VSR é o maior causador das internações por infecções respiratórias, no Brasil Foto: Tânia Rêgo/Agência Brasil
VSR é o maior causador das internações por infecções respiratórias, no Brasil Foto: Tânia Rêgo/Agência Brasil

VSR: Fiocruz alerta para o aumento nas internações por infecções respiratórias

O Vírus Sincicial Respiratório (VSR) representa 57,8% dos casos recentes de SRAG com identificação de vírus respiratório


O Boletim InfoGripe da Fiocruz, divulgado na quinta-feira (25), mostra o aumento de internações por infecções respiratórias em todo o país, principalmente em função do Vírus Sincicial Respiratório (VSR), da influenza A e do rinovírus.

Apesar de indicar uma redução ou estabilidade em níveis relativamente baixos dependendo da região do país, a Covid-19 continua sendo a principal causa de morte por Síndrome Respiratória Aguda Grave (SRAG) entre os idosos.

O coordenador do Boletim Infogripe, Marcelo Gomes, destaca que entre as crianças de até dois anos, os casos de Covid-19 já são menos frequentes do que os causados pelo VSR. Esse vírus já responde por 57,8% do total de casos recentes de SRAG com identificação de vírus respiratório. 

“O Vírus Sincicial Respiratório interna principalmente crianças pequenas, embora também vemos em idosos um certo volume associado para internações por conta do VSR. Também observamos o risco de virar óbito em idoso, um fator importante”, aponta.

Prevenção

Gomes alerta para a relevância da vacinação, especialmente agora que a campanha contra a influenza A, o vírus da gripe, está em andamento.

Caroline Andrade, pediatra do Hospital Santa Helena de Brasília, da Rede D’Or, explica que a prevenção do VSR é semelhante às adotadas para evitar a Covid-19.

“Evitar lugares fechados e aglomerados, enviar crianças com sintomas gripais para escolas ou creches até resolução do quadro, evitar contato dessas crianças com adultos com síndrome gripal e a higienização correta das mãos e superfícies”, informa.

Aumento de SRAG

De acordo com o Boletim Infogripe, 23 estados apresentam crescimento de Síndrome Respiratória Aguda Grave (SRAG) na tendência de longo prazo.

Entre as capitais, 21 mostram indícios de aumento da síndrome, sendo elas:

  • Aracaju (SE)
  • Belém (PA)
  • Belo Horizonte (MG)
  • Plano piloto e arredores de Brasília (DF)
  • Campo Grande (MS)
  • Curitiba (PR)
  • Florianópolis (SC)
  • Fortaleza (CE)
  • Goiânia (GO)
  • João Pessoa (PB)
  • Macapá (AP)
  • Maceió (AL)
  • Manaus (AM)
  • Natal (RN)
  • Porto Alegre (RS)
  • Porto Velho (RO)
  • Recife (PE)
  • Rio Branco (AC)
  • Rio de Janeiro (RJ)
  • Salvador (BA)
  • São Paulo (SP)

Leia mais:

Dengue: Ministério da Saúde vai distribuir vacinas para mais 625 municípios

Casos de Covid-19 aumentam no Brasil; aponta Ministério da Saúde

Receba nossos conteúdos em primeira mão.

LOC.: O Boletim InfoGripe da Fiocruz, divulgado na quinta-feira, dia 25, mostra o aumento de internações por infecções respiratórias em todo o país, principalmente em função do Vírus Sincicial Respiratório, VSR, da influenza A e do rinovírus.

A Covid-19 continua sendo a principal causa de morte por Síndrome Respiratória Aguda Grave entre os idosos.

O coordenador do Boletim Infogripe, Marcelo Gomes, destaca que entre as crianças de até dois anos, os casos de Covid-19 já são menos frequentes do que os causados pelo VSR.
 

TEC./SONORA: Coordenador do Boletim Infogripe, Marcelo Gomes

“O Vírus Sincicial Respiratório interna principalmente crianças pequenas, embora também vemos em idosos um certo volume associado para internações por conta do VSR. Também observamos o risco de virar óbito em idoso, um fator importante.”


LOC.: Gomes alerta para a relevância da vacinação, especialmente agora que a campanha contra a influenza A, o vírus da gripe, está em andamento.

A pediatra Caroline Andrade explica que a prevenção do VSR é semelhante às adotadas para evitar a Covid-19.

TEC./SONORA: Caroline Andrade, pediatra do Hospital Santa Helena de Brasília, da Rede D’Or

“Evitar lugares fechados e aglomerados, enviar crianças com sintomas gripais para escolas ou creches até resolução do quadro, evitar contato dessas crianças com adultos com síndrome gripal e a higienização correta das mãos e superfícies.”


LOC.: Entre as capitais, 21 mostram indícios de aumento de Síndrome Respiratória Aguda Grave, como Porto Alegre, Porto Velho, Rio Branco, Salvador e São Paulo.

Reportagem, Nathália Guimarães