Chikungunya

06/01/2022 19:00h

Infectologistas detalham os sinais de cada doença e orientam buscar atendimento médico para fazer os exames e tratamento adequado

Baixar áudio

Febre, dores no corpo e indisposição. Esses são alguns dos sintomas mais comuns em doenças transmitidas pelo mosquito Aedes aegypti, como dengue, zika e chikungunya, e que podem ser confundidos com os sinais de infecção da nova variante do coronavírus, a Ômicron.

O entregador Maciel Ferreira de São Carlos (SP) foi infectado pela dengue. Por desconhecer os sintomas da Covid-19, pensou que pudesse estar com a arbovirose. “Eu enchi de calombo, me deu desânimo, febre. Hoje eu sei que estava com dengue, porque logo depois eu tive Covid-19, e é diferente. Mas mesmo assim, na época, eu fiquei com medo de ser coronavírus. Quando cheguei no médico, ele descartou Covid-19 na hora, porque sabia que era dengue.”

“20% dos casos de dengue podem ocorrer com sintomas respiratórios. Então pode confundir bastante com Covid-19. A dengue começa com febre, dor do corpo, dor nas articulações, dor por trás dos olhos. Já a Ômicron, como hoje temos grande parcela da população vacinada, provavelmente terá sintomas gripais mais leves”, detalha a infectologista Ana Helena Germoglio.

A infectologista e professora da Universidade de Campinas, Raquel Stucchi, esclarece que os infectados pela Ômicron apresentam quadro clínico de Covid-19, “que nas pessoas vacinadas costuma ser mais leve, com febre baixa ou mesmo sem febre, dor no corpo, dor de garganta, tosse seca, obstrução ou coriza.”

“Em todo caso, o correto é fazer os exames para ter a correta detecção e não ser pego de surpresa”, recomenda a infectologista Ana Helena Germoglio.

Segundo o sanitarista da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) de Brasília, Claudio Maierovitch, os primeiros dias são os mais difíceis para se ter um diagnóstico preciso, pois os sintomas característicos de cada doença só devem aparecer após três ou quatro dias. Ele detalha os sintomas da dengue.

“Dengue, em geral, começa com febre alta, dor de cabeça intensa, principalmente atrás dos olhos, dor no corpo e um cansaço, uma indisposição muito grande. Eventualmente pode ter manchas na pele, pode  ter algumas dores articulares. Mas o mais importante em dengue é febre, dor de cabeça, dores pelo corpo e indisposição.” 

Tanto para o tratamento da dengue, quanto para Covid-19, a infectologista Raquel Stucchi recomenda o uso de medicamentos para combater febre e demais sintomas.

“Nas duas doenças a gente faz uso de medicação comum para a febre. Na dengue é importante [fazer] uma hidratação oral muito vigorosa e ficar alerta para os sinais de alarme que são sinais de sangramento. Para a Covid-19, os sinais de alarme são principalmente a hipoxemia, que a gente controla através do oxímetro.”

Qual a diferença entre dengue, zika e chikungunya? Saiba mais sobre as doenças

Queda nos casos de dengue

Segundo a Secretaria de Vigilância em Saúde, do Ministério da Saúde, houve uma queda considerável do número total de casos prováveis de dengue entre 2020 e 2021, quando foram notificados 947.192 e 543.647 casos, respectivamente.

No entanto, alguns estados registraram alta no período, como Acre (7.457 em 2020 e 14.733 em 2021); Amazonas (5.956 em 2020 e 8.553 em 2021); Pará (3.529 em 2020 e 4.893 em 2021); Amapá (60 em 2020 e 271 em 2021); Tocantins (1.897 em 2020 e 9.983 em 2021); Piauí (2.212 em 2020 e 3.553 em 2021); Ceará (24.039 em 2020 e 36.062 em 2021); Paraíba (6.676 em 2020 e 16.096 em 2021); Pernambuco (20.013 em 2020 e 39.143 em 2021); Alagoas (2.322 em 2020 e 7.361 em 2021); Espírito Santo (7.294 em 2020 e 8.263 em 2021); Santa Catarina (11.804 em 2020 e 19.988 em 2020) e Rio Grande do Sul (3.991 em 2020 e 10.498 em 2021).

