influenza

05/04/2022 02:51h

Campanha começou nesta segunda-feira (4)

Baixar áudio

Com um dos sistemas mais eficientes de vacinação do mundo, o Brasil começou nesta segunda-feira a campanha de vacinação contra a gripe e o sarampo. As campanhas vão até o mês de junho e pretendem atingir pouco mais de 96 milhões de pessoas. 

“Nós temos vacinas, temos uma capacidade sem precedentes de aplicar essas vacinas graças aos vacinadores que estão nas mais de 38 mil salas de vacinação do Brasil. Outro ponto é a conscientização da nossa população que busca as salas de vacina, uma vez que já pagamos um preço muito alto no passado com pessoas que morreram por doenças que seriam evitadas com campanhas de vacinação eficientes”, afirmou o ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, no evento de lançamento das campanhas que ocorreu na tarde desta segunda-feira (4).

No caso da campanha contra a gripe, são quase 78 milhões de brasileiros divididos em 16 grupos prioritários. A primeira etapa vai até o final de abril e visa imunizar os idosos com mais de 60 anos e os profissionais da área de saúde. Em maio, serão vacinadas os demais grupos como  crianças maiores de 6 meses e menores de 5 anos, grávidas, pessoas com comorbidades, professores, etc. A meta é imunizar, pelo menos, 90% desse grupo. 

A vacina contra a gripe foi adquirida por meio de um convênio com o Instituto Butantã. Foram empregados R$ 1,2 bilhões em 80 milhões de doses que possuem proteção contra três tipos virais que mais circularam em 2021: H1N1, H3N2 e Influenza B.  O diferencial neste ano é que as vacinas contra a Covid-19 e contra a gripe, podem ser ministradas simultaneamente em pessoas com mais de 12 anos. 

Saúde bucal: precisa trocar a escova de dentes após ter Covid-19?

CADERNETA DA CRIANÇA: quais novidades e como conseguir

1ª etapa - de 04/04 a 02/05

  • idosos com 60 anos ou mais;
  • trabalhadores da saúde;

2ª etapa - de 02/05 a 03/06

  • Crianças de 6 meses a menores de 5 anos de idade (4 anos, 11 meses e 29 dias);
  • Gestantes e puérperas;
  • Povos indígenas;
  • Professores;
  • Comorbidades;
  • Pessoas com deficiência permanente;
  • Forças de segurança e salvamento e Forças Armadas;
  • Caminhoneiros e trabalhadores de transporte coletivo rodoviário de passageiros urbano e de longo curso;
  • Trabalhadores portuários;
  • Funcionários do sistema prisional;
  • Adolescentes e jovens de 12 a 21 anos de idade sob medidas socioeducativas;
  • População privada de liberdade.

Sarampo

A campanha contra o sarampo pretende aplicar 18,8 milhões de doses em profissionais da saúde e crianças maiores de 6 meses e menores de 5 anos. “O grande objetivo da campanha contra o sarampo é interromper a circulação ativa do sarampo no país, minimizar a carga de doença, proteger a população, além de reduzir a sobrecarga do sistema de saúde em decorrência de mais esse agravo”, comentou o secretário de Vigilância à Saúde, Arnaldo Medeiros. 

Para a representante da Organização Pan-Americana da Saúde (OPAS) no Brasil, Socorro Gross, o país é um exemplo de eficiência na aplicação de imunizantes. Ela destacou o fato de mais de 75% da população brasileira estar imunizada, o que a encorajou a falar sem máscara, pela primeira vez desde o início da pandemia, em um evento público. “Porque um país pode ter vacina, pode ter programa, mas se a população não acredita nós não temos as coberturas que hoje o Brasil tem”, reforçou.
 

Copiar o texto
24/12/2021 12:20h

De acordo com especialista, crianças e idosos são os mais vulneráveis e podem apresentar quadros graves

Baixar áudio

O vírus da gripe Influenza A H3N2 segue se espalhando rapidamente pelo Brasil. Na última quinta-feira (23), o estado do Rio Grande do Sul confirmou a primeira morte pela variante, no município de São Francisco de Paula. Na Bahia, já são cinco óbitos e a capital Salvador está em alerta para surto. Em Pernambuco, a Secretaria Estadual de Saúde registrou mais duas mortes nesta semana.  

