21/11/2021 18:16h

Proposta pode gerar mais economia e turismo para um trecho de mais de mil quilômetros da BR 040

Baixar áudio

A junção de pontos turísticos nas regiões Centro-Oeste e Sudeste vão servir para a criação da maior rota turística do Brasil. Os estados de Goiás, Minas Gerais, Rio de Janeiro e o Distrito Federal vão fazer parte da “Via Liberdade”, como foi chamado o novo roteiro, que nasceu da ideia de unificar um caminho apresentado atrativos que se liguem às belezas históricas, culturais e artísticas dessas localidades. 

Mais de mil quilômetros da BR 040 vão ser palco para ações e programas estratégicos com foco voltado para os patrimônios da humanidade, paisagens entre montanhas e mar, cidades imperiais, natureza exuberante, horizontes, metrópoles, comidas típicas, tradições, sertão, arte e contemporaneidade.

Para o ministro do Turismo, Gilson Machado Neto, o novo roteiro tem tudo para ser um bom exemplo para outros destinos do país. “Juntar diversos atrativos como a história de Minas Gerais, o turismo cívico de Brasília, a bela natureza goiana e as cidades imperiais do Rio de Janeiro é um grande acerto para o turismo nacional. Temos que concretizar e trazer essa experiência para outros estados e regiões. Como já está acontecendo no Norte e no Nordeste, por exemplo, a Rota do Sol e a Rota Amazônica Integrada reúnem o potencial turístico de todos os estados da região Norte e também do Nordeste”, destacou. 

Mosquito da dengue precisa ser combatido durante todo o ano, diz especialista

Brasil e Paraguai assinam acordo para reduzir os riscos à saúde na fronteira, durante e após a pandemia da Covid-19

O objetivo dessa proposta é o de que a rota seja alimentada a partir de encontros direcionados a pesquisadores, artistas e especialistas com temas relacionados aos marcos da história do Brasil. Para os gestores municipais e estaduais dessas regiões, a expectativa é a de um impacto positivo no segmento de turismo por conta dessa rota, além das oportunidades econômicas.

De acordo com a jornalista e escritora Amneres Santiago, esse tipo de turismo desperta o olhar dos viajantes para o espaço social urbano ao seu redor e que faz parte da história de uma cidade. No livro “Roteiro Geopóetico de Brasília”, que a autora lança na próxima quarta-feira (24), ela lança luz aos mitos que envolveram a fundação de Brasília, inaugurada em 1960, pelo presidente Juscelino Kubitschek. A escritora compara Brasília ao manifesto urbanístico do IV Congresso Internacional de Arquitetura Moderna, realizado em Atenas em 1933. Por isso, realizar o turismo na capital federal é uma experiência social.

“Brasília realmente possui uma estrutura muito diferente das outras cidades do país e até do mundo. É como se Brasília fosse um imenso laboratório do modernismo, da Carta de Atenas, da arquitetura e da arte modernistas. É uma cidade que é um museu a céu aberto e que tem vários tesouros escondidos dentro dos seus palácios, monumentos e jardins. Tudo, na cidade, foi pensado nessa cartilha do modernismo”, romantizou a escritora.

A “Via Liberdade” vai passar por 307 cidades, quatro biomas (Mata Atlântica; Serra do Mar; Cerrado e Serra do Espinhaço), e seis parques (Parque Nacional da Serra dos Órgãos – RJ; Parque Estadual do Ibitipoca – MG; Parque Estadual do Itacolomi – MG; Parque Estadual Serra do Rola Moça – MG; Parque Nacional da Serra do Cipó – MG; e o Parque Nacional da Chapada dos Veadeiros - GO). Além disso, os turistas poderão conferir patrimônios históricos e culturais para visitar na Via Liberdade, como Brasília, Goiás Velho, Conjunto Moderno da Pampulha (MG), Rio de Janeiro, Sítio Arqueológico Cais do Valongo (RJ), Sítio Burle Marx (RJ), Congonhas (MG), Ouro Preto (MG), e Diamantina (MG).

Copiar o texto
21/11/2021 18:12h

Enquanto chove forte no Norte, Nordeste e Centro-Oeste, o tempo esfria no Sudeste e deve fazer calor pelo sul do país

Baixar áudio

O final deste mês de novembro traz chuvas por praticamente todas as regiões do país, mas os maiores fluxos de umidade se concentram no Centro-Oeste ao Norte do país, passando por algumas áreas do Nordeste. Desta forma, podem ser esperados vários episódios de chuva forte, acumulando volumes de água acima da média em várias cidades por estas regiões. O Sudeste também deve receber boa parte destas chuvas e a temperatura esfriar. Enquanto isso, da região central para o Sul do Brasil, as chuvas devem ocorrer esporadicamente e a temperatura pode aumentar bastante. 

Região Norte
A semana começa com sol ao sudoeste do Amazonas e no oeste do Pará, mas chove nas demais áreas desses estados e também por Roraima Nas demais áreas da região o clima é sol com pancadas de chuva frequentes e risco de trovoadas. Ao longo da semana, todos os estados do norte devem receber pancadas de chuva e com o tempo mais fechado. A temperatura deve variar entre 15ºC e 30ºC ao longo da semana. 

