Cadastro de mídia

TERMO DE USO E PARCERIA

TERMO DE USO E PARCERIA

Regras de Uso

1º - A utilização gratuita e livre dos materiais produzidos pelo Brasil 61 só será permitida depois que este termo de parceria for aceito pelo usuário, prevendo as seguintes regras:

a) A utilização do material - na íntegra, ou em partes - só será permitida desde que as informações não sejam distorcidas, manipuladas ou alteradas.

b) Não é necessário a identificação do Brasil 61 na hora da replicação do conteúdo. Mas toda e qualquer veiculação de áudios produzidos pelo Brasil 61 prevê o cadastro no site, com a disponibilização de dados que serão utilizados para a organização do mailing desta empresa,

2º - OBRIGAÇÕES DO BRASIL 61

a) O Brasil 61 se compromete, a partir deste termo de uso, a produzir conteúdo particularizado diariamente, trazendo informações de dia-a-dia e bastidores do Planalto Central, além de outras temáticas de relevância do noticiário nacional. 

b) O acesso ao conteúdo jornalístico (na versão de leitura) é livre e gratuito, podendo ser replicado por qualquer usuário que acesse o site. O download do áudio para que seja utilizado na programação das rádios requer que o radialista realize o login no site da Agência do Rádio - informando e-mail e senha cadastrados. 

3º - OBRIGAÇÕES DOS COMUNICADORES PARCEIROS

Não alterar o sentido dos materiais, ou distorcer fala de entrevistados ou mudar a conotação das mensagens dos materiais. 

ADENDOS IMPORTANTES SOBRE A PARCERIA

a) O Brasil 61 poderá distribuir conteúdo patrocinado com ou sem assinatura dos clientes patrocinadores do boletim e sem aviso prévio ao comunicador. 

b) As rádios parceiras não vão ter participação financeira sobre o faturamento do Brasil 61.

c) Os comunicadores podem patrocinar os conteúdos do Brasil 61, desde que não alterem o sentido e a conotação dos conteúdos oferecidos. Nesses casos, o Brasil 61 Mais não terá participação nos lucros conquistados pelos veículos parceiros. 

Ao clicar em ACEITO, a emissora aqui cadastrada afirma concordar e estar ciente de todas as condições apresentadas neste Termo de Utilização de Conteúdo.

Respiradores

03/07/2020 11:00h

Ministério da Defesa auxilia essas empresas para fazer as adaptações necessárias

Baixar áudio

O Ministério da Defesa está convocando empresas de todo o país para modificar as suas linhas de produção para a fabricação de respiradores. Deste modo, uma multinacional com em  fábrica Santa Catarina assinou contrato com o Ministério da Saúde para a fabricação de 950 respiradores até agosto. 

A empresa, que originalmente atua no ramo de automação, também vão entregar 500 aparelhos à Secretaria de Saúde do Estado de Santa Catarina. Segundo o Ministério da Defesa, 16 empresas em todo o país apresentam o potencial para produzir mais de 27,5 mil ventiladores mecânicos até o mês de setembro.

Além da empresa catarinense, outras sete fábricas já passaram por todas as adequações exigidas pelos órgãos de saúde e podem comercializar esses produtos. Além disso, para produzir respiradores, as companhias passam por um processo de homologação junto a Anvisa.  

Copiar o texto
30/06/2020 00:00h

Governo Federal também adotou medidas para evitar falta de medicamentos para intubação em território nacional

Baixar áudio

Desde o início da pandemia do coronavírus no Brasil, o Ministério da Saúde já distribuiu 115.696.180 unidades de equipamentos de proteção individual (EPIs) a estados e municípios. Os insumos são voltados, majoritariamente, a profissionais de saúde que atuam na linha de frente no combate à Covid-19.

Os materiais distribuídos pela pasta incluem álcool em gel, aventais, luvas, máscaras N95 e cirúrgicas, óculos de proteção, touca, sapatilhas descartáveis e protetores faciais. Em relação aos recursos federais repassados às unidades da Federação, são R$ 50,4 bilhões desde o começo da pandemia, sendo R$ 9,7 bilhões exclusivos para o combate à Covid-19.