No Rio de Janeiro já são sete mortes causadas pelo subtipo H3N2, de acordo com a Secretaria Municipal de Saúde da Prefeitura do Rio. O estado pode ser considerado a porta de entrada da nova mutação no Brasil, segundo o pesquisador Marcelo Gomes, coordenador do InfoGripe da Fiocruz, por conta da grande movimentação nos aeroportos da capital.

“Nesse tipo de situação, as pessoas mais vulneráveis são as que estão no extremo da faixa etária, ou seja, crianças e idosos, além das pessoas imunossuprimidas, das pessoas que já tem um histórico de problemas respiratórios e de insuficiência cardíaca. A gente normalizou a gripe, mas ela é uma causa importante nas internações hospitalares e pode levar a óbito, sim”, declara Marcelo. 

Covid-19: Fiocruz lança cartilha com recomendações para diminuir a transmissão do vírus nas festas de fim de ano

H3N2: nova mutação do vírus Influenza causa surtos de gripe pelo Brasil

Os estados de São Paulo, Pará, Amazonas, Rondônia e Goiás estão em alerta por conta da alta no número de casos, apesar de ainda não terem registrado óbitos relacionados ao subtipo H3N2. 

Sintomas e vacina

Assim como ocorre com o coronavírus, o vírus H3N2 é facilmente transmitido de pessoa para pessoa, através de gotículas expelidas pela tosse, espirro ou fala. Segundo o Dr. Carlos Machado, os sintomas são semelhantes ao de uma síndrome gripal. “Os sintomas provocados são semelhantes a um quadro infeccioso viral. Então os mais comuns são febre, tosse seca, dor no corpo. Em crianças, pode dar dor de barriga e diarreia”, esclarece. 

O médico também afirma que os sintomas podem ser parecidos com os de Covid-19. Mas, no caso da influenza, eles são mais intensos nas primeiras 48 horas, enquanto que na Covid-19, eles aparecem a partir do 5º ou 6º dia. Mesmo assim, se houver dúvidas, é preciso fazer o teste para ter o diagnóstico preciso. 

As prevenções para não contrair o vírus da Influenza são as mesmas que já estamos acostumados desde o começo da pandemia de Covid-19: usar máscaras, higienizar as mãos com frequência e evitar aglomerações. Além disso, o Ministério da Saúde, através do SUS, disponibiliza gratuitamente vacinas contra a Influenza. Porém, Marcelo destaca que a nova cepa H3N2 não é compatível com as cepas presentes nesse imunizante.

“A vacina da gripe é composta por três vírus: uma cepa da Influenza A, que é H1N1; uma cepa da Influenza A, que é H3N2; e uma cepa do vírus da Influenza B. A escolha de qual cepa vai entrar na vacina é feita de acordo com o que aconteceu na temporada passada. No nosso hemisfério, é por volta de setembro que se bate o martelo para saber qual será a composição da vacina para o ano seguinte. Então, naquela época, essa variante do H3N2 não era a dominante, e não tinha indícios de que ela passaria a ser dominante agora”, explica.

Gomes acrescenta que esse não é um caso isolado, que é “da natureza da biologia” que o vírus da gripe mude de forma acelerada e que, mesmo a vacina disponível não tendo uma proteção específica contra a nova cepa, é importante se vacinar para prevenir infecções causadas pelas demais cepas.  

O Instituto Butantan, maior produtor de vacinas para a gripe do Hemisfério Sul, confirmou que já iniciou a preparação dos bancos virais para atualizar o imunizante contra a nova variante, e que as vacinas devem estar disponíveis para os brasileiros no começo de 2022.