Região Nordeste
Para esta segunda-feira (22), o sol aparece no Maranhão, Piauí e no centro-sul da Bahia, mas pancadas de chuvas serão frequentes durante todo o dia. Chove fraco e pontualmente em poucas localidades do Ceará e desde o litoral do Rio Grande do Norte até o litoral de Alagoas. Nas demais áreas do nordeste seguem com predomínio de sol e tempo firme. Ao longo da semana, chove ao longo do dia, mas intercalando períodos de sol no Maranhão, Piauí e no centro-oeste da Bahia. No litoral sul baiano, pode chover a qualquer momento. A chuva avança de forma fraca pelo Ceará e demais estados. Ao fim da semana, a Bahia precisa de atenção por conta das fortes chuvas com risco para danos. 

Região Centro-Oeste
A semana inicia com sol e muitas nuvens no centro-norte de Mato Grosso, norte de Goiás e no Distrito Federal. Nessas localidades existem possibilidades para chuvas fortes e rápidas a qualquer momento do dia. No norte de Mato Grosso do Sul a chuva se concentra a partir da tarde e o tempo fica ensolarado nas demais áreas do estado. Ao longo da semana chove a qualquer momento e em grande quantidade por todos os estados. Em algumas localidades o sol pode aparecer um pouco mais e chover entre a tarde e a noite, com risco de trovoadas. 

Região Sudeste
A partir desta segunda-feira (22), o sol aparece com nuvens passageiras e o tempo não apresenta possibilidade de chuvas em São Paulo, centro-sul de Minas Gerais, todo o estado do Rio de Janeiro e centro-sul do Espírito Santo. Nas demais áreas de Minas Gerais, apesar do sol, devem ocorrer pancadas de chuva. Durante a semana, o sol segue firme na maior parte de São Paulo, no Rio de Janeiro, centro-sul do Espírito Santo e leste de Minas Gerais. Ao fim da semana estão previstas pancadas de chuva que se espalham por toda a região. Elas ocorrem a partir da tarde e em pontos isolados, com raios e rajadas de vento, por conta de instabilidades, calor e alta umidade.

Região Sul
O sol aparece forte durante todo o dia e em praticamente todos os estados da Região Sul e não estão registradas condições climáticas para chuvas. As capitais, Curitiba, Florianópolis e Porto Alegre devem ter uma segunda-feira (22) ensolarada. Ao longo da semana, a chuva se espalha pelo sul do país e vai desde o sul do Rrio Grande do Sul e leste do Paraná com risco para trovoadas e grandes volumes de água. Enquanto isso, em Santa Catarina as áreas de chuvas ficam restritas a poucos locais. A temperatura da semana fica entre 16ºC e 33ºC por todos os estados. 

As informações foram fornecidas pelo Somar Meteorologia

Copiar o texto
21/11/2021 18:02h

Câmara e Senado debatem temas ligados ao novo programa social e a forma como manter sua atividade

Baixar áudio

A semana política começa concentrada sobre o Auxílio Brasil, programa social sucessor do Bolsa Família e que vai impactar grande parte dos brasileiros. Na segunda-feira (22), às 15h, o Senado promove sessão temática para debater a Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 23/2021, chamada de PEC dos Precatórios. A proposta autoriza o parcelamento de débitos previdenciários dos Municípios e a discussão faz parte do esforço dos senadores para chegar a uma solução para realizar o pagamento do Auxílio Brasil.

Já na terça-feira (23) à tarde, a Câmara dos Deputados pode votar a medida provisória que criou o programa de renda Auxílio Brasil (MP 1061/21). A MP troca o programa de distribuição de renda Bolsa Família pelo Auxílio Brasil, mudando critérios para recebimento, além de elaborar formas de incentivar ações ligadas ao esporte e desempenho no estudo. 

Mosquito da dengue precisa ser combatido durante todo o ano, diz especialista

Brasil e Paraguai assinam acordo para reduzir os riscos à saúde na fronteira, durante e após a pandemia da Covid-19

Na pauta da Câmara ainda consta a Medida Provisória 1063/21, que autoriza os postos de combustíveis a comprarem álcool combustível (etanol hidratado) diretamente de produtores e importadores. A proposta também permite a venda de combustíveis de outros fornecedores diferentes da bandeira do posto. 

No Senado, a Subcomissão Temporária para Acompanhamento da Educação na Pandemia vai realizar audiência pública na segunda-feira (22), às 10h e pretende avaliar os impactos da pandemia na educação básica, planejar novas ações quanto ao retorno das aulas presenciais nessa área, além de discutir estratégias educacional para os próximos anos, com vistas a recuperar as perdas acontecidas durante a pandemia. 

