Habitação

23/09/2022 16:31h

Portaria definiu regras para recompra antecipada de cotas do Fundos de Investimento da Amazônia (Finam) e do Nordeste (Finor), cujo saldo resultante será doado ao Fundo de Arrendamento Residencial (FAR), destinado à construção de moradias para famílias de baixa renda

Baixar áudio

O Ministério do Desenvolvimento Regional, o MDR, regulamentou o procedimento para a recompra antecipada de cotas dos Fundos de Investimento da Amazônia, o Finam, e do Nordeste, o Finor. O saldo resultante dessas operações será inteiramente doado para a construção de moradias para famílias de baixa renda.

Como são fundos listados na Bolsa de Valores, o Finam e o Finor poderão convocar leilões para a compra das cotas em posse de empresas. Isso vai servir para a extinção desses fundos, como previsto em lei. A participação nesse tipo de operação será optativa ao cotista.

O secretário de Fomento e Parcerias com o Setor Privado do MDR, Fernando Diniz, explica o alcance da medida. "Essa é uma medida muito interessante, porque, hoje, esses fundos não têm liquidez na Bolsa de Valores. E, com o processo de recompra, essas cotas poderão ser vendidas pelas empresas e recompradas pelos próprios fundos. O saldo resultante dessa recompra de cotas, que a recompra antecipada virá com um desconto, esse saldo resultante vai inteiramente para habitação popular. E isso vai gerar emprego, gera renda e gera desenvolvimento regional."

A recompra de cotas será feita de acordo com a disponibilidade financeira do Finam e do Finor. Os prazos e valores de desconto serão estabelecidos pelo MDR, após consulta ao Banco da Amazônia e ao Banco do Nordeste, que são os operadores dos dois fundos. A participação nesse tipo de operação será optativa ao cotista. O Banco da Amazônia e o Banco do Nordeste definirão o cronograma das etapas de recompra das frações.

 

 

Copiar o texto
15/09/2022 18:40h

Pelo 20º ano, banco marca presença nos eventos voltados ao setor imobiliário e apoia milhares de brasileiros na realização do sonho da casa própria

Baixar áudio

Para quem sonha com a casa própria, a CAIXA vai estar presente em diversas feiras habitacionais espalhadas por todo o Brasil até dezembro deste ano. Esse é o vigésimo ano de apoio a eventos do tipo. 

A partir desta quinta-feira (15), a CAIXA estará na feira habitacional de Montes Claros, em Minas Gerais, no Parque de Exposições João Alencar Athayde. O evento segue até domingo, dia 18 de setembro. 

Durantes as feiras, os interessados podem escolher o imóvel que mais se adequar às necessidades e optar por um financiamento de acordo com o perfil. A vice-presidente de Habitação da CAIXA, Henriete Bernabé, explica mais. 

“É uma oportunidade para a população, para aquelas famílias que querem realizar o sonho da casa própria, encontrar em um único local imóveis de diversos tipos e valores para que possam escolher aquele imóvel em que a prestação caiba no bolso da família.” 

Nas feiras, há o atendimento na rede parceira de Correspondentes CAIXA Aqui. E quem preferir pode baixar o aplicativo CAIXA Habitação diretamente no celular para saber as condições para contratar o crédito. Atualmente, dois milhões de clientes acessam mais de 50 funcionalidades por meio do aplicativo.

Só nos primeiros meses de 2022, segundo o banco, o CAIXA Habitação contratou um bilhão e meio de reais de crédito imobiliário de forma digital.

Além disso, a CAIXA é a única que oferece quatro opções de linhas de financiamento imobiliário com recursos do sistema brasileiro de poupança e empréstimo, o SBPE. O interessado pode optar por TR, IPCA, Poupança Caixa ou Taxa Fixa, ou ainda financiar imóveis novos, usados construção e reforma. 

Henriete Bernabé reforça que as feiras podem ser uma oportunidade de dar o primeiro passo rumo à casa própria.