Copiar o texto
20/04/2021 20:20h

Entre os grupos prioritários, as crianças receberam 981,9 mil doses, os trabalhadores da saúde, 259,8 mil, e as gestantes, 142,1 mil

Baixar áudio

Vacinação contra a gripe atinge 1,4 milhões de doses aplicadas desde o início da campanha nacional, que começou no dia 12 de abril. Isso representa cerca de 1,8% do público-alvo definido, que abrange 79,7 milhões de brasileiros.

A campanha é dividida em três etapas e vai até o dia 9 de julho. Até o momento, a região que mais vacinou foi o Sudeste, com 607 mil doses aplicadas. Aparecem em seguida, as regiões Sul, Nordeste, Centro-Oeste e por último a região Norte, com apenas 50 mil doses aplicadas. Entre os grupos prioritários estão as crianças, os trabalhadores da saúde e as gestantes. 

Vale ressaltar que o Ministério da Saúde não recomenda que sejam aplicadas conjuntamente as vacinas contra a covid-19 e contra a influenza. De acordo com a pasta, o aconselhável é que tenha uma diferença de pelo menos 14 dias entre uma vacina e outra.

Para mais informações sobre a campanha nacional, cronograma de vacinação e grupo prioritários, acesse o site do Ministério da Saúde.

Copiar o texto
Saúde
16/06/2020 09:25h

De acordo com o Ministério da Saúde, apenas 25,7% do público-alvo da etapa se imunizaram contra o Influenza

Baixar áudio

A baixa adesão do público-alvo da terceira e última fase da Campanha Nacional de Vacinação contra a Gripe motivou o Ministério da Saúde a adiar a ação até o dia 30 de junho. Integram essa fase pessoas com deficiência, crianças de 6 meses a menores de 6 anos, gestantes, puérperas, professores e pessoas de 55 a 59 anos de idade.

A Secretaria Estadual de Saúde de São Paulo foi além e incluiu no grupo de contemplados nesta etapa da campanha colaboradores dos Correios,  Metrô e da Companhia Paulista de Trens Metropolitanos (CPTM) e também funcionários da limpeza urbana e pessoas em situação de rua.

A terceira fase da Campanha Nacional de Vacinação contra a Gripe terminaria em 5 de junho, mas, segundo o  Ministério da Saúde, apenas  25,7% dos contemplados nessa fase se imunizaram contra o Influenza, o que motivou a pasta a adiar o fim da campanha.

Copiar o texto
Saúde
30/04/2020 04:41h

Baixar áudio

A Associação Brasileira de Medicina de Tráfego (Abramet) ressaltou a importância da inclusão dos caminhoneiros e motoristas e cobradores de transporte coletivo no calendário da Campanha Nacional de Vacinação contra a Gripe. Segundo a entidade, a medida vai proteger os trabalhadores que continuam a circular e são essenciais para manter a atividade econômica. 

A iniciativa é resultado de uma parceria entre os ministérios da Saúde e da Infraestrutura e já está beneficiando, também, os portuários. Desde o dia 16 de abril, segunda fase da campanha, os portuários se juntaram aos membros das forças de segurança e salvamento, doentes crônicos, caminhoneiros, motoristas e cobradores de transporte coletivo e população indígena.

Antônio Meira Júnior, presidente da Abramet, comemorou a inclusão dos caminhoneiros e motoristas de transporte coletivo no calendário. Inclusive, fez um apelo, para que esses trabalhadores se protejam e tomem a vacina, pois estão expostos diariamente. 

“Como os motoristas continuam ativos por todo o país prestando serviços essenciais, é importante que tomem a vacina da gripe para evitar que se contaminem com vírus Influenza. Prevenção é prioridade para o atendimento à saúde dos caminhoneiros.” 

De acordo com o Ministério da Infraestrutura, foi montado um esquema para vacinar os trabalhadores dessas categorias nas rodovias brasileiras. Estão sendo utilizados mais de 130 postos de apoio do Serviço Social do Transporte/Serviço Nacional de Aprendizagem do Transporte (Sest/Senat) instalados nas rodovias, que também distribuem produtos de higiene e alimentação a todos esses profissionais durante a pandemia do coronavírus.