Copiar o texto
20/11/2021 17:50h

O Ministério da Saúde enviou cerca de 360 milhões de doses para todos os estados e Distrito Federal, quantitativo de vacinas suficiente para o cumprimento de todas essas etapas da campanha

Baixar áudio

Neste sábado (20) foi iniciada a Mega Campanha de vacinação contra a Covid-19 por todo o Brasil. Mais de 38 mil salas de vacinação por todo o país estavam prontas para proteger os 21 milhões de pessoas que ainda não tomaram a segunda dose da vacina. E para chamar atenção da importância de completar o esquema vacinal, o Ministério da Saúde mobilizou seis capitais por todas as regiões do país: Rio de Janeiro (RJ), São Paulo (SP), Manaus (AM), Curitiba (PR), Brasília (DF) e Salvador (BA)

Na Região Sul, a ação ocorreu na Unidade de Saúde Ouvidor Pardinho, em Curitiba (PR) e até o fechamento desta edição, o município já tinha aplicado 6.164 doses na capital paranaense. No Sul, quase dois milhões de pessoas podem tomar a segunda dose. O Paraná é o estado da região com maior quantitativo de pessoas com o ciclo vacinal incompleto: são 728.7 mil paranaenses que precisam tomar a segunda dose da vacina. No Rio Grande do Sul e em Santa Catarina são, respectivamente, 692,7 mil e 531,7 mil pessoas que ainda não estão completamente protegidas com as duas doses. 

Na Região Nordeste, a capital escolhida para a mobilização foi Salvador (BA), que centralizou as ações na Arena Fonte Nova e foi onde mais 600 pessoas receberam a segunda dose da vacina. Além disso, a capital baiana contou com mais de 60 postos de vacinação nas modalidades drive trhu e para pedestres. Nos estados do Nordeste, mais de 6,7 milhões de brasileiros precisam voltar aos postos de vacinação para a segunda dose. A Bahia tem 2 milhões de pessoas nessa mesma situação, seguida pelo Ceará, com 1,3 milhão de brasileiros com o ciclo vacinal incompleto.

Semana de Conscientização Antimicrobiana: automedicação com antibióticos e analgésicos preocupa especialistas de Saúde

Brasil e Paraguai assinam acordo para reduzir os riscos à saúde na fronteira, durante e após a pandemia da Covid-19

Pela Região Centro-Oeste, a ação do Dia D foi realizada no Distrito Federal com 4 pontos estratégicos: 8 feiras com grande circulação de pessoas, na Rodoviária do Plano Piloto e em outros espaços públicos. Os estados da região mais o Distrito Federal somam mais de 1,5 milhão de pessoas aptas a receberem a segunda dose do imunizante: São 174 mil no Distrito Federal, 394,2 mil em Goiás, 201,6 mil em Mato Grosso e 219,5 em Mato Grosso do Sul. Além disso, quase um milhão de pessoas já podem tomar a dose de reforço ainda em novembro. 

Na Região Norte do país, Manaus (AM) foi uma das seis capitais do país a realizar a Mega Vacinação contra a Covid-19, neste sábado (20) e, por lá, a mobilização se concentrou na Arena da Amazônia. Mas outros trinta postos de vacinação foram distribuídos na cidade, vacinando na modalidade drive-thru e pedestre. No norte, o Pará é o estado com o maior número de pessoas que podem se vacinar com a segunda dose. São mais de um milhão de pessoas só nesse estado. Em seguida vêm os estados do Amazonas, com 436,7 mil, e Rondônia, com 180,2 mil pessoas que ainda não retornaram para completar o esquema vacinal. 

Na Região Sudeste, as cidades de São Paulo e do Rio de Janeiro participaram da ação. Na capital paulista, o evento de mobilização foi realizado na UBS Jardim Colombo, na Zona Sul de São Paulo (SP), e cerca de 14 mil pessoas foram vacinadas contra a Covid-19. Segundo o Ministério da Saúde, São Paulo tem 4,1 milhões de pessoas que podem tomar a segunda dose. Em Minas Gerais são 2,3 milhões que precisam completar o esquema vacinal. No Espírito Santo, 336,6 mil pessoas já podem tomar a segunda dose.

Para o ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, o sucesso dessa campanha de vacinação se deve pela força-tarefa formada pelos profissionais de saúde do sistema público e todo o esforço na luta contra a Covid-19. “O Brasil tem sido, hoje, um case de sucesso no enfrentamento da pandemia. E isso só é possível graças à extraordinária força do Sistema Único de Saúde (SUS), cujo pilar central foi a encomenda tecnológica à AstraZeneca para produzir vacinas no Brasil. Com infra nacional, na nossa Fundação Oswaldo Cruz, que é um patrimônio de todos os brasileiros”, afirmou.

O Rio de Janeiro foi a cidade onde o ministro da Saúde participou e a que centralizou as atividades nacionais do evento. Por lá, o secretário municipal de Saúde, Daniel Soranz, destacou que essa campanha é um marco para o Brasil. “Esse sábado é muito importante para o Brasil e para a cidade do Rio de Janeiro. Hoje a gente tem mais de seis mil profissionais de saúde trabalhando na campanha, são 280 pontos de vacinação. Está tudo mobilizado para a vacina contra a Covid-19. A gente espera que o Rio de Janeiro continue avançando na campanha”, avaliou. 