“A CAIXA vai estar presente, possibilitando que as pessoas escolham o seu financiamento, o melhor financiamento, prazo e taxas. As pessoas que visitarem as feiras poderão sair com a contratação do financiamento, já com o negócio realizado. A CAIXA é o banco da habitação, a cada 10 imóveis financiados no país, seis são financiados com a CAIXA.”

O banco possui 99,9% de participação de mercado nas operações com recursos do Programa Casa Verde e Amarela. 

No site caixanoticias.caixa.gov.br você pode acessar a lista com as datas e locais das próximas feiras ou pelo telefone 3004-1105. Repetindo 3004-1105. 

O aplicativo CAIXA Habitação está disponível para os sistemas operacionais Android e IOS e pode ser baixado de graça nas lojas Google Play ou App Store

Copiar o texto
15/09/2022 04:00h

Evento vai até domingo (18), no Parque de Exposições João Alencar Athayde. Moradores do município terão a oportunidade de ter à disposição diversas ofertas de imóveis e realizar todas as etapas da contratação, escolher o imóvel mais adequado às necessidades e realizar financiamentos

Baixar áudio

Começa nesta quinta-feira, dia 15, a Feira habitacional em Montes Claros, com a participação da CAIXA. A feira será realizada no Parque de Exposições João Alencar Athayde até domingo, dia 18 de setembro. 

A vice-presidente de Habitação da CAIXA, Henriete Bernabé, explica que a população de Montes Claros poderá escolher o imóvel que mais se adequar ao perfil e às necessidades.

“Vamos reunir em um único local diversas construtoras e a CAIXA vai estar presente, para aquelas famílias que têm interesse de realizar o sonho da casa própria. A CAIXA tem as melhores condições de mercado em relação a taxas e financiamentos.”

Durante a feira, haverá atendimento na rede parceira de Correspondentes Caixa Aqui. Os interessados podem escolher o imóvel mais adequados às necessidades e realizar o financiamento de acordo com perfil. É uma oportunidade de ter à disposição diversas ofertas de imóveis e realizar todas as etapas da contratação. 

E quem preferir pode baixar o aplicativo CAIXA Habitação diretamente no celular para saber as condições para contratar o crédito. Atualmente, dois milhões de clientes acessam mais de 50 funcionalidades por meio do aplicativo.

A CAIXA é a única que oferece quatro opções de linhas de financiamento imobiliário com recursos do sistema brasileiro de poupança e empréstimo, o SBPE. O interessado pode optar por TR, IPCA, Poupança Caixa ou Taxa Fixa, ou ainda financiar imóveis novos, usados construção e reforma. 

Henriete Bernabé reforça aos moradores de Montes Claros a importância da feira.

“As pessoas que visitarem a feira e encontrarem o imóvel que tem a prestação que caiba no bolso já podem sair da feira com o imóvel contratado, com seu financiamento concluído. Então você, morador que nos ouve, vale a pena visitar a feira.”

O Parque de Exposições João Alencar Athayde fica na Praça Lindolfo Laughton, 1373, em Alto São João. O evento segue até domingo, dia 18.

No site caixanoticias.caixa.gov.br você pode acessar a lista com as datas e locais das próximas feiras ou pelo telefone 3004-1105. Repetindo 3004-1105. 

O aplicativo CAIXA Habitação está disponível para os sistemas operacionais Android e IOS e pode ser baixado de graça nas lojas Google Play ou App Store

Copiar o texto
Desenvolvimento Regional
08/09/2022 17:50h

Residencial Alameda Pajuçara recebeu R$ 38,4 milhões em investimentos e vai atender cerca de 2 mil pessoas

Baixar áudio

Quatrocentos e oitenta famílias de baixa renda da cidade de Maceió, em Alagoas, receberam, nesta quinta-feira (8), as chaves da casa própria com a entrega do Residencial Alameda Pajuçara. O empreendimento integra o Programa Casa Verde e Amarela e vai atender cerca de 2 mil pessoas.