Tarcísio Gomes de Freitas, ministro da Infraestrutura, destaca que a iniciativa de vacinar esses trabalhadores dá mais tranquilidade para que eles continuem a atuar na linha de frente, mantendo os serviços essenciais. 

“Nós acertamos com o Ministério da Saúde a campanha de vacinação dos caminhoneiros e dos portuários. Eles entraram na segunda fase, depois dos idosos com 60 anos ou mais e trabalhadores da saúde. Esse arranjo está feito e isso é muito importante porque garante esse conforto a mais aos profissionais.” 

A Campanha Nacional de Vacinação contra a Gripe vai até o dia 22 de maio e pretende imunizar cerca de 67 milhões de brasileiros, que compõem os grupos prioritários e mais sujeitos a complicações respiratórias pelo vírus Influenza, que causa a popular gripe. Ao todo, estados e municípios contam com mais de 41 mil postos de atendimento. 

As autoridades em Saúde destacam que a vacina não protege contra o coronavírus, mas é importante para facilitar o diagnóstico dos pacientes e evitar a sobrecarga do sistema de saúde. 

Em caso de fila, mantenha distância de pelo menos dois metros dos demais, principalmente idosos. E, para mais informações sobre a Campanha Nacional de Vacinação contra a Gripe, acesse saude.gov.br/vacinabrasil. 

Copiar o texto
Saúde
22/04/2020 17:15h

O Ministério da Saúde cumpriu a meta estipulada de vacinar pelo menos 90% dos idosos brasileiros na primeira etapa da Campanha Nacional de Vacinação contra a Gripe

Baixar áudio

O Ministério da Saúde cumpriu a meta estipulada de vacinar pelo menos 90% dos idosos brasileiros na primeira etapa da Campanha Nacional de Vacinação contra a Gripe. Além dos 20,9 milhões de idosos – 98,27% dessa população – também foram imunizados 4,2 milhões de profissionais da saúde, o que corresponde a 84,03% da meta estipulada.
 
Iniciada no dia 23 de março, a primeira etapa da campanha foi até o dia 15 de abril. Foram vacinados idosos com 60 anos ou mais e trabalhadores da saúde.
 
O médico sanitarista e pesquisador da Fiocruz, Cláudio Maierovitch, explica que a prevenção à gripe é primordial nessa época do ano, pois para determinados grupos, a doença pode ser fatal:
 
“Muita gente pensa que gripe é uma doencinha, uma coisa simples, no entanto a gripe causada pelo vírus Influenza é uma doença que, além de incomodar muito, pode ser grave. Todos os anos morre muita gente de Influenza no Brasil e no mundo. O seu risco é maior principalmente para as pessoas mais idosas e para aquelas que já têm algum tipo de doença crônica - como doenças respiratórias, cardíacas, diabetes... Então é muito importante que adotem todas as medidas que forem possíveis para se prevenir da Influenza”.
 
Desde o dia 16 de abril, está sendo realizada a segunda fase da campanha, que vai priorizar membros das forças de segurança e salvamento, doentes crônicos, caminhoneiros, motoristas e cobradores de transporte coletivo, portuários e população indígena.

Ao longo da primeira etapa de vacinação, o estoque de vacinas foi distribuído de forma escalonada. Como a campanha foi antecipada, o ministério fraciona os lotes de vacinas, que ainda estão sendo produzidas pelo Instituto Butantan. A coordenadora-geral do Programa Nacional de Imunizações do Ministério da Saúde, Francieli Fontana, explica que as suspensões temporárias estão dentro do planejamento do ministério e que não há motivo para a população se preocupar.
  
“Nós estamos fazendo a distribuição de forma escalonada, conforme as entregas que vem sendo feita pelo Instituto Butantan e, com essa distribuição, nós vamos encaminhando aos estados”.
 
A Campanha Nacional de Vacinação contra a Gripe vai até o dia 22 de maio. Ao todo, serão distribuídas 79 milhões de doses em mais de 41 mil postos de vacinação espalhados pelo Brasil. A vacina protege contra as três cepas mais comuns do vírus da gripe a A(H1N1) pdm09, A(H3N2) e Influenza B. 
 