Entre as pessoas que podem tomar a segunda dose, cerca de 2,9 milhões têm entre 30 e 34 anos, faixa etária com o maior número de pessoas que não voltaram ao posto de vacinação. O grupo de jovens é o segundo maior, com aproximadamente 2,8 milhões de brasileiros que têm entre 25 e 29 anos. A recomendação do Ministério da Saúde é para que os brasileiros voltem aos postos de vacinação, mesmo após o prazo recomendado pelos fabricantes. Os intervalos entre as doses da Pfizer e Astrazeneca são de 8 semanas e da Coronavc, 28 dias. 

O Ministério da Saúde distribuiu, até o momento, cerca de 360 milhões de doses para todos os estados e Distrito Federal, quantitativo de vacinas suficiente para o cumprimento de todas essas etapas da campanha. Dessas, quase 300 milhões foram aplicadas, o que significa um saldo de aproximadamente 60 milhões de doses a mais.

Apesar de este sábado ser o “Dia D” da Mega Vacinação contra a Covid-19 - que é considerada pelo Governo Federal, como a maior campanha da história brasileira;  a iniciativa continua de segunda a sexta-feira da próxima semana. 


Dados da Covid-19 

O Brasil registrou mais 13.355 casos e 226  óbitos por Covid-19, de acordo com o balanço mais recente do Ministério da Saúde. Desde o início da pandemia, mais de 22.003.317 milhões de brasileiros foram infectados pelo novo coronavírus. 

O Rio de Janeiro ainda é o estado com a maior taxa de letalidade entre as 27 unidades da federação: 5,15%. O índice médio de letalidade do País está em 2,8%. 

Taxa de letalidade nos estados

RJ    5,15%
SP    3,46%
AM    3,22%
PE    3,16%
MA    2,83%
PA    2,79%
GO    2,65%
AL    2,62%
PR    2,59%
CE    2,59%
MS    2,56%
MG    2,54%
MT    2,52%
RO    2,43%
RS    2,42%
PI    2,18%
BA    2,17%
SE    2,17%
ES    2,13%
PB    2,12%
DF    2,10%
AC    2,10%
RN    1,98%
TO    1,70%
SC    1,62%
AP    1,61%
RR    1,60%


Os números têm como base o repasse de dados das Secretarias Estaduais de Saúde ao órgão. Acesse as informações sobre a Covid-19 no seu estado e município no portal brasil61.com/painelcovid.  
 

Copiar o texto
20/11/2021 17:34h

De acordo com o Ministério da Saúde, foram notificados 918.773 casos prováveis de dengue no país

Baixar áudio

De acordo com o último Boletim Epidemiológico do Ministério da Saúde, foram notificados 918.773 casos prováveis de dengue no país, sendo a taxa de incidência de 437,2 casos para cada 100 mil habitantes. Os dados apontam que a região Centro-Oeste apresentou a maior incidência com 1.149,5 casos/100 mil habitantes; seguida das regiões Sul, com 929,5 casos/100 mil habitantes; Sudeste com 339,2 casos/100 mil habitantes; o Nordeste com 234,0 casos/100 mil habitantes e o Norte do país com 105,8 casos/100 mil habitantes. 

Dengue é uma doença febril grave, causada por um arbovírus – vírus transmitido por picada de insetos, especialmente os mosquitos. Ainda não existem vacinas ou medicamentos para combater a doença que pode, inclusive, levar à morte. Os sintomas da dengue variam de acordo com a pessoa mas, em geral, são dores no corpo, dor de cabeça, falta de apetite e febre maior que 38ºC. 

E foram esses os sintomas que a publicitária Nathália Gardini sentiu nas duas vezes em que pegou dengue. “Eu não conseguia nem levantar da cama, o corpo doía muito, principalmente nas articulações. Tudo doía, era difícil levantar, caminhar e no final do dia sempre tinha uma febre que aparecia. Eu não conseguia me alimentar direito, então tudo era muito difícil”, contou. 

O mosquito Aedes aegypti precisa de água parada para se proliferar e o período do ano com maior transmissão são os meses mais chuvosos de cada região, mas é importante manter a higiene e evitar água parada todos os dias, porque os ovos do mosquito podem sobreviver por um ano até encontrar as melhores condições para se desenvolver. 

Por isso, o combate ao mosquito deve ser realizado durante todo o ano, como explica a médica infectologista, Rebecca Saad, que é coordenadora do Serviço de Controle de Infecção Hospitalar do Centro de Estudos e Pesquisas Dr. João Amorim (CEJAM). 

Brasil e Paraguai assinam acordo para reduzir os riscos à saúde na fronteira, durante e após a pandemia da Covid-19

Semana de Conscientização Antimicrobiana: automedicação com antibióticos e analgésicos preocupa especialistas de Saúde

“É fundamental combater o mosquito da dengue, pois ele é o vetor da doença. Não existe dengue sem o mosquito. Então, se eu combato o mosquito, eu passo a não ter casos dessa doença viral na minha redondeza, na minha vizinhança, no meu município. Então é fundamental e não pode acontecer esse olhar para combater o  mosquito só perto do verão. Tem que acontecer o ano inteiro para que se possa tirar os criadouros do mosquito ali da região”, destacou a médica. 