O residencial recebeu R$ 38,4 milhões em investimentos com recursos do Fundo de Arrendamento Residencial (FAR) e conta com 480 unidades divididas em 120 blocos de dois andares, com quatro apartamentos por andar.

“Hoje é um momento de mudança, um momento em que as pessoas que necessitam recebem muito mais do que um imóvel, recebem dignidade e a oportunidade de um recomeço. A casa própria é um sonho para todos os brasileiros e ficamos felizes por essas famílias que hoje recebem suas moradias", destaca o secretário nacional de Habitação do Ministério do Desenvolvimento Regional (MDR), Alfredo dos Santos.

A marisqueira Alessandra Alves da Silva, de 31 anos, foi uma das beneficiadas com a moradia própria. Ela e as duas filhas, Aline Alves, 11 anos, e Clarice Alves da Silva, 3 anos, moravam na favela Sururu de Capote. A região foi atingida por enchentes no primeiro semestre deste ano e, com isso, Alessandra perdeu todos seus utensílios domésticos e móveis.

“Passamos por muita humilhação. Tivemos que deixar nossa casa e ir dormir em um colégio, no chão. Perdi tudo. Depois de tudo que passei, tenho fé que, daqui para frente, eu e minhas filhas teremos uma vida melhor”, comemorou Alessandra.

O residencial conta com infraestrutura completa, com drenagem, esgoto, água, pavimentação, energia elétrica, iluminação pública e transporte público. Além disso, conta com uma creche, duas escolas e um posto de saúde nas proximidades.

Copiar o texto
06/09/2022 17:00h

Conjunto Habitacional Fariz Gebrim conta com unidades de 41 m² e vai atender cerca de 2 mil pessoas

Baixar áudio

Quinhentas e vinte famílias de baixa renda da cidade de Apucarana, no Paraná, receberam, nesta terça-feira (6), as chaves da casa própria com a entrega do Conjunto Habitacional Fariz Gebrim. O empreendimento integra o Programa Casa Verde e Amarela e vai atender cerca de 2 mil pessoas.

O residencial recebeu R$ 31,2 milhões em investimentos do Fundo de Arrendamento Residencial (FAR) e R$ 2,6 milhões em contrapartida do estado e do município. Dentre os beneficiados, 464 são mulheres responsáveis pela economia familiar. Além disso, entre homens e mulheres, há 16 idosos e 16 portadores de deficiência.

“Nós todos sabemos o quanto uma casa própria é importante para todo cidadão brasileiro. Este residencial ficou muito tempo paralisado, mas foi retomado com apoio do estado e do município. Esta entrega significa justamente o respeito com o cidadão, o respeito com o dinheiro público”, destacou o secretário nacional de Habitação do Ministério do Desenvolvimento Regional (MDR), Alfredo dos Santos.

Um dos beneficiados com a nova moradia foi o casal Beatriz de Oliveira e Mablo Henrique Rodrigues. Antes, eles moravam de favor na casa da avó de Mablo. “Tem gente que demora muitos anos pra ter sua casa própria. Fico muito feliz de Deus ter me abençoado com a casa própria com 20 anos. Este mês é meu aniversário e este é um presente enorme”, comemorou Beatriz.

A auxiliar de rouparia Gabriele Cristina da Silva, de 22 anos, também recebeu a casa própria nesta terça-feira. “Estou muito feliz desde que saiu meu nome no sorteio. Peguei minha chave hoje, tenho dois filhos e vou poder deixar essa casa para eles. Não tenho nem palavras”, comemorou.

O Conjunto Habitacional Fariz Gebrim conta com unidades habitacionais de 41m², além de um Centro Municipal de Educação Infantil (CMEI) e uma escola composta por quatro salas de aulas, ambos financiadas com recursos do FAR. Além disso, um posto de saúde foi construído no local com recursos da prefeitura de Apucarana.

O residencial conta com infraestrutura completa, com drenagem, esgoto, água, pavimentação, energia elétrica, iluminação pública e transporte público.

