Cadastro de mídia

TERMO DE USO E PARCERIA

TERMO DE USO E PARCERIA

1º - A utilização gratuita e livre dos materiais produzidos pelo Brasil 61 só será permitida depois que este termo de parceria for aceito pelo usuário, prevendo as seguintes regras:

a) A utilização do material - na íntegra, ou em partes - só será permitida desde que as informações não sejam distorcidas, manipuladas ou alteradas.

b) Não é necessário a identificação do Brasil 61 na hora da replicação do conteúdo. Mas toda e qualquer veiculação de áudios produzidos pelo Brasil 61 prevê o cadastro no site, com a disponibilização de dados que serão utilizados para a organização do mailing desta empresa,

2º - OBRIGAÇÕES DO BRASIL 61

a) O Brasil 61 se compromete, a partir deste termo de uso, a produzir conteúdo particularizado diariamente, trazendo informações de dia-a-dia e bastidores do Planalto Central, além de outras temáticas de relevância do noticiário nacional. 

b) O acesso ao conteúdo jornalístico (na versão de leitura) é livre e gratuito, podendo ser replicado por qualquer usuário que acesse o site. O download do áudio para que seja utilizado na programação das rádios requer que o usuário realize o login no site do Brasil 61 - informando e-mail e senha cadastrados. 

3º - OBRIGAÇÕES DOS COMUNICADORES PARCEIROS

Não alterar o sentido dos materiais, ou distorcer fala de entrevistados ou mudar a conotação das mensagens dos materiais. 

ADENDOS IMPORTANTES SOBRE A PARCERIA

a) O Brasil 61 poderá distribuir conteúdo patrocinado com ou sem assinatura dos clientes patrocinadores do boletim e sem aviso prévio ao comunicador. 

b) As rádios parceiras não vão ter participação financeira sobre o faturamento do Brasil 61.

c) Os comunicadores podem patrocinar os conteúdos do Brasil 61, desde que não alterem o sentido e a conotação dos conteúdos oferecidos. Nesses casos, o Brasil 61 não terá participação nos lucros conquistados pelos veículos parceiros. 

Ao clicar em ACEITO, a emissora aqui cadastrada afirma concordar e estar ciente de todas as condições apresentadas neste Termo de Utilização de Conteúdo.

Política de privacidade

Nós do Brasil 61 coletamos e usamos alguns dados dos nossos leitores com o intuito de melhorar e adaptar nossas plataformas e nossos produtos. Para isso, agimos conforme a Lei Geral de Proteção de Dados (Lei 13.709/2018) e nos esforçamos para sermos transparentes em todas nossas atividades.

Para podermos oferecer melhores serviços e veicular peças publicitárias de nossos anunciantes, precisamos conhecer certas informações dos nossos usuários.

COMO O BRASIL 61 COLETA SEUS DADOS

– Quando você se cadastra e cria um usuário no Brasil 61

Quando você entra no nosso site, fornece informações (dados) para a criação do usuário. Estes dados são usados para orientar a estratégia do Brasil 61 e o desenvolvimento de novos serviços e/ou produtos. Essas informações são fornecidas voluntariamente por você leitor e não são compartilhadas com nenhum terceiro.

– Quando você acessa o site do Brasil 61 (www.brasil61.com.br) ou abre uma de nossas newsletters enviadas por e-mail

O Brasil 61 usa tecnologias como cookies e pixel tags para entender como é a sua interação com as nossas plataformas. Esses dados permitem saber, por exemplo, de que dispositivo você acessa o site ou em que links você clicou e quanto tempo permaneceu lendo as notícias. 

COMO O BRASIL 61 USA OS SEUS DADOS

Nós, do Brasil 61, usamos seus dados sempre com a principal intenção de melhorar, desenvolver e viabilizar nossos próprios produtos e serviços a você leitor.

Seus dados são sempre analisados de forma não individualizada, mesmo os que são fornecidos vinculados seu nome ou ao seu endereço de e-mail. 

Os dados em conjunto são analisados para criar relatórios estatísticos de audiência sobre as páginas, textos e meios de acesso ao site e às newsletters. 

Esses relatórios são compartilhados com nossos anunciantes e patrocinadores e servem para modelar estratégias e campanhas institucionais.

As informações que você fornece durante a criação do cadastro do seu usuário no Brasil 61 são utilizadas para a formulação de estratégia comercial e desenvolvimento de novos produtos e/ou serviços.