Em caso de fila nos postos de saúde, mantenha distância de pelo menos 2 metros dos demais, principalmente os idosos. E, para mais informações sobre a campanha nacional de vacinação contra a gripe, acesse: saude.gov.br/vacinabrasil.

Copiar o texto
Saúde
06/04/2020 13:41h

Profissionais de saúde da prefeitura percorrem casa a casa para imunizar pessoas acima de 60 anos

Baixar áudio

Em Campo Grande, idosos acamados ou com dificuldade de locomoção serão vacinados contra o vírus Influenza, causador da gripe, dentro de casa. Profissionais de saúde da prefeitura percorrem casa a casa para imunizar esse público. A expectativa é que três mil idosos sejam vacinados dentro do próprio domicílio até 15 de abril, último dia da primeira fase da campanha. 

Para esta tarefa, a prefeitura da cidade conta com o apoio da Câmara Municipal de Campo Grande e do Ministério Público Estadual, que emprestaram veículos para ajudar no transporte das equipes. Para que o idoso receba a vacinação contra o Influenza em casa, é necessário que ele ou algum responsável entre em contato, por telefone, na unidade de saúde de referência da região em que mora. 

Idosos com problemas renais crônicos continuam sendo imunizados nas unidades de saúde, também com agendamento. As pessoas acima de 60 anos são vacinadas em farmácias conveniadas pela Prefeitura.

A superintendente de Vigilância em Saúde de Campo Grande, Veruska Lahdo, recomenda que os moradores de Campo Grande que querem se vacinar contra Influenza fiquem de olho nos canais de comunicação da prefeitura. “Toda informação, todos os pontos de vacinação referentes à campanha de Influenza são informados na página da Sesau: www.campogrande.gov.br/sesau. Lá tem a lista completa dos locais de vacinação das 53 farmácias e das unidades de saúde com a vacina disponível". 

Devido à grande procura, a vacina contra a gripe se esgotou no terceiro dia de campanha. Novas doses serão entregues pelo Ministério da Saúde nesta segunda semana de campanha. O Ministério da Saúde envia as vacinas de forma escalonada e cabe a cada prefeitura planejar a distribuição. 

A Campanha Nacional de Vacinação será realizada em três fases e termina em 22 de maio. A coordenadora Nacional de Imunizações do Ministério da Saúde, Francieli Fontana, tranquiliza a população de Campo Grande e garante que haverá vacina para todos os grupos prioritários.

“Todas as pessoas serão vacinadas em cada fase. As vacinas estão sendo entregues de forma escalonada, de acordo com a entrega do Instituto Butantã, que é o produtor.”

A gripe é uma infecção aguda do sistema respiratório com alto potencial de transmissão, segundo o Ministério da Saúde. Os principais sintomas da gripe são febre, dor no corpo, dor de cabeça e tosse seca.

O Ministério da Saúde alerta que, para evitar o contágio de gripe e de outras infecções, além de tomar a vacina a população deve seguir medidas simples como higienizar as mãos e manter hábitos saudáveis. Em todas as etapas da vacinação, 67 mil campo-grandenses devem ser imunizados, conforme estimativa da prefeitura da cidade.

Para mais informações sobre a campanha de vacinação contra Influenza, acesse: saude.gov.br/influenza ou ligue para a Secretaria de Saúde de Campo Grande no telefone (67) 3314-3000.

Em caso de fila, nos postos de saúde, mantenha distância de pelo menos 2 metros dos demais, principalmente os idosos.

E, para mais informações sobre a campanha nacional de vacinação contra a gripe, acesse: saude.gov.br/vacinabrasil. 

Copiar o texto
Saúde
06/04/2020 11:35h

Até 18 de abril, os soteropolitanos com mais de 60 anos ou mais vão poder se vacinar contra o vírus Influenza, causador da gripe, dentro do carro

Baixar áudio

Até 18 de abril, os soteropolitanos com mais de 60 anos ou mais vão poder se vacinar contra o vírus Influenza, causador da gripe, dentro do carro. Em Salvador, a prefeitura da cidade disponibilizou cinco pontos de vacinação com esse esquema, popularmente conhecido como drive-thru.  A vacinação dos idosos, na capital baiana, também ocorre nos tradicionais postos de vacinação e, até mesmo, em supermercados credenciados pela Prefeitura. 

