Ceará

14/09/2021 12:00h

Unidades trabalham de forma integrada. Assim, hemocentros que apresentam volumes acima de sua necessidade cedem bolsas a outros a fim de manter equilíbrio

Baixar áudio

Com cinco regiões de hemoterapia, a hemorrede Ceará se mantém estável graças à mobilização para captação de novos doadores de sangue. Além do hemocentro coordenador que fica na capital cearense, outras unidades são responsáveis pelo armazenamento do estoque nos municípios que fazem parte da sua área de cobertura. São elas: Sobral, Iguatu, Quixadá, Crato e Juazeiro do Norte.

De acordo com Luciana Carlos, diretora-geral do Hemoce, a hemorrede trabalha de forma integrada. “Qualquer hemocentro que apresenta uma coleta acima de sua necessidade de transfusão, o estoque é remanejado a outras regionais para fins de equilíbrio. Mantemos uma estabilidade muito boa em toda hemorrede”, garante.

O publicitário Eduardo Mesquita, de 33 anos, doa sangue há mais de 14 anos e afirma ser muito gratificante saber que pode salvar uma vida. A motivação veio por meio de uma campanha de doação e captação de plaquetas no primeiro emprego dele.

“Isso é colaborar com alguém que esteja precisando, é algo que sobra e que representa sua saúde, seu estado físico. Mesmo sem saber para quem está sendo doado, você consegue ajudar ao próximo”, disse o morador do bairro Aldeota de Fortaleza, capital cearense.

O Governo Federal, por meio do Ministério da Saúde, reforça a importância da doação regular. “Vamos aproveitar essa oportunidade para reafirmar não só as ações de enfrentamento à pandemia, mas também a necessidade contínua de cumprir o preceito constitucional da saúde como direito fundamental. O sangue, ao longo do tempo, simboliza a vida. E, nesse sentido, é importante a doação regular de sangue. Doe sangue regularmente, Com a nossa união, a vida se completa”, diz Marcelo Queiroga, ministro da Saúde.

Onde doar sangue no Ceará

Interessados em doar sangue ou se cadastrar para doar medula óssea podem procurar, além do hemocentro coordenador do estado, as unidades regionais, que ficam em Crato, Juazeiro do Norte, Iguatu, Quixadá e Sobral. 

O hemocentro localizado em Sobral, no noroeste cearense, atende a outros 11 municípios. Entre eles, estão: Cariré, Forquilha, Graça, Pacujá, Mucambo e Senador Sá. A unidade fica na Rua José Maria Alverne, número 383, no Centro. O telefone para contato é (88) 3677-4624/4627.
Já o hemocentro de Iguatu, no centro-sul cearense, está mais próximo de quatro cidades, como, Icó, Orós e Quixelô. A unidade está localizada na Rua Edilson de Melo, sem número, na Vila Centenário. O telefone para contato é (88) 3581- 9409.

O hemocentro regional em Crato, no Cariri, é mais acessível aos moradores de oito cidades, entre elas, Juazeiro do Norte, Porteiras e Nova Olinda, por exemplo. Para chegar lá, dirija-se à Rua Coronel Antônio Luís, número 1.111, Bairro Pimenta. O telefone é (88) 3102-1260. 

Residentes dos municípios de Banabuiú, Boa viagem, Choró, Ibaretama, Madalena e Quixeramobim, podem se dirigir à regional de Quixadá, na Avenida Francisco Almeida Pinheiro, número 2340,  no Planalto Universitário. O telefone para contato é (88) 3445-1009. 

Localizado na Rua Beata Maria de Araújo, número 30, Bairro Romeirão, o Hemonúcleo de Juazeiro do Norte, no Cariri, está mais próximo dos moradores Barbalha, Crato, Jardim, Missão Velha, Nova Olinda, Porteiras e Santana do Cariri. O telefone para contato é o (88) 3102-1170. Todas as unidades também fazem agendamento para coleta de sangue ou cadastro para novos doadores de medula óssea. 
Para saber mais informações sobre endereços e horários de funcionamento das unidades mais próximas de você, veja o mapa abaixo. 

Critérios para doar sangue e medula óssea

De acordo com a Coordenação-Geral de Sangue e Derivados do Ministério da Saúde, o procedimento para doação de sangue é simples. Primeiro se faz o cadastro, aferição de sinais vitais, teste de anemia, triagem clínica, coleta de sangue e depois o lanche. Isso tudo leva em média 40 minutos.

Vale lembrar que até mesmo quem foi infectado pelo coronavírus pode doar sangue e medula óssea. No entanto, é necessário aguardar 30 dias após completa recuperação da doença. Quem teve contato com pessoas infectadas também precisa esperar 14 dias para poder fazer a doação, apresentando RT-PCR negativo e ausência de sintomas. Os vacinados devem esperar o tempo de imunização que vai depender da marca do imunizante.

