imunização

13/01/2022 19:10h

Mais de 1,2 milhões de doses foram enviadas ao centro de distribuição do Ministério da Saúde. O próximo passo será a destinação do material para os estados

Baixar áudio

O Brasil recebeu, nesta quinta-feira (13), o primeiro lote da vacina da Pfizer contra Covid-19 para crianças de 5 a 11 anos. As 1.248.000 doses chegaram ao Aeroporto Internacional de Viracopos, em Campinas (SP). O imunizante foi enviado ao centro de distribuição do Ministério da Saúde, em Guarulhos (SP). O próximo passo será a distribuição do material para os estados. 

O ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, pede aos pais que levem as crianças para tomar a vacina, por entender que são os principais responsáveis por esse ato. Além disso, o chefe da Pasta lembra que a imunização é importante para frear o avanço de novas variantes, como a Ômicron. 

“Nos últimos seis meses, nós assistimos, no Brasil, uma queda muito significativa de óbitos. Isso é fruto das políticas públicas e da campanha de vacinação. Hoje, o mundo é confrontado com a nova variante do vírus, a Ômicron, que tem uma capacidade de transmissão muito maior. Ou seja, é um desafio para os gestores da saúde”, defende. 

COVID-19: Pfizer antecipará 600 mil doses da vacina pediátrica

COVID-19: Ministério da Saúde reduz de 10 para 5 dias isolamento para pacientes com casos leves

Segundo a infectologista Joana D’arc, o Brasil está em um momento em que a maioria da população já está imunizada com pelo menos uma dose da vacina. Sendo assim, ela avalia que, nesse contexto, as crianças têm maior risco de infecção.

“O risco de infecção entre criança e adulto é o mesmo. Também temos a questão do retorno às aulas presenciais, da circulação em diversos ambientes. Isso vai favorecer a criação desses bolsões de não imunizados e de manutenção da circulação viral. Então, é essencial vacinar as crianças para que possamos ter mais possibilidades de reduzir a circulação do vírus”, considera. 

Autorização da Anvisa

No último dia 16 de dezembro, a Agência de Vigilância Sanitária (Anvisa) autorizou a imunização de crianças desta faixa etária. De acordo com o Ministério da Saúde, não será exigida receita médica para vacinar o grupo.

Na segunda-feira (10), Queiroga afirmou que a Pfizer vai antecipar a entrega de 600 mil doses. Portanto, a quantidade de vacinas previstas para chegar em janeiro deve passar de 3,7 milhões para 4,3 milhões. 
 

Copiar o texto
08/01/2022 15:45h

De acordo com a Fiocruz, há disponibilidade de material para produzir o equivalente a 21 milhões de doses em IFA nacional, em diferentes etapas de produção e controle de qualidade

Baixar áudio

O Brasil terá uma vacina contra Covid-19 produzida totalmente em território nacional. Isso porque a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) aprovou, nesta sexta-feira (7), o registro do insumo farmacêutico ativo (IFA) da vacina da AstraZeneca contra a Covid-19, produzido pela Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz). O primeiro lote dos novos imunizantes deve ser entregue em fevereiro.

De acordo com a Fundação, há disponibilidade de material para produzir o equivalente a 21 milhões de doses em IFA nacional, em diferentes etapas de produção e controle de qualidade. As primeiras doses do imunizante devem ser envasadas no mês de janeiro e entregues ao Ministério da Saúde em fevereiro.

"Com essa aprovação pela Anvisa, conquistamos uma vacina 100% produzida no país e, dessa forma, garantimos a autossuficiência do nosso Sistema Único de Saúde [SUS] para essa vacina, que vem salvando vidas e contribuindo para a superação dessa difícil fase histórica do Brasil e do mundo", afirma a presidente da Fiocruz, Nísia Trindade Lima.