Essas informações individualizadas podem ser usadas pelo Brasil 61 para o envio de campanhas comerciais e divulgação de serviços e/ou produtos próprios. Não são compartilhadas com nenhum terceiro.

As informações captadas por meio de cookies e pixel tags são usadas em relatórios internos de monitoramento da audiência e também em relatórios para os anunciantes verificarem a efetividade de suas campanhas. Essas informações não estão vinculadas a nome ou e-mail dos leitores e são sempre avaliadas de forma não individualizada.

O Brasil 61 compartilha informações captadas por meio de cookies e pixel tags com terceiros, como anunciantes, plataformas de redes sociais e provedores de serviço – por exemplo, o serviço de envio de e-mails. O Brasil 61 também em seu site cookies de terceiros que captam informações diretamente do usuário, de acordo com suas próprias políticas de privacidade e uso de dados. 

O QUE O BRASIL 61 NÃO FAZ COM SEUS DADOS

– Não monitoramos ou coletamos dados de páginas que não pertencem ao Brasil 61.
– Não compartilhamos ou vendemos para terceiros nenhuma informação identificável.

O QUE VOCÊ PODE FAZER SE NÃO QUISER MAIS QUE SEUS DADOS SEJAM USADOS PELO BRASIL 61

– Caso não queira que o Brasil 61 use nenhum tipo de cookies, altere as configurações do seu navegador. Nesse caso, a exibição de anúncios e mensagens importantes do Brasil 61 e de nossos anunciantes pode ser prejudicada.

– Caso queira deixar de receber algum newsletter ou e-mail de alertas de notícias, basta clicar em “Unsubscribe”, na parte de baixo do e-mail enviado pelo Brasil 61. 

– Caso queira excluir seu usuário e apagar seus dados individuais da base do Brasil 61, basta enviar um e-mail para: privacidade@brasil61.com

 Última atualização: 24 de dezembro de 2020 

imunização

08/06/2021 11:45h

O material vai permitir a continuidade da produção e a entrega dos imunizantes da Astrazeneca/Oxford até 10 de julho, como previsto no Plano Nacional de Imunizações

Baixar áudio

O Brasil vai receber, neste sábado (12), uma nova remessa do Ingrediente Farmacêutico Ativo (IFA) para fabricação de vacinas contra Covid-19 da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz). O material vai permitir a continuidade da produção e a entrega dos imunizantes da Astrazeneca/Oxford até 10 de julho, como previsto no Plano Nacional de Imunizações, do Ministério da Saúde.

De acordo com a Fiocruz, mais informações sobre a chegada desta carga serão anunciadas até o final da semana. A Fundação informou, ainda, que "aguarda a confirmação da possibilidade de aceleração das próximas remessas de IFA, uma vez que a instituição permanece com capacidade de produção superior a de disponibilização do insumo".

Trabalhadores invisíveis: estudo da Fiocruz analisa condições de trabalho dos profissionais de saúde durante a pandemia

Mais 2,3 milhões de doses da Pfizer serão distribuídas para o Brasil

As entregas de doses de vacina ocorrerão em duas remessas, a partir desta semana. No caso, às sextas-feiras serão para o Rio de Janeiro, enquanto aos sábados, para o centro de distribuição do Ministério da Saúde, em São Paulo, de onde os imunizantes serão distribuídos aos demais estados do País.

O plano de distribuição da vacina é revisado semanalmente em reuniões entre União, estados e municípios. A medida observa as confirmações do cronograma de entregas por parte dos laboratórios.

 

Copiar o texto
06/06/2021 17:20h

Passaporte será usado para suspender ou abrandar medidas restritivas de locomoção ou de acesso de pessoas a locais ou serviços

Baixar áudio

O Senado Federal vai debater nesta segunda-feira (7), a partir das 15h, o projeto de lei (PL 1674/21) que cria o Passaporte Nacional de Imunização e Segurança Sanitária (PSS). 

A proposta determina que o passaporte poderá ser usado pelos entes federados para suspender ou abrandar medidas restritivas de locomoção ou acesso de pessoas a serviços ou locais, públicos ou privados, que tenham sido adotados com o objetivo de limitar a propagação do coronavírus.

SP: Cepa indiana de COVID é monitorada em barreiras sanitárias

Anvisa autoriza importação da Covaxin sob condições controladas

O projeto também prevê que o passaporte poderá ser usado para autorizar a entrada em locais e eventos públicos, na utilização de meios de transporte coletivos, ingresso em hotéis, cruzeiros, parques e reservas naturais, entre outras possibilidades.