Para doar sangue é necessário ter entre 16 e 69 anos de idade e pesar no mínimo 50 quilos. Mulheres podem doar até três vezes ao ano com intervalo de três meses entre as doações. Já os homens podem doar até quatro, com intervalo de dois meses. A doação é voluntária e uma bolsa de apenas 450mL de sangue pode ajudar até quatro pessoas.

Candidatos à doação de medula óssea devem ter entre 18 e 35 anos, estar em bom estado de saúde e não apresentar doença infecciosa ou incapacitante. Segundo o Redome, algumas complicações de saúde não são impeditivas para doação, sendo analisado caso a caso.

Doar sangue e medula é seguro! Com a pandemia, todos os protocolos de contenção contra a Covid-19 estão sendo realizados. No dia da doação, será preciso apresentar documento de identificação com foto. Para saber onde doar sangue ou se cadastrar para doar medula óssea, acesse hemoce.ce.gov.br.

Copiar o texto
03/09/2021 03:00h

De acordo com pesquisa do IBGE, a produção nacional teve variação nula na passagem entre maio e junho. Quando comparada com junho de 2020, a produção industrial subiu 12%

Baixar áudio

A produção industrial no Brasil apresentou queda em dez dos 15 locais pesquisados pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Os dados se referem a junho de 2021 – quando o balanço passou pela última atualização – e são comparados ao mês imediatamente anterior.

No entanto, quando a relação é feita com o sexto mês de 2020, o indicador registra saldo positivo. Um dos destaques é o estado do Ceará. Neste recorte, a Unidade da Federação teve aumento de 31,1%. Os números também repercutiram no Congresso Nacional. Segundo o deputado federal Heitor Freire (PSL-CE), o quadro se deve ao avanço da vacinação contra a Covid-19 e do retorno gradual das atividades econômicas.

“Da mesma forma, com a reabertura gradual das fronteiras para retomarmos a exportação, era natural que a indústria voltasse a crescer. Essa é uma tendência que já temos observado nos últimos meses. Também se deve a medidas para o controle da pandemia, que vêm sendo tomadas, assim como a incentivos dos governos para o setor industrial”, considera.

Cenário nacional

De acordo com pesquisa do IBGE, a produção nacional teve variação nula na passagem entre maio e junho. Quando comparada com junho de 2020, a produção industrial subiu 12%.

Municípios de São Paulo podem perder R$ 1,05 bilhão em repasses do FPM com reforma do IR

MDR apresenta Programa Pró-Cidades a estados e municípios do Norte e Centro-Oeste

Para o resultado deste último recorte, o conselheiro do Conselho Federal de Economia, Carlos Eduardo de Oliveira Júnior, entende que houve uma participação do avanço da vacinação contra Covid-19. Já para justificar a estagnação na comparação anterior, ele elenca variados fatores.

“Isso pode ser detectado por alguns problemas conjunturais. Um deles é a elevação dos custos, com a elevação dos produtos importados, e também com a elevação do dólar. Isso faz com que a produção se reduza. Agora, temos uma grande incógnita, porque a elevação no preço da energia elétrica também vai fazer com que a produção não cresça, porque a energia elétrica está muito cara”, afirma.  

O balanço do IBGE revela, ainda, que, no indicador acumulado para o período entre janeiro e junho deste ano, frente a igual período de 2020, a expansão verificada na produção nacional alcançou doze dos quinze locais pesquisados, com destaque para Ceará (26,8%), Amazonas (26,6%) e Santa Catarina (26,1%).

Copiar o texto
02/09/2021 03:00h

Texto prevê redução no imposto cobrado sobre a renda das pessoas físicas e empresas, uma das bases de arrecadação dos estados via fundo de participações

Baixar áudio

Meio bilhão de reais. Este é o prejuízo que o estado do Ceará pode ter se a reforma do Imposto de Renda (IR), na versão do substitutivo do deputado Celso Sabino (PSDB/PA), for aprovada. A informação consta em levantamento da Federação Brasileira de Associações de Fiscais de Tributos Estaduais (Febrafite), que estudou o impacto do projeto (PL 2337/2021) sobre o orçamento dos estados e municípios. 
 
Entre outros pontos, a proposta revisa o IR cobrado das pessoas físicas (IRPF) e das pessoas jurídicas (IRPJ). No caso do IRPJ, a alíquota diminuiria de 15% para 6,5%. Estados e municípios alegam que a redução das alíquotas pagas pelas empresas vai causar perdas bilionárias aos entes subnacionais, uma vez que esses impostos constituem a base dos repasses que têm origem nos fundos de participação.
 