É dengue ou Covid (Ômicron)? Saiba diferenciar os sintomas

Ministério da Saúde inclui crianças de 5 a 11 anos no Plano Nacional de Vacinação contra Covid-19

Segundo o diretor do Instituto Bio-Manguinhos, Mauricio Zuma, “o deferimento do registro da vacina Covid-19 100% nacional, com o IFA produzido em Bio-Manguinhos, demonstra a nossa capacitação no estabelecimento de um processo produtivo de alta complexidade. Mais do que isso, representa o cumprimento do nosso papel como laboratório oficial do Ministério da Saúde, incorporando tecnologias essenciais para o Brasil e trazendo soluções para a saúde pública.”

A Anvisa avaliou estudos de comparabilidade para comprovar a eficiência do material e aprovar o registro do insumo. A ideia da agência é demonstrar que o ingrediente fabricado no Brasil teve o mesmo desempenho do importado.

Certificação de boas práticas

Anteriormente, a Anvisa emitiu uma certificação de boas práticas de fabricação do novo insumo. O intuito era garantir que a linha de produção levava em conta todos os requisitos necessários para a garantia da qualidade do IFA.

Desde então, a Fiocruz vinha realizando a produção de lotes de teste para obter a autorização de uso do IFA nacional. A vacina da Fiocruz está autorizada no Brasil desde 17 de janeiro do ano passado e recebeu o registro definitivo em março de 2021.
 

Copiar o texto
30/12/2021 20:00h

De acordo com o Ministério da Saúde, são mais de 143 milhões de brasileiros que já concluíram o ciclo de imunização contra o coronavírus

Baixar áudio

O Brasil alcançou, na última terça-feira (28), a marca de 80% da população vacinada com as duas doses da vacina contra a Covid-19. De acordo com o Ministério da Saúde, são mais de 143 milhões de brasileiros que já concluíram o ciclo de imunização contra o coronavírus. 

Um dos contemplados foi o estudante de economia Lucas Cavalcanti, de 24 anos. Morador de Brasília, ele comemora as duas doses da vacina. 

“Eu já tomei duas doses da vacina e fico muito feliz por ter tido essa chance. Agora, a vida está podendo voltar um pouco ao normal. Inclusive estou  na praia, aproveitando coisas que pensei que não poderia mais”, comemora. 

RETROSPECTIVA: Quanto tempo devo ficar sem ingerir álcool após tomar vacina contra Covid-19?

É Covid-19 ou H3N2? Especialistas falam sobre diferenças entre as doenças

A psicóloga Amanda Oliveira, de 37 anos, também garantiu duas doses do imunizante e afirma que isso trouxe de volta momentos de descontração e entretenimento na vida dela.

“Realmente me senti mais segura para poder estar em outros ambientes, para ir a outros lugares que não ia desde 2019, como sentar para tomar um café, sair para dançar”, relata. 

O epidemiologista do curso de saúde pública da Universidade de Brasília, Walter Ramalho, explica a importância de tomar as duas doses do imunizante contra o vírus.

“A ideia é que com duas doses tenhamos a eficácia desejada. A OMS preconiza para a Covid-19 uma imunidade eficaz acima de 50%. As vacinas que nós temos aqui no Brasil giram em torno de 60% a 70% da CoronaVac e da AstraZeneca. Vale lembrar que, com uma dose apenas, a eficácia é muito menor e a conversão para as células de imunidade são muito baixas”, destaca.

Ainda de acordo com o Ministério da Saúde, houve ampliação da disponibilidade da dose de reforço para todos os brasileiros com mais de 18 anos. Essa nova etapa da imunização deve ser realizada quatro meses após a aplicação da segunda dose.

Vacinação 

Desde o início da campanha de vacinação, mais de 380 milhões de doses de vacina contra a Covid-19 foram distribuídas pelo Ministério da Saúde aos estados e ao Distrito Federal. Desse total, 320 milhões foram aplicadas, sendo 161 milhões de brasileiros com a primeira dose. 

Com o envio de doses adicionais, as unidades da federação já deram início ao reforço da imunização da população com a aplicação de mais de 16 milhões de doses.
 