A Secretaria Municipal de Saúde de Salvador afirma que a ideia de imunizar idosos dentro dos veículos foi tomada devido à alta vulnerabilidade dessas pessoas em contrair infecções, especialmente diante da pandemia do novo coronavírus. 

Doiane Lemos, subcoordenadora de Doenças Imunopreveníveis de Salvador afirma que diversificar os locais de vacinação, na capital baiana, é fundamental, pois isso facilita a mobilidade das pessoas mais velhas.


“Requer esse enfrentamento, pois há uma variação de cada território, as realidades são múltiplas, principalmente numa capital como Salvador, que exige um esforço das equipes", diz. 


A gripe é uma infecção aguda do sistema respiratório com alto potencial de transmissão, segundo o Ministério da Saúde. Os principais sintomas da infecção são febre, dor no corpo, dor de cabeça e tosse seca. O vírus é transmitido pelas secreções das vias respiratórias de uma pessoa contaminada.

A professora associada da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo, Doutora Marta Lopes, ressalta que a vacina contra o Influenza não causa gripe.

“A vacina, isso é importante a gente salientar, é composta por vírus mortos. E, além de serem vírus mortos, são vírus fracionados, você só tem pedaços do vírus na composição da vacina. Então, ela não pode causar a doença. Porque o vírus não se replica no nosso organismo", ressalta.

O Ministério da Saúde alerta que para evitar o contágio da Influenza além de vacinar, é recomendável seguir medidas simples como higienizar mãos e a manter hábitos saudáveis. 


A campanha de vacinação é dividida em três etapas e termina em 22 de maio. A meta da Secretaria Municipal de Saúde de Salvador é imunizar quase 900 mil soteropolitanos. Para evitar postos de vacinação tumultuados, a prefeitura da cidade realiza a imunização de idosos de forma escalonada, de acordo com o nascimento dessas pessoas. Para se informar sobre todos os detalhes do calendário de campanha em Salvador, ligue para (71) 3202-1024.

Em caso de fila, mantenha distância de pelo menos 2 metros dos demais, principalmente os idosos.  E, para mais informações sobre a campanha nacional de vacinação contra a gripe, acesse: saude.gov.br/vacinabrasil. Ministério da Saúde, Governo Federal. Pátria Amada, Brasil.

Copiar o texto
Saúde
24/03/2020 13:35h

Baixar áudio

A campanha de vacinação contra Influenza em Aracaju já conseguiu vacinar cerca de 92% das pessoas com 60 anos ou mais, principal público alvo da primeira fase. A meta é administrar a dose em todos os 53 mil idosos da capital, levando em conta de que é preciso cuidados especiais em plena pandemia do coronavírus. Para isso, a Secretaria de Saúde traçou diversas estratégias, entre elas a vacinação em postos itinerantes montados em praças amplas e arejadas.

Segundo Ilziney Simões, Coordenadora do Programa de Imunizações e Doenças Imunoprevisíveis da Secretaria de Saúde de Aracaju, as medidas foram suficientes para evitar aglomeração.

“Tentamos realizar estratégias fora das unidades básicas de saúde, evitar aglomerações desses idosos dentro das unidades, realizando drive thru em um shopping bastante visitado no município e uma vacinação itinerante na praça, uma praça grande, bem localizada para que os idosos pudessem se vacinar. Além das unidades de saúde estarem ofertando a vacina contra Influenza, nós também ofertamos essas estratégias fora das unidades”, disse.

Além da vacinação na Praça Zilda Arns, no último dia 7, vão ocorrer duas outras itinerantes em lugares amplos para que os idosos restantes posam tomar a dose. No dia 14 de abril, as pessoas com 60 anos ou mais poderão receber a vacina na praça localizada no final de linha do Conjunto Bugio. No dia 15 de abril, a ação acontecerá no quartel do 28º Batalhão de Caçadores.