Segundo o levantamento da Febrafite, as perdas dos estados giram em torno de R$ 8,6 bilhões. O Ceará seria o quinto mais prejudicado, atrás apenas da Bahia, Maranhão, Pernambuco e Pará. 
 
Para Sara Felix, especialista da Febrafite, a reforma do IR proposta prejudica os cofres estaduais e municipais. “Ao mesmo tempo em que o próprio governo federal exige dos estados e municípios rigor e equilíbrio fiscal, impõe um modelo de reforma repassando uma conta para esses entes, retirando receita. São esses entes subnacionais que estão mais próximos do cidadão e são eles que são os mais cobrados por serviços de qualidade, sem que disponham de algum mecanismo para recuperar essa receita que é tão importante para a prestação desses serviços”, avalia.
 
Somadas as perdas do Fundo de Participação Estadual (FPE) e do Fundo de Participação dos Municípios (FPM), o Ceará pode ter que lidar com um rombo superior a R$ 800 milhões. Entidades que representam os entes da federação se manifestaram a respeito da revisão do IR. 

RS: além de reduzir empregos, PL 2337/2021 causará prejuízo de arrecadação no estado
 
O Comitê Nacional dos Secretários de Fazenda (Comsefaz) e Associação Brasileira das Secretarias de Finanças das Capitais (Abrasf) pediram a rejeição ao texto, que traria dificuldades para os estados e municípios reorganizarem as finanças e poderia afetar a prestação de serviços públicos à população.

Sara Felix acredita que restariam duas alternativas para estados, Distrito Federal e municípios. “A primeira seria elevar a tributação em outros setores para compensar a perda de receita, o que não me parece uma solução muito fácil, e a segunda alternativa seria reduzir os serviços prestados na proporção dessa perda. Poderá representar menos saúde, menos segurança, educação ou de serviço essencial que é prestado ao cidadão”, diz.

Arte: Brasil 61

Impasse

A reforma do IR está travada na Câmara porque não obtém apoio de estados e municípios e também desagrada ao setor produtivo. Por causa do impasse, o relator já apresentou quatro pareceres diferentes ao texto enviado pelo governo. Apesar de reduzir a alíquota de IRPJ e a Contribuição Social Sobre Lucro Líquido (CSLL), o texto prevê a tributação sobre lucros e dividendos em 20%. Hoje, as empresas são isentas desse imposto. 
 
Na ponta lápis, entidades do setor produtivo alegam que a reforma resulta em aumento da tributação sobre os investimentos produtivos, dos atuais 34% para 39,6%. O efeito pode ser o oposto do que deseja o governo, com menos investimentos, geração de emprego e renda. 
 
“Nesse momento, nós precisamos é de diminuição de impostos, não de aumentar. Se tributar mais a cadeia produtiva (matéria prima, transporte, indústria e comercialização), eu acredito que vai retrair os investimentos no País. Toda vez que você tem um aumento de qualquer tributação que seja, temos a consequência lógica da retração da economia”, afirma Eliseu Silveira, advogado e secretário da Comissão de Políticas Públicas da OAB de Goiás.
 
Para Sara Felix, a reforma tributária ampla, proposta pela PEC 110, no Senado, é o texto que mais pode ajudar a reduzir o chamado Custo Brasil e reaquecer a economia. “A PEC 110 busca proporcionar a não cumulatividade plena do imposto, ressarcimento ágil dos créditos acumulados para o contribuinte, redução da regressividade do sistema, fim da guerra fiscal que tem sido imensamente predatória para os caixas de estados municípios e, ainda, fortalecer a administração tributária no caminho de uma relação respeitosa e construtiva entre o fisco e os contribuintes. Tudo isso garantirá um ambiente concorrencial saudável e o efetivo combate à sonegação e à corrupção no País”, acredita. 

Copiar o texto
23/08/2021 16:25h

Rogério Marinho também se reuniu com representantes dos Bancos do Nordeste e da Amazônia para alinhar estratégias para investimentos no setor produtivo das das regiões Norte e Nordeste

Baixar áudio

O ministro do Desenvolvimento Regional, Rogério Marinho, visitou na última sexta-feira (20), as obras da Linha Leste do metrô de Fortaleza, no Ceará. O empreendimento vai contar com mais de R$ 660 milhões em investimentos do Governo Federal, além de contrapartidas do estado e de financiamento junto ao Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social, o BNDES. 

No total, o investimento na Linha Leste vai ser de R$ 1,6 bilhão.