Copiar o texto
05/12/2021 17:48h

Entre as unidades da federação que conquistaram o resultado estão São Paulo, Roraima e Santa Catarina

Baixar áudio

A Campanha de Vacinação contra a Covid-19 no Brasil superou a marca de 90% da população-alvo com a primeira dose da vacina, em nove estados. A informação foi divulgada pelo Ministério da Saúde, neste domingo (5). 

Entre as unidades da federação que conquistaram o resultado estão São Paulo, Roraima e Santa Catarina. A lista é completada por Minas Gerais, Espírito Santo, Piauí, Paraíba, Rio Grande do Sul e Paraná. 

O secretário Executivo do Ministério da Saúde, Rodrigo Cruz, atribui o desempenho à iniciativa de adquirir mais de 550 milhões de doses de vacina contra a doença. Segundo ele, desse total, mais de 378 milhões já foram distribuídas e 314 milhões foram aplicadas.

Toxoplasmose: gatos não devem ser considerados vilões para a doença

Não há motivo para pânico, diz OMS sobre variante Ômicron do novo coronavírus

Você sabe o que é uma dieta saudável?

Ainda de acordo com a pasta, 159,5 milhões de brasileiros começaram o ciclo vacinal e 140,5 milhões já completaram o esquema com a segunda dose ou dose única do imunizante. Com o envio de doses de reforço, mais de 14 milhões de pessoas já reforçaram a imunidade no Brasil. O ministério informou, ainda, que mais de 354 milhões de doses estão garantidas para dar continuidade à campanha em 2022.

 

Copiar o texto
01/11/2021 21:35h

O estado já recebeu 6,3 milhões de doses de vacinas Covid-19 – mais de 5 milhões foram aplicadas.

Baixar áudio

A Paraíba vai receber mais 71,3 mil doses de vacina contra a Covid-19 da Pfizer, que foram enviadas pelo Ministério da Saúde na última semana. O estado já recebeu 6,3 milhões de doses de vacinas Covid-19 – mais de 5 milhões foram aplicadas.

Essas vacinas estão destinadas para a primeira dose da população acima de 18 anos e, também, para a segunda dose das pessoas que precisam completar o esquema vacinal. Além disso, os imunizantes foram enviados para aplicação de reforço dos grupos prioritários de idosos, pessoas imunossuprimidas e profissionais de saúde, devido ao elevado risco de óbito pela doença. 

Hospital baiano poderá realizar cirurgias a distância com a chegada do 5G

Novembro Azul: “Cuide do que é seu” é o tema deste ano para conscientizar os homens

Crianças de até 9 anos estão adoecendo mais por vírus respiratórios

Até o momento, o Ministério da Saúde distribuiu mais de 334 milhões de doses para todo o país. De acordo com o médico infectologista Hemerson Luz, esses envios realizados pelo Governo Federal são importantes para combater a doença. 

“A vacinação, como medida de controle da pandemia, associada às outras medidas como distanciamento social e de uso da máscara, tem dado um resultado enorme na disseminação da Covid-19. Como resultado, hoje é possível discutir a não utilização de máscara em espaços abertos, o retorno às aulas presenciais e o resto de eventos coletivos”, destacou.

Antes de enviar essas doses ao estado, o Ministério da Saúde já havia concluído o envio de imunizantes para vacinar com a primeira dose ou dose única toda a população brasileira acima de 18 anos. Além disso, todos os grupos prioritários do Programa Nacional de Operacionalização (PNO) já foram atendidos. 

Um ponto importante observado pelo Ministério da Saúde é que mais de 18 milhões de pessoas deixaram de voltar ao posto para tomar a segunda dose. Por isso, o órgão ressalta a necessidade de completar o esquema vacinal, pois apenas com as duas doses da vacina é possível garantir a máxima proteção oferecida pelas vacinas. 
 

