Mundial de robótica

Ciência & Tecnologia
15/05/2022 17:50h

A Atombot ainda conquistou o quinto lugar no desempenho do robô. Torneio reuniu 108 equipe de 50 países

Baixar áudio

A Atombot, equipe de robótica do Sesi de São João del-Rei (MG), foi a campeã da categoria de Excelência em Engenharia e quinta colocada no Desempenho do Robô no FIRST Championship, campeonato mundial de robótica educacional. O torneio realizado em Houston, nos Estados Unidos, ocorreu entre 20 e 23 de abril e reuniu 108 equipes de 50 países, o que reforça o feito da equipe mineira. 

Formada por cinco alunos, sendo quatro do ensino fundamental e um do ensino médio, a Atombot é treinada pelo professor Paulo de Tharso, o Paulinho. Em Houston, os brasileiros colocaram o robô de lego que construíram à prova, na arena, para resolver problemas relacionados ao transporte de cargas, tema proposto pela organização do FIRST Championship nesta edição. 

Os estudantes do Sesi de São João del-Rei tiveram três rounds de dois minutos e meio para cumprir missões com o robô de lego na arena, como a entrega de encomendas para diversos modais de transporte, como avião e trem, por exemplo. Dos 680 pontos possíveis no Desempenho do Robô, a Atombot conquistou 650, o que rendeu aos brasileiros a quinta colocação na categoria. 

Mas o melhor estava por vir. Na categoria de Excelência em Engenharia, em que os juízes analisam quesitos como a programação que está por trás do robô, os mineiros de São João del-Rei foram imbatíveis. O professor Paulinho, que dá aula de física e é o técnico da Atombot, destaca que o sonho de todas as equipes da modalidade de lego é chegar ao campeonato disputado nos EUA. 

Toda a dedicação e abdicação da equipe, segundo ele, já seriam recompensados com a participação no FIRST Championship. Melhor ainda foi sair de lá com as conquistas. “Ver as crianças felizes foi muito bom, muito legal, muito emocionante. E ainda sair de lá premiado, bem classificado. Então, é uma vitória muito bacana, é uma emoção muito grande, mas a gente também tem consciência e pé no chão de que a gente conseguiu nosso objetivo, mas nós não somos melhores do que ninguém. A gente só fez um projeto bacana que foi contemplado”, afirma. 

Outras três categorias estavam em disputa no torneio: design mecânico, valores e projeto de inovação. 

5G: Câmara aprova projeto que facilita chegada da tecnologia no país

Capacete Elmo: dispositivo criado no Brasil ajuda a reduzir em 60% intubação em pacientes com pneumonia

Governo tem planos para multiplicar por cinco faturamento da indústria de semicondutores em quatro anos

Aplicativo
Na categoria de inovação, as equipes deveriam encontrar um problema relacionado ao transporte de cargas e propor uma solução inovadora. A Atombot está desenvolvendo um aplicativo que pode ajudar a resolver os problemas dos caminhoneiros que passam por São João del-Rei. 

Segundo os estudantes, as ruas apertadas e mal sinalizadas e o alto volume de entregas por dia contribuem para os congestionamentos no município, que são causados principalmente pelos caminhões, que ficam rodando pela cidade por não acharem vagas para carga e descarga dos produtos. 

“Atrasa entrega, congestiona, dá problema no patrimônio histórico, porque os caminhões ficam perdidos, rodando muito pesados e São João del-Rei é toda perfurada por baixo por causa de minas de ouro, essas coisas assim”, descreve o professor Paulinho. 

A Atombot criou um aplicativo em que o motorista preenche os dados do local de entrega e o app direciona o caminhoneiro para a vaga de estacionamento mais próxima. A solução será possível porque as vagas destinadas aos caminhões vão contar com sensores que vão transmitir ao aplicativo quais estão disponíveis e quais estão ocupadas.  

“Se ele localizar que a região em que ele está precisando chegar está com as vagas   ocupadas, então ele não precisa entrar na cidade. Ele pode aguardar e fazer a reserva daquela vaga através do aplicativo. Ele pode parar fora da cidade e na hora em que a vaga desocupar, ele pode se direcionar pro local. Ou seja, não vai mais ter congestionamento, ou vai reduzir e muito, consequentemente vai aumentar a velocidade de entrega, reduzir preço e não vai estragar o patrimônio histórico”, explica. 

A expectativa é que até junho tudo esteja pronto para funcionar. A equipe de robótica conta com o apoio da Universidade Federal de São João del-Rei e com uma universidade que fica na Califórnia, nos EUA. A iniciativa não tem fins lucrativos e o projeto será repassado para a prefeitura local implementar. 

