Habitação

17/09/2021 18:10h

O podcast Giro Brasil 61 faz uma seleção dos principais fatos e acontecimentos noticiados pelo Brasil61.com durante a semana

Baixar áudio

No episódio desta semana (17), o podcast Giro Brasil 61 comenta como mudanças no Programa Casa Verde e Amarela para facilitar a compra de um imóvel. Na área da saúde, vamos falar sobre as complicações por doenças cardíacas que podem matar 400 mil em 2021. O podcast começa com a informação de que o Pronampe permanente facilitou o acesso ao crédito e a pequena indústria a crescer no segundo trimestre.

Quer saber tudo? Aperte o play e confira!

Mudanças no Programa Casa Verde e Amarela facilitam ainda mais a compra da casa própria

Complicações por doenças cardíacas podem matar 400 mil em 2021

Pronampe permanente facilitou acesso ao crédito e ajudou pequena indústria a crescer no segundo trimestre

Copiar o texto
14/09/2021 19:00h

Conselho do FGTS aprovou aumento do valor máximo dos imóveis que podem ser financiados por meio do Programa, além de redução na taxa de juros

Baixar áudio

A partir de agora as famílias brasileiras terão mais facilidades para comprar a casa própria. Isso porque o Conselho que faz a gestão do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS) aprovou um aumento do valor máximo dos imóveis que podem ser financiados por meio do Programa Casa Verde e Amarela. O reajuste pode ser de 10% ou 15%, de acordo com a localização e o número de habitantes da cidade.
 
Além disso, o governo federal vai estender a menor taxa de juros da história do FGTS a todos os mutuários – antigas faixas 1,5 e 2 de famílias de baixa renda (o que representa até R$ 2 mil mensais) de acordo com a sua região, as mesmas autorizadas pelo Conselho Curador em 2020. Os beneficiários desse perfil respondem por quase 80% do déficit habitacional brasileiro.
 
Com a mudança, quem for contemplado poderá ter descontos acima de R$ 30 mil no valor final do imóvel. Sem o incentivo, mutuários com esse perfil de renda demorariam, no mínimo, 15 anos para atingir igual quantia a partir dos recolhimentos mensais realizados em suas contas (considerando o recolhimento mensal de 8% sobre a sua renda).
 
É o que explica o secretário-executivo do Ministério do Desenvolvimento Regional, Daniel Ferreira. “Em Belém do Pará, por exemplo, o subsídio chega a ser ampliado em até 70% do valor atual. Então, aquela família que tem menor capacidade de tomar o crédito e que vive em regiões menos favorecidas vai ter acesso a um subsídio maior”, afirmou.

ORÇAMENTO 2022: prazo para buscar dinheiro de emendas parlamentares pode começar em outubro

Covid-19: 27 milhões de procedimentos de saúde variados não foram realizados em 2020

Aumento do teto para financiamento

Uma das principais medidas adotadas foi o aumento do valor máximo do imóvel a ser financiado por meio do Programa Casa Verde e Amarela. O reajuste varia de acordo com a região e o tamanho da população. Em municípios com 50 mil a 100 mil habitantes, o aumento do limite será de 15%. Entre 20 mil e 50 mil habitantes, de 10%. Já nos municípios com população menor que 20 mil habitantes, não houve alteração. Os demais municípios – incluindo as capitais e respectivas regiões metropolitanas – terão aumento de 10%.
 
A ampliação dos limites atende ao pleito do setor da construção civil, frente à alta superior a 17% do índice Nacional de Custo da Construção (INCC) nos últimos 12 meses. Desse modo, a medida visa resguardar os níveis de contratação, considerando os efeitos da alta de insumos do setor, que permaneceu ativo na pandemia, mantendo os empregos por ele gerados e as obras em andamento.

Redução dos juros para famílias com renda superior a R$ 4 mil

Outro ponto abordado pelo conselho do FGTS foi a queda temporária de meio ponto percentual nas taxas de juros para famílias com renda mensal entre quatro mil e sete mil reais. As taxas de juros destinadas a esse perfil de renda foram reduzidas, até o fim do próximo ano, em 0,5 ponto percentual, passando de 8,16% para 7,66% ao ano. Para os trabalhadores titulares de conta vinculada ao fundo por três anos ou mais, a redução será ainda maior, com taxas de juros anuais equivalentes a 7,16%.

Prazos

As medidas entrarão em vigor ainda neste ano, em cerca de 60 dias, com exceção das alterações do desconto nas taxas de juros, que só passarão a valer a partir de 2022.

