa. Proteja a sua família. Para mais informações, acesse saude.gov.br/combateaedes. Ministério da Saúde, Governo Federal. Pátria Amada Brasil.

Copiar o texto
Saúde
12/03/2020 11:21h

Em 2020, o Ceará já notificou mais de 1,6 mil casos prováveis de dengue, o que significa um aumento de 16% em relação ao mesmo período do ano passado.

Baixar áudio

O Ceará já teve 418 casos confirmados de dengue em 2020. Dois municípios cearenses estão com alto índice de incidência da dengue: Pacoti, localizada no norte, e Catarina, no sudoeste, apresentam taxas de notificação acima de 300 casos por 100 mil habitantes. Os dados são do Sistema de Informação online, da Secretaria estadual de Saúde. 

Em 2020, o Ceará já notificou mais de 1,6 mil casos prováveis de dengue, o que significa um aumento de 16% em relação ao mesmo período do ano passado. O estado apresenta, neste ano, um índice de 16,4 casos a cada 100 mil habitantes. Na capital, Fortaleza, cinco casos da doença já foram confirmados neste ano.

Os números preocupam as autoridades em Saúde principalmente porque, em 2020, o sorotipo 2 da dengue tem se propagado com maior intensidade, como explica a coordenadora de Vigilância Epidemiológica e Prevenção em Saúde, da Secretaria de Saúde do Ceará, Ricristhi Gonçalves. Ela lembra que combater os focos do mosquito transmissor da dengue, Zika e chikungunya é responsabilidade de toda a população. 

“Nossa preocupação maior é com os suscetíveis: pessoas que nunca adoeceram de dengue por conta do sorotipo 2. Já estamos nos mobilizando. Desde o primeiro dia de 2020, botamos isso como pauta permanente em várias instâncias. Os nossos trabalhadores estão bastante alertas em relação a isso e alertamos a população para que tenha cuidado redobrado, porque esse é um período em que a gente tem maior precipitação chuvosa, aqui, no Ceará e isso nos preocupa sobretudo por conta dos depósitos e recipientes que possam estar expostos e possam virar criadouros.”

Arte: Ítalo Novais/ Sabrine Cruz

Em janeiro, o Ministério da Saúde declarou que 12 estados brasileiros correm o risco de sofrer surto de dengue. Além de toda a região Nordeste, a população do Rio de Janeiro, Espírito Santo e São Paulo, deve ficar atenta para o possível surto do sorotipo 2 da dengue. 

Coordenador-Geral de Vigilância em Arbovirose, do Ministério da Saúde, Rodrigo Said, pede que a população dos estados siga as orientações e entre no enfrentamento ao Aedes aegypti

“Hoje, mais de 80% dos criadouros do mosquito são domiciliares. Então, a ação de controle é necessária, integrada de atividades do poder público, tanto do Ministério da Saúde, como das secretarias estaduais e municipais, de saúde, aliado as ações de mobilização da população.”

Dados do Ministério da Saúde revelam que, em 2019, foram notificados mais de um milhão e meio de casos prováveis de dengue, em todo país. A taxa de incidência, para cada grupo de 100 mil habitantes, ultrapassou 735 ocorrências. 

E você? Já combateu o mosquito hoje? A mudança começa dentro de casa. Proteja a sua família. Para mais informações, acesse saude.gov.br/combateaedes.
 

Copiar o texto
Saúde
12/03/2020 04:42h

Um milhão e meio de moradores da capital estão suscetíveis à infecção do sorotipo 2 da dengue, em 2020. Nesse grupo, estão inclusos crianças de até 12 anos e pessoas que nunca foram infectadas por esse tipo do vírus que causa a doença, segundo a Secretaria de Saúde.

Baixar áudio

Um milhão e meio de moradores da capital estão suscetíveis à infecção do sorotipo 2 da dengue, em 2020. Nesse grupo, estão inclusos crianças de até 12 anos e pessoas que nunca foram infectadas por esse tipo do vírus que causa a doença, segundo a Secretaria de Saúde.

Segundo o coordenador de Vigilância em Saúde, Nélio Batista, a presença desse tipo de dengue não era registrada na cidade há cerca de 11 anos, o que torna boa parte da população vulnerável.

“De 2008, quando foi a última circulação do sorotipo 2, até 2019, nasceram 350 mil pessoas em Fortaleza. Então, só aí temos 350 mil pessoas vulneráveis. Fora isso, eu tenho as pessoas que nunca tiveram o sorotipo 2 na cidade.”