Copiar o texto
24/04/2022 21:06h

Duas das quatro equipes brasileiras que participaram do Mundial se destacaram entre mais de 100 países na FIRST LEGO League Challenge, modalidade com robôs feitos a partir de LEGO

Baixar áudio

O Brasil foi um dos grandes destaques do FIRST Championship, torneio mundial de robótica que ocorre nos Estados Unidos anualmente com estudantes do ensino fundamental e médio dos cinco continentes. Após quatro dias de competição, com 770 times de mais de 100 países, duas equipes brasileiras que competiram na FIRST LEGO League Challenge (FLL), a Atombot, do SESI de São João del Rei (MG), e a SESI CLP, de Campo Limpo Paulista (SP), ficaram entre as cinco melhores em duas categorias técnicas. Os estudantes mineiros e paulistanos levaram o 1º e o 2º lugares, respectivamente, no prêmio Engenharia de Excelência. Além disso, as duas equipes, que competiram com outros 106 grupos de várias partes do mundo, ficaram em 4º e 5º na categoria Desempenho do Robô.

A Atombot vem trabalhando desde 2013 para chegar ao topo nos Estados Unidos. A equipe mineira acumulou prêmios regionais, nacionais e internacionais, como o de Projeto de Inovação no Open da Austrália de 2019. Segundo Herbert Campos, 16 anos, veterano do time, este ano os integrantes tiveram pouco tempo para se organizar para a disputa, mas, mesmo assim, conseguiram mostrar o suficiente para conquistar o destaque.  

“Nessa temporada, tivemos pouco tempo para preparar e traduzir toda a documentação, fazer as modificações que achávamos necessárias no robô e no projeto. Mas mandamos bem na partida e, na avaliação de sala, os juízes foram muito receptivos, conseguimos nos comunicar e passar as mensagens que queríamos”, lembra Hebert, que contou com a ajuda de outras duas premiadas. Julia Meneses, 12, e Estela Terzi, 14 foram reconhecidas por evidenciar os valores da FIRST, como trabalho em equipe, empatia e competição amigável.

Impacto da robótica

A robótica, que vem ganhando cada vez mais destaque na educação brasileira, tem grande aplicação em diversas áreas, desde a produção industrial até atividades domésticas. Desde a Primeira Revolução Industrial, robôs e outros equipamentos são utilizados para aumentar a produtividade das empresas. Agora, com o implemento do 5G e a Internet das Coisas, a robótica será ainda mais necessária, não apenas nas grandes empresas, mas também nas tarefas cotidianas.

Luiz Gabriel Vieira Costa, 21 anos, é estudante de engenharia mecânica na University of South Florida, nos Estados Unidos, e atuou como um dos juízes do mundial na FIRST LEGO League. O brasileiro conta que, quando mudou para o país norte-americano, em 2019, percebeu que os estrangeiros relacionavam muito o Brasil com o futebol, o carnaval e o samba, mas que a robótica ajudou a mudar essa percepção.

“As pessoas veem o Brasil com um país muito bom em relação à robótica, que sempre manda boas equipes e é reconhecido por levar vários prêmios para casa. É muito legal quando o Brasil se destaca nessas competições porque as pessoas começam a enxergar nosso país de outra forma, como um país que tem inovações tecnológicas, que tem muitas pessoas envolvidas nisso”, aponta Luiz.

O estudante de engenharia mecânica está envolvido no universo da robótica desde os 12 anos e, além de estudar nos Estados Unidos, abriu uma startup de educação no Brasil. Ele explica que o impacto da robótica na educação dos mais jovens é maior do que as pessoas imaginam, ultrapassando as questões técnicas, como programação, e habilidades sociais, como liderança e trabalho em equipe. 

“O que a robótica me ensinou de mais importante foi essa perspectiva de que tudo que eu aprendia dentro da sala de aula não serviria apenas para uma prova. Eu estava aprendendo aquilo para aplicar e causar um impacto na minha comunidade de alguma forma”, relata.

Luiz ainda destaca que a robótica tem o potencial de preparar os próximos profissionais brasileiros desde muito cedo, fazendo-os perceber que não é preciso esperar os anos pós-faculdade para realizar ações que causam impacto. 

“Pessoas que se envolvem com a robótica e têm essa perspectiva, entender que você pode aplicar seu conhecimento desde muito cedo, acho que isso cria pessoas muito mais preparadas para a indústria, para profissões do futuro. Vejo que as pessoas que se envolvem com robótica acabam se preparando mais para o mercado de trabalho”, aponta.

Mais experiência 

Além das duas equipes que disputaram o FIRST LEGO League Challenge, o Brasil ainda foi representado por outras duas equipes, uma na modalidade FIRST Tech Challenge (FTC) e outra na FIRST Robotics Competition (FRC). Apesar de ser a menor competição em número de equipes no mundial – a FTC tem 160 e a FRC, 450 –, a FLL é a modalidade presente no maior número de países, ou seja, com maior alcance. O Mundial tem premiação em diversas categorias técnicas e comportamentais. O prêmio principal, Champion's Award, ficou este ano com uma equipe da Espanha.

A Geartech Canaã 16054, do SESI Canaã em Goiânia (GO), e a Under Control 1156, do Marista de Novo Hamburgo (RS) participaram das modalidades FIRST Tech Challenge (FTC) e FIRST Robotics Competition (FRC), categorias que apresentam robôs maiores, com porte industrial. Ambas já participaram de mundiais anteriores e ostentam diversos prêmios internacionais, mas, desta vez, voltaram dos Estados Unidos com experiências positivas e ideias para as próximas competições.
 

Copiar o texto
Brasil 61