"Essa obra vai permitir uma melhor qualidade de vida para a população de Fortaleza, para aqueles que moram na região mais adensada dessa importante capital do Nordeste do Brasil, reafirmando o nosso compromisso de não deixarmos obras paralisadas. Este Governo tem tido um comportamento de obras que se iniciaram em governos anteriores. Que, ao contrário do que acontecia anteriormente, nós estamos trabalhando firme para não deixarmos que o Brasil vire, de novo, um cemitério de obras inacabadas. Esse é o compromisso que nos foi dado pelo presidente Bolsonaro", afirmou o ministro.

A Linha Leste vai contar com mais de 12 quilômetros de extensão e treze estações. A previsão é que 150 mil passageiros possam ser transportados diariamente.

A primeira fase do projeto vai garantir a integração desse ramal com a Linha Sul, no Centro, e com o VLT Parangaba-Mucuripe e o Terminal de Ônibus de Papicu. 


Também em Fortaleza, Rogério Marinho se reuniu com representantes dos Bancos da Amazônia e do Nordeste. A pauta foi focada na aplicação dos Fundos Constitucionais de Financiamento para as duas regiões.

“A ideia foi alinharmos nossas estratégias em função da necessidade de investirmos no setor produtivo das duas regiões. Focarmos em atividades que permitam a geração de emprego, renda e oportunidade neste momento em que estamos saindo de uma pandemia. É importante que nosso foco seja voltado para ações que consigam mitigar os efeitos da pandemia e, ao mesmo tempo, enfrentar esse quadro crônico e histórico de desigualdades dessas regiões”, explicou Marinho.

O Banco do Nordeste é responsável por conceder os recursos provenientes do FNE e do Fundo de Desenvolvimento do Nordeste (FDNE). Já o Banco da Amazônia tem a mesma missão com o FNO e o Fundo de Desenvolvimento do Norte (FDNO). Esses fundos são geridos pelo MDR e pelas Superintendências de Desenvolvimento do Nordeste (Sudene) e da Amazônia (Sudam).

Para este ano, o FNE teve um valor aprovado de R$ 24,1 bilhões para serem concedidos a empreendedores rurais e urbanos do Nordeste. No ano passado, foram acertados financiamentos da ordem de R$ 25,8 bilhões para a macrorregião.

“Ficamos felizes pelo MDR ter essa proximidade e confiança com a gestão do Banco do Nordeste para procurarmos os melhores caminhos para fazer o alinhamento das políticas de desenvolvimento. E, quanto mais alinhados estivermos, melhor executaremos essa missão”, afirmou Romildo Rolim.

Já para o FNO, foram destinados R$ 7,5 bilhões. Em 2020, empreendedores e produtores rurais do Norte captaram R$ 10,4 bilhões em financiamentos.

No fim de julho, o ministro Rogério Marinho assinou a Portaria que estabeleceu os procedimentos, requisitos e condições para a quitação de dívidas com o Finam e o Finor. O índice de inadimplência das carteiras de debêntures dos dois fundos chega a 99% em consequência da complexidade do sistema, da alta carga moratória de juros e da insegurança jurídica causada por várias mudanças legais, principalmente entre 1991 e 2000. A dívida de empreendedores com os dois Fundos de Investimento chega a R$ 49,3 bilhões.

Copiar o texto
19/08/2021 03:00h

Locais têm adotado todas as medidas de contenção da Covid-19 para manter a segurança dos doadores

Baixar áudio

Apesar de os estoques sanguíneos do Hemocentro do Ceará (Hemoce) estarem seguros, a instituição insiste que novos voluntários à doação de sangue compareçam às unidades disponíveis e façam sua contribuição para pacientes que precisam de transfusão. 

Além da capital cearense, Sobral, Iguatu, Quixadá, Crato e Juazeiro do Norte também estão abertas para receber doadores de sangue e para fazer o cadastro a quem deseja ser um doador de medula óssea. Para isso, o primeiro passo é procurar uma dessas unidades e fazer uma pequena coleta de sangue para averiguar o tipo sanguíneo e a compatibilidade. 

Logo depois, o cadastro é repassado para o Registro Nacional de Doadores Voluntários de Medula Óssea (Redome), do Instituto Nacional do Câncer (Inca), órgão nacional responsável pelo gerenciamento das informações do doador e do paciente. Caso haja compatibilidade, o Redome entrará em contato com o doador para retirada das células.

Luciana Carlos, diretora-geral do Hemoce, disse que a instituição sempre visita os municípios do estado para receber doadores. Ela garante ainda que o local consegue manter os estoques adequados para atender os 480 serviços que são atendidos por eles. “Mesmo com os desafios da pandemia, tivemos uma resposta sempre muito positiva da população ao chamado do Hemoce para doação voluntária”, conta.