Copiar o texto

O evento, realizado em São Paulo, reuniu, durante três dias, especialistas da construção civil, de entidades de classe e do Governo Federal

Baixar áudio

Encontrar as melhores práticas para desenvolver cidades mais inteligentes e conectadas. Com esse objetivo, o Governo Federal, por meio do Ministério do Desenvolvimento Regional, o MDR, participou nesta sexta-feira, 3 de setembro, do Connected Smart Cities. O evento, realizado em São Paulo, reuniu, durante três dias, especialistas da construção civil, de entidades de classe e do Governo Federal. 

O projeto Eficiência Energética no Desenvolvimento Urbano Sustentável, desenvolvido pelo MDR em parceria com a Agência Alemã de Cooperação Internacional, a GIZ, foi tema do painel on-line “Agenda estratégica com Parceiros”.

Alessandra D'Ávila, diretora de Urbanização da Secretaria Nacional de Habitação, representou o MDR no evento. Ela reforçou a importância do setor habitacional no universo da construção civil.

A habitação tem um papel indutor bastante relevante no mercado de construção civil. Por isso, é importante pensarmos em medidas que tragam eficiência energética, qualidade, novas tecnologias e conformidade dos materiais para dentro das construções residenciais.

Para saber mais sobre o Programa Casa Verde e Amarela e outras ações de Habitação do Governo Federal, acesse mdr.gov.br.

Copiar o texto
31/08/2021 11:35h

De acordo com a FecomercioSP, a classe E é o segmento que mais sente a elevação do custo de vida. Entre os mais pobres, a variação é de 1,49%

Baixar áudio

O Custo de Vida por Classe Social (CVCS) aumentou na região metropolitana de São Paulo. O índice subiu 1,06% em julho, de acordo com indicador da Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de São Paulo (FecomercioSP). Trata-se da maior variação para o mês desde 2011, ano em que o levantamento começou a ser feito.

A elevação foi puxada pelo grupo transporte, sobretudo pelo valor das passagens aéreas, que sofreram alta de 42,67%. Já no grupo habitação, a energia elétrica teve um salto de 12,45% em julho, e acumulou 26,25% em 12 meses.

SP: confiança com a volta às aulas presenciais aumenta em municípios

Crise hídrica pode aumentar inflação nos estados brasileiros

De acordo com a FecomercioSP, a classe E é o segmento que mais sente a elevação do custo de vida. Entre os mais pobres, a variação é de 1,49%. Já para a classe A, a taxa ficou em 0,70%. A alta média do preço dos combustíveis, por exemplo, foi de 4,21%.

A entidade revela, ainda, que o IPV e o IPS indicam que a inflação está concentrada nos produtos. O índice de varejo teve um salto de 1,6% em julho. O indicador de preços dos serviços, por sua vez, aumentou 0,55%. O IPV acumula alta de 14,85% em 12 meses, enquanto o IPS, de 3,85%.

 

Copiar o texto
18/08/2021 15:40h

Residencial recebeu investimento federal de R$ 41 milhões, dos quais pouco mais de R$ 36 milhões foram repassados desde 2019

Baixar áudio

O Governo Federal, por meio do Ministério do Desenvolvimento Regional (MDR), entregou, nesta quarta-feira (18), 500 moradias a famílias de baixa renda de Manaus, no Amazonas. 

O investimento federal no Residencial Cidadão Manauara II B foi de R$ 41 milhões, dos quais pouco mais de R$ 36 milhões foram repassados desde 2019 – o que representa 88% do valor total da operação. Cerca de 2 mil pessoas foram beneficiadas com a casa própria.

Presente à entrega das chaves, o presidente da República, Jair Bolsonaro, se emocionou ao falar do sentimento que envolve essas entregas. “O que a gente vê no semblante de vocês, beneficiários, é simplesmente indescritível. A alegria de receber um imóvel realmente não tem preço”, afirmou.

Também presente à entrega das chaves, o ministro do Desenvolvimento Regional, Rogério Marinho, reforçou a importância das entregas residenciais para famílias de baixa renda em todo o país. "Sabemos que isso aqui não é só pedra, cal, tijolo e cimento. Isso aqui são os sonhos realizados. Isso aqui é dignidade. Isso aqui é respeito e cidadania aos cidadãos desse país, espalhados de Norte a Sul." 

O empreendimento conta com infraestrutura completa, com água, esgoto, iluminação pública, energia elétrica e sistema de pavimentação e drenagem. Além disso, os moradores terão acesso à área de lazer, com quadra de areia, três playgrounds e quadra poliesportiva. E nas proximidades, há quatro creches, cinco escolas, oito postos de saúde e quatro de segurança.