Copiar o texto
30/08/2022 20:00h

As operações contratadas no âmbito do programa serão repassadas às famílias beneficiadas a valores subsidiados pelo Fundo de Desenvolvimento Social, o FDS

Baixar áudio

O Ministério do Desenvolvimento Regional (MDR) prorrogou até 14 de outubro o prazo para apresentação, ao agente financeiro credenciado, de documentos técnicos, institucionais e jurídicos para seleção e contratação de propostas do Programa de Regularização Fundiária e Melhoria Habitacional, que integra as ações do Casa Verde e Amarela. O novo calendário foi publicado na edição desta terça-feira do Diário Oficial da União (DOU). Confira neste link.

“Com a ampliação do prazo, fica garantida a contratação para todas aquelas cidades que apresentaram suas propostas e todas as empresas que apresentarem os documentos necessários até a nova data”, destaca o secretário nacional de Habitação do Ministério do Desenvolvimento Regional (MDR), Alfredo dos Santos. “O prazo máximo para contratação, no entanto, permanece até fim de novembro deste ano”, informa.

As operações contratadas no âmbito do Programa de Regularização Fundiária e Melhoria Habitacional serão repassadas às famílias beneficiadas a valores subsidiados pelo Fundo de Desenvolvimento Social (FDS). A previsão inicial é atender 44 mil famílias até 2023, das quais 20% também vão receber melhorias em suas habitações.

No momento, o Programa de Regularização Fundiária e Melhoria Habitacional do Governo Federal conta com a adesão de 1.390 municípios, dos quais 376 receberam 1.324 propostas de agentes promotores cadastrados. Dessas propostas, 1.076 receberam a anuência dos municípios e encontram-se em análise pelo MDR.

Confira abaixo como ficou estabelecido o cronograma com a alteração:

  1. Adesão ao Programa de Regularização Fundiária e Melhoria Habitacional pelo Poder público municipal ou Distrital – Processo contínuo (a cargo do Poder público municipal ou Distrital). A inscrição é realizada neste link.
  2. Cadastramento de usuário de acesso e das propostas mediante preenchimento de formulário eletrônico – 30 de janeiro de 2022 (a cargo dos agentes promotores)
  3. Anuência da proposta cadastrada – 9 de fevereiro de 2022 (a cargo do Poder público municipal ou Distrital)
  4. Análise de enquadramento e divulgação do resultado da seleção MDR – 25 de março de 2022 (a cargo do Órgão Gestor). Confira a portaria nº 899 do Diário da União que divulgou a seleção final neste link.
  5. Apresentação de documentos técnicos, institucionais e jurídicos ao Agente Financeiro credenciado – 14 de outubro de 2022 (a cargo de agentes promotores)
  6. Análise dos documentos técnicos, institucionais e jurídicos e contratação do financiamento entre Agente Financeiro, Agentes Promotores e famílias atendidas com regularização fundiária – 30 de novembro de 2022 (a cargo dos agentes financeiros e promotores).

Dúvidas e pedidos de informação de gestores municipais e estaduais e da população sobre o Programa de Regularização Fundiária e Melhoria Habitacional devem ser encaminhados por meio da Plataforma Integrada de Ouvidoria e Acesso à Informação do MDR, acessível neste link. Pela ferramenta, será possível acompanhar o andamento da demanda, prazo de atendimento, bem como registrar recursos, reclamações e consulta às respostas já recebidas.

O Programa

A regularização fundiária possibilita o acesso ao título que garante o direito real sobre o lote das famílias, oferecendo segurança jurídica, a redução dos conflitos fundiários, a ampliação do acesso ao crédito, o estímulo à formalização de empresas e o aumento do patrimônio imobiliário do País.

Já a melhoria habitacional consiste na reforma e ampliação do imóvel, enfrentando problemas como deterioração, falta de banheiro, cobertura ou piso, instalações elétricas ou hidráulicas inadequadas e adensamento excessivo de moradores, entre outros.