O documento será implementado por meio de plataforma digital, a ser operada pela União em coordenação com estados, Distrito Federal, municípios e com os serviços privados de saúde credenciados. 
 

Copiar o texto
03/06/2021 03:00h

A expectativa foi calculada pelo Plano Estadual de Imunização (PEI), ao levar em conta perspectivas de disponibilidade de vacinas informada publicamente no site do Ministério da Saúde

Baixar áudio

O governador de São Paulo, João Doria, afirmou que toda a população adulta do estado estará vacinada contra Covid-19 até o dia 31 de outubro de 2021. O anúncio foi feito nesta quarta-feira (2). Segundo Doria, a previsão inicial era de conclusão da imunização até 31 de dezembro. No entanto, ele garantiu que o prazo será menor.

A expectativa foi calculada pelo Plano Estadual de Imunização (PEI), ao levar em conta perspectivas de disponibilidade de vacinas informada publicamente no site do Ministério da Saúde. Para isso, também foi considerado o início do esquema vacinal, que é composto por duas doses, conforme as bulas dos imunizantes disponíveis no Brasil.

De acordo com o governo estadual, ainda no mês de julho, a campanha será dedicada aos adultos de 55 a 59 anos entre os dias 1° e 20. Já no período entre 21 e 31 serão imunizados os trabalhadores da Educação com idade entre 18 a 44 anos, completando assim a categoria dos profissionais de ensino.

Covid-19: Fiocruz formaliza contrato com Astrazeneca para produção de vacinas totalmente fabricadas no Brasil

HPV: região Norte soma a maioria dos casos do país

Já a previsão para agosto é de mais duas faixas etárias, zerando o público de 45 a 54 anos. No mês de setembro mais três faixas entram no calendário, alcançando as pessoas com idade entre 30 e 44 anos. A campanha deverá ser finalizada em outubro com as pessoas de 18 a 29 anos.

Até o momento, o estado já aplicou 17,5 milhões de vacinas contra o coronavírus. Do total, 11,7 milhões são referentes à primeira dose e 5,7 milhões à segunda.

 

Copiar o texto
28/05/2021 19:25h

A ideia é que a ampliação do plano de vacinação alcance trabalhadores da área da educação

Baixar áudioBaixar áudio

A vacinação contra a covid-19 deverá ser ampliada no Brasil. O anúncio foi feito nesta sexta-feira (28) pelo Ministério da Saúde. A ideia é que haja uma expansão da imunização da população geral por idade, além de antecipação da vacinação de trabalhadores da área da educação.

Em relação a esses profissionais, a recomendação do ministério é de que haja um cumprimento de uma ordem pré-estabelecida. Neste caso, a sequência de prioridade partiria das creches e seguia para pré-escolas, ensino fundamental, ensino médio, profissionalizantes e educação de jovens e adultos (EJA) e trabalhadores da educação do ensino superior.

“Houve uma antecipação desses grupos dos trabalhadores da educação. Então, eles foram antecipados e serão imunizados em igualdade com comorbidade e deficiência permanente cadastrada no BPC. E, para os municípios que eventualmente já avançaram nesses grupos está autorizado, caso pactuado em Comissão Interpoderes Bipartite, se seguir na imunização por idade”, afirmou o secretário executivo do Ministério da Saúde, Rodrigo Cruz.

“A variante indiana do novo coronavírus é altamente transmissível”, diz infectologista da SBI

Concentração do coronavírus continua elevada nos esgotos de Belo Horizonte, Brasília, Curitiba e Rio de Janeiro

Covid-19: doenças neurológicas entram na lista de comorbidades para vacinação

A pasta informou, ainda, que os brasileiros com idade entre 18 e 59 anos poderão ser vacinados, em faixa etária decrescente. Apesar da medida, a aplicação das doses para grupos prioritários deve permanecer.

“Fizemos diversas discussões em relação ao reordenamento do plano nacional de vacinação contra a Covid-19, mediante alguns relatos dos estados e dos municípios em terem, nesse momento, demanda reduzida. Então, a gente não pode deixar a vacina estocada. Por isso, resolvemos flexibilizar um pouco essa ação, para que possamos acelerar a vacinação dos grupos prioritários”, explicou a coordenadora do Programa Nacional de Imunizações (PNI), Francieli Fontana.