Antônio Carlos de Souza é um dos beneficiários. Ele comentou a emoção de receber o apartamento. 
"Hoje eu estou nascendo de novo. Uma vida de dignidade, tendo agora um lar pra dizer que é meu, junto com a minha família. E pra gente é um sentimento de gratidão. Agora é viver o novo e daqui pra frente, uma nova vida, uma nova caminhada junto com a minha família."

Segundo o MDR, nos primeiros seis meses de 2021, o Governo Federal entregou mais de 190 mil casas e apartamentos, que realizaram o sonho da casa própria para mais de 750 mil pessoas. Já no estado amazonense foram 1,6 mil unidades habitacionais concedidas no mesmo período, que representa um crescimento de 23,5% em comparação ao primeiro semestre de 2020.
 

Copiar o texto
12/08/2021 18:12h

Com a presença do ministro Rogério Marinho, evento abordou os principais avanços do programa Casa Verde e Amarela

Baixar áudio

Os avanços e os principais desafios do programa habitacional do Governo Federal, o Casa Verde e Amarela, foram tema de debate durante o Fórum Norte-Nordeste da Indústria da Construção. O evento foi promovido pela Câmara Brasileira da Indústria da Construção, a CBIC, e ocorreu nesta quinta-feira, 12 de agosto, na cidade de Maceió, em Alagoas.

O ministro do Desenvolvimento Regional, Rogério Marinho, destacou as mudanças que se tornaram possíveis com a chegada do programa e reforçou que, apesar da diminuição orçamentária, haverá aumento nas entregas habitacionais nos próximos anos.

"Nós fizemos uma mudança que está permitindo que, ao longo dos próximos cinco anos, nós, com o mesmo recurso, tenhamos uma disponibilidade de pelo menos 25% a mais de unidades habitacionais financiadas no País. E não é mágica. É vontade política, é inteligência, é capacidade de dialogar e parceria."

No primeiro semestre de 2021, o Ministério do Desenvolvimento Regional, o MDR, entregou mais de 190 mil moradias, realizando o sonho da casa própria para mais de 750 mil pessoas.

Copiar o texto
10/08/2021 21:07h

No total, foram investidos R$ 13 milhões nos empreendimentos residenciais, que vão beneficiar cerca de 800 pessoas.

Baixar áudio

Duzentas famílias de baixa renda da cidade de Águas Belas, em Pernambuco, agora vão viver com mais dignidade e qualidade de vida. Isso porque o Governo Federal, por meio do Ministério do Desenvolvimento Regional, o MDR, entregou os residenciais Curral Novo 1 e 2, que receberam cerca de 13 milhões de reais em investimentos. No total, cerca de 800 pessoas foram beneficiadas com a casa própria.

Presente à entrega das chaves, Tiago Pontes, secretário Nacional de Mobilidade e Desenvolvimento Regional Urbano do MDR, destacou a importância do programa Casa Verde e Amarela.

"É um benefício que leva dignidade a cada uma das pessoas das cidades e de todas as regiões. Eu costumo dizer que cada pessoa que tem uma casa realiza o seu principal sonho. Ali ela cria a família, ali ela gera educação. Ali ela transforma e ali ela gera o ciclo da vida e gera prosperidade a todos que habitam."

Os residenciais oferecem aos novos moradores infraestrutura completa, com sistemas hidráulico e elétrico, esgotamento sanitário, pavimentação e drenagem. Além disso, a população beneficiada poderá utilizar o espaço de convivência construído dentro dos condomínios.

Uma das beneficiadas com a nova moradia é a agricultora Edilânia Lima, de 22 anos. Ela se inscreveu para receber a casa própria quando saiu da casa dos pais, há seis anos. Emocionada, ela comenta a sensação de receber as chaves da casa própria.

"É um sonho que há muitos anos eu sonhei. Eu morava há seis anos de aluguel e agora estou realizando o sonho de ter minha casa própria."

No primeiro semestre de 2021, o MDR entregou 191.750 moradias pelo Programa Casa Verde e Amarela. Mais de 700 mil pessoas tiveram o sonho da casa própria realizado.

 

Copiar o texto
10/08/2021 15:45h

Balanço inclui ações de pequeno, médio e grande porte nas áreas de mobilidade, desenvolvimento regional e urbano, saneamento, segurança hídrica e defesa civil. Total de investimentos em obras concluídas, retomadas e continuadas chega a R$ 4,26 bilhões

Baixar áudio

O Ministério do Desenvolvimento Regional (MDR) encerrou os seis primeiros meses de 2021 com 2,1 mil obras entregues em todas as regiões do País, o que representa uma média de 11,5 por dia. 