Copiar o texto
01/11/2021 21:10h

O estado já recebeu 5,3 milhões de doses de vacinas Covid-19 – mais de 4,4 milhões foram aplicadas

Baixar áudio

Rio Grande do Norte vai receber mais 451,2 mil doses de vacinas contra a Covid-19. São 59,6 mil doses da Pfizer, 110 mil doses da Astrazeneca, produzidas pela Fundação Oswaldo Cruz, e mais 281,6 mil doses da Coronavac, produzidas pelo Instituto Butantan. Os imunizantes foram enviados pelo Ministério da Saúde na última semana. O estado já recebeu 5,3 milhões de doses de vacinas Covid-19 – mais de 4,4 milhões foram aplicadas. 

Essas vacinas estão destinadas para a primeira dose da população acima de 18 anos e, também, para a segunda dose das pessoas que precisam completar o esquema vacinal. Além disso, os imunizantes foram enviados para aplicação de reforço dos grupos prioritários de idosos, pessoas imunossuprimidas e profissionais de saúde, devido ao elevado risco de óbito pela doença. 

Hospital baiano poderá realizar cirurgias a distância com a chegada do 5G

Novembro Azul: “Cuide do que é seu” é o tema deste ano para conscientizar os homens

Crianças de até 9 anos estão adoecendo mais por vírus respiratórios

Até o momento, o Ministério da Saúde distribuiu mais de 334 milhões de doses para todo o país. De acordo com o médico infectologista Hemerson Luz, esses envios realizados pelo Governo Federal são importantes para combater a doença. 

“A vacinação, como medida de controle da pandemia, associada às outras medidas como distanciamento social e de uso da máscara, tem dado um resultado enorme na disseminação da Covid-19. Como resultado, hoje é possível discutir a não utilização de máscara em espaços abertos, o retorno às aulas presenciais e o resto de eventos coletivos”, destacou.

Antes de enviar essas doses ao estado, o Ministério da Saúde já havia concluído o envio de imunizantes para vacinar com a primeira dose ou dose única toda a população brasileira acima de 18 anos. Além disso, todos os grupos prioritários do Programa Nacional de Operacionalização (PNO) já foram atendidos. 

Um ponto importante observado pelo Ministério da Saúde é que mais de 18 milhões de pessoas deixaram de voltar ao posto para tomar a segunda dose. Por isso, o órgão ressalta a necessidade de completar o esquema vacinal, pois apenas com as duas doses da vacina é possível garantir a máxima proteção oferecida pelas vacinas. 
 

Copiar o texto
01/11/2021 21:00h

O estado já recebeu mais de 4,4 milhões de doses de imunizante e mais de 3,9 milhões foram aplicadas

Baixar áudio

O ritmo de vacinação contra a Covid-19 segue acelerado em Mato Grosso do Sul e o estado vai receber mais 30,4 mil doses de vacinas, enviadas pelo Ministério da Saúde na última semana. O estado já recebeu, ao todo, 4,4 milhões de doses de vacinas Covid-19 – e mais de 3,9 milhões foram aplicadas.
 
Essas vacinas estão destinadas para a primeira dose da população acima de 18 anos e, também, para a segunda dose das pessoas que precisam completar o esquema vacinal. Além disso, os imunizantes foram enviados para aplicação de reforço dos grupos prioritários de idosos, pessoas imunossuprimidas e profissionais de saúde, devido ao elevado risco de óbito pela doença. 
 
Até o momento, o Ministério da Saúde distribuiu mais de 334 milhões de doses para todo o país. De acordo com o médico infectologista Hemerson Luz, esses envios realizados pelo Governo Federal são importantes para combater a doença. 
 
“A vacinação, como medida de controle da pandemia, associada às outras medidas como distanciamento social e de uso da máscara, tem dado um resultado enorme na disseminação da Covid-19. Como resultado, hoje é possível discutir a não utilização de máscara em espaços abertos, o retorno às aulas presenciais e o resto de eventos coletivos”, destacou.