Em entrevista coletiva nesta segunda-feira (29), o Ministério da Saúde também detalhou dados relativos à distribuição de ventiladores. Segundo a pasta, 1.553 ventiladores pulmonares foram concedidos aos estados brasileiros no período entre 22 e 29 de junho – ao todo, já foram 6.410 equipamentos.

“Em complemento à ação tripartite, a responsabilidade de estados e municípios de organizar, equipar, contratar pessoal e preparar estruturas, o Ministério da Saúde tem feito repasse de recursos exclusivos para o tratamento da Covid-19 e realizado compras centralizadas, dentre elas, a de ventiladores pulmonares, EPIs e mais alguns materiais para reforçar a estrutura dos estados, assim como a contratação de profissionais”, destacou o secretário-executivo do Ministério da Saúde, Elcio Franco. 

Medicamentos

O Ministério da Saúde também anunciou três medidas para evitar a falta de medicamentos para intubação em território nacional. A primeira ação foi buscar via Organização Pan-Americana de Saúde (OPAS) a compra de medicamentos para complementar o setor farmacêutico nacional para regularização.

Em outra iniciativa, o Departamento de Assistência Farmacêutica do Ministério da Saúde fez uma requisição administrativa para que haja organização da demanda por medicamentos. O Conselho Nacional de Secretários de Saúde (CONASS) e o Conselho Nacional das Secretarias Municipais de Saúde (CONASEMS) fizeram um levantamento junto a todos os hospitais da rede do Sistema Único de Saúde (SUS) para saber a demanda e estimar o quantitativo em consumo médio mensal.

“O CONASS apresentou uma planilha para o Ministério da Saúde com 22 medicamentos, aqueles mais presentes na maioria dos protocolos dos hospitais de referência para tratamento desses pacientes em intubação. Desde então estamos trabalhando com esse dado macro”, explica Sandra de Castro Barros, diretora do Departamento de Assistência Farmacêutica e Insumos Estratégicos do Ministério da Saúde. 

Por fim, o Ministério da Saúde iniciou um processo de compra, na modalidade de pregão eletrônico, com sistema de registro de preço. “Essas três ações estão ocorrendo em paralelo. O sistema de registro de preço, será dado oportunidade para as 27 unidades da Federação aderirem e serem coparticipantes, e como coparticipantes comprar com esse ganho em escala que será proporcionado por essa ata de registro de preço”, pontuou Elcio Franco.
 

Copiar o texto
Saúde
19/06/2020 12:15h

Ferramenta permite que profissionais de Saúde tirem dúvidas por meio do WhatsApp

Baixar áudio

Com o objetivo de dar suporte a profissionais de saúde que operam respiradores mecânicos,  o Instituto de Tecnologia (FIT), a Agência Brasileira de Desenvolvimento Industrial (ABDI) e Confederação Nacional de Saúde (CNSaúde) desenvolveram a plataforma Respira. Por meio da ferramenta, é possível aprender como operar os principais modelos dos equipamentos disponíveis atualmente. 

O Respira reúne o material de educação a distância dos principais fabricantes de ventiladores pulmonares do Brasil. A plataforma possui ainda um espaço para dúvidas e questionamentos sobre a operação dos equipamentos. O profissional também pode tirar suas dúvidas online por meio de um sistema de Inteligência Artificial via WhatsApp, que vai auxiliá-lo a encontrar as respostas. 

Para mais informações, acesse www.brasilrespira.com.br
 

Copiar o texto
Saúde
16/06/2020 00:05h

Pasta também divulgou novas orientações preventivas para crianças e gestantes

Baixar áudio

O Ministério da Saúde autorizou a habilitação de leitos de suporte ventilatório pulmonar para uso exclusivo do tratamento de pacientes infectados pelo coronavírus. 

Esse tipo de leito é voltado para o atendimento de pacientes que ainda não evoluíram para estado grave, mas que necessitam de suporte de oxigênio. De acordo com o Governo Federal, o custo da diária do leito de suporte ventilatório pulmonar é de aproximadamente R$ 467 – o custo de um leito de UTI é de cerce de R$ 1,6 mil.

A medida é temporária, válida inicialmente por 30 dias, prorrogáveis por igual período. Segundo a pasta, todo o fluxo de demanda para habilitação desse tipo de leito seguirá a demanda dos leitos de UTI, de acordo com a necessidade de cada estado ou município.  