Cada cidadão pode ajudar a prevenir a dengue eliminando água armazenada que pode se tornar possível criadouro, como em vasos de plantas, pneus, garrafas plásticas, piscinas sem uso e sem manutenção, e até mesmo em recipientes pequenos, como tampas de garrafas.

Medidas simples podem ser adotadas, como substituir a água dos pratos dos vasos de planta por areia; deixar a caixa d'água tampada; cobrir os grandes reservatórios de água, como as piscinas, e remover do ambiente todo material que possa acumular água.

O penúltimo sábado de novembro foi instituído como o Dia Nacional de Combate à Dengue pela Lei nº 12.235/2010, para mobilizar iniciativas dos governos federal, estadual e municipal e a participação da população com objetivo de combater o vetor da doença - o mosquito Aedes aegypti.

Pandemia da Covid-19

Neste ano, por conta do cenário de pandemia no Brasil, a “Capacitação de profissionais para o uso do Biolarvicida – ESPINOSADE utilizado no controle do Aedes aegypti”, nos estados foi realizada de forma virtual pela Coordenação Geral de Vigilância das Arboviroses do Departamento de Imunização e Doença Transmissíveis do Ministério da Saúde.

A capacitação tem como público-alvo os técnicos das Secretarias Estaduais e Municipais de Saúde envolvidos tanto na gestão quanto na realização direta de ações de controle de doenças transmitidas por Aedes aegypti. O objetivo é capacitar estes profissionais na tecnologia de aplicação, manipulação e segurança no trabalho para o uso do larvicida biológico Natular (Espinosade) no controle larvário usado nas ações de rotina dos programas de controle das doenças transmitidas pelo Aedes aegypti.

Copiar o texto
31/10/2021 17:56h

A temperatura varia entre 12ºC nos lugares mais frios, enquanto pode chegar a mais de 30ºC nas regiões mais quentes

Baixar áudio

A primeira semana de novembro começa com previsão de chuva na maior parte do país. Os fluxos de umidade ficam concentrados no centro-norte, mas são esperados temporais entre o Norte do país, o interior do Nordeste e grande parte do Sudeste. O centro-sul do país deve ter predomínio de pancadas irregulares de chuva e temperaturas altas. 

O começo da semana deve ser marcado por tempo nublado e poucas aberturas de sol na região Sudeste, mas com previsão de o tempo melhorar até o final de semana. Enquanto isso, a região Sul pode esperar mais sol por todas as áreas, mas com chuvas regulares por toda a semana - podendo até mesmo chover granizo em determinadas cidades. 

Começa nesta segunda (1º) nova etapa da vacinação contra febre aftosa

Crianças de até 9 anos estão adoecendo mais por vírus respiratórios

No Centro-Oeste as condições climáticas são as mesmas, com expectativa de chuvas intensas ao longo da semana, aumentando a umidade e os riscos de alagamentos em algumas áreas. A região Nordeste apresenta condições para sol durante a semana inteira, mas com alguns períodos de chuva principalmente nas áreas mais litorâneas da região. No Norte do país, a previsão é de sol forte intercalando períodos de chuva em algumas localidades, mas sem expectativas para chuvas fortes como nas demais regiões do país. 

Nos estados onde o clima está mais propenso ao frio, a temperatura pode ficar abaixo dos 12ºC, como é o caso de São Paulo, Rio Grande do Sul e Paraná; enquanto nos locais onde o sol será mais presente a temperatura deve ficar acima dos 30ºC, a exemplo do Pará, Bahia e Alagoas. Nos demais estados, a temperatura fica em torno dos 20ºC. Todas as previsões fazem parte de dados compilados pela Somar Meteorologia. 
 

Copiar o texto
31/10/2021 16:12h

No Brasil os homens vivem, em média, sete anos a menos do que as mulheres e têm mais doenças do coração, câncer, diabetes, colesterol e pressão arterial mais elevada

Baixar áudio

O mês de novembro marca um momento de conscientização para que os homens cuidem da própria saúde. Esse é, resumidamente, o objetivo da campanha do Novembro Azul - que no Brasil está comemorando 10 anos de celebrações. O movimento Novembro Azul teve origem em 2003, na Austrália, com o objetivo de chamar a atenção para a prevenção e o diagnóstico precoce de doenças que atingem a população masculina. 

No Brasil, o movimento chegou por meio dos esforços do Instituto Lado a Lado pela Vida, uma organização social que se dedica simultaneamente às duas principais causas da mortalidade - o câncer e as doenças cardiovasculares - além do intenso trabalho relacionado à saúde do homem. 

A diretora de relações institucionais e internacionais do Instituto Lado a Lado pela Vida, Fernanda Carvalho, explica que a importância do Novembro Azul é a de “chamar o homem para sua responsabilidade, que ele precisa se cuidar. Tem que romper o paradigma de que cuidar da saúde é coisa da mãe, coisa da mulher. Todo mundo tem que se cuidar, por isso, neste ano em que completam 10 anos que a gente comemora o novembro azul, o tema da campanha é ‘Cuide do que é seu’. Pois ninguém melhor do que você para cuidar de si próprio”, destacou. 