Atendimento regional

O hemocentro localizado em Sobral, no noroeste cearense, atende a outros 11 municípios. Entre eles, estão: Cariré, Forquilha, Graça, Pacujá, Mucambo e Senador Sá. A unidade fica na Rua José Maria Alverne, número 383, no Centro. O telefone para contato é (88) 3677-4624/4627.

Já o hemocentro de Iguatu, no centro-sul cearense, está mais próximo de quatro cidades, como, Icó, Orós e Quixelô. A unidade está localizada na Rua Edilson de Melo, sem número, na Vila Centenário. O telefone para contato é (88) 3581- 9409.

O hemocentro regional em Crato, no Cariri, é mais acessível aos moradores de oito cidades, entre elas, Juazeiro do Norte, Porteiras e Nova Olinda, por exemplo. Para chegar lá, dirija-se à Rua Coronel Antônio Luís, número 1.111, Bairro Pimenta. O telefone é (88) 3102-1260. 

Residentes dos municípios de Banabuiú, Boa viagem, Choró, Ibaretama, Madalena e Quixeramobim, podem se dirigir à regional de Quixadá, na Avenida Francisco Almeida Pinheiro, número 2340,  no Planalto Universitário. O telefone para contato é (88) 3445-1009. Todas as unidades também fazem agendamento para coleta de sangue ou cadastro para novos doadores de medula óssea. 

Doadora com maestria

A costureira Antônia Nobre, 36 anos, é cadastrada para doar medula. Ela conta que é um procedimento relativamente simples. “Nesse tempo, fui conhecendo melhor como funciona o cadastro e é algo bem prático. Não é nada complicado, eles tiram uma porcentagem para fazer exames sobre a medula. Eu acho muito importante que todos se cadastrem”, explica a moradora do Bairro Alto Santo Ceará e doadora de sangue há quatro anos.

Doação de sangue

Marcelo Queiroga, ministro da Saúde, garante que doar sangue é possível graças ao SUS. “Vamos aproveitar essa oportunidade para reafirmar não só as ações de enfrentamento à pandemia, mas também a necessidade contínua de cumprir o preceito constitucional da saúde como direito fundamental. O sangue, ao longo do tempo, simboliza a vida. E nesse sentido, é importante a doação regular. Doe sangue regularmente, com a nossa união, a vida se completa".

E quem vacinou contra a Covid-19 pode doar sangue?

Após a vacinação, é preciso aguardar um período para poder doar sangue e medula, de acordo com o tipo de vacina, conforme quadro abaixo: 

Laboratório 

Inaptidão para doação de sangue

Coronavac

48 horas

AstraZeneca/Oxford/Fiocruz

7 dias

BioNTech/Fosun Pharma/Pfizer

7 dias

Janssen-Cilag

7 dias

Gamaleya National Center

7 dias

Fonte: Ministério da Saúde

Onde doar sangue ou se cadastrar para doar medula óssea no Ceará

Além do hemocentro sede, em Fortaleza, e das unidades regionais em Sobral, Crato, Quixadá e Iguatu, a hemorrede cearense possui um hemonúcleo em Juazeiro do Norte. O local também faz coleta de sangue e faz o cadastramento de potenciais voluntários para doação de medula óssea. Para saber mais informações sobre endereços e horários de funcionamento das unidades, veja o mapa abaixo. 

Critérios para doação de sangue e medula óssea

De acordo com a Coordenação-Geral de Sangue e Derivados do Ministério da Saúde, o procedimento para doação de sangue é simples. Primeiro se faz o cadastro, aferição de sinais vitais, teste de anemia, triagem clínica, coleta de sangue e depois o lanche. Isso tudo leva em média 40 minutos.

Vale lembrar que até mesmo quem foi infectado pelo coronavírus pode doar sangue e medula óssea. No entanto, é necessário aguardar 30 dias após completa recuperação da doença. Quem teve contato com pessoas infectadas também precisa esperar 14 dias para poder fazer a doação, apresentando RT-PCR negativo e ausência de sintomas. Os vacinados devem esperar o tempo de imunização, que vai depender da marca do imunizante.

Para doar sangue é necessário ter entre 16 e 69 anos de idade e pesar no mínimo 50 quilos. Mulheres podem doar até três vezes ao ano com intervalo de três meses entre as doações. Já os homens podem doar até quatro, com intervalo de dois meses entre as doações. A doação é voluntária e uma bolsa de apenas 450mL de sangue pode ajudar até quatro pessoas.

Candidatos a doação de medula óssea devem ter entre 18 e 35 anos, estar em bom estado de saúde e não apresentar doença infecciosa ou incapacitante. Segundo o Redome, algumas complicações de saúde não são impeditivas para doação, sendo analisado caso a caso.