Copiar o texto
30/08/2022 16:51h

Lei nº 14.438 também autoriza que os depósitos do FGTS possam ser usados como caução nas parcelas do financiamento

Baixar áudio

O prazo máximo para financiamento de moradias por meio do Programa Casa Verde Amarela vai passar de 30 para 35 anos. A Lei nº 14.438/2022, que amplia o período, foi sancionada pela Presidência da República e começa a valer já no início de setembro.

De acordo com o secretário nacional de Habitação do Ministério do Desenvolvimento Regional (MDR), Alfredo dos Santos, a adequação do prazo de pagamento do financiamento iguala as condições do Programa Casa Verde Amarela às operações de mercado, que já tinham o prazo de 35 anos.

"Isso significa dizer que as pessoas terão condição de comprar o imóvel com uma parcela mais adequada ao seu orçamento ou, ainda, adquirir um imóvel de valor um pouco mais elevado, uma vez que a ampliação do prazo aumenta a capacidade de compra das famílias", explica o secretário. "A decisão pelo prazo é sempre do cliente, de acordo com sua capacidade de pagamento", informa.

A Lei nº 14.438 também autoriza que os depósitos do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS) possam ser usados como caução nas parcelas do financiamento.

As medidas, que foram sancionadas na quinta-feira (25), integram uma série de ajustes na modalidade de aquisição financiada de moradias por meio do Programa Casa Verde Amarela. No último mês de julho, as faixas de renda familiar foram atualizadas e os subsídios – a depender da renda, localização e características do imóvel – foram ampliados.

Com a aprovação do Conselho Curador do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (CCFGTS), o limite de renda familiar para o Grupo 2 passou de R$ 4 mil para R$ 4,4 mil e, para o Grupo 3, de R$ 7 mil para R$ 8 mil. Em março deste ano, o Grupo 1 já havia sido reajustado de R$ 2 mil para 2,4 mil.

Além disso, um novo aumento de subsídio atendeu os Grupos 1 e 2, ou seja, famílias com renda até R$ 4,4 mil. Até setembro de 2021, uma família que vive no Distrito Federal, com renda de até R$ 1,8 mil, contava com R$ 29 mil de subsídio para financiar a casa própria. Com as mudanças, essa mesma família agora conta com subsídio de R$ 47,5 mil.

Já outra família, também do DF, com renda de até R$ 2,4 mil e que estava apta a receber R$ 11,8 mil de subsídio anteriormente, vai receber R$ 24,9 mil. Com isso, no caso, por exemplo, de um imóvel com valor de R$ 159 mil, será possível financiar até R$ 119 mil – antes era R$ 89,4 mil. Desse modo, será reduzido o valor de entrada que a família deve pagar. Se antes esse montante era de R$ 57 mil, a entrada passa a ser de R$ 15 mil, uma redução de 73% para acesso ao crédito habitacional.

Fundo Garantidor para financiamentos

Ainda nesta semana, a Medida Provisória nº 1.114/2022, que permite o uso do Fundo Garantidor da Habitação Popular (FGHab) para os financiamentos do programa Casa Verde e Amarela, deve ser votada no Congresso Nacional.

O Fundo tem por finalidade garantir o financiamento habitacional em caso de desemprego e redução temporária da capacidade de pagamento, além de casos de morte ou invalidez permanente de mutuário.

Como comprar um imóvel pelo programa

Para poder financiar um imóvel pelo Programa Casa Verde Amarela, é preciso que o beneficiário não seja dono ou tenha financiamento de imóvel residencial, não tenha recebido benefícios de natureza habitacional de recursos federais, não esteja cadastrado no Sistema Integrado de Administração de Carteiras Imobiliárias (SIACI) e/ou Cadastro Nacional de Mutuários (CADMUT) e não esteja inadimplente com o Governo Federal.

As famílias interessadas no financiamento imobiliário devem procurar as construtoras dos imóveis que pretendem comprar, além da Caixa Econômica Federal, maior agente financeiro que opera o programa. Neste link, é possível fazer uma simulação para mais detalhes sobre as condições do financiamento.