No Brasil os homens vivem, em média, sete anos a menos do que as mulheres e têm mais doenças do coração, câncer, diabetes, colesterol e pressão arterial mais elevada, segundo informações da Sociedade Brasileira de Cardiologia (SBC). E com o avanço de pesquisas e estudos, está se comprovando que a saúde, além da relação com a genética, é impactada com as escolhas e hábitos de vida - e no caso dos homens a falta de cuidados com a própria saúde é um fator muito relevante.

Por isso, Fernanda Carvalho avalia que outro ponto importante desse mês de conscientização é a educação das novas gerações. “Fazer com que os meninos também aprendam, assim como as meninas, a conhecer o seu corpo. A identificar se tem uma coisa que não tá legal, que está errada, e buscar atendimento médico ou questionar a mãe e dizer que está sentindo alguma coisa. Precisamos evitar essa máxima de que o homem não sente dor ou não precisa se cuidar, só na hora que está num estágio muito avançado”, avaliou. 

Começa nesta segunda (1º) nova etapa da vacinação contra febre aftosa

Crianças de até 9 anos estão adoecendo mais por vírus respiratórios

A Sociedade Brasileira de Cardiologia revela que mais de dois terços dos homens que morrem do coração têm diabetes e acima de 80% das mortes por diabetes estão relacionadas a problemas cardíacos e renais, ou seja, vasculares. Além disso, a sobrevida média depois que um homem tem o primeiro infarto é de cerca de 8 anos.  

Outro problema de saúde que mata muitos homens é o câncer de próstata, que segundo dados do Instituto Nacional de Câncer (INCA), só em 2019 ocorreram 15.983 mortes decorrentes da doença. Além disso, a estimativa de novos casos está em 65.840 (para o ano de 2020, que são os dados mais recentes), correspondendo a 29,2% dos tumores incidentes no sexo masculino.

De acordo com a Sociedade Brasileira de Urologia, o câncer de próstata é o tipo mais comum entre os homens e é a causa de morte de 28,6% da população masculina que desenvolve neoplasias malignas. No Brasil, um homem morre a cada 38 minutos devido ao câncer de próstata.

A única forma de garantir a cura do câncer de próstata é o diagnóstico precoce. Mesmo na ausência de sintomas, homens a partir dos 45 anos com fatores de risco, ou 50 anos sem estes fatores, devem ir ao urologista para conversar sobre o exame de toque retal, que permite ao médico avaliar alterações da glândula, como endurecimento e presença de nódulos suspeitos. Diante disso, a indicação da melhor forma de tratamento vai depender de vários aspectos, como estado de saúde atual, estadiamento da doença e expectativa de vida.
 

Copiar o texto
30/10/2021 16:15h

De acordo com pesquisador da Fiocruz, a volta das atividades normais como a escola favoreceram o reaparecimento de outras doenças respiratórias comuns nesta faixa-etária

Baixar áudio

Doenças respiratórias diferentes da Covid-19 estão causando muitas internações de crianças recém-nascidas até os nove anos de idade, segundo dados do novo Boletim InfoGripe da Fiocruz, divulgado na última quinta-feira (28/10). Em várias partes do país, principalmente nas regiões Sul, Sudeste e Centro-Oeste, estão surgindo novamente outros vírus que estão causando Síndrome Respiratória Aguda Grave (SRAG), como são os casos do Bocavírus e as Influenzas 3 e 4. 

Desde o início de 2021, casos de Vírus Sincicial Respiratório (VSR) e de Rinovírus já estavam sendo identificados nesta população. O VSR é uma das principais causas de infecções das vias respiratórias e pulmões em recém-nascidos e crianças pequenas. A análise da Fiocruz verificou que nessa faixa etária houve aumento significativo de registros de VSR, com registros semanais superiores aos observados para Sars-CoV-2 (Covid-19). E é isso o que explica o pesquisador Marcelo Gomes, coordenador do InfoGripe.

“Há um ressurgimento de outros vírus respiratórios que são muito comuns em crianças e que também causam internações em volumes importantes e quando a gente olha para os resultados laboratoriais, a gente vê, ao longo deste ano um número maior de casos positivos como o da síndrome respiratória aguda grave do que para a própria Covid-19, por exemplo”, destacou o pesquisador.

Brasil atinge recorde de vacinação: mais de 334 milhões de doses de contra a Covid-19 foram enviadas para todo o país

Operação Finados 2021: Polícia Rodoviária Federal intensifica fiscalização nas rodovias

De acordo com o Boletim InfoGripe da Fiocruz, entre as crianças de 0 a 9 anos, foi observada uma estabilização de casos semanais registrados como Síndrome respiratória Aguda Grave (SRAG) em valores entre 1.000 e 1.200, próximos ao que se registrou no pico de julho de 2020 (quando foram registrados 1.282 casos na Semana Epidemiológica 29). 