Doar sangue e medula é seguro! Com a pandemia, todos os protocolos de contenção contra a Covid-19 estão sendo realizados. No dia da doação, será preciso apresentar documento de identificação com foto. Para saber onde doar sangue ou se cadastrar para doar medula óssea, acesse hemoce.ce.gov.br.

Reportagem, Gabriela Andrade

Copiar o texto
13/08/2021 11:30h

Decisão judicial busca impedir a propagação de variantes do coronavírus pelo fluxo de viajantes que chegam ao Ceará

Baixar áudio

Quem quiser viajar para o Ceará nos próximos dias terá que apresentar um exame de detecção de Covid-19 negativo ou a comprovação da vacinação completa. A medida busca conter o avanço de variantes do novo coronavírus e foi aceita em decisão da Justiça Federal.  

Na determinação, o juiz avaliou que “não se trata de restrição de livre locomoção pelo país, nem restrição ao direito de liberdade, mas de proteção à vida, que é um direito de alta relevância”. 

Segundo dados da Secretaria de Saúde do Estado (Sesa), já foram confirmados 15 casos da variante Delta na região, todos de passageiros vindos de outros estados por via aérea. 

Com a decisão, a União e a Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) só podem autorizar o embarque em voos provenientes de outros estados com destino ao Ceará de passageiros que apresentem uma dessas duas condições: ou o comprovante de esquema vacinal completo contra Covid-19, ou o resultado negativo de exame de antígeno ou RT-PCR realizado em até 72h antes do voo.

Copiar o texto
13/08/2021 03:00h

O Hemoce manteve estoque sanguíneo controlado e até cedeu bolsas de sangue para estados, como São Paulo, Minas Gerais, Sergipe e Paraná, que estavam em situação de contingência.

Baixar áudio

O Hemocentro do Ceará (Hemoce) registrou este ano um aumento de oito por cento no número de doações em relação ao primeiro semestre do ano passado, início da pandemia do coronavírus. Em 2021, de janeiro a junho, foram captadas 48.293 doações, contra 44.071 doações registradas no mesmo período em 2020. Com o incremento, a rede Hemoce retoma os níveis pré-pandemia, mas continua com a campanha de mobilização para atrair novos doadores de sangue e de medula óssea em todo o estado.

Mesmo durante a pandemia, o Hemoce manteve estoque sanguíneo controlado e até cedeu bolsas de sangue para estados, como São Paulo, Minas Gerais, Sergipe e Paraná, que estavam em situação de contingência. A rede Hemoce conta com seis hemocentros e duas unidades de coleta e recebe doações de todas as regiões do estado e abastece cerca de 480 unidades de saúde cearenses.

Além do Hemocentro Coordenador, localizado na capital, na Avenida José Bastos, número 3390, Rodolfo Teófilo, telefone (85) 3101-2296, a rede conta com outros cinco hemocentros regionais, situados nas cidades de Sobral, Iguatu, Quixadá, Crato e Juazeiro do Norte. Monitorado diariamente e em tempo real, o estoque do Hemoce tem o percentual de mais de 90% das doações espontâneas. Cerca de 48% são regulares com armazenamento dentro da margem de segurança com hemocomponentes disponíveis para até 10 dias de atendimento

Para manter a população mobilizada, a coordenação do Hemoce realiza campanhas frequentes com coleta itinerante em cidades que não contam com hemocentros ou unidades de coleta permanentes, como relata a diretora-geral, Luciana Carlos. “A gente visita os municípios do estado indo até lá com nossa unidade ou recebendo doadores de todos os municípios para que assim todos possam participar. Mesmo com os desafios da pandemia, tivemos uma resposta positiva da população ao chamado do Hemoce para doação voluntária".

Gesto nobre

Bruna Vasconcelos, 34 anos, é socióloga e analista de pesquisa de opinião e moradora da capital cearense. Ela doa sangue há quatro anos no Hemoce e adora repetir o ato. Ela teve Covid-19 e precisou esperar 30 dias do fim dos sintomas para agendar a doação novamente. “Há outras situações em que as pessoas precisam de sangue, independente de estarmos vivendo ou não uma pandemia. Não se deve ter medo de ir doar, pois estão com agendamento prévio. É importante termos essa periodicidade de doar sangue”, alerta.

A mobilização faz parte da campanha ‘Doe Sangue Regularmente - Com a Nossa União a Vida se Completa, do Ministério da Saúde. O ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, reafirmou o compromisso do órgão em continuar incentivando a população brasileira a doar sangue. “Vamos aproveitar essa oportunidade para reafirmar não só as ações de enfrentamento à pandemia, mas também a necessidade contínua de cumprir o preceito constitucional da saúde como direito fundamental. O sangue, ao longo do tempo, simboliza a vida. E nesse sentido, é importante a doação regular de sangue. Doe sangue regularmente, com a nossa união, a vida se completa”, destaca o ministro.