Números da vacinação

A quantidade de pessoas vacinadas contra a Covid-19 no Brasil, com ao menos uma dose, é superior a 43 milhões. O número equivale a 20,75% da população. Do total, cerca de 21 milhões receberam a segunda dose, o que representa 10,22% da população com a imunização completa contra o novo coronavírus.

Copiar o texto
06/05/2021 12:45h

Mulheres grávidas, puérperas e adultos com idade entre 55 e 59 anos estão inclusos nessa fase da imunização

Baixar áudio

No estado de São Paulo, novos grupos de pessoas com comorbidades e deficiências passarão a tomar a vacina contra a Covid-19, a partir da próxima semana. A iniciativa foi anunciada pelo governador João Doria, nesta quarta-feira (5). Mulheres grávidas, puérperas e adultos com idade entre 55 e 59 anos estão inclusos nessa fase da imunização.

De acordo com o governo do estado, a partir do dia 11 de maio começa a vacinação das gestantes e puérperas com idade acima de 18 anos e com comorbidades. A partir da mesma data, também serão vacinadas pessoas com deficiência permanente com idade entre 55 e 59 anos e recebem benefício de prestação continuada da assistência social, o BPC.

Nesta quinta-feira (6), começa a imunização de idosos com 60, 61 e 62 anos de idade. Já na próxima segunda-feira (10), será a vez dos adultos que fazem parte dos seguintes grupos: Síndrome de Down, pacientes em tratamento de hemodiálise e transplantados que utilizam imunossupressores.

CPI da Covid: ex-ministro Nelson Teich diz que pediu demissão por falta de autonomia e discordância sobre cloroquina

Programa “Saúde com Agente” oferece cursos técnicos para Agentes Comunitários de Saúde

Para receber a vacina, as pessoas com comorbidades e que fazem parte dos grupos anunciados devem apresentar comprovante da condição de risco por meio de exames, receitas, relatório ou prescrição médica. Os cadastros previamente existentes em Unidades Básicas de Saúde (UBS) também podem ser utilizados.

Copiar o texto
05/05/2021 13:00h

A imunização foi dividida em três etapas. Em Alagoas, a meta é vacinar 1.197.444 alagoanos que fazem parte dos grupos prioritários, ou seja 90%

Baixar áudio

Começa nesta quarta-feira (5) a primeira etapa da Campanha de Vacinação contra a Influenza, em Alagoas. Inicialmente, serão imunizadas crianças de seis meses a menores de seis anos, gestantes, puérperas, povos indígenas e trabalhadores da saúde.

A vacinação contra o vírus H1N1 foi dividida em três etapas. No estado, a meta é imunizar 1.197.444 alagoanos que fazem parte dos grupos prioritários, ou seja 90%.

Covid-19: Anvisa alerta para risco de erros na vacinação

Conselho Federal de Farmácia: farmacêuticos podem aplicar vacina contra Covid-19

Idosos com idade a partir de 60 anos e os professores serão vacinados contra a Influenza na segunda etapa. Já a última fase atenderá pessoas com comorbidades, com deficiência permanente, trabalhadores do transporte coletivo e rodoviário, caminhoneiros, forças de segurança e salvamento, forças armadas, entre outros.

Vale destacar que as pessoas que tomaram alguma dose das vacinas contra a Covid-19 devem esperar 14 dias para só então retornar aos pontos de vacinação para serem imunizados contra o vírus H1N1.

Copiar o texto
29/04/2021 11:15h

A Butanvac é o primeiro imunizante do tipo produzido integralmente no Brasil, ou seja, sem a necessidade de importação da matéria-prima

Baixar áudio

O Instituto Butantan começou a produzir, nesta quarta-feira (28), o primeiro lote de 18 milhões de doses da Butanvac. Trata-se da primeira vacina nacional contra o coronavírus. O anúncio foi feito pelo governador de São Paulo, João Doria.

A Butanvac é o primeiro imunizante do tipo produzido integralmente no Brasil, ou seja, sem a necessidade de importação da matéria-prima, como ocorre atualmente. Segundo Doria, na primeira etapa, o Butantan vai fabricar 18 milhões de doses da vacina pronta para o uso na primeira quinzena de junho.

Ainda segundo o governador, a produção vai chegar a 40 milhões de doses. No entanto, a capacidade de produção da fábrica do Butantan é para 100 milhões de doses até o final deste ano. Doria destacou, ainda, que, “no ritmo que o Butantan tem trabalhado, se houver velocidade na aprovação da Anvisa, ainda neste ano o Butantan poderá produzir até 150 milhões de doses da Butanvac.”