Segundo a pasta, as ações contribuíram para a manutenção e criação de 1,5 milhão de empregos diretos, indiretos e induzidos e contemplam as áreas de mobilidade, desenvolvimento regional e urbano, saneamento, segurança hídrica, habitação e defesa civil.

Neste período, o MDR executou um total de R$ 4,26 bilhões para concluir, retomar e dar continuidade a obras estruturantes, sendo R$ 3,16 bilhões do Orçamento Geral da União (OGU) e R$ 1,1 bilhão do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS).

"Os resultados mostram que estamos no caminho certo para cumprir nossa missão, que é reduzir as desigualdades em um País tão diverso. E essa redução passa pelo desenvolvimento regional, pela formulação de políticas públicas que possam fomentar a economia e elevar o nível social da população, oferecendo os serviços básicos, como saneamento e habitação", declarou o ministro do Desenvolvimento Regional, Rogério Marinho.

Somente dentro da política habitacional do Governo Federal, foram entregues, de janeiro a junho, mais de 190 mil moradias, das quais mais de 14 mil foram destinadas a famílias com renda mensal de até 2 mil reais.

Na área de Segurança Hídrica, o investimento no primeiro semestre foi de quase 440 milhões de reais, a maior parte na na região Nordeste, onde o Governo Federal se comprometeu a oferecer mais dignidade e qualidade de vida à população. No total, 24 empreendimentos foram concluídos.

Já em mobilidade e desenvolvimento regional e urbano, o MDR aportou mais de R$ 1 bilhão em obras durante o primeiro semestre. Foram entregues quase 1600 empreendimentos, além de retomadas outras 720 obras. 

Copiar o texto
06/08/2021 12:30h

Empreendimento residencial recebeu investimento federal de R$ 5,29 milhões e vai beneficiar mais de 200 pessoas

Baixar áudio

Mais de cinquenta famílias da cidade de Pedrinhas Paulista, em São Paulo, agora vão viver com mais dignidade e qualidade de vida. 

Isso porque o governo federal, por meio do Ministério do Desenvolvimento Regional, o MDR, entregou nesta quinta-feira, 5 de agosto, o conjunto Habitacional Pedrinha Paulista. 

No total, mais de duzentas pessoas de baixa renda serão beneficiadas. 

Alfredo dos Santos, secretário nacional da Habitação do MDR, Alfredo dos Santos, reforça o compromisso do Governo Federal em garantir moradia digna à população mais vulnerável. 

"Isso é a confirmação de uma determinação do presidente da República que, desde sua chegada, estabelece que é prioridade terminar as obras em andamento e retomar as paralisadas. Esse é um compromisso do presidente e é uma confirmação do respeito com o dinheiro público."

O empreendimento em Pedrinhas, que integra o Programa Casa Verde e Amarela, recebeu mais de cinco milhões em investimentos federais. 

No primeiro semestre deste ano, o MDR entregou mais de 190 mil moradias, que realizaram o sonho da casa própria para mais de setecentas e cinquenta mil pessoas.

Copiar o texto
06/08/2021 03:00h

Casas do Conjunto Habitacional Platina C1 receberam investimento federal de R$ 4,99 milhões e vão beneficiar cerca de 320 pessoas

Baixar áudio

Mais de oitenta famílias de baixa renda da cidade de Platina, em São Paulo, agora vão viver com mais dignidade e qualidade de vida. Isso porque o Governo Federal, por meio do Ministério do Desenvolvimento Regional, o MDR, entregou nesta quinta-feira, 5 de agosto, o Conjunto Habitacional Platina C1. No total, mais de 300 pessoas serão beneficiadas com a casa própria.

Alfredo dos Santos, secretário nacional de Habitação do MDR, reforça o compromisso do Governo Federal em garantir moradia digna para a população mais vulnerável.

"Isso é a confirmação de uma determinação do presidente da República, que, desde sua chegada, estabelece que é prioridade terminar as obras em andamento e retomar as paralisadas. Esse é um compromisso do presidente e é uma confirmação do respeito com o dinheiro público."

Uma das beneficiadas com a nova moradia é a tratorista Roseneide Maria Pereira, de 34 anos. Desempregada desde 2017, ela comemorou sair do aluguel e realizar o sonho da casa própria. 


"Estou muito feliz, o que eu sinto é gratidão. As necessidades que a gente estava passando vão diminuir, porque é complicado pagar o aluguel."

O residencial em Platina, que integra o Programa Casa Verde e Amarela, recebeu quase 5 milhões de reais em investimentos federais.

No primeiro semestre deste ano, o MDR entregou mais de 190 mil moradias, que realizaram o sonho da casa própria para mais de 750 mil pessoas.

Copiar o texto
Brasil 61