Hospital baiano poderá realizar cirurgias a distância com a chegada do 5G

Novembro Azul: “Cuide do que é seu” é o tema deste ano para conscientizar os homens

Crianças de até 9 anos estão adoecendo mais por vírus respiratórios
 
Antes de enviar essas doses ao estado, o Ministério da Saúde já havia concluído o envio de imunizantes para vacinar com a primeira dose ou dose única toda a população brasileira acima de 18 anos. Além disso, todos os grupos prioritários do Programa Nacional de Operacionalização (PNO) já foram atendidos. 
 
Um ponto importante observado pelo Ministério da Saúde é que mais de 18 milhões de pessoas deixaram de voltar ao posto para tomar a segunda dose. Por isso, o órgão ressalta a necessidade de completar o esquema vacinal, pois apenas com as duas doses da vacina é possível garantir a máxima proteção oferecida pelas vacinas. 

Copiar o texto
01/11/2021 20:40h

Até o momento, o Ministério da Saúde distribuiu mais de 334 milhões de doses para todo o país

Baixar áudio

O estado de Minas Gerais vai receber mais 744,5 mil doses de vacinas contra a Covid-19, sendo 346,3 mil doses da Pfizer e mais 398,2 mil doses da Astrazeneca, produzidas pela Fundação Oswaldo Cruz. As doses foram enviadas pelo Ministério da Saúde na última semana. O estado já recebeu 34,7 milhões de doses de vacinas Covid-19 – e mais de 27,1 milhões foram aplicadas.
 
Essas vacinas estão destinadas para a primeira dose da população acima de 18 anos e, também, para a segunda dose das pessoas que precisam completar o esquema vacinal. Além disso, os imunizantes foram enviados para aplicação de reforço dos grupos prioritários de idosos, pessoas imunossuprimidas e profissionais de saúde, devido ao elevado risco de óbito pela doença. 

Hospital baiano poderá realizar cirurgias a distância com a chegada do 5G

Novembro Azul: “Cuide do que é seu” é o tema deste ano para conscientizar os homens

Crianças de até 9 anos estão adoecendo mais por vírus respiratórios

Até o momento, o Ministério da Saúde distribuiu mais de 334 milhões de doses para todo o país. De acordo com o médico infectologista Hemerson Luz, esses envios realizados pelo Governo Federal são importantes para combater a doença. 
 
“A vacinação, como medida de controle da pandemia, associada às outras medidas como distanciamento social e de uso da máscara, tem dado um resultado enorme na disseminação da Covid-19. Como resultado, hoje é possível discutir a não utilização de máscara em espaços abertos, o retorno às aulas presenciais e o resto de eventos coletivos”, destacou.
 
Antes de enviar essas doses ao estado, o Ministério da Saúde já havia concluído o envio de imunizantes para vacinar com a primeira dose ou dose única toda a população brasileira acima de 18 anos. Além disso, todos os grupos prioritários do Programa Nacional de Operacionalização (PNO) já foram atendidos. 
 
Um ponto importante observado pelo Ministério da Saúde é que mais de 18 milhões de pessoas deixaram de voltar ao posto para tomar a segunda dose. Por isso, o órgão ressalta a necessidade de completar o esquema vacinal, pois apenas com as duas doses da vacina é possível garantir a máxima proteção oferecida pelas vacinas. 

Copiar o texto
01/11/2021 20:35h

Até o momento, o Ministério da Saúde distribuiu mais de 334 milhões de doses para todo o país. O estado de Sergipe já recebeu 3,5 milhões de doses de vacinas Covid-19 – mais de 2,7 milhões foram aplicadas

Baixar áudio

Sergipe vai receber mais 15,2 mil doses de vacinas contra a Covid-19 da Pfizer, que foram enviadas pelo Ministério da Saúde na última semana. Essa quantidade será somada a mais de 3,5 milhões de doses de vacinas recebidas pelo estado até agora - sendo que mais de 2,7 milhões já foram aplicadas.

Essas vacinas estão destinadas para a primeira dose da população acima de 18 anos e, também, para a segunda dose das pessoas que precisam completar o esquema vacinal. Além disso, os imunizantes foram enviados para aplicação de reforço dos grupos prioritários de idosos, pessoas imunossuprimidas e profissionais de saúde, devido ao elevado risco de óbito pela doença. 