Laboratórios veterinários podem fabricar vacinas para Covid-19, decide Senado

Covid-19: Ministério da Saúde divulga orientações para vacinação do grupo de comorbidades

A tecnologia para obter o IFA da Butanvac já está disponível na fábrica de vacinas contra a gripe do Butantan, e usa o cultivo de cepas em ovos de galinha, que gera doses de vacinas inativadas, feitas com fragmentos de vírus mortos.

Copiar o texto
24/03/2021 12:10h

Com base em informações de um comunicado da farmacêutica AstraZeneca, a fundação destaca que “a eficácia da vacina foi consistente em todas as etnias e idades

Baixar áudio

O ensaio da Fase III nos Estados Unidos da vacina desenvolvida pela Universidade de Oxford apontou eficácia de 79% na prevenção da Covid-19 sintomático e 100% de eficácia na prevenção de doenças graves e hospitalização. O imunizante está sendo produzido no Brasil pela Fiocruz.

Com base em informações de um comunicado da farmacêutica AstraZeneca, a fundação destaca que “a eficácia da vacina foi consistente em todas as etnias e idades. Em pessoas com 65 anos ou mais, a eficácia atingiu 80%. Os dados convergem com estudos clínicos realizados em outros países anteriormente.

A análise de segurança e eficácia contou com mais de 32 mil participantes, em 88 centros nos EUA, Peru e Chile. O imunizante foi considerado bem tolerado. Além disso, segundo a Fiocruz, “o conselho independente de monitoramento de segurança de dados não identificou preocupações de segurança relacionadas à vacina.”

Sem vacinação em massa, confiança dos comerciantes cai novamente, diz CNC

Após municípios receberem 24 milhões de doses, vacinação pode acelerar com novas entregas

Entre os participantes, 79% eram brancos/caucasianos, 8% negros/afro-americanos, 4% nativos americanos, 4% asiáticos e 22% eram hispânicos. Cerca de 20% dos participantes tinham 65 anos ou mais e aproximadamente 60% tinham comorbidades associadas a um risco aumentado de progressão de Covid-19 grave, como diabetes, obesidade grave ou doença cardíaca.
 

Copiar o texto
17/03/2021 11:40h

Até o momento, o estado de Minas Gerais já vacinou quase 840 mil pessoas com a primeira dose e mais de 375 mil, com a segunda

Baixar áudio

Desde o início da semana, os municípios mineiros de João Monlevade, Varzelândia, Manhuaçu, Caputira, Mutum, Ipanema, Porteirinha, Ponte Nova, Guaraciaba e Araporã estão recebendo 370 doses extras de vacina contra a Covid-19 para cada cidade.

Para a medida, foram levadas em conta especificidades de cada área e a identificação do risco relacionado aos impactos do coronavírus na respectiva população.

Os lotes estão disponíveis nas Unidades Regionais de Saúde (URS) da Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais (SES-MG). Com isso, os municípios vão poder imunizar mais 135 pessoas dos grupos prioritários.

Após promulgação da PEC do auxílio emergencial estudo traça perfil dos beneficiários

Sebrae orienta academias e clínicas de saúde na retomada das atividades durante a pandemia

As mais de 2 milhões de vacinas recebidas do Ministério Saúde até a última segunda-feira (15) são destinadas à imunização de idosos com mais de 60 anos, residentes em instituições de longa permanência; pessoas com deficiência institucionalizadas; população indígena e idosos acima de 80 anos.

Até o momento, Minas Gerais já vacinou quase 840 mil pessoas com a primeira dose e mais de 375 mil, com a segunda.

Copiar o texto
10/03/2021 04:00h

Aperfeiçoamento é voltado para profissionais das redes privada e pública das três esferas de atuação

Baixar áudio

O Ministério da Saúde abriu as inscrições do curso Fortalecimento das Ações de Imunização nos Territórios Nacionais, do projeto ImunizaSUS. O programa é voltado para profissionais de saúde das redes privada e pública com vínculo nas redes federal, estadual ou municipal.

O objetivo da ação é capacitar 94,5 mil trabalhadores da saúde que atuam nos serviços de vacinação, a partir de uma parceria com o Conselho Nacional de Secretarias Municipais de Saúde (Conasems). Foram investidos R$ 58 milhões para o aperfeiçoamento.

Para participar das atividades, que serão realizadas de forma remota, é preciso atuar ou possuir experiência em ações de imunização em serviços de saúde, de forma direta ou indireta.

Copiar o texto
Brasil 61