Para o pesquisador Marcelo Gomes, esses casos de aumento da internação de crianças de até nove anos por vírus respiratórios está relacionado à uma retomada maior das atividades normais, como a escola. “Isso se deve fundamentalmente por conta de uma maior exposição das crianças neste ano, que voltaram a circular mais, voltaram a frequentar as escolas, de maneira geral. Então, isso faz com que a transmissão de vírus respiratórios em crianças seja cada vez mais frequente e isso não só em relação à Covid-19, mas para outros vírus respiratórios”, observou. 


Dados da Covid-19

O Brasil registrou mais 11.965 casos e 394  óbitos por Covid-19, nas últimas 24h, de acordo com o balanço mais recente do Ministério da Saúde. Desde o início da pandemia, mais de 21.781.436 milhões de brasileiros foram infectados pelo novo coronavírus. 

O Rio de Janeiro ainda é o estado com a maior taxa de letalidade entre as 27 unidades da federação: 5,17%. O índice médio de letalidade do País está em 2,8%. 

Taxa de letalidade nos estados

  • RJ    5,17%
  • SP    3,45%
  • AM    3,22%
  • PE    3,17%
  • MA    2,84%
  • PA    2,80%
  • GO    2,68%
  • AL    2,62%
  • PR    2,61%
  • CE    2,60%
  • MS    2,56%
  • MG    2,54%
  • MT    2,52%
  • RO    2,43%
  • RS    2,42%
  • PI    2,18%
  • BA    2,17%
  • SE    2,16%
  • ES    2,13%
  • PB    2,11%
  • DF    2,11%
  • AC    2,10%
  • RN    1,98%
  • TO    1,70%
  • SC    1,62%
  • AP    1,61%
  • RR    1,59%

Os números têm como base o repasse de dados das Secretarias Estaduais de Saúde ao órgão. Acesse as informações sobre a Covid-19 no seu estado e município no portal brasil61.com/painelcovid.   
 

Copiar o texto
30/10/2021 14:44h

Objetivo é proteger cerca de 78 milhões de bovinos e bubalinos com até 2 anos de idade

Baixar áudio

A partir desta segunda-feira (1º), tem início a segunda etapa da campanha nacional de vacinação contra a febre aftosa de 2021 para bovinos e bubalinos com até 2 anos de idade. A vacinação vai ser realizada na maioria dos estados brasileiros, conforme o calendário nacional de vacinação e essa etapa tem objetivo de proteger cerca de 78 milhões de animais. 

A febre aftosa é causada por um vírus que tem o contágio fácil, e acomete principalmente os animais de produção como bovinos, suínos, caprinos, ovinos e outros animais, em especial os de cascos bipartidos (cascos fendidos). Segundo o chefe da Divisão de Defesa Agropecuária do MAPA em Goiás, André Brandão Alves, existem muitos riscos em deixar de vacinar os animais.

“O contágio entre os animais do rebanho e da região é muito expressivo. Através do contato direto ou indireto entre os animais, o vírus pode infectar. Então o animal fica com dificuldade de se alimentar por ter úlceras na boca, na língua e nas patas, então isso vai prejudicar a locomoção do animal e a própria alimentação, podendo levar até mesmo à morte”, afirmou o especialista. 

Desta forma, além de vacinar o rebanho, o produtor precisa declarar ao órgão de defesa sanitária animal de seu estado e essa declaração pode ser feita de forma online ou, quando não for possível, presencialmente nos postos designados pelo serviço veterinário estadual nos prazos estipulados. Em caso de dúvidas, a orientação é que o criador procure o órgão de defesa sanitária animal de seu estado.

Operação Finados 2021: Polícia Rodoviária Federal intensifica fiscalização nas rodovias

Brasil atinge recorde de vacinação: mais de 334 milhões de doses de contra a Covid-19 foram enviadas para todo o país

Para além dos problemas de saúde dos animais, a febre aftosa é uma doença que pode gerar impactos econômicos, uma vez que pode acometer rebanhos inteiros. Por isso, o presidente do Conselho Regional de Medicina Veterinária do Mato Grosso, Roberto Renato Pinheiro da Silva, explica que é preciso que nenhum produtor deixe de realizar a vacina - que é a única forma de combater a doença e manter o país livre do vírus.

“O aparecimento de febre aftosa em um rebanho é extremamente prejudicial à economia do produtor, à economia local e, sem dúvida alguma, à economia nacional. Então é extremamente importante que o produtor realize a vacinação de acordo com os calendários de vacinação porque com o rebanho imunizado, dificilmente nós teremos a doença em nosso plantel”, destacou Pinheiro.     

As vacinas devem ser adquiridas em locais autorizados e precisam ser acondicionadas entre 2°C e 8°C, desde a compra até o momento da utilização – o que inclui o tempo de transporte e a aplicação da vacina no animal. É preciso usar agulhas novas para aplicação da dose de 2 ml na tábua do pescoço de cada animal.