Copiar o texto
19/08/2022 17:20h

Secretário nacional de Habitação, Alfredo dos Santos, esteve no evento, em João Pessoa (PB), para debater diretrizes de desenvolvimento das regiões

Baixar áudio

Com o objetivo de construir ações integradas para o fortalecimento do setor de construção civil, terminou, nesta sexta-feira (19), o Fórum Norte Nordeste da Indústria da Construção Civil (FNNIC), em João Pessoa, na Paraíba. O evento contou com a participação do secretário Nacional de Habitação do Ministério do Desenvolvimento Regional (MDR), Alfredo dos Santos, e teve como tema principal diretrizes para o desenvolvimento das regiões.

Durante o fórum, o secretário Alfredo Santos apresentou mudanças do Programa Casa Verde Amarela que visam facilitar o acesso da população de baixa renda ao financiamento habitacional.

Em julho, duas novas condições para as contratações de financiamento imobiliário entraram em vigor. As faixas de renda familiar foram atualizadas e os subsídios – a depender da renda, localização e características do imóvel – foram ampliados.

Com a aprovação do Conselho Curador do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (CCFGTS), o limite de renda familiar para o Grupo 2 passou de R$ 4 mil para R$ 4,4 mil e, para o Grupo 3, de R$ 7 mil para R$ 8 mil. Em março deste ano, o Grupo 1 já havia sido reajustado de R$ 2 mil para 2,4 mil. Saiba mais neste link.

Outra mudança foi no prazo máximo para financiamento de moradias por meio do Programa Casa Verde Amarela, que vai passar de 30 para 35 anos. Além do novo prazo, a Medida Provisória autorizou que os depósitos do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS) possam ser usados como caução nas parcelas do financiamento. Saiba mais aqui.

O presidente do FNNIC, Marcos Holanda, comentou as mudanças promovidas para ampliar a adesão ao Programa Casa Verde e Amarela. “O MDR colocou o Fórum como parte importante na discussão de ajustes na política habitacional e sentimos que essa mudança começa a colocar o Norte e o Nordeste como prioridade”, destacou. “O segmento da construção civil tem certeza de que vai avançar e gerar emprego e renda e as pessoas de baixa renda vão ter a sua casa, que é o grande objetivo. O lucro é o subproduto das coisas bem-feitas”, completou.

Também foram abordados no evento temas como a participação das pequenas e médias empresas nas obras estruturantes, requalificação dos antigos centros urbanos e parcelamento do solo em áreas urbanas, além dos principais desafios para ampliação da competitividade.

Copiar o texto
19/08/2022 14:50h

Residencial Vista Alegre III é composto por cinco blocos de quatro andares e vai atender cerca de 650 pessoas

Baixar áudio

Cento e sessenta famílias de baixa renda da cidade de João Pessoa, na Paraíba, receberam, nesta sexta-feira (19), as chaves da casa própria. A cerimônia de inauguração do Residencial Vista Alegre III contou com a presença do secretário Nacional de Habitação do Ministério do Desenvolvimento Regional (MDR), Alfredo dos Santos.

Na hora da entrega, o secretário falou da melhoria na qualidade de vida das pessoas e da responsabilidade que terão com o imóvel. “Hoje é um momento de mudança, um momento em que as pessoas que necessitam recebem um direito. Ninguém está recebendo favor e sim direito. Mas com direito vem responsabilidade, então tem que tomar conta da casa, não pode vender, não pode alugar, não pode deixar vazia. A sociedade brasileira colocou muito dinheiro para que cada um de vocês tenham a dignidade de morar aqui”, destacou Santos.

O residencial, que vai atender cerca de 650 pessoas, recebeu R$ 14,1 milhões em investimentos e conta com cinco blocos de quatro andares, com oito apartamentos por pavimento. Dentre os beneficiados, 117 são mulheres responsáveis pela economia familiar. Além disso, entre homens e mulheres, há 11 idosos e 30 portadores de deficiência.