Para eliminar os focos do Aedes, a Secretaria de Saúde tem reforçado as ações de combate e de prevenção na cidade. Uma delas é o projeto “Quintal Limpo”, em que 120 agentes de mobilização visitam os bairros e distribuem sacos plásticos e realizam gincanas, passeatas, palestras e reuniões com os moradores. 

O coordenador de Vigilância em Saúde, Nélio Batista, explica que essas visitas a domicílios são planejadas de acordo com os índices de infestação do mosquito em imóveis, baseados nos dados do Levantamento Rápido de Índices de Infestação pelo Aedes, o LIRAa. 

“Se a fotografia do LIRAa me disser que no bairro “X” de Fortaleza eu estou tendo um índice de infestação em depósitos acima da média, imediatamente a gente manda o [grupo] ‘Quintal Limpo’ para lá.”

Este ano, até 20 de fevereiro, foram confirmados três casos do sorotipo 2 de dengue, segundo as autoridades locais de saúde. Os bairros de Jangurussu, Vicente Pizon e Messejana devem ter atenção redobrada, já que registraram mais notificações da doença em 2019.

No total, a capital registrou, até 8 de fevereiro, 85 casos de dengue, cinco de chikungunya e nenhum de Zika. Os dados são da Secretaria Estadual. Por isso, a luta contra o Aedes não pode parar. E você? Já combateu o mosquito hoje? A mudança começa dentro de casa. Proteja a sua família. Para mais informações, acesse saude.gov.br/combateaedes

Arte: Ítalo Novais/Sabrine Cruz

Copiar o texto
Saúde
12/03/2020 04:34h

Além do investimento financeiro, o governo estadual premia os municípios que alcançam índices considerados satisfatórios de incidência e casos de dengue

Baixar áudio

Por causa do risco de surto de dengue, a Secretaria Estadual de Saúde tem investido em 2020 na compra de materiais para combater o Aedes aegypti, como peças e veículos para fumacê, rolos de telas de nylon e equipamentos de proteção individual (EPI). Desde 2016, foram repassados mais de R$ 13 milhões para os 184 municípios cearenses, que utilizam os recursos, por exemplo, para capacitar os agentes de endemias e distribuir materiais educativos à população. 

Além do investimento financeiro, o governo estadual premia os municípios que alcançam índices considerados satisfatórios de incidência e casos de dengue, zika e chikungunya. Quem dá mais detalhes é a coordenadora de Vigilância Epidemiológica e Prevenção em Saúde da Secretaria Estadual de Saúde, Ricristhi Gonçalves.

“Estamos trabalhando com os municípios com um incentivo financeiro para aqueles que têm os melhores indicadores em relação ao controle de arboviroses. A gente encerrou agora um período de análise desses indicadores e os municípios que tiverem o melhor desempenho irão receber um incentivo financeiro, que pode superar o valor que os municípios recebem do governo.” 

Além dos esforços das autoridades de saúde, a população cearense precisa fazer sua parte e redobrar as medidas preventivas e de combate ao Aedes. Isso porque, segundo o Ministério da Saúde, há possibilidade de o sorotipo 2 da dengue voltar a circular no estado este ano. Em 2019, segundo dados da Secretaria Estadual de Saúde, 31% das amostras que confirmaram casos de dengue no Ceará eram do sorotipo 2. 
Quem já teve dengue do tipo 1, o mais comum do país, está imune a esse sorotipo, mas pode ser contaminado pelo tipo 2 da doença.

O pesquisador da Fiocruz Brasília Claudio Maierovitch explica que como esse novo vírus não estava em circulação no país, as pessoas estão mais vulneráveis a ele. 

“Há alguns anos, o sorotipo 2 não circulava com muita intensidade pelo país, mas ele voltou a circular. E como ele estava distante, muita gente está suscetível e não tem imunidade contra ele.”

Até 1º de fevereiro, o Ceará registrou 830 casos prováveis de dengue, 92 de chikungunya e nenhum de zika, segundo o Ministério da Saúde. Por isso, a luta contra o Aedes não pode parar. E você? Já combateu o mosquito hoje? A mudança começa dentro de casa. Proteja a sua família. Para mais informações, acesse saude.gov.br/combateaedes. Ministério da Saúde, Governo Federal. Pátria Amada Brasil.

Copiar o texto

Acesse nossos conteúdos de rádio