A Coordenação-Geral de Sangue e Derivados do Ministério da Saúde explica que não há nenhum substituto para o sangue e que a doação é a responsável por garantir a reserva de sangue que será utilizada para diversos fins nas unidades de saúde. Pessoas com doenças crônicas, tais como a talassemia e a doença falciforme ou com determinados tipos de câncer, assim como aquelas que se submetem a transplantes e cirurgias de grande porte ou que se acidentam, necessitam de transfusão de sangue.

Critérios para doação de sangue e medula óssea

De acordo com a Coordenação-Geral de Sangue e Derivados do Ministério da Saúde, o procedimento para doação de sangue é simples. Primeiro se faz o cadastro, aferição de sinais vitais, teste de anemia, triagem clínica, coleta de sangue e depois o lanche. Isso tudo leva em média 40 minutos.
 
Vale lembrar que até mesmo quem foi infectado pelo coronavírus pode doar sangue e medula óssea. No entanto, é necessário aguardar 30 dias após completa recuperação da doença. Quem teve contato com pessoas infectadas também precisa esperar 14 dias para poder fazer a doação, apresentando RT-PCR negativo e ausência de sintomas. Já os vacinados, devem esperar o tempo de imunização que vai depender da marca do imunizante.
 
Para doar sangue é necessário ter entre 16 e 69 anos de idade e pesar no mínimo 50 quilos. Mulheres podem doar até três vezes ao ano com intervalo de 3 meses entre as doações. Já os homens podem doar até quatro, com intervalo de 2 meses entre as doações. A doação é voluntária e uma bolsa de apenas 450mL de sangue pode ajudar até quatro pessoas.
 
Candidatos a doação de medula óssea devem ter entre 18 e 35 anos, estar em bom estado de saúde e não apresentar doença infecciosa ou incapacitante. Segundo o Redome, algumas complicações de saúde não são impeditivas para doação, sendo analisado caso a caso.
 
Doar sangue e medula é seguro! Com a pandemia, todos os protocolos de contenção contra a Covid-19 estão sendo realizados. No dia da doação, será preciso apresentar documento de identificação com foto. Para saber onde doar sangue ou se cadastrar para doar medula óssea, acesse hemoce.ce.gov.br.

Copiar o texto
22/07/2021 14:40h

Ministério do Desenvolvimento Regional.vai liberar os recursos para obras no local.

Baixar áudio

O Ministério do Desenvolvimento Regional (MDR) vai repassar mais de R$ 300 mil para obras saneamento básico na cidade de Cascavel, no Ceará. 

Os recursos serão usados na implantação de uma nova Estação de Tratamento de Água, na readequação da captação de água no Açude Mal Cozinhado e da adução de água bruta e tratada no município.

Pedro Maranhão, secretário nacional de Saneamento, destaca a importância das obras no setor para garantir a saúde pública e o compromisso do governo federal em colocá-las em práticas.

"A falta de acesso a serviços, como tratamento de água e esgoto, coloca em risco a saúde da população. Além disso, a falta de saneamento é o maior problema ambiental brasileiro. Nesta gestão, estamos trabalhando para mudar essa situação, dando continuidade a importantes obras do setor".

O Governo Federal também anunciou a liberação de recursos para obras de saneamento em São Paulo, Goiás e no Pará.

Para saber mais sobre as ações de saneamento básico do Ministério do Desenvolvimento Regional, acesse mdr.gov.br.

Copiar o texto
Brasil Mineral
21/07/2021 16:55h

Segundo empresa, moagem irá abastecer mercado da região Metropolitana de Fortaleza.

A Votorantim Cimentos iniciou operação da nova linha de produção de sua fábrica de cimento no Complexo Industrial e Portuário do Pecém (CE). Com a expansão, a unidade passa a ter capacidade de produção de 1 milhão de toneladas anuais de cimento, volume este que abastecerá o mercado da região metropolitana de Fortaleza. 

Foram investidos aproximadamente R$ 200 milhões no projeto, que teve duração de três anos, e priorizou a eficiência energética e a automação industrial, com a instalação de equipamentos de última geração, seguindo a estratégia de sustentabilidade da empresa. Para a execução das obras e início da operação, a unidade gerou mais de 600 empregos, entre diretos e indiretos.

“O empreendimento ajudará a impulsionar a economia, gerando mais emprego e renda aos cearenses. Temos trabalhado dia e noite para atrair novos investimentos ao Ceará e, com isso, aumentar a geração de novos postos de trabalho para a nossa população”, diz o governador do Ceará, Camilo Santana.