Conforme o calendário da vacinação, dos 19 estados que fazem a vacinação neste período, no Amazonas e em Mato Grosso apenas os municípios que ainda não têm reconhecimento de áreas livres de febre aftosa sem vacinação precisam realizar a imunização dos animais. 

Copiar o texto
06/10/2021 21:40h

A avaliação foi feita durante o segundo dia de debates do EXPOSIBRAM 2021, considerado o maior e mais tradicional evento do mineral

Baixar áudio

O saldo do setor mineral referente ao primeiro semestre de 2021 foi de quase R$ 150 bilhões. Ou seja, houve um aumento de 98% no indicador na comparação com os R$ 75,3 bilhões registrados entre janeiro e junho do ano passado. Os dados são do Instituto Brasileiro de Mineração (Ibram)

Embora o Brasil tenha destaque na área, apenas cerca de 3% do território nacional encontra-se mapeado e com um nível de detalhamento adequado. Isso significa que somente uma pequena parcela do território brasileiro tem seu subsolo devidamente estudado. O quadro levou o Ibram a abordar o tema, nesta quarta-feira (6), durante a EXPOSIBRAM 2021 – Expo & Congresso Brasileiro de Mineração. 

Agência Nacional de Mineração e municípios fecham acordos para ampliar fiscalização e cobrança da CFEM

CBA assina carta e pede protagonismo do Brasil na COP26

Para CEOs, Brasil precisa melhorar competitividade

Na ocasião, especialistas debateram a necessidade da implementação de políticas de fomento à pesquisa mineral no Brasil. Entre eles, estava o diretor da Associação Brasileira das Empresas de Pesquisa Mineral e Mineração (ABPM), João Luiz Nogueira, que enumerou medidas a serem tomadas para o crescimento do setor.

“Se faz necessária a publicação imediata de edital das áreas em disponibilidade pela ANM, as ditas ofertas públicas. Aprovação da Resolução da ANM sobre sistema brasileiro de certificação de recursos e reservas; direito minerário com garantia. Isso é comum em países em que a mineração está a algumas décadas à nossa frente. Digitalização dos processos de direito minerário pela ANM, e não contingenciamento na LOA”, destacou.  

Aprimoramento da agenda regulatória 

A programação da EXPOSIBRAM 2021 também buscou, nesta quarta, apontar a situação das questões regulatórias no setor de mineração. Segundo a diretora da Agência Nacional de Mineração (ANM), Débora Puccini, que participou do evento, a ideia é incluir temas que ajudem o setor a evoluir de forma segura, definindo prioridades dentro das demandas exigidas. 

“Em sendo uma agência, precisamos e devemos executar uma agenda regulatória. Isso é algo que engrandece a nossa atuação. Entendemos isso como algo importante para o setor, para alavancar esse avanço que acredito termos nos próximos anos”, afirmou.  

Ainda de acordo com Puccini, diversos projetos estão em estágio avançado, com minuta de Resolução pronta. Entre eles, se destacam:

  • Resolução sobre Recursos e Reservas
  • Aproveitamento de Estéril e Rejeitos
  • Segurança de Barragens
  • Garantia para fins de financiamento 
  • Cadastro Nacional do Primeiro Adquirente de PLG

Entre as entregas já realizadas estão a Resolução 34/2020, que permite o emprego de resina PET pós-consumo reciclado de grau alimentício, em embalagens de água mineral ou potável de mesa, desde que atenda aos requisitos estabelecidos na ANVISA. Outra Resolução é a 68/2021, que regulamenta o Plano de Fechamento de Mina.

Fertilizantes 

Dada a abrangência de temas destacados na EXPOSIBRAM 2021, a agenda contou com debates sobre o Plano Nacional de Fertilizantes e as perspectivas do mercado desses produtos no Brasil. 

De acordo com o secretário adjunto de assuntos estratégicos da Presidência da República, Joanisval Gonçalves, a ideia do governo federal é elaborar uma política para ampliar a produção nacional de fertilizantes agrícolas. Segundo Gonçalves, a intenção é diminuir a dependência da importação do produto. 

“A nossa produção nacional de fertilizantes diminuiu, o preço dos fertilizantes disparou, e o agronegócio depende dos fertilizantes importados, para aumentar essa produtividade, ao mesmo tempo que nossa indústria nacional tem encolhido. É aí que entra o Pano Nacional de Fertilizantes, que nos foi trazido como uma demanda, em primeiro lugar, do Ministério da Agricultura”, destacou. 

Gonçalves afirmou que o plano deve ser lançado nas próximas semanas. Atualmente, o Brasil importa mais de 80% dos fertilizantes utilizados no agronegócio. A expectativa é de que, em 2021, essas transações aumentem em 7,5%. As vendas, por sua vez, deverão crescer no Brasil em torno de 4,5%.

EXPOSIBRAM 2021

A Edição 2021 da Expo & Congresso Brasileiro de Mineração (EXPOSIBRAM) é considerado o maior e mais tradicional evento do setor. As mineradoras apresentam os avanços da mineração rumo a uma atividade mais segura, sustentável e responsável. O evento começou na terça-feira (5) e termina nesta quinta (7). 
 

Copiar o texto
Brasil 61