Aracaju tem 44 salas de vacina nas unidades de saúde, funcionando das 8h às 17h. Os mais de 22 mil profissionais de saúde, também público-alvo da primeira fase da campanha, receberam as doses diretamente nas instituições de saúde, em seus postos de trabalho.

Segundo Cláudio Maierovitch, epidemiologista da Fiocruz, a gripe é uma infecção aguda do sistema respiratório e a vacinação é fundamental no combate ao Coronavírus. Ao retirá-la da triagem, os casos de Covid-19 são identificados mais rapidamente e, além disso, a vacina previne que idosos tenham o sistema respiratório sobrecarregado.

“No momento em que estamos na iminência da entrada de um outro vírus, que já está entre nós, na verdade, do alastramento de um outro vírus, que causa sintomas muito semelhantes de uma doença muito parecida (com a gripe), até mesmo para que diminua a quantidade de pessoas que estão com doença respiratória e diminua a confusão entre as doenças, é importante que as pessoas tomarem a vacina”, alerta o especialista.

A campanha de vacinação contra Influenza segue até o dia 22 de maio. No dia 16 de abril, é a vez dos professores de escolas públicas e privadas, profissionais das forças de segurança e salvamento e portadores de doenças crônicas. A partir do Dia D, marcado para 9 de maio, o público-alvo é ampliado para crianças de 6 meses a menores de 6 anos, gestantes, puérperas e adultos de 55 a 59 anos. 

O Ministério da Saúde alerta que para evitar pegar Influenza ou outras infecções, além de vacinar, a pessoa deve seguir medidas simples como higienizar mãos e a manter hábitos saudáveis. Para mais informações acesse: saude.gov.br/influenza.
 

Copiar o texto
Saúde
24/03/2020 04:00h

Baixar áudio

Este ano, o município de Vitória inovou para a realização da campanha de combate ao vírus Influenza, causador da gripe. 

As escolas municipais se transformaram em pontos de vacinação, desde a segunda-feira, 23 de março. 

Outra novidade, são os agendamentos.

A população poderá marcar a data e o horário da vacina por meio do agendamento on-line, disponível no site da Prefeitura ou do aplicativo Vitória Online. O serviço já está liberado. 

A medida é para evitar aglomerações e contaminação em ambientes de saúde, em tempos de Coronavírus, como explica a coordenadora de Vigilância Epidemiológica, Tatiane Comério. 

“Entendemos que, neste momento, precisamos de locais mais arejados, evitar aglomeração e que pessoas saudáveis que vão procurar os nossos serviços para vacinação evitem ambientes fechados. Nas Unidades Básicas de Saúde, terão pessoas aguardando atendimento por várias questões e uma delas a gente sabe que é da síndrome gripal dos resfriados que, neste momento, estão aumentando as demandas nas unidades. Então, quando a pessoa chegar à escola já vai estar agendada com o dia que escolheu e o horário que escolheu.”

Para a primeira fase da campanha contra o Influenza, o Ministério da Saúde já enviou 15 mil doses da vacina ao município, destinadas a pessoas acima de sessenta anos e a profissionais da saúde.

Serão duas semanas de intervalo entre uma fase e outra. Na segunda fase da campanha, que começa dia 16 de abril, entram os professores, profissionais das forças de segurança e salvamento, além dos doentes crônicos.

A partir de 9 de maio, Dia D de vacinação, serão vacinadas as crianças de seis meses a menores de seis anos, pessoas com mais de 55 anos, gestantes, mães de até 45 dias após o parto, população indígena e portadores de condições especiais. A campanha seguirá até o dia 23 de maio. 

O Ministério da Saúde alerta que para evitar pegar Influenza ou outras infecções, além de vacinar, a pessoa deve seguir medidas simples como higienizar mãos e a manter hábitos saudáveis. Para mais informações acesse: saude.gov.br/influenza.
 

Copiar o texto
Brasil 61