A dona de casa Priscila Brito Fernandes é uma das contempladas. Ela comemorou o fato de poder proporcionar mais qualidade de vida para a filha Gabriela, de 11 anos.

Cento e sessenta famílias de baixa renda da cidade de João Pessoa, na Paraíba, receberam, nesta sexta-feira (19), as chaves da casa própria. A cerimônia de inauguração do Residencial Vista Alegre III contou com a presença do secretário Nacional de Habitação do Ministério do Desenvolvimento Regional (MDR), Alfredo dos Santos.

Na hora da entrega, o secretário falou da melhoria na qualidade de vida das pessoas e da responsabilidade que terão com o imóvel. “Hoje é um momento de mudança, um momento em que as pessoas que necessitam recebem um direito. Ninguém está recebendo favor e sim direito. Mas com direito vem responsabilidade, então tem que tomar conta da casa, não pode vender, não pode alugar, não pode deixar vazia. A sociedade brasileira colocou muito dinheiro para que cada um de vocês tenham a dignidade de morar aqui”, destacou Santos.

O residencial, que vai atender cerca de 650 pessoas, recebeu R$ 14,1 milhões em investimentos e conta com cinco blocos de quatro andares, com oito apartamentos por pavimento. Dentre os beneficiados, 117 são mulheres responsáveis pela economia familiar. Além disso, entre homens e mulheres, há 11 idosos e 30 portadores de deficiência.

A dona de casa Priscila Brito Fernandes é uma das contempladas. Ela comemorou o fato de poder proporcionar mais qualidade de vida para a filha Gabriela, de 11 anos.

Copiar o texto
18/08/2022 17:40h

Os dois módulos do Residencial Miracema vão atender cerca de quatro mil pessoas com casas e apartamentos

Baixar áudio

Mil famílias de baixa renda da cidade de Macapá, no Amapá, receberam, nesta quinta-feira (18), as chaves da casa própria. O ministro do Desenvolvimento Regional, Daniel Ferreira, participou da cerimônia de inauguração dos módulos I e II do Residencial Miracema, que vão atender cerca de quatro mil pessoas.

O empreendimento atende a população do Canal do Jandiá, área de risco da capital amapaense. Dentre os mil beneficiados, 578 são mulheres responsáveis pela economia familiar. Além disso, entre homens e mulheres, há 102 idosos e 74 portadores de deficiência.

O aposentado Joaquim dos Santos, de 66 anos, é um dos contemplados com a nova moradia. Morador da área que foi desocupada e debilitado por um câncer de pulmão, o idoso conta com o apoio da filha Jane dos Santos, de 42 anos. A técnica em enfermagem também vai morar no novo residencial, junto com a mãe, Isolete Francisca dos Santos, de 70 anos, além do marido, José Amaral, de 46 anos, e da filha, Iarla Santos Henriques, de 16.

Anteriormente, Joaquim já havia sido inscrito pela família em outro residencial, porém sem êxito. Segundo Jane, o local do empreendimento onde os cinco irão morar é um diferencial importante para poder cuidar dos pais idosos.

“Tínhamos lutado tanto, perdido e, de repente, aconteceu uma coisa melhor. Um residencial mais próximo, equipado. Um habitacional bem mais completo. Isso nos deixou muito contentes”, comemorou.

Os dois conjuntos entregues receberam mais de R$ 83 milhões em investimentos, incluindo recursos do Fundo de Arrendamento Residencial (FAR) e R$ 3,1 milhões em contrapartida do poder público estadual. Cada um dos módulos conta com 500 moradias, entre casas e apartamentos. Outros dois módulos, também com 500 unidades habitacionais cada, estão em construção.

O Residencial Miracema conta com infraestrutura completa, com drenagem, esgoto, água, pavimentação, energia elétrica, iluminação pública e transporte público, além de uma escola e uma creche dentro do empreendimento, ambas construídas com recursos do FAR. "A creche e escola construídas dentro do residencial humaniza a rotina da família. Economiza tempo para gastar com os filhos", disse o ministro.

Copiar o texto
Brasil 61