Até o momento, o Ministério da Saúde distribuiu mais de 334 milhões de doses para todo o país. De acordo com o médico infectologista Hemerson Luz, esses envios realizados pelo Governo Federal são importantes para combater a doença. 

Hospital baiano poderá realizar cirurgias a distância com a chegada do 5G

Novembro Azul: “Cuide do que é seu” é o tema deste ano para conscientizar os homens

Crianças de até 9 anos estão adoecendo mais por vírus respiratórios

“A vacinação, como medida de controle da pandemia, associada às outras medidas como distanciamento social e de uso da máscara, tem dado um resultado enorme na disseminação da Covid-19. Como resultado, hoje é possível discutir a não utilização de máscara em espaços abertos, o retorno às aulas presenciais e o resto de eventos coletivos”, destacou.

Antes de enviar essas doses ao estado, o Ministério da Saúde já havia concluído o envio de imunizantes para vacinar com a primeira dose ou dose única toda a população brasileira acima de 18 anos. Além disso, todos os grupos prioritários do Programa Nacional de Operacionalização (PNO) já foram atendidos. 

Um ponto importante observado pelo Ministério da Saúde é que mais de 18 milhões de pessoas deixaram de voltar ao posto para tomar a segunda dose. Por isso, o órgão ressalta a necessidade de completar o esquema vacinal, pois apenas com as duas doses da vacina é possível garantir a máxima proteção oferecida pelas vacinas. 
 

Copiar o texto
01/11/2021 20:30h

Os 26 estados e o Distrito Federal já receberam mais de 334 milhões de doses da vacina enviadas pelo Ministério da Saúde

Baixar áudio

O ritmo de vacinação contra a Covid-19 continua acelerado em todo o Brasil e para ninguém ficar sem a imunização no Maranhão o Ministério da Saúde enviou ao estado mais 85,4 mil doses de vacinas Covid-19 da Pfizer. O estado já recebeu 9,9 milhões de doses de vacinas Covid-19 – mais de 7 milhões foram aplicadas. 

Essas vacinas estão destinadas para a primeira dose da população acima de 18 anos e, também, para a segunda dose das pessoas que precisam completar o esquema vacinal. Além disso, os imunizantes foram enviados para aplicação de reforço dos grupos prioritários de idosos, pessoas imunossuprimidas e profissionais de saúde, devido ao elevado risco de óbito pela doença. 
 
Até o momento, o Ministério da Saúde distribuiu mais de 334 milhões de doses para todo o país. De acordo com o médico infectologista Hemerson Luz, esses envios realizados pelo Governo Federal são importantes para combater a doença. 
 
“A vacinação, como medida de controle da pandemia, associada às outras medidas como distanciamento social e de uso da máscara, tem dado um resultado enorme na disseminação da Covid-19. Como resultado, hoje é possível discutir a não utilização de máscara em espaços abertos, o retorno às aulas presenciais e o resto de eventos coletivos”, destacou.

Hospital baiano poderá realizar cirurgias a distância com a chegada do 5G

Novembro Azul: “Cuide do que é seu” é o tema deste ano para conscientizar os homens

Crianças de até 9 anos estão adoecendo mais por vírus respiratórios

Antes de enviar essas doses ao estado, o Ministério da Saúde já havia concluído o envio de imunizantes para vacinar com a primeira dose ou dose única toda a população brasileira acima de 18 anos. Além disso, todos os grupos prioritários do Programa Nacional de Operacionalização (PNO) já foram atendidos. 
 
Um ponto importante observado pelo Ministério da Saúde é que mais de 18 milhões de pessoas deixaram de voltar ao posto para tomar a segunda dose. Por isso, o órgão ressalta a necessidade de completar o esquema vacinal, pois apenas com as duas doses da vacina é possível garantir a máxima proteção oferecida pelas vacinas. 

Copiar o texto
Brasil 61