“O grande objetivo deles (leitos de suporte ventilatório pulmonar) é justamente atender de maneira precoce aquele paciente que começa a apresentar algum sinal de insuficiência respiratória. Serão leitos para estabilização desses pacientes e encaminhamento posterior às UTIs”, destaca Mariana Borges Dias, médica assessora da Coordenação Geral de Atenção Hospitalar e Domiciliar do Ministério da Saúde.

“Esses leitos ficarão em estabelecimentos que precisam ter uma condição mínima de suporte e infraestrutura para ter um monitor, o ventilador mecânico. Poderão estar nas UPAs, nos hospitais de pequeno porte, nos hospitais gerais e, eventualmente, em hospitais de campanha”, completa Dias.

Crianças e gestantes

O Ministério da Saúde apresentou também reedição da norma que orienta médicos a prescreverem dose segura de medicações para tratamento precoce da Covid-19 a grupos de risco. A pasta acrescentou dois grupos considerados de risco na norma – crianças e gestantes. 

“As modificações fisiológicas da gestação colocam as gestantes com maior potencial de desenvolvimento de doença grave. Da mesma forma na criança. Hoje temos a constatação que há Síndrome Inflamatória Multissistêmica Grave em crianças levando a óbito”, afirma a Mayra Pinheiro, secretária de Gestão do Trabalho e da Educação na Saúde. 

O Ministério da Saúde ainda divulgou documento voltado para profissionais e gestores de saúde, que tem o objetivo de apresentar pontos de assistências do SUS e fluxo para atendimento às pessoas com suspeita ou confirmação de coronavírus. 

Segundo o Ministério da Saúde, há orientações quanto à organização e estruturação do trabalho, especialmente nos hospitais de maior concentração de casos, além de diretrizes referentes às notificações, medidas de prevenção e controle da Covid-19 e manejo de corpos.
 

Copiar o texto
Brasil
09/06/2020 03:00h

Quatro aparelhos estão em manutenção no CETEM, em Porto Velho; objetivo é aliviar sobrecarga no sistema de saúde local

Baixar áudio

Uma parceria entre o Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (SENAI), a Energisa e a Termonorte vai fazer a manutenção de respiradores como forma de amenizar a sobrecarga no sistema de saúde do estado. Esses equipamentos auxiliam na respiração mecânica de pacientes com sintomas graves da doença. O Centro Tecnológico de Mecatrônica (CETEM), em Porto Velho, já está com quatro aparelhos que precisam de reparos. 

O coordenador de Soluções de Tecnologia e Inovação (STI), José Rafael Lopes, reforça que o conserto dos equipamentos é um compromisso assumido pelo SENAI para salvar vidas e requer todo cuidado e atenção dos especialistas.

“Quando o equipamento chega ao CETEM, nós procedemos a limpeza dele, deixamos um tempo de “quarentena” e só depois que o abrimos. A partir daí é que se faz a triagem para identificar qual é o problema. Nós já identificamos vários problemas, como no software, nas fontes e nas placas, por exemplo. Quando se trata de peças específicas, nós temos que adquiri-las com o fornecedor”, detalha.

José Rafael Lopes afirma que, de acordo com a Secretaria Estadual de Saúde (Sesau), existem mais de 200 ventiladores pulmonares na rede pública. Estimativa da Associação Médica Catarinense (ACM) indica que cada respirador em funcionamento pode atender e salvar 10 pacientes.

“Havendo necessidade de restaurar equipamentos que a rede pública não consiga fazer junto ao fabricante ou assistência técnica, pode nos repassar que estamos abertos para tentar resolver o mais rápido possível”, garante José Rafael, ao lembrar que não há meta específica de quantos respiradores devem ser recuperados e devolvidos pronto para uso.

A coordenação de Soluções de Tecnologia e Inovação do SENAI/RO informou ainda que reparos de maior complexidade, que não sejam solucionados no CETEM, serão enviados para o Centro Integrado de Manutenção e Tecnologia (CIMATEC) do SENAI da Bahia ou para outra unidade da instituição no país que esteja apta a atender a demanda.

As unidades de saúde públicas ou privadas interessadas no serviço podem entrar em contato com o SENAI por meio do telefone 0800 647 3551. Mais informações também podem ser consultadas no portal.fiero.org.br/senai da Federação das Indústrias (FIERO).
 

Copiar o texto

Acesse nossos conteúdos de rádio