O presidente global da Votorantim Cimentos, Marcelo Castelli, disse que a ampliação de Pecém é um orgulho para a companhia, pela qualidade técnica e contribuição ao desenvolvimento social, econômico e ambiental do Estado.

“Com o investimento que realizamos, fortalecemos a atuação e presença em um mercado estratégico como é o Ceará. Com a nova fábrica, mais moderna e eficiente, vamos aumentar nossa capacidade de produção, distribuição e nível de atendimento aos nossos clientes na região”. 

A nova linha de produção da Votorantim Cimentos em Pecém irá fabricar o Cimento Poty – Todas as Obras. Foram realizados diversos estudos para que o produto, além de oferecer a qualidade já conhecida no mercado do Ceará, tenha como vantagem adicional mais proteção contra maresia.

A nova linha de produção tem um moinho de cimento, que consome menos energia elétrica. O equipamento vertical reduz em 30% o consumo de quilowatt-hora em comparação ao moinho horizontal, além de ter um circuito fechado de refrigeração que reduz a geração de efluentes. Por meio desse sistema é possível reutilizar a água usada para resfriar os equipamentos, proporcionando uma diminuição de 90% no consumo do recurso hídrico industrial.

O cimento produzido em Pecém emite 60% menos CO2 por tonelada quando comparado ao produto produzido anteriormente, beneficiando o meio ambiente e o planeta.

“Todas as iniciativas que desenvolvemos trabalham em sintonia com os nossos Compromissos de Sustentabilidade para 2030 e estão alinhados à missão do setor de produzir concreto carbono neutro até 2050”, ressalta o diretor de Operações no Brasil da Votorantim Cimentos, Edson Araújo.

A Votorantim Cimentos tem duas operações industriais no Ceará. A fábrica de Pecém, inaugurada em 2008, produz cimento e argamassas. Antes da ampliação, a capacidade de moagem de cimento da unidade era de 200 mil toneladas por ano. Já a fábrica de Sobral opera desde 1968 e possui duas linhas de produção de cimento com a marca Poty: Todas as Obras e Obras Estruturais.

Com o investimento realizado na expansão, as duas unidades somam uma capacidade de produção total de 2,2 milhões de toneladas de cimento por ano no Estado do Ceará.

A Votorantim Cimentos possui atualmente uma linha ferroviária que realiza o transporte de insumos e produtos entre suas instalações de Sobral, de Pecém e do Centro de Distribuição (CD) de Mucuripe, em Fortaleza. Para fortalecer o atendimento da região metropolitana de Fortaleza, a empresa também ampliou o seu ramal ferroviário em 2,6 km para expedição do produto ensacado e abastecimento do CD. Com isso, a companhia também aumenta suas alternativas logísticas para transportar insumos e abastecer o mercado com seus produtos.

Copiar o texto
15/07/2021 03:00h

Na capital Fortaleza, os recursos serão usados nas obras no sistema adutor e de reservação do Taquarão

Baixar áudio

O Ministério do Desenvolvimento Regional, o MDR, vai liberar mais de cinco milhões de reais para obras de saneamento básico em cinco municípios do estado do Ceará. 

Na capital Fortaleza, os recursos serão usados nas obras no sistema adutor e de reservação do Taquarão. Em Juazeiro do Norte, os investimentos irão para a ampliação do sistema de abastecimento de água que liga os bairros Aeroporto, Triângulo e São José. 

Em Quixadá, o repasse do MDR será usado na ampliação do sistema de abastecimento de água da cidade. 

Já o município de Sobral vai aplicar os recursos na substituição do sistema de captação e adução da estação de tratamento de água Dom Expedito. 

Por fim, em Itaitinga, o repasse será usado nas obras de implantação do sistema de esgotamento sanitário na sede municipal.

Pedro Maranhão, secretário nacional de Saneamento, destaca que os investimentos no setor são necessários para levar mais saúde à população e preservar o meio ambiente. 


"A falta de acesso a serviços, como tratamento de água e esgoto, coloca em risco a saúde da população. Além disso, a falta de saneamento é o maior problema ambiental brasileiro. Nesta gestão, estamos trabalhando para mudar essa situação, dando continuidade a importantes obras do setor."

Ainda na região Nordeste, foram liberados recursos para a Bahia, Piauí, Paraíba e Rio Grande do Norte. No total, o MDR anunciou o repasse de quase 40 milhões de reais para obras em 14 unidades da federação.

Para saber mais sobre as ações de saneamento básico do Ministério do Desenvolvimento Regional, acesse mdr.gov.br.
 

Copiar o texto
Brasil 61