 

Casos (n) 2020

Casos (n) 2021

% Variação

Incidência (casos/100 mil hab.) 2020

Incidência (casos/100 mil hab.) 2021

Norte

23311

40780

74,94

128,21

215,69

Rondônia

3924

2220

-43,43

223,26

122,30

Acre

7457

14733

97,57

857,85

1624,59

Amazonas

5956

8553

43,60

145,96

200,30

Roraima

488

127

-73,98

84,64

19,46

Pará

3529

4893

38,65

41,45

55,75

Amapá

60

271

351,67

7,23

30,88

Tocantins

1897

9983

426,25

121,98

621,08

Nordeste

149442

133832

-10,45

263,28

232,07

Maranhão

2561

1298

-49,32

36,40

18,15

Piauí

2212

3553

60,62

67,76

108,02

Ceará

24039

36062

50,01

264,87

390,26

Rio Grande do Norte

6873

4301

-37,42

197,56

120,78

Paraíba

6676

16096

141,10

167,05

396,46

Pernambuco

20013

39143

95,59

210,75

404,59

Alagoas

2322

7361

217,01

69,88

218,73

Sergipe

1844

1285

-30,31

80,94

54,95

Bahia

82902

24733

-70,17

559,67

165,05

Sudeste

298899

194959

-34,77

340,77

217,51

Minas Gerais

81798

23396

-71,40

388,76

109,27

Espírito Santo

7294

8263

13,28

183,62

201,12

Rio de Janeiro

4431

2880

-35,00

25,82

16,49

São Paulo

205376

160420

-21,89

450,99

343,89

Sul

278882

67238

-75,89

937,29

221,16

Paraná

263087

36752

-86,03

2318,16

316,90

Santa Catarina

11804

19988

69,33

166,83

272,37

Rio Grande do Sul

3991

10498

163,04

35,23

91,55

Centro-Oeste

196658

106838

-45,67

1222,55

639,47

Mato Grosso do Sul

52009

11209

-78,45

1892,60

394,80

Mato Grosso

34817

22149

-36,38

1011,53

620,90

Goiás

62732

57715

-8,00

906,38

800,86

Distrito Federal

47100

15765

-66,53

1583,35

509,48

Brasil

947192

543647

-42,60

454,30

254,85

(Boletim Epidemiológico SVS - Semanas epidemiológicas 1 a 52)

O sanitarista da Fiocruz, Claudio Maierovitch, destaca que 2020 foi um ano de muitos casos e, por isso, não se deve relaxar com a aparente queda de contágios em 2021.

“Mesmo não tendo havido aumento de um ano para o outro, uma vez que o ano anterior foi de números altos, essa não é boa comparação. Há motivos para preocupação sim, porque as medidas de controle não têm sido adotadas. Boa parte da campanha e da atividade de combate aos vetores foi interrompida ou foi muito diminuída desde que começou a pandemia [da Covid-19]”, alerta.

Acre e estados do Centro-Oeste estão com altíssima incidência de dengue, apontam dados do Ministério da Saúde

Casos de Ômicron no Brasil

Em nota, o Ministério da Saúde (MS) informa que, até esta quarta-feira (05), foram registrados 170 casos confirmados da Ômicron no Brasil, com 518 sob investigação.

Confirmados:

  • SP: 27
  • DF: 1
  • RS: 4
  • GO: 38
  • MG: 16
  • RJ: 3
  • SC: 38
  • ES: 1
  • CE: 40
  • RN: 2

Sob investigação:

  • DF: 25
  • RS: 47
  • MG: 114
  • RJ: 309
  • SC: 23

“Cabe ressaltar que a pasta continua em constante monitoramento do quadro epidemiológico da Covid-19. Logo nos primeiros indícios sobre a chegada da Ômicron ao país, a pasta montou uma sala de situação para monitorar o cenário e avaliar os riscos para a adoção das medidas necessárias. A pasta continua trabalhando para aumentar a cobertura vacinal, aplicar a dose de reforço na população, reforçar a vigilância laboratorial e minimizar a disseminação das variantes”, afirma o MS.

Prevenção às doenças

O secretário de Vigilância em Saúde, Arnaldo Medeiros, recomenda evitar qualquer tipo de água parada em pneus, vasos de plantas e outros recipientes que permitam a reprodução do mosquito transmissor da dengue, zika e chikungunya.

“É importante lembrar de tapar os tonéis d’água, manter as calhas limpas, deixar garrafas e recipientes com a boca para baixo, limpar semanalmente e encher os pratos de vaso de plantas com areia, manter lixeiras bem tampadas, ralos limpos, com aplicação de telas, além de manter lonas para material de construção e piscinas sempre esticadas para não acumular água.”

Já a Ômicron apresenta uma maior transmissibilidade que as demais variantes do coronavírus. Segundo o infectologista do Hospital das Forças Armadas de Brasília, Hemerson Luz, mesmo pessoas assintomáticas podem passar o vírus umas para as outras. 

“Por isso, todas as medidas que evitem aglomerações e quebrar o distanciamento de segurança - além de utilizar máscara em locais fechados e higienizar as mãos constantemente - fazem parte da estratégia para enfrentar essa ameaça. A vacina é de suma importância e deve estar em dia”, orienta.

Copiar o texto
02/01/2022 15:00h

As três doenças têm em comum o mosquito transmissor: o Aedes aegypti

Baixar áudio

Embora dengue, chikungunya e zika sejam causadas pelo mesmo vetor, o mosquito Aedes aegypti, as três doenças têm suas particularidades. O sanitarista Claudio Maierovitch explica que é muito difícil diferenciá-las ainda nos primeiros dias. Mas que, com o passar do tempo, elas vão “dando a sua cara”. 

Ele diz que a dengue, com a qual o Brasil já convive há quatro décadas, em geral, começa com febre alta, dor de cabeça intensa, principalmente atrás dos olhos, dores no corpo e indisposição muito grande. “Eventualmente, pode ter manchas na pele e algumas dores articulares”, completa. 

Moradora do município de Tamboril, no interior do Ceará, a dona de casa Antonia Edilene conta que teve dengue e sofreu com a febre, dores de cabeça e muita dor no corpo. Até se recuperar da doença, levou quase um mês, ela afirma. “Eu fui ao médico várias vezes. Fiquei mais ou menos um mês doente. Ele passava remédio, eu tomava, melhorava, e logo voltava a sentir todas as dores de novo. Eu fiquei tão doente, que não tinha força para comer, nem andar. Fiquei mais de um mês deitada, não conseguia me sentar”, lembra. 

Acre e estados do Centro-Oeste estão com altíssima incidência de dengue, apontam dados do Ministério da Saúde

Ministério da Saúde destina R$ 400 mi para tratamento de pacientes com doenças renais crônicas

RETROSPECTIVA: Quanto tempo devo ficar sem ingerir álcool após tomar vacina contra Covid-19?

O sintoma mais marcante da chikungunya são as dores nas articulações, ou no termo popular “as juntas”, diz Maierovitch. “Joelho, cotovelo, tornozelo e articulações entre os dedos das mãos muitas vezes ficam inchados. Às vezes fica difícil a pessoa andar, há uma tendência da pessoa ficar curvada porque dói um pouco menos. É uma doença que, em geral, deixa a pessoa imobilizada na cama durante alguns dias e pode durar um bom tempo”, detalha. 

A infecção por zika vírus, por sua vez, costuma vir sem febre ou com febre baixa. Segundo o especialista, a principal característica são as manchas vermelhas pelo corpo, que causam coceira. “Pode também ter dores articulares, dores não tão fortes como a do chikungunya e costuma durar um tempo menor. Uns três a quatro dias com essas manchas e com coceira, e a doença já vai embora.” 

Tratamento para dengue, zika e chikungunya

É importante ficar atento ao desenvolvimento desses sintomas, pois essas doenças podem apresentar-se de forma grave. Se a febre não passar, se a pessoa tiver tonturas, falta de ar, dor na barriga ou algum tipo de sangramento deve procurar o serviço de saúde o mais rápido possível. O tratamento para essas enfermidades passa por hidratação intensa, com muita ingestão de água, e pelo uso de analgésicos, como paracetamol e dipirona.  

“É um tratamento muito acessível, muito fácil e muito seguro também, desde que a pessoa respeite as doses máximas que constam nas bulas dos medicamentos”. 

Posso passar dengue, chikungunya ou zika para alguém?

Diferentemente da Covid-19, a dengue não é transmissível de pessoa para pessoa. A forma mais comum de transmissão das três arboviroses é pela picada do mosquito Aedes aegypti. No entanto, há uma exceção, explica Claudio Maierovitch. “Pode acontecer, em especial no caso de zika, a transmissão pela via sexual.

Daí também uma razão a mais para que durante este período as pessoas se protejam para o sexo, especialmente com o uso da camisinha”, orienta. O zika vírus pode ser transmitido na gestação, da mãe para o feto, e pode causar má formações congênitas no bebê, como a microcefalia. 

Copiar